Impacto Profundo

“Não sendo por acaso que a maior barreira de proteção colocada entre nós e o Sol (precedendo pelo menos aqui a nossa existência), seja precisamente a região do Espaço que rodeia o planeta Terra e onde se encontra o Cinturão de Van Allen.”

 

Ondas de radiações eletromagnéticas (ELVEs) oriundas da nossa estrela de referência o Sol (localizada a cerca de 150.000.000Km) e deslocando-se através do Espaço (existente entre a estrela e a Terra) a uma velocidade próxima da velocidade da luz (V≈300.000Km/s), atingiram na passada quarta-feira (dia 8 de Junho) os céus do estado norte-americano do Colorado.

 

elve_strip.jpg

ELVE registado nos céus do Colorado

(Thomas Ashcraft)

 

Como resultado do violento impacto registado entre estas partículas oriundas do Espaço (exterior) e a base da Ionosfera terrestre, foi na altura observado um fenómeno extremamente curto e luminoso (com uma duração de 0.001s e estendendo-se por uma área de cerca de 300Km) tendo como consequência visível um intenso e curtíssimo relâmpago.

 

Neste caso acidentalmente registado pela câmara de vídeo do astrónomo amador Thomas Ashcraft (já que o fenómeno dura apenas 0.001s) e com a sua objetiva dirigida para uma camada superior da atmosfera (acima de uma tempestade) localizada muito próxima da fronteira aparente Espaço/Terra: como se fosse um DONUT iluminado.

 

Um fenómeno pelos vistos já bem conhecido e compreendido pela nossa comunidade científica especialista nestes Eventos atmosféricos (para nós e talvez pela nossa situação geográfica/coordenadas nunca vistos e um pouco estranhos), explicando-se muito rapidamente pela emissão de fortes impulsos de energia eletromagnética vinda de uma fonte exterior à Terra (o Sol) e pelo seu impacto final com a camada exterior que protege o nosso planeta (e a vida nele existente).

 

Conhecidos como ELVEs (Emissions of Light and Very Low Frequency Perturbations due to Electromagnetic Pulse Sources) e impercetíveis para todos nós (devido à sua baixíssima frequência), mas indicando rigorosamente na zona de formação desse DONUT brilhante o ponto central de impacto da EMP.

 

Upperatmoslight1.jpg

Fenómenos elétricos conhecidos registados na atmosfera terrestre

(ELF, SPRITE, BLUE JET e LIGHTNING)

 

An electromagnetic pulse (EMP) is a short burst of electromagnetic energy. EMP interference is generally disruptive or damaging to electronic equipment and at higher energy levels a powerful EMP event such as a lightning strike can damage physical objects such as buildings and aircraft structures.” (Wikipedia.org)

 

Os ELVEs são assim (e basicamente) emissões de radiações eletromagnéticas provenientes (maioritariamente) do Sol, que ao chegarem aos limites da Terra e ao chocarem com a sua camada exterior (a ionosfera), provocam da parte desta uma reação curta e brilhante originando o aparecimento de um fenómeno instantâneo e luminoso mas difícil de detetar: no caso dos ELVEs durando cerca de 1/1000 de segundo (impercetível para o Homem), enquanto no caso das RED SPRITES estendendo-se a sua visibilidade por um período um pouco maior e podendo já cintilar por cerca de um segundo (por este motivo mais fáceis de observar a olho nu).

 

O que nos leva a pensar em todas as consequências (positivas, negativas ou neutras) que estes fenómenos atmosféricos (visíveis ou invisíveis) possam ter na manutenção do ecossistema vital e limitado onde todos os seres vivos vivem atualmente (no também nosso planeta Terra), se necessário estudando-os, prevendo-os, prevenindo-os e como consequência direta e lógica, tentando sempre arranjar algum tipo de solução aceitável e realista. Mas nunca ficando à espera, a aguardar os efeitos do Impacto – que até poderá ser Profundo.

 

[Tal como no sexo, com as consequências já tão bem conhecidas (até no impacto comunicacional, com o aumento de audiências)]

 

(dados e imagens: spaceweather.com e wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:50