Impacto no Portugal Profundo (e sem resposta)

Incêndio de Pedrogão + Incêndio do Pior Dia do Ano > 100 Mortos

(num curto período de apenas 4 meses)

 

Num momento em que o número de vítimas mortais certamente ultrapassará as 100 pessoas e nem querendo pensar na Catástrofe Ambiental com o certo desaparecimento de muitos Ecossistemas (por mais pequenos que sejam sempre fundamentais, até pela diversidade e manutenção de equilíbrios).

 

Uns dizendo ser Natural outros do tipo Artificial

 

1.jpg

 

Vivo num país que posto perante uma verdadeira carnificina (veja-se a área ardida, o tipo de população aí residente e os combustíveis altamente inflamáveis colocados em seu redor) mantem a sua inadmissível indiferença de modo a assim proteger mesmo que para além do limite (a linha vermelha de sangue) o seu quotidiano monótono sustentado numa mera remuneração unicamente para sobreviver (desde a base até ao topo): um povo trabalhador dirigido por Analfabetos (por diversos esquemas aceites, equiparados a doutores) e por essa mesma razão mentalmente desfalcados (sem cultura e sem memória e dispondo de pouco tempo) ‒ Trabalhar, Comer, Dormir e no meio Procriar ‒ e sem força (psíquica) para se opor à violência (física), instalada em todo o lado (no Espaço) e a qualquer momento exercida (no Tempo) apenas aplicando a Lei escrita por eruditos: para se manterem no poder sabendo não ser necessário demonstrar competência (mas certificação curricular), mas no meio da catástrofe e de maior incompetência (estando tudo preparado, mas terminando num caos) deixando a violência avançar (certamente por travagem mental, ao contrário sendo um crime, no mínimo na escala moral), a incerteza pairar (face a mais uma paulada levada, com gente ainda mais traumatizada) e o esquecimento prevalecer (assim se mantendo o Poder). Lavando-lhes a alma (cada vez com mais pecados numa fila sem fim), dando tempo para os cadáveres (para contar e para esconder, estudar e fortalecer) e para confortar o Povo (banalizando as mortes tal como o faz com os Direitos do Homem), assim seguindo em frente Marchando contra os Canhões (neste caso contra os Incêndios e numa Guerra Total).

 

2.jpg

 

Mas como ainda existem pessoas com alguma cultura e memória (mesmo que desmotivados pelo branqueamento dos novos escrivas, certificando a História Oficial e transformando-a em historinhas com dinheiro, mulheres e muitos tiros) passando parcialmente incólumes pelos filtros do Poder (apesar de uma forma ou de outra, sendo marginalizados e como tal penalizados) ‒ praticamente impossível dada a (altíssima) toxicidade ambiente (convenientemente embrulhada com o apoio dos Média e em forma de laço decorando o embrulho) ‒ estando ainda em aberto um vasto espaço reflexivo (algo se encontrando neste oceano de 7,5 biliões de Almas) onde possamos pensar e daí tirar ilações (se possível levando a conclusões). Numa História que nos poderá recolocar não num tempo (curto para nomear responsáveis e deixando tudo na mesma) antecedendo o Evento ‒ unicamente servindo para a proteção e salvaguarda do Sistema ‒ mas nas verdadeiras Origens e nas Causas dessas Raízes (permitindo a eclosão do Evento), em vez de enriquecer o Sistema enchendo-o de Ervas Daninhas: em Portugal bastando recuar (até para melhor compreender as últimas gerações) pelo menos uns Cem Anos (rigorosamente 107) para em 2017 chegarmos finalmente a Outubro (já com pelo menos 100 mortos, a uma média de 25/mês) e assim à 2ª Fase de um mesmo (e atrás referido) Evento.

 

3.jpg

 

Tomando-se como referência o Dia da Implantação da Republica (5 de Outubro de 1910), estendendo-se no tempo e passando pelo Golpe ditatorial do 28 de Maio (de 1926) ‒ colocando Salazar no poder por cerca de 40 anos ‒ atravessando toda a Revolução antes/durante/depois (de 25 de Abril de 1974) e antes de chegar ao Evento (mortal) do ano 2017 jamais esquecendo o Marco Histórico (por Formativo, de uma Geração sem culpa, mas rasca e no poder) da Chegada do Dinheiro: no dia 12 de Junho de 1985 com o 1º Ministro de Portugal Mário Soares a assinar o Tratado de Adesão de Portugal à CEE (com muita oposição política, vinda da esquerda como vinda da direita) ‒ com o país por essa altura a atravessar uma grave crise económico/política com causas internas como também externas (daí a urgência na ação do socialista Mário Soares) ‒ e como consequência nas eleições seguintes perdendo a maioria e entregando-a (verdadeiramente de mão beijada e hoje constatando-se Infelizmente) a Cavaco Silva. De todos os políticos atravessando os séculos XX/XXI e a partir daí tentando-se descobrir o Novo Monarca do Século (Atravessando Regimes Republicanos num nº máximo de anos) ‒ numa tentativa de reflexo do ícone (de alguns ou de muitos) Salazar ‒ tendo logo e em 1º (36 anos no Poder como 1º Ministro) António de Oliveira Salazar e indubitavelmente em 2º (20 anos no Poder como 1º Ministro ou Presidente da Republica) Aníbal Cavaco Silva (e só depois surgindo o promotor da entrada Europeia o 1º Ministro socialista de nome Mário Soares ‒ 15 anos no Poder como 1º Ministro ou Presidente da Republica); e já agora adicionando ainda Américo Tomás (um indivíduo de baixo perfil passando despercebido) o Presidente de Salazar e de Marcelo Caetano (16 anos no poder como Presidente da Republica e peça decorativa).

 

4.jpg

 

E depois de quase meio século de ditadura (com Oliveira Salazar) e de mais de uma década para entrar na Europa (com Mário Soares) só faltando mesmo apanhar (aparentemente e não para todos) mais vinte anos de bolsos cheios (acompanhados de cabeças vazias, entre escravos e leigos e com os bancos a pôr/dispor) preparando a Tormenta pós-Aníbal Cavaco Silva (o que se viu e o que se vê especialmente a nível político desde a base até ao topo): num tempo após a Bomba (guiada pelo Homem do Leme) mas morrendo-se das radiações (e com o artefacto afastado há já quase 20 meses). Hoje com Marcelo e Costa e o país menos inclinado (e já depois de levar com um triplo torpedo ‒ Barroso, Sócrates e Coelho) ‒ e estando entre 2011/2015 mesmo à beira do abismo ‒ chegando o Tempo dos Incêndios na Era da Geringonça com um Ministro em questão (MAI/Constança Urbano de Sousa/50 anos e nascida em Coimbra) e outros pedindo a demissão (sobretudo a oposição PSD/CDS mas também o BE): como se o problema fosse apenas de Um (a Ministra), mesmo sem plano de ação (por não ser prioritário) e sem conjugação de saberes (com a presença de eruditos mas sempre apoiando os Bombeiros). Constança Urbano de Sousa (especializada em direito e nomeada pelo 1º Ministro para o MAI em 26.11.2015) tendo à sua guarda os assuntos Internos assim como (direta/indiretamente tanto faz, mas integrando a cadeia) os Incêndios, a Proteção Civil e os Bombeiros.

 

“Para mim seria mais fácil pessoalmente ir-me embora e ter as férias que não tive, mas agora não é altura de demissões”.

 

“Não é nos momentos mais difíceis que as pessoas abandonam o barco. Não, não ia resolver o problema. O que precisamos de ter aqui são ações”.

 

“Quero deixar um apelo às pessoas para que adequem os seus comportamentos às situações que se estão a viver. Têm de colaborar com as autoridades e obedecer às ordens”.

 

(Constança Urbano de Sousa/observador.pt)

 

Incêndio

Local

Nº mortos

Nº feridos

Área ardida

Danos materiais

17 Junho 2017

Em redor Pedrogão Grande

(Leiria)

64

254

53.000ha

500/48/372 Casas/empresas/postos trabalho afetados; 500 milhões de prejuízos

15 Outubro 2017

Viseu, Coimbra, Guarda,

C. Branco

41

71

54.000ha

(só no dia 15)

Ainda s/dados confirmados (238 casas destruídas só em Pampilhosa da Serra)

Total

2 Eventos

105

325

107.000

(Em Atualização)

Quadro dos incêndios de Pedrogão Grande (1º Evento) e do Pior Dia do ano (2º Evento)

Valores aproximados/em atualização (17/10)

 

5.jpg

 

No dia 15 de Outubro de 2017 (um Domingo) confirmando-se o cenário já por muitos previsto (que não do Governo, das Autarquias, da Proteção Civil e dos carreiristas políticos) e devido ao tempo seco (devido a uma seca prolongada provocada pela falta de chuva), à vegetação em ponto de rebuçado (cobrindo o solo com um espesso manto sem qualquer humidade e pronto a arder) e à escassez de acessos (muitos deles por limpar e intransitáveis), com populações (aí instaladas) isoladas e de pouca densidade (espalhadas por montes e vales) ‒ e inexistentes sistemas de proteção e de segurança (das populações) ‒ repetindo-se um trágico Evento de proporções idênticas (senão pior) ao anterior, ocorrido há 4 meses em torno de Pedrogão Grande. E só a 17 de Outubro perante esta nova tragédia (não só pela mesma e pelas vítimas, como pela ausência criminosa de meios ‒ para combater os incêndios ‒ lançando populações inteiras para o interior de uma enorme Fogueira), com a presença do Presidente e face às palavras de uma presente (exigindo a demissão imediata da Ministra), se demitindo Constança (a até aí líder do MAI) por iniciativa própria e mensagem (pondo Costa também a arder) e aceite por Costa sob ultimato de Marcelo (apoiado pelas palavras duras, da senhora a ele abraçada ‒ num pedido irrecusável transmitido ao subalterno). Um exemplo de como um individuo (pelo menos sendo pratica comum e generalizada no esquema político-administrativo atualmente em vigor em Portugal) completamente desenquadrado da área sobretudo em compreensão (sendo-lhe atribuído um lugar apenas por mera nomeação superior), ocupa um cargo de Alta Responsabilidade, sem no mínimo saber algo, como por exemplo o que fazer (para além de ser um Ministro em clara autogestão, deixando-se levar pela corrente desta vez forte de mais e no final engolindo-o e só então desaparecendo). Um responsável que já há um ano dizia que já estava tudo pronto (e preparado para os Incêndios), reafirmando-o em 2017 antes do início da época (dos Fogos) e repentinamente (já com todos a clamar por reforços, investigações à Proteção Civil/e à sua ação e apoio aos desprezados Bombeiros/a única força real) sendo apanhado por um Fogo e logo depois por um outro (à segunda não sendo certamente surpresa) ‒ carregando atrás de si quase meio milhar de vítimas (entre feridos, mortos, desaparecidos e os nunca catalogados) e colocando mesmo em risco a vigência de um Governo ‒ ainda em boas graças mas queimando-se em fogo lento (para gáudio da oposição e dos incendiários).

 

No fundo sendo todos nós os verdadeiros Queimados (como sempre com o Povo a ser o Mexilhão). E como episódio irrelevante e só para entreter os políticos, com Constança Urbano de Sousa (a Ministra no pelourinho) a apresentar a demissão neste dia 18 de Outubro dia de precipitação (devendo-se talvez agradecer a uma outra senhora a chegada tão desejada da chuva, terminando de vez com os incêndios e com a incapacidade de muitos ‒ Ofélia nome de furacão).

 

Algo lógico de acontecer ao escolher-se um como nós (não sendo nós melhores até pelas consequências desse ato) ‒ ao metermos na urna um cheque ao portador e com a quantia em branco (ficando então desfalcados e sem qualquer argumento): sendo a Culpa de quem lá os põe (mesmo em Democracia sempre uma minoria) e não de quem se aproveita (apenas para ganhar dinheiro). Como sempre A Bem da Nação!

 

(imagens: TVI24/euvi@tvi.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:05