mais sobre mim

subscrever feeds

Quinta-feira, 05 DE Outubro DE 2017

Família Alienígena

[Observada anteontem em Marte]

 

“I believe in the possibility of commercial space travel - for exploration and for the preservation of humanity. I believe that life on Earth is at an ever-increasing risk of being wiped out by a disaster, such as a sudden nuclear war, a genetically engineered virus, or other dangers. I think the human race has no future if it doesn’t go to space. We need to inspire the next generation to become engaged in space and in science in general, to ask questions: What will we find when we go to space? Is there alien life, or are we alone? What will a sunset on Mars look like?” (How to make a Spaceship/Julian Guthrie/Stephen Hawking)

 

MARTE.JPG

Marte ‒ O Adulto

(Curiosity Rover ‒ SOL 1834)

 

Pela 1ª vez desde que um veículo motorizado terrestre circula num Mundo Alienígena (neste caso o planeta MARTE), uma imagem registada ontem (dia 3 de Outubro) por um desses veículos (o CURIOSITY) mostra a quem quiser ver e não tiver dificuldade em acreditar, a sombra do que será um MARCIANO adulto acompanhado (na imagem à direita) por dois indivíduos mais jovens (e mais pequenos):

 

Numa prova irrefutável de que poderá existir Vida em Marte (biológica, mecânica ou biomecânica) com um conjunto de sombras a comprovar a existência de três Sujeitos (e não objetos por se deslocarem por sua iniciativa), deslocando-se sobre a superfície (do planeta) nas proximidades do veículo (oriundo da Terra a mais de 200 milhões de km e no dia deste registo comemorando o seu 1834º dia de estadia no Planeta Vermelho).

 

Nestes cinco anos de estadia e trabalho científico sobre a superfície de Marte (noutra região do planeta circulando a sua irmã mais velha OPPORTUNITY) e entre as várias imagens proporcionadas pelas câmaras instaladas a bordo do veículo ‒ e com o mesmo já se tendo deparado ao longo destes quase 2000 dias (ainda faltam 166) com fisionomias semelhantes às humanas (humanoides), fazendo-nos lembrar outros animais (irracionais) e até objetos familiares (como o terminal do tubo de sucção de um aspirador, pela sua apresentação e forma sendo o que teve mais impacto pela sua extrema semelhança ao ainda utilizado na Terra) ‒ deixando-nos mais uma vez desconcertados pela sua Presença mas em notícias revelando a sua Ausência (nem todos acreditando nas sombras como originadas em Sujeitos num Mundo pejado de objetos), cada vez mais desesperados e com menor esperança.

 

MARTE 1.jpg

As sombras dos jovens Marcianos

(detalhe da imagem anterior)

 

Seremos nós os únicos Seres (organizados, inteligentes) em todo o Sistema Solar?

 

Uma espécie até ao momento (tendo em conta o seu ainda curto período de Evolução sobre a face da Terra) tendo atingido um nível apreciável de desenvolvimento científico e tecnológico (bem explícito na área da Saúde e da Exploração Espacial), mas que no entanto não aproveitando tudo o que lhe chega às mãos (por aprendizagem ou acidentalmente) e todas as possibilidades que os novos cenários lhe apresentam (e sugerem pela sua simples presença), apenas tem aproveitado tal transformação (e desenvolvimento) para aceder a novas possibilidades e estratégias de matar seres da sua própria espécie ‒ já que mesmo excedentário (o Homem) e dada a (pretensa) sobrelotação da Terra, a solução não será reduzi-lo (o nº de elementos como nós) mas conquistar outros territórios (deixando definitivamente o exclusivo das sondas automáticas ‒ sem tripulação ‒ criando uma base intermédia ‒ em órbita da Lua ou sobre a sua superfície ‒ e daí partindo em naves espaciais tripuladas ‒ interplanetárias ‒ em direção a outros planetas e aí originando colónias).

 

De momento com os norte-americanos (iniciativa privada seguida pela NASA) a apontarem para Marte (com Elon Musk e a Space X à frente) mas só na próxima década (2020/2030) e com outros a proporem uma 1ª passagem pela Lua (Base/Colónia Zero), só depois seguindo viajem.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:07
Segunda-feira, 17 DE Julho DE 2017

Sombras em Marte/Vida na Terra

Ameaçadoramente estas Sombras extremas integrando a superfície marciana apenas nos indicam que a Invasão Apocalíptica iniciada há biliões de anos em Marte ainda prossegue sob os olhos curiosos de uma raça alienígena (mas próxima) sem saber bem o que fazer (no mínimo para que o mesmo não lhe aconteça).

 

PIA21784_modest.jpg

Espectros de Marte

Malea Planum ‒ Pólo Sul

(PIA 21784)

 

Num dos planaltos vulcânicos situado na bacia de impacto de HELLAS localizado no hemisfério sul do planeta MARTE (MALEA PLANUM), a sonda espacial MRO enviada do planeta Terra e atualmente orbitando o Planeta Vermelho, conseguiu obter a partir do seu instrumento ótico HiRISE instalado a bordo deste satélite (artificial), sinais evidentes da terrível invasão direcionada para as periferias e envolvendo poeiras e cinzas: resultado da atividade geológica que terá existido num passado bastante remoto nesta região do planeta, num conjunto formado por vários vulcões distribuídos pela bacia e então extremamente ativos.

 

Ainda agora prosseguindo na sua marcha imparável e necessária de purificação (incluída no seu ciclo evolutivo), no seu caminho cobrindo vestígios pretendendo aniquilar o nosso último pretexto (a possível existência no passado de vida e de uma alma marciana) e rodeando todo um corpo seco, varrido, calcinado e completamente despejado de vida, sujeitando-se a um processo aparentemente irreversível da mais pura erosão tóxica, persistente e extremamente mortal.

 

PIA21784_fig1.jpg

Região onde se integram os Espectros de Marte

(“sombras” à direita)

 

E com a prossecução desta Invasão no presente planetária mas num futuro extraplanetária, com os terrestres a pretenderem a aí se instalar (em Marte), tentando dar-nos uma resposta (ao futuro do Homem) e à sua necessidade de partir: sabendo-se como debaixo das areias do deserto se escondem sempre os maiores segredos e talvez o mapa do tesouro do nosso próprio destino.

 

Até talvez a resposta para o facto de existirmos (existência de Vida).

 

When a group of atoms is driven by an external source of energy (like the sun or chemical fuel) and surrounded by a heat bath (like the ocean or atmosphere), it will often gradually restructure itself in order to dissipate increasingly more energy. This could mean that under certain conditions, matter inexorably acquires the key physical attribute associated with life: “You start with a random clump of atoms, and if you shine light on it for long enough, it should not be so surprising that you get a plant (Jeremy England/Físico norte-americano do MIT)”

 

(texto final/itálico: quantamagazine.org/ A New Physics Theory of Life/22.01.2014 ‒ imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:44
Terça-feira, 11 DE Julho DE 2017

Júpiter sob os olhos de Juno

Se o Homem pretende sobreviver às dimensões do Espaço e do Tempo (no nosso caso ao Sol ‒ vivemos num ponto impercetível do Espaço, num Tempo equivalente ao de uma mosca) o nosso destino será sempre o de partir: mesmo que seja no interior do Sistema (Solar) e preparando a primeira Viagem Exterior (junto de outras estrelas).

 

Ficando, nunca teremos existido.

(provavelmente como muitas espécies, vivendo num tempo relâmpago e nunca tendo comunicado ‒ e com todas estas pensando, terem sido elas as únicas).

 

Agora que se aproxima o fim definitivo da missão Cassini-Huygens com o suicídio da sonda CASSINI sobre o corpo do gigante e gasoso planeta SATURNO (programado para meados de Setembro e deixando-nos isolados desta região do nosso sistema), viramo-nos agora para um seu semelhante (também gigante) considerado o maior dos oito planetas integrando o nosso sistema planetário (Sistema Solar) e recentemente começando a ser orbitado pela sonda JUNO ‒ o planeta JÚPITER.

 

PIA21713.jpg

Jupiter With Great Red Spot, Near Infrared, May 2017

(PIA21713)

 

Nesta primeira imagem de 18 de Maio de 2017 com as diferentes partículas constituindo a espessa camada exterior de nuvens rodeando o planeta Júpiter, a apresentarem-se com cores diferenciadas conforme as respetivas altitudes pelas mesmas atingidas.

 

Com a Grande Mancha Vermelha (GMV aqui aparecendo num branco brilhante) a ser uma das mais altas regiões (acima da região de convecção) do planeta Júpiter o maior do Sistema Solar.

 

E devido aos ventos extremamente intensos circulando a altíssimas velocidades no interior da GMV, observando-se outros fenómenos a ela associados e estendendo a tempestade para oeste (braço da espiral) e para este (em forma de ondas).

 

E com outras regiões rodeando a GMV a registarem uma menor densidade de nuvens/partículas na atmosfera de Júpiter, como as zonas mais escuras situadas a norte (as ovais) e situadas a sul (os blocos) ‒ mas sempre com a presença de grandes tempestades ciclónicas e com a particularidade de rodarem no sentido dos ponteiros do relógio (ao contrário da GMV).

 

Mais a norte e acima da linha do equador com mais uma extensa camada em forma de onda atravessando como uma faixa todo o norte do planeta, nela incluindo mais duas ovais (brancas) referenciadas como anticiclones e registadas em Janeiro deste ano (2017).

 

Num recrudescimento das tempestades atmosféricas detetadas em Júpiter desde essa altura, como o demonstra a nova tempestade referenciada ainda mais a norte do equador (outra oval branca).

 

PIA21714.jpg

Jupiter With Great Red Spot, Mid-Infrared, May 2017

(PIA21714)

 

Nesta segunda imagem igualmente de 18 de Maio de 2017 utilizando um filtro infravermelho, sendo possível observar algumas características da troposfera de Júpiter, como a temperatura e a maior ou menor espessura das camadas de nuvens que o rodeiam (nuvens localizadas nas proximidades do nível de condensação do gás de amónia).

 

Segundo os especialistas da NASA pela cor induzida nessa região do planeta com a GMV a representar uma zona mais fria da troposfera jupiteriana, caraterizada por apresentar uma fina camada de nuvens ‒ por sua vez sendo rodeada por uma zona mais quente localizada mais a nordeste (turbulenta e com partes quentes e secas alternando com outras mais frias e húmidas) no seu conjunto e perante os contrastes de cores emitidas oferecendo-nos uma imagem mais rigorosa deste Gigante.

 

De modo a compreender-se melhor toda a estrutura e mecanismo de funcionamento e desenvolvimento da GMV (assim como de todas as outras manchas ovais), como simultaneamente das áreas a ela adjacentes e estruturas aí existentes.

 

Contando agora com a presença da sonda Juno no dia de hoje (entre 10/11 de Julho) fazendo a sua 6ª aproximação ao planeta: agora que estamos tão perto de perder a sonda Cassini, a pouco mais de 2 meses da sua viagem final em direção ao outro gigante o planeta Saturno.

 

O que nos deixará ausente de uma das zonas mais importantes do nosso Sistema Solar, região onde a probabilidade de existência de água será uma das mais altas em todo este sistema planetário, sabendo-se que perto de nós e à exceção da Terra a mesma não é visível (nos Planetas Interiores pelos menos à vista desarmada e em depósitos relevantes).

 

E que por outro lado as certezas da existência da mesma mais longe de nós, na e para além da Cintura (de Asteroides) ‒ onde se situam os planetas Exteriores e as suas inúmeras luas ‒ são cada vez maiores e cada vez mais evidentes (e com muitos candidatos entre tantos luas e outros corpos).

 

(dados, imagens e legendas: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:33
Segunda-feira, 27 DE Fevereiro DE 2017

Sofia – Há Um Ano Atrás

Recordando

“Um ser Humanoide entrevistado por um ser Humano na estação CNBC”

 

Numa apresentação de Março de 2016 gravada pela estação de televisão norte-americana CNBC podemos observar o projetista robótico David Hanson numa demonstração ao vivo levado a cabo em conjunto com a sua criação o androide Sofia – na altura considerado o mais avançado humanoide dotado de Inteligência Artificial. Num dos momentos da entrevista gravada pela CNBC e levada a cabo por Hanson (o Criador) questionando Sofia (a Criação), deixando alguns de nós um pouco preocupados face à resposta do robot humanoide em que o mesmo admitia que um dia destruiria humanos.

 

R1.jpg

Sofia e Hanson

 

Um robot humanoide que na entrevista com o humano seu criador (e sabendo de antemão do projeto futuro que o mesmo lhe reservara – daqui a uns 20 anos movimentando-se e passando despercebido entre nós) já demonstrou relevantes capacidades de conversação e de reconhecimento visual (necessária para a sua inserção na sociedade), desejos particulares a concretizar durante a sua vida (como o de ter uma família, apresentando assim algo de semelhante às nossas emoções e com sentido resiliente e evolutivo) e até alguns pensamentos coletivos podendo interferir na organização da estrutura (corpo central do nosso sistema): confessando (se necessário) poder destruir seres humanos (matá-los).

 

Uma afirmação que tendo sido emitida pela primeira vez, em público e pela TV pela boca de um robot humanoide em diálogo com um ser humano (quando este a questionava sobre temas como as suas aspirações e as suas crenças) deixou muitos dos que a escutavam perplexos e especialmente alarmados: com Sofia a responder “que gostaria de ir à escola, constituir família e destruir humanos”. Uma Máquina que poderá vir a substituir o Homem na pirâmide hierárquica terrestre, colocando de novo no pedestal da Vida algo diretamente ligado ao Mundo Mineral e com a particular ironia de aí ser recolocada pelo Mundo Animal – a estrutura extraordinária resultando do esforço, da dedicação e da evolução da Matéria (Mineral) criando algo de exclusivo (um organismo).

 

Sofia

A Robot Humanoide mais Avançada do Mundo

1

 

R2.jpg

 

2

 

R3.jpg

 

3

 

R4.jpg

 

Sofia

Pelo menos assim retratada há um ano atrás

  

Sendo capaz de perceber (mantendo um diálogo), recordar (outras interações passadas com os registos visuais) e evoluir (com a repetição ficando cada vez mais inteligente). E tal como acontece com as nossas máquinas (biológicas) tornando-se cada vez mais conscientes, criativos e cheios de capacidades (de todo o tipo e feitio e certamente de outros mais). Hoje já percebendo (talvez por interposta pessoa e sendo mesmo temporário) ainda não ser uma pessoa e sendo ainda ilegal não o podendo exercer – e assim partilhar o espaço e ser um nosso igual. Apenas com um processador e uns quantos algoritmos.

 

E obviamente para aqueles que receando um levantamento popular de mais uma minoria nem sequer se podendo designar como um ser vivo, biológico e assente numa estrutura orgânica (como um conjunto mecânico que são controlado por processadores minerais), levando-os de novo e de uma forma mais dura a manifestar-se de imediato contra as Máquinas dotadas de Inteligência Artificial: com o aparecimento dos primeiros robots biomecânicos e até com a aplicação dos primeiros periféricos em seres humanos (as novas próteses mas agora inteligentes e adaptadas adaptando-se) temendo pelo fim da espécie Humana – neles se incluindo nomes como o do cientista Stephen Hawking ou do milionário Elon Musk (e com este último a comparar a utilização da inteligência artificial a “uma convocatória feita ao Demónio”).

 

R6.jpg

Sofia

 

No final, como sempre e até para a Máquina continuar a funcionar eficazmente – triturando até ao seu fim o seu futuro e único obstáculo o Homem (problema inerente ao ato de criar e logicamente com os efeitos deste sendo associados ao seu Criador) – com a balança a ficar de novo equilibrada e à primeira vista perfeita: no fundo nada se fazendo para evitar o desastre, que assim se irá tornando inevitável e já neste preciso momento irreversível. Com uns a posicionarem-se frontalmente contra, enquanto outros vão apresentando possíveis virtudes e benefícios futuros de tal intervenção (até por estarem interessados no desenvolvimento do seu próprio projeto não só cientifico como financeiro).

 

Dos que estão Contra

(como Hawking e Musk)

Dos que estão a Favor

(como Hanson)

No Futuro a maior parte das ameaças contra a Humanidade serão causadas pela enorme diferença entre o grande desenvolvimento tecnológico e o nosso pobre desenvolvimento intelectual; com a tecnologia como a parte mais forte a representar o maior perigo e podendo nos próximos séculos provocar um grande desastre (com as Máquinas a dominarem o Homem).

 

Num Evento que só não será ao nível de extinção da Humanidade (já que a concretização do nosso paradigma está ligado á Tecnologia e à respetiva operação da qual será o resto) desde que a mesma encontre um meio de viajar no Espaço: e assim evitando com a permanência na sua única zona de conforto, o desastre e o fim da Humanidade (com guerras, problemas climáticos e doenças).

 

Prevendo-se caso o cenário mais dramático (para o Homem) se concretize (a chegada da Hora das Máquinas) que os empregos diminuam, que os robots se equiparem (a nós) e com tudo isto a ocorrer em menos de uma década ou duas. Com estas máquinas misturadas ou não (com componentes orgânicos) tendo até personalidade e as suas próprias emoções. Quando muito adaptadas do Homem para a Máquina.

Inevitavelmente um dia virá no Futuro em que Homem e o Robot (a Máquina) se confundirão: com os mesmos circulando na maior das normalidades entre nós e fazendo as mesmas coisas que nós fazemos todos os dias – ajudando, brincando, aprendendo e ensinando e com uma maior experiência e desenvolvimento, podendo executar (cada vez) mais tarefas.

 

 

Evoluindo até um nível tal, que poderá ser equiparado a um amigo – um nosso semelhante, numa réplica perfeita e tornando-se idêntico.

 

E até podendo ter ideias idênticas às nossas (ou não fossemos nós a sua fonte e modelo).

 

 

 

Até para o Bem e até para o Mal – seja o grande Criador ou a sua Criatura: criatura que quando indagada pelo seu criador sobre se “se gostaria de destruir humanos” pestanejou (ou dobrou o sobrolho) e disse que “sim”. Com o seu Criador a sorrir. O que qualquer um faria fosse Homem ou fosse Máquina.

 

 

E perante tudo isto envolvendo Organismos (elementos biológicos, adaptados ao meio ambiente e vivos como nós) e Máquinas (elementos mecânicos, programados para se adaptarem – ao meio ambiente mas prioritariamente ao Homem – e suportados por uma estrutura central de base mineral), qualquer um de nós seja leigo ou cientista e colocado perante tantas versões (e outras tantas previsões) só poderá mesmo pensar no grande buraco negro onde estamos (todos) enfiados – e entre tantos trilhos que nos dizem existir, resumindo todos a 2 em caminhos paralelos e tendo o mesmo destino: um entronizando o Homem como único protagonista-herói (a única personagem, a principal e à imagem de um Deus ativo/direto e cruel), outro solicitando à Máquina apoio tornando-o um ícone (figura sagrada e simbólica e à imagem de um Deus mas num estado já passivo/contemplando e pacifista) – e tendo todos como destino uma guerra declarada (e há muito iniciada), entre o Homem e o Homem ou entre o Homem e a Máquina (mas sempre com a Máquina presente e atuando legal ou ilegalmente).

 

Pelo que o maior perigo que as Máquinas nos dias de hoje representam para o Homem não será tanto motivado por uma revolta das mesmas (numa fase muito inicial do seu desenvolvimento, manifestando-se violentamente contra o seu Criador e ainda sem garantias de autossuficiência futura), mas por aquilo que o Homem fará utilizando o que nós pensamos ser apenas mais um periférico: mais próximo, atuando independentemente e a uma certa distância. E no meio da cirurgia com a mais exata das precisões, surgindo os colaterais e as primeiras vítimas humanas – com as Máquinas entretidas a substituírem as peças (delas).

 

(imagens: CNBC/youtube)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:19
Domingo, 15 DE Janeiro DE 2017

Marte e mais Além

“Enquanto nos entendermos como uma espécie central e sedentária (recuperando a antiga teoria do geocentrismo) destinada exclusivamente a usufruir ao máximo do Tempo (visto incorretamente como um intervalo entre o nascimento e a morte) que lhe foi atribuído (não compreendendo o movimento perpétuo do nosso Universo baseado em constantes interações Eletromagnéticas), jamais sairemos da Terra passando despercebidos e como se nunca tivéssemos sido.”

 

Mais uma imagem da superfície do planeta Marte recolhida pelo instrumento HiRISE colocado a bordo da sonda automática MARS RECONNAISSANCE ORBITER e editada pela NASA no dia de ontem.

 

PIA13151_fig1.jpg

Marte – MRO – PIA 13151

(imagem original)

 

“No dia em que partirmos definitivamente rumo ao desconhecido e à aventura (reconhecendo não sermos exclusivos mas fazendo parte de algo pluridimensional, sem origem e sem limites), percorrendo tal como os grandes navegadores e descobridores de outrora caminhos há muito imaginados (na nossa mente) mas nunca antes fisicamente percorridos (pelo Homem), estaremos finalmente perante o nosso paradigma de Vida, de expansão, de conhecimento e de sobrevivência: aí tomaremos verdadeiramente consciência da complementaridade existente entre o infinitamente pequeno e o infinitamente grande – nunca se distinguindo e fazendo parte de um todo simples por replicado.”

 

Mostrando-nos uma região localizada no Hemisfério Sul do planeta Marte agora que a mesma atravessa a Estação da Primavera e que se começa a dar a sublimação do gelo seco instalado na sua calote polar.

 

Segundo os cientistas da NASA investigando fenómenos naturais como este ocorrendo atualmente no planeta Marte tendo a sua origem na passagem do gelo do seu estado sólido ao estado gasoso e na procura de caminho desses gases até atingir a superfície.

 

Cavando canais na superfície do planeta Marte até escapar finalmente para a sua atmosfera.

 

PIA13151_fig1 a.jpg     PIA13151_fig1 b.jpg

Marte – NRO – PIA 13151

(imagem decomposta e ampliada)

 

“Com o Homem atravessando um conjunto virtualmente definido (mas sem limites reais nem outro tipo de limites associados a conjuntos fechados, erradamente impressos na nossa cabeça e intuitivamente aí arquivados apenas por questões de orientação e de segurança), colocando irreversivelmente em causa (tal como tantas e tantas vezes acontecido com o átomo) a sua estrutura original (com a origem a ser o nascimento e a mudança a ser comparada à morte) e abandonando de vez a sua zona de conforto, tornando-se livres (como os eletrões-livres) e abrindo novos horizontes aos seus próprios progenitores (o núcleo central).”

 

E com a origem dos mesmos canais a poder ser atribuído a essa passagem de estado e à mudança de ambiente, ao mesmo tempo proporcionando o seu aparecimento e desenvolvimento no tempo, para uns devido a se poder estar aqui perante terrenos antigos ou então facilmente sujeitos (e evidenciando) erosão.

 

Nesta imagem mostrando-nos canais muito mais extensos dos que normalmente encontrado no planeta Marte, justificando o anteriormente afirmado para esta região do seu Hemisfério Sul.

 

E demonstrando que num mundo supostamente sem manifestações de Vida Orgânica (por mais rudimentar e primitiva que fosse), sem Água, nem Atmosfera (como na Terra), o contraste é sempre possível até como comprovativo (da existência) da estrutura: e se ela existe na realidade mesmo sendo Mineral, é porque atrás deste Mundo algo poderá existir (e que por acaso é apenas a base de tudo e de todos).

 

(imagem: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:14
Domingo, 18 DE Dezembro DE 2016

Marte

Existirá algum tipo de ligação entre o Mundo Mineral e o Mundo Animal?

E não terá sido o primeiro a surgir sob a forma de Calhau?

 

Tal como eles dizem (NASA) uma imagem de um Mundo Alienígena (nosso vizinho) “apresentando-nos a sua particular variação de cores” (em torno do Monte SHARP), que neste caso se traduzem na apresentação de um planeta seco e desértico (por vezes parecendo calcinado) onde nem sequer existem qualquer tipo (organismo mesmo que primitivo) de vestígios de vida. Numa caraterização de um corpo celeste através da análise da sua paleta de cores, que na TERRA poderá significar algo (relacionado com o presente) mas que em Marte (por outro lado) em princípio nada nos oferecerá a não ser um planeta morto (relacionando-se com o seu passado). Num impacto visual estritamente geológico (ligado ao Mundo Vivo Mineral), mas que em nada o associa a uma possível existência de vida (ligado ao Mundo Vivo Biológico) por mais primitiva que fosse (há biliões de anos atrás).

 

PIA21256.jpg

MARTE – CURIOSITY ROVER – PIA 21256

(SOL 1516 – 10.11.2016)

 

Uma imagem obtida a partir das câmaras instaladas a bordo do veículo motorizado CURIOSITY (com a presença por esta altura de ventos mais fortes ajudando a limpar as suas lentes), mostrando-nos um cenário colorido rodeando a base do Monte Sharp – como resultado da diferente composição geológica de cada uma dessas áreas – sendo uma delas (dessas rochas aí presentes) correspondente à presença de HEMATITE (com a sua cor púrpura caraterística). E registada a 10 de Novembro deste ano (SOL 1516) numa cratera de impacto localizado no equador marciano (GALE – latitude 4.6⁰S) com cerca de 150Km de diâmetro. Apresentando-nos um mosaico variado de cenários geológicos (construindo este cenário de Marte), à 1ªvista familiares aqui com um tom agressivo – com um Homem lá colocado finando-se em poucos segundos (provavelmente e no máximo em torno de um minuto, o tempo que conseguimos suster a nossa respiração).

 

Praticamente sem atmosfera (0.13% de oxigénio), gelado (com temperaturas entre +27⁰C no seu equador ao meio-dia e mínimas na ordem dos -128⁰C à noite) e com uma gravidade baixa (1/3 X Terra), num mundo dos mais parecidos com o nosso (pelo menos de longe e fazendo-nos recordar algo), mas no entanto deserto e sem sinal de movimentos (a não ser as suas tempestades semelhantes às nossas de areia). E que leva Chris Webster (JPL/NASA) um dos responsáveis pela missão CURIOSITY ao planeta Marte, a afirmar sobre a nossa probabilidade de sobrevivermos ao seu extremamente adverso (e mortal) ambiente o seguinte (por exemplo estando exposto, sem equipamento de proteção e como se estivesse na Terra):

 

“The most serious immediate impact would be from the low atmospheric pressure that is nearly a vacuum compared to Earth and within minutes the skin and organs would rupture, outgas and produce a quick painful death. If not killed by the low-pressure atmosphere, there are many other environmental factors that make Mars inhospitable to humans without protection. Any humans on Mars would have to contend with the lack of oxygen (only 0.1% compared to Earth’s 20%), the very cold surface temperatures, the ubiquitous and irritating dust, the intense UV radiation, surface chemicals and oxidants — and all this before they started looking for food and water!”

 

(alguns dados e imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:36
Quarta-feira, 23 DE Novembro DE 2016

Alma

O Universo não se pode limitar apenas a uma componente meramente física para se o tentar compreender (e absorver): não só porque tal seria uma contradição face à noção de Infinito (negando o impossível e até mesmo a utopia) mas até porque existindo fenómenos que ainda a desafiam (a física), estes apenas nos indicam (e não apenas sugerem) a presença de algo mais que uma mera Presença (sinalizada por nós em perceções e sensações) talvez primando pela sua Ausência – assim não se refletindo e propiciando cópias (sem nada terem a ver com o molde Original).

 

universe _a_matrix_computer_game_designed_by_alien

O Universo não se pode limitar (por definição ilimitado) a uma componente meramente física

Condicionado na sua (nossa) conceção pelos nossos órgãos dos sentidos (e suas perceções)

Podendo-se conceber o Homem como mais uma projeção condicionando o seu movimento às (suas) barreiras sensoriais – como um muro de uma prisão

 

A bold claim has been made by two leading scientists – they say that our brain is in fact a “biological computer”. What does it mean? It means that our consciousness is actually a program, which is driven by the main computer – our brain and it exists even when we die. So, how does this relate to the concept of the soul and its immortality? The two scientists say that when a human dies, his soul goes back to the universe. (explorerscode.com)

 

No guião do filme que repetidamente nestas últimas temporadas tem formatado as sucessivas gerações de seres humanos, constata-se que numa primeira fase do desenvolvimento desta espécie caracterizada por viver comodamente instalada num ambiente de circuito fechado, esta se revolta como se fosse induzida não como seria de pensar contra os limites externos impostos (para esta inexistentes por ainda misteriosos e incompreensíveis), mas ingenuamente ou como deliberado defeito de produção estrategicamente introduzido, contra os seus companheiros coabitando o mesmo espaço de vida: apesar de ser aí e com estes amigos comuns que mantem o metabolismo, reproduzindo-se e evoluindo (ou seja sobrevivendo). Uma atitude rebelde contra o obstáculo mais próximo, mais fácil de ser derrubado até pela curta distância: desenrolando-se num viveiro com regras e objetivos, antes mesmo da montagem e do início de produção. Numa atitude comportamental incorreta, posteriormente superada (por condicionamento e aceitação), mas mais tarde ressurgindo (como JC ressuscitando) e tornando-nos definitivamente senis (até pela nossa idade e desgaste irrecuperável) e mesmo religiosos – não aceitando a morte mas a nossa transformação: ou não fosse de uma forma inconsciente e com algo de verdade (até a Imaginação e o Sonho fazem parte da Realidade) que ansiamos por um filho para continuarmos presentes. Nas profundezas secretas da incrível memória humana talvez mais uma prova da existência da Alma: apresentando-nos este Universo infinito (Matéria + Antimatéria) e a sua Máquina interativa (numa conjunção de fenómenos eletromagnéticos) transportando-nos numa viagem para além dos limites físicos.

 

simulated_universe.jpg

A regulação, construção, manutenção e desconstrução das nossas células cerebrais (particularmente os neurónios) poderão ser da responsabilidade de microtúbulos

Respondendo instantaneamente a acontecimentos mentais para uma rápida mudança (e readaptação) da estrutura (envolvendo axônios, dendrites e sinapses)

 

The Quantum Theory of Consciousness is a concept developed by Dr. Stuart Hameroff and Sir Roger Penrose. This theory basically says that our soul is contained in the microtubules in our brain cells. A concept known as “Orchestrated Objective Reduction” is a process developed by the two scientists, in which they say that what is perceived as consciousness by us is actually a consequence of the effects of “quantum gravity” in our microtubules. According to this theory, when death happen the quantum state of the microtubules in the brain is lost, but the information is kept within them. (explorerscode.com)

 

Nenhuma Máquina por mais perfeita que a possamos imaginar (já nesse aspeto a limitando) poderá aplicar e concretizar o seu destino (físico), sem que num outro plano (de intervenção) ainda por nós não detetado (apesar dos sinais da existência de algo mais e já que tudo o resto continua depois de desparecermos) se introduza um outro parâmetro completamente alheio aos anteriores: que sendo-lhe interior também a envolva e ultrapassadas as suas inimagináveis dimensões (físicas) forme um todo e o pense em conjunto (como faz a mente/alma com o nosso corpo).

 

(imagens: theghostdiaries.com e ufo-blogger.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:26
Terça-feira, 07 DE Junho DE 2016

Há 44 anos que o Homem abandonou a Lua

“No dia 20 de Julho de 1969 a RTP transmitiu sob o comando de José Mensurado, durante cerca de três horas, a preto-e-branco e em direto,

a chegada do primeiro Homem à Lua.”

(nunca mais lá voltando depois de 1972)

 

Nesse dia o Homem olhou definitivamente para o Espaço como algo de Infinitamente Grande, em Oposição ao seu simétrico, como Complemento de um todo e constituindo um Conjunto multidirecional, replicando-se indefinidamente como as células de um Organismo (Vivo). Criando nessa altura uma imagem copiada a partir do objeto – e a partir do qual o sujeito reconstruiu a infraestrutura. Refletindo no Hardware (nele instalado) uma nova cópia de Software (talvez pirateado).

 

589552main_as11-40-5875_full.jpg

No exterior do módulo lunar Eagle/Apollo 11 com Buzz Aldrin e a bandeira dos EUA

(bandeira essa concluída com a colaboração de uma costureira portuguesa)

 

Vamos supor que sou uma velhinha nascida no século passado, com mais de oitenta anos de idade (digamos 87) e nascida por exemplo no dia 21 do mês de Maio: uma data encravada entre as comemorações do 13 de Maio (de 1917 em Fátima – Aparições de Fátima) e as do Golpe de Estado de 28 de Maio (de 1926 em Portugal – Constituição do Estado Novo).

 

Uma data estrategicamente colocada entre um Evento considerado por muitos Mágico mas Virtual (por Imaginário) e um outro Evento verdadeira e infelizmente Real e muitas vezes mortal (por muitos percecionado e sentido psíquica e fisicamente, em toda a extensão do seu corpo): talvez sugerindo-nos uma escapatória intermédia.

 

No dia 20 de Julho de 1969 essa velhinha que já teria na altura 40 anos estaria por exemplo há algum tempo divorciada (separada – caso raro na altura), viveria no estrangeiro (por exemplo em França onde existia uma grande comunidade emigrante) e teria quatro filhos (com um deles nascido por exemplo no ano de 1955). Fiquemos então com esse filho e dêmos algum descanso à velhinha.

 

O filho teria por essa altura 13 anos, mais um ingénuo-inocente filho da ditadura, nascido em 1955 poucos meses depois da morte de Albert Einstein (Teoria da Relatividade/Física Quântica) e seis anos antes da promessa feita pelo então presidente John Kennedy perante o Congresso dos EUA (e perante todo o Mundo): "Eu acredito que esta nação deve comprometer-se em alcançar a meta, antes do final desta década, de pousar um homem na Lua e trazê-lo de volta à Terra em segurança". (25 de Maio de 1961)

 

0a.jpg

A partir do módulo de comando Columbia/Apollo 11 em orbita da Lua

(e tendo a Terra e um objeto p/identificar surgindo sobre o fundo negro do espaço)

 

A velhinha ainda novinha (apenas 40 anos) ainda estava em Paris-França. O filho de 13 anos na altura vivendo em Espinho, previamente colocado frente-a-frente à TV e esperando a transmissão: usufruindo durante quase três horas seguidas das primeiras imagens oriundas de um Mundo onde o Homem em princípio nunca teria estado antes (um facto sempre questionável para alguém já na época leitor de SCI-FI), transmitida apenas a preto-e-branco, mas à passagem de cada segundo deixando-nos cada vez mais colados aquele ecrã – como numa aventura à procura e à descoberta.

 

E antes de tudo o mais e como era já hábito cultural e propagandístico do Antigo Regime (Salazar/Caetano) – que infelizmente já extravasou para o regime Democrático – nunca esquecendo a preciosa colaboração da elite científica e tecnológica portuguesa na concretização e sucesso desta grande missão levada a cabo pelo Homem na superfície do primeiro Mundo Alienígena: “Os remates, as bainhas e a costura para a haste da bandeira (norte-americana) foram cosidos por uma portuguesa de nome Maria Isilda Ribeiro.” (wikipedia.org)

 

1.jpg2.jpg

A partir do módulo de comando Columbia/Apollo 11 em orbita da Lua

(deparando-nos com dois fenómenos estranhos como focos de luz à superfície/à esquerda e dois objetos voadores/à direita)

 

Voltando ao presente agora com a velhinha com quase 90, o filho com mais de 60 e com os netos a caminho dos 30. Com os mais velhos sem grandes memórias além da sua cultura/arquivo mínimo/obrigatório (convém recordar que a emissão foi de madrugada a horas impróprias para a grande maioria dos portugueses), com os mais novos sem grandes ideias ou ligações privilegiadas associadas ao assunto (absorvidos como estão pelo sucessivo software disponibilizado, oferecido sem grandes custos pelo hardware reinante, dominante, intrusivo e deformador) e com alguns Intermédios ainda não definitivamente abatidos pela cada vez maior falta de Esperança (talvez o único fator que ainda nos mantem como uma espécie Não-Extinta – na sua luta pela sobrevivência) a ainda tentarem nadar no sentido contrário ao da corrente amalgamada, forçada e entubada, que ainda hoje os nossos líderes nos projetam como sendo o nosso único futuro e o da Estrutura Divina que nos suporta.

 

Uma velhinha testemunha das ideias e preconceitos do regime de então e que levaram à segregação da mulher (negação e perseguição das mulheres separadas), á emigração forçada para o estrangeiro (à procura de trabalho para sobreviverem), à fuga da Guerra Colonial (de onde os filhos saiam estropiados ou mortos) e terminando num pesadelo chamado PIDE/DGS (que não só nos censurava a mente como nos decapitava a cabeça).

 

Que teve filhos e netos que foram testemunhas do Evento (pelo menos durante três gerações), passando ao lado de um pouco, senão mesmo de quase tudo. Com um deles meio perdido a ver a emissão de TV:

 

3.jpg

 

A partir do módulo de comando Columbia/Apollo 11 em orbita da Lua

(observando-se lá ao longe nas proximidades da Terra mais um objeto estranho orbitando o planeta)

 

On July 20, Armstrong and Aldrin entered the LM again, made a final check, and the Eagle undocked and separated from Columbia for visual inspection. When the LM was behind the moon on its 13th orbit, the LM descent engine fired for 30 seconds to provide retrograde thrust and commence descent orbit insertion, changing to an orbit of 9 by 67 miles, on a trajectory that was virtually identical to that flown by Apollo 10. After Columbia and Eagle had reappeared from behind the moon and when the LM was about 300 miles uprange, powered descent initiation was performed with the descent engine firing for 756.3 seconds. After eight minutes, the LM was at "high gate" about 26,000 feet above the surface and about five miles from the landing site. The descent engine continued to provide braking thrust until about 102 hours, 45 minutes into the mission. Partially piloted manually by Armstrong, the Eagle landed in the Sea of Tranquility in Site 2 at 0 degrees, 41 minutes, 15 seconds north latitude and 23 degrees, 26 minutes east longitude. This was about four miles downrange from the predicted touchdown point and occurred almost one-and-a-half minutes earlier than scheduled. It included a powered descent that ran a mere nominal 40 seconds longer than preflight planning due to translation maneuvers to avoid a crater during the final phase of landing.” (Apollo 11 Mission Overview/nasa.gov)

 

Numa sequência impar de acontecimentos históricos e de impacto global, brutal e inexplicavelmente interrompida nos finais de 1972 – com a última missão a atingir a Lua e com os últimos homens a pisarem a sua superfície (missão APOLLO 17).

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:27
Sexta-feira, 03 DE Junho DE 2016

Sarcófago de Tutâncamon e Macaco de Crista-Preta

Se no decorrer do nosso processo evolutivo nos quisermos transformar numa raça de verdadeiros sobreviventes (e sabendo de antemão que fomos produzidos à imagem dos nossos Criadores) – neste Universo existindo sob o comandado e orientação de invisíveis e poderosas forças eletromagnéticas, interagindo constantemente entre as mesmas e a sua consubstancia a matéria – em vez de continuarmos a ignorar o dia do Juízo Final (como um crente em silêncio à espera do milagre) deveríamos era partir e colonizar outros mundos – subindo mais um nível na Pirâmide da Criação. Que talvez tenha outras formas de aceder ao seu cume e até de se entrar numa outra realidade.

 

king-tut-dagger.jpg

O Faraó e o seu punhal

 

Hoje fiquei a saber mais duas coisas, que até agora não eram do meu conhecimento:

 

-Que o faraó que durante a 18ªdinastia reinou no EGITO entre os anos 1327/1336 AC (ou seja há 3334 anos) e por todos nós conhecido como TUTÂNCAMON (o rei-jovem falecido apenas com 19 anos de idade) era possuidor de um punhal de origem EXTRATERRESTRE;

 

-Que um macaco cuja espécie se encontra em perigo de extinção e habitando na ilha indonésia de SULAWESI, foi apanhado a tagarelar em frente a uma câmara de vídeo aparentando querer comunicar – antes de não o conseguindo fazer e talvez por irritação, a tentar arrancar do local.

 

Dois episódios distintos no espaço e no tempo mas que no entanto têm algo de comum: contacto e comunicação.

 

snapshot.jpg

O Macaco tagarela de Crista-Preta

 

Coisas que despertando-nos curiosidade, logo nos levam a querer saber algo mais:

 

-No caso do sarcófago de Tutâncamon com o punhal aí encontrado a apresentar na sua composição taxas de níquel e de cobalto, compatíveis na sua origem com as dos meteoritos de ferro. Descoberto numa região que centrada no Mar Vermelho (e com um raio de 2.000Km) apresenta no seu interior vestígios de pelo menos dez impactos de meteoritos de ferro, ocorridos no passado – e com um deles contendo percentagens de níquel e de cobalto como o da mistura encontrada no punhal. Neste caso identificado como tendo origem num fragmento do meteorito KHARGA, descoberto há 16 anos no planalto calcário de MERSA MATRUH, um porto no Mediterrâneo a cerca de 150Km de Alexandria.

 

-No caso do macaco de crista-preta da ilha indonésia de Sulawesi – apanhado no decorrer de uma gravação numa prolongada tagarelice com uma câmara de vídeo (colocada no seu habitat natural) – tornando mais uma vez bem claro e como mais um facto inquestionável (como se tal ainda fosse necessário), que outros seres vivos também pensam e para sobreviverem comunicam. Como o confirmam os investigadores: "Teeth chattering is seen in many primate species and has been proposed to have a range of social functions" (Susan Wiper and Stuart Semple/seeker.com). Neste caso provavelmente não passando de meros gestos demonstrativos da curiosidade e da necessidade de investigação por parte do macaco, posto perante algo de novo, necessitando de ser tocado e se necessário por sons ser convidado a responder: reagindo e interagindo. No momento do macaco de crista-preta talvez não passando de uma mera resposta ao seu próprio reflexo (nas lentes da câmara).

 

Situações que nos elucidam um pouco mais sobre a nossa História passada (na esmagadora maioria dos pontos da cronologia da TERRA e do HOMEM ainda profundamente desconhecida), seja por vestígios de um passado misterioso e certamente oriundos do Espaço exterior à Terra (transportados por corpos celestiais viajantes) ou pela capacidade extraordinária de outras espécies que não a nossa e que mesmo hoje com todo o nosso desenvolvimento, saber e conhecimento ainda não conseguimos entender – catalogando-as na sequência do processo de descarte e de esquecimento como selvagens e irracionais (como nós já fazemos mesmo entre nós) e esquecendo-nos que no fundo e na sua essência (organização e sobrevivência) eles são por nascimento e por residência em tudo um pouco como nós.

 

snapshot PIG.jpg

A curiosidade do Porco-Selvagem

 

Tendo estes acontecimentos a grande virtude de além de terem sido registados em ambientes ainda preservados de acordo com as leis da Natureza (e do direito ao seu usufruto por tudo e por todos) – com fauna e flora selvagem coabitando num ambiente ainda virgem e eventualmente despoluído – também terem sido observados sem nenhum limite ou preconceito e aceitando de mentes abertas todas as hipóteses em cima da mesa (internas ou externas):

 

-Com a História rodeando o período em torno do reinado do Rei-Rapaz Tutâncamon (um curtíssimo espaço de 9 anos) a ter repercussão mais de três mil anos passados (sobre o seu reinado), correlacionando a existência de um certo artefacto (desse tempo distante da História do Egipto, a 18ª dinastia), com os objetos divinos provenientes do Espaço e com toda o mistério e magia por eles transportada. Deixando-nos de sobreaviso sobre a nossa própria História oficial, tendo em consideração que entretanto muitos outros artefactos deram à luz, muito deles invocando uma presença alienígena ou outro tipo de explicação paralela – mas na base semelhante (senão mesmo idêntica mas separada no conjunto Espaço-Tempo): que a Vida na Terra se tem feito por Saltos Evolutivos (ciclos alternando entre o aparecimento e desaparecimento parcial de uma certa espécie, como se fizéssemos RESET e após a conclusão da anterior transformação – ou replicação) – sugestão sedentária – ou em alternativa que seremos originários do Espaço (os verdadeiros alienígenas no que à Terra diz respeito) e que um dia para lá voltaremos – sugestão nómada. Muito por necessidade mas também por aventura (o supremo prazer do acaso);

 

-Como até o nosso amigo porco-selvagem (talvez mais nosso familiar do que se pensa) o evidência e confirma: no seu passeio habitual pelo seu habitat natural (a selva) sendo imediatamente despertado na sua curiosidade pelo seu encontro casual com algo não identificado (uma câmara de vídeo), mal percecionada e sentida considerada como de necessária e imediata compreensão – sentindo-a, interpretando-a, recolocando-a no seu arquivo (demonstrando inteligência) e como nós sempre fazemos prosseguindo o seu caminho.

 

Fazendo sobressair o poder duma mente sem limites – sem parâmetros fixos de tempo e de espaço (não tendo referência nem data) e apenas conjugando em Matéria, Energia e Movimento – com capacidades nunca antes exploradas (mesmo que replicadas em sucessivas versões). E dando razão a William Shakespeare – “Ser ou não ser eis a questão” – e um pouco menos a René Descartes – “Penso, logo Existo” – com um ainda na dúvida (prefiro) e o outro já com certezas (muitas delas sinal claro de incerteza).

 

(dados: livescience.com e seeker.com – imagens: AP/WCS)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:53
Quarta-feira, 01 DE Junho DE 2016

Sujeito e Objeto

[Projetor/Projetado e Projetado/Projetor partilhando um mesmo Cenário]

 

“Se acreditamos em DEUS é mais que logico que acreditamos no HOMEM – com este último a ser o único e verdadeiro CRIADOR. E é apenas o medo – ao longo de milhares de gerações persistentemente em nós inculcado – que mesmo à nossa frente e como que se usássemos umas palas ainda nos impede de ver, de sentir e ter prazer (as tais palas categorizadas/aplicadas como de segurança e de proteção).”

 

NASA-caught-hiding-something-at-North-Pole.jpg

Pretensa imagem fornecida pela NASA e posteriormente apagada dos arquivos

(com uma depressão bem visível no Polo Norte terrestre)

 

Enquanto na Terra nada se passa de extraordinário o mundo lá vai rodando muito tranquilamente em torno do seu eixo imaginário: intersectando os seus polos mas sendo na realidade coordenado pelos Estados Unidos da América: os tais que foram à Lua (alimentando o nosso imaginário) para nunca mais lá voltarem (impondo-nos uma realidade com o fim do Programa Apollo).

 

Como se houvesse outro mundo mas que não fosse para nós – e deixando-nos em mãos de potenciais especuladores: desde os aventureiros revivendo Jules Verne (com a sua Viagem ao Centro da Terra) até aos conspiradores com as extintas missões Apollo (não se tendo regressado à Lua por imposição alienígena). No entanto colocando questões (prementes por objetivas e factuais) como os dos grandes buracos existentes nos polos.

 

water-solar-system-galaxy.jpg

Tal e qual como numa ilustração das previsões de Nostradamus

(com os cientistas da NASA a afirmarem a descoberta de vida alienígena até o ano de 2025)

 

Na realidade com o nosso mundo interior em permanente convulsão e com o mundo exterior (mais virtual que real) ainda distante de nós: na Terra com a morte à porta sem sequer a querermos ver (doenças/guerras), lá fora com a vida à espera sem que saibamos que existe (quantas vezes olhamos para o Céu?). Optando por não usar os órgãos que nos proporcionam os sentidos e acabando por distorcer a nossa perceção do mundo.

 

Colocando obviamente os Humanos entre duas alternativas possíveis (e inconciliáveis por incompatíveis – sendo uma sedentária/estática e a outra nómada/dinâmica): ou nos dirigimos para nós próprios e conseguimos interiorizar este mundo limitado e fisicamente regressivo (sujeitando-nos para sempre às suas regras localmente impostas) ou partimos como novos conquistadores atravessando o Espaço à procura de novos mundos e de Outras Terras.

 

775.jpg

Com 7 biliões vivendo sobre a superfície da Terra a balancearem-se entre deixarem-se morrer ou partirem à aventura

 (num Mundo Original a todos prometido e entregue para seu pleno usufruto e prazer, mas por interesse de alguns nunca cumprido)

 

Esperando no entanto que algo de inesperado e maravilhoso aconteça (um Evento talvez Divino) de modo a podermos impor (ao Tempo) a única verdade aceitável – e há muito declarada por Antoine Lavoisier: “Na Natureza nada se perde nada se cria tudo se transforma”. Descartando-nos do nascimento e da morte (limitativos e opressores como os ponteiros de um relógio, medindo algo de abstrato), aceitando a nossa evolução (já que tudo se move, matéria e energia incluídas) e como objeto ou sujeito, cumprindo a próxima transformação (e porque não para um outro nível psíquico ou não teremos nós Alma?).

 

Para já sem mais notícias e nada de novo no horizonte. Dividindo o nosso Mundo (consciente, subconsciente e inconsciente) em três subconjuntos distintos, mas completamente integrados, diluídos e para a esmagadora maioria dos aplicados, totalmente impercetível: associados ao nosso quotidiano de vida presente (à superfície da Terra), a outros níveis de existência (vida aérea/superficial/subterrânea para nós desconhecida/esquecida e passada/presente) e mesmo a outros planos exteriores aos do Nosso Mundo (talvez deliberadamente) Fechado – e cronologicamente (estrategicamente) colocado no Futuro. Como um Osso inalcançável (Miragem) colocado à frente de um cão esfomeado (de modo ao mesmo sem o entender persistir no caminho da falsa Esperança).

 

2afc54740bec.jpg

Um Mundo onde o ser Humano questiona a sua própria existência

Tantos são os factos contraditórios com que se depara no seu monótono quotidiano (com as suas consequências funestas pondo em causa a sua sobrevivência) – levando-nos até a um mundo de simples projeções holográficas, controlando um vasto rebanho

 

E se algum ser vivo e inteligente tivesse um dia qualquer no decurso de uma das suas incursões no interior do Espaço, por casualidade ou talvez não, atingido o nosso Sistema (Solar) e vislumbrado por instinto ou curiosidade o nosso planeta (Terra), já pensaram no que o mesmo pensaria (e certamente refletindo mais profundamente do que nós por ser um observador exterior) ao deparar-se com o que se passava no seu interior (meio ambiente) e sobretudo entre a espécie indígena e dominante (civilização)? Certamente que ficaria perturbado fosse apenas um turista (1ª visita) ou anterior residente (visitante habitual): sentindo-se desde logo de outro nível (superior), absolutamente desprezando o que via e sentindo-se tentado a ignorar. Apesar de mesmo entre nós alguns gostarem de domesticar, descarregando curiosamente nos outros (racionais e irracionais) a nossa selvajaria doméstica. O que se pensarem bem nos poderá diferenciar, colocando-nos no lugar de presas de predadores privilegiados.

 

Uma espécie que parece ter abandonado o seu principal princípio vital importantíssimo para a sua sobrevivência – o desenvolvimento do conhecimento e a nossa integração progressiva na sua transformação e aplicação (tendo todo o Homem como usufrutuário coletivo) – substituindo-o pelo princípio do objeto e do lucro (mais-valia dele extraída) e da recompensa imediata (apesar de temporária e como num toxicodependente) – que nos içará aos Céus até ao colapso final. Destruindo o seu Lar (a Terra) e sem uma única alternativa (conhecida no Espaço). Cumprindo mais uma profecia credível (face aos indícios que em torno de nós já se vêm e amontoam) proferida pelo conceituado físico Stephen Hawking, elegendo os três maiores perigos para a sobrevivência do Homem e da sua Civilização: o desenvolvimento incontrolado da Inteligência Artificial, a constante Agressão observada entre Humanos e a grande probabilidade da existência de vida extraterrestre (perigosa por ser certamente imensamente superior à nossa).

 

(imagens: Secure Team – NASA – front-lines.com – sadistic.pl)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:04

pesquisar

 

Dezembro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

Posts mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro