mais sobre mim

subscrever feeds

Segunda-feira, 23 DE Outubro DE 2017

Snooker ‒ Rocket e o Final do Open de Inglaterra

Conclui-se hoje dia 22 de Outubro a 7ª prova do circuito contando para o Ranking Mundial de Snooker: todas elas vencidas por jogadores diferentes, tal com as restantes 3 não contando para o RM ‒ logo 10 Provas e 10 Vencedores.

 

OPEN de INGLATERRA

FINAL

(22.10.2017)

RONNIE O’SULLIVAN ‒ 9

KYREN WILSON ‒ 2

 

nintchdbpict000360891737-e1508359933527.jpg

Ronnie O’Sullivan

Vencedor do English Open 2017

A sua última prova ganha e chegando à final pouco tempo antes do seu início

(tendo-se apenas esquecido da sua ferramenta o taco de bilhar)

 

Com uma vitória sem espinhas no OPEN de INGLATERRA (época de 2017), um dos maiores jogadores de sempre e certamente o mais mediático (de todos) a nível Global (pelo menos no que toca ao Mundo do Snooker) ‒ o inglês Ronald Antonio O’Sullivan, mais conhecido como RONNIE O’SULLIVAN ou então THE ROCKET ‒ mostrou a quem assistiu hoje à final da 7ª prova do Mundial de Snooker (disputada no Barnsley Metrodome) incluída no Ranking Mundial (e a 10ª desta época 2017/18), a razão pela qual aos 41 anos e depois de já ter sido 5 X Campeão do Mundo (a última das vezes em 2013) ‒ entre tantos outros títulos e outros tantos recordes ‒ ainda ser um dos melhores do Mundo tanto tecnicamente, como em estratégia de jogo e sem dúvida o melhor na velocidade (de execução) e condução duma entrada (aplicando-a e esticando-a como um verdadeiro robot, num reflexo do Snooker e do seu Jogador Perfeito).

 

ROS2-300x229.jpg

Ronnie O’Sullivan

Vencedor do UK Championship de 1993

A sua 1ª prova de Ranking ganha

Derrotando o então Campeão do Mundo (por 7 X) Stephen Hendry

 

 

Com Ronnie O’Sullivan a derrotar na final o seu compatriota Kyren Wilson (uma das promessas futuras ‒ apenas 25 anos de idade ‒ para o Snooker Mundial) por uns esclarecedores 9-2, ascendendo após esta prova (provisoriamente) a 6ºRM: o melhor lugar ocupado nos últimos anos pelo jogador inglês (e Penta Campeão do Mundo). Depois do 147 do chinês Liang Wenbo (ganhando pela tacada máxima realizada 40.000£) ‒ além de anterior detentor do troféu e amigo de Ronnie ‒ e da surpreendente presença nas Meias-Finais do suíço Alezander Ursenbacher (a 1ª MF atingida por este jovem de 21 anos filho de mãe madeirense e falando português), sendo indubitavelmente o REBRESSO de ROCKET a grande notícia, tanto para ele como para a ainda maior promoção e expansão da modalidade (do SNOOKER): quem não gostaria de ter ainda no ativo e na sua plena capacidade física, mental e técnica (e sendo ainda rebelde diminuindo-lhe efetivamente a idade, tornando-se desde logo mediático ‒ veja-se o caso das sapatilhas e da invasão do recinto por uma jovem servindo-se do seu taco) uma LENDA AINDA VIVA e ainda por cima a ganhar (convincentemente).

 

Com os jogadores a usufruírem agora de uma interrupção de uma semana até à realização da 8ª prova da época a contar para o RM de SNOOKER com a disputa na cidade de Daquing na China do INTERNATIONAL CHAMPIONSHIP (e já disputada a Qualificação/incompleta com 72 jogadores ainda em prova ‒ 54 já apurados para a 1ª Ronda e outros 16 a lutarem pelos restantes 8 lugares). E com o detentor do troféu a ser nada mais nada menos que o inglês Mark Selby (Campeão do Mundo e Líder do RM mas esta época ainda não tendo encontrado o seu caminho).

 

(imagens: GETTY e prosnookerblog.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:43
Segunda-feira, 23 DE Outubro DE 2017

A Segunda lua da Terra

Segundo a NASA com o objeto (asteroide) orbitando a Terra há cerca de um século e muito provavelmente mantendo-se nas redondezas por mais uns quantos séculos ‒ daí e ao contrário de outros podendo ser considerado a Lua 2.

 

earth1gif 2.gif

A terra e a sua lua temporária 2016 HO3

(ilustração)

 

Avistado pela 1ª vez em 27 de Abril de 2016 pelo telescópio PAN-STARRS 1 instalado no HAWAII (um dos 50 estados norte-americanos e numa iniciativa da NASA), o asteroide 2016 HO3 de dimensões entre 40/199 metros e tendo um período orbital de 365,9 dias (tempo gasto no seu movimento de translação em volta do Sol e acompanhando nesse trajeto o nosso planeta) ‒ tempo ligeiramente superior ao da Terra de 365,2 dias ‒ é hoje já considerado como o segundo objeto natural orbitando a Terra (no seu próprio movimento de translação em volta do Sol), fazendo-o a uma distância entre 14/40 milhões de quilómetros (mínima/máxima) e podendo ser designado como uma 2ª Lua (mais distante e mais pequena): tal como a Lua movimentando-se em torno do Sol e nessa sua deslocação (em torno da mesma estrela de referência) circulando simultaneamente em torno da Terra (no caso desta 2º lua girando em torno do seu eixo 2 vezes/hora e refletindo a luz do Sol tal como se fosse um asteroide).

 

Com outro potencial satélite (natural) orbitando o planeta Terra a ser o também asteroide 2003 YN 107, durante uma década orbitando o planeta mas acabando por abandonar as proximidades e desaparecer.

 

NewMoonHeader_1024.jpg

Órbita do asteroide 2016 HO3

(a 2ª Lua da Terra)

 

Uma Segunda Lua muito mais distante (no seu ponto de maior aproximação estando cerca de 30 X mais distante que a Lua) e muito mais pequena (d Lua ≈ 35.000 d Asteroide) do que até agora única e original (daí a dificuldade na sua observação) ‒ a nossa LUA ‒ entre muitos dos outros candidatos (uma meia-dúzia) a potenciais satélites (naturais e da Terra) e com alguns deles já tendo mesmo partido (deixando a região envolvendo a Terra e deslocando-se para outras paragens), sendo a única resistente (por ser mais facilmente observada e reconfirmada) a manter-se como tal: e depois da Lua gigante sendo esta a Lua anã. Podendo tratar-se apenas de mais um pequeno fragmento capturado (temporariamente) pela Terra e tal como muitos outros mais tarde ou mais cedo a serem novamente perturbados (por ação de outras forças exteriores na altura sobrepondo-se às até aí existentes), deixando a nossa zona e partindo para de onde vieram, para outro lado qualquer ou apenas aniquilando-se (contra o Sol ou outro objeto qualquer ou até mesmo desintegrando-se): mas para a nossa felicidade (existe outra Lua para além da Lua, Outro Mundo para Além do Mundo) e aumento no catálogo (quantos mais territórios disponíveis melhor, mesmo que não sirvam para nada), agora com mais um (elemento) e aumentando a Família (não estando assim tão sozinhos e abandonados no Cosmos, rodeados como estamos por tantos artefactos tão próximos e semelhantes para o nosso conforto), nem que apenas de forma (decorativa) e limitando-se a (meros) objetos.

 

(imagens: inverse.com/physics-astronomy.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:37
Segunda-feira, 23 DE Outubro DE 2017

Eclipse do Sol

Segundo alguns cientistas há uns 4/5 biliões de anos com Júpiter a poder ter entrado no nosso Sistema ainda em formação dirigindo-se para o Sol, atravessando-o (o Sistema Solar), levando material atrás de si (passando pela região hoje ocupada por Marte) e fixando-se na orbita atual devido à força gravitacional exercida por outros planetas gigantes como o poderia ser Saturno. Sendo a única questão (sem resposta e suscitando dúvidas) a existência de Marte e de como este poderia ter resistido (na altura e comparativamente sendo tão pequeno) à passagem/presença do Gigante (tão perto).

 

A Cerca de Mil Milhões de Km de Nós

 

PIA21969.jpg

Alvo Júpiter ‒ Sonda Juno ‒ PIA 21969

(Setembro 2017)

Sobre a superfície de Júpiter a sombra da sua lua Amalteia

 

Nesta imagem capturada no passado dia 1 de Setembro de 2017 por uma câmara instalada na sonda automática JUNO (em órbita do planeta JÚPITER desde 5 de Julho de 2016), podemos observar a uma distância próxima dos 922 milhões de Km (distância Terra/Júpiter em Setembro deste ano), um fenómeno já por nós conhecido mas nesse caso intervindo o SOL, a TERRA e a LUA (com a Terra a cerca de 150 milhões de Km do Sol): no caso do planeta situado a cerca de 6 UA da Terra, contando com a presença do SOL (a estrela de referência), de JÚPITER (em vez da Terra) e da sua lua AMALTEIA (em vez da nossa LUA).

 

No caso da lua de Júpiter AMALTEIA (uma das suas 69 luas conhecidas) sendo o 5º maior satélite natural (Regular) orbitando o planeta e simultaneamente pertencendo aos Satélites Interiores (orbitando muito próximo de Júpiter), com uma dimensão aproximada de 190Km, uma massa de 208x10↑16Kg e um período orbital de quase 12 horas (e sendo a 3ª lua mais próxima de Júpiter): segundo os cientistas com esta lua a ser uma das fornecedoras de material para a constituição dos anéis do Gigante Gasoso (assim como todas as outras luas interiores), num calhau cheio de crateras e de montanhas viajando em torno do planeta a uma V = 26,6Km/s e apresentando temperaturas (médias) na ordem dos 150⁰C negativos.

 

No dia 1 de Setembro de 2017 e (por acaso) com a sonda automática CASSINI ainda ativa e circulando nas proximidades do outro Gigante Gasoso (o 2º em dimensão SATURNO) ‒ duas semanas depois a 15 de Setembro cometendo suicídio, desintegrando-se ao entrar na camada atmosférica rodeando o planeta ‒ com as câmaras a registarem sobre a superfície de Júpiter a deslocação da sombra provocada pela passagem entre os raios luminosos oriundos do Sol da lua Amalteia (na sua rotação em torno de Júpiter), interpondo-se entre a Estrela e o Planeta e provocando neste e numa estreita faixa a ocorrência de um Eclipse Solar: para os Jupiterianos (caso existam e seja sob que forma for) num fenómeno muito semelhante ao ocorrido recentemente (na Terra) numa faixa estreita do território norte-americano.

 

Um registo fotográfico enviado por uma sonda automática colocada a mais de 900 milhões de Km da Terra (sonda JUNO) ‒ e tomando como referência a velocidade máxima atingida pela sonda (uns 40Km/s), tratando-se de uma nave tripulada, demorando uns 270 dias a lá chegar (em linha reta) ‒ recebido e editado pela NASA e posteriormente processado (antes da sua chegada ao público em geral) num outro ponto intermédio (de modo a realçar alguns detalhes) por um cidadão-cientista neste caso Gerald Eichstädt. Segundo os responsáveis da missão (Juno) uma imagem obtida aquando da 8ª aproximação da sonda automática ao planeta Gigante Júpiter (o maior do Sistema Solar e o mais poderoso nas suas interferências geomagnéticas dos seus intensos e extremos campos/forças gravitacionais) e quando a mesma se localizava a (apenas) 3.858Km do topo da espessa camada de nuvens envolvendo todo o planeta (suposto ser maioritariamente gasoso).

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:32
Sábado, 21 DE Outubro DE 2017

Snooker ‒ Englsih Open 2017 ‒ Final

RONNIE O’SULLIVAN ‒ KYREN WILSON

 

ronniekyrenesfilming-3-11-2015.jpg

Ronnie O’Sullivan e Kyren Wilson

(em 2015 filmando no clube Barratts de Kyren Wilson)

 

Resultados dos Quartos-de-Final do OPEN de INGLATERRA:

 

Jogo

J

N

F

J

N

QF 1

Alexander

Ursenbacher

SUI

5-0

Michael

White

GAL

QF 2

Kyren

Wilson

ING

5-3

Hossein

Vafaei

IRA

QF 3

Anthony

McGill

ESC

5-3

Neil

Robertson

AUS

QF 4

Ronnie

O’Sullivan

ING

5-2

Jack

Lisovski

ING

(J: Jogador N: Nacionalidade F: Frame QF: Quartos-de-Final)

 

Resultados das Meias-Finais:

 

Jogo

J

N

F

J

N

MF 1

 

Kyren

Wilson

ING

6-3

Alexander

Ursenbacher

SUI

MF 2

 

Ronnie

O’Sullivan

ING

6-4

Anthony

McGill

ESC

(MF: Meia-Final)

 

2190951-45776350-2560-1440.jpg

O suíço Alexander Ursenbacher

(A revelação do Open de Inglaterra 2017)

 

Quadro da Final:

 

J

 

RONNIE

O’SULLIVAN

ING

9

VS.

KYREN

WILSON

ING

12

J

Fase

J

N

RM

F

J

N

RM

F

1ªR

 

Zhang

Anda

CHI

67

4-1

Rod Lawler

ING

122

4-3

2ªR

 

Mark

Davis

ING

36

4-1

Mike Dunn

ING

44

4-0

3ºR

 

Zhang

Yong

CHI

100

4-1

Thor Chuan Leong

MAL

87

4-1

4ºR

 

John Higgins

ESC

4

4-3

Xiao Guodong

CHI

34

4-0

QF

 

Jack

Lisovski

ING

50

5-2

Hossein Vafaei

IRA

48

5-3

MF

 

Anthony

McGill

ESC

16

5-3

Alexander Ursenbacher

SUI

75

5-3

(RM: Ranking Mundial/provisório após as MF R: Ronda F: Final)

 

Com a Final a decorrer este Domingo (22) em duas sessões (14h/20h) e à melhor de 17 frames (o 1º a ganhar 9 vence o troféu) ‒ e com o vencedor a ganhar 70.000£ (o derrotado 30.000£).

 

(imagens: ronnieo147.com/eurosport.de)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:36
Sexta-feira, 20 DE Outubro DE 2017

Faro a 16 de Outubro

[E há mais de 100 horas atrás]

 

Hoje sexta-feira (20) e prestes a entrarmos em mais um fim-de-semana, com o tempo ‒ em Albufeira ‒ a continuar a prometer chuva (às 15 horas com 24⁰C de temperatura e céu parcialmente nebulado) mas com as previsões a apontarem para os próximos 7 dias (segundo o IPMA) temperaturas entre 12⁰C/16⁰C (mínimas) e 25⁰C/27⁰C (máximas) com céu pouco nublado e provavelmente sem precipitação (0 A 2%).

 

1.jpg

O Céu sobre Faro

Prometendo chuva para esta semana

 

Neste início de semana de um mês de Outubro sem chuva de tempo ameno e seco ‒ e deslocando-me de Albufeira (de carro) em direção ao centro de Faro ‒ pude facilmente constatar o trânsito moderado na estrada (EN 125 por volta das 15 horas) e o céu um pouco encoberto (com nuvens cinzentas tapando o Sol), no meu trajeto a cumprir até chegar ao destino (de ida) e então aí aguardar: durante cerca de meia hora (ou mais) ficando a olhar para o céu (a mexer-se), a contar passarinhos (não vi nenhum), a ver se entretanto chovia (e o tempo mudava) e no meio (sem saber como) enrolando papeis (e metendo-os numa garrafa): então o telemóvel tocou, estabeleci logo ligação e aí uma voz disse (vinda do outro lado) “OK já podes arrancar”. Dei a volta ao Hospital (de Faro), recolhi o utente (feminino) e arranquei para o exterior: por volta das 16:00 já circulava na estrada a caminho do Patacão. O céu lá continuava cinzento, não deixando ver o Sol (por vezes ele espreitava), em terra com estufas à direita (não se percebendo de quê) e à esquerda aves metálicas (em redor do aeroporto para lá de Montenegro).

 

2.jpg

A Cidade de Faro

Prometendo um refúgio limitado

 

Durante a meia hora de permanência em Faro no interior do automóvel e aguardando pela chamada, observando os prenúncios da chegada (em breve) da chuva, a cor cada vez mais cinzenta do dia (devido à cobertura crescente de nuvens) e a tristeza de um sistema cada vez mais despido de vegetação (urbano e entendido basicamente como um dormitório) ‒ anteriormente solo agrícola e fértil agora asfixiado sob toneladas de asfalto e de betão, o fruto dourado/proibido ‒ e com cogumelos artificiais erguendo-se por todo o lado e sempre em direção ao Céu: à volta deles vivendo as pessoas (com mais sorte e ligadas aos Serviços) sem liberdade mas talvez protegidas (rezando aos céus mas protegidas dos fogos/pelo menos exteriores) e mesmo que estáticas ou pelo contrário dinâmicas, cumprindo todos os dias o pré-estabelecido. Basicamente com toda a população da Região Algarvia ‒ menos de 500.000 residentes (e servindo de isco ou de chamariz para todos aqueles que foram empurrados para a Hotelaria/Restauração transformando este país num enorme RESORT ‒  como se não existisse futuro noutras áreas como as das ciências e das tecnologia seja no sector intelectual como manual ‒ e assim condicionando as opções dos mais jovens) ‒ a ter como única perspetiva Futura (de vida e de profissão para si e seus descendentes) ser um TURISTA ou então (à falta de outra opção) trabalhar apenas para eles. Nada que nos espante já que uma das permissas para a entrada de Portugal na CEE (no ano de 1986) ‒ pelo qual o PS lutou (Mário Soares), o CDS esteve contra e o PSD disse sim logo seguido de “Venha a Nós o Dinheirinho” (com o Homem do Leme a ser Cavaco Silva) ‒ seria o de se transformar numa grande Pousada (turística e também para idosos/reformados), carregadinha de árvores (para a produção da pasta de papel) e tendo ainda a opção da criação de cabeças de gado (e de outros animais como os de aviário ou de viveiro) ‒ tudo sendo dirigido para na concretização efetiva do nosso Grande Desígnio (Português e Europeu), trabalharmos para um TRUMP mas aqui sendo Europeu. E no caso do Algarve sendo mais preocupante (uma possível mudança de Desígnio), face ao perigo vindo do Mar e das suas Plataformas (de petróleo e de gás natural).

 

IMG ALB.jpg

Albufeira

No centro da Região do Algarve

 

De regresso à cidade de Albufeira e aí chegado pelas 17 horas, o resto do dia decorreu normalmente (de acordo com um quotidiano repetitivo e sem grandes percalços), com a execução das tarefas habituais (e mais comuns) para esse período (final) do dia ‒ e seguindo-se a noite e o seu precioso (e delicado) silêncio: onde isolados do ruído do dia e sendo capazes de nos abstrair de todas as interferências subliminares oriundas do exterior (como as saídas, por vezes ininterruptamente, da nossa TV) ‒ um ruído de menor frequência no entanto mais intrusivo e ensurdecedor dada a sua intensidade/característica manipuladora ‒ nos possamos libertar de todos os limites (entrando sem pressões indevidas, no nosso Imaginário), tentando descobrir quais as nossas verdadeiras fronteiras tanto físicas como mentais. Nesta sexta-feira (já dia 20 sexta-feira e com a noite a caminho) por aqui como por perto, com uma reunião do Governo português (extraordinária) a estar marcada para sábado e tendo como pano de fundo um cortejo (trágico) de mais de 100 mortos ‒ com uns estando contra, outos a favor, outros nem se pronunciando e no entanto sendo todos culpados (incluindo nós e tendo no topo a hipocrisia todos os nossos políticos, tendo já tido responsabilidades governamentais e no entanto nada tendo feito) ‒ esperando-se que daí saia uma resposta IMEDIATA e um pagamento de Indeminizações como a concretizada em Espanha devido aos incêndios na Galiza (também com vítimas mortais e grandes danos materiais), comparando estas vítimas às vítimas do terrorismo; e na Península Ibérica com o agravamento da crise entre o Governo de Espanha e a Região Autónoma da Catalunha ‒ arriscando-se esta à perda do seu Estatuto (pelo menos temporariamente), a algumas prisões inevitáveis (de independentistas incluindo membros do Governo Regional) e a convocação de novas eleições ‒ prevendo-se a ocorrência de mais incidentes entre as várias fações em luta, tanto na Catalunha como em todo o resto de Espanha (e em todas as suas regiões autónomas conforme a sua posição e interesse). Certamente mau para Espanha e no caso de Barcelona podendo beneficiar (turisticamente) indiretamente o Algarve (e a sua taxa de ocupação) ‒ já que “O Mal para Uns pode ser o Bem para Outros”.

 

(imagens: PA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:52
Sexta-feira, 20 DE Outubro DE 2017

Snooker ‒ Open de Inglaterra 2017 (QF)

Apurados para as Meias-Finais:

Ronnie O´Sullivan, Kyren Wilson, Anthony McGill e Alexander Ursenbacher

(este ultimo um jovem suíço, filho de mãe madeirense)

 

Com 131 jogadores inscritos na 7ª prova (do circuito época 2017/18) contando para o Ranking Mundial de Snooker e concluídas as suas 4 primeiras rondas (Pré-Qualificação com 6 jogadores, 1ª Ronda com 128, 2ª Ronda com 64, 3ª Ronda com 32 e 4ª Ronda com 16), iniciou-se esta sexta-feira a 2ª fase da prova com a disputa dos Quartos-de-Final.

 

image 2.jpgimage.jpg

Ronnie O’Sullivan e Anthony McGill

(MF 1)

 

E se na 1ª/2ª Rondas já se tinham registado algumas surpresas com as eliminações de Marco Fu (CHI), Ryan Day (GAL), Stephen Maguire (ESC) e Mark King (ING) ‒ na 1ªR ‒ e Ding Junhui (CHI), Mark Allen (ING) e Barry Hawkins (ING) ‒ na 2ªR ‒  na 3ª/4ª Rondas completou-se esse leque de surpresas com o afastamento adicional de Liang Wenbo (CHI), Mark Williams (GAL), Stuart Bingham (ING) e Mark Selby ‒ na 3ªR ‒  e Judd Trump (ING), John Higgins (ESC) e Shaun Murphy (ING) ‒ na 4ªR.

 

Chegados aos Quartos-de-Final do OPEN de INGLATERRA e com 8 jogadores ainda em prova restando apenas 4 do TOP 20 ‒ NEIL ROBERTSON (AUS), RONNIE O´SULLIVAN (ING), KYREN WILSON (ING) e ANTHONY McGILL (ESC) ‒  1 outro bem colocado (no RM) MICHAEL WHITE (GAL) e ainda as 3 grandes surpresas JACK LISOBSKY (ING), HOSSEIN VAFAEI (IRA) e ALEXANDER URSENBACHER (SUI).

 

PA-30843348.jpg37203157291_4b0e6fa900_b-1024x576.jpg

Kyren Wilson e Alexander Ursenbacher

(MF 2)

 

E à entrada dos Quartos-de-Final com os pontos de maior destaque a serem sem dúvida as eliminações de Liang Wenbo/CHI (detentor do troféu), de Mark Selby/ING (Campeão do Mundo e Líder do RM) e de Judd Trump/ING recente vencedor do Masters Europeu (realizado na Bélgica). E com as surpresas (pela positiva) a serem sem dúvidas dirigidas ao iraniano Hossein Vafaei e sobretudo ao suíço Alexander Ursenbacher.

 

Salvando-se nesta desgraça atingindo pesadamente os jogadores integrando o TOP 10 (atualizado) o australiano Neil Robertson (8ºRM) e o inglês Ronnie O´Sullivan (10ºRM) ‒ e ainda como prémio de consolação para Liang Wenbo os seus 147 pontos numa só tacada (habilitando-o a um prémio extra de 40.000£). E para os Quartos-de-Final realizados esta sexta-feira (dia 20) apurando os 4 semifinalistas ‒ tendo-se verificado os seguintes resultados:

 

Jogo

J

N

RM

F

J

N

RM

QF1

Anthony

McGill

ESC

16

5-3

Neil Robertson

AUS

8

QF2

Ronnie

O’Sullivan

ING

10

5-2

Jack

Lisovski

ING

50

QF3

Alexander Ursenbacher

SUI

75

5-0

Michael White

GAL

27

QF4

Kyren

Wilson

ING

13

5-3

Hossein

Vafaei

IRA

48

(J: Jogador N:Nacionalidade RM: Ranking Mundial/no final dos QF F: Frames)

 

Com os 4 apurados nos QF a disputarem este sábado (dia 21) as Meias-Finais (QF1XQF2 e QF3XQF4) e com o favorito (em função do RM e do seu desempenho nesta prova) a poder vir mais previsivelmente dos 2 primeiros QF (QF1 E QF2) ‒ numa grande hipótese para o inglês Ronnie O’Sullivan confirmar os seus já vastos pergaminhos (5XCampeão do Mundo) e de se estrear esta época (2017/18) a ganhar uma grande prova do circuito (contando para o RM).

 

(imagens: ronnieo147.com/scotsman.com/thesportsman.com/worldsnooker.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:34
Quarta-feira, 18 DE Outubro DE 2017

Impacto no Portugal Profundo (e sem resposta)

Incêndio de Pedrogão + Incêndio do Pior Dia do Ano > 100 Mortos

(num curto período de apenas 4 meses)

 

Num momento em que o número de vítimas mortais certamente ultrapassará as 100 pessoas e nem querendo pensar na Catástrofe Ambiental com o certo desaparecimento de muitos Ecossistemas (por mais pequenos que sejam sempre fundamentais, até pela diversidade e manutenção de equilíbrios).

 

Uns dizendo ser Natural outros do tipo Artificial

 

1.jpg

 

Vivo num país que posto perante uma verdadeira carnificina (veja-se a área ardida, o tipo de população aí residente e os combustíveis altamente inflamáveis colocados em seu redor) mantem a sua inadmissível indiferença de modo a assim proteger mesmo que para além do limite (a linha vermelha de sangue) o seu quotidiano monótono sustentado numa mera remuneração unicamente para sobreviver (desde a base até ao topo): um povo trabalhador dirigido por Analfabetos (por diversos esquemas aceites, equiparados a doutores) e por essa mesma razão mentalmente desfalcados (sem cultura e sem memória e dispondo de pouco tempo) ‒ Trabalhar, Comer, Dormir e no meio Procriar ‒ e sem força (psíquica) para se opor à violência (física), instalada em todo o lado (no Espaço) e a qualquer momento exercida (no Tempo) apenas aplicando a Lei escrita por eruditos: para se manterem no poder sabendo não ser necessário demonstrar competência (mas certificação curricular), mas no meio da catástrofe e de maior incompetência (estando tudo preparado, mas terminando num caos) deixando a violência avançar (certamente por travagem mental, ao contrário sendo um crime, no mínimo na escala moral), a incerteza pairar (face a mais uma paulada levada, com gente ainda mais traumatizada) e o esquecimento prevalecer (assim se mantendo o Poder). Lavando-lhes a alma (cada vez com mais pecados numa fila sem fim), dando tempo para os cadáveres (para contar e para esconder, estudar e fortalecer) e para confortar o Povo (banalizando as mortes tal como o faz com os Direitos do Homem), assim seguindo em frente Marchando contra os Canhões (neste caso contra os Incêndios e numa Guerra Total).

 

2.jpg

 

Mas como ainda existem pessoas com alguma cultura e memória (mesmo que desmotivados pelo branqueamento dos novos escrivas, certificando a História Oficial e transformando-a em historinhas com dinheiro, mulheres e muitos tiros) passando parcialmente incólumes pelos filtros do Poder (apesar de uma forma ou de outra, sendo marginalizados e como tal penalizados) ‒ praticamente impossível dada a (altíssima) toxicidade ambiente (convenientemente embrulhada com o apoio dos Média e em forma de laço decorando o embrulho) ‒ estando ainda em aberto um vasto espaço reflexivo (algo se encontrando neste oceano de 7,5 biliões de Almas) onde possamos pensar e daí tirar ilações (se possível levando a conclusões). Numa História que nos poderá recolocar não num tempo (curto para nomear responsáveis e deixando tudo na mesma) antecedendo o Evento ‒ unicamente servindo para a proteção e salvaguarda do Sistema ‒ mas nas verdadeiras Origens e nas Causas dessas Raízes (permitindo a eclosão do Evento), em vez de enriquecer o Sistema enchendo-o de Ervas Daninhas: em Portugal bastando recuar (até para melhor compreender as últimas gerações) pelo menos uns Cem Anos (rigorosamente 107) para em 2017 chegarmos finalmente a Outubro (já com pelo menos 100 mortos, a uma média de 25/mês) e assim à 2ª Fase de um mesmo (e atrás referido) Evento.

 

3.jpg

 

Tomando-se como referência o Dia da Implantação da Republica (5 de Outubro de 1910), estendendo-se no tempo e passando pelo Golpe ditatorial do 28 de Maio (de 1926) ‒ colocando Salazar no poder por cerca de 40 anos ‒ atravessando toda a Revolução antes/durante/depois (de 25 de Abril de 1974) e antes de chegar ao Evento (mortal) do ano 2017 jamais esquecendo o Marco Histórico (por Formativo, de uma Geração sem culpa, mas rasca e no poder) da Chegada do Dinheiro: no dia 12 de Junho de 1985 com o 1º Ministro de Portugal Mário Soares a assinar o Tratado de Adesão de Portugal à CEE (com muita oposição política, vinda da esquerda como vinda da direita) ‒ com o país por essa altura a atravessar uma grave crise económico/política com causas internas como também externas (daí a urgência na ação do socialista Mário Soares) ‒ e como consequência nas eleições seguintes perdendo a maioria e entregando-a (verdadeiramente de mão beijada e hoje constatando-se Infelizmente) a Cavaco Silva. De todos os políticos atravessando os séculos XX/XXI e a partir daí tentando-se descobrir o Novo Monarca do Século (Atravessando Regimes Republicanos num nº máximo de anos) ‒ numa tentativa de reflexo do ícone (de alguns ou de muitos) Salazar ‒ tendo logo e em 1º (36 anos no Poder como 1º Ministro) António de Oliveira Salazar e indubitavelmente em 2º (20 anos no Poder como 1º Ministro ou Presidente da Republica) Aníbal Cavaco Silva (e só depois surgindo o promotor da entrada Europeia o 1º Ministro socialista de nome Mário Soares ‒ 15 anos no Poder como 1º Ministro ou Presidente da Republica); e já agora adicionando ainda Américo Tomás (um indivíduo de baixo perfil passando despercebido) o Presidente de Salazar e de Marcelo Caetano (16 anos no poder como Presidente da Republica e peça decorativa).

 

4.jpg

 

E depois de quase meio século de ditadura (com Oliveira Salazar) e de mais de uma década para entrar na Europa (com Mário Soares) só faltando mesmo apanhar (aparentemente e não para todos) mais vinte anos de bolsos cheios (acompanhados de cabeças vazias, entre escravos e leigos e com os bancos a pôr/dispor) preparando a Tormenta pós-Aníbal Cavaco Silva (o que se viu e o que se vê especialmente a nível político desde a base até ao topo): num tempo após a Bomba (guiada pelo Homem do Leme) mas morrendo-se das radiações (e com o artefacto afastado há já quase 20 meses). Hoje com Marcelo e Costa e o país menos inclinado (e já depois de levar com um triplo torpedo ‒ Barroso, Sócrates e Coelho) ‒ e estando entre 2011/2015 mesmo à beira do abismo ‒ chegando o Tempo dos Incêndios na Era da Geringonça com um Ministro em questão (MAI/Constança Urbano de Sousa/50 anos e nascida em Coimbra) e outros pedindo a demissão (sobretudo a oposição PSD/CDS mas também o BE): como se o problema fosse apenas de Um (a Ministra), mesmo sem plano de ação (por não ser prioritário) e sem conjugação de saberes (com a presença de eruditos mas sempre apoiando os Bombeiros). Constança Urbano de Sousa (especializada em direito e nomeada pelo 1º Ministro para o MAI em 26.11.2015) tendo à sua guarda os assuntos Internos assim como (direta/indiretamente tanto faz, mas integrando a cadeia) os Incêndios, a Proteção Civil e os Bombeiros.

 

“Para mim seria mais fácil pessoalmente ir-me embora e ter as férias que não tive, mas agora não é altura de demissões”.

 

“Não é nos momentos mais difíceis que as pessoas abandonam o barco. Não, não ia resolver o problema. O que precisamos de ter aqui são ações”.

 

“Quero deixar um apelo às pessoas para que adequem os seus comportamentos às situações que se estão a viver. Têm de colaborar com as autoridades e obedecer às ordens”.

 

(Constança Urbano de Sousa/observador.pt)

 

Incêndio

Local

Nº mortos

Nº feridos

Área ardida

Danos materiais

17 Junho 2017

Em redor Pedrogão Grande

(Leiria)

64

254

53.000ha

500/48/372 Casas/empresas/postos trabalho afetados; 500 milhões de prejuízos

15 Outubro 2017

Viseu, Coimbra, Guarda,

C. Branco

41

71

54.000ha

(só no dia 15)

Ainda s/dados confirmados (238 casas destruídas só em Pampilhosa da Serra)

Total

2 Eventos

105

325

107.000

(Em Atualização)

Quadro dos incêndios de Pedrogão Grande (1º Evento) e do Pior Dia do ano (2º Evento)

Valores aproximados/em atualização (17/10)

 

5.jpg

 

No dia 15 de Outubro de 2017 (um Domingo) confirmando-se o cenário já por muitos previsto (que não do Governo, das Autarquias, da Proteção Civil e dos carreiristas políticos) e devido ao tempo seco (devido a uma seca prolongada provocada pela falta de chuva), à vegetação em ponto de rebuçado (cobrindo o solo com um espesso manto sem qualquer humidade e pronto a arder) e à escassez de acessos (muitos deles por limpar e intransitáveis), com populações (aí instaladas) isoladas e de pouca densidade (espalhadas por montes e vales) ‒ e inexistentes sistemas de proteção e de segurança (das populações) ‒ repetindo-se um trágico Evento de proporções idênticas (senão pior) ao anterior, ocorrido há 4 meses em torno de Pedrogão Grande. E só a 17 de Outubro perante esta nova tragédia (não só pela mesma e pelas vítimas, como pela ausência criminosa de meios ‒ para combater os incêndios ‒ lançando populações inteiras para o interior de uma enorme Fogueira), com a presença do Presidente e face às palavras de uma presente (exigindo a demissão imediata da Ministra), se demitindo Constança (a até aí líder do MAI) por iniciativa própria e mensagem (pondo Costa também a arder) e aceite por Costa sob ultimato de Marcelo (apoiado pelas palavras duras, da senhora a ele abraçada ‒ num pedido irrecusável transmitido ao subalterno). Um exemplo de como um individuo (pelo menos sendo pratica comum e generalizada no esquema político-administrativo atualmente em vigor em Portugal) completamente desenquadrado da área sobretudo em compreensão (sendo-lhe atribuído um lugar apenas por mera nomeação superior), ocupa um cargo de Alta Responsabilidade, sem no mínimo saber algo, como por exemplo o que fazer (para além de ser um Ministro em clara autogestão, deixando-se levar pela corrente desta vez forte de mais e no final engolindo-o e só então desaparecendo). Um responsável que já há um ano dizia que já estava tudo pronto (e preparado para os Incêndios), reafirmando-o em 2017 antes do início da época (dos Fogos) e repentinamente (já com todos a clamar por reforços, investigações à Proteção Civil/e à sua ação e apoio aos desprezados Bombeiros/a única força real) sendo apanhado por um Fogo e logo depois por um outro (à segunda não sendo certamente surpresa) ‒ carregando atrás de si quase meio milhar de vítimas (entre feridos, mortos, desaparecidos e os nunca catalogados) e colocando mesmo em risco a vigência de um Governo ‒ ainda em boas graças mas queimando-se em fogo lento (para gáudio da oposição e dos incendiários).

 

No fundo sendo todos nós os verdadeiros Queimados (como sempre com o Povo a ser o Mexilhão). E como episódio irrelevante e só para entreter os políticos, com Constança Urbano de Sousa (a Ministra no pelourinho) a apresentar a demissão neste dia 18 de Outubro dia de precipitação (devendo-se talvez agradecer a uma outra senhora a chegada tão desejada da chuva, terminando de vez com os incêndios e com a incapacidade de muitos ‒ Ofélia nome de furacão).

 

Algo lógico de acontecer ao escolher-se um como nós (não sendo nós melhores até pelas consequências desse ato) ‒ ao metermos na urna um cheque ao portador e com a quantia em branco (ficando então desfalcados e sem qualquer argumento): sendo a Culpa de quem lá os põe (mesmo em Democracia sempre uma minoria) e não de quem se aproveita (apenas para ganhar dinheiro). Como sempre A Bem da Nação!

 

(imagens: TVI24/euvi@tvi.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:05
Terça-feira, 17 DE Outubro DE 2017

Depois dos Oceanos o Futuro da Homem está no Espaço

I

 

“Era dos descobrimentos (ou das Grandes Navegações) é a designação dada ao período da história que decorreu entre o século XV e o início do século XVII, durante o qual, inicialmente, portugueses, depois espanhóis e, posteriormente, alguns países europeus exploraram intensivamente o globo terrestre em busca de novas rotas de comércio” (wikipedia.org). Chegando agora a Era da Exploração (Exterior) ou das Grandes Viagens (Espaciais) não só para novas Descobertas (de tudo aquilo que nos rodeia, nos faz e constitui) como para a nossa Preservação (como espécie relevante e merecendo persistir).

 

II

 

ac-4stars.gif

Com Rigil Kentaurus ao centro

(α Ceutauri A)

A pouco mais de 4 anos-luz

(do Sol)

 

Com ALF BURDEN a afirmar poder existir Vida numa outra estrela distante (segundo ele a uns 3,2 anos-luz de distância do nosso planeta) talvez não sendo alienígena (nem para o remetente, nem para o destinatário) mas tratando-se (muito simplesmente) de um reencontro (de espécies com o mesmo molde, ocupando um outro polo, idêntico/no seu objetivo ou de controlo7como posto intermédio). De qualquer forma com a estrela conhecida a estar mais perto da nossa (o Sol) ‒ e logicamente da Terra ‒ a ser Proxima Centauri (V645 Centaurus) localizada a 4,2 anos-luz e do tipo espectral M5,5Vc (o Sol é uma estrela do tipo G2V) ‒ e com a estrela do mesmo tipo do SOL e localizada a 4,3 anos-luz de distância (de nós) a ser RIGIL KENTAURUS (Alpha Centaurus A). E tal como a distância indica utilizando um qualquer tipo de propulsão futura e verdadeiramente revolucionária (atingindo como certas partículas a velocidade da Luz), demorando mais de 4 anos a atingir o destino (para já uma impossibilidade dado os desígnios/prioridades do Homem ‒ para já limitando-se à Terra, Berço e talvez Sepultura).

 

III

 

ALF1.jpg

Alf Burden

(à direita)

O 1º Astronauta a realizar um passeio no Espaço

(no exterior da nave Apollo)

 

Numa entrevista levada a cabo pela rede de televisão britânica ITV e transmitida a 29 de Setembro deste ano (de 2017), o convidado do programa foi o ex-astronauta norte-americano ALFRED WORDEN (hoje com 85 anos de idade), na altura da missão APOLLO 15 piloto do módulo de comando ENDEAVOUR (o módulo orbital): para além desse módulo de comando onde Alfred Worden permaneceu nas suas órbitas (75) em torno da LUA (associado ao módulo de serviço), com os seus dois colegas de missão DAVID SCOTT e JAMES IRWIN a bordo do módulo lunar FALCON a aterrarem no nosso satélite (natural e pela 3ª vez) e a serem os primeiros a utilizarem um veículo motorizado (ROVER LUNAR) para se deslocarem na superfície lunar (nas 3 missões anteriores Apollo 11/12/14 fazendo-o a pé e só na 4ª Apollo 15 usufruindo de um veículo de transporte). No caso da 4ª missão com o módulo lunar a alcançar com êxito o solo do nosso satélite, ao contrário do sucedido com a missão Apollo 13, registando uma avaria do seu módulo de serviço (Odyssey) e obrigando a sua tripulação (James Lovell, Jack Swigert e Fred Haise) a regressar de imediato à Terra (chegando todos sãos e salvos) utilizando como refúgio o módulo lunar (Aquaris).

 

Nesse dia dos finais do mês de Setembro (de 2017) em que o astronauta da missão Apollo 15 (lançada de Cabo Kennedy em 26 de Julho de 1971, quando o astronauta tinha 39 anos) Al Worden era entrevistado pelo canal ITV (na altura para o programa Good Morning Britain) ‒ inicialmente para falar da sua experiência pessoal em torno da sua fantástica viagem até à Lua, orbitando-a 75 vezes numa estadia de alguns dias ‒ com a conversa subitamente a derivar (do rumo pré-definido) abandonando o tema das Viagens (Espaciais) e substituindo-o pelo tema (aparentemente inesperado) dos Alienígenas: e tudo se iniciando numa simples questão que há já várias décadas tem perturbado muita gente (desde o encerramento do programa Apollo em 1972, já lá vai quase meio século), pela resposta constante e sempre pela Negativa dos que o poderiam fazer e não o fazendo o abandonaram ‒ quando o que se deveria ter feito seria a continuação desse imprescindível (para a preservação da nossa espécie) projeto (com o Homem a instalar-se na Lua, construindo uma base intermédia e daí lançando-se para o Espaço, mas em direção a Outros Mundos e também a outros Sistemas, talvez parecidos se não mesmo Familiares). Assim perguntando-se “Porque deveríamos continuar a ir à Lua?”

 

IV

 

Apollo_15-insignia.jpg

Apollo 15

(Símbolo representativo da missão)

A 1ª missão à Lua de caracter científico

(realizada há 45 anos)

 

E a partir dessa questão dando-se o salto fundamental para a fase seguinte, com o ex-astronauta Alf Worden (o piloto do módulo orbital na missão Apollo 15) profundo conhecedor da Lua e das viagens espaciais (num percurso total de 1.000.000Km, a distância percorrida na ida e volta ao satélite) a responder de imediato e sem qualquer tipo de hesitação: “SURVIVAL, SURVIVAL OF OUR SPECIES”. Daí entrando-se por outros caminhos (adjacentes e complementares) falando-se então de colonização (e onde a concretizar), partindo-se desse degrau e subindo-se, até se atingir um dos topos, com os Alienígenas presentes: não sendo forçoso que os encaremos como sendo de uma nova espécie (tal como a nossa, caraterística de um Sistema, no nosso caso o Solar), mas talvez apenas um reflexo das nossas próprias origens ‒ com os Alienígenas a sermos nós! Sendo essa a ideia (base) naquele dia transmitida (nos USA) pelo velho ALF astronauta (dada a idade sendo um Sábio):

 

When Worden is asked about the possibility that there are extraterrestrials out there, Worden says: “You know, I’ve been asked that question hundreds of times, ‘do you believe in aliens?’ and I say ‘yeah.’ “We are the aliens, we just think they’re somebody else, but we’re the ones who came from somewhere else. Because somebody else had to survive…they got in a little spacecraft and they came here and they landed and they started civilization here, that’s what I believe. And if you don’t believe me, go get books on the ancient Sumerians and see what they had to say about it, they’ll tell you right up front.” (Alfred Worden/Good Morning Britain/ITV/prepforthat.com)

 

V

 

spacecraft_profile.jpg

Sonda Voyager

(Na realidade a 1ª Nave Interstelar)

Viajando a caminho do Outro Lado

(mas infelizmente não sendo tripulada)

 

Acabando no meio deste emaranhado de convicções difundidas por um antigo astronauta tendo já viajado pelo Espaço em direção ao Infinito (só não o sendo em toda a sua extensão devido à obrigatória viagem de volta) por se chegar a uma conclusão certamente gritada e vociferada por ALF (devido à indignação) ‒ tal a sua certeza em tal convicção (pela evidência sendo tão fácil de aceitar), tal a sua simplicidade e experiência vivida (de sucessivas gerações), com casos paralelos e tocando-se no nosso quotidiano (como nos Descobrimentos partindo à Aventura na senda de Outros Mundos onde pudéssemos persistir) e acima-de-tudo sendo ainda acrescido por uma INEVITABILIDADE do HOMEM de um dia ter que abandonar a Terra como seu Lar permanente (e Zona de Conforto como diria o Coelho falando de Portugal para os portugueses) se ainda quiser viver e a partir daí existir. Daí a ideia:

 

Worden also rejected the notion that humans could colonize planets within our solar system, calling the concept an “unsustainable” one. He then presents the idea that we’d need to go outside of our solar system to find inhabitable regions, claiming that “we know they are out there.” (prepforthat.com)

 

(imagens: WORD PRESS/ITV/WIKIPEDIA/NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:20
Segunda-feira, 16 DE Outubro DE 2017

E se os Democratas voltassem a ser Democratas?

Não seria a melhor Solução?

 

A verdadeira realidade é que no dia 8 de Novembro de 2016 o Sistema entregou a cautela premiada ao Patrão (o MILIONÁRIO), naquele momento pondo em causa a necessidade da existência do Administrador (o POLÍTICO). Pelo que pensei que ainda pudesse (o Milionário) ser assassinado (pelo Político). Já Kennedy tentou assumir o poder e foi morto pelo Complexo.

 

O Coveiro dos Democratas

 

453CB1A500000578-4970742-image-m-30_1507745872709.

Democrats Are Becoming All They Claim to Hate

The Democratic Party's strategic incoherence is a risky gamble

(Noah Rothman / Apr. 4, 2017 / commentarymagazine.com)

 

À medida que se aproximava o fim do 2º mandato do 34º Presidente dos EUA o Democrata BARACK OBAMA (em 20 de Janeiro de 2017) ‒ tendo sempre como seu Vice-Presidente ao longo desses 8 anos o seu colega de partido JOE BIDEN ‒ certamente que o eleitor norte-americano especialmente com mais afinidades aos Democratas e ainda a sectores Independentes, acreditou até ao último instante (momento em que foram oficializadas todas as candidaturas) que o seu representante às próximas eleições Presidenciais seria provavelmente alguém apontado pelo Presidente ainda ocupando a Casa Branca: através de práticas anteriores (de muitos Presidentes e de ambos os lados do espectro político sugerindo o seu Vice para seu sucessor) e até pela aparente concordância em muitos pontos de vista (o que declaradamente não aconteceu com Hillary Clinton, como Secretaria de Estado abandonando o Presidente ‒ com discordâncias ‒ ao fim do seu 1º mandato e posteriormente autoapresentando-se como a melhor candidata para suceder a Obama: e assim retirando-lhe a prorrogativa de nomear o seu sucessor) sendo verdadeiramente surpreendente (senão hipócrita por interessada) a não opção por JOE BIDEN ou por outro candidato Democrata que não a já desgastada (pelo marido/tentativa de Impeachment e por práticas próprias anteriores e negativas/como em Bengasi) HILLARY CLINTON. Demitindo-se mais uma vez das suas capacidades e responsabilidades de como ainda Presidente (consciente e pensando no Futuro do seu Povo) poder influenciar positivamente a campanha e o bom rumo da mesma ‒ e dada a sua grande popularidade traindo ainda mais as expetativas dos seus apoiantes, não podendo votar de novo nele, podendo votar em alguém da sua confiança, mas desde que indicado ‒ nunca mencionando Joe Biden (ou outro qualquer Democrata), mantendo-se em prolongando silêncio (deixando à vontade Hillary Clinton e como que ignorando Bernie Sanders) para no momento oportuno talvez proporcionando uma troca (e a pedido da senhora) apontar HILARY CLINTON como sua sucessora.

 

Obama e o seu Legado

 

trump-obama.jpg

Brick by brick, the demolition job has begun: since taking office less than a year ago, Donald Trump has launched an all-out assault on the legacy of Barack Obama.

(Channels Television / October 15, 2017 / AFP)

 

E com toda a trapalhada política envolvendo a sua inevitável Nomeação ‒ num Sistema de votação bem pior do que o aplicado pelos Republicanos, na sua essência tentando manter os do Costume evitando Intrusões (ou seja Democracia a mais abrindo a porta à expressão/votação dos Independentes) ‒ com o Partido Democrata atropelando as Primárias (pouco se falando de outros possíveis candidatos), desrespeitando os eleitores (a sua opinião expressa pelo voto face à presença conjunta dos Super Poderosos Delegados não eleitos mas escolhidos) e desprezando o outro candidato (não lhe dando a mesma cobertura mediática para não falar financeira com apoios privados de cerca de 1 bilião de dólares para o seu/do Partido candidato) para no fim de todo este enredo talvez nunca antes Imaginado (quem pensaria num duelo HILLARY/TRUMP com o milionário a ganhar) apanhar uma Estrondosa Derrota apesar da maioria de votos: no dia 8 de Novembro de 2016 (data da Eleição Presidencial) e apesar da maioria dos norte-americanos terem votado contra a política Republicana (sem alternativa aos Democratas senão opor-se às suas decisões) ‒ 48% para os Democratas e 46% para os Republicanos numa diferença de quase 3 milhões de votos ‒ ser inesperadamente derrotada no número de delegados eleitos para o Colégio Eleitoral (já o mesmo tendo sucedido em 2000 na derrota de AL GORE) elegendo 227 contra os 394 de DONALD TRUMP (a 20 de Janeiro de 2017 sendo empossado como o 35º Presidente dos EUA, já lá indo quase 9 meses e com a criança prestes a nascer ‒ e com o seu destino a poder ser a Coreia/do Norte e a futura Geração Nuclear/numa extensão Global).

 

E finalmente A Bomba como alternativa ao Tweet

 

01chappatte-master768.jpg

Trump’s Weapons of Mass Destruction

A President Trump considers the options for attacking his foes.

(Patrick Chappatte / JULY 1, 2016 / nytimes.com)

 

Neste contexto Global (incluindo toda a Terra) e tendo como referência o país que se autointitula como o Império Terrestre mais poderoso do Mundo (tanto a nível Militar, como Cientifico-Tecnológico e Económico-Financeiro) ‒ sendo esse facto bem explícito no poderio da moeda/Dólar e do sector industrial/Militar ‒ mesmo não sendo bem assim dada a omnipresença (atual e crescente) dos chineses, não se compreendendo como uma sociedade tão ativa e resiliente como a norte-americana (até pela necessidade de sobreviver à violência crescente do seu quotidiano ‒ agora dupla ‒ no passado maioritariamente externa agora igualmente interna) se deixou arrastar para o interior da luta (não sua) POLÍTICOS/MILIONÁRIOS (tendo-se Trump declarado ainda em campanha como o candidato Antissistema ‒ só se percebendo agora/para alguns o que ele queria dizer e claramente pondo em causa toda a Estrutura) ‒ “Cada um Deles querendo dispensar o Outro” ‒ assumindo para si os Derrotados e com isso abrindo a porta para estes e para a Obliterando dos Vencedores (pondo-se ao lado dos patrões/milionários ou de quem os lhes paga/políticos). Com a sociedade norte-americana a encontrar-se de momento completamente dividida (tendo de um lado os Vencedores e do outro os Derrotados), à falta de outros instrumentos (de expressão) servindo-se cada vez mais de atos de extrema violência (maioritariamente contra os vencedores e continuadamente promovidos pelos órgãos de informação aderentes) ‒ é só ver os atentados e a quem teriam sido dirigidos ‒ e com os culpados a não serem só os Republicanos (e claro o ET Donald Trump) mas sobretudo (até pelo seu dito respeito pela Paz, Diálogo e Tolerância) os DEMOCRATAS: não retirando as conclusões devidas ao Evento ocorrido há já quase 1 ano (11 meses), não refletindo o inevitável fim de linha para os até responsáveis pela estratégia Democrata (com derrotas em todas as frentes, Presidência, Senado e Câmara) e finalmente não querendo interiorizar o fim do reinado CLINTON e a necessidade de (para além de se libertar dessa Família e de alguns dos seus sinistros Padrinhos) criar um novo rumo, suportado por um novo desígnio e talvez por um novo clã. Relembrando Que A Verdade Anda Por Aí e que de momento (que se saiba) os Republicanos controlam tudo ‒ e dessa forma estando criadas todas as condições (necessárias e suficientes) para a qualquer momento e certamente antes do fim do mandato (do 1º podendo suceder-se o 2º) ‒ ainda-por-cima agora com o Presidente e os Militares estão tão próximos ‒ se iniciar uma Nova Guerra (tal como o sucedido com Presidentes anteriores dando a supremacia interna ao Poder Militar).

 

Bastando dar-lhe a pasta e entregar-lhe o botão (Nuclear) para então e finalmente se dar a Implosão (deste já tão velho hotel).

 

(imagens: dailymail.co.uk - channelstv.com - Patrick Chappatte/nytimes.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:40
Segunda-feira, 16 DE Outubro DE 2017

Snooker ‒ Qualificação Masters Xangai e Início Open Inglaterra

Com o jogador com melhor aproveitamento na época de 2017/18 a ainda ser o belga LUCA BRECEL (12ºRM) ‒ nas 9 provas disputadas sendo 6 delas a contar para o RM ‒ nestas últimas provas (as 6 mais importantes por contarem para o Ranking) tendo 1/3 de bons resultados: sendo o único jogador a ter até agora (em provas contando para o RM) atingido uma Final (na 2ª prova/China Championship vencendo-a) e ainda uma Meia-Final (na 5ª prova/World Open perdendo-a).

 

Qualificação Masters Xangai

11/13 OUT

(9ª Prova contando para o RM)

 

10b29e96-838d-11e6-8fff-f52227c06034_1280x720.jpg

Ding Junhui

Vencedor do Masters de Xangai 2016

 

Decorrida entre 11 e 13 de Outubro a prova de Qualificação para o MASTERS de XANGAI (uma única ronda de modo a obter-se os 64 jogadores que entre 13 e 18 de Novembro estarão na sua fase final) é de ressalvar nesta eliminatória inicial o afastamento do inglês Shaun Murphy (5ºRM), do australiano Neil Robertson (8ºRM), do inglês Kyren Wison (14ºRM) e do escocês Anthony McGill (16ºRM) ‒ só referindo jogadores integrando o Top 20 do Ranking Mundial. Comparecendo assim em Xangai um total de 71 jogadores com 57 já apurados (para a 1ª Ronda da Prova) e outros 14 tentando alcançar os 7 últimos lugares (ainda) disponíveis (devido a jogos em atraso e jogadores convidados para a fase final). Uma prova cujo detentor do troféu é o chinês Ding Junhui (atual 2ºRM e Vice-Campeão Mundial) vencendo na final de 2016 o inglês Mark Selby (atual 1ºRM e Campeão Mundial) por 10-6.

 

Atual Campeão do Mundo e Líder do Ranking Mundial: MARK SELBY (ING)

 

Favoritos? (À partida) DING JUNHUI (como detentor do Troféu), MARK SELBY (como finalista vencido) e ainda para completar os dedos de 1 só mão (normalmente sendo 5) ainda 3 Mosqueteiros ‒ aqui sendo (pelo trabalho até agora desenvolvido desde o início da época assim como pelo seu currículo anterior): (1) Stuart Bingham (ING) e (2) Stephen Maguire (ESC) como semifinalistas do Masters (de 2016) e (3) Cao Yupeng /Zhou Yuelong (ambos chineses) como jogador surpresa ou rookie.

 

 

Open Inglaterra

16/23 OUT

(7ª Prova contando para o RM)

 

d8cb8a515758196e7b6324.jpg

Liang Wenbo

Vencedor do Open de Inglaterra 2016

 

Hoje dia 16 de Outubro (segunda-feira) iniciando-se a 7ª prova contando para o Ranking Mundial (RM) com a realização do OPEN de INGLATERRA de 16 a 23 deste mês (decorrendo até Domingo, dia da final e da atribuição das 70.000 £ para o jogador vencedor). Desde logo contando com a ausência entre os jogadores Top 20 do galês Mark Williams (17), do galês Ryan Day (18) e do escocês Stephen Maguire (19) ‒ num total de 131 jogadores (125 já apurados e 3 de 6 por apurar, vindos da ronda de Qualificação e dando os 128 apurados para o quadro final da prova) presentes em Inglaterra no Barnsley Metrodome. Iniciando-se hoje com 3 jogos da Qualificação e outros 31 (dos 64) da 1ª ronda e estendendo-se por mais 3 rondas antes de se atingir os Quartos-de-Final, as Meias-Finais e a Final. E com o detentor do troféu a ser o chinês Liang Wenbo (15ºRM) vencendo o inglês Judd Trump na final por 9-6.

 

Atual Vice-Campeão do Mundo e Vice-Líder do Ranking Mundial: DING JUNHUI (CHI)

 

Favoritos? (À partida) LIANG WENBO (como detentor do troféu), JUDD TRUMP (como finalista vencido) e ainda para completar os dedos de 1 só mão (normalmente sendo 5) ainda 3 Mosqueteiros ‒ aqui sendo (pelo trabalho até agora desenvolvido desde o início da época assim como pelo seu currículo anterior): (1) Stuart Bingham (ING), (2) Barry Hawkins (ING) como semifinalistas do Open (de 2016) e (3) Luca Brecel (BEL)/Lu Haotian (CHI) como jogador surpresa ou rookie.

 

(imagens: scmp.com/chinadaily.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:29

pesquisar

 

Outubro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
19
22
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

Posts mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro