mais sobre mim

subscrever feeds

Sexta-feira, 05 DE Maio DE 2017

Saturno & Cassini

Antes do seu suicídio projetado para 15 de Setembro deste ano a sonda norte-americana CASSINI circulando nas proximidades do planeta SATURNO desde o ano de 2005 vai realizando alguns ensaios técnicos e outros de trajetória de modo a concretizar com sucesso a data do seu Grande Final.

 

170427092914_1_900x600.jpg

Superfície de Saturno fotografada pelas câmaras da sonda Cassini

(a 2.000/3.000Km de distância)

 

No passado dia 26 de Abril e num mergulho inédito e de consequências imprevisíveis para a sobrevivência da própria sonda, com a mesma a orientar-se na direção do planeta e a fazer coincidir a sua trajetória com a maior tangente alguma vez feita a este Gigante Gasoso, ultrapassando incólume a sua travessia entre as nuvens envolvendo Saturno e os seus respetivos anéis (passando a menos de 300Km destes últimos).

 

Com a sonda Cassini a cumprir exemplarmente este seu primeiro e expetante mergulho lateral (até aí jamais concretizado) e pelo risco que essa região comportava (pela possível presença de pequenas partículas) aliada à velocidade da sonda no seu movimento (124.000Km/h), não sofrendo nenhum dano e cumprida a trajetória planeada voltando a comunicar.

 

PIA21441_fig2_compressed.jpg

Localização da imagem relativamente a Saturno

(o Hexágono)

 

E tendo tudo corrido bem com a sonda Cassini a ter já concretizado o seu 2º mergulho planeado para o dia 2 de Maio (passada terça-feira). Num conjunto de exercícios nunca antes tentados pelos técnicos da NASA responsáveis pela missão (inicialmente Cassini-Huygens), agora que se aproxima o momento de nos despedirmos de uma das poucas presenças humanas por aquelas paragens (indireta) e tudo fazendo (numa manifestação de desespero e de perda) para aproveitar os seus últimos momentos de presença entre nós ‒ com a sua morte anunciada para daqui a pouco mais de 4 meses.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 09:57
Quinta-feira, 06 DE Abril DE 2017

Os Gigantes – Tão Distantes, Mais Perto e de Novo Perdidos

No dia 15 de Setembro de 2017 a presença Humana nas proximidades dos dois maiores planetas do Sistema Solar – Júpiter e Saturno – limitar-se-á à sonda Juno. E com esta a demonstrar já indícios de alguns problemas técnicos, devido à poderosa influência do campo magnético de Júpiter (a obrigar os responsáveis da missão nas órbitas de Juno em redor do planeta, a fazê-lo o mais seguro e distante possível).

 

PIA21438.jpg

Cassini Over the Top

PIA 21438

 

Demonstrando para quem quiser ver como é tão fácil em poucos segundos dar cabo de um investimento de cerca de 3.3 biliões de dólares (sendo 20% desse investimento Europeu) – numa cronologia de quase 20 anos – a agência governamental norte-americana dedicada à Exploração Espacial e criada vai fazer 59 anos (em 29 de Julho), à falta de melhor e face à cada vez mais gritante escassez de recursos financeiros (com o Governo dos EUA a financiar a NASA e com esta a ver todo o seu dinheirinho a ir direitinho para os privados seus associados) – e hoje com os seus grandes projetos em prática a estarem limitados à ISS e às sondas automáticas – recorre cada vez mais ao seu Elogio Fúnebre e à prática agora tornada empolgante do suicídio (chegando mesmo a imaginá-lo e até a ilustrá-lo) numa última tentativa e já numa fase desesperada de puro autoconvencimento: ou uma morte gloriosa e depois de tantos sacrifícios (nas diversas missões morreram mais de 20 astronautas), não merecesse um grande funeral.

 

PIA21439.jpg

Cassini Grand Finale Dive

PIA 21439

 

Abandonada a Conquista do Espaço e limitando-se agora e exclusivamente à Exploração (não presencial) do mesmo – mas preferencialmente em zonas mais próximas como Marte (com todo o restante trabalho a ser entregue a instrumentos de observação instalados na Terra ou em órbita da mesma – a NASA vendo os seus veículos espaciais a degradarem-se e a caminharem tal como acontece com tudo para o seu fim, além de se ir entretendo com temas que não interessam a ninguém (como imaginar o planeta Júpiter, tendo como função decorativa, o de fazer de papel de parede), vem agora e com quase 5 meses de antecedência imaginar e ilustrar o futuro suicídio da sonda Cassini, no seu mergulho final em direção ao outro Gigante Gasoso o planeta Saturno – numa morte anunciada para 15 de Setembro. Das grandes sondas do passado – entre outras as Pioneer, as Voyager, as Viking e até a Huygens (a companheira de Cassini terminando a sua missão ao aterrar na lua Titã no início de 2005) – nada mais ficando de verdadeiramente relevante para além da mais nova a sonda Juno (em torno de Júpiter), da sonda Dawn (em torno do planeta-anão Ceres) e da sonda New Horizons (depois de passar Plutão dirigindo-se agora para o interior do Cinturão de Kuiper).

 

PIA21440.jpg

Cassini versus Saturn

PIA 21440

 

Com muitas das sondas hoje em dia enviadas para o Espaço evitando esmagadora e incompreensivelmente a Lua (com os chineses a serem a exceção com as suas sondas Chang’e) e dirigindo-se quase todas para Marte, um destes dias criando algum tipo de congestionamento nunca antes visto em torno do planeta (pelo menos nos últimos biliões de anos e intervindo alienígenas – o que serão os terrestres para os marcianos) e no entanto nunca descobrindo Vida ou algo de minimamente parecido (fossem vestígios ou indícios): com poucas das sondas a saírem da linha e dirigindo-se para outras fronteiras – como por exemplo a sonda Rosetta (orbitando o cometa 67P/C-G) ou as velhinhas Voyager 1 e 2 (com a 1ª tendo já saído do Sistema Solar e com a 2ª a caminho). E até no caso da ISS (Estação Espacial Internacional) – e demonstrando a encruzilhada em que está a NASA tendo que optar entre a Conquista (com a presença obrigatória de astronautas e a construção de naves adequadas) ou a simples Exploração do Espaço (utilizando sondas automáticas controladas à distância mas sem presença do Homem) – com a mesma missão a só poder prosseguir graças a foguetões russos (veja-se lá) e futuramente à iniciativa privada (se tudo correr bem norte-americana) e até com os chineses face ao seu poder económico e até financeiro 8cheios de dólares e de ouro) a prosseguirem sozinhos na construção da sua própria Estação Espacial (num processo já iniciado).

 

PIA06434.jpg

Huygens Descent Sequence

PIA 06434

 

Num episódio a que a NASA já nos vai habituando (desiludindo e confirmando suspeitas), transformando o fim da missão num espetáculo deprimente e elevando a um Grande Final a destruição total da Cassini: quando já tínhamos assistido a algo de muito semelhante com o mergulho da Huygens em Titã (há uma dúzia de anos atrás e com o fim da transmissão pouco tempo depois da aterragem), colocando-se aí a questão de face à longevidade de Cassini, se o mesmo não poderia ter sido feito com a outra sonda Huygens. Face aos prós e aos contras ficando-se por saber qual o verdadeiro motivo para tão forte decisão, quando ela ainda nos serve e nem sequer disse que não. Numa conclusão teatral antecedida por 22 órbitas, rodeando o planeta e atravessando anéis, acabando com um tiro certeiro para o olho do planeta e nada mais transmitindo senão o silêncio do Espaço. E já com o cenário traçado: “Cassini will plunge into Saturn's atmosphere on Sept. 15, 2017. Using its attitude control thrusters, the spacecraft will work to keep its antenna pointed at Earth while it sends its final data, including the composition of Saturn's upper atmosphere. The atmospheric torque will quickly become stronger than what the thrusters can compensate for, and after that point, Cassini will begin to tumble. When this happens, its radio connection to Earth will be severed, ending the mission. Following loss of signal, the spacecraft will burn up like a meteor in Saturn's upper atmosphere.” (nasa.gov)

 

(imagens e legendas: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:47
Segunda-feira, 20 DE Março DE 2017

Nos próximos tempos deixaremos de vez de estar presentes, de olharmos e de investigarmos, um dos maiores e talvez mais fotogénicos (no sentido em que impressionam bem a nossa placa cerebral) – pelo uso constante dos seus magníficos anéis decorativos – planetas do Sistema Solar: com o fim da sonda Cassini em 15 de Setembro deste ano, deixando de aí estar presente e impedidos de ver o Mundo (mundos como os de Pã).

 

PIA21436.jpg

A lua Pã

(Sonda Cassini – PIA 21436 – 7 Março 2017)

 

Apresentando uma das luas do planeta Saturno (localizado a uma distância média de mais de 1400 milhões de Km do Sol), apresentando um diâmetro não atingindo os 29Km (mais do que 4200X menor que o diâmetro do planeta que orbita), girando à volta do mesmo a pouco mais de 133000Km de distância e levando pouco menos de 8 horas a dar-lhe uma volta completa: possível de ser detetada nos limites exteriores do anel A orbitando Saturno no espaço denominado por Divisão Encke.

 

Saturn's_Rings_PIA03550.jpg

Localização da lua Pã no interior da Divisão Encke

(limite externo do anel A)

 

À primeira vista com este satélite natural da Saturno a assemelhar-se à forma por nós idealizada para um disco-voador (um pires de uma chávena de chã), mas não sendo certamente de origem artificial (teria que ter uma criação alienígena), sendo efetivamente oriundo de um molde não muito comum de se ver (no nosso Sistema Solar) e deixando-nos ainda mais dúvidas no que toca à formação: talvez o resultado da acumulação e agregação de materiais dispersos em torno de um núcleo movimentando-se entre anéis.

 

PIA09868.jpg

A pequena lua Pã orbitando Saturno no interior da Divisão Encke

(Sonda Cassini – PIA 09868 – 12 Fevereiro 2008)

 

Aqui sendo-nos apresentada a partir das câmaras da sonda Cassini num registo já deste mês e capturado a 24600Km de distância da mais pequena (e uma das mais próximas) lua de Saturno, Pã: mostrando-nos os hemisférios norte e sul deste satélite natural (esquerdo e direito respetivamente – imagem inicial). Com os cientistas a afirmarem que Pã se terá formado num tempo em que os anéis circundando Saturno eram mais jovens e débeis, levando o seu núcleo central (constituído por material gelado e sendo mais denso que a sua parte exterior) ao passar entre os anéis a apanhar e a acumular material na sua trajetória, que no presente lhe dá esta forma deveras peculiar.

 

(imagens: nasa.gov e google.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:47
Quarta-feira, 01 DE Fevereiro DE 2017

Luas do nosso Sistema – IO

[E neste caso algo mais]

 

Entre todos os planetas conhecidos fazendo parte do Sistema Solar, o maior deles e simultaneamente o que mais satélites naturais possuem (para já 67) é sem dúvida o planeta gigante gasoso JÚPITER.

 

Iosurface_gal.jpg

IO

(NASA – sonda GALILEU – resultado da junção de imagens de 07.09 e 06.11 de 1996)

 

De todos esses satélites tendo quatro deles sido descobertos há mais de 400 anos por GALILEU (1610), tendo sido tal feito e para a época considerado extraordinário utilizando apenas uma LUNETA: a Luneta de Galileu um instrumento ótico inventado anos antes pelo fabricante de lentes holandês (nascido na Alemanha) Hans Lippershey para observação terrestre (comercializado por volta de 1608), adaptado posteriormente por Galileu para a observação astronómica.

 

Com as Luas de Galileu (Europa, Ganimedes, IO e Calisto) a serem os primeiros quatro objetos descobertos no Espaço a girarem não em torno do Sol (como os planetas) nem em torno da Terra (como a Lua) mas à volta de outro corpo celeste – neste caso Júpiter localizado a quase 800.000.000Km de distância do Sol (mais de 5 AU).

 

No caso de IO a terceira maior lua de Júpiter e a quarta do Sistema Solar (ligeiramente maior que a nossa LUA), apresentando-se esta como um Mundo bastante dinâmico e caraterizado pela sua intensa atividade vulcânica. Habitando uma região do Sistema Solar situada para além da Cintura de Asteroides (entre Marte e Júpiter) a cerca de 3-4 AU do Sol.

 

E pertencendo a um Sistema ainda delimitado por uma segunda e terceira fronteira mesmo que virtual (o cinturão de KUIPER a 30-50 AU e a Nuvem de OORT a 50.000-100.000 AU), mas talvez protetora ou servindo apenas de marco: um marco que para o caso da Nuvem de OORT poderia representar (apenas) 25% da distância de uma possível viagem interestelar entre o SOL e a estrela mais próxima PROXIMA CENTAURU – 4 anos-luz (ou seja a distância percorrida pela luz durante 4 anos à velocidade de 300.000Km/s).

 

No Ranking Solar dos maiores satélites naturais com IO estando em 4º lugar logo à frente da nossa LUA (5ª Ranking Solar).

 

STS088-724-66_3.JPG

BLACK KNIGHT

(NASA – STS088-724-66 – 11.12.1998 – 20:17:04 TMG)

 

Com a Estação Espacial Internacional (ISS) a ser de momento o maior satélite artificial da Terra com cerca de 109 metros (equiparado a um estádio de futebol), seguido da MIR com 31 metros (equiparado a uma baleia) e do SKYLAB com pouco mais de 26 metros (equiparado a um dinossauro) – e ainda da VOYAGER 1 (mais de 17 metros) e no fim da tabela com o diminuto SPUTNIK 1 (não atingindo sequer 1 metro).

 

Isto para já não falar de outros satélites artificiais podendo também orbitar a Terra (e pondo de lado todos os outros planetas mais distantes e desconhecidos do nosso Sistema) alternativamente de origem desconhecida mas talvez com indícios de remetente alienígena: como o poderia ser para alguns a nossa própria Lua (o nosso único satélite para além de alguns troianos) ou então esse mais que provável bocado de sucata orbitando há já vários anos a Terra e conhecido como BLACK KNIGHT (e segundo alguns emitindo sinais).

 

No primeiro caso com a Lua (e tal como o cientista e escritor de ficção-científica ISAAC ASIMOV afirmou) a apresentar os parâmetros necessários e exatos (uma coincidência) para a mesma não se escapar da órbita da Terra sendo inevitavelmente puxada para as proximidades do Sol (o que deveria acontecer aplicando a Lei da Gravitação Universal a qual diz que F = G x (M₁ x M₂)/d²) – para além de ser curiosa e  eventualmente mais velha do que a Terra, não possuir campo magnético e apesar disso possuir as suas rochas magnetizadas (no mínimo algo estranho e podendo apontar para uma possível origem externa);

 

Já no segundo caso com um objeto de origem desconhecida, pretensamente artificial e muito provavelmente alienígena (dada a sua idade atual, reportada a 13.000 anos) a levar – segundo alguns teóricos acreditando veementemente na sua existência e suportados unicamente por uma imagem divulgada pela NASA há já quase 20 anos – a afirmar com toda a certeza e convicção tratar-se de um artefacto extraterrestre transmitindo sinais de rádio pelo menos há 50 anos (envolvendo mesmo o grande Nikola Tesla há quase 120 anos atrás como o primeiro a descobrir os sinais vindos deste satélite).

 

Voltando de novo à terceira maior lua de Júpiter e quarta do Sistema Solar (a maior de todas sendo Ganimedes um dos satélites naturais de Júpiter) – IO.

 

PIA14021.jpg

O Outro Lado da Lua

(NASA – LRO – PIA 14021)

 

Conhecida como o corpo celeste mais vulcanicamente ativo de todo o Sistema Solar e no seu registo topográfico preenchido à sua superfície por um terreno bastante acidentado (com montanhas podendo atingir vários Km de altitude), formando aqui e ali planaltos (por sobreposição de camadas) e algumas depressões de origem vulcânica (caldeiras): com a sua superfície preenchida pela maior concentração de vulcões (em todo o Sistema Solar) e apesar das temperaturas (aí registadas) serem mesmo muito baixas (atingindo temperaturas inferiores a 180⁰C negativos), podendo ter temperaturas elevadas na zona desses vulcões (na ordem dos 1700⁰C positivos e mais quentes que os da atual Terra).

 

Dada a sua Evolução (de IO) e em função da sua composição (de todos os elementos e compostos aí produzidos), apresentando-se com um colorido variado semelhante a uma pintura – muito diferente do aspeto da Lua que apesar da sua cor (base) pouco se diferencia do preto-e-branco. E até ejetando material (devido à intensa atividade vulcânica) para muito longe da mesma. Um corpo celeste localizado a quase 630 milhões de Km da Terra, com uma força de gravidade 5.5 X menor que a nossa, vestígios de oxigénio e cheio de SO₂ e com temperaturas médias em torno dos 140⁰C negativos. O que nos deixa a pensar sobre o que se passará na região de transição entre as zonas mais frias e as zonas mais quentes e se por acaso existirá água – ou outra forma de vida qualquer (já que a poção parece pronta).

 

Ontem e hoje com a sonda Cassini a proporcionar-nos (ainda) imagens únicas do planeta Saturno, dos seus múltiplos anéis e das suas dezenas de luas (mais de sessenta como Júpiter) – e de outros corpos celestes passando pela vizinhança – mas com o seu episódio final a estar já traçado para o final do terceiro trimestre deste ano com a sonda automática a entrar na atmosfera do planeta, acabando por se despenhar e desintegrar (em meados de Setembro). Nessa região do Espaço ocupado por esses dois Gigantes Gasosos (Júpiter e Saturno) ficando-se definitivamente órfão dos seus progenitores (as sondas) e dos astrónomos homenageados (Cassini e Huygens). Mas com um seu descendente integrando o programa da NASA Novas Fronteiras e lançado com a finalidade de explorar o nosso Sistema Solar (dele também fazendo parte a sonda New Horizons, tendo já passado o seu encontro com Plutão e dirigindo-se agora para o Cinturão de Kuiper), já em órbita do planeta Júpiter após uma viagem de mais de cinco anos iniciada no distante planeta Terra (Cabo Canaveral): Juno.

 

Dada a dimensão do Sistema Solar e começando-se a conhecer e a compreender cada vez melhor tudo o que ele nos poderá oferecer (agora imagine-se aquilo, de que nem sequer suspeitamos), é evidente que um dia o Homem terá de partir à Descoberta deste Novo Mundo assumindo o seu lugar no mesmo: é que fazendo parte de um sistema dinâmico, se parar morre.

 

Io-eruption-Tvashtar-animation.gif

IO – com a pluma ultrapassando os 300Km de altitude

(New Horizons – Maio 2007 –  vulcão Tvashtar)

 

Para além do objetivo de estudo mais profundo (e indiretamente presencial) do planeta Júpiter, dos seus anéis e das suas luas, simultaneamente mais uma tentativa de utilizando uma sonda automática (operada a partir da Terra) perscrutar lugares colocados a grandes distâncias de nós e desse modo tentar entender melhor as diferenças existentes (no tempo e no espaço) entre diferentes porções do Sistema e até do Universo – tentando perceber de onde evoluiu, como o fez e para onde ainda hoje se desloca.

 

O que a sonda Juno a partir de agora fará certamente, podendo até um dia destes ser o nosso representante (no local) como uma fiel testemunha, enviando-nos imagens de eventos fantásticos e antes nunca vistos – só mesmo imaginados e raramente observados: como foi o caso do impacto do cometa Shoemaker Levy-9 com Júpiter em Julho de 1994. Agora com os cientistas a aproveitarem a boleia proporcionada pela sonda Juno em torno do Gigante Júpiter, para proporem à NASA uma espreitadela a IO para verem os vulcões. Pois tal como afirma Bob King (universetoday.com) por um lado IO poderá ser mesmo especial (sendo um corpo afastado do Sol mas extremamente ativo) e por outro lado as fugas repetidas de Júpiter só fariam bem à sonda Juno (á saúde):

 

“With an estimated 400 volcanoes, many of them still active, Io is the most volcanically active body in the Solar System. In the moon’s low gravity, volcanoes spew sulfur, sulfur dioxide gas and fragments of basaltic rock up to 310 miles (500 km) into space in beautiful, umbrella-shaped plumes.”

 

“Io is the main supplier of particles to Jupiter’s magnetosphere. Some of the same electrons stripped from sulfur and oxygen atoms during an earlier eruption return to strike atoms shot out by later blasts. Round and round they go in a great cycle of microscopic bombardment! The constant flow of high-speed, charged particles in Io’s vicinity make the region a lethal environment not only for humans but also for spacecraft electronics, the reason NASA’s Juno probe gets the heck outta there after each perijove or closest approach to Jupiter.”

 

(dados/texto em inglês: wikipedia.org/universetoday.com – imagens: NASA)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:40
Sexta-feira, 27 DE Janeiro DE 2017

Dafne – uma das luas de Saturno

Nas imagens aparecendo num cenário de escuridão profunda e total, entalada entre um espaço um pouco mais claro preenchido pelos anéis de Saturno.

 

PIA12698.jpg

A lua de Saturno DAFNE entre os anéis de Saturno

PIA 12698

(05.07.2010 – sonda Cassini – nasa.gov)

 

Uma das mais de sessenta luas do distante planeta Saturno (localizado a quase 10 UA do Sol) é DAFNE, um pequeno corpo celeste de 8Km de diâmetro situado no interior de um dos anéis (anel A/Keeler Gap) deste Gigante Gasoso (o outro e maior é o planeta Júpiter) – e descoberto há quase doze anos (06.05.05) escondido entre os anéis de Saturno pela sonda automática Cassini.

 

Sendo tal a proximidade ao seu planeta de referência (um pouco mais de 130.00Km) que se torna mais que evidente a constante interação não só entre os dois corpos celestes (uns milhões de vezes maior do que o outro e situados muito próximos) como a existente entre a lua e os anéis (interior e exterior).

 

PIA21056.jpg

A lua de Saturno DAFNE entre os anéis de Saturno

PIA 21056

(16.01.2017 – sonda Cassini – nasa.gov)

 

Devido à sua diminuta dimensão relativamente ao monstro que orbita (um planeta com 10X diâmetro da Terra) e muitas vezes passando impercetível entre as nuvens de poeiras e outros materiais constituindo os diversos anéis rodeando Saturno (encobrindo essa lua das muitas conhecidas orbitando Saturno),

 

A lua Dafne continua a ser até pela sua extrema proximidade a Saturno, um daqueles objetos misteriosos cuja origem desconhecemos mas cujo fim já projetamos: certamente sujeita a fenómenos de grande “erosão” pela zona turbulenta que ocupa, além de estar sujeita às brutais forças exercidas pelo campo magnético do planeta.

 

PIA21056-2.jpg

Dafne

(ampliação de PIA 21056)

 

Uma lua de Saturno que à primeira vista nos faz lembrar um sepulcro (forma aparente que o contraste entre a luz e a sombra lhe dão), completando a sua órbita num espaço temporal de apenas 14 horas (a nossa Lua demora 24 horas) e com a sua movimentação constante nas proximidades do planeta que orbita (no interior da falha de Keeler), perturbando as partículas constituindo os anéis rodeando o planeta Saturno (particularmente as do Anel A).

 

Segundo os cientistas da NASA a afirmarem serem os próprios anéis a impulsionarem a lua na sua movimentação (já que a velocidade de deslocação dos anéis é maior do que a da lua).

 

Talvez sendo os responsáveis (os anéis) pela manutenção de Dafne em órbita, impedindo a sua queda, impacto e destruição.

 

Descoberta por acaso aquando da observação de certas irregularidades em determinados anéis de Saturno (zonas fronteira) – aí aparecendo escondida a pequenina lua Dafne na falha entre anéis denominada Keeler.

 

E também conhecida como S/2005 S1.

 

(imagens – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:29
Terça-feira, 17 DE Janeiro DE 2017

Cassini-Huygens

Uma das últimas imagens enviadas pela sonda CASSINI (a 22 de Outubro do ano passado e editada a 9 de Janeiro deste ano) obtida a cerca de 185.000Km de distância MIMAS e mostrando-nos a enorme cratera de impacto de HERSCHEL (com uma dimensão igual a 1/3 do diâmetro da lua) e um dos seus picos interior (típicos nestes casos de impactos) – tão alto como o nosso monte EVEREST.

 

PIA20515.jpg

Mimas

Uma das 62 luas do planeta Saturno com cerca de 400Km de diâmetro

Com a sua misteriosa e enorme cratera Herschel – 140Km de extensão

(nasa.gov)

 

Terminada em meados de Setembro a missão CASSINI-HUYGENS (com o impacto da sonda CASSINI com o planeta Saturno), restarão no espaço ocupado pelos planetas exteriores do Sistema Solar (Júpiter, Saturno, Úrano e Plutão) 3 sondas automáticas: DAWN (visitando VESTA e CERES), JUNO (já orbitando JÚPITER) e NEW HORIZONS (tendo já ultrapassado Plutão e agora a caminho do interior do CINTURÃO de KUIPER – para além das sondas lançadas em 1977 a VOYAGER 1 (encontrando-se já no exterior do nosso Sistema Planetário) e a VOYAGER 2 (talvez jpara além da heliopausa). Ficando-se agora à espera da nova herdeira da sonda CASSINI-HUYGENS junto dos Gigantes Gasosos (antes próxima de Saturno), a sonda norte-americana JUNO (agora próxima de Júpiter).

 

CASSINI-HUYGENS

Vinte anos de trabalho no Espaço

(1997/2017)

 

PIA07236_modest.jpg

Superfície da lua de Saturno Titã

O que poderia ser o estuário de um rio desaguando num oceano

TITÃ – HUYGENS – PIA 7236

(nasa.gov)

 

Aproveitando para dar uma espreitadela noutros corpos celestes como ENCELADUS (outra das luas de Saturno) – juntamente com TITÃ dois mundos bastante interessantes (para o Homem) dada a presença de água e emissão de vapor de água (com fenómenos semelhantes a geysers).

 

Com a sonda automática CASSINI-HUYGENS a entrar em órbita de Saturo em Julho de 2004 aproximando-se a cerca de 20.000Km do planeta e posteriormente enviando a sonda HUYGENS em direção à lua TITÃ onde aterraria no início do ano de 2005.

 

Numa missão iniciada em 1997 (na realidade com as suas origens em 1982 mas apenas concretizada quinze anos depois), com os seus objetivos cumpridos em 2008 e por duas vezes com o seu período de atividade prolongada até ao ano de 2017.

 

E numa clara demonstração da qualidade científica e tecnológica dessa gloriosa (e saudosa) geração entretanto já ultrapassada (mas sempre presente na memória da nossa experimentação e na evolução do nossos conhecimento),

 

E da excelente e produtiva (apresentando resultados científicos importantíssimos) tecnologia de ponta então produzida,

 

Capaz da execução de tais feitos incríveis e extraordinários (como voar para outros planetas) em Eventos mesmo hoje para alguns ainda considerados impossíveis de o serem (ainda hoje há quem não acredite que fomos à Lua) e mais próprios de um sonhador que põe mesmo em dúvida se o é.

 

A 15 de Outubro de 1997 (já lá vão quase vinte anos) quando a missão CASSINI-HUYGENS foi lançada de Cabo Canaveral utilizando um foguetão do tipo TITAN IV-B, um dos objetivos da mesma para além de incluir o estudo do Gigante Gasoso SATURNO (através da utilização do seu orbitador CASSINI), seria também o de se dirigir para uma dos seus satélites artificiais neste caso TITÃ e aí aterrar na sua superfície (através da utilização do seu pousador HUYGENS).

 

PIA06440.jpgPIA06440.jpgPIA06440.jpg

Superfície de Titã

Um mundo alienígena, com água e localizado a 10 UA de distância do Sol

TITÃ – HUYGENS – PIA 6440

(nasa.gov)

 

No ano em que a missão completa vinte anos (sete anos de viagem até Saturno e mais treze orbitando o planeta) a sonda CASSINI prepara-se para o fim anunciado da sua longa viagem programado após várias extensões para 15 de Setembro de 2017: justificando-se essa decisão por parte da NASA não só pela reduzida quantidade de combustível ainda disponível no seu foguetão (o plutônio que tem propulsionado a sonda desde a Terra, juntamente com a poderosa ação dos campos magnéticos dos planetas por onde passou), como pelo perigo de ao ficar descontrolada (a sonda) esta se perder no espaço podendo vir a contaminar outros corpos impactando com eles e possivelmente transmitindo-lhe certos micróbios ainda presentes na sonda (alienígenas para esse corpo e podendo ter mesmo origem terrestre).

 

Tendo provavelmente em TITÃ e em ENCELADUS dois dos maiores prémios desta viagem agora a terminar: pela água e pela hipótese da existência de algum tipo de vida mesmo que primitiva mesmo que diferente.

 

Numa etapa derradeira a realizar por parte da sonda CASSINI (e com a sonda HUYGENS jazendo inerte sobre a superfície de TITÃ) e já iniciada nos finais de 2016, com a sonda a fazer as suas últimas órbitas em aproximação a Saturno e finalmente a mergulhar na atmosfera deste Gigante Gasoso (a 15 de Setembro).

 

432541main_titan_huygens_big_full.jpg59_cassini_proximals_in_ring_plane_2.jpg

Huygens em Titã e Cassini em Saturno

Chegada à superfície da lua e preparação para o fim da missão no planeta

Ilustração

(nasa.gov)

 

Não concordando completamente com o nome atribuída a esta etapa da missão CASSINI-HUYGENS – “Cassini Grand Finale” – já que em si o suicídio seja por que motivo for nunca é nada desejado (seja sujeito ou por representação objeto) e até porque talvez a máquina ainda pudesse ser utilizada para outras funções interessantes e talvez reveladoras (como continuar a sua viagem) – sucedendo-se assim ao suicídio da MESSENGER (então orbitando Mercúrio) o suicídio da Cassini (ainda orbitando Saturno).

 

Aproveitando-se a ocasião para a comemoração do maior feito desta sonda de iniciativa conjunta norte-americana e europeia, ao aterrar há 12 anos atrás (fez sábado anos) o seu módulo HUYGENS sobre a superfície de um corpo distante como esta lua do planeta Saturno (na região de Shangri-La): e enviando-nos desta lua pertencendo aos planetas exteriores imagens e dados de um mundo nunca visto, sendo este simultaneamente o mais distante objeto jamais alcançado e tocado pelo Homem (a Lua presencialmente e TITAN com um objeto representando-nos e por nós construído).

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:22
Terça-feira, 23 DE Agosto DE 2016

Perturbações Saturnianas

Apesar de bem explicadinho tal não significa que não exista outro caminho:

“The moon Prometheus creates an intricate pattern of perturbation

in Saturn's F ring”.

(2009/nasa.gov)

 

sat.jpg

Fig. 1

Imagem Hubble

(1996)

 

Recordando as observações efetuadas pelo telescópio HUBBLE ao planeta SATURNO e seus respetivos ANÉIS (na figura 1 num registo ocorrido há dez anos), verificamos que já por essa altura para além destes mesmos terem uma origem desconhecida e misteriosa (pelo menos para nós), por vezes eram ainda acompanhados por fenómenos inesperados e pela sua observação ainda mais intrigantes. Como é o caso do registo de 26 de Abril de 1996 (entre muitos outros passando despercebidos ou há muito apagados por quem os fez e difundiu) tendo como instrumento o telescópio Hubble e com testemunha ativa (nas suas observações astronómicas) o cientista P. Nicholson (Cornell/NASA): notando-se claramente a presença de três objetos de enormes dimensões (50000Kmx4000Km) acompanhando os anéis do planeta, confundindo-se entre eles ou acompanhando-os lateralmente (caso marcado com a letra C). Num fenómeno no mínimo (pela sua dimensão) extraordinário.

 

pia20485-1041.jpg

Fig. 2

Imagem Cassini

(2016)

 

E se no caso da fig. 1 o registo fotográfico parece ser difícil de encontrar (pelo menos nas páginas oficiais do Hubble), já no caso a que se refere a fig.2 (de Abril de 2016) a NASA faz acompanhar o registo (oriundo da sonda CASSINI) da sua própria interpretação para explicar racionalmente o dito fenómeno: informando-nos estarmos em presença de uma perturbação luminosa na região do anel F do gigante gasoso Saturno (não provocada pela presença da lua PANDORA a pouco mais de 80Km de distância do planeta – no canto inferior/direito da imagem), como consequência de uma interação entre um pequeno (?) OBJETO integrando o anel e o núcleo constituinte do mesmo: segundo esses cientistas um fenómeno natural já bem conhecido e denominado como JETS (talvez pelo material que aí é ejetado em direção ao Espaço exterior). E apesar de tudo descritos como os ESCULTORES de ANÉIS (suscitando-nos na nossa mente a presença de Algo Mais – de poderoso).

 

Dada a dimensão diminuta do nosso Sistema Solar

(o SOL e SATURNO distam 400 milhões de Km – menos que 80 minutos de viagem à V Luz):

Porque não pensar que uma civilização mais avançada do que a nossa e criadora deste nosso viveiro não estará em Saturno a preparar o Futuro e o nosso próximo lar.

(já que nós nos entretemos com um corpo aparentemente morto – Marte)

 

(imagens: HUBBLE e CASSINI)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:09
Terça-feira, 15 DE Março DE 2016

Surfar em Marte e Titã

O MAR de LIGEIA localizado na lua de Saturno TITÃ é a segunda maior extensão líquida aí existente – com uma área aproximada de 130.000Km². Aí como no MAR de KRAKEN podendo-se mesmo SURFAR (tal como num passado bastante remoto, mas aí muito mais perto no vizinho planeta Marte).

 

PIA20021.jpg

1
Mar de LIGEIA e Ilha Mágica
Missão CASSINI-HUYGENS – TITÃ
PIA 20021

 

Enquanto a NASA Militar se mantem secretamente ocupada na concretização de projetos de Longo Alcance, a NASA Civil (que todos nós conhecemos como tendo chegado à Lua) continua toda entretida com os seus DRONES telecomandados – e com a sua maior construção conhecida, o supremo lego ISS.

 

Pelo meio vão-nos entretendo com teorias limitativas e normalizadas (a NASA que hoje temos) e enviando mais sondas para o Espaço (sem verbas para mais). Num projeto há muito estagnado e em que ninguém já acredita, se não for o caso de ser uma fachada para outros desígnios desconhecidos (paralelos e talvez coincidentes, mas mais vastos e estratégicos).

 

Como podermos surfar uma onda seja em Marte ou em Titã.

 

PIA20021_fig1 B.jpg

2
Mar de LIGEIA e Ilha Mágica
Missão CASSINI-HUYGENS – TITÃ
Evolução da Ilha Mágica

 

TITÃ: uma das luas do planeta Saturno com um mar à superfície (constituído por hidrocarbonetos e conhecido como Mar de LIGEIA), diverso material geológico e contínuos indícios de movimento. Com a sua ILHA MÁGICA mudando constantemente de forma, desafiando a imaginação e o mundo que conhecemos: muitas vezes brilhante e talvez mesmo com vida.

 

E se o SURF é uma modalidade bastante divulgada e praticada de expressão terrestre, num outro mundo (ainda virgem) essa expressão poderá significar a nossa plena afirmação (e poder): sendo o HOMEM capaz de transportar (para um outro mundo) o poder omnipresente da sua inesgotável imaginação e conhecimento, projetando neste mundo, uma nova e viável TERRA – e interagindo então esta com ele, finalmente transformando-o por objetivo (de missão) na sua própria reflexão (agora num novo ambiente).

 

PIA19047_fig1.jpg

3
Mar de KRAKEN
Missão CASSINI-HUYGENS – TITÃ
Evolução semelhante à Ilha Mágica – PIA 19047

 

Uma imagem de Titã (1/2) onde uma grande extensão de massa líquida de hidrocarbonetos (Mar de Ligeia) aparece bem visível e contrastada face à superfície sólida que a suporta – como se estivéssemos a ver um lençol de águas límpidas (um lago), sobrepondo-se à escuridão profunda das depressões desta lua de Saturno (a profundidades a que luz solar e cósmica não consegue alcançar). Com algumas ilhas a destacarem-se (através da sua luminosidade) no interior dessa extensa massa líquida (como é o caso da chamada Ilha Mágica), sujeitando-se como na Terra a fenómenos tão conhecidos por nós como as marés, as mudança dos níveis das águas do mar e da própria superfície (sólida) do satélite de Saturno.

 

Num fenómeno pelos vistos muito comum em Titã, como também o demonstra o exemplo da imagem do Mar de Kraken (3), num caso em tudo muito semelhante ao ocorrido no Mar de Ligeia. Confirmando definitivamente estarmos perante uma lua com um oceano líquido em constante transformação, desenvolvendo-se por consequência num ambiente vivo, dinâmico e em adaptação e evoluindo num mundo aparentemente jovem e prometedor, abrindo muitas perspetivas a uma futura expedição a esta lua de Saturno por parte da nossa espécie – ou não fossemos uma espécie migrante por nómada.

 

(imagens: photojournal.jpl.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:07
Terça-feira, 12 DE Janeiro DE 2016

O Gigante Saturno

E as suas luas Atlas, Enceladus, Tethys, Dione e Rhea.

 

Durante um período de quase 30 anos Saturno executa o seu movimento de translação em torno do Sol acompanhado por mais de 60 satélites naturais.

 

PIA18350.jpg

PIA 18350
Saturno, os seus anéis e a sua pequena lua Tethys
(o pontinho branco no canto inferior direito)

 

Imagem do sexto planeta do Sistema Solar o gigante gasoso Saturno, registada no passado dia 7 de Março de 2015 quando a sonda Cassini se encontrava a 2.600.000km de distância. Tendo ainda como protagonistas os famosos anéis rodeando o planeta e a sua pequena e pouco iluminada lua Tethys (iluminada artificialmente por um fator de 2 para se tornar mais visível). Um planeta com um diâmetro aproximado 10X diâmetro da Terra (116.500km) e esmagadoramente maior (mais de 100X) que o diâmetro da lua que na imagem o acompanha (1.062km). Ainda-por-cima com a lua Tethys na altura do registo localizada mais próxima da sonda Cassini em cerca de 200.000km. Numa imagem publicada no dia 11 deste mês pela missão Cassini-Huygens (uma operação conjunta das agências espaciais NASA/ESA/ASI) lançada de Cabo Canaveral em Outubro de 1977 e atingindo a órbita de Saturno quase sete anos depois (e com o seu fim previsto para o próximo ano).

 

SATURNO = 10X TERRA = 100X TETHYS
(em diâmetro)

 

PIA18352.tif

PIA 18352
Anéis de Saturno e as suas luas Enceladus e Rhea
(a 1ª acima dos anéis e a 2ª abaixo – no entanto com uma 3ª lua presente/impercetível)

 

Nesta segunda imagem (de 24 de Setembro de 2015) de novo contando com a presença do maior, mais preenchido e mais brilhante sistema de anéis planetários do Sistema Solar, contando com dois grandes anéis (o mais perto e o mais afastado de Saturno) e preenchido por muitos outros (menos visíveis). Adicionalmente apresentando-nos mais duas luas visíveis e uma outra pouco percetível: acima dos anéis de Saturno a lua Enceladus (na altura a 2,1 milhões de quilómetros da sonda Cassini), abaixo a lua Rhea (na altura a 2,8 milhões de quilómetros da mesma sonda) e finalmente perto do limite inferior do anel exterior (e para a esquerda de Rhea) a outra lua Atlas (a 2,4 milhões). Com Saturno a ser o segundo planeta do Sistema Solar a possuir mais luas (mais de 60) só suplantado pelo outro gigante gasoso: Júpiter o maior deles. Na imagem a lua acima dos anéis (Enceladus) tem sensivelmente metade do diâmetro de Tethys e a lua acima desses anéis (Rhea) é cerca do triplo de Enceladus.

 

SATURNO = 10X TERRA = 75X RHEA = 100X TETHYS = 200X ENCELADUS
(em diâmetro)

 

PIA18346.jpg

PIA 18346
Anéis de Saturno e a sua lua Dione
(apresentando fraturas estreitas na sua superfície gelada com mais de 1000km de extensão)

 

Um mundo desconhecido situado a mais de 1400 milhões de quilómetros do Sol e no qual qualquer terrestre viajando a bordo de um veículo conhecido (pondo de lado a nave interplanetária), demoraria no mínimo mais de cem anos para o percorrer completamente (escolhendo para cada exemplo velocidades já alcançadas):

 

Veículo Velocidade (km/h) Tempo de viagem (anos)
A Pé 20 8.000
De Bicicleta 40 4.000
De Automóvel 120 1.350
De Avião 1.200 135
De Nave Interplanetária 60.000 2,5

 

Nesta última imagem apresentando-nos ainda a lua Dione (a 1.700.000km), o 18º satélite mais próximo do planeta Saturno e com um diâmetro ligeiramente inferior ao da outra lua Tethys (a 15ª). Uma lua com parte da sua superfície carregada de crateras e povoada de montanhas geladas (e não de depósitos de gelo) criadas por fraturas tectónicas e evidenciando ser um corpo jovem.

 

TETHYS ≈ DIONE
(em diâmetro)

 

O que para finalizar nos leva a concluir que se quisermos atingir um planeta tão próximo como Saturno (apenas a 9 AU de distância do Sol), para o objetivo ser cumprido durante o nosso tempo estimado de vida só temos mesmo três hipóteses: ou construímos uma arca frigorífica extraordinária capaz de nos conservar vivos durante dezenas ou mesmo centenas de anos, ou temos mesmo uma grande paciência e esperamos pelo aparecimento da grande nave interplanetária (devemos levar algo para nos irmos entretendo), ou inventamos uma nave espacial revolucionária viajando à velocidade da luz (montados em fotões e atingindo Saturno em cerca de 78 minutos) ou então encontramos um “buraco de minhoca” e estaremos lá mal partirmos.

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:44
Sexta-feira, 21 DE Agosto DE 2015

À Conquista de que Espaço?

A lua DIONE

 

Enquanto a sonda CASSINI prossegue a sua missão conjunta NASA/ESA/ISA tendo como objetivo o estudo do planeta SATURNO (situado a mais de 1,2 biliões de quilómetros da Terra), dos seus anéis e das suas mais de 60 luas, por vezes somos presenteados com imagens de mundos distantes como este (os raios luminosos emitidos pelo Sol demoram mais de uma hora a lá chegar), enviadas a partir dos confins do nosso sistema por uma nave de origem e tecnologia terrestre (atingindo as vizinhanças de um mundo desconhecido e alienígena).

 

PIA17201.jpg

As crateras da lua Dione e os anéis do planeta Saturno

 

Neste caso o convidado é a lua DIONE numa imagem captada no passado dia 17 de Agosto quando a sonda Cassini se encontrava a pouco mais de 150.000km desta lua de Saturno. Imagem onde para além de estar bem visível (em primeiro plano) a existência de um número elevado de crateras espalhadas por toda a superfície da lua Dione, ainda é possível observar sob um fundo negro (do espaço) os fantásticos anéis que circundam o planeta Saturno. Sendo este satélite natural de Saturno mais um dos mundos gelados do nosso SISTEMA SOLAR.

 

O que nos leva a Recordar

 

Entretanto continuamos a pensar como é que foi possível que passados 54 anos sobre o discurso ao Congresso dos EUA do recém-eleito presidente norte-americano JOHN F. KENNEDY (“Acredito que esta nação se deve comprometer em atingir o objetivo, antes do final desta década, de colocar um homem na Lua, e traze-lo de volta a salvo”) e após o espetacular evento proporcionado pela chegada dos astronautas da NASA ao nosso satélite natural oito anos depois (terminando toda esta aventura da humanidade no fim inexplicável do programa APOLLO catorze anos depois), a exploração espacial se resuma atualmente a umas quantas sondas telecomandadas a partir da Terra (e espalhadas pelo nosso Sistema Solar), focando-se ultimamente num planeta (Marte), em dois planetas anões (Plutão e Ceres) e até num já visitado cometa (67P/C-G).

 

E que nos transporta à Última Questão

 

Ou a Conquista do Espaço se encontra num período regressivo do seu desenvolvimento (o que na esmagadora maioria dos casos indica o fim inevitável de qualquer tipo de projeto, neste caso o da NASA), ou então terá que existir uma outra estrada alternativa e paralela mas que todos nós ainda desconhecemos (talvez uma outra NASA, menos civil e mais militar).

 

(imagem – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:29

pesquisar

 

Maio 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
16
18
20
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

blogs SAPO


Universidade de Aveiro