mais sobre mim

subscrever feeds

Terça-feira, 15 DE Agosto DE 2017

Trump vs. Kim

E a opinião dos restantes 7 biliões?

 

Washington Should Step Back In Korea:

Is Donald Trump Or Kim Jong-Un More Dangerous?

(Doug Bandow)

 

960x0.jpg

Coreia do Norte ‒ Pyongyang

(9 Agosto 2017)

 

Num artigo publicado a 11 de Agosto de 2017 na Forbes (forbes.com) Doug Bandow ex-Assistente Especial do Presidente norte-americano Ronald Reagan apresenta-nos a sua perspetiva sobre o caso da Coreia do Norte e do envolvimento pessoal, desnecessário e contraproducente (na resposta e na retórica) do atual Presidente Donald Trump. Como se pode facilmente constatar na sua introdução ao artigo:

 

“President Donald Trump has put all of Asia and much of the world on edge. All week he’s gone mano-a-mano with Kim Jong-un, blustering like the frightened head of an international micro-state instead of the representative of the world’s most important and powerful nation. Who imagined that people around the globe would be left wondering who was more stable: the 33-year-old “Supreme Leader” of the world’s only communist monarchy or the duly elected president of the United States, long considered the leader of the free world?” (Doug Bandow)

 

Ao longo do mesmo artigo explicando as suas razões discordantes relativas ao posicionamento e intervenção do seu Presidente e ainda mais importante, apresentando-lhe cinco propostas de ação razoáveis e credíveis e envolvendo todas as partes, de modo a chegar-se a um consenso evitando o agudizar do conflito, o recurso a ações militares, à guerra e muito possivelmente a um conflito nuclear ‒ o que certamente nenhum país ou cidadão deste mundo deseja exceto alguns criminosos. E assim colocando a questão e respondendo sucintamente:

 

What should Washington do?

(Doug Bandow)

 

President Trump should stop competing in the crazed rhetoric contest. Supreme Leader Kim Jong-un shouts to get noticed and divert attention from his country’s many weaknesses. America’s president needs do neither. To the contrary, by doing so the U.S. leader demeans himself and his country.

 

The U.S. should begin phasing out both its security treaty with and military garrison in the ROK. Seoul long has been able to defend itself. America’s defense commitment is what puts this nation in the middle of one of the world’s worst geopolitical hotspots. Protecting prosperous and populous friends is not worth the risk of nuclear war.

 

Washington should sit down with the People’s Republic of China, acknowledge its interests, and offer to make a deal. For instance, propose an American military withdrawal from the Korean peninsula in exchange for greater Chinese pressure on the North. The U.S. cannot expect the PRC to drop its only ally and aid American attempts at regional containment because that’s what Washington desires.

 

American policymakers should consider whether encouraging South Korean and Japanese development of countervailing nuclear arsenals is better than maintaining an increasingly frayed “nuclear umbrella” over Washington’s allies. Frankly, neither Seoul nor Tokyo is worth risking the loss of Los Angeles or Seattle. There are no good solutions to a nuclear DPRK. Further proliferation might be the best “second best” answer available.

 

Negotiate with North Korea. Talking would reduce the sense of threat felt by the North. Dialogue also would explore areas of potential agreement even if Pyongyang refuses to consider abandoning its nukes and missiles. For instance, a verifiable freeze would be uncomfortable, but the U.S. and world would be better off facing a North with a stable nuclear arsenal of 20 weapons than one of, say, 100 weapons and growing, which some analysts fear could be the case in just a few more years.

 

Deixando-nos ainda uma réstia de Esperança de que seja no campo Republicano como no campo Democrata, ainda existam indivíduos que em vez de estarem exclusivamente interessados na preservação da sua riqueza e do seu bem-estar pessoal, pensem igualmente nos outros, naqueles que representam e que como tal esperam sempre que os defendam: optando sempre pelo diálogo (singular e coletivo) e nunca pela violência (das corporações e seus objetos). Significando que o problema das Coreias nunca será resolvido, enquanto não se ouvirem os coreanos e todos os estados vizinhos (com outros só a observar e se necessário a aconselhar).

 

(texto/itálico: Doug Bandow ‒ imagem: forbes.com)

tags: , , ,
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:30
Domingo, 13 DE Agosto DE 2017

Interferências Eleitorais

Russia Warns US Not to Meddle in Upcoming Elections

Russian FM Notes US Diplomats Involved in 'Illegal Activities'

(antiwar.com)

 

0 1OtWuKBb3-4bYncJ.jpg

Filas à porta de um supermercado (fechado)

Venezuela (2016)

 

Como se pode ver os EUA ainda são a maior potência mundial nem que seja para a brincadeira: para além do FLIPER de Imprimir (dólares) e do FLIPER de Disparar (balas) também nos brindando com o FLIPER de Imitar (palhaçadas) ‒ para além das impressoras (herdadas dos falsificadores) e das pistolas (herdada dos gangsters) tendo também uma componente psíquica (e subliminar) dando emprego ao bobo da corte, usufruto à realeza e certificado de porte aos restantes (antes de arma agora de canudo). Com outros a os seguirem (russos para se rirem) e ainda outros a aproveitarem (chineses para venderem) ‒ e com a Europa como sempre, a banhos neste período, entre o areal e o mar e ainda com alguns fugitivos (migrantes correndo pela vida sem tempo para parar).

 

With Russian regional elections just a month away, Foreign Minister Sergey Lavrov is doing what is seen as virtually obligatory these days, angrily warning other nations not to meddle in the elections. In Lavrov’s case, his warning was aimed squarely at the US.

 (antiwar.com)

 

1060x600-4a8d0d17696ccd2edcf8a00be852f761.jpg

Sergey Lavrov pedindo aos EUA

Para não interferir nas suas próximas eleições (internas)

 

Pelo que nesta Estação Idiota em que todo o Hemisfério Norte está mergulhado no Verão (principalmente uma estreita faixa nas imediações do equador), tudo é mesmo possível nem que seja por reflexão: e se os raios (solares ou cósmicos) ao impactarem a superfície da terra ou da água (cor preta e baça absorvendo, cor clara e brilhante refletindo) poderão ser absorvidos ou refletidos (pelo Mundo Mineral), também o mesmo poderá acontecer com as outras espécies (pertencentes ao Mundo Orgânico), replicando o observado por certeza (eficácia) e distração (prazer). Num tempo quente (temperaturas elevadas) e de asfixia (mental) propício à inconsciência e à inconstância como referência justificativa. Agora com os Russos avisando os Norte-Americanos contra interferências políticas e também eleitorais.

 

(imagens: activistpost.com e washingtonexaminer.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:19
Sexta-feira, 11 DE Agosto DE 2017

No Hemisfério Norte Atravessando a Estação Idiota

Em Agosto de 1945 com a II Guerra já terminada o presidente dos EUA Harry Truman

Autorizou o lançamento de Fúria e de Fogo sob duas cidades japonesas:

Para uma enviando (os exterminadores de civis) Little Boy para a outra Fat Man.

 

Mais dois homens a termo, afirmando-se detentores de um artefacto, capaz de destruir o outro.

 

northernhemisphere.gifaHR0cDovL3d3dy5saXZlc2NpZW5jZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMD

 

Verão no Hemisfério Norte Inverno no Hemisfério Sul

(e a bomba atómica de 9 de Agosto de 1945 em Nagasaki ‒ a 6 tendo sido a de Hiroshima)

 

Enquanto no Hemisfério Norte se vive a estação do Verão (com muitos embrutecidos, de férias ou alcoolizados), na parte negativa do Mundo (tomando a latitude a norte como positiva) situada do outro lado do Equador (e sob a estação do Inverno), observa-se o delírio das massas (ditas mais desenvolvidas) sujeitas a intenso aquecimento (apesar do melhor lugar de todo o empreendimento), colocando 4 continentes no caminho direto ao Inferno (na Terra): sujeitando biliões de residentes no Hemisfério Norte a temperaturas superiores a 40⁰C (incómodas para os humanos e podendo levar à desidratação), colocando-os sob uma intensa ação de raios ultravioletas atingindo níveis perigosos por elevados e tóxicos (UV9 e UV10) e como se isto já não bastasse (eventualmente ainda poderíamos dizer até aqui sendo por causas naturais), podendo-nos agravar acentuadamente a nossa psicose (com este calor asfixiante entrecortado por tempestades alucinantes) com mais uma Guerra Positiva, mas Com Fogo e com Fúria como o Mundo Nunca Viu (envolvendo a Coreia do Norte ‒ como poderia ser o Irão, a China e a Rússia ‒ de todos o mais fraquinho).

 

4148232.vpx.jpgaHR0cDovL3d3dy5saXZlc2NpZW5jZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMD

 

Donald Trump e Kim Jong Un

(e a bomba atómica de 9 de Agosto de 1945 em Nagasaki ‒ a 6 tendo sido a de Hiroshima)

 

Um Hemisfério Norte transformado num peso pesado Global (terrestre e totalitário), pelo seu acentuado poderio e supremacia Económica e Tecnológica (sobre o outro Hemisfério), concentrando em dois blocos continentais (América do Norte e Eurásia) e numa estreita faixa de latitudes (30⁰ e 60⁰ de latitude) um território de desenvolvimento centralizado e prioritário, controlando a partir daí o circuito (fechado) percorrido por toda a matéria-prima ‒ desde o produtor ao consumidor (passando obrigatoriamente pelo intermediário publico ou privado) ‒ e por questões de prevenção e manutenção de segurança (fundamentais para a sobrevivência de qualquer Sistema) colocando e facilitando o acesso (ao produto final) aos aí residentes e às empresas (e instituições) aos mesmos dirigidos. Pelos vistos com a maior influência eletromagnética a ser exercida sobre os humanos no Hemisfério Norte (o Positivo), condicionando de uma forma mais acentuada e desviante o funcionamento e equilíbrio da nossa própria máquina biológica centralizada no nosso processador central (o cérebro) e aparentemente por ação de condições ambientais extremas como temperaturas e radiações (naturais) e Aquecimento Global, sobre-exploração e guerras (artificiais), levando-nos ao delírio, à indiferença e à aceitação não só dos psicopatas como até das suas ideias: aceitando os Excecionais sem por em causa os critérios destes para definirem e iluminarem as suas teorias (entretanto) tornadas práticas e irreversíveis (Time Is Money).

 

globalresearch.ca.jpghttphardcorepainting.blogspot.pt.jpg

 

Num delírio de Guerra próprio desta estação assim como deste hemisfério

 

Entrado no mês de Agosto e (na parte que interessa) com o Mundo a Banhos (e com os lugares entregues a estagiários), tudo sendo possível mesmo que parecendo irreal: de novo com a Coreia do Norte ameaçando os EUA e com estes a ameaçarem responder (como nunca antes visto) com Fogo extremo e muita Fúria. E à falta de notícias ressuscitando o cenário não vá o mesmo esvaziar-se (o balão) perdendo-se de vez o conteúdo (sem densidade e volátil).

 

“Two men with an arsenal of firepower at their finger-tips are engaged in an unnerving war of words. It's Donald Trump v Kim Jong-un and it's got the world's leaders calling for cool heads.US President Donald Trump yesterday caught many of his own defence advisors off guard when he threatened North Korea with "fire and fury like the world has never seen." They were the sort of words not used by any recent presidents regarding the rogue nation. The North Korean regime responded by pin-pointing US territory, the Pacific Island of Guam, north of Australia, as a possible target for a missile strike.” (9news.com.au/Lizzie Pearl)

 

Nos dias de hoje passados 72 anos sobre os bombardeamentos atómicos das cidades japonesas de Hiroshima e de Nagasaki (em Dezembro desse ano contabilizando-se uns 140.000 mortos na primeira e cerca de 74.000 na segunda) na altura com a II Guerra Mundial praticamente já terminada (com muitos historiadores a justificarem esta ação desnecessária como um aviso para os Soviéticos) ‒ e envolvendo o único país a utilizar este tipo de arma (final) e logo sobre populações civis (os EUA) ‒ de novo e de uma forma inusitada com os Estados Unidos da América e mais uma vez envolvendo um país asiático (coincidência?) a prometer Fúria e Fogo como Nunca Visto Antes (agora sobre a Coreia do Norte): um facto perturbador capaz de um momento para o outro provocar um novo genocídio (faltando apenas saber se de consequências regionais ou mesmo globais). É que agora para além da Rússia também temos a China e o Grande Eixo Asiático.

 

8792796-3x2-700x467.jpg8799420-3x2-940x627.jpg

 

Com Kim Jung Un a ameaçar com novos testes de mísseis

(território de Donald Trump próximo da ilha/base militar de Guam)

 

Depois de Little Boy e de Fat Man (os exterminadores de civis japoneses)

Qual será o nome da bomba agora escolhida por Trump (para exterminar coreanos)?

Fury and Fire?

 

ABC/11.08.2017

 

"Locked and Loaded"

 

US President Donald Trump has issued another strong warning to North Korea, declaring America's weapons are "locked and loaded" to retaliate to a strike from Kim Jong-un. "Military solutions are now fully in place, locked and loaded, should North Korea act unwisely. Hopefully Kim Jong-un will find another path!," Mr Trump said on Twitter. North Korea has announced a detailed plan to launch a salvo of ballistic missiles toward the US Pacific territory of Guam, a major military hub and home to US bombers. (abc.net.au)

 

(imagens: solarmythology.com/livescience.com/news965.com/globalresearch.ca/hardcorepainting.blogspot.pt/abc.net.au)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:33
Domingo, 06 DE Agosto DE 2017

Tentativa de Assassinato nos EUA

Um Presidente preguiçoso, passando a Vida a jogar Golfe e a ver Televisão

(gordo e comendo como um porco todas as porcarias norte-americanas)

 

Trump, America's Boy King:

Golf and Television Won't Make America Great Again

(Alexander Nazaryan/newsweek.com/02.08.2017)

 

document-page-001.jpg

Donald Trump segundo a Newsweek

 

No seu 198º dia na liderança do Governo dos EUA (5 de Agosto de 2017),

 

[Aí colocado desde o dia em que tomou posse (a 20 de Janeiro de 2017) após a sua vitória na eleição Presidencial (a 8 de Novembro de 2016)]

 

Como o 45º Presidente norte-americano eleito a ocupar a Casa Branca (mais de 57% do Colégio eleitoral),

 

O milionário Donald Trump continua a sofrer violentamente na sua pele (o que tem vindo a prejudicar fortemente a sua imagem epidérmica),

 

A campanha ininterrupta e simultaneamente impensável (porque nunca vista e atingindo colateralmente a credibilidade de todas as instituições governamentais norte-americanas) contra si iniciada desde que anunciou a sua candidatura já lá vão mais de dois anos (em Junho de 2015):

 

Alicerçada no pretexto (por ser um facto sem relevância dadas as regras eleitorais) de que apesar da sua maioria no Colégio Eleitoral (304 contra 227), o mesmo terá ficado atrás de Hillary Clinton (ou seja sido derrotado) em quase 3 milhões de votos (DT/46,1% e HC/48,2%),

 

E desse modo tentando evitar a descoberta da verdadeira razão para tão violenta e persistente perseguição (tentando-o mesmo identificar como um Boneco manipulado pelo presidente russo Putin),

 

Residindo apenas na chegada surpreendente por nunca imaginada de um Milionário representante da Sociedade Civil e Privada norte-americana (com Zero em Experiência e Prática Governamental assim como Política) ao poder antes atribuído ao sector do Estado (e suas estruturas visíveis e invisíveis de tomada de decisão),

 

Usurpando a regra sagrada da separação de poderes ‒ e de Representação ‒ entre a Sociedade Civil (significando o povo oriundo de todas as classes sociais e nele incluindo os milionários) e a Sociedade Estatal (significando os políticos, os militares e os conglomerados que lhes pagam e representam):

 

Colocando desde logo em causa a existência de toda a classe política e correndo estes o risco de serem eliminados ao serem dispensados como intermediários (agora desnecessários, dispendiosos e potencialmente perigosos),

 

‒ Tanto no campo Democrático como Republicano ‒

 

Naturalmente algo de Inaceitável para os mesmos e para a necessária manutenção e salvaguarda de tão profunda e complexa Estrutura.

 

Incrivelmente transformando o candidato Republicano aparentemente mais à direita como o candidato Anti-sistema (Donald Trump),

 

E na prossecução do assassinato por asfixia do mesmo candidato mas do lado Democrata (Bernie Sanders), transformando o representante deste último partido (herdeiro de Barack Obama) e pretensamente mais à esquerda como o candidato do Sistema (Hillary Clinton) e potencial derrotado:

 

Sem Donald Trump necessitar de se esforçar muito graças à terrível imagem política (passada) perseguindo Hillary Clinton (a ela para sempre colada).

 

Deixando a pairar no ar pelo menos uma hipótese ainda em aberto e já por diversas vezes ensaiada e levada a cabo nos EUA mesmo com outros Presidentes (algumas com sucesso outas não), lembrando no entanto que cada dia que passa por um lado poderá ser melhor (mais queimado ficará DT para além da sua epiderme) mas talvez mais difícil (já que vazado/leaked trancas à porta): o assassinato do 45º Presidente.

 

(imagem: newsweek.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:44
Segunda-feira, 31 DE Julho DE 2017

Em Nome Que Não da Ciência

Pelo menos DT conseguiu unir contra ele não só os DEM assim como muitos dos REP ‒ faltando apenas saber quem no meio disto tudo será a vítima escolhida (e não serão os DEM, os REP e muito menos DT): a do Costume?

 

Aproveitando os nossos diferentes níveis de Ignorância, instituídos e certificados pelo sistema fortemente hierarquizado, centralizado e fechado que atualmente nos dirige (como medida de autoproteção), aqueles que mantem este Sistema ainda vivo fazendo-o circular em todos os sentidos (num e no sentido contrário, como se fossem iguais por coincidentes) e que fervorosamente (como verdadeiros fanáticos tentando impor unicamente os seus pontos de vista) sustentam esta Pirâmide Social não Evolutiva (estática e com arestas, não respeitando a Esfera como forma perfeita) e por consequência cada vez mais deformada (levando-nos mesmo a associar Realidade com Manipulação), são os mesmos que num idêntico nível do topo da estrutura ou em níveis adjacentes e interligados (entre si) nos dão interpretações aparentemente contrárias (uns contra e outros a favor) mas certamente oriundas dum mesmo ponto (da estrutura) e naturalmente com os mesmos objetivos finais (uns pró e outros a favor, como na RTP): “unicamente interessado em manter o lugar custe o que custar”.

 

aHR0cDovL3d3dy5saXZlc2NpZW5jZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMD

Anthony Scaramucci

Diretor de Comunicações do Presidente Donald Trump na Casa Branca

(numa função iniciada apenas a 21 de Julho de 2017 e sendo já notícia)

 

E assim protagonizando um facto, que noutras circunstâncias idênticas, passaria certamente despercebido (apesar de DT ser um campeão nestas áreas indo já e pelo menos no seu terceiro nomeado ‒ Sean Spicer, Mike Dubque e agora Anthony Scaramucci) ‒ Barack Obama teve cinco nos seus dois mandatos ‒ e inserindo-o no contexto da campanha sistemática contra Donald Trump (nunca antes vista até pela violência transmitida) iniciada antes da sua eleição como 45º Presidente dos EUA e pelos vistos ainda ativa, aproveitando um comentário vindo de mais um economista (ainda por cima fortemente ligado ao mundo Financeiro) agora Diretor Comunicações da Casa Branca, demonstrando mais uma vez e como se tal fosse necessário que a Ignorância de alguém não se vê pelo seu certificado nem pela sua aparência (pois ambos iludem muitas coisas): na afirmação (transmissão) residindo a 1ª ignorância e na interpretação (tradução) a 2ª (e ainda mais grave) ignorância.

 

1ª Ignorância

(na transmissão)

 

"You're saying the scientific community knows, and I'm saying people have gotten things wrong throughout the 5,500-year history of our planet."

(Anthony Scaramucci/CNN/2016)

 

2ª Ignorância

(na tradução)

 

“In short order, modern humans are between 200,000 and 300,000 years old, anthropologists told Live Science, and the Earth is about 4.5 billion years old.”

(Laura Gegge/livescience.com/2017)

 

No ato da transmissão com o autor da 1ª ignorância a poder ser considerado como tal até pela desproporção sugerida (5.500 anos para 300.000 anos), algo a que o transmissor deveria ter dado mais alguma importância (protegendo-se, integrando memória e cultura), dadas as características deliberadas e dirigidas de muitas interpretações produzidas, não direcionadas ao esclarecimento mas à manipulação da informação ‒ mas sem se ficar bem a saber ao que AS se referia. No ato da tradução com o autor da 2ª ignorância destacando em título e chamando bem à atenção a afirmação inserida na 1ª ignorância (como sua tradução e sendo verdadeira) para pouco depois inserir uma adenda à 2ª ignorância (apenas a confirmando) não só por mentir inicialmente (como o demonstra a sugestão) como por posteriormente desmentir a mentira achando-a natural e justificando-a na má interpretação (tradução) de dados (deles):

 

“It is possible Scaramucci was referring to human civilization when he made his remarks. For much of human history, Homo sapiens were hunters and gatherers. But about 10,000 years ago, after the last ice age ended, people began establishing permanent settlements, a milestone otherwise known as the dawn of civilization.”

(Laura Gegge/livescience.com/2017)

 

No final e com mais um amargo de boca não percebendo bem a finalidade científica deste artigo (mas por futuras consequências, talvez). Será que a resposta seria que Obama foi bom e que Trump agora é mau?

 

Última Hora:

 

TRUMP SCREWS THE MOOCH

 

logos-US_hero-blk.jpg

 

Anthony Scaramucci Out At White House After A Whirlwind 10 Days

(huffingtonpost.com)

 

Entretanto, ainda hoje e batendo todos os recordes conhecidos, o Presidente Donald Trump (que tomou posse há pouco mais de seis meses) prepara-se para nomear um novo Diretor de Comunicação face à noticiada demissão de Anthony Scaramucci (no cargo há 10 dias).

 

(imagens: Mark Wilson/Getty/livescience.com e huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:47
Segunda-feira, 26 DE Junho DE 2017

Média/ISIS USA

Todos querem eliminar TRUMP

 

Depois dos Média norte-americanos já terem tentado por imensas vezes, das mais variadas formas e no interior do seu próprio território, eliminar o Presidente recentemente eleito pelos seus cidadãos ‒ para já além de o insultar, agredindo-o, esfaqueando-o, decapitando-o, no fundo assassinando-o mas só no seu Imaginário ‒ eis os terroristas do ISIS/Estado Islâmico talvez sentindo-se convidados se juntam agora à Festa.

 

sub-buzz-637-1498447395-8.jpg

 

“Authors of the website Cryptosphere, which tracks hackers worldwide, have detailed dozens, if not hundreds, of similar attacks in recent years by Team System DZ, which they called a "pro-ISIS hacker crew" based in Algeria.”

(Andrew Griffin/independente.co.uk)

 

Aproveitando no seu próprio interesse e benefício (de desenvolvimento e de expansão) a estratégia adotada pelos derrotados das últimas eleições Presidenciais realizadas nos EUA (a 8 de Novembro de 2016 e elegendo o Republicano Donald Trump como o Presidente para o período 2017/2021), um grupo de Hackers apoiantes dos terroristas do ISIS (Estado Islâmico) conseguiram infiltrar-se recentemente em diversos Sites Governamentais norte-americanos, deixando aí diversas mensagens e ameaças dirigidas ao Governo de Donald Trump.

 

Team System DZ

“You will be held accountable Trump, you and all your people for every drop of blood flowing in Muslim countries”

“I love the Islamic State”

(Mensagem dos Hackers pró-ISIS/independente.co.uk)

 

Utilizando o clima de ameaças e de violência (entre Democratas e Republicanos) que hoje mais do que nunca nos demonstra a situação caótica e por vezes mesmo dramática em que vive toda a Administração Norte-Americana (quando chamada a servir os seus cidadãos/sem instrumentos de intervenção, nada fazendo ‒ dado os serviços essenciais estarem todos maioritariamente privatizados/no fundo concessionados e não sendo a tudo obrigados) para aproveitando a Onda do Momento e surfando na sua Crista cada vez mais exposta e extensa, se infiltrarem (os terroristas) no interior do Sistema danificando-o e tentando-o fazer explodir ‒ mas por dentro (implodir) ‒ levando-o finalmente a desabar, a esmagar e a matar os seus inimigos e infiéis sobre as toneladas de escombros.

 

40F2112900000578-4556566-image-m-102_1496175205573

 

"All affected servers have been taken offline and we are investigating how these hackers were able to deface these websites. We also are working with law enforcement to better understand what happened."

(Tom Hoyt ‒ Departamento dos Serviços Administrativos do Ohio/independente.co.uk)

 

Uma consequência óbvia e por todos mais que esperada (por muitos desejada) depois de meses e meses duma campanha persistente e extremamente tóxica tentando envenenar todo o clima político, económico e social norte-americano (e por reflexo mundial), no final resultando na inesperada vitória do milionário e Republicano Donald Trump derrotando contra todas as expetativas o Presidente aparentemente já eleito e prometido (antecipadamente) a Democrata Hillary Clinton ‒ o que não sucedeu em Novembro, colocando a América em polvorosa, mais de meio ano depois. Com a História de opereta, anedótica e insultuosa (como se fossemos todos estúpidos) dos Russos. E acima de tudo deixando-nos perplexos com as atitudes do Partido Democrático ‒ já que achávamos todos (tínhamos a esperança desde Obama apesar de tudo o que não fez) serem melhores que os Republicanos: mas sendo também revanchistas, face à perda do poder, mesmo podendo destruir a América.

 

(imagens: BuzzFeed News e Tyler Shields/Daily Mail)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:49
Quarta-feira, 14 DE Junho DE 2017

Democratas ou Republicanos?

[A pergunta eventualmente colocada pelo atirador desta quarta-feira antes de entrar em ação]

 

Depois de glorificarem a violência como estratégia política (exclusivamente de sobrevivência e desvalorizando a situação e imagem do seu próprio país), os Democratas vêm-se agora com as primeiras consequências da sua campanha absolutamente implacável, não olhando a limites e verdadeiramente Assassina (no mínimo um assassinato político): com células agora ativadas (como as do ISIS) a tomarem a iniciativa (tendo Donald Trump como alvo) e a passarem à ação (a matar).

 

Congressman critical after surgery for wounds in DC-area shooting

(reviewjournal.com)

 

“A rifle-wielding attacker opened fire on Republican lawmakers at a congressional baseball practice Wednesday, wounding House GOP Whip Steve Scalise of Louisiana and several others as congressmen and aides dove for cover.”

 

58028868.jpg

Tentativa de assassinato tendo Republicanos como alvo (à falta de melhor ou seja de DT)

(na imagem com Steve Scalise nº 3 na Câmara dos Representantes dos EUA pelos REP)

 

Quando a 7 de Novembro de 2000 após dois mandatos Democratas na Presidência dos EUA (com Bill Clinton como Presidente e Al Gore na Vice-Presidência) George W. Bush foi eleito para o seu 1º mandato, apesar do menor número de votos populares alcançados (mais de meio milhão) mas tendo atingido a maioria no Colégio Eleitoral (271/266), a vitória de G. W. Bush não foi então contestada baseada na vitória de AL Gore no Voto Popular (pois toda a gente conhecia as regras do jogo com a vitória a ser conseguida através da maioria no Colégio Eleitoral) mas sim pela atribuição da vitória no Estado da Florida atribuindo 25 votos para o Colégio Eleitoral e desempatando a contenda a favor dos Republicanos (inicialmente tendo sido os Democratas a ganhar a Florida mas numa recontagem passando para o lado Democrata). Com a situação de impasse a manter-se durante uns tempos (pelo menos até meados de Dezembro) mas com os Democratas a aceitarem finalmente os resultados. Já em 2000 sendo a 4ª eleição em que tal sucedia (Voto Popular face Colégio Eleitoral) sendo Donald Trump apenas o quinto. Com os restantes a serem em 1824 John Q. Adams (Democratic-Republican Party), em 1876 Rutherford B. Hayes (REP) e em 1888 Benjamin Harrison (REP).

 

Presidenciais de 2000

7 Novembro

Voto Popular

%

Colégio Eleitoral

Estados

George W. Bush

REP

50.456.002

47,9

271

30

Al

Gore

DEM

50,999,897

48,4

266

20+DC

Presidenciais de 2016

8 Novembro

Voto Popular

%

Colégio Eleitoral

Estados

Donald

Trump

REP

62.984.825

46,1

304

30

Hillary

Clinton

DEM

65.853.516

48,2

227

20+DC

(Resultados das Presidenciais de 2000 e 2016)

 

Em 2016 e num contexto completamente diferente com o 45º Presidente dos EUA (Donald Trump/REP) a repetir o feito destes seus 4 antecessores (pela 5ª vez), ficando a quase 3 milhões de votos de distância do seu opositor (Hillary Clinton/DEM) ‒ mas obtendo uma grande maioria (ao contrário de G. W. Bush) no Colégio Eleitoral (304/227). E apesar da clara vitória no Colégio Eleitoral (+77) com o candidato vitorioso e já nomeado Presidente a continuar a ser atacado de uma forma violenta (fazendo lembrar os tempos, os processos e a metodologia do macartismo) e mesmo extremamente perigosa (por afetar todo o Governo, toda a Administração e toda a estrutura em que se baseia a sociedade norte-americana) apenas por ser quem é (uma ameaça à atual classe política parasitária seja Democrata seja Republicana) e pela sua vitória nunca esperada: mesmo sendo apelidado de Palhaço e de Boneco de Putin derrotando o Sistema (incarnado em Hillary Clinton) até aí apoiando os instalados (os Democratas com uma poderosa máquina nos média). Numa luta fratricida entre dois Partidos de referência e num tempo da História em que não haverá (num futuro já presente) lugares para todos: com as Corporações a assumirem de vez os instrumentos do poder, diluindo o Estado (com a ajuda dos milionários) e com ele dispensando os seus funcionários (e não apenas os de base como até os de topo ‒ eliminando os políticos). E disso todos tendo medo (os políticos) com o mesmo (sentimento) alastrando à (velhinha e decrépita) Europa (pela paupérrima imagem dos seus líderes).

 

Assistindo-se agora e como se estivéssemos irremediavelmente inseridos numa corrente violenta, destrutiva e unidirecional, a uma sucessão de acontecimentos sempre vindos do mesmo lado e com o único objetivo de fazer desaparecer um Presidente: associando-o aos russos e chamando-o de “traidor”, utilizando métodos do ISIS e “cortando-lhe a cabeça”, ainda o vendo mexer e chamando-lhe “monte de merda”, adaptando-o a uma peça e “esfaqueando-o até à morte” e nada mais acontecendo “nem mesmo no Congresso” (nas suas estupidificantes audiências) passando ao nível seguinte e “começando a matar” (mas ainda com o Presidente bastante lá para o fundo). Democratas que hoje nada têm a ver com figuras históricas como John F. Kennedy (1961/1963) e Jimmy Carter (1977/1981), num partido destruído por uma família (os Clinton) e colocado em banho-maria por um Evento algo estranho (a eleição de uma minoria fosse de raça negra ‒ neste caso Obama ‒ ou do género feminino, que não HC).

 

(texto/inglês e imagem: reviewjournal.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:37
Sábado, 03 DE Junho DE 2017

Que se Foda a Terra

Quando tantos se atiram a um osso, é porque esse não é o Osso e porque existem muitos mais. Estejam pois atentos aos Abutres ‒ e vejam como eles vêm, certamente de todos os lados. Vemo-los tão bem, apenas porque estamos por perto e porque somos as suas presas.

 

Donald Trump Pulls U.S. Out Of Paris Accord In Crushing Blow To Climate Fight

(huffingtonpost.com/1 Junho 2017)

 

sd-1496348564-onz2vjtc9b-snap-image.jpg

 

Em vez de se desculparem pela derrota clamorosa (quando a vitória poderia ser certa não fosse existir só um candidato) pondo imediatamente os seus lugares à disposição e dando lugar à renovação do partido (mudando as lideranças ultrapassadas e rejuvenescendo o modelo da estrutura), a Zona Negra do campo Democrata (com os Clinton à cabeça) tendo atrás de si todos os seus apoiantes agora sem acesso privilegiado ao poder (milhares de oficiais e políticos apanhados inesperadamente na derrocada), não vê outra solução de modo a partir o Espelho (e assim não ver a sua triste imagem aí bem refletida) senão o de adicionar mais gasolina e ver os US a arder.

 

593056f62100003c00aa1cc6.jpeg

 

Com toda esta estratégia destruindo completamente o partido sem líder e objetivo mas com uma única obsessão: o atual Presidente o REP Donald Trump. No fundo uma verdadeira dádiva para os Republicanos que apesar de divididos numa tripla maioria (Presidência, Representantes e Senado) e com o barco ainda há deriva, lá se vão governando e ao Mundo enquanto os outros gritam e dizem mal, fez este Maio 4 meses.

 

Trump’s Not Just Ruining The Planet. He’s Losing The Goodwill Of Our Biggest Allies.

(huffingtonpost.com/2 Junho 2017)

 

593088e32000002b00bdffcd.jpeg

 

Tendo como consequência lógica a prossecução tranquila e em velocidade de cruzeiro da mesma Versão Histórica de Sempre, nada fazendo e culpando alguém (simultaneamente mantendo a mesma cassete sem fim em constante reprodução no nosso cérebro), desde que e como se tem feito (nestas últimas décadas de desgraças na Educação com a chegada dos contingentes de falsos Especialistas) se imponha como prioritária a perda de memória e de cultura (o que se passa agora com Trump teve há anos atrás num cenário semelhante o mesmo guião, mas aí com dois outros protagonistas também presidenciais), regada generosamente com um pouco de hipocrisia (desde as lamentações, às luzes verdes) e no final como a cereja no topo do bolo, exigindo tudo e muito mais e com nada (de prático e palpável) contribuindo em troca.

 

E assim, como se não conhecêssemos as práticas nada ecológicas praticadas um pouco por todo o lado pelas poderosas multinacionais destruindo o planeta, provocando alterações climáticas e extinguindo diversas espécies (à frente com os maiores poluidores a serem os EUA, a China e a Índia); como se não soubéssemos da posição sempre dúbia dos EUA no tema do Aquecimento Global (com sucessivos avanços e recuos conforme a Administração); como se não sentíssemos no nosso corpo o abandono a que o estatuto do Homem foi deixado preterindo-o face ao valor da matéria-prima e ameaçando-o mesmo de morte (e com as máquinas logo ali à espreito); e até como se não tivéssemos reparado no desleixo para com o nosso Ecossistema e no abandono da conquista do Espaço exterior (de que dependerá a nossa existência ou extinção),

 

 

Região

País

Dólares

%

USA

 

3.000

30

EU

 

4.800

47

 

(GB)

(1.200)

(12)

 

(FRA)

(1.000)

(10)

 

(ALE)

(1.000)

(10)

 

(SUE)

(600)

(5)

 

(POR)

(2,7)

(0,03)

Resto Mundo

 

2.300

23

 

(JAP)

(1.500)

(15)

Total

 

10.100

100

Recursos aproximados (em milhões) mobilizados em Maio de 2017

Em mais de 40 países maioritariamente Europeus

(luta contra as Alterações Climáticas e Aquecimento Global)

 

Não percebo mesmo rebaixando-nos ao estatuto de indivíduos idiotas e já meio imbecilizados mesmo que nunca sujeitos a lobotomia (física que não mental), como é que estes políticos que hoje ainda pensam (poder) controlar o Mundo e saber ao contrário de todos nós de tudo um pouco (quando são eles os especialistas e nós os generalistas) nos consideram igual a eles sempre prontos a receber e nunca a dar. Mas será mesmo verdade que não existem caminhos alternativos para o nosso Futuro como espécie, quando um simples bilionário (do imobiliário e dos casinos) põe toda a classe (política) a tremer, não só pelas mordomias (a perder) como pela sua inutilidade (já comprovada e crónica). Com o problema a subsistir (para a maioria) por falta de suporte (dinheiro). E os US/Dólar sabem disso congelando as impressoras (pelo menos a nível externo) ‒ daí o pânico pouco importando o planeta.

 

(imagens: huffingtonpost.com)

tags: , ,
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:11
Sexta-feira, 26 DE Maio DE 2017

A 1ª Aventura do Presidente Donald

Num périplo por 3 (+1) dos locais com maior credibilidade na defesa e na preservação da nossa espécie e da sua identidade (pelo menos sendo assim que as Instituições oficiais nacionais e internacionais os retratam), o 45º Presidente dos EUA depois de visitar a Arábia Saudita e renovar votos com o Monarca do Golfo (com um contrato de milhões), deu um salto até Israel para visitar o amigo (Netanyahu ‒ até para o tranquilizar) antes de partir para o Vaticano (para ver o Papa e talvez pedir perdão) e dar um salto até Bruxelas (para ver a nova sede da NATO e exigir dinheiro aos devedores).

 

59275150150000210015b77f.jpeg

25 Maio 2017 ‒ Cimeira da NATO na Bélgica

(inaugurando a nova sede em Bruxelas)

Trump e Merkel

(em 1º plano)

 

E na sua Aventura pela Bélgica (Bruxelas) numa casa a estrear (sede da NATO) deixando mais um recado à Europa de Mão Sempre Estendida ‒ e como se esta pudesse (ou quisesse) virando-lhe sempre as costas (de lado pondo a Rússia, de lado pondo os EUA e no fim restando-lhes os chineses). Neste caso para a Alemanha e para a sua Indústria Automóvel (uma das suas maiores fontes externas de receita e de financiamento e que se um dia recuasse significativamente no mercado, poderia levar o país a uma crise de tal forma grave e profunda que “poderia chegar o dia em que os seus cidadãos só teriam peças de automóveis para comer”) ‒ e numa cronologia de apenas quatro meses:

 

Em Janeiro:

 

If you want to build cars in the world, then I wish you all the best. You can build cars for the United States, but for every car that comes to the USA, you will pay 35 percent tax,” he said. “I would tell BMW that if you are building a factory in Mexico and plan to sell cars to the USA, without a 35 percent tax, then you can forget that.

(Donald Trump)

 

Em Março:

 

Ten times Trump asked [Merkel] if he could negotiate a trade deal with Germany. Every time she replied, ‘You can’t do a trade deal with Germany, only the EU,’” the official said. “On the eleventh refusal, Trump finally got the message, ‘Oh, we’ll do a deal with Europe then.’

(a senior German official by the Times of London)

 

Em Maio:

 

The Germans are bad, very bad … See the millions of cars they are selling in the U.S. Terrible … We will stop this.” (Donald Trump)

 

Donald+Trump+Theresa+May+Trump+Visits+Brussels+paS

25 Maio 2017 ‒ Cimeira da NATO na Bélgica

(inaugurando a nova sede em Bruxelas)

May e Trump

(em 1º plano)

 

E assim depois deste quadruplo impactoArábia, Israel, Itália e Bélgicavendendo armas para a prossecução dos conflitos pró genocídio (matando todos) e pró terraplanagem (destruindo tudo), sossegando e informando o amigo da evolução e limites do contrato (indireta e estrategicamente apoiando os terroristas), indo ao Vaticano talvez pedir perdão pelos seus derradeiros pecados (sejam russos, sejam sauditas) e concluindo com um aviso a Merkel (Indústria Automóvel), um conselho a May (Segurança Interna) e os pagamentos pelo adiantamento e serviços (extras e incluídos na NATO), ficando-se na expetativa senão mesmo no desespero do que o Futuro (da Europa) nos reserva ‒ com a Guerra já no seu interior.

 

Numa campanha implacável (Anti Trump) levado a cabo pela maioria dos Média norte-americanos (e contaminando todo o Mundo) esmagadoramente apoiando os Democratas (mais especificamente os Clinton) ‒ de que o New York Times e o The Huffington Post são exemplos extraordinários roçando mesmo a subserviência ‒ e que segundo os seus apoiantes continuará sem interrupção ou abrandamento (na questão da intromissão russa) pelo menos enquanto Hillary Clinton não for de novo proposta como candidata à Presidência (em 2021), em Congresso a realizar no próximo ano e em que a mesma invocará como causa da sua anterior derrota o conluio Trump/Putin. Quando os Democratas afirmam como segura a derrota estrondosa de Donald Trump na sua recandidatura em 2021: isto se este se recandidatar ou se chegar Vivo até lá.

 

(imagens: Jonhatan Ernst/reuters.com e zimbio.com)

tags: , , ,
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:33
Sexta-feira, 26 DE Maio DE 2017

No Mundo da Mosca

[Objetos encontrados em Manchester na cena do crime]

 

remnants-1.jpgremnants-2.jpg

Restos de roupa do bombista-suicida

 

item-1.jpgbattery-1.jpg

Interruptor e bateria de 12 volts da bomba

(imagens: nytimes.com)

 

Enquanto os ingleses choram as vítimas inocentes do atentado da cidade de Manchester (levado a cabo por terroristas), enquanto os EUA reabastecem com mais 100 mil milhões de dólares de material militar a Arábia Saudita (apoiante desses mesmos terroristas) e enquanto o que aconteceu em Manchester se replica até ao limite mais extremo em vários países do Médio-Oriente (como mais recentemente aconteceu no Iémen em que a sua população além de ser apanhada na ação rebelde contra o regime ainda levou com a poderosa Arábia Saudita em cima apoiada pela Al-Qaeda e pelo ISIS), certos da continuação do apoio (financiamento e cobertura) por parte dos sauditas ‒ no tal contrato assinado (pela Casa Branca) aquando da visita aos Monarcas ‒ eis que os mesmos (terroristas) celebram e nem sequer o escondem:

 

ISIS Supporters Celebrate Ariana Grande Concert Explosion in Manchester”.

(newsweek.com)

 

DAeKgznWsAA7ES9.jpg

No claim regarding blast in #Manchester, but #ISIS accounts celebrating the attack, disseminating media & threats

(Rita Katz - twitter.com)

 

Entre outros aspetos o atentado terrorista ocorrido em Manchester serviu para nos mostrar que nos EUA existem certas Entidades que ao contrário do que se pensava têm acesso ilegal (e como tal constituindo um crime) a conteúdos confidenciais (e como tal estratégicos e fundamentais para a defesa dos EUA podendo ser considerado traição), servindo-se desses conteúdos no se próprio interesse e se possível manipulando-o nem que seja pela oportunidade: da mesma forma e recorrendo aleatoriamente a fontes verdadeiras ou falsas (conforme o interesse), num caso publicando quase sem querer notícias sem crédito mas certamente picantes apenas porque lhes chegaram às mãos (como por exemplo tentando ligar Trump a Putin), outras antecipando-se à razoabilidade e à decência e parecendo não perceber qual o mal como se inocentemente nada tivessem a ver com o assunto (mas afinal como é que lhe chegaram estas informações ainda sigilosas) dizendo logo tudo sem se preocupar com as consequências desde que não sejam para quem os financia. Só mesmo o NYT.

 

No Mundo da Política tal como em todas as outras partes do Mundo (todos eles Paralelos e tendo como modelo o Homem) mais cedo ou mais tarde e por mais que as aparências iludam (com a Ilusão hoje já fora de moda face à dureza atual da Manipulação e do Condicionamento e com estes parâmetros nem sequer necessitando de estratégias subliminares de intrusão e de consolidação) a Realidade que nos rodeia e encaminha (para a satisfação das necessidades de manutenção do Sistema) acaba sempre por triunfar no final: acabando por nos expor toda a hipocrisia e violência integrando cada decisão coletiva assumida sempre em nosso nome (e na defesa do nosso Grupo), sob a orientação de alguma Entidade da nossa Espécie mas de um nível Superior (por seleção e certificação), mesmo com a base não a vendo mas religiosamente acreditando Nela: num Passado ainda muito recente (numa História do Homem curtíssima num cenário geológico de biliões de anos) com o topo da Pirâmide a entregar armas a quem lhes obedecesse, respeitasse e replicasse (numa Estrutura Militarizada baseada no poder das Armas) e na parte da cronologia Presente de alguma Humanização e Paixão (Caridade) por parte de alguns descendentes do topo dessa Hierarquia (na verdade ao verificarem que as armas se poderiam virar contra eles), mantendo a ideologia (no fundo a falta dela unicamente baseada nas trocas), a própria arquitetura (dos edifícios militares/escolares), reencaminhando os exércitos (formando-os por formatação), tornando-os mais civis e humanos (especializando-os na sua Ignorância) e como comprovativo, entregando-lhes um Manual de Instruções (Diploma) antes de lhes colocar esta (papel) e outras armas na mão (pistola) ‒ sabendo todos nós como o papel também corta, fere e faz sangrar.

 

“U.S. Army Lost Track of $1 Billion Worth of Weapons and Equipment … In arms manufactured in the U.S. and other countries winding up in the hands of armed groups known to be committing war crimes and other atrocities, such as the Islamic State militant group (ISIS).”

(newsweek.com)

 

isis-1.si_.jpg

Approximately 100% of ISIS’ arms originally belonged to the US government. The official explanation is “lol we have no idea what the fuck we are even doing lol sorry.”

(Andrew Anglin - Daily Stormer)

 

Com o nosso planeta pelo menos na sua parte Ocidental a continuar a acreditar num único Monstro Todo-Poderoso e apesar de novo já tornado Admirável e Mítico ‒ por critérios de Excecionalidade e controlo de Qualidade (não sendo certamente Deus mas Algo à semelhança do Homem) ‒ deixando-o fazer o que quer (por obediência e covardia conjunta, deste e nossa), deixando-nos cair na apatia (arrastando outros connosco) e aceitando o nosso destino com a morte como prémio (com o Céu à nossa espera e de todos os pobres de espírito).

 

Pelo que os episódios diários que se passam um pouco por todo o planeta envolvendo cenas mais ou menos chocantes ou até mesmo brutais (com muitas delas a poderem ser evitadas se houvesse um simples instrumento de comunicação e de diálogo), uns noticiados (uma minoria e por estratégia) outros não (a esmagadora maioria e para poderem manter silenciosa a evolução do processo), se por um lado pela repetição continua dos mesmos nos levam à indiferença e à aceitação de novos padrões de normalidade (continuando escondidos debaixo do tapete mas devido ao relevo formado sendo o ponto onde a maioria dos interpretes oficiais tropeçam), por outro lado dão origem a Eventos de tal forma evidentes e dramáticos que mesmo não os querendo ver ou tentando-os integrar (culpando outros) nas forças incontroláveis da Natureza (de que o Homem faz parte), ao aflorarem à superfície no meio de tantos cadáveres nos proporcionam espetáculos inacreditáveis e para alguns incompreensíveis (para que servem os nossos ditos representantes?); como o da obliteração da sociedade iraquiana (Rica em Petróleo) da base até ao topo e da sua matéria-prima aos seus recursos humanos (roubando, destruindo e matando); do desaparecimento de um país soberano como a Líbia (Rico em Petróleo) hoje entregue a mercenários e terroristas, sem verdadeiro Governo e pouco se sabendo da sua população; do ataque e invasão da Síria (fazendo fronteira com o Iraque e não apoiando o conflito) por verdadeiros exércitos de terroristas rodeando os cadáveres como abutres e terraplanando pessoas e infraestruturas; e ainda por extremamente doloroso e decorrer no silêncio mais absoluto e intolerante (onde está o jornalismo?) o genocídio no presente em curso no Iémen levada a cabo pela Arábia Saudita graças aos biliões de armas vendidas pelos norte-americanos e ingleses (estes como poderiam ser outros). Na Europa com a Guerra já tendo chegado sob a forma de Migrações (de algumas das vítimas) acompanhadas de Atentados (de terroristas infiltrados legal ou ilegalmente): sempre com as mesmas vítimas (os cidadãos) e com aqueles que nos deveriam defender (os políticos) a dizerem-nos para nos habituarmos aos tempos que já aí estão. Senão será pior.

 

(imagens/legendas: newsweek.com e dailystormer.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:18

pesquisar

 

Agosto 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

Posts mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro