MARS

Quando olhamos para o planeta Marte a primeira sensação que sentimos é que no meio daquilo tudo algo está um pouco desenquadrado: em função do que nos ensinaram este planeta deveria ser um lugar desértico, incrivelmente inóspito, sem qualquer vestígio de vida e sem qualquer traço que nos aproximasse sequer dele.

 

Ora não é isso que parece acontecer.

 

Sempre que olhamos para a superfície marciana algo aparece a chamar-nos a atenção e de imediato recordações um pouco difusas aparecem em catadupa nas nossas projecções. De onde virão? Provavelmente daquilo que “nos ficou na nossa memória”!

 

1P481245033ESFCMQDP2395R5M1.JPG

Marte

 

Estou a olhar para a imagem recebida na Terra em tons de preto e branco.

 

Se fosse aqui diria que se tratava dum agrupamento de rochas e outros sedimentos provavelmente assim dispostos por acção natural, coroando um monte de destroços homogeneamente distribuídos e erguendo-se calcinados em direcção ao espaço exterior.

 

Nunca deixando de lado a lógica opção artificial, na Terra trabalhada pelo Homem e pelo mesmo exposta num Altar: ou não necessitássemos de artefactos para superarmos a nossa própria morte (a única).

 

Poderemos estar a olhar para os vestígios de um cenário real de tempos bastante longínquos, anteriormente ocupados com espaços transformados mas tendo algo de comum com aquele que hoje vivemos e que no entanto e em função do conhecimento adquirido e interiorizado, não compreendemos nem aceitamos.

 

E no fundo a mensagem mais simples a reter é que de certeza algo de importante e evolutivo ali se passou e que naquele ponto e naquele movimento um Monumento à Vida se ergueu: senso natural ou artificial apenas uma questão de significado.

 

Com os sujeitos a serem invariavelmente os Suspeitos do Costume: Matéria e Energia.

 

(imagem: NASA/OPPORTUNITY ROVER/SOL3977)

tags: ,
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:17