mais sobre mim

subscrever feeds

Sábado, 17 DE Junho DE 2017

Calor e Sismos

Temperatura em Albufeira

(às 22:40 e sem ponta de vento):

25⁰C

 

Se em Portugal os incêndios e os raios ultravioleta são já uma preocupação para nós, o relativo aumento de atividade sísmica na região de Yellowstone (debaixo da qual se localiza a Caldeira de um Super Vulcão) poderá sê-lo também mas para os norte-americanos ‒ nós com um facto presente, eles com uma forte probabilidade futura.

 

201706172100_msg3_msg_ir_piber.jpeg

Portugal às 21:00 de 17 de Junho

 

Hoje sábado (dia 17 de Junho) o Verão abateu-se novamente sobre a cidade de Albufeira: com a temperatura máxima do ar a atingir os 38⁰C (temperatura da água do mar 21⁰C), com o céu limpo (tempo praticamente sem vento) e com os níveis de raios ultravioleta a atingirem nível UV10 (considerado muito elevado, mantendo-se amanhã e com certas regiões do país ‒ como Portalegre ‒a atingirem UV11/Extremo). Prevendo-se no entanto a partir de amanhã uma ligeira descida das temperaturas com a máxima a andar pelos 31⁰C/35⁰C e as mínimas pelos 18⁰C/23⁰C. Mas com o tempo de Verão a manter-se, com o céu praticamente limpo e tendo atenção aos UV (raios ultravioleta): com UV10 devendo-se ir vestido para a praia e com UV11 sendo o melhor manter-se por casa.

 

west-yellowstone.jpg

Parque Nacional de Yellowstone

 

E do outro lado do Atlântico localizado no estado do Wyoming mais precisamente no Parque Nacional de Yellowstone, com um sismo de M4.3 a sacudir a região (44.77N e 11.05W) no início do passado dia 16 (00:48:47) a uma profundidade de (apenas) 9Km (o seu epicentro). Numa semana iniciada em 12 de Junho (segunda-feira) e na qual se verificaram até ao dia de hoje (sábado, 17) e considerando magnitudes iguais ou superiores a três a 5 sismos: M3.1 (p=11Km), M3.2 (p=10Km) há 5 dias atrás, M4.4 (p=9Km) há dois dias atrás, M3.1 (p=9Km) e M3.0 (P=8Km) há menos de um dia. Sismos que sendo comuns de ocorrerem todos os dias num clima de completa normalidade nesta região central dos EUA, não o são ao ocorrem mais frequentemente com estes níveis de intensidade (e com mais de dezena e meia de sismos com M2.57M2.9).

 

(imagens: IPMA e WEB)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:40
Quarta-feira, 14 DE Junho DE 2017

Democratas ou Republicanos?

[A pergunta eventualmente colocada pelo atirador desta quarta-feira antes de entrar em ação]

 

Depois de glorificarem a violência como estratégia política (exclusivamente de sobrevivência e desvalorizando a situação e imagem do seu próprio país), os Democratas vêm-se agora com as primeiras consequências da sua campanha absolutamente implacável, não olhando a limites e verdadeiramente Assassina (no mínimo um assassinato político): com células agora ativadas (como as do ISIS) a tomarem a iniciativa (tendo Donald Trump como alvo) e a passarem à ação (a matar).

 

Congressman critical after surgery for wounds in DC-area shooting

(reviewjournal.com)

 

“A rifle-wielding attacker opened fire on Republican lawmakers at a congressional baseball practice Wednesday, wounding House GOP Whip Steve Scalise of Louisiana and several others as congressmen and aides dove for cover.”

 

58028868.jpg

Tentativa de assassinato tendo Republicanos como alvo (à falta de melhor ou seja de DT)

(na imagem com Steve Scalise nº 3 na Câmara dos Representantes dos EUA pelos REP)

 

Quando a 7 de Novembro de 2000 após dois mandatos Democratas na Presidência dos EUA (com Bill Clinton como Presidente e Al Gore na Vice-Presidência) George W. Bush foi eleito para o seu 1º mandato, apesar do menor número de votos populares alcançados (mais de meio milhão) mas tendo atingido a maioria no Colégio Eleitoral (271/266), a vitória de G. W. Bush não foi então contestada baseada na vitória de AL Gore no Voto Popular (pois toda a gente conhecia as regras do jogo com a vitória a ser conseguida através da maioria no Colégio Eleitoral) mas sim pela atribuição da vitória no Estado da Florida atribuindo 25 votos para o Colégio Eleitoral e desempatando a contenda a favor dos Republicanos (inicialmente tendo sido os Democratas a ganhar a Florida mas numa recontagem passando para o lado Democrata). Com a situação de impasse a manter-se durante uns tempos (pelo menos até meados de Dezembro) mas com os Democratas a aceitarem finalmente os resultados. Já em 2000 sendo a 4ª eleição em que tal sucedia (Voto Popular face Colégio Eleitoral) sendo Donald Trump apenas o quinto. Com os restantes a serem em 1824 John Q. Adams (Democratic-Republican Party), em 1876 Rutherford B. Hayes (REP) e em 1888 Benjamin Harrison (REP).

 

Presidenciais de 2000

7 Novembro

Voto Popular

%

Colégio Eleitoral

Estados

George W. Bush

REP

50.456.002

47,9

271

30

Al

Gore

DEM

50,999,897

48,4

266

20+DC

Presidenciais de 2016

8 Novembro

Voto Popular

%

Colégio Eleitoral

Estados

Donald

Trump

REP

62.984.825

46,1

304

30

Hillary

Clinton

DEM

65.853.516

48,2

227

20+DC

(Resultados das Presidenciais de 2000 e 2016)

 

Em 2016 e num contexto completamente diferente com o 45º Presidente dos EUA (Donald Trump/REP) a repetir o feito destes seus 4 antecessores (pela 5ª vez), ficando a quase 3 milhões de votos de distância do seu opositor (Hillary Clinton/DEM) ‒ mas obtendo uma grande maioria (ao contrário de G. W. Bush) no Colégio Eleitoral (304/227). E apesar da clara vitória no Colégio Eleitoral (+77) com o candidato vitorioso e já nomeado Presidente a continuar a ser atacado de uma forma violenta (fazendo lembrar os tempos, os processos e a metodologia do macartismo) e mesmo extremamente perigosa (por afetar todo o Governo, toda a Administração e toda a estrutura em que se baseia a sociedade norte-americana) apenas por ser quem é (uma ameaça à atual classe política parasitária seja Democrata seja Republicana) e pela sua vitória nunca esperada: mesmo sendo apelidado de Palhaço e de Boneco de Putin derrotando o Sistema (incarnado em Hillary Clinton) até aí apoiando os instalados (os Democratas com uma poderosa máquina nos média). Numa luta fratricida entre dois Partidos de referência e num tempo da História em que não haverá (num futuro já presente) lugares para todos: com as Corporações a assumirem de vez os instrumentos do poder, diluindo o Estado (com a ajuda dos milionários) e com ele dispensando os seus funcionários (e não apenas os de base como até os de topo ‒ eliminando os políticos). E disso todos tendo medo (os políticos) com o mesmo (sentimento) alastrando à (velhinha e decrépita) Europa (pela paupérrima imagem dos seus líderes).

 

Assistindo-se agora e como se estivéssemos irremediavelmente inseridos numa corrente violenta, destrutiva e unidirecional, a uma sucessão de acontecimentos sempre vindos do mesmo lado e com o único objetivo de fazer desaparecer um Presidente: associando-o aos russos e chamando-o de “traidor”, utilizando métodos do ISIS e “cortando-lhe a cabeça”, ainda o vendo mexer e chamando-lhe “monte de merda”, adaptando-o a uma peça e “esfaqueando-o até à morte” e nada mais acontecendo “nem mesmo no Congresso” (nas suas estupidificantes audiências) passando ao nível seguinte e “começando a matar” (mas ainda com o Presidente bastante lá para o fundo). Democratas que hoje nada têm a ver com figuras históricas como John F. Kennedy (1961/1963) e Jimmy Carter (1977/1981), num partido destruído por uma família (os Clinton) e colocado em banho-maria por um Evento algo estranho (a eleição de uma minoria fosse de raça negra ‒ neste caso Obama ‒ ou do género feminino, que não HC).

 

(texto/inglês e imagem: reviewjournal.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:37
Quarta-feira, 14 DE Junho DE 2017

O Presidente dos EUA Assassinado

[Depois de Decapitado ‒ e entretanto equiparado a Merda ‒ Esfaqueado Até à Morte com selo CNN de garantia]

 

Com a CNN completamente descontrolada na sua obsessão de fazer desaparecer seja de que maneira for o 45º Presidente dos EUA da cena política norte-americana (nem há cinco meses lá está), eis que é agora um dos apresentadores mais conhecidos desta estação Fareed Zakaria (norte-americano de origem indiana opondo-se de forma extrema ao atual Presidente) a envolver-se pessoalmente nesta campanha (de verdadeira tentativa de assassinato político) convidando inocentemente os que ainda o escutam (veremos o que acontece agora com os patrocínios) a ver a peça Júlio César como uma interpretação brilhante para a era de Trump (ao mesmo adaptada) e considerando-a mesmo uma obra-prima.

 

dt1.jpg

1

 

Como se pode ver pelas imagens (de 1 a 6) que atiraram esta peça para o palco e para a ribalta não de cariz teatral mas declaradamente informativo (senão nem sequer saberíamos da sua existência), o momento particularmente brilhante (6) e que contribuiu para o elogio do apresentador Fareed Zakari (erguendo segundo ele a peça a obra-prima do universo teatral):

 

dt4.jpgdt5.jpg

2/3

 

E já depois de ter sido “decapitado” e de ter sido considerado um “monte de merda” (contando inicialmente com a colaboração da CNN e posteriormente com a mesma distanciando-se e despedindo os seus agentes), eis que de novo o comportamento se replica e o Presidente é atacado, esfaqueado e mais uma vez assassinado ‒ num cenário ensanguentado, obviamente Primário, Violento e Selvagem e fazendo-nos de novo lembrar os atos perpetrados pelo ISIS (agora pelos vistos incluídos nos guiões “softs” da estação). Sugerindo mesmo a participação no festim da 1ª Dama.

 

dt6.jpgdt7.jpg

4/5

 

Ficando-se agora à espera da reação da estação CNN face a este ato deprimente e convidando à violência (nos atos semelhantes praticados anteriormente, acabando na dispensa do colaborador/funcionário) agora que é posto em causa não uma Katty Griffin ou um Reza Aslan mas um apresentador (dito) de referência como Fareed Zakaria: servindo-se de uma rede de televisão para numa expressão individual de ódio pelo seu Presidente (tentando cativar outros para a sua campanha pessoal) considerar uma obra-prima uma peça de teatro em que a “Cena” nos mostra o (convite ao) esfaqueamento e assassinato do 45º Presidente dos EUA.

 

snapshotdt9.jpg

6

 

Concluindo-se com toda esta Campanha Ininterrupta, Esmagadora e Nunca Vista de Assassinato Político Presidencial (iniciado no momento em que Trump de Palhaço passou a potencial Presidente), que jamais a sociedade norte-americana mudará enquanto se mantiverem de pé as duas principais estruturas de perpetuação de poder e recrutamento de clientela: o partido Democrata (c/ Clinton) e o partido Republicano (c/ Trump), sendo ambos os principais elementos parasitários de um Sistema e de uma Estrutura que já não precisando mais deles, se tentam (sistema e estrutura) libertarem dos mesmos, mas deparando com reações violentas como resposta. Com as grandes Corporações mandando no Mundo decoradas pelos seus patrões e acessórios, que falta fazem hoje os políticos?

 

(imagens: Inside Edition/youtube.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 08:59
Domingo, 11 DE Junho DE 2017

Marte ‒ Uma lacuna no meio de queijo suíço

Uma imagem (fig. 3) fornecida pelo telescópio HiRISE (operado por técnicos da Universidade do Arizona) colocado a bordo do orbitador MRO (controlado por técnicos da NASA/JPL ‒ uma divisão do Caltech/Instituto de Tecnologia da Califórnia) movimentando-se em torno do planeta Marte.

 

PIA21636 A.jpgPIA21636 C.jpg

Fig. 1/2

A lacuna e o queijo suíço

 

No fim do Verão no Hemisfério Sul do planeta Marte e com o Sol agora mais baixo no horizonte (dando origem ao aparecimento de zonas de sombra e tornando mais fácil a visualização da topografia do planeta), o instrumento ótico HiRISE instalado a bordo da sonda orbital MRO girando em torno de Marte (desde Março de 2006),

 

PIA21636.jpg

Fig. 3

Gelo tipo queijo suíço e cratera de abatimento ou impacto

(a partir de Marte/PIA 21636)

 

Ofereceu-nos recentemente um cenário da superfície marciana (editada em 30 de Maio) com pequenos resíduos de gelo (de dióxido de carbono) ainda presentes e bem visíveis sobre a mesma (brancos e brilhantes), incluindo nesse registo uma depressão algo profunda e de forma circular (penetrando o gelo e a cobertura superficial) supostamente atribuída (na sua formação) a um abatimento de terrenos ou a um impacto exterior.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:13
Sábado, 10 DE Junho DE 2017

Albufeira 10

No aproveitar é que está o ganho

(e enquanto se puder por aqui)

 

201706101200_msg3_msg_ir_piber.jpeg

Península Ibérica - 10 Junho/12h UTC

(imagem de satélite/infravermelho/EUMETSAT/IPMA)

 

Céu limpo, humidade de 40%, visibilidade de 16Km e temperatura de 28⁰C é a descrição do estado tempo por volta do meio-dia de sábado (10 de Junho) na cidade de Albufeira (via sapo.pt): com a previsão a apontar para o dia de hoje temperaturas do ar entre 17⁰C (mínima) e 31⁰C (máxima). E para quem for para a praia com a temperatura da água do mar a andar pelos 20⁰C, sentindo-se uma pequena brisa de norte e pequena ondulação marítima (até aqui excelente) e no entanto com os raios ultravioleta a atingirem o nível UV10 (muito elevado e no fundo aconselhando-nos a irmos vestidos para a praia).

 

knysna-fire-south-africa.jpg

Enquanto aqui nos aproximamos do Verão no Hemisfério Sul é o Inverno que aí vem: como o demonstra o registo oriundo da África do Sul onde após a passagem de uma poderosa tempestade atmosférica acompanhada de ventos fortes, deflagraram vários incêndios (na região da Cidade do Cabo perto da cidade de Knysna) daí resultando destruição de infraestruturas, 10000 evacuados e pelo menos 3 vítimas mortais

 

Num dia (10 de Junho) em que foi registado por volta das 03:32 da madrugada um pequeno sismo a SE de Albufeira, verificado a 30Km de profundidade e de M2.0 (provavelmente nem sequer sentido). E num período de tempo iniciado na passada terça-feira (6 de Junho) em que o protagonista sismologicamente falando se situa bem mais a norte na região de Amarante (sobretudo NE) ‒ com 12 sismos de pequena intensidade registados nos dias:

 

Dia

 

Nº sismos

Magnitude

6

8

3.6/1.3/1.7/1.5/1.1/1.0/0.9/1.5

7

 

3

1.6/1.1/1.4

8

 

0

-

9

 

1

0.6

 

DBuXs0sXsAAxEKc.jpg  DBuXs0sXcAAMrRY.jpg

Our thoughts to Residents evacuated and Fire Crews battling Knynsa Fires

(legenda/imagem: @VulcanWildfire)

 

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas (com o nosso poeta Manuel Alegre a receber este ano o prémio Camões), feriado nacional e dia primeiro (o segundo será domingo), onde passada a noite em festas populares com bailes, muita comida e bebida, o caminho aponta sempre para a água e para o usufruto das benfeitorias da terra e do ar: nem que seja bem sentado frente ao mar (à frente do INATEL), olhando-o a brincar e a ondular e com a baía à direita refletindo a luz solar a convidar, a mais um parafuso, penalty ou outro cálice qualquer (na altura sagrado), talvez mesmo de medronho ou então de amêndoa amarga mas sempre com uns cubos de gelo e algo mais para animar (mas que faça companhia).

 

(outras imagem: Jaco van der Walt e watchers.news)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:50
Sábado, 10 DE Junho DE 2017

Out of CNN (2)

CNN Dumps Reza Aslan After He Calls Trump A ‘Piece Of S**t’ On Twitter

(David Moye/huffungtonpost.com)

 

E eis que face ao cansaço extremo dos espetadores e à queda preocupante das receitas (e são eles/elas que mantêm as estações) ‒ acrescido ainda do esvaziamento progressivo do Balão Informativo Donald Trump ‒ as primeiras cabeças começam a cair para que assim se possam salvar umas quantas outras cabeças talvez do tipo FBI (em que uma das vítimas foi o diretor do FBI James Comey, amedrontado e despedido por achar ser Trump, um mentiroso ao contrário de Obama ‒ que tal como afirmou e se fosse ele, o manteria no lugar).

 

snapshot v.jpg

Reza Aslam

(apresentador do programa da CNN Believer)

 

Depois da comediante Kathy Griffin ter sido despachada da CNN por ter “decapitado” Donald Trump, eis que a mesma estação num intervalo de uma semana despacha um segundo elemento: agora o apresentador Reza Aslam (show Believer) por designado Donald Trump como um “monte de merda”.

 

593af0b81600002200115556 B.jpeg

 

Num Tweet insultuoso dirigido ao Presidente dos EUA por altura do atentado de Manchester e publicado como resposta à opinião de Donald Trump (emitido também no Twitter) sobre medidas a tomar (no seu país) para evitar tais acontecimentos (mortais). E tal como no caso da comediante com desculpa posterior mas sem efeitos ativos (não mostrando arrependimento).

 

593af0b81600002200115556 C.jpeg

 

E como não poderia deixar de ser (não sou eu que acho são eles) com a estação CNN a abandonar Reza Aslam e o seu show Believer, depois da grande onda de críticas recebidas pela publicação do insulto ao Presidente dos EUA ‒ e levando como consequência à suspensão da série e das novas temporadas. Agradecendo-lhe pela contribuição e desejando-lhe boa viagem: “We wish Reza and his production team all the best”. (cnn.com)

 

Oh the joy when this lying conniving scumbag narcissistic sociopath piece of shit fake president finally gets what's coming to him.”

(Reza Aslam/10 Maio)

 

Como se pode ver um apresentador e frequentador do Twitter (tendo em comum com Donald Trump ser apenas mais um frequentador deste canal de comunicação) que pela sua orientação política e provável filiação partidária (ao lado dos imprevistos derrotados, obrigados a deixar o poder) optou como a esmagadora maioria dos Média (norte-americanos e seus satélites) por atacar o seu Presidente de uma forma extrema e nunca vista antes nesta Democracia: atacando, pedindo desculpa, mas sempre justificando (para uma futura e possível réplica).

 

(dados/imagens: huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:49
Sexta-feira, 09 DE Junho DE 2017

Eleições no Reino Unido

Tentando reforçar a sua maioria no parlamento britânico de 330 lugares (em 650 maioria a 326) Theresa May desejou antecipar as eleições (não ligando às preocupações dos seus eleitores) e o resultado foi uma estrondosa derrota: perdendo a maioria e 31 lugares e mesmo assim (e ao contrário de David Cameron) não querendo demitir-se. Entreabrindo a porta nº 10 e deixando desde já Jeremy Corbin à espreita (sendo necessário para entrar apenas empurrar a porta) tal o caos estratégico do partido Conservador (completamente à deriva desde que David Cameron como um “verdadeiro comandante” foi o 1º a abandonar o barco).

 

GettyImages-693704660-1160x805.jpg

Jeremy Corbin (Trabalhistas/Sindicalista/68 anos) ‒ 40,0%

Theresa May (Conservadores/Banco de Inglaterra/60 anos) ‒ 42,5%

 

Com os resultados das Eleições no Reino Unido já conhecidos, a primeira conclusão a tirar (até porque estas eleições antecipadas foram promovidas pelos Conservadores de modo a reforçarem a sua liderança) é que o partido no poder sofreu uma considerável derrota (o 2º grande erro Conservador neste caso da autoria de Theresa May): dos 330 lugares que lhe davam uma maioria no parlamento britânico passando a 318 e apesar de continuar a ser o maior partido, perdendo a sua margem de manobra e ficando dependente de alianças com terceiros (e menores partidos). E colocados perante as negociações associados ao Brexit (o 1º grande erro Conservador neste caso da autoria de David Cameron), não se percebendo até ao momento como querendo prosseguir o seu caminho (como se nada se tivesse entretanto passado) Theresa May irá resolver a embrulhada em que se enfiou ‒ para já falando-se de uma aliança (não de Governo) com os Democratic Unionist (da Irlanda do Norte) atingindo assim a maioria com 328 lugares (maioria com 326), mas por outro com os Trabalhistas a oferecerem-se também para um possível Governo por si liderado (minoritário) apoiado por outras forças com lugares no parlamento Britânico e mais próximos do centro-esquerda. E desse modo com o partido Trabalhista do tão contestado Jeremy Corbin (interna e externamente) a ser o grande vencedor destas eleições de 8 de Junho, não só pela sua grande subida de lugares no parlamento (+31 lugares), como da subida espetacular no número de votantes (perigosamente próximo dos Conservadores) ‒ colocando-o hoje numa posição de força no parlamento britânico e talvez iniciando aí (e agora) o seu caminho para ser o próximo Primeiro-Ministro agora que a ameaça de novas eleições começa cada vez mais a pairar no ar.

 

Partido

 

Lugares

Evolução

Votos

(%)

Conservative

 

318

-12

13,650,918

42.45

Labour

 

261

31

12,858,644

39.99

Scottish National

35

-19

977,568

3.04

Liberal Democrat

12

3

2,367,038

7.36

Democratic Unionist

10

2

292,316

0.91

Sinn

Féin

7

3

238,915

0.74

Plaid

Cymru

4

1

164,466

0.51

Green

 

1

0

524,604

1.63

Ind

 

1

-4

144,884

0.45

Ulster

Unionist

0

-2

83,280

0.26

Soc. - Dem. and Labour

0

-3

95,419

0.3

Ukip

 

0

0

593,852

1.85

Other

 

0

0

166,336

0.52

Resultados das Eleições Gerais na Grã-Bretanha de 8 de Junho

(um lugar por definir de um total de 650 ‒ maioria 326)

 

Indo-se agora viver no Reino Unido mais um período de grande indefinição política, com os Conservadores a continuarem a lutar pelo Brexit (e sejamos sinceros forçados a seguir essa opção) ao mesmo tempo que uma maioria cada vez mais significativa (e declaradamente contra os resultados do referendo do Brexit) continuando a sua luta pela permanência ‒ enquanto mesmo ao lado da Ilha e face à confusão instalada, o Continente mesmo sob uma grande crise sorri com a situação do filho há muito tresmalhado, mas (antes) oficialmente não declarado. De resto e observando o cenário eleitoral resultado de 8 de Junho com o parido Escocês a sofrer uma significativa descida (perdendo 19 dos seus 54 lugares distribuídos entre Conservadores/Trabalhistas), com o UKIP a desaparecer não do parlamento mas da vida política inglesa (apoiantes do Brexit) e com outros pequenos partidos (Liberais e pequenos partidos de Gales e da Irlanda do Norte) a manterem/subirem ligeiramente a sua representação. E do meio desta confusão indo muito provavelmente surgir um Governo com data de fim marcado (Conservador, minoritário e apoiado no parlamento) preparando-se para dentro de meses levar a cabo mais um ato eleitoral: com a América em guerra interna (os derrotados não aceitam os resultados), com a Europa completamente à deriva (à espera que os vitoriosos na América consigam emergir), com a guerra a poder explodir e alastrar a todo o Médio Oriente (agora que Trump armou os sauditas até aos dentes de modo a levar a sua avante, mesmo eliminando grandes aliados na proliferação do terrorismo como o Qatar) e agora como se já não bastasse e por completa incompetência e excesso de arrogância dos Conservadores criando o caos na Grã-Bretanha e adiando mais uma vez o país. Afinal de contas saindo ou reentrando?

 

(dados da tabela: theguardian.com ‒ imagens: politico.eu/Getty Images)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:21
Quarta-feira, 07 DE Junho DE 2017

Campeonato do Mundo de Snooker 2017/18

Desta sexta-feira a 15 dias inicia-se a 1ª prova do Mundial de Snooker com a realização do Riga Masters cujo detentor do troféu é o australiano Neil Robertson.

 

Mundial de Snooker 2017/18

(1ª prova contando para o RM)

Kasperski Riga Masters

23/25 Junho

(detentor do troféu: Neil Robertson/AUS)

 

riga-1325x668.jpg

Riga ‒ Letónia

 

1 Riga/China

 

Terminadas as 2 primeiras Provas de Qualificação do Circuito Mundial de Snooker para a Época 2017/18 ‒ qualificações do Kasperski Riga Masters (1ª prova a contar para o RM a decorrer entre 23/25 Junho) e do China Championship (2ª prova a contar para o RM a decorrer entre 16/22 Agosto) ‒ os jogadores preparam-se agora para a verdadeira abertura da época com a disputa na capital da Letónia do 1º torneio contando para o RM.

 

2A Riga

 

Relativamente às qualificações para o Riga Masters com John Higgins (ESC), Judd Trump (ING), Ding Junhui (CHI) e Marco Fu (HK) estando ausentes do torneio ‒ para só falar de jogadores integrando o Top Ten do RM ‒ além das eliminações na ronda de qualificação de Shaun Murphy (ING), Mark Allen (ING), Martin Gould (ING) e Ricky Walden (ING) ‒ só para falar dos melhores do RM.

 

2B Riga

 

E com o jovem suíço de 21 anos de idade Alexander Ursenbacher (mãe madeirense) a qualificar-se também para o Riga Masters, ao bater o inglês Billy Castle por uns esclarecedores 4-0. Um torneio não contando com a presença de nenhum dos 2 brasileiros integrando o Circuito Mundial, mas em contrapartida incluindo 1 elemento do género feminino a letã Tatjana Vasiljeva (uma das melhores jogadoras do Circuito Mundial Feminino) ‒ disputando a sua qualificação face a Anthony McGill (ESC) no 1º dia do Masters.

 

3 China

 

No que diz respeito às qualificações para o China Championship e com todos os tubarões já presentes, havendo pouco a destacar além das eliminações de Ricky Walden (ING), Kyren Wilson (ING) e do suiço Alexander Ursenbacher às mãos do inglês Mark Davis por 5-2. Dos 2 brasileiros não havendo sinais. Até à realização do torneio (a meio de Agosto) ainda se realizando o Riga Masters e um torneio por convites: a World Cup na China entre 3/9 Julho.

 

Assim até sexta-feira 23 de Junho em Riga capital da Letónia.

 

(imagem: WEB)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:46
Terça-feira, 06 DE Junho DE 2017

Eleições na Grã-Bretanha

UK-Election-2015.jpg

UK Elections

 

Com as eleições marcadas para a próxima quinta-feira (dia 8) as últimas projeções apontam para uma vitória dos Conservadores mas perdendo bastantes lugares para os Trabalhistas;

 

Ou noutra hipótese apesar de tudo possível mas certamente surpreendente (pelo terramoto político que provocaria agora que está em curso o Brexit sob o comando de Theresa May) para a vitória dos Trabalhistas e do seu tão contestado líder Jeremy Corbin.

 

Com o partido Escocês a poder ter um papel importante a desempenhar (no desenlace deste enredo).

 

General Election 2017:

Conservative poll lead over Labour narrows to just one point

 

Corbyn-and-May-small_trans_NvBQzQNjv4BqqVzuuqpFlyL

Theresa May (Tories) VS. Jeremy Corbin (Labour)

 

The Conservative lead over Labour has dropped to just one point in a new poll which is likely to set nerves jangling at Tory headquarters with polling day now just hours away.

 

The Tories were 24 points ahead of Jeremy Corbyn’s party when the election was called but the polls have tightened in recent weeks with a new survey by Survation for Good Morning Britain putting the Conservatives on 41 per cent and Labour on 40.

 

(imagens: cmegroup.com/telegraph.co.uk - texto/inglês: J. M./telegraph.co.uk/6.6.2017)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:36
Terça-feira, 06 DE Junho DE 2017

Ataque Meteorológico de Trump à Rússia

[Depois do de Obama]

 

Mais tardiamente e com menos impacto que Obama em 2013

(3 meses depois de eleito, com um meteoro)

Trump demorou cerca de 6 meses para dar o sinal a Putin

(com 2 tempestades meteorológicas no ano de 2017)

 

Deadly storm kills at least 1, injures 3 in Russia

(rt.com)

 

R1.jpg

 

Para quem ainda se lembra da eleição de Barack Obama para um segundo mandato como Presidente dos EUA (6 Novembro 2012), também se poderá recordar que aproximadamente 3 meses depois (15 Fevereiro 2013) e de novo com Vladimir Putin como Presidente (Maio 2012), a cidade russa de Cheliavinsk foi fortemente abalada pela explosão de um meteoro com cerca de 17 metros de diâmetro, o qual ao atravessar a atmosfera e desintegrar-se provocou uma forte onda de choque originando diversos danos materiais e cerca de 1200 feridos. Libertando uma energia de 500Kt (muito superior à bomba nuclear de Hiroshima).

 

R3.jpg

 

No passado dia 8 Novembro 2016 com o sucessor de Barack Obama a ser eleito como 45º Presidente dos EUA na pessoa do bilionário e Republicano Donald Trump e se tiverem estado com atenção a tudo o que se tem vindo a passar ora no Espaço (com BO) ora no Tempo (com DT), verificando-se rapidamente e sem necessidade de recorrer a grande esforço que no caso de Donald Trump o Evento que o terá precedido, ter-se-á concretizado um pouco mais tarde e sob a forma Meteorológica: com 2 grandes tempestades, uma a 29 de Maio (Moscovo) e outra a 3 de Junho (Ecaterinburgo) ou seja cerca de 6 meses depois.

 

R4.jpg

 

Curiosamente dois Eventos que se relacionam e interligam tanto no remetente (os EUA) como no destinatário (Rússia), apesar do primeiro não ser o mesmo (antes Obama depois Trump) e do segundo se manter (Putin): com cada um dos dois últimos Presidentes norte-americanos partilhando no tempo o mesmo Presidente Russo, a curto ou mais extenso prazo e logo após a declaração de vitória, mostrando supremacia e total controlo do Mundo, atacassem os seus inimigos mas de uma forma Natural. E mostrando-lhes a linha vermelha a nunca tentar transpor (com devida antecipação).

 

(imagens: rt.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:40

pesquisar

 

Junho 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
16
20
24
26
27
28
29
30

comentários recentes

Posts mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro