mais sobre mim

subscrever feeds

Sábado, 29 DE Outubro DE 2016

A Morte de Schiaparelli

Desde que o Homem abandonou “a Conquista do Espaço (a Epopeia dos Descobrimentos)” em “naves por si tripuladas (pequenas e frágeis naus navegando em mares alterosos)” – substituindo-se na sua missão por meras sondas automáticas – a aventura definitivamente acabou limitando-se à necrologia (sendo este o caso da sonda Schiaparelli). Se quiser sobreviver no mínimo terá de imitar.

 

Local de impacto da sonda SCHIAPARELLI

 

Schiaparelli-lander-crater.jpg

O local da morte do piloto de testes Schiaparelli

(região mais escura)

Terminando a sua viagem interplanetária de pouco mais de meio ano

Impactando violentamente com a superfície marciana

 

Numa missão da responsabilidade da Agência Espacial Europeia (ESA) foi lançada no passado dia 14 de Março do cosmódromo de Baikonur no Cazaquistão a sonda automática SCHIAPARELLI tendo como destino o planeta Marte: uma operação-teste que terminou mal com a sonda na sua descida em direção à superfície do planeta acabando por se fragmentar ao impactar violentamente com o solo marciano.

 

Como se pode verificar na imagem (de 25 de Outubro) enviada a partir de um outro observador muito atento ao que se passa em Marte (o telescópio da sonda MRO utilizando as lentes da câmara HiRISE), mostrando-nos com tonalidades mais escuras o ponto de impacto da sonda Schiaparelli (uma cratera com cerca de 2,4m) com o planeta Vermelho. Destacando-se à esquerda uma cratera de maior dimensão e com os vestígios do impacto (e possível explosão da sonda) a destacarem-se curiosamente à direita.

 

Um percalço nas pretensões da ESA de enviar para Marte a sua própria sonda automática (transportando consigo o respetivo veículo motorizado de exploração à superfície o ROVER) agora que os russos se ofereceram para continuar a cooperar com a Europa na Conquista do Espaço (com os seus foguetões e a sua agência espacial ROSCOSMOS) e em que até os chineses já começaram a montar a sua novinha Estação Espacial.

 

(imagem: universetoday.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:37
Segunda-feira, 14 DE Março DE 2016

A Europa a caminho de Marte

Com tecnologia russa e também portuguesa

 

MARS 0.jpg

 

Numa colaboração com a Agência Espacial da Federação Russa (ROSCOSMOS) a Agência Espacial Europeia (ESA) acaba de lançar em direção a Marte a sonda EXOMARS 2016 – tendo partido a bordo de um foguetão PROTON-M pelas 09:31 (TMG) da base de BAIKONOUR localizada no Cazaquistão.

 

O objetivo da missão da sonda EXOMARS 2016 será o de tentar descobrir vida em Marte. Utilizando para o efeito os seus dois módulos enviados em direção ao planeta vermelho, o módulo orbital e o módulo de aterragem – que segundo os técnicos da missão atingirão o seu destino dentro de sete meses (lá para meio de Outubro).

 

Mais uma iniciativa da ESA contando não só com a preciosa colaboração dos cientistas e técnicos europeus associados à agência (responsáveis pela construção do módulo orbital e de aterragem), como também com a importantíssima e fundamental ajuda dada pela ROSCOSMOS ao fornecer os seus foguetões PROTON e a sua base de lançamentos na Republica do Cazaquistão (além de outos instrumentos científicos).

 

MARS 1.jpg

 

Numa missão da ESA inicialmente partilhada com a NASA, mas que devido a problemas financeiros por parte da agência norte-americana (que a levou a abandonar o projeto), acabou por levar à sua substituição pelos russos da ROSCOSMOS.

 

Em que o LANDER SCHIAPARELLI se separará da sonda orbital três dias antes de atingir a atmosfera marciana (ficando esta numa órbita elíptica a cerca de 400Km de altitude), acabando por entrar nela a uma v = 6m/s, desacelerar e aterrar tranquilamente na superfície de Marte. Ficando a sonda orbital com a missão da procura de gases constituindo a atmosfera marciana (entre eles o metano como um possível sinal de vida) e o seu LANDER com o trabalho também importante de investigar e desenvolver tecnologias para novas missões (como por exemplo relacionadas com a entrada na atmosfera, a descida e a aterragem do módulo de superfície).

 

MARS2.jpg

 

Numa missão em MARTE que se prevê de curta duração e em que a sonda orbital terminará o seu trabalho em Dezembro de 2022 (dentro de seis anos). E que segundo notícias oriundas dos órgãos de comunicação social (de Portugal) contará também com a colaboração de cientistas e técnicos portugueses associados a mais este projeto da ESA:

 

Na missão 2018, que inclui o rover, a Active Space Technologies participou no fabrico estruturas do Descent Module, nos sistemas de teste do módulo de locomoção do rover, nos sistemas de testes dos aviónicos do rover, no protótipo da bateria do Descent Module, nos sistemas de suporte à integração e testes dos painéis solares do Descent Module e no fabrico de estruturas da antena de comunicação com a Terra.” (oje.pt)

 

O que só vem demonstrar mais uma vez (como se tal fosse preciso) que os portugueses também são capazes, desde que lhes reconheçam as capacidades e lhes retribuam os méritos. PARABÉNS.

 

(dados e imagens: ESA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:01
Terça-feira, 05 DE Janeiro DE 2016

A Europa num Cometa

Com países como os EUA, a RÚSSIA e a CHINA a investirem fortemente no ESPAÇO e na sua DESCOBERTA e CONQUISTA, a EUROPA não poderia ficar para trás e ignorar o precioso FUTURO. Utilizando o seu conhecimento e tecnologia lançou-se também para o exterior e atirando-se à AVENTURA. E hoje têm a primeira sonda terrestre a aterrar num cometa.

 

Comet_on_31_December_2015_OSIRIS_narrow-angle_came

Cometa 67P/C-G
(31.12.2015)

 

A sonda ROSETTA que conjuntamente com o seu módulo PHILAE (colocado sobre a superfície do cometa) o tem acompanhado na sua trajetória de aproximação ao Sol (nesta imagem com Roseta a cerca de 80km do núcleo de 67P/C-G). O fim da missão da sonda ROSETTA estava prevista para o fim do ano passado, encontrando-se esta neste preciso momento ainda em movimento e a cerca de 250 milhões de quilómetros da Terra.

 

(imagem: ESA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:08
Domingo, 14 DE Junho DE 2015

O Despertar da sonda Philae

PHILAE
Nunca uma nave da Terra aterrara num cometa

 

A sonda PHILAE acabou de despertar do seu longo período de hibernação (já lá vai mais de meio ano desde que aterrou aos trambolhões na superfície do cometa), enviando os seus primeiros sinais de 67P/C-G desde 15 de Novembro do ano passado (quando a carga das suas baterias acabou). Enviada a partir da sonda ROSETTA com a missão de aterrar na superfície de 67P/C-G, PHILAE teve problemas ao atingir a superfície do cometa, vindo apenas a imobilizar-se (após alguns saltos) numa zona mais acidentada e junto a uma escarpa: o que a colocou numa zona de sombra muito menos favorável ao processo de carregamento das suas baterias e a colocou em hibernação. Agora a sonda volta a comunicar (durante quase minuto e meio) e a enviar informações em direcção à Terra.

 

b05f6243-1049-47bf-b5d0-d760cfe33e5d-2060x1236.jpe

Meio Escondida mas Viva
A sonda PHILAE no cometa 67P/C-G

 

O cometa 67P/C-G continua na sua trajectória de aproximação ao Sol (e ao nosso planeta) encontrando-se neste momento a menos de 215 milhões de quilómetros do Sol e a pouco mais de 300 milhões de quilómetros da Terra. Viaja a uma velocidade superior a 30km/s levando consigo a sonda PHILAE e em sua órbita e companhia a sonda ROSETTA. A missão da sonda da ESA está prevista durar até ao fim deste ano de 2015. Até lá continuará a acompanhar este cometa jupiteriano com um período orbital aproximado de 6,5 anos, o qual atingirá o seu periélio quando estiver a cerca de 186 milhões quilómetros do Sol (só faltam 30 milhões). E no decorrer do processo levar a estudar (em detalhe) o comportamento deste corpo celeste, talvez extremamente importante para a compreensão da evolução da Terra e da vida na mesma.

 

(imagem – ESA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:15
Sábado, 14 DE Fevereiro DE 2015

ROSETTA e 67P/C-G

“Comet Churyumov-Gerasimenko (67P) is the focus of the ‘Rosetta spacecraft mission’ which is due to last until December 2015.” (livecometdata.com)

Comet_on_3_February_2015_NavCam.jpg

Rosetta – NavCam – 3 Fevereiro

 

Na sua trajectória de aproximação ao Sol o cometa 67P/C-G continua a ser acompanhado na sua viagem pelo espaço e como se de uma sombra se tratasse, pela sonda europeia Rosetta. Neste momento o cometa encontra-se a mais de 357 milhões de quilómetros do Sol (o seu periélio concretizar-se-á a cerca de 186 milhões de quilómetros) e a quase 494 milhões quilómetros da Terra (entre as órbitas de Júpiter e Marte).

 

Comet_on_9_February_2015_NavCam.jpg

Rosetta – NavCam – 9 Fevereiro

 

Hoje dia 14 de Fevereiro pelas 12:40:50 GMT e depois de diversas manobras efectuadas propositadamente na trajectória de Rosetta (de modo a aproxima-la o mais possível de 67P/C-G), a sonda da ESA fará um voo que no seu ponto mais próximo se situará a 6Km do referido cometa: uma boa altura para novas observações em torno deste corpo celeste e de mais uma recolha de imagens. 67P/C-G é um cometa da família de Júpiter, com cerca de 4,5Km de comprimento e deslocando-se (de momento) a uma velocidade de 22,55Km/s.

 

(imagens – ESA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:42
Domingo, 16 DE Novembro DE 2014

O Cometa Cantor

Sound_comet2-350x285.jpg

O Cometa Cantor 67P/C-G
(uma manifestação electromagnética)

 

Notícia para os adeptos do Convencional

 

  1. Através de instrumentos colocados a bordo da sonda europeia ROSETTA, investigadores da ESA ligados a esta missão (de caça a um cometa), descobriram que 67P/C-G estava a emitir sons para o espaço.
  2. A emissão desses estranhos sons a partir do corpo do cometa (que foram logo catalogados como “canção misteriosa”) foi qualificada como um dos atributos de 67P/C-G – agora denominado como “o cometa cantor”.
  3. Os instrumentos inicialmente referidos são destinados a fornecer informações sobre o plasma rodeando o cometa: além das interacções entre o cometa e o vento solar, as mudanças na sua actividade, a estrutura e a dinâmica do seu coma e as propriedades físicas do seu núcleo e superfície.
  4. Numa dessas observações os investigadores foram apanhados de surpresa: o cometa 67P/C-G estava a emitir sons (uma “canção”) numa frequência de 40-50 milihertz. E como era imperceptível para o ouvido humano, a solução foi aumentar a sua frequência multiplicando por um factor x 10.000.
  5. A “música” emitida por 67P/C-G foi escutada pela primeira vez há três meses atrás, quando a sonda ROSETTA se encontrava a cerca de 100km do cometa. Segundo os cientistas que escutaram esta “misteriosa canção” protagonizada pelo “cometa cantor”, estes sons emitidos por 67P/C-G serão provocados por partículas suas, que ao libertarem-se para o espaço (no seu estado neutro) alteram a sua carga por ionização.

o-UFO-COMET-570.jpg

Objecto desconhecido sobre a superfície do cometa 67P/C-G
(ponto branco no centro da imagem)

 

Notícia para os adeptos da Conspiração
(textos retirados da Web)

 

UFO believers claim Europe's comet mission had a hidden task
They said comet 67P is actually an alien spaceship that is sending signals
And they claim ESA sent the ROSETTA spacecraft there to make contact
Bizarre claims were apparently exposed by an anonymous 'whistle blower'

 

A recent photograph of the comet taken by the ROSETTA spacecraft suggest a reason for the mission: one of these photos reveals a number of UFOs flying over the surface of Comet 67P and what looks like a radio transmission tower.

 

An anonymous email from an alleged ESA insider claims that the ROSETTA mission was indeed established to investigate radio signals detected 20 years ago suggestive of an extraterrestrial intelligence in association with the comet.

 

67P is not a random comet hurtling through space, but the remnants of some ancient civilisation which has been sending radio waves out to NASA for 20 years.

 

Do not think for one moment that a space agency would suddenly decide to spend billions of dollars to build and send a spacecraft on a 12-year journey to simply take some close-up images of a randomly-picked-out comet floating in space.

 

(dados e imagem: The Singing Comet – Rosetta Blog – esa.int)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:13
Quinta-feira, 13 DE Novembro DE 2014

O cometa 67P/C-G e os visitantes Terrestres

A Aventura da Europa para Lá da Terra
Em direcção à Descoberta dos Territórios Sem Fim do Espaço profundo e dos Mistérios escondidos para Além Dele

 

ESA have reported that the Philae Lander bounced twice on Comet 67P’s surface before coming to rest around 1km from its intended landing site. This site is partially in shadow which means it will only be able to gather light for one and a half hours per twelve hour period which is less than the predicted six. (livecometdata.com)

 

Welcome_to_a_comet_node_full_image_2.jpg

O módulo Philae
(já sobre a superfície de 67P/C-G)

 

O módulo PHILAE chegou ontem à superfície do cometa 67P/C-G (a mais de 500 milhões de quilómetros da Terra) e apesar de alguns percalços durante o seu processo de aterragem, alcançou com sucesso o seu objectivo final: fixar-se sobre a superfície do cometa e iniciar o seu trabalho de pesquisa – e de transmissão de informações para o seu planeta de origem.

 

O módulo PHILAE irá trabalhar sobre a superfície do cometa, analisando o solo (aspiração e perfuração) e enviando de volta o resultado das suas experiências sobre o terreno. As suas baterias terão uma carga suficiente para 60 horas de trabalho, com os técnicos responsáveis pela execução destas manobras a deixarem para o fim as operações de perfuração – as mais arriscadas de todas dado a ausência de gravidade no cometa e as dúvidas sobre a eficácia dos pés que sustentam (e fixam) o módulo PHILAE.

 

canvas.jpg

Posição actual da sonda Rosetta
(do módulo Philae e do cometa 65P/C-G)

 

O cometa 67P/C-G desloca-se neste momento a uma velocidade de mais de 18km/s, encontrando-se a mais de 511 milhões de quilómetros da Terra e a mais de 411 milhões de quilómetros do Sol. Tem cerca de 4.5km de comprimento e um período orbital de 6.5 anos. Atingirá o seu periélio a 13 de Agosto de 2015 quando estiver a 186 milhões de quilómetros do Sol.

 

PHILAE como que aterrou aos trambolhões
Acabando por se fixar num buraco mesmo junto a uma elevação

 

Segundo as últimas informações fornecidas pelos técnicos da ESA que acompanham a sonda PHILAE na sua missão ao cometa 67P/C-G, os arpões que fixariam o módulo no local inicialmente previsto na superfície do cometa, não terão disparado: o módulo terá tocado o solo uma primeira vez, mas como os arpões não funcionaram, ter-se-á de novo deslocado e tocado o solo uma segunda vez, indo finalmente alojar-se numa pequena depressão mesmo junto a uma escarpa – tocando aí o solo pela terceira vez e deixando-se ficar. Ter-se-á deslocado 1km do local inicialmente previsto, o que poderá trazer implicações para a concretização dos objectivos da missão: nas primeiras imagens de PHILAE em 67P/C-G é bem visível a existência de uma zona de sombra o que irá decerto afectar a chegada de luz e o carregamento das suas baterias. Para além de com os movimentos do próprio cometa e devido à elevada velocidade com que se desloca, nada garante que o módulo não se mova de novo sendo mais uma vez arrastado (deslocado e danificado).

 

Já agora ainda se lembram das sondas VOYAGER 1 e VOTAGER 2?
Trinta e sete anos após o seu lançamento (1977) ainda vivem!

 

voyager2_large-300x222.jpg

Sonda Voyager 2
(uma das lendas ainda vivas da Conquista do Espaço pelo Homem)

 

Voyager 1's Speed: 17,02km/s
Voyager 1's Distance from the Sun: 19.424.127.207km
Distance from Earth: 19.543.957.170km
Voyager 2's Speed: 15,41km/s
Voyager 2's Distance from the Sun: 15.958.762.494km
Distance from Earth: 16.066.263.807km

 Data from NASA’s Jet Propulsion Laboratory
(13.11.2014)

 

A 20 de Agosto de 1977 a NASA lançou a partir de CABO CANAVERAL a sonda VOYAGER 2. Duas semanas depois e do mesmo local foi lançada a VOYAGER 1. Apesar de ter sido a primeira a ser lançada para o espaço, a sonda Voyager 2 foi a última a abandonar a heliosfera (no ano de 2007, quando a Voyager 1 o fizera três anos antes).

 

(dados: livecometdata.com e jpl.nasa.gov – imagens: esa.int e livecometdata.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:12
Sábado, 08 DE Novembro DE 2014

O Cometa 67P/C-G

Countdown to release of Philae from Rosetta
03D:12H: 42M
Rosetta will deploy Philae on 12 November at 08:35 UTC from a distance of 22.5 km. Confirmation of the landing will arrive at ground stations around 16:00 UTC
(ROSETTA – ESA)

 

Rosetta_mission_selfie_at_16_km_node_full_image_2.

ROSETTA e 67P/C-G
(distando 16km)

 

Enquanto que a sonda europeia ROSETTA continua a acompanhar o cometa 67P/C-G na sua trajectória (orbital) de aproximação ao Sol, o dia da largada do seu módulo PHILAE (próxima quarta-feira) sobre a superfície do cometa está cada vez mais próxima: às 08:35 UCT do dia 12 de Novembro o módulo iniciará o seu processo de aterragem sobre a superfície de 67P/C-G num local baptizado com o nome de AGILKIA.

 

Como curiosidade e termo de comparação enquanto o tamanho de ROSETTA anda pelos 32 metros (incluindo os seus painéis solares), já a extensão do cometa anda pelos 4.000 metros (125x o tamanho da sonda).

 

Rosetta_mission_poster_node_full_image_2.jpg

ROSETTA, PHILAE e 67P/C-G
(poster da missão)

 

Entretanto a Agência Espacial Europeia (ESA) responsável pela missão da sonda ROSETTA em direcção ao cometa 67P/C-G, criou na sua página oficial um novo link de comunicação – de modo a que todo o público interessado possa assim acompanhar em directo (na próxima quarta-feira dia 12) a este acontecimento nunca antes concretizado pelo HOMEM: uma nave lançada da Terra e agora em órbita de um cometa, lançando um módulo na direcção deste e tocando finalmente a sua superfície.

 

(imagens – ESA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:46
Sábado, 04 DE Outubro DE 2014

A sonda terrestre ROSETTA e o cometa alienígena 67P/C-G

Cometa 67P/C-G
Cada vez mais luminoso na sua aproximação ao Sol

 

Uma sonda terrestre está de visita a um cometa: acompanha-o neste preciso momento numa órbita situada a menos de 30Km da sua superfície, na sua trajectória normal de aproximação ao Sol.

Cometa 67P/C-G
(com o seu coma em crescimento)

 

A 26 de Setembro a sonda ROSETTA (obra da Agência Espacial Europeia/ESA) enviou para a Terra uma imagem espectacular do cometa 67P/C-G, em que era bem visível sobre a escuridão do espaço (em seu redor), uma mancha mais clara e luminosa oriunda do corpo do cometa: consequência da sublimação de gelo e de outros gases libertados do seu interior e projectados no espaço.

 

Na sua aproximação ao Sol o cometa 67P/C-G já apresenta um coma aproximando-se muito rapidamente dos 20.000Km (distância ao seu núcleo) e com o lógico aumento da temperatura à sua superfície é natural que essa actividade aumente, originando um coma ainda maior (além da sua cauda).

 

O que nos faz perceber que daqui a pouco tempo as imagens enviadas pela sonda ROSETTA do cometa 67P7C-G, serão mesmo super-espectaculares (ou não esteja a sonda a uns míseros trinta quilómetros dele).

 

Se entretanto (a sonda) não for engolida!

 

(imagem – ESA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:38
Terça-feira, 21 DE Janeiro DE 2014

Rosetta

A Terra vista no início da viagem pelas câmaras de Rosetta

 

A sonda espacial Rosetta lançada pela Agência Espacial Europeia (ESA) no ano de 2004 da base de Kourou na Guiana Francesa acabou decorridos dez anos, por despertar com sucesso do seu período transitório de hibernação (dois anos e meio).

 

Os primeiros sinais de vida oriundos da sonda Rosetta

 

Foi visível a satisfação dos técnicos da ESA responsáveis pela execução desta missão, ultrapassado que foi este ponto crítico da viagem da sonda ao encontro do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko's.

 

Centro de operações espaciais da ESA na Alemanha

 

A sonda Rosetta prosseguirá a sua trajectória de aproximação ao referido cometa, até que por volta de Agosto chegará ao seu destino colocando-se em órbita: além dum período de estudo pormenorizado e detalhado do cometa, a sonda aproveitará ainda a oportunidade para lançar uma outra mini-sonda (Philae) de encontro à superfície do mesmo onde aterrará (no decorrer do mês de Novembro).

 

Rosetta e Philae

 

Enquanto a Philae estiver a observar pela primeira vez na história da exploração espacial o solo da superfície de um cometa – utilizando uma câmara incorporada – a sonda Rosetta continuará a estudá-lo a partir da sua órbita, utilizando os seus onze instrumentos científicos de que vai apetrechada.

 

(fonte e imagens – space.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:44

pesquisar

 

Maio 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
16
18
20
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

blogs SAPO


Universidade de Aveiro