mais sobre mim

subscrever feeds

Sexta-feira, 23 DE Junho DE 2017

Snooker ‒ 2017 Riga Masters

KASPERSKY RIGA MASTERS

Arena de Riga ‒ Letónia

23/25 Junho

 

eventDetails.jpg

 

Inicia-se hoje o Circuito Mundial de Snooker da época 2017/18 com a realização da 1ª prova oficial contando para o Ranking Mundial: o KASPERSKY RIGA MASTERS decorrendo de 23 a 25 de Junho em Riga capital da Letónia com a presença de 64 jogadores (vindos da 1ª ronda de qualificação).

 

Disputando-se hoje/dia 23/à melhor de 7 a 2ª ronda (de onde sairão 32 apurados), amanhã/dia 24/à melhor de 7 a 3ª e 4ª ronda (de onde sairão 8 apurados) e finalmente depois de amanhã/dia 25 os quartos-de-final/à melhor de 7, as meias-finais e a final/ambas à melhor de 9.

 

RM

J

N

£ (x 1000)

1

Mark Selby

ING

1298

2

John Higgins

ESC

563

3

Judd Trump

ING

538

4

Ding Junhui

CHI

510

5

Barry Hawkins

ING

395

6

Marco

Fu

HK

393

7

Neil Robertson

AUS

358

8

Shaun Murphy

ING

357

9

Stuart Bingham

ING

313

10

Mark  Allen

NIRL

307

(Ranking Mundial ‒ 10 melhores jogadores)

 

Com o australiano NEIL ROBERTSON a defender o troféu conquistado no ano passado ao bater na final o inglês Michael Holt por 5-2 ‒ e com este último a não poder repetir este ano a sua presença na final ao ser afastado logo na 1ª ronda de qualificação pelo inglês Barry Hawkins por 4-2.

 

Entre os 64 jogadores presentes despertando-nos a curiosidade em saber até onde irá o suíço ALEXANDER URSENBACHER depois de ter derrotado na 1ª ronda o inglês Billy Joe Castle por uns significativos 4-0 ‒ e tendo agora pela frente na 2ª ronda o inglês Elliot Slessor: um suíço tendo como particularidade ser filho de mãe portuguesa (madeirense).

 

Jogador

N

RM

VS.

Jogador

N

RM

Stuart

Bingham

ING

9

-

Mark

Davis

ING

37

Hossein

Vafaei

IRA

59

-

Mark

King

ING

20

David

Gilbert

ING

19

-

Joe

Perry

ING

22

Barry

Hawkins

ING

5

-

Ryan

Day

GAL

18

Ben

Woollaston

ING

28

-

Kyren

Wilson

ING

13

Mark

Williams

GAL

16

-

Peter

Ebdon

ING

40

(2ª Ronda ‒ 6 dos 32 encontros)

 

Com o Circuito Mundial a regressar no início de Julho com a realização de 2 provas por convite (não contando para o Ranking Mundial): a WORLD CUP (3 a 9) e o MASTERS de HONG KONG (20 a 23). E com a 2ª prova contando para o RM a surgir apenas em meados de Agosto após a realização de outras 3 pré-qualificações (de outras 3 provas).

 

Numa prova de início de época onde alguns dos nomes mais sonantes estarão ausentes (alguns dos jogadores do Top 20 do RM) mas do qual fará parte o atual Campeão do Mundo e líder incontestado do Ranking Mundial o inglês MARK SELBY: tendo em Barry Hawkins, Neil Robertson e Stuart Bingham os seus principais adversários (integrando os 10 melhores do RM).

 

(imagem: bilesuserviss.lv)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:04
Quinta-feira, 22 DE Junho DE 2017

O Chimpanzé e a Avozinha

Um chimpanzé já habituado à nossa presença e compreendendo minimamente alguns dos comportamentos estabelecidos no seu intercâmbio diário (com os humanos), optou por uma estratégia talvez inovadora (para ele) mas replicando as atitudes repetidamente observadas e repetidas pelo Outro Lado (nós): e sabendo que ao vermos de imediato aprendemos (imitando), para o chimpanzé inverter o processo (sendo ele a lançar o objeto) e tal como o fez, seria uma forma normal de pedir uma resposta (não esperando).

 

58e392eb1500002000c7dca9.jpgsnapshot.jpg

O Chimpanzé e a Avozinha com o cocó colado no nariz

 

Com o chimpanzé por qualquer motivo ou por mero acaso a pegar num bocado das suas fezes que se encontravam no chão mesmo junto a si e atitá-la na direção das bancadas onde se encontrava o público a assistir: com o mesmo cocó do dito chimpanzé a subir no ar descrevendo um arco e acabando na inevitável descida por cair sobre os espetadores atingindo uma idosa mesmo no nariz. Com uma avozinha que observa entre outros o comportamento do primata no seu ambiente a ser surpreendida, enquanto os mais novos lá iam sorrindo divertindo-se um pouco com a situação.

 

(imagens: Jacob Mitchell/youtube.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:47
Quinta-feira, 22 DE Junho DE 2017

O Tsunami da Gronelândia

18.06.2017 01:00 UTC

Details emerge about Greenland tsunami

(watchers.news)

 

G1.jpg

 

A cerca de 4.000Km de distância da cidade de Lisboa um forte TSUNAMI varreu a aldeia de NUUUGAATSIAQ localizada no fiorde de KARRAT na GRONELÂNDIA. Pelas 23:00 locais do dia 17 (01:00 UTC do dia 18) e como consequência de um DESLIZAMENTO de TERRAS verificado numa das encostas desse mesmo fiorde, com o impacto desse mesmo deslizamento ao colidir com a água a originar várias ONDAS que iriam atingir pouco depois a localidade piscatória sob a forma de um TSUNAMI.

 

19275168_1411465215635987_4674352922421501345_n.jp

 

Com o TSUNAMI ao atingir terra a levar à sua frente 11 casas, a vitimar mortalmente 4 pessoas e a ferir ainda outras 9 (algumas com gravidade). Num fenómeno inicialmente associado a um sismo (com o tsunami a ter sido pretensamente originado por um SISMO de M4.0 criado quilómetros a norte da aldeia), mas mais tarde sendo explicado pelo DESLIZAMENTO de TERRAS e levando por prevenção e segurança os cientistas a investigar: descobrindo novos e potenciais deslizamentos e levando preventivamente à evacuação de NUUGAATSIAQ (além de outras 2 localidades).

 

(imagens: watchers.news)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 09:48
Quarta-feira, 21 DE Junho DE 2017

Informar vs. Manipular

Qual é a Função do Jornalismo/Jornalista?

 

DCtz-bHXcAE7vdI.jpg large.jpg

The Times

(20.06.2017)

 

Ao ler a primeira página do diário inglês THE TIMES (de 20 de Junho de 2017) pode-se verificar imediatamente como o jornalismo nos dias de hoje abandonou a única função (objetiva) para o qual foi inicialmente criado ‒ INFORMAR ‒ para contra toda a deontologia moral e profissional do setor se transformar (trocando a sua sobrevivência financeira por contrapartidas aos seus acionistas) num mero agente intermédio (e subliminar) tendo como único objetivo MANIPULAR. Uma VERGONHA para o JORNALISMO e ainda maior para os JORNALISTAS ‒ que se pensam que o são mesmo que certificados, estão completamente enganados e crescentemente descredibilizados (é o que dá encostar-se aos políticos).

 

Senão vejamos dois títulos como sempre encomendados e mais uma vez dirigidos, um aos RUSSOS (ignorando fronteiras) e outro aos MUÇULMANOS (desprezando religiões):

 

RUSSIA threatens RAF and US air force Jets in Syrian stand-off

 

Jobless “lone wolf” held over attack on mosque

(Father of four had suffered mental health problems, say family)

 

No primeiro caso com um jato da Confederação Russa a fazer uma rasante a um avião de espionagem dos EUA (segundo fontes norte-americanas passando a uns escassos 1,5 metros de distância um do outro) ou não estivesse o avião norte-americano apesar de circular em águas internacionais a passar apenas a 40Km de Kaliningrado um enclave russo (também nas costas do Báltico) localizado entre a Polónia e a Lituânia (com os russos a afirmarem terem sido provocados antes). Deixando-nos a pensar como reagiriam os EUA se a Confederação Russa resolvesse fazer voos do mesmo tipo, a uns insignificantes 40Km da costa do seu país. Aqui transformando a ameaça oriunda do exterior e dirigida a um território próximo (assim me sentiria se visse desconhecidos a rondar a minha casa) no elemento Ameaçado e por outro lado considerando os residentes, por receio e como procedimento natural de defesa, o elemento Ameaçador.

 

No meu caso e como experiência real e pessoal tendo já interiorizado que se não marcarmos presença seremos sempre espoliados ‒ e sendo tudo uma replicação (do maior para o mais pequeno), ignorando a ação de vizinhos e a indiferença de muitos outros, sendo roubado tipo Ground Zero, só ficando mesmo com a casa e por ainda estar agarrada (paredes e tetos).

 

Já no segundo caso e desde que o referendo sobre a permanência da Grã-Bretanha na Comunidade Económica Europeia fora realizado (em 23 de Junho de 2016 e com a resposta a apontar para a Não permanência), num cenário talvez nunca esperado (mesmo pelos Conservadores), com o abandono estratégico de David Cameron (o primeiro responsável pela derrota) e a chegada da Ex subordinada e inexperiente Theresa May (não caberia na cabeça de ninguém estas eleições antecipadas), atirando pelo menos temporariamente o clima social, económico e político da Grã-Bretanha para um impasse perigoso por indefinido, podendo ter consequências imprevisíveis e agravando ainda mais a situação interna do país (e a sua imagem internacional, parecendo querer fazer companhia ao seu aliado norte-americano). Neste cenário agravando as contradições e podendo levar a extremos: como o de acusar como responsáveis pelo desemprego entre os britânicos a presença de muçulmanos no país e assim justificando como esperado (para não dizer natural) o ataque a uma mesquita.

 

Percebendo o jornalismo de hoje não como oriundo de um conjunto de indivíduos dedicados (como numa MISSÃO) a informar-nos de tudo o que viam e com os seus órgãos dos sentidos aí presentes experienciavam ‒ e logo aí se nos dirigindo, atingindo-nos diretamente como em vasos comunicantes, sem possibilidade de recuo e sem qualquer tipo de intermediário (no princípio, no meio ou no fim da linha) ‒ mas como mais uma função, cumprida por indivíduos certificados, apenas para servirem uns poucos. E enganando todos os outros a troco duma contribuição tal e qual um MERCENÁRIO.

 

“O Governo é liderado por um robot falante, apelidado ‘Maybot’, que de alguma forma conseguiu visitar a torre ardida na zona oeste de Londres [torre Grenfell] sem falar com um único sobrevivente ou trabalhador voluntário.”

(Jornal Económico/Christian Zaschke)

 

(imagem: thetimes.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:38
Segunda-feira, 19 DE Junho DE 2017

O Míssil Balístico do Irão

Iran Fires Mid-Range Missiles at ISIS in Eastern Syria

(Hana Levi Julian - 19.06.2017)

 

Irans-Emad-ballistic-missile.jpg

Míssil balístico de médio-alcance utilizado pelo Irão

(supondo-se terem lançado 6)

 

Numa mensagem simultaneamente dirigida aos EUA e a todos os países da região colocados sob a sua proteção (Arábia Saudita, restantes Países do Golfo ‒ eventualmente excluindo o Qatar ‒ e Israel), informando-os do seu poder e do respeito que todos deviam ter para com a defesa da soberania do seu território (e dos seus interesses económicos) como potência regional que já é.

 

Como resposta ao ataque dos terroristas do ISIS/Estado Islâmico levado a cabo no passado dia 7 de Junho na capital do Irão ‒ com dois atentados no mesmo dia um no Parlamento Iraniano e outro no Santuário sagrado de Imam Khomeini (ambos em Teerão) a provocarem 18 mortos e 52 feridos (sendo um deles um Parlamentar) ‒ os responsáveis militares iranianos informaram terem lançado ontem de uma base situada na parte ocidental do Irão vários mísseis na direção de instalações dos terroristas do ISIS situadas no leste Síria (e transitando entre os conflitos no Iraque e na Síria), segundo os mesmos aí instalada (na cidade de Deir ez-Zour) como um posto de Comando Central dos terroristas e desempenhando entre outras funções a preparação de veículos para ataques suicidas.

 

Pela distância a percorrer entre o Irão e a Síria (passando sobre o Iraque) tratando-se de um míssil balístico com alcance em torno dos 500Km e nesse caso podendo-se estar perante um dos seus mísseis considerados operacionais como será o caso do modelo Shahab 2 (com o Irão a possuir mísseis balísticos com um alcance máximo de cerca de 2.500Km ‒ o míssil cruzeiro Soumar considerado também operacional); no entanto e segundo o site iransview.com podendo-se tratar na realidade de mísseis do tipo Zulfiqar com um alcance de 750Km. Uma operação militar que terá tido sucesso com todos os mísseis a atingirem o alvo e a destruírem a base dos terroristas do Estado Islâmico (segundo as autoridades iranianas): um ponto estratégico nas vias de comunicação entre os dois países em Guerra Civil (Iraque e Síria) e envolvidos numa luta sem quartel contra os militantes do ISIS/ISIL (responsáveis pela perpetuação do caos na região e continuando a ser financiados pelo seu maior apoiante a Arábia Saudita), agora destruído pela coligação pró-regime Síria/Rússia/Irão/Turquia contra os desejos óbvios de toda a oposição ao regime sírio (ainda no poder) apoiada pela Arábia Saudita/EUA/Israel/ISIS.

 

snapshot iran.jpg

Um dos mísseis iranianos atingindo em cheio instalações do ISIS

(localizadas na cidade síria de Deir-ez Zour)

 

Deixando-nos aqui a pensar quais serão os planos mesmo a curto-prazo de um qualquer tipo de intervenção a ser lavada a cabo por parte dos EUA na região do Golfo Pérsico (não diretamente), sabendo-se de antemão que o seu grande aliado é a Arábia Saudita (agora a rebentar de armas graças a contratos de biliões) e o seu principal inimigo o Irão (apoiado pela Rússia). Uma nova Guerra do Golfo pondo todo o leste da Europa em polvorosa (próxima como está da Turquia), talvez alastrando para zonas Mediterrânicas do norte de África (como já acontece no Iémen podendo alastrar a vizinhos), colocando em sentido a Rússia (um dos vizinhos mais próximos e sujeita a atentados) e deixando a China surpresa (já que só pensa em dinheiro) e a UN mais uma vez inativa (com Guterres a cumprir com a tradição).

 

Com os EUA na poltrona a vender e também a receber (como única super potência global baseada na moeda e na bala) ‒ mas obviamente com os outros a não serem melhores e sendo preferível estarmos bem preparados.

 

[Ainda há poucas horas a ser a comunidade muçulmana em Londres a ser envolvida num incidente talvez sem significado político (andam por aí muitos malucos alguns deles diagnosticados) fazendo rejubilar os extremistas (da direita inglesa) e também os terroristas (do Estado Islâmico) ‒ e provocando 1 morto e 10 feridos, mesmo não sendo um ato terrorista.]

 

(imagem e dados: ali javid YouTube/iransview.com e jewishpress.com/csis.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:31
Segunda-feira, 19 DE Junho DE 2017

Júpiter ‒ Num retrato de Juno

Uma imagem do planeta Júpiter obtida a 19 de Maio pelas câmaras da sonda espacial Juno, quando a mesma na sua 7ª aproximação ao planeta passou a cerca de 49.000Km de distância (pouco mais de 1/8 da distância Terra/Lua num registo de um objeto de raio 40 X o da Lua) do topo da espessa camada de nuvens cobrindo este planeta Gigante (e maioritariamente gasoso): e de uma latitude 65,9⁰ S mostrando-nos o seu polo sul.

 

PIA21392.jpg

Júpiter

(PIA 21392)

 

This image was processed to enhance color differences, showing the amazing variety in Jupiter's stormy atmosphere. The result is a surreal world of vibrant color, clarity and contrast. Four of the white oval storms known as the "String of Pearls" are visible near the top of the image. Interestingly, one orange-colored storm can be seen at the belt-zone boundary, while other storms are more of a cream color.

 

(texto/inglês, dados e imagem: photojournal.jpl.nasa.gov)

tags: ,
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:49
Domingo, 18 DE Junho DE 2017

O Incêndio de Pedrógão Grande

A catastrophic wildfire believed to be caused by a dry thunderstorm has killed more than 62 people near Pedrógão Grande, central Portugal early Sunday, June 18, 2017. Most of them died in cars while trying to escape, officials said. Local media said several houses were destroyed and more than 60 people injured, among them several firefighters. The death toll is expected to increase.” (watchers.news)

 

576.jpg

Dos mais de 60 mortos mais de 30 encontrados no interior dos seus automóveis e menos de 20 encontrados caídos na estrada ‒ ou seja mais de 80% do total das vítimas mortais

 

Nesta sequência de três imagens obtidas a partir do espaço e da responsabilidade da NASA, pode-se ver a evolução verificada durante três dias na região de Pedrógão Grande: sem nada visível a 16 (sexta-feira), com os primeiros sinais a 17 (sábado) e com o incêndio já bem lançado a 18 (domingo).

 

canvas 16.jpg

16 Junho

(sexta-feira)

 

Numa tragédia pretensamente iniciada num raio originado numa trovoada (um fenómeno conhecido mesmo com tempo seco) e que na sua deslocação terá atingido uma árvore responsável pela eclosão de um grande incêndio: numa propagação fulminante destruindo tudo à sua passagem e fazendo mais de 60 vítimas mortais (e com o número sempre a aumentar).

 

canvas 17.jpg

17 Junho

(sábado)

 

E que possivelmente até como manifestação de solidariedade e de apoio para com todas as populações envolvidas, mereceria alguma Auto culpabilização por parte de algum responsável mesmo com a apresentação de uma mísera demissão: não pelo que ele terá feito mas na sequência das práticas nulas dos seus antecessores (renegando as suas práticas e apoiando as suas vítimas).

 

canvas 18.jpg

18 Junho

(domingo)

 

Perante um cenário dantesco fazendo-nos lembrar um pouco a série The Walking Deads, com uma longa estrada rodeada de uma paisagem pós-apocalíptica completamente deserta de algum sinal de vida e juncada de carros completamente calcinados, oferecendo-nos o retrato fiel de um mundo esquecido e abandonado à sua sorte: onde já nada existindo (o poder tratou disso) não havendo mesmo nada a fazer (pelos poucos que ficaram).

 

(imagens: cetusnews.com/AP e worldview.earthdata.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:44
Domingo, 18 DE Junho DE 2017

Ultravioletas

Por vezes o Cenário dá-nos pistas, mas se formos especialistas, nada veremos senão um Pixel.

(sendo esta a maior tragédia da nossa decadência cultural)

 

uv.gif

rgb_uv_cross.gif

 

Com toda a faixa compreendida entre o centro de África /norte da América do Sul e o extremo sul da Europa/centro dos EUA sob índices extremos de raios ultravioleta (11/Extremo), a Península Ibérica como integrante desse extremo sul europeu (e na qual se insere Portugal) tem estado sujeita nestes últimos tempos a níveis altíssimos de radiações ultravioletas: aconselhando-se aos amantes do campo, do rio, da areia, do mar, do ar livre e obviamente do Sol, a saírem de casa vestidos ou a deixarem-se ficar por aí a beber (hidratar) e também a descansar (equilibrar).

 

Albufeira:

UV11⁺

18 Junho 2017 - Domingo

(para a nossa pele/tipo 2)

Pele vermelha em 9’

Queimadura em 15

 

Tendo em atenção os efeitos nocivos para a nossa saúde e de todas as outras espécies animais ou vegetais associados às radiações ultravioletas (e de como elas são capazes de afetar todo o nosso ecossistema afetando e alterando mesmo as estruturas de ADN) sendo oportuno (e interessante do ponto de vista científico) recorrer a este tema até para tomar em consideração a sua parte e contribuição para o desenrolar da tragédiaem torno de Pedrógão Grande. Sabendo-se como as radiações ultravioletas intensas podem danificar a vegetação, tornando-as mais suscetíveis, danificando as suas defesas e alterando mesmo o seu ADN.

 

(imagem: weatheronline.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:39
Domingo, 18 DE Junho DE 2017

A Culpa terá sido da Árvore

[Ou indiretamente do raio]

 

30fefe742a.jpg

Mais de 60 Mortos

Mais de 60 Feridos

(num cenário arrepiante e a mais de 40⁰C)

 

Como é possível declarado um incêndio e projetada a respetiva intervenção (com toda a região em princípio em estado de alerta) haver mortos cercados em casa ou em carros calcinados na fuga? Quando a primeira coisa a fazer pelas autoridades seria a de salvar pessoas (com tantos idosos vivendo em casas isoladas) e criar caminhos de fuga (com tanta gente em desespero a fugir sem saber bem para onde).

 

1024x1024.jpg

Carros calcinados na estrada onde se registaram mais vítimas

Entre Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos

(com as vítimas a serem apanhadas na sua fuga desesperada ao inesperado incêndio)

 

Num incidente com mais de 120 vítimas (segundo dados mais recentes mais de 60 mortais e mais de 60 feridos) localizado num triângulo envolvendo zonas interiores/exteriores aos seus vértices e tendo como referência as localidades de Castanheira de Pêra, Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos (o incêndio terá começado em Escalos Fundeiros/Pedrógão Grande com um raio a atingir uma árvore), um incêndio inicialmente controlado (mas não dominado) ao aumentar repentina e inesperadamente de intensidade descontrolando completamente o cenário do momento e a estratégia de combate às chamas inicialmente previsto (ainda por cima acabando por associar-se a outras frentes já ativas como o do grande incêndio de Góis um concelho limítrofe ao de Pedrógão Grande), acabou por se transformar numa das maiores tragédias ocorridas em Portugal (veremos os números que atingirão no rescaldo os danos materiais e pessoais) tendo como responsável único as leis da Natureza. Para já e pelo menos enquanto o incêndio não termina, as temperaturas não descem e o medo e a incerteza não se dissipam, com todos os responsáveis a apontarem para as condições climatéricas com que o país se deparava nesse dia e particularmente nessa zona do interior, para justificar o imprevisto, o completo caos instalado e as dezenas de vítimas mortais: para lá de todas as vítimas caídas como heróis no terreno de combate, dos quais se destacam e como sempre os residentes e os bombeiros (os únicos combatentes) ‒ lutando com as suas mãos para salvar o maior número de vidas, mesmo podendo por em causa a sua própria existênciadeixando-nos ainda algumas dúvidas sobre o papel de alguns responsáveis e sobre a sua competência (que não apenas curricular).

 

1024x1024 B.jpg

Uma das vítimas do incêndio numa das estradas em redor de Pedrógão Grande

(por onde muitos tentaram fugir e onde muitos caíram pelo fogo ou por intoxicação)

Entre os mais de 60 mortos com metade a morrer em fuga de uma praia fluvial

 

Esperando-se agora pelos próximos dias para ver (deixando-se assentar toda a poeira) o que as autoridades pensam (e concluem) sobre esta grande catástrofe humana (natural e/ou artificial) que para além de destruir uma região (já por si abandonada) também destruiu a vida de muitos dos seus (e cada vez em menor número) residentes: só se esperando que depois do poder os expulsar para o litoral (por uma questão de sobrevivência) ainda acusem as vítimas de incúria na limpeza dos terrenos ‒ mas feitos por quem e pagos por quem? E face a todos os conhecimentos postos hoje à nossa disposição para tratar de fenómenos como o registado em Pedrógão Grande, não se podendo unicamente atribuir a culpa a um raio e a uma maldita árvore que estava no seu caminho: e o calor, e o ar seco, e a humidade praticamente nula dos terrenos, e as diversas camadas de ar a diferentes temperaturas comprimidas e circulando livre e caoticamente entre vales e serras, e as condições climatéricas exteriores propícias à ocorrência deste tipo de fenómenos, nada disso conta (para a Prevenção) ‒ numa demonstração cabal da total incompetência de alguns desses responsáveis pela preservação da Natureza (por exemplo prevenindo possíveis situações de incêndios) e de como o ordenamento do nosso território se encontra num caos criminoso, sem retorno à vista e todo entregue aos critérios aleatórios da Natureza (a culpada) e da selvajaria do Homem (nunca se podendo esquecer como o interior foi abandonado, com os seus naturais a serem obrigados a deslocar-se para o litoral para sobreviverem e desse modo como seria logico e como já todos esperavam, deixando o campo e a floresta ao abandono e assim proporcionando a trágica intervenção humana/com a eucalitpização do país e até a aleatória intervenção natural/com o Homem escancarando-lhe as portas).

 

Tendo que haver responsáveis para além do raio e da árvore!

 

(imagens: mogaznews.com e chron.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:02
Sábado, 17 DE Junho DE 2017

Calor e Sismos

Temperatura em Albufeira

(às 22:40 e sem ponta de vento):

25⁰C

 

Se em Portugal os incêndios e os raios ultravioleta são já uma preocupação para nós, o relativo aumento de atividade sísmica na região de Yellowstone (debaixo da qual se localiza a Caldeira de um Super Vulcão) poderá sê-lo também mas para os norte-americanos ‒ nós com um facto presente, eles com uma forte probabilidade futura.

 

201706172100_msg3_msg_ir_piber.jpeg

Portugal às 21:00 de 17 de Junho

 

Hoje sábado (dia 17 de Junho) o Verão abateu-se novamente sobre a cidade de Albufeira: com a temperatura máxima do ar a atingir os 38⁰C (temperatura da água do mar 21⁰C), com o céu limpo (tempo praticamente sem vento) e com os níveis de raios ultravioleta a atingirem nível UV10 (considerado muito elevado, mantendo-se amanhã e com certas regiões do país ‒ como Portalegre ‒a atingirem UV11/Extremo). Prevendo-se no entanto a partir de amanhã uma ligeira descida das temperaturas com a máxima a andar pelos 31⁰C/35⁰C e as mínimas pelos 18⁰C/23⁰C. Mas com o tempo de Verão a manter-se, com o céu praticamente limpo e tendo atenção aos UV (raios ultravioleta): com UV10 devendo-se ir vestido para a praia e com UV11 sendo o melhor manter-se por casa.

 

west-yellowstone.jpg

Parque Nacional de Yellowstone

 

E do outro lado do Atlântico localizado no estado do Wyoming mais precisamente no Parque Nacional de Yellowstone, com um sismo de M4.3 a sacudir a região (44.77N e 11.05W) no início do passado dia 16 (00:48:47) a uma profundidade de (apenas) 9Km (o seu epicentro). Numa semana iniciada em 12 de Junho (segunda-feira) e na qual se verificaram até ao dia de hoje (sábado, 17) e considerando magnitudes iguais ou superiores a três a 5 sismos: M3.1 (p=11Km), M3.2 (p=10Km) há 5 dias atrás, M4.4 (p=9Km) há dois dias atrás, M3.1 (p=9Km) e M3.0 (P=8Km) há menos de um dia. Sismos que sendo comuns de ocorrerem todos os dias num clima de completa normalidade nesta região central dos EUA, não o são ao ocorrem mais frequentemente com estes níveis de intensidade (e com mais de dezena e meia de sismos com M2.57M2.9).

 

(imagens: IPMA e WEB)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:40

pesquisar

 

Junho 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
16
20
24
25
26
27
28
29
30

comentários recentes

Posts mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro