Perdidos no Espaço

Albufeira – Novos Ficheiros Secretos

(04/09)

 

“O Nada não existe – é apenas uma parte do todo!”

 

Como nos atrevemos nós, parte minúscula e cada vez mais descaraterizada dum mundo assumidamente proxeneta, em dividir o que nos rodeia em mundos com vida e outros mundos sem vida. Todos nós sabemos que no canto mais perdido do Universo, a vida surgirá sempre como uma entidade sempre presente e omnipotente, mesmo no nada mas sempre vindo do nada.

 

I

A Terra – Perdida no Espaço

 

 

A Terra como é vista a partir da sonda CASSINI nas proximidades do planeta Saturno

(O Nada e O Todo intersectam-se continuadamente complementando-se até ao Infinito e criando um Universo Ilimitado de Mundos Paralelos que não conseguimos distinguir por limitações sensoriais e por paralaxe de sobreposição)

 

A Terra – em tempos muito recentes – já foi o centro do Universo, a nossa origem e o nosso destino.

À volta estaria o Céu e a eterna felicidade e no fundo o Inferno, com as suas chamas do pecado.

E por esses tempos ainda muito frescos na nossa memória coletiva, a Igreja aparecia desde logo como uma das partes fundamentais da instituição do poder, respeitada e também muito temida, mas também recebedora no seu seio, de muitas das grandiosas ideias surgidas nessa época.

Talvez acabando arquivadas, mas fontes de muitos estudos e de movimentos revolucionários.

Galileu é um dos casos mais divulgados desta perceção errada da realidade, que mesmo com a persistência irracional do seu erro e das tomadas de posição políticas ameaçadoras e extremamente repressivas para com os Profanos, acabou por dar origem a uma nova teoria explicativa da verdadeira posição hierárquica da Terra no Universo, despromovendo-a face ao Sol, pela adoção da Teoria Heliocêntrica.

Depois – e num instante – tudo mudou: o centro era agora o Sol e a Terra um dos seus filhos ainda vivo e presente, todos circulando em conjunto num sistema vivo e aberto, perdido num ponto indefinido de um Universo em constante transformação, sem princípio nem fim, ilimitado.

 

II

INTERREGNO

A Terra – Um Mundo sem Chefe

 

General Dino Sauro

Um importante elemento das forças de intervenção militar – ligadas ao poderoso grupo dos Alienígenas Exteriores – destacado para funções de proteção e segurança no vizinho planeta Marte

 

A Terra encontra-se agora entregue a si própria, terminada que está a Aliança anteriormente estabelecida entre terrestres e extraterrestres – através da criação anterior de diferentes grupos de estudo e intervenção – e desfeita posteriormente após a intervenção da associação de Alienígenas Exteriores, visivelmente preocupados e agastados com as intromissões sucessivas vindas do exterior e tendo como alvo interesses estratégicos nesta região da Via Látea. Duros e implacáveis na defesa dos seus interesses inalienáveis, este grupo de Alienígenas Exteriores conseguiu forçar a retirada de todos esses elementos estranhos ao mundo dos terrestres, mantendo apenas um grupo particular – os Russellianos – para verificarem o cumprimento integral do acordo estabelecido entre as partes em conflito.

 

          

Marte visto pela NASA

Estas estruturas que aparecem em certas regiões de Marte, evidenciam a possibilidade da existência de vida habitando locais sob a sua superfície, além de fornecerem outros vestígios de intervenção direta de uma civilização tecnologicamente mais avançada que a nossa

 

Como comandante militar supremo para a região foi nomeado o General Dino Sauro, um alienígena que alguns dizem ter nas suas veias sangue terrestre, por existirem alguns indícios – não comprovados – de ser um descendente, distante e direto, de uma raça poderosa de dinossauros oriundos do continente africano, mais precisamente da região terrestre conhecida atualmente como África do Sul.

 

GTR – A ONU já os terá reconhecido em cerimónia oficial

Grupo Transitório de Reflexão escolhido secretamente por habitantes do nosso planeta e tacitamente aceite pelos Alienígenas Exteriores, como representantes dos Cinco Continentes Terrestres: Europa, Ásia, África, América e Oceânia

 

A primeira missão a cumprir pelo recém-empossado diretório do GTR-Terra, terá como objetivo prioritário a reorganização dos diversos grupos de contato espalhados por todos os continentes do planeta, de modo a tentar estabelecer rapidamente uma plataforma de entendimento comum entre todas as partes, dando então início à execução do seu verdadeiro trabalho de reconstrução espiritual dos estados e das suas estruturas ultrapassadas e há muito incapazes de darem respostas corretas, aos mais prementes problemas atuais.

 

             

Os escolhidos: América com Bruce Lee; Ásia com Dalai Lama; Europa com Mao Zedon

(É certo que parecem todos chineses e funcionários da EDP. Mas já agora por onde anda um dos grandes Garganta Funda Português? Que eu saiba ainda ontem se mexia!)

 

Podemos desde já revelar que o representante do continente Americano será o sino-norte-americano Bruce Lee, especialista em kung-fu e em artes marciais, reconstruido através de um processo revolucionário de clonagem – inicialmente experimentado com sucesso parcial no caso da ovelha Dolly, mas ainda com parâmetros muito distante da inteligência demonstrada pela ovelha Choné – e escolhido não só pelo seu elevado potencial de intervenção e resolução de conflitos violentos, como pela sua forte ligação à Industria do Cinema. Por outro lado o representante do continente Asiático – convincentemente eleito por unanimidade – será o Dalai Lama, escolhido pelas suas atividades não violentas e pacificadoras, recorrendo ao diálogo, à troca de ideias e à aceitação da existência plena do outro. Destes cinco elementos continuamos a desconhecer o nome do representante Africano e do representante oriundo da Oceânia. Quanto ao representante Europeu escolhido para fazer parte deste grupo, aí reside a nossa maior surpresa – que necessitamos de confirmar – pois não deixa de ser estranho o nome selecionado, se tal acontecer: por sugestão de Durão Barroso e com o apoio de grupos poderosos e secretos que já o acompanhavam desde o acordo que levou ao encontro para a promoção da Invasão do Iraque – e ao Controlo exclusivo do seu Petróleo – foi lançado o nome de outra personalidade com grande impacto no passado da História Mundial, especialmente para o pensamento ideológico – de esquerda latente num corpo de direita – do nosso fugitivo cidadão e ex-Primeiro-Ministro. O nome? Mao Zedong. Seria reconstruido molecularmente utilizando a moderníssima tecnologia europeia e a incrível e multiplicadora Máquina de Deus.

 

(imagens: a-china.info, wtbw2010 e NASA) 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:22