mais sobre mim

Terça-feira, 03 DE Outubro DE 2017

A Presença do Sol a 250 milhões de Km

Sabendo-se que na Terra todos os seus habitantes (cerca de 7,5 biliões) são expostos anualmente a um nível de radiação de 0,62 rad (e que o ser humano poderá suportar uma dose temporária perto dos 200 rad), em Marte e segundo estudos levados a cabo pelos cientistas responsáveis pela missão MARS ODISSEY, não só esse nível é 2,5X ao verificado na ISS/Estação Espacial Internacional (8 rad/ano) como quase 13X ao registado (e sentido por nós) à superfície do nosso planeta. Podendo mesmo atingir um pico máximo diário (em caso de um Evento Solar significativo) de 2 rad/dia (uma monstruosidade para a sobrevivência dos seres Humanos num ambiente hostil e mortal como Marte).

 

ega_1ms_mapcam_color_corrected_0-b.jpg

 O Planeta Azul-Mármore

A Terra a 22 Setembro 2017

(a partir da Sonda OSIRIS a 170.000Km de distância)

 

Com o planeta MARTE a 30 de Setembro deste ano a localizar-se a cerca de 249.207.000Km do Sol (com a luz emitida pela estrela a demorar pouco menos de 14 minutos para atingir o planeta) ‒ recorde-se que a Terra se localiza a 149.780.000Km (com a luz a demorar pouco mais de 8 minutos a cá chegar) eis que a sonda norte-americana MAVEN lançada em Novembro de 2013 pela agência espacial NASA com o objetivo de estudar a atmosfera marciana (e inserida em órbita há 3 anos), nos bem agora (mais uma vez e como se fosse necessário) demonstrar todo o poder do SOL.

 

PIA21855.jpg

1

Aparecimento de uma grande Aurora em Marte

(PIA 21855)

 

Numa Imagem (PIA 21857) editada a 29 de Setembro por uma das ligações da agência norte-americana NASA (photojournal.jpl.nasa.gov) utilizando os instrumentos científicos a bordo da sonda orbital MAVEN, com os mesmos a detetarem o aparecimento de uma AURORA (imagem 1) na atmosfera marciana (a diferentes altitudes) e mais relevante ainda sendo 25X mais brilhante (imagem 2) de que a maior anteriormente registada (pela sonda). Encaixando-se a intensidade dessa aurora e a data de pico máximo (12 Setembro 2017) com a intensa atividade do Sol registado no início de Setembro (emitindo chamas solares monstruosas).

 

PIA21857_modest.jpg

2

A Aurora de 12 Setembro 25X mais brilhante que a de 08.03.2015

(PIA 21857)

 

Mesmo com o planeta localizado a uma distância (do Sol) 1,66X a da Terra, com os efeitos das explorações solares (se dirigidas) a chegarem bem ativas a Marte, devido à grande intensidade das chamas (solares emitidas) e à grande possibilidade de CME (ejeção de massa da superfície do Sol). Com a luz da explosão a chegar em 14 minutos (a Marte) e no fim com os efeitos da mesma a viajarem pelo Espaço transportadas pelos ventos solares atingindo o planeta (digamos que viajando em redor de uns 500Km/s) nuns 6 dias. Apontando a explosão (registada no gráfico a 12) para o dia 6 no Sol.

 

aHR0cDovL3d3dy5zcGFjZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMDAwLzA2OS

3

A poderosa chama solar de 6 de Setembro de 2017

(da classe X 9.3/SDO)

 

O que na realidade aconteceu fazendo sobressair ainda mais os dados fornecidos pelo gráfico e simultaneamente informando-nos (e elucidando-nos) até que ponto o Sol pode influenciar o Sistema (Planetário) mesmo em regiões mais distantes (do Sistema Solar). Nesse dia 6 de Setembro de 2017 (imagem 3) e com as manchas solares AR 2673 e AR 2674 bastante ativas, com estas regiões da superfície solar a entrarem em erupção e a ejetarem para o Espaço uma poderosíssima chama solar da classe X 9.3 (sendo X a mais alta na escala). Neste caso viajando pelo espaço e 6 dias depois atingindo Marte (e originando Auroras).

 

PIA21856_modest.jpg

4

As partículas energéticas atingindo a atmosfera/superfície de Marte

(PIA 21856)

 

Concluindo-se com esta pequena análise (referida a Marte) e tendo como termo de comparação o nosso planeta (a Terra) ‒ com o mesmo a ser um planeta Vivo (com o seu motor interno a funcionar) ao contrário de Marte (sem erupções ou movimentos tectónicos visíveis) e além do mais possuindo escudos de proteção (o Cinturão de Van Allen e a nossa Atmosfera) e vida orgânica desenvolvida, organizada e inteligente (no topo estando o Homem) como o produto final pode ser tão diferente utilizando (como exemplos paralelos mas no entanto distintos) estes 2 planetas (a Terra e Marte), com um mais perto do Sol (Distância) mas no entanto muito mais protegido e seguro (duplamente):

 

aHR0cDovL3d3dy5zcGFjZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMDAwLzAyMC

5

A Terra e Marte/O Vivo e o Morto

(Terra = 2X diâmetro Marte ‒ duração dia T≈ duração dia M ‒ peso T ≈ 3X peso M)

 

Do que o outro mais distante, mas sem recurso a processos de carater preservativo (completamento exposto aos raios solares e cósmicos e ainda eventuais e periódicos impactos de objetos).

 

E com um Vivo (Terra) e o outro Morto (Marte) ‒ como os da Imagem 5.

 

No gráfico (imagem 4) indicando o número de partículas (energéticas e transportadas pelo vento solar) atingindo o planeta Marte na sequência da grande atividade solar registada no início de Setembro (com o seu pico máximo no dia 6 com uma chama solar da classe X9.3 a mais elevada) ‒ partículas atmosféricas (sonda Maven) e partículas à superfície (sonda Curiosity) ‒ com o mesmo referindo-se a 12/13 (de Setembro) evidenciando claramente um aumento bastante significativo do número de protões (em dois níveis energéticos no caso da atmosfera) tanto na atmosfera (parte superior do gráfico) como no solo marciano (parte inferior).

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:34
Sábado, 09 DE Setembro DE 2017

E a CME Chegou!

Num dia o Sol falou

(através da sua coroa solar)

E poucas horas depois

(dependendo da velocidade do vento solar)

A Terra registou

(através da sua atmosfera)

 

Com a chegada da chama solar da classe X9 emitida na passada quarta-feira pela mancha solar AR 2673, todos aqueles localizados a latitudes elevadas e observando o céu, puderam usufruir na noite passada de momentos de perfeito prazer visual (no mínimo), ao assistirem presencialmente aos efeitos provocados pelo impacto da CME com as partes mais elevadas da atmosfera terrestre.

 

Jani-Ylinampa-IMG_2542_1504832761.jpg

 Aurora na Finlândia

(7 de Setembro 2017)

 

Dada a intensidade da chama solar e da CME impactando a Terra, dando-se de imediato origem a uma forte intensificação da atividade geomagnética e ao aparecimento de fortes tempestades (eletromagnéticas), podendo-se atingir níveis de intensidade fortes/G3 e severos/G4 ‒ naturalmente levando ao aparecimento de Auroras (desde a Finlândia/com latitude máxima nos 70⁰ até estados como o do Arkansas/com latitudes em torno dos 35⁰).

 

Chris-Cook-aurora-boat-090717_1504845191.jpg

 Aurora nos EUA

(8 Setembro 2017)

 

Obtendo-se a partir do impacto e surgindo as primeiras Auroras, imagens por vezes verdadeiramente espetaculares, com cores variadas e extremamente brilhantes passeando-se e colorindo o céu, deixando-nos paralisados e estupefactos ao observar tal suprema beleza, mesmo numa grande cidade e fazendo o trânsito parar: como se terá passado na Escandinávia (Europa Setentrional) com o Céu a pôr-se brilhante e bastante colorido.

 

(imagem: Jani Ylinampa/Chris Cook/spaceweather.com)

tags: , ,
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:18
Quinta-feira, 07 DE Setembro DE 2017

Um Dia o Sol Reenviar-nos-á de Volta à Idade Média

Se perguntarmos a um norte-americano comum quais os maiores perigos que a Terra enfrenta no sentido da preservação do seu ecossistema, da sua vida mineral e Orgânica e da sua espécie dominante o Homem, as três respostas mais dadas até pelo momento que vivem e pelas mensagens persistentemente induzidas, serão sem qualquer tipo de dúvida o Presidente Donald Trump (num percurso de curta-distância), o Impacto de um Asteroide (num percurso de média-distância) ou uma Invasão Alienígena (num percurso de longa-distância). Esquecendo-se de um quarto fator, representando um outro perigo, podendo ser mesmo catastrófico senão mesmo definitivo: a presença do nosso Sol a uns escassos 150 milhões de quilómetros do nosso mundo (onde sempre vivemos) o planeta Terra. Um dia com uma forte explosão dirigida para a Terra, podendo ter uma repercussão ainda maior que o impacto do asteroide que extinguiu os dinossauros ‒ lançando o Mundo nas Trevas, extinguindo muitas espécies ou desligando-o (nos) de vez.

 

Philippe-TOSI-flarecoul_1504711540.jpg

 Explosão da classe X9 na mancha solar AR 2673

(em 6 de Setembro de 2017)

 

Apesar do número de manchas solares ter vindo a diminuir desde o início do século XXI e de simultaneamente estarmos neste momento num mínimo de atividade do 24º ciclo solar (o que em princípio significaria uma menor exposição à ação dos raios solares), a Terra ainda se mantem perigosamente exposta (ao exterior), não só pela possibilidade da ocorrência de fenómenos como o originado recentemente pela mancha AR 2673 (com uma chama da classe X/Intensa), como pela fraqueza atual do campo magnético terrestre (uma das nossas principais barreiras de proteção e podendo estar a caminho de um deslocamento polar) e como ainda pela sua maior exposição aos talvez ainda mais perigosos raios cósmicos (podendo ter diferentes características, proveniências e consequências muitas delas desconhecidas) de momento mais livres face à menor presença dos raios solares. Podendo-se prever para o Futuro (para o novo ciclo) poucas manchas solares e talvez um arrefecimento, talvez mesmo até ao fim do século (XXI) ‒ no Sol (abrandamento) como na Terra (arrefecimento) ou exatamente o contrário?

 

Com a mais poderosa chama solar (da última década) a ser produzida ontem (dia 6 de Setembro de 2017) na superfície do Sol ‒ mais precisamente na região da mancha solar AR 2673 ‒ ejetando material para o Espaço numa emissão da classe X9.3 dirigida para a Terra (no seu movimento de rotação com a mancha solar bem visível e ainda apontando diretamente para nós), prevê-se que a partir de amanhã (dia 8) a CME resultante da chama solar produzida e dirigida na passada quarta-feira atinja o nosso planeta: com uma CME já a chegar por efeito de uma CME anterior (da classe M5.5 prevendo-se como consequência uma forte tempestade geomagnética da categoria G3) e com uma outra resultante da chama de classe X2.2 produzida por volta das 9:30 da passada quarta-feira (a primeira desse dia), eis que agora esta última muito mais poderosa e também dirigida (a segunda do dia, menos de três horas depois e recordista da década) além de com o seu impulso acelerar a chegada das duas anteriores, tem a sua chegada prevista para o início deste fim-de-semana (neste momento com o vento solar a deslocar-se a uma velocidade de 511Km/s ás 11:30 de Portugal). Amanhã, sexta-feira, dia 8 de Setembro e em virtude da chegada e impacto da CME de quarta-feira (a tal de classe X9.3) com a atmosfera terrestre, esperando-se intensa atividade geomagnética principalmente a latitudes elevadas (ou nem tanto assim) como o aparecimento de auroras (mais extensas e intensas) ‒ desde já e a partir da ejeção da chama solar com os raios X e radiação ultravioleta resultante dessa erupção, a ionizarem fortemente a nossa atmosfera provocando interferências e mesmo interrupções em certas frequências de rádio (partindo do Atlântico e estendendo-se por África e pela Europa). E para além das auroras (algumas talvez fantásticas) e de algumas anomalias nas comunicações (principalmente nas ondas curtas) não se prevendo mais nada de significativo (para nós e para a Terra) apesar da intensidade da chama (X9.3) e da tempestade geomagnética prevista (entre G2Q e G3): num Evento Solar protagonizado por uma mancha bastante ativa, em desenvolvimento e na altura tendo a Terra como alvo, na sua rotação ainda apontando para nós e presenteando-nos ainda com uma forte ejeção de material ‒ a 14ª mais intensa desde 1976 (já lá vão mais de 40 anos) tendo no topo a de 4 de Novembro de 2003 da classe X28+ e felizmente (pelo menos para a Terra, para o seu ecossistema e para o Homem) não dirigida.

 

blackoutmap.jpg

 Ionização da parte superior da atmosfera terrestre provocada pela chama solar

(causando interrupções ‒ raios x e ultravioleta ‒ na propagação de ondas-curtas)

 

Para já e consultando todos os registos disponíveis (até hoje e nos derradeiros 150 anos) com esta tempestade geomagnética em perspetiva e chegando à Terra amanhã, em nada se parecendo com Eventos semelhantes ocorridos no passado (e com possibilidade de consequências bem relevantes no planeta) como terá sido o Evento de Carrington (1859) e mais recentemente a tempestade solar de 2012: duas poderosas tempestades geomagnéticas ameaçando o nosso planeta, originadas numa violenta explosão ocorrida na coroa solar e lançando para o Espaço exterior uma enorme chama dando origem ao aparecimento de uma intensa CME deslocando-se a grande velocidade e podendo impactar a Terra em menos de 24 horas ‒ no primeiro caso com a CME a impactar a Terra (na altura não causando danos mais intensos por nos encontrarmos no início da era da Energia Elétrica, sua utilização e generalização ‒ mas sentindo-se o impacto por exemplo no telégrafo) sem grandes consequências para a sociedade, no segundo caso com a mesma (CME) a falhar por pouco (e felizmente) o nosso planeta, mas deixando todos alerta, preocupados e de prevenção (pois estes episódios são cíclicos) face à possibilidade de um encontro direto (com impacto) e as suas desastrosas repercussões ‒ atualmente com toda a nossa sociedade baseada na utilização contínua da eletricidade/eletrónica, com uma poderosa tempestade solar como a de 2012 impactando o planeta Terra e a sua atmosfera (e atravessando-a), podendo-o lançar num período de trevas devastador para a nossa economia (para a agricultura e para a saúde e até para a vida em geral e para o nosso quotidiano) face à ausência de um elemento básico para o seu funcionamento e para a nossa integração. Qual? A Rede Elétrica deitada abaixo pelo Impacto (eletromagnético) e deixando de imediato todo o mundo às escuras (e sabe-se lá por quanto tempo) num regresso à Idade Média (sem eletricidade, sem satélites e sem internet). Com o Sol no seu 24º ciclo (2008/2019 ‒ em média 11 anos), atingindo um mínimo em 2017/18 e com o início de 2019 e com as manchas solares a começarem de novo a aumentar, entrando num novo ciclo (o 25º) e caminhando para um novo máximo (lá para 2024).

 

(imagens: Philippe Tosi/spaceweather.com e noaa.gov/spaceweather.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:17
Sábado, 12 DE Agosto DE 2017

Dinamismo de Neptuno

Neptuno o Rei do Mar ‒ filho de Saturno e irmão de Júpiter e de Plutão

(este último a ovelha negra da família e tratado como um anão)

 

Com mais um planeta (dos oito ainda certificados como tal) fazendo parte do Sistema Solar (tendo o Sol como referência central) a reclamar o seu grande dinamismo na prossecução do seu trajeto evolutivo, cientistas da Universidade de Berkeley localizada no estado norte-americano da Califórnia (pertencentes ao Mundo Orgânico) tornam-se agora protagonistas dessa ânsia planetária (e do Mundo Mineral) de reconhecimento universal da posse de Atmosfera (talvez com parâmetros consentâneos para a construção de um ecossistema capaz de albergar vida). Oito planetas fazendo parte de um conjunto virtualmente fechado em que os corpos mais perto do centro (também virtual o Sol) são mais pequenos, mais quentes e mais expostos (planetas interiores), enquanto os outros situando-se para lá da Cintura de Asteroides (planetas exteriores) e projetando-se mesmo a grandes distâncias, se revelam como maiores, mais frios e talvez menos expostos. Sugerindo-nos que num Futuro deste Sistema (o Sol irá a meio do seu percurso de vida) por lá poderá residir a nossa nova esperança (de sobrevivência) e o próximo local de partida para o nosso novo e inexorável destino. Como a Península o foi (Ibérica) na Conquista dos Oceanos.

 

170803152239_1_900x600.jpg

Numa observação registada este ano entre 26 de Junho e 2 de Julho

 

Apresentando-nos imagens pouco comuns do gigante e distante (diâmetro Neptuno = 4 X diâmetro Terra e distância Neptuno ao Sol = 30 X distância Terra ao Sol) planeta Neptuno (o 8º e último integrando o Sistema Solar) durante o seu crepúsculo (período de luminosidade ao amanhecer e ao anoitecer) ‒ com extensas áreas extremamente luminosas, resultantes de grandes tempestades e aparecendo no interior da sua atmosfera ‒ mas aqui surgindo em regiões deste Gigante Gelado (sendo aí pouco habituais tais fenómenos) mais típicas de latitudes intermédias do que mais perto do seu equador (como as aqui registadas). E com uma tempestade de tal dimensão (9.000Km de extensão) que por pouco lá caberia a Terra: num planeta considerado o mais ventoso de todos (os oito) e com a velocidade dos ventos a poder atingir a velocidade de mais de 1.600Km/h no equador (na Terra na ordem dos 259Km/h) ‒ e com as estações responsáveis pela evolução das tempestades (em Neptuno) a durarem 40 anos, em vez dos 3 meses como na Terra (Neptuno completa uma órbita em volta do Sol em cerca de 160 anos).

 

(dados e imagem: sciencedaily.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:11
Quinta-feira, 29 DE Junho DE 2017

Marte tal como Vénus

[Resumindo-se o seu problema a uma simples questão de atmosfera, 2 planetas localizados na Zona Habitável do Sol e no entanto, sem vestígios visíveis de Vida.]

 

PIA01246_modest.jpg

Uma imagem de Marte referente ao ano de 1997

(PIA 01246/telescópio Hubble)

Com Marte a 100 milhões de Km da Terra e perto do seu afélio

(mais afastado do Sol logo com temperaturas mais baixas)

E criando condições atmosféricas para num processo semelhante ao nosso dar origem ao aparecimento de nuvens

 

Um planeta aparentemente morto (nalguns zonas parecendo mesmo calcinado), denotando a presença de uma ténue e frágil atmosfera (como talvez seja o caso do fenómeno-fantasma registado em A) e no entanto mostrando-nos que no seu passado remoto o mesmo esteve extremamente ativo a nível geológico (como o demostram as características dos fenómenos de erosão registados em B) podendo ter mesmo apresentadoo água circulando à sua superfície (como parece sugerir C).

 

Três imagens (A, B e C) oriundas do planeta MARTE (localizado a 228 milhões de Km do Sol) sendo 2 da responsabilidade da missão 2001 MARS ODYSSEY utilizando o seu instrumento ótico THEMIS (A e C) e 1 outra da responsabilidade da missão MARS RECONNAISSENCE ORBITER e do seu instrumento ótico HiRISE (B).

 

PIA21692 B.jpg

Imagem A

 

Com a 1ª imagem (A) a ser captada em Marte com as coordenadas -85.1⁰ de latitude e +47.4 de longitude (no dia 17 de Janeiro de 2015) e pelo estranho cenário apresentado suscitando aos responsáveis da NASA o seguinte comentário: “Do you see what I see? Don't be afraid, but it looks like a ghost!

 

PIA21692.jpgPIA21763_modest.jpgPIA21693.jpg

Imagens A, B e C

(retiradas de PIA 21692, PIA 21763 e PIA 21693)

 

Já no caso da 3ª imagem (C) obtida pela mesma sonda (a 25 de Outubro de 2015) mas a partir de outras coordenadas (latitude +32.0⁰ e longitude +152.2⁰) com os mesmos responsáveis ainda na sua senda divertida a saírem-se com outra semelhante: “Do you see what I see? Is that a snake slithering down the image?

 

PIA21693 B.jpg

Imagem C

 

Chegando-se finalmente à 2ª imagem (B) obtida pelas câmaras da sonda orbital MRO focando a margem norte de uma grande cratera (d = 30Km) localizada a ocidente da conhecida região vulcânica de THARSIS: nessa imagem sendo bem visível o aparecimento de vestígios (na superfície marciana) de escorrimentos em grandes quantidades de materiais (líquidos), que atingindo tal altura e dimensão terão acabado por extravasar dos seus limites iniciais, originando o aparecimento de várias brechas e a queda desses escorrimentos para níveis inferiores num fenómeno tipo cascata. Num fenómeno de EROSÃO não provocada pelo movimento de águas (procurando-se ainda possíveis depósitos existentes no subsolo de Marte) mas devido à circulação e queda de LAVA ‒ quando o planeta ainda mostrava alguma vitalidade pelo menos geologicamente (talvez há biliões de anos atrás).

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:24
Sexta-feira, 24 DE Março DE 2017

Uma Estufa detetada em Marte

Elon Musk quer transformar este erro de perceção transformando imaginário em realidade (um sonho ainda por concretizar), estando lá e transformando a realidade antes idealizada provavelmente noutro sonho mas agora já concretizado.

 

Ao fundo, sobre o lado esquerdo e mesmo no início do declive, a manifestação da presença sobre a superfície do planeta Marte de fenómenos dinâmicos capazes de serem observados – mesmo utilizando um artefacto, controlado a milhões de Km, por um simples operador.

 

1P543489051EFFCX00P2377L2M1.JPG

Fenómenos dinâmicos

 

Em função de todo o conhecimento entretanto acumulado sobre este planeta nosso vizinho, podendo-se afirmar não se tratar certamente de nenhum tipo de atividade envolvendo qualquer forma ou modelo de intervenção artificial (por exemplo e para nós marcianos), mas a manifestação de fenómenos erosivos por ação de ventos presentes na atmosfera marciana.

 

Um fenómeno natural no sistema atmosférico de Marte, também existente no nosso planeta mas atuando num ecossistema diferente (apresentando uma composição atmosférica bem distinta) e que por associação ao que se passa no nosso planeta e por vestígios já confirmados em Marte, poderia significar a presença de outros agentes importantes como o seria o da Água.

 

Com a presença na atmosfera marciana de fenómenos semelhantes aos redemoinhos de vento que ocorrem frequentemente na Terra (Dust Devils), provavelmente noutras situações com a presença de descargas elétricas nessa mesma atmosfera (daí os misteriosos flashes luminosos muitos deles parecendo oriundos do solo) e talvez um dia podendo aproveitar este tipo de efeito de estufa aí presente (que Marte tão bem proporciona até com os seus raios cósmicos) podendo afirmar-se então tratar-se mesmo de uma estufa.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:26
Segunda-feira, 06 DE Fevereiro DE 2017

Radiações Mortais

Que nos queimam o corpo e o cérebro, acabando por nos fundir a cabeça.

 

everything_11sep16.png

Relação radiação/altitude

(Dez2014/Ago2016)

 

“Segundo o Site spaceweather.com (ao analisar os dados recolhidos sobre a presença de raios cósmicos na estratosfera, mas também por altitudes frequentadas por aviões), com os gráficos relacionando as radiações com a altitude (ao longo de vários meses) a apresentarem taxas com valores a variarem entre 10X e 50X às registadas ao nível do mar (respetivamente a 7,5Km e a 12Km de altitude), observando-se um aumento na radiação estratosférica de cerca de 12,4% (nesse mesmo período).”

 

Numa experiência interessante levada a cabo pela NASA sobre as radiações que atingem a atmosfera terrestre oriundas do Espaço exterior (radiações solares e cósmicas), a equipa liderada pelo investigador Dr. Chris Mertens do Centro de Pesquisas de Langley (Hampton/Virgínia), tomou a iniciativa de a partir do lançamento de um balão (cheio de hélio) na atmosfera terrestre (no cumprimento da missão RaD-X), estudar os efeitos dessa mesma radiação ao ser aplicada sobre os seres humanos – e da sua evolução em altitude.

 

“They found a steady increase in the rate of radiation higher in the atmosphere.”

 

3C94DF6000000578-4165792-image-a-28_1485563549090.

Aumento dos valores de radiação para altitudes mais elevadas

(assim como por diminuição da proteção do campo magnético nos polos)

 

Um estudo não só interessante como também extremamente importante, visto como uma grande contribuição para a investigação desses parâmetros (radioativos), influência dos mesmos no nosso comportamento/saúde e forma de nos protegermos eficazmente deles (em casos necessários ou extremos) – e dos seus efeitos nocivos (senão mesmo por tóxicos e mortais). E podendo ser utilizado em terra (já usamos óculos-de-sol e creme protetor-solar), no ar (em aviões), em órbita (na Estação Espacial) ou mesmo no Espaço (nas viagens espaciais).

 

“Earth's magnetopshere acts as a magnetic shield and blocks most of the radiation from reaching the planet.”

 

Chegando-se à conclusão de se estar a verificar um aumento continuado da radiação atmosférica a maiores altitudes, podendo mesmo esta chegar a valores na proporção do dobro das registadas sobre o solo. E se pensarmos no caso dos astronautas viajando pelo exterior e podendo passar longos períodos de tempo no Espaço (completamente desprotegidos por não usufruírem do manto protetor da nossa atmosfera), então se perceberá o perigo que essas partículas (em decadência e extremamente radioativas) poderão representar para a saúde.

 

stratosphere_11sep16.png

Evolução da radiação estratosférica

(Fev2015/Out2016)

 

“But particles with enough energy can penetrate the magnetosphere and the atmosphere.”

 

Com este estudo a abranger altitudes entre os 8Km e os 37Km (valores aproximados). E com a Organização Mundial de Saúde a informar do perigo dessa radiação ionizante ao atingir o ser humano (aumentando esse perigo com a intensidade e com o período de exposição), podendo provocar cancro (de diversos tipos) e problemas reprodutivos (como abortos espontâneos e malformações congénitas). Deixando-nos desde logo agradecidos ao Campo Magnético Terrestre – o nosso Escudo Protetor: e que ao contrário de Marte mantem a Terra ainda Viva.

 

They collide with molecules of nitrogen and oxygen, which cause the radiation particles to into different particles through processes called nucleonic and electromagnetic cascades.”

 

No Futuro da História da Terra (e da Humanidade) e caso se concretizem as já há tanto tempo imaginadas viagens espaciais (a única eventualmente a ser real foi à Lua) – como o será a já pré-programada missão liderada por Elen Musk, tendo como destino Marte e como objetivo a sua colonização – desde logo uma grande preocupação para todos (já que os raios cósmicos estão em todo o lado), que certamente acompanhará constantemente os seus tripulantes e passageiros nas suas viagens pelo Cosmos (à aventura e à descoberta).

 

3C94DF6800000578-4165792-image-a-27_1485563535604.

Comparando valores de radiações entre dois voos

(um América/China outro América/Europa)

 

“Cosmic rays are also a concern for crew aboard the International Space Station and future astronauts journeying to Mars, which has a radiation environment similar to Earth’s upper atmosphere. Learning how to protect humans from radiation exposure is a key step in future space exploration.

 

Podendo-se já afirmar com grande percentagem de certeza (para mim 99.9%) que a permanência prolongada no Espaço na concretização das suas missões poderá provocar demência e perda de memória permanente. Com os sintomas (ou as manifestações mais evidentes) a serem ansiedade, depressão, paranoia e no final descontrolo total: tudo provocado pelo bombardeamento intenso e ininterrupto do nosso cérebro ao ser atravessado pelos raios cósmicos – danificando-o e queimando-o irreversivelmente.

 

(texto/itálico: Cecile Borkhataria/dailymail.com/28.01.2017 – imagens: spaceweather.com e dailymail.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:59
Segunda-feira, 15 DE Agosto DE 2016

O Hexágono

Num momento em que tendo-se já inserido em órbita do maior planeta e gigante gasoso do Sistema Solar (JÚPITER), a sonda JUNO se prepara para tirar o protagonismo à sua antecedente e ainda ativa sonda CASSINI-HUYGENS (orbitando o outro gigante gasoso SATURNO).

 

“El hexágono, en simbología, representa el perpetuo movimiento de la creación”

(Marta Jimenez/diáriocordoba.com)

 

saturn-hexagonal-jet-stream.jpg

Saturn's odd hexagonal jet stream swirls in this amazing photo taken by the Cassini spacecraft.

(NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute)

 

Como aprendemos na escola primária um hexágono é um polígono regular em que todos os seus lados têm a mesma medida assim como todos os ângulos que os mesmos fazem. E como o Universo é inferencialmente constituído por regularidades e irregularidades (o que caracteriza a simbiose caos/ordem), é natural que em certos contextos, enquadrados ou desenquadrados (na projeção da nossa realidade condicionada), eles nos despertem a atenção, nos despertem curiosidade e nos levem até ao mundo da imaginação. Com imagens oriundas de um ponto situado no Espaço a aproximadamente 1500 milhões de Km do Sol (a estrela de referência do nosso Sistema Solar), apresentando-nos um mundo com quase 100 X a Massa da Terra, rodeado por um círculo perfeito e espantoso de anéis, com tempestades constantes e violentas à sua superfície e ainda por cima num dos seus polos (Norte) presenteando-nos com uma perfeita figura geométrica, no nosso mundo (terrestre) destacando-se como algo de belo e assinalável: talvez pela sua forma, organização e potencial, mas certa e convictamente pela existência (adicional e incompreendida) de algo mais.

 

saturn-hexagon-cassini-photo-12-24.jpg

The spectacular rings of Saturn cast dark shadows on the ringed planet as the winter season approaches in Saturn's southern hemisphere in this view from the Cassini spacecraft. With the cold season comes a blue hue on Saturn that is likely caused by a drop in ultraviolet sunlight and haze it produces.

(NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute)

 

Ainda-por-cima num momento em que o nosso planeta vive uma crise verdadeiramente existencial (banalizando a morte e transformando-a num simples e cada vez mais desvalorizado espetáculo), pois tendo crescido exponencial e fisicamente (já mais de 7 biliões de almas podendo usufruir do seu ecossistema) por outro lado e coercivamente limitou acessos (à nossa cultura, memória e evolução) ao mesmo tempo que de uma forma prepotente nos vedava o livre-arbítrio (da Natureza e da sua/nossa matéria-prima). Um Mundo construído em torno das perceções e das sensações transmitidas pelos nossos órgãos dos sentidos, perceções/sensações essas posteriormente processadas e traduzidas simbolicamente pelo nosso cérebro (e na sua base utilizando processos e mecanismos comuns, em aplicações elaboradas por um ser inicialmente tendo como modelo o Mundo Mineral) e que num determinado Espaço-Tempo da Evolução do Universo indicou o momento da nossa criação (do Homem), o diferenciou (do Mundo Mineral) e baseado nele inventou o nosso Mundo Orgânico – contando agora com a presença de uma estrutura biológica e dinâmica como contraponto ao (aparente) estaticismo mineral. Restando-nos entre estes dois mundos e o Mundo Espiritual descobrirmos o nosso lugar (da Alma).

 

saturn-hexagon-silhouette-color.jpg

This colorful view from NASA's Cassini mission is the highest-resolution view of the unique six-sided jet stream at Saturn's North Pole known as "the hexagon".

(NASA/JPL-Caltech/SSI/Hampton)

 

Numa imagem verdadeiramente espetacular e única em toda a extensão do nosso Sistema Solar (conhecido), com um enorme tempestade a afetar toda a região do polo norte de Saturno (mais de 20000Km de comprimento ou seja quase o dobro do diâmetro da Terra) e com correntes de jato com velocidades acima dos 300Km/h a rodearem esse vórtice neste caso de forma hexagonal – caraterística não só verificável nesta região polar (pelas suas tempestades enormes e imprevisíveis) como por toda a opaca, espessa e violenta atmosfera envolvendo Saturno. Um planeta que tal como todos os planetas exteriores (localizados para além da Cintura de Asteroides) poderá ser num futuro já não muito distante o próximo passo da Descoberta e da Conquista da nossa Civilização Terrestre, e que como o seu vizinho Júpiter e todos os restantes mundos gelados aí situados (desde planetas, luas e outros corpos celestes) – até pela presença de água para nós sinónimo de Vida – será certamente e no futuro a nova zona habitável para os ex-habitantes da Terra. Num Ciclo Solar de 10 biliões de anos que já vai quase a meio e com o Sol a envelhecer, a aumentar e a desaparecer. E com o Homem a matar-se na Terra (tais os excedentes da espécie dominante) e a enviar máquinas (não tripuladas) para o Espaço exterior (tal a falta de excedentes dominantes e disponíveis).

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:39
Sábado, 02 DE Julho DE 2016

A Sonda Espacial JUNO

A 4 de Julho

A dois dias da sua inserção na órbita de Júpiter

 

hs-2016-24-a-large_web.jpg

Imagem de uma impressionante aurora

Num dos polos do planeta Júpiter

 

02: 10: 50: 00

Countdown to Jupiter Orbit Insertion Maneuver

 

Na altura em que a sonda espacial JUNO já entrou na região do Espaço sob a influência do maior planeta do Sistema Solar (há cerca de uma semana) – o gigante gasoso JÚPITER – eis que o telescópio espacial HUBBLE nos oferece esta espetacular imagem do longínquo planeta (distando quase 800 milhões de Km do Sol) onde é bem visível a presença de auroras num dos seus polos.

 

A JUNO entrará na próxima segunda-feira numa órbita solar em torno do planeta Júpiter comemorando com a sua chegada o Dia da Independência dos EUA: o objetivo da sua missão (tal como o próprio telescópio Hubble o confirma com estas imagens libertadas antes da chegada da sonda) será o de estudar a atmosfera do planeta e ainda de como a mesma (tal como na formação das suas auroras) é afetada pelas partículas solares, emitidas pela sua estrela de referência o Sol.

 

Um mundo gigante e gasoso com uma magnetosfera 20.000X mais poderosa que a da Terra (bastante brilhante) e possuindo uma massa 1/1000 da do Sol e no entanto 2,5X superior ao de todos os outros planetas do Sistema Solar em conjunto. Com a sonda JUNO nas suas órbitas em torno de Júpiter e nos momentos de maior aproximação ao planeta, a colocar-se a cerca de 5.000Km da parte superior da sua atmosfera (as camadas de nuvens situadas a maior altitude).

 

(imagem: Hubble/NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:22
Terça-feira, 14 DE Junho DE 2016

Impacto Profundo

“Não sendo por acaso que a maior barreira de proteção colocada entre nós e o Sol (precedendo pelo menos aqui a nossa existência), seja precisamente a região do Espaço que rodeia o planeta Terra e onde se encontra o Cinturão de Van Allen.”

 

Ondas de radiações eletromagnéticas (ELVEs) oriundas da nossa estrela de referência o Sol (localizada a cerca de 150.000.000Km) e deslocando-se através do Espaço (existente entre a estrela e a Terra) a uma velocidade próxima da velocidade da luz (V≈300.000Km/s), atingiram na passada quarta-feira (dia 8 de Junho) os céus do estado norte-americano do Colorado.

 

elve_strip.jpg

ELVE registado nos céus do Colorado

(Thomas Ashcraft)

 

Como resultado do violento impacto registado entre estas partículas oriundas do Espaço (exterior) e a base da Ionosfera terrestre, foi na altura observado um fenómeno extremamente curto e luminoso (com uma duração de 0.001s e estendendo-se por uma área de cerca de 300Km) tendo como consequência visível um intenso e curtíssimo relâmpago.

 

Neste caso acidentalmente registado pela câmara de vídeo do astrónomo amador Thomas Ashcraft (já que o fenómeno dura apenas 0.001s) e com a sua objetiva dirigida para uma camada superior da atmosfera (acima de uma tempestade) localizada muito próxima da fronteira aparente Espaço/Terra: como se fosse um DONUT iluminado.

 

Um fenómeno pelos vistos já bem conhecido e compreendido pela nossa comunidade científica especialista nestes Eventos atmosféricos (para nós e talvez pela nossa situação geográfica/coordenadas nunca vistos e um pouco estranhos), explicando-se muito rapidamente pela emissão de fortes impulsos de energia eletromagnética vinda de uma fonte exterior à Terra (o Sol) e pelo seu impacto final com a camada exterior que protege o nosso planeta (e a vida nele existente).

 

Conhecidos como ELVEs (Emissions of Light and Very Low Frequency Perturbations due to Electromagnetic Pulse Sources) e impercetíveis para todos nós (devido à sua baixíssima frequência), mas indicando rigorosamente na zona de formação desse DONUT brilhante o ponto central de impacto da EMP.

 

Upperatmoslight1.jpg

Fenómenos elétricos conhecidos registados na atmosfera terrestre

(ELF, SPRITE, BLUE JET e LIGHTNING)

 

An electromagnetic pulse (EMP) is a short burst of electromagnetic energy. EMP interference is generally disruptive or damaging to electronic equipment and at higher energy levels a powerful EMP event such as a lightning strike can damage physical objects such as buildings and aircraft structures.” (Wikipedia.org)

 

Os ELVEs são assim (e basicamente) emissões de radiações eletromagnéticas provenientes (maioritariamente) do Sol, que ao chegarem aos limites da Terra e ao chocarem com a sua camada exterior (a ionosfera), provocam da parte desta uma reação curta e brilhante originando o aparecimento de um fenómeno instantâneo e luminoso mas difícil de detetar: no caso dos ELVEs durando cerca de 1/1000 de segundo (impercetível para o Homem), enquanto no caso das RED SPRITES estendendo-se a sua visibilidade por um período um pouco maior e podendo já cintilar por cerca de um segundo (por este motivo mais fáceis de observar a olho nu).

 

O que nos leva a pensar em todas as consequências (positivas, negativas ou neutras) que estes fenómenos atmosféricos (visíveis ou invisíveis) possam ter na manutenção do ecossistema vital e limitado onde todos os seres vivos vivem atualmente (no também nosso planeta Terra), se necessário estudando-os, prevendo-os, prevenindo-os e como consequência direta e lógica, tentando sempre arranjar algum tipo de solução aceitável e realista. Mas nunca ficando à espera, a aguardar os efeitos do Impacto – que até poderá ser Profundo.

 

[Tal como no sexo, com as consequências já tão bem conhecidas (até no impacto comunicacional, com o aumento de audiências)]

 

(dados e imagens: spaceweather.com e wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:50

pesquisar

 

Dezembro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

blogs SAPO


Universidade de Aveiro