mais sobre mim

Domingo, 30 DE Abril DE 2017

Batedores em Marte

Antes do ataque final à Conquista e colonização de Marte os seres humanos enviam para lá os seus batedores mecânicos para prepararem o início da Invasão Terrestre. Um deles sendo o Agente Curiosity tendo já percorrido quase 16Km a uma velocidade média de cerca de 1 pé por hora.

 

1681MH0002610010603561E02_DXXX.jpg

Marte

Curiosity Rover

(29 Abril 2017)

 

Tendo chegado ao planeta Marte em 6 de Agosto de 2012 depois de ter percorrido cerca de 560 milhões de quilómetros em pouco mais que 8 meses, o veículo motorizado da sonda Curiosity no 5º ano da sua estadia e no 1681ª dia da sua permanência na superfície marciana (dia marciano ou SOL = 24h 40’), continua como no início do seu trabalho neste mundo alienígena a movimentar-se regularmente e a enviar-nos cada vez mais dados e imagens: de um planeta aparentemente morto e calcinado, sem vestígios visíveis de vida (moléculas orgânicas) ou de água (depósitos relevantes), movimentando-se a uma distância do Sol em torno dos 230 milhões de quilómetros e no entanto sendo constantemente flagelado pelos efeitos poderosos dos seus raios (é o que dá não ter uma atmosfera e um campo magnético como o nosso) e para além disso tudo sendo ainda fustigado pelos extremamente nefastos raios cósmicos e estando nitidamente num trajeto decrescente e de decadência de fim de período (preparando-se para um novo salto evolutivo com outra espécie dominante) ou de fim de ciclo (preparando-se para uma nova réplica mantendo a espécie dominante). Ou morremos ou evoluímos ‒ dependendo da capacidade de receção, tradução e aplicação prática dos conhecimentos que através da contínua e repetitiva experimentação nos vão chegando, interiorizando e finalmente libertando (da imposição de limites inexplicáveis e inaceitáveis, num Mundo definido como não tendo princípio nem fim).

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:39
Terça-feira, 14 DE Fevereiro DE 2017

O Mar de Marte

Com a câmara do veículo motorizado alienígena (oriundo do planeta Terra), focando as suaves e tranquilas ondas que varrem uma grande área do misterioso Planeta Vermelho.

 

Num reflexo do que poderá ter sido há biliões de anos atrás o ecossistema deste corpo celeste aparentemente morto (mineralmente apenas em transformação), possuindo então atmosfera e um grande oceano cobrindo uma parte da sua superfície.

 

NLB_539621449EDR_F0603162NCAM00260M_.JPG

Marte

CURIOSITY ROVER

(SOL 1601 – 06.02)

 

Antes com o planeta Marte a ter o seu Continente (e talvez mesmo marcianos) e com este a ser rodeado por uma extensa massa de água (líquida): um oceano com ondas e com surfistas (o planeta pode ter tido no passado o seu próprio campo magnético, estando mais protegido, com atmosfera e com água), tal com na Terra dominando o mar.

 

Depois com os mesmos (continente, oceano, atmosfera) a serem substituídos:

 

Por cenários desérticos e calcinados preenchidos de pedrinhas (de grandes rochas a calhauzinhos todos eles bem sequinhos);

 

Por um grande oceano de areia estendendo-se por todo o litoral (do continente/ilha);

 

E por uma atmosfera extrema (melhor inexistente) tóxica, radioativa e mortal (em que os raios solares e cósmicos são senhores) e que só dá mesmo hipótese ao Mundo Mineral.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:49
Domingo, 18 DE Dezembro DE 2016

Marte

Existirá algum tipo de ligação entre o Mundo Mineral e o Mundo Animal?

E não terá sido o primeiro a surgir sob a forma de Calhau?

 

Tal como eles dizem (NASA) uma imagem de um Mundo Alienígena (nosso vizinho) “apresentando-nos a sua particular variação de cores” (em torno do Monte SHARP), que neste caso se traduzem na apresentação de um planeta seco e desértico (por vezes parecendo calcinado) onde nem sequer existem qualquer tipo (organismo mesmo que primitivo) de vestígios de vida. Numa caraterização de um corpo celeste através da análise da sua paleta de cores, que na TERRA poderá significar algo (relacionado com o presente) mas que em Marte (por outro lado) em princípio nada nos oferecerá a não ser um planeta morto (relacionando-se com o seu passado). Num impacto visual estritamente geológico (ligado ao Mundo Vivo Mineral), mas que em nada o associa a uma possível existência de vida (ligado ao Mundo Vivo Biológico) por mais primitiva que fosse (há biliões de anos atrás).

 

PIA21256.jpg

MARTE – CURIOSITY ROVER – PIA 21256

(SOL 1516 – 10.11.2016)

 

Uma imagem obtida a partir das câmaras instaladas a bordo do veículo motorizado CURIOSITY (com a presença por esta altura de ventos mais fortes ajudando a limpar as suas lentes), mostrando-nos um cenário colorido rodeando a base do Monte Sharp – como resultado da diferente composição geológica de cada uma dessas áreas – sendo uma delas (dessas rochas aí presentes) correspondente à presença de HEMATITE (com a sua cor púrpura caraterística). E registada a 10 de Novembro deste ano (SOL 1516) numa cratera de impacto localizado no equador marciano (GALE – latitude 4.6⁰S) com cerca de 150Km de diâmetro. Apresentando-nos um mosaico variado de cenários geológicos (construindo este cenário de Marte), à 1ªvista familiares aqui com um tom agressivo – com um Homem lá colocado finando-se em poucos segundos (provavelmente e no máximo em torno de um minuto, o tempo que conseguimos suster a nossa respiração).

 

Praticamente sem atmosfera (0.13% de oxigénio), gelado (com temperaturas entre +27⁰C no seu equador ao meio-dia e mínimas na ordem dos -128⁰C à noite) e com uma gravidade baixa (1/3 X Terra), num mundo dos mais parecidos com o nosso (pelo menos de longe e fazendo-nos recordar algo), mas no entanto deserto e sem sinal de movimentos (a não ser as suas tempestades semelhantes às nossas de areia). E que leva Chris Webster (JPL/NASA) um dos responsáveis pela missão CURIOSITY ao planeta Marte, a afirmar sobre a nossa probabilidade de sobrevivermos ao seu extremamente adverso (e mortal) ambiente o seguinte (por exemplo estando exposto, sem equipamento de proteção e como se estivesse na Terra):

 

“The most serious immediate impact would be from the low atmospheric pressure that is nearly a vacuum compared to Earth and within minutes the skin and organs would rupture, outgas and produce a quick painful death. If not killed by the low-pressure atmosphere, there are many other environmental factors that make Mars inhospitable to humans without protection. Any humans on Mars would have to contend with the lack of oxygen (only 0.1% compared to Earth’s 20%), the very cold surface temperatures, the ubiquitous and irritating dust, the intense UV radiation, surface chemicals and oxidants — and all this before they started looking for food and water!”

 

(alguns dados e imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:36
Terça-feira, 06 DE Dezembro DE 2016

Sandwich Marciana

Um grande calhau resultado da sobreposição de camadas de material bem diferenciado (muito semelhante a um agregado de desperdícios oriundos de um local de construção), apresentando uma forma particular e familiar fazendo-nos lembrar uma sandwich (talvez de queijo). Numa imagem do planeta Marte que em sentido figurado (podendo de uma forma ou de outra ter alguma ligação com a realidade histórica e cronológica do planeta) poderíamos catalogar como um grande porta-aviões, flutuando estaticamente (talvez por estar morto ou suspenso) sobre um vasto oceano de areia.

 

1537MR0078770010800011E01_DXXX.jpg

Marte – Curiosity Rover – Sol 1537

(02.12.2016)

 

Comprimida e calcinada por biliões de anos de eventos cósmicos, incluindo impactos (visíveis na sua superfície), radioatividade elevada (devido à inexistência de atmosfera) e outros acontecimentos desconhecidos e extraordinários (podendo até ter origem na Cintura de Asteroides), toda a geologia marciana observando meramente a sua camada superficial a uma distância de várias dezenas de milhões de quilómetros (obviamente da Terra), é praticamente a demonstração de que o que aí aconteceu poderá mesmo representar um outro tempo cronológico (do mesmo modelo) mas sendo projetado na Terra.

 

Um dos oito planetas do Sistema Solar localizado a mais de 200.000Km do Sol numa região do Espaço situada entre a órbita do nosso planeta e a órbita do que seria o 5º planeta do sistema (onde hoje se localiza a Cintura de Asteroides), que num passado bastante remoto teria parte da sua superfície coberta por um oceano líquido (possivelmente de água mas numa extensão menor que na Terra), possuiria atmosfera (que cumpriria uma das suas funções mais importantes que seria a de proteger o planeta), até podendo ter apresentado sinais de vida mesmo que primitiva no seu período mais ativo.

 

Aqui com as câmaras da sonda Curiosity a presentear-nos com mais um registo deste Mundo Alienígena, hoje um planeta árido e desértico, sem água nem atmosfera e sem qualquer tipo de previsão de futuro (em que algo de vivo possa surgir ou mesmo reaparecer) e em que as únicas imagens que nos chegam nos refletem um corpo morto, movimentando-se entre outros corpos e em muitos dos casos fazendo-nos recordar mesmo que inconscientemente (talvez porque faça parte do nosso Imaginário uma parte da nossa Realidade) cenários terrestres extremamente familiares (nas praias e nos areais do litoral).

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 08:35
Terça-feira, 12 DE Julho DE 2016

Rover Curiosity

O Regresso do Coma Induzido

 

Em 2012 a sonda norte-americana CURIOSITY chegava à superfície de Marte (aterrando na cratera GALE) – planeta onde desde 2004 já se encontravam os ROVER da SPIRIT (inativa desde 2010) e da OPPORTUNITY (ainda em plena atividade). Indicando-os nas suas explorações que este planeta nosso vizinho poderia ter sido no passado (há mais de 3 biliões de anos) muito semelhante ao nosso, com água correndo à sua superfície e nela podendo existir vida.

 

1387MR0068150000701903E01_DXXX.jpg

Curiosity Rover

(imagem obtida no 1387ºdia de permanência do rover em Marte – SOL 1387)

 

Depois de ter entrado temporariamente em estado de coma induzido (dia 2 de Julho) e após a aplicação de todos os procedimentos gerais de segurança e de suporte de vida, o ROVER CURIOSITY voltou de novo ao mundo dos vivos e a entrar em atividade (9 de Julho). Pelo que se espera que rapidamente cheguem ao público novas imagens de Marte (interrompidas desde o passado dia 1 de Julho).

 

Uma situação pela qual o ROVER CURIOSITY já tinha passado anteriormente por 3 vezes (todas em 2013) e das quais sempre tinha recuperado totalmente: provavelmente todas provocadas pelo mesmo motivo, um erro de comunicação entre o SOTWARE da câmara do ROVER e o SOFTWARE de processamento de dados do seu computador. Tendo em Marte a companhia do mais velho ROVER OPPORTUNITY.

 

merb_mi_01.jpg

Opportunity Rover

(uma das primeiras imagens microscópicas – e colorida – da superfície de Marte)

 

Dois ROVER continuando a executar com excelente desempenho a missão para a qual foram inicialmente programados – apesar de todas as condições ambientais extremamente hostis, a que ambos estão sujeitos há anos (neste planeta seco, desértico e sem qualquer tipo de atmosfera ou campo magnético protetor) – e que certamente verão o seu prazo de missão estendido até ao máximo limite (quando como a SPIRIT deixarem de funcionar).

 

(dados e imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:38
Sexta-feira, 08 DE Julho DE 2016

Juno e Júpiter

“Over the next few months, Juno’s mission and science teams will perform final testing on the spacecraft’s subsystems, final calibration of science instruments and some science collection.” (missionjuno.swri.edu)

 

Enquanto no planeta MARTE o veículo motorizado da sonda CURIOSITY se debate há já alguns dias com problemas técnicos inesperados, no caso da sonda JUNO neste momento já inserida em órbita do planeta JÚPITER, para já nenhuma novidade ou uma única imagem.

 

1387MR0068150080701911E01_DXXX.jpg

Marte

(c/ o Rover Curiosity temporariamente paralisado)

 

No caso do ROVER CURIOSITY movimentando-se nas proximidades do monte SHARP, com o seu computador a entrar repentinamente em modo de segurança provavelmente devido a problemas técnicos de SOFTWARE.

 

O que tem vindo a impedir desde o passado dia 2 de Julho a chegada de novos dados e imagens oriundos desta sonda norte-americana em atividade na superfície de Marte (a outra é a OPPORTUNITY), com os últimos registos a referirem-se ao 1388ºdia marciano.

 

Logo no momento em que circulando na superfície de Marte o veículo motorizado nos tinha proporcionado uma imagem panorâmica da zona de MURRAY BUTTES, com um pormenor interessante integrado no cenário: como se fosse uma estátua precariamente apoiada.

 

Esperando que todos os problemas técnicos se resolvam (e que não sejam do seu HARDWARE), confiando na boa saúde do ROVER, na sua total recuperação e na continuação com sucesso dos objetivos da missão (com os cientistas a tentarem tirá-lo do modo de segurança).

 

238.jpg

Juno

(c/ a sonda terrestre já em órbita de Júpiter)

 

Já no caso da sonda JUNO (lançada há quase cinco anos de Cabo Canaveral) com a mesma a entrar em órbita do planeta JÚPITER a 4 de Julho, iniciando aí a sua verdadeira missão de estudo da origem e evolução do planeta Gigante e Gasoso.

 

Investigando entre outros parâmetros que influenciam diretamente a caracterização do planeta, a possível existência de uma parte sólida central, o seu intensíssimo campo magnético e a quantidade de água e de amónia presente na sua atmosfera – além das tempestades aí constantemente observadas (como as AURORAS).

 

Um planeta gigante onde caberiam por várias vezes todos os planetas do Sistema Solar (a Massa de Júpiter = 2.5X Massa dos restantes planetas) e que segundo os cientistas da NASA poderia ser um dos elementos responsável pela manutenção do equilíbrio do nosso Sistema (mantendo-o ligado): e devido à sua grande dimensão sendo visto como um fortíssimo elemento de proteção.

 

No entanto e tal como o sucedido com a sonda NEW HORIZONS (tendo como destino o planeta anão PLUTÃO e a região do Cinturão de KUIPER), com as primeiras imagens do encontro da sonda JUNO com o planeta JÚPITER a tardarem a chegar deixando-nos inquietos e em suspenso. Esperemos que agora com boa definição, mas certamente com uns bons tempos de espera.

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:33
Terça-feira, 05 DE Julho DE 2016

Marcianos

“Em todos os lados se encontram vestígios daquilo que sobrou e ficou (partes),

De tudo o que entretanto se passou ou desapareceu (de um todo).”

 

1387MR0068150080701911E01_DXXX.jpg

Marte

Curiosity Rover

Sol 1387

1 Julho 2016

 

Em mais uma das milhares de imagens recolhidas durante a sua já longa estadia no nosso vizinho planeta MARTE (a sonda CURIOSITY aterrou no planeta em 6 de Agosto de 2012), eis que ao 1387ºdia marciano (um dia marciano tem quase mais 40 minutos do que um dia terrestre) a NASA nos oferece mais uma imagem curiosa do ainda para nós misterioso Planeta Vermelho (assim denominado pela sua cor avermelhada devido à presença de óxido de ferro à sua superfície): num cenário que até poderíamos associar em toda a sua área a uma paisagem desértica, seca e sem vida visível existente em regiões do nosso próprio planeta, mas que no entanto nos apresenta Marte (que por coincidência se encontra hoje dia 5 de Julho à distância mínima da Terra de cerce de 75 milhões de Km da Terra) e artefactos aí presentes (para nós provocando curiosidade e espanto por desconhecidos ou incompreendidos), como prova de que algo mais por lá se terá passado: num passado já muito distante (de biliões de anos) e até num presente acumulador de indícios (e porque não de vestígios).

 

E poucos dias antes de mais uma sonda terrestre atingir mais um planeta distante do nosso Sistema Solar (precisamente hoje dia 5) neste caso o gigante gasoso JÚPITER localizado a cerca de 800 milhões de Km da Terra.

 

1387MR0068150080701911E01_DXXX B.jpg1387MR0068150080701911E01_DXXX X.jpg

Se o 1ºartefacto até poderá ser um objeto voador de origem desconhecida (ou como diz a NASA apenas a presença de poeiras coladas às lentes das câmaras do Rover Curiosity)

Já no 2ºartefacto a imagem sugere a presença do que poderia ser uma estátua ou monumento (possivelmente de origem alienígena e artificial)

 

Nesta imagem enviada a partir da superfície do planeta Marte (referente ao dia 1 de Julho) com o seu registo a despertar-nos a atenção para dois pontos particulares presentes à sua direita, um acima e outro abaixo (a que mais me interessa e a que mais me incomoda).

 

Com o ponto superior aparecendo na 1ªimagem a poder ser na realidade uma simples poeira agarrada às lentes, mas na 2ªimagem sendo o nosso cérebro confrontado com uma realidade paralela (semelhante por sobreposição) muito comum no nosso planeta e nas nossas sociedades organizadas, fazendo ressaltar aí a presença de vida e de seres vivos inteligentes (cultivando a cultura e a memória) através da reprodução monumental das suas mais profundas ideias e desejos. Apenas mais uma coincidência ou talvez mesmo uma ocorrência. E com a própria estrutura à esquerda (geológica) sugerindo um rosto de perfil.

 

Agora com a sonda JUNO bem para lá da Cintura (de Asteroides) e com o gigante Júpiter bem diante das suas câmaras: um monstro que engoliria todos os outros planetas mas no entanto sendo um anão se comparado com o SOL. Esperando com aderência as primeiras imagens de lá. E que devem estar para sair muito em breve no tempo, pois a mulher (JUNO) já se aproximou do marido (JÚPITER) ciumento – estando nós prontos como mirones para as suas revelações.

 

“Especialmente na altura Verão em que nada (mas mesmo nada) se passa

– Pelo menos à nossa frente já que por trás é outra história.”

 

(imagem: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:32
Sexta-feira, 11 DE Março DE 2016

Mars Curiosity Rover

Photojournal NASA
(11.03.2016)

 

PIA20166.jpg

 

This map shows the route driven by NASA's Curiosity Mars rover from the location where it landed in August 2012 to its location in early March 2016, approaching a geological waypoint called "Naukluft Plateau."

 

Curiosity departed the "Gobabeb" waypoint, where it scooped samples from a sand dune for analysis, on Feb. 3, 2016, with a drive during the 1,243rd Martian day, or sol, of the rover's work on Mars.

 

The base image for the map is from the High Resolution Imaging Science Experiment (HiRISE) camera on NASA's Mars Reconnaissance Orbiter. North is up. Bagnold Dunes form a band of dark, wind-blown material at the foot of Mount Sharp.

 

(texto e imagem: NASA/JPL-Caltech/Univ. of Arizona)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:27
Domingo, 24 DE Janeiro DE 2016

Marte – E a Luz do Deserto

Há milhares e milhares de anos que olhamos para o Céu
(com a esperança pelo desconhecido, a ser a última coisa a morrer)

 

1185MR0053760000602491E01_DXXX b.jpg

Fóssil

(sob a forma de concha)

 

Mais uma vez (hoje) o site ufosightingsdaily.com e utilizando apenas as imagens que chegam diariamente do planeta Marte (enviadas para a Terra pelas câmaras dos rovers das sondas Opportunity e Curiosity), descobre meio disfarçado e perdido no meio da superfície árida e desértica marciana um objeto de aspeto estranho (mas que nos toca) e visivelmente desenquadrado do meio que o rodeia (o Fóssil).

 

E recorrendo a um dos registos do rover Curiosity adquirido a 6 de Dezembro de 2015 (SOL 1185) o referido site depois de analisar a imagem recebida e tentando integrar o objeto na paisagem marciana que o suportava, chegou à conclusão de que poderíamos estar perante um exemplo da arqueologia local neste caso de um fóssil (ou seja um sinal da possível existência de vida em Marte num passado muito remoto).

 

Encontrando coisas estranhas só porque não as querermos rever
(de tão presentes que são e sem nunca as reclamarmos)

 

1185ML0053750010502720E01_DXXX.jpg

Oceano
(sob a forma de areia)

 

Segundo o site um objeto muito semelhante às conchas que encontramos na Terra (com a sua parte central mais escura já em falta) e que seria mais provável de encontrar em certas regiões anteriormente ocupadas por oceanos (água). O que até poderá ter sido uma realidade num passado bastante remoto da História da evolução de Marte, com o planeta (tal como atualmente acontece na Terra mas numa menor extensão) a estar coberto por uma grande massa de água semelhante a um grande oceano.

 

O que nos transporta (sem o querermos e ao observarmos a última imagem, o Oceano) para um mundo imaginário revelador de realidades (passadas, presentes ou futuras mas sempre compartilhando espaços), descrevendo outros mundos talvez do mesmo Universo (concorrentes e deixando-nos pontos/contactos – de memória, de cultura e de conhecimento – ou paralelos abrindo-nos espaços – infinitos e sem limites não-condicionados pelo parâmetro/tempo abstrato): e entre as duas margens que as contêm as correntes de areia escura deslizam, paradas, parecendo sem vida, mas mesmo assim ainda emitindo sinais – que sem nos apercebermos sempre nos tocam, libertando recordações, expondo emoções e no fim atirando ao mundo um rol imenso de muitas mais informações (arquivadas e adormecidas).

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:50
Quarta-feira, 20 DE Janeiro DE 2016

O Pénis Curioso

No seu 1227ºdia de permanência em Marte o veículo motorizado da sonda CURIOSITY apresenta-nos a sombra do seu nobre instrumento: um pénis bem dotado e fotografado a 18 de Janeiro pelas lentes MAHLI. Algo que chocará alguns (pela forma como a notícia é aqui divulgada) que não certamente os marcianos.

 

1227MH0005610010403280C00_DXXX.jpg

Marte – Sol 1227

 

Uma garantia de que a espécie inteligente que o enviou para Marte tem o poder superior da manipulação, não fosse o instrumento impresso sobre a superfície do planeta suscetível de ser manipulado sendo simultaneamente um dos seus maiores símbolos: e mesmo capaz de provocar um orgasmo.

 

(imagem: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:18

pesquisar

 

Maio 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
16
18
20
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

Posts mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro