mais sobre mim

Quarta-feira, 17 DE Maio DE 2017

Arábia Saudita ‒ Direitos Adquiridos e Administrados

Uma decisão já com mais de um mês mas que não cala toda a gente

(como em Espanha):

 

Guterres-Saudi-web-768x511.jpg

 

“El pasado 19 de abril, el Consejo Económico y Social de la ONU otorgó a Arabia Saudita, dictadura con datos terribles sobre Derechos Humanos y en especial en leyes que maltratan a las mujeres y restringen su libertad, la condición de miembro de la Comisión de la Condición Jurídica y Social de la Mujer. Durante cuatro, desde 2018, Arabia Saudita, donde se lapida a mujeres, se crucifica a ciudadanos y tiene claros lazos con la financiación y entrenamiento de terroristas del Isis que golpean Europa y todo el mundo, ocupará este lugar de importancia en la ONU. Arabia Saudita, a pesar de este terrible historial, es un aliado muy importante para EEUU, Gran Bretaña, y otros países de la OTAN, además de Israel y Qatar.” (digitalsevilla.com)

 

No decorrer de um quadriénio (2018/2022) em que a comissão CSW (Commission of the Status of Women) em colaboração com a organização UN (United Nations) têm como temas prioritários a igualdade de género e a atribuição de mais poder às mulheres (acedendo da mesma forma que os homens aos Media e às Novas Tecnologias) ‒ assim como a criação das infraestruturas e condições para que tal se concretize o mais rapidamente possível ‒ eis que a organização com maior responsabilidade, representando a Comunidade Global e agora dirigida pelo nosso conhecido e último Alto-Comissário da UN para os Refugiados (o português António Guterres) vem agora eleger a Arábia Saudita para a Comissão de Direitos da Mulher da UN. Naturalmente não deixando todos indiferentes ‒ apesar de todas as pressões exercidas pelos EUA para os Sauditas integrarem a Comissão, estranhamente obtida mesmo sabendo-se da posição russa e chinesa) ‒ como o demonstrou a indignação do diretor da UN Watch Hillel Neuer.

 

No Joke:

U.N. Elects Saudi Arabia to Women’s Rights Commission, For 2018-2022 Term

(unwatch.org)

 

0833f9bd-14f7-4901-870e-e82189e45ca2.jpeg

 

The Geneva-based human rights group UN Watch condemned the U.N.’s election of Saudi Arabia, “the world’s most misogynistic regime,” to a 2018-2022 term on its Commission on the Status of Women, the U.N. agency “exclusively dedicated to the promotion of gender equality and the empowerment of women.” (unwatch.org)

 

Hillel Neuer

(Executive Director of UN Watch)

 

“Electing Saudi Arabia to protect women’s rights is like making an arsonist into the town fire chief.”

 

“It’s absurd — and morally reprehensible.”

 

“This is a black day for women’s rights, and for all human rights.”

 

“Saudi discrimination against women is gross and systematic in law and in practice. Every Saudi woman, must have a male guardian who makes all critical decisions on her behalf, controlling a woman’s life from her birth until death. Saudi Arabia bans women from driving cars. Why did the U.N. choose the world’s leading oppressor of women to promote gender equality and the empowerment of women?”

 

“Today the UN sent a message that women’s rights can be sold out for petro-dollars and politics, and it let down millions of female victims worldwide who look to the world body for protection.”

 

Já com António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas, aproveitando o vazio político provocado pelas presidenciais norte-americanas para com o apoio da Rússia e da China se tornar num potencial candidato (graças à neutralidade/ativa dos EUA esperando pelo novo Presidente) e mais tarde, depois de muitas negociações (com alguns perdendo mas exigindo algo em troca) e de sucessivas votações, se transformar inevitavelmente no candidato eleito: tendo tomado posse e surgindo como primeiros sinais, depois de já ter pactuado com a Guerra no Iémen liderada militarmente pela Arábia Saudita e levando à destruição de uma nação soberana e ao genocídio da sua população, desta vez aceitando para integrar uma Comissão para a Defesa e Equidade de Género (obviamente da Mulher) um representante desse país mundialmente conhecido por inferiorizar, marginalizar, castigar e até mesmo matar mulheres ‒ apenas porque não são homens e não o sendo jamais tendo os mesmos direitos. Como se já não bastasse com a mesma Arábia Saudita a ter sido recentemente reeleita para o Conselho da UN para a Defesa dos Direitos Humanos (com toda a influência que esse cargo transporta) sempre com a conivência de alguém mesmo na EU).

 

(texto/inglês: unwatch.org/22Abr2017 ‒ imagens: unwatch.org e web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:18
Terça-feira, 03 DE Fevereiro DE 2015

Claro como Água

A relatora do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que o poder judicial português "não pode estar de joelhos, com o chapeuzinho na mão, aguardando recursos financeiros e administrativos" para funcionar.

 

ng3913738.jpg

Gabriela Knaul
(com o manto obscuro da nossa Justiça, visual e aparentemente ameaçando engoli-la)

 

Ou seja:

 

Não há dinheiro → Não se pode fazer nada → Os prazos passam → Não se apuram responsabilidades.

 

E o que fez o Governo para resolver o problema? Nada. Perdão: arranjou forma de globalmente controlar a Justiça, administrando os seus orçamentos através do respectivo Ministério (da Justiça).

 

A solução?

 

A relatora da ONU recomendou, assim, que seja dada maior autonomia orçamental, financeira e administrativa aos tribunais e ao Ministério Público".

 

O Elogio:

 

O facto de o Constitucional ter declarado a inconstitucionalidade de algumas dessas medidas foi mencionado por diversos interlocutores como um "indicador da independência do judiciário português", disse.

 

Mas será que as palavras proferidas por Gabriela Knaul terão algum impacto na evolução de um país ainda dirigido por aqueles seres considerados legalmente inimputáveis e que o lançaram no caminho do abismo? Olhando em volta e constatando a realidade invertida, não me parece!

 

(sobre declarações da relatora do Conselho de Direitos Humanos da ONU Gabriela Knaul, emitidas recentemente em Lisboa: rr.sapo.pt – texto em itálico: RR – imagem: TSF)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:21
Sexta-feira, 14 DE Fevereiro DE 2014

Desigualdade Mortal

Ontem a girafa MARIUS Amanhã o humano MÁRIO

 

“Só podemos ficar receosos e preocupados, quando em muitos locais deste mundo onde vivemos, tal já se nos aplica: desde as mortes presentes, visíveis e conhecidas (matando indiscriminadamente pessoas de todas as idades) até às mortes futuras, escondidas e encomendadas (como a dos velhos do nosso país).

O raciocínio e o crime são idênticos”

 

Os especialistas dinamarqueses em girafas contando com o apoio dos seus colegas europeus – onde estão os direitos quando falam os especialistas – decidiram matar uma das girafas do seu Zoológico e dá-la de comer aos leões: um jovem de nome MARIUS.

 

MARIUS

Um ano e meio de idade

Abatido e comido sob ordens de especialistas

 

Como já existiriam 3 girafas do sexo masculino no zoológico – MARIUS de um ano e meio, outro MARIUS de 7 anos e um terceiro chamado ELMER – e face à sua semelhança genética, os especialistas em girafas decidiram abater para já um dos excedentários; no entanto não descartam a possibilidade de abater futuramente a girafa MARIUS que sobrou. Se a justificação para o primeiro abate é verdadeiramente uma ode à ciência e ao direito dos animais, o que dizer do segundo e mais que previsível abate – no final de contas se os especialistas o dizem e o fazem (pelos vistos não é crime na Dinamarca nem na Europa, nem estes pelos vistos subscreveram a declaração universal dos direitos dos animais) é porque têm razão: um génio entre estes génios especialistas em girafas, lembrou-se que se comprassem uma fêmea – o que pelos vistos está nas mãos destes especialistas inqualificáveis – corriam o perigo de poderem ter os dois machos numa luta mortal pela fêmea, logo a solução seria abater outro macho, com a rifa a sair e infelizmente ao outro MARIUS.

 

Esquartejado e dado aos leões – sob o olhar atento das crianças presentes

(acto pedagógico ou de imposição, dominação e controlo?)

 

E já agora se nascer outro macho qual será o seu futuro? Se forem pela mesma lógica acontecer-lhe-á o mesmo, pelo que o melhor será mesmo montar uma linha de montagem de carne de girafa, dedicada exclusivamente para alimentar leões. Mas as barbaridades destes especialistas em girafas também se estendem por comparação ao restante mundo animal – talvez por especializações complementares destes verdadeiros génios pensantes e certificados, em antílopes, porcos e porque não pessoas: como quem não quer a coisa – ou seja para provarem a sua inocência como o faziam duma forma ignóbil os funcionários especialistas em pessoas ao serviço dos campos de concentração nazis – ainda tiveram o desplante de nos insultar, aos visitantes do zoológico e aos amigos de todos os animais, afirmando talvez cientificamente para eles mas criminosamente para nós, que se fossem antílopes ou porcos o ultraje seria menor e que não levantaríamos um só dedo que fosse, na defesa destes animais (para eles pelos vistos menos vistosos). Por essa lógica a vida dos animais em todo o globo terrestre estaria em risco, mesmo a vida de todos os seres humanos – o que no fundo e como especialistas em liberdade dentro de prisões, estes criminosos com as suas ideias e acções esquizofrénicas, se fartam de promover. Para quando o seu julgamento?

 

(imagens – huffingtonpost.com/Getty Images/Associated Press)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:19
Sexta-feira, 07 DE Fevereiro DE 2014

Pulsações (2/3)

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(Mundo Sequencial – Transmissão Indiferenciada por Pulsação e Contacto)

 

“Acordei às oito no cumprimento do dever: duas horas depois abdiquei definitivamente dos meus direitos”. Simplesmente por Intervenção Exterior: Divina, Alienígena ou Humana.

 

Duas horas depois abdiquei finalmente dos meus direitos

 

 

Duas horas depois o meu despertador tocou o alarme: eram agora seis horas da manhã. Mas o quadro que me rodeava deitado na cama no meio da penumbra do quarto parecia-me algo estranho e deslocado: pensava que era um pouco mais tarde do que a hora que o relógio indicava e tinha a sensação de que já o ouvira a tocar antes. Mas na verdade o despertador só estava programado para as seis ou para as oito. Acendi a luz do candeeiro e pus-me a olhar para a janela: lá fora ainda era de noite e não se via ninguém a circular. Levantei-me e dirigi-me até à cozinha. Ao passar perto do hall de entrada a campainha exterior soou e alguém bateu ao de leve do lado de lá da porta, chamando-me com um sussurro pelo meu primeiro nome. Ainda um pouco confuso com a situação e dada a insistência na minha presença, ignorei um pouco a minha segurança e lentamente abri a porta: três elementos parecendo fardados esperavam-no à sua porta, apresentando-se como pertencendo a uma organização governamental de segurança ambiental e solicitando para que eu os ouvisse. Espantado com esta situação que agora vivia e presenciava, nem me lembrei sequer de me opor à sua entrada: sentaram-se os três no amplo sofá da sala – um dos elementos era do sexo feminino – abriram os fortes sobretudos que os protegiam talvez de frio – e aí eu reparei nas armas que transportavam consigo – e logo foram ao assunto que ali os tinha trazido – eu. Segundo a sua apresentação inicial a terra donde os três vinham não seria a minha, não deixando no entanto as duas de pertencerem à mesma Terra. Logo aí fiquei ainda mais confuso e comecei de imediato a perguntar-me no meio de quem me teria enfiado: já antes tinha deixado em pleno bar alguns amigos bem despachados e não era agora que tinha vontade de os ouvir. No entanto eles continuaram com uma conversa que não consegui acompanhar na sua totalidade, em que falavam dum acidente que iria cronologicamente ocorrer dentro de muito pouco tempo e que poderia ter consequências terríveis para uma das linhas reprodutivas e evolutivas fundamentais do que seria a base da humanidade futura: e eu faria parte dum desses links fundamentais a preservar antes da concretização temporal desse acidente, razão pela qual justificavam a sua presença no local e a necessidade urgente de darem início à sua intervenção preventiva. Apresentaram-se então a Máxima – muito parecida com uma miúda com a qual trocara alguns olhares no interior da Universidade – e explicaram-me de seguida o que tínhamos que fazer. Resumidamente e para não causar muita confusão, o que me diziam e pediam que fizesse era apenas isto:

- Os três elementos ter-se-iam deslocado do seu futuro para o meu presente – que pelos vistos pertenceriam ao mesmo mundo e sequência – com o único objectivo de manter intacto no seu futuro uma ligação aparentemente imprescindível para o funcionamento das suas estruturas e que por diversas ligações e cruzamentos iam dar a um ponto do passado em que ele era o foco assinalado na sequência genética a defender. A Máquina Preservadora havia detectado uma possibilidade de incidente numa das curvas passadas do tempo, como consequência da tentativa de intrusão agressiva no sistema de segurança da base de dados centrais, que se suspeitava ter sido bem sucedida e poder estar relacionada com uma tentativa de eliminação dum ramo inteiro dum grupo de orientadores importantes, tentando criar o caos social e uma janela de oportunidade para a concretização das suas ambições no futuro de onde vinham. Mas sendo ele o ponto vermelho assinalado como o mais que provável foco deste incidente passado, os técnicos vindos deste futuro em perigo e sequencial e desconhecendo a data dessa intervenção intrusiva (que deveria estar mesmo muito próxima), só viam a aplicação dum método preventivo directo e contando com a presença dos dois principais interlocutores, como a única solução viável. Então desisti de vez de compreender o que se estava na realidade a passar e enquanto dois dos elementos abandonavam o apartamento dirigi-me pela mão de Máxima para a cama do quarto. O espaço-tempo de sexo foi de mais e acho que foi a partir daí que cheguei à conclusão que tinha mesmo de conhecer a miúda com a qual trocara olhares na Universidade.

 

Abdiquei provavelmente de muitos momentos de felicidade, mas aquele não sabendo bem porquê, parecera que sempre fizera parte de mim: só que não percebia muito bem se tinha sido pelo momento passado, se por outra coisa qualquer que me sugerisse algo no futuro, que não conhecendo ainda parecia querer dizer algo. O corpo dela ainda se enrolava quente e ávido em torno do meu, tentando puxar-me de novo para a luxúria e para a volúpia contorcionista dos nossos corpo ávidos de contactos e de novas e poderosas sensações, quando repentinamente me desequilibrei, cai da cama e acordei: eram oito horas da manhã.

 

 

Finalmente chegara o dia em que eu previra antecipadamente que caíra no chão proveniente desta cama traiçoeira: os lençóis tinham a tendência para caírem sempre para o mesmo lado – talvez por ser por este lado que na maior parte das vezes entrava na cama – enquanto o colchão se deslocava em sentido contrário, criando uma ligeira depressão susceptível de causar acidentes. E eu tinha caído num deles e batido mesmo que levemente com a cabeça no chão: estendido no soalho sob a acção dos primeiros raios do Sol que atravessavam a janela e que pareciam já querer começar a trabalhar em módulo extra, aquecendo o meu corpo e despertando-me a alma, comecei progressivamente a recordar-me do sonho vivido na noite passada, lembrando-me do tempo passado com a gostosa e simpática “miúda da universidade” e dos seus dois acompanhantes, ausentes da cena principal mas pertencendo ao grupo dela. Parecia tudo tão real neste sonho persistente e incoerente, que a própria realidade ambiental que me envolvia ainda mais me confundia – sentimento causado por uma mistura sem critérios de todos os parâmetros de tempo e de espaço envolvidos, mas nem todos descortinados e compreendidos – dado esta ser para além do mais sempre a mesma, mas com algumas alterações pontuais (de imagens) projectadas. Dirigi-me à casa de banho e fui molhar abundantemente a cabeça para ver se arejava a mente e organizava um pouco mais as ideias: as pessoas começavam já a aparecer nas ruas e a vida regressava de novo à cidade. Pensei em arranjar-me e ir dar um salto até à Universidade. Certamente que os meus amigos me iriam contar o que tinham feito no resto da noite após os deixar, tal como eu estava ansioso por lhes falar desta minha experiência. Foi aí que notei no quarto dois pequenos detalhes que me despertaram a atenção: a cama estava fora do sítio e mais desarrumada do que seria normal e junto a ela, já encoberta pela placa que quase ao nível do chão suportava o colchão, encontrava-se uma pequena bolsa que não era minha contendo pequenos objectos e uma identificação com retrato – a imagem da miúda que agora não me largava.

 

Dos meus direitos pelos vistos ninguém queria saber. Telefonei para alguns dos meus amigos e ninguém me atendeu. Tentei ligar o computador mas a rede apresentava-se sempre “não acessível”. Se antes o cenário ilusório dos sonhos me proporcionara momentos agradáveis e repetíveis, a realidade pura e dura que eu agora percepcionava pouco se importava comigo, muito menos com os meus inoportunos e inconfessáveis desejos: tinha que me desenrascar sozinho e esperar que o guião se melhorasse. Liguei então a TV e apanhei-me a olhar fixamente para uma notícia transmitida por um canal informativo local, que se referia ao avistamento nos últimos segundos de um pequeno meteorito atravessando os céus em direcção ao centro da cidade. Desloquei-me até à janela e pus-me a olhar para os céus: o Sol já iluminava a cidade e em todo o seu redor o céu apresentava-se claro e azul, prenúncio de mais um dia de bom tempo e duma vida agradável. Do lado oposto surgiu um pequeno rasto luminoso, acompanhado dum ruído em crescendo, muito semelhante ao dum avião. Em menos de dez segundos o objecto que atravessava os céus explodiu, lançando dezenas de fragmentos em todas as direcções e provocando múltiplos impactos sobre a superfície que agora atravessava. A sua grande maioria não trouxe consequências significativas para a cidade, mas três fragmentos de maiores dimensões ainda atingiram zonas industriais e habitacionais: dois deles com locais de impacto situados muito próximos um do outro e atingindo uma fábrica abandonada e um bloco de habitações em construção e o terceiro mais grave além de bem visível e que teria provocado algumas vítimas num prédio habitacional no centro da cidade.

 

Fim da 2.ª parte de 3

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:19
Segunda-feira, 19 DE Dezembro DE 2011

Ditaduras, Cúmplices e Apoiantes

As ditaduras actuais têm todas apoiantes ou cúmplices, que apenas se distinguem uns dos outros, pela ocasião e opção de negócio que tomam, em determinado momento especulativo.

 

Coreia do Norte – Kim Jong-Il e o seu filho Kim-Il-Sung

 

A sequência hereditária de um poder familiar e paternalista é uma consequência lógica da evolução das sociedades actuais, concentradas num só pólo de desenvolvimento económico e social e com uma segurança fortemente implantada, de modo a poder estreitar ao máximo o filtro dos canais de comunicação, petrificando-os ilusoriamente com imagens de força e poder: o que no entanto e com a ajuda de muitos, não deixa de funcionar.

 

Estados Unidos da América e Coreia do Norte – Albright e Jong-Il

 

Os Estados Unidos podem ser considerados como cúmplices, de uma situação que apenas lhe interessa manter intermitentemente à superfície. Utilizam para isso discursos agressivos, mas ocos de acção e concretização em objectivos. E não é invocando a velha questão da Declaração dos Direitos Humanos, em que ele é o Rei e o Senhor da implementação definitiva do desprezo e desrespeito pelas condições de vida em diversas situações de guerra, que veremos milagrosamente o mundo mudar de paradigma – é que a vida já não suporta mais hipocrisia.

 

Rússia e Coreia do Norte – Medvedev e Jong-Il

 

A Rússia pode ser considerada como apoiante – mesmo que não assumido – do regime norte-coreano. A deslocação do mundo económico e financeiro mundial para os mercados asiáticos é já uma realidade, da qual a velha Europa dos rendimentos garantidos ainda não se apercebeu, mesmo depois dos sinais de revolta no mundo árabe (colonizados), que antecederam o despertar da crise profunda na própria Europa (colonizadores). A Rússia ainda poderá ter um papel decisivo no futuro da Europa – seja ele qual for – devido à sua posição central entre o oeste e o este, enquanto a Grã-Bretanha procurará em desespero de causa, manter a sua bolsa em plena actividade, estabelecendo eixos de comunicação privilegiados com o sistema financeiro americano e mundial – pelo menos enquanto o dólar existir. Quanto à Alemanha ainda não aprendeu com a sua derrota e com o genocídio que provocou durante a 2.ª Guerra Mundial e mais uma vez com a colaboração da França, pretende conquistar a Europa, não se apercebendo que ela já não é nem nunca mais voltará a ser, aquilo que já tantas vezes desejou, mas que sempre alguém destruiu.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:34

pesquisar

 

Maio 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
16
18
20
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

blogs SAPO


Universidade de Aveiro