mais sobre mim

subscrever feeds

Quarta-feira, 27 DE Dezembro DE 2017

Space X vs. Topol

Efeitos provocados na atmosfera pela passagem dos foguetões FALCON 9 (EUA) e TOPOL (Rússia) ‒ o 1º lançado antes do Natal (22) o 2º lançado depois (26).

 

DRsdBFnVwAAUxMD.jpg

Lançamento do FALCON 9

 

Como se fosse uma resposta por parte da Confederação Russa (e da sua Agência Espacial Governamental) ao último lançamento (a 22 de Dezembro) por parte da SPACE X (Empresa Espacial Privada Norte-americana) do seu foguetão FALCON 9 (aparentemente para colocar 10 satélites de comunicação em órbita da Terra), no passado dia 26 de Dezembro (ontem) e a partir da sua base de KAPUSTIN YAR (localizada na cidade de Znamensk, a leste de Volgogrado, no sudoeste da Rússia) a Força Estratégica de Mísseis Russos lançou o seu míssil balístico intercontinental RS-12M TOPOL: um míssil de uma só ogiva, já com mais de 30 anos de serviço e sendo capaz de transportar uma ogiva nuclear de cerca de 550 Kt até uma distância de 10.000Km (segundo os militares russos apenas um teste para um estudo de armamento para este tipo de míssil). Num evento observado no sudoeste da Rússia assim como no leste da Ucrânia (Donbas).

 

DR-ZtZfX4AE1Zue.jpg

Lançamento do RS-12M TOPOL

 

Sendo desde logo notícia não só pela sua origem (a Rússia de Vladimir Putin) mas também pelo foco militar a ele atribuído (afinal de contas trata-se de um míssil de longo alcance podendo transportar uma poderosa arma nuclear), mas neste caso transportando consigo um elemento adicional (impactante por visual), desassociado neste caso do seu espaço (interesse) militar e podendo ser comparável com um outro (SPACE X VS TOPOL), nem que seja para escolher qual o mais estranho, assim como o mais belo: com os russos através do lançamento do seu míssil TOPOL a tentarem rivalizar com os norte-americanos e com o lançamento do seu foguetão FALCON 9 (RÚSSIA VS. EUA), tendo apenas em avaliação para a escolha do melhor e da Declaração de Vencedor, o espetáculo visual proporcionado no céu (pela evolução do foguetão) e ao público em geral graciosamente oferecido. E naturalmente ‒ pela sua estranheza e beleza ‒ por muitos usufruídos (na Rússia e nos EUA).

 

(imagens: Julian Röpcke@JulianRoepcke/tiny baby fingers‏ @kevins_fingers/twitter.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:30
Quinta-feira, 21 DE Dezembro DE 2017

Bola de Fogo Explode

Sobre os céus de Sochi na Rússia

 

“Tal como com os EUA e com os UK (dos países com mais relatos) com a Rússia igualmente ao alcance das Bolas de Fogo (oriundas do exterior do nosso Ecossistema).”

 

Numa clara demonstração oriunda do Espaço Exterior do que poderá significar um simples ponto de terra vagueando pelo Universo (uma insignificância praticamente indetetável), um pequeno objeto circulando no nosso Sistema (Solar) e tendo como sua referência a nossa estrela o Sol (aproximando-se, atingindo o seu periélio e afastando-se), entrou no passado dia 15 de Dezembro durante o período noturno na atmosfera terrestre (parte da Terra na altura não iluminada), explodindo, desintegrando-se e acabando por desaparecer sobre a região russa de SOCHI. Entre as várias hipóteses sendo claramente natural (nada de artificial, muito de habitual) e sem dúvida originado no interior do Sistema (Solar).

 

11a.jpg

1

A Bola de Fogo entrando na atmosfera terrestre

 

Um meteoro brilhante atravessando os céus da Rússia e com a dimensão aproximada de uma bola de futebol (norte-americana ou europeia) explodindo e desintegrando-se ao entrar na atmosfera a uma altitude de cerca de 20.000 metros. Pela altura do ano em que este fenómeno ocorreu estando certamente associado à Chuva de Estrelas GEMINID, este ano com o seu pico (máximo) a ser registado nestes dias de meados de Dezembro. Na imagem anterior (1) com o meteoro a introduzir-se na atmosfera terrestre, entrando de imediato em combustão (devido à fortíssima fricção) e emitindo um forte brilho. Explodindo e fragmentando-se como nos mostra a imagem seguinte (2).

 

11b.jpg

2

E desaparecendo depois de explodir e desintegrar-se

 

Com todo este episódio envolvendo mais um objeto celeste vindo do Espaço profundo (provavelmente um fragmento de um cometa/asteroide) e um dia tendo na sua rota (talvez como estação, talvez como apeadeiro) o planeta Terra, pela sua dimensão e irrelevância (como se fosse apenas mais uma das nossas Estrelas Cadentes de Verão) a ser desvalorizado pelas autoridades russas (não existindo impacto) e a nem ser sequer submetido ao IMO (Organização Internacional de Meteoros). E como THE WATCHERS também refere, suscitando desde logo especulações na Web com a chegada (inevitável) dos Teóricos da Conspiraçãosendo apenas mais uma comum Bola de Fogo/Estrela Cadente.

 

(dados: The Watchers ‒ imagens: Информационное агентство "Волгоград News"/youtube.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:38
Sábado, 14 DE Outubro DE 2017

Depois de Watergate o Pokemongate

Russian trolls used Pokemon GO to incite violence in the USA

(Chris Burns/slashgear.com)

 

DL9wIJxWAAE9SJf.jpg

O Boneco no centro do POKEMONGATE

(tal como há mais de 50 anos um grande escândalo politico agora c/intervenção de Bonecos)

 

Aproveitando toda a experiência recolhida durante um grande Evento político iniciado no ano de 1972 (envolvendo então o 37º Presidente dos EUA o Republicano Richard Nixon ‒ renunciando ao seu mandato em 1974 como consequência do caso Watergate) e sugerindo mais uma vez que a nossa capacidade de reflexão e de decisão depende apenas da informação transmitida pelos canais de comunicação oficiais e devidamente certificados (por um lado classificando-nos como estúpidos ou indiferentes e por outro lado confirmando-nos onde verdadeiramente está o Poder), as grandes corporações e conglomerados que no presente dominam tudo o que se passa e que se movimenta nos EUA (e indiretamente no Resto do Mundo) ‒ com esse Poder tendo no seu centro o conhecido e poderoso Complexo Industrial-Militar ‒ aproveitando o momento de transição (criado pelo momento de grande instabilidade suscitada pela surpreendente vitória de um Milionário ‒ que não um Político ‒ para o cargo de Presidente) e a sua neutralidade estratégica (para o Poder sendo indiferente estarem Democratas ou Republicanos na Presidência desde que não se coloquem em contramão), utilizam mais uma vez todos os seus canais e colaboradores disponíveis (de que Governadores, representantes da Assembleia e Senadores DEM ou REP são excelentes exemplos em constante atividade, ecoando posteriormente as suas afirmações e ações em grandes estações internacionais de Propaganda Política como a FOX e a CNN ‒ posteriormente replicados sem fim por toda a superfície terrestre) para aumentar ainda mais a confusão e para daí continuar a recolher grandes proveitos (de todas essas indecisões abrindo a porta a todas as prepotências): com o último parafuso lançado para o interior da Máquina já de si tão velha (por ultrapassada) como frágil (dada a idade) ‒ como se fosse um Relógio ao qual se deixou de dar corda, mas ainda estando ativo dado o badalo abanar ‒ pondo em causa a Geração mais nova (e assim condicionando o seu Futuro) através da aplicação de um plano dirigido (e Diabólico) utilizando simples Brinquedos ‒ se não fosse uma criação ocidental podendo-se pensar num Chucky (O Boneco Diabólico) mas na realidade sendo um outro mas de nome Pokemon Go.

 

Exclusive: Russian-linked meddling effort extended to YouTube, Tumblr and even Pokémon Go

(@CNN)

 

DL9pAzJXcAAC2U6.jpg

O Espião-Boneco e o Boneco-Espião

(Depois da Noiva de Chucky ‒ igualmente aparecendo aos pares ‒ uma nova Dupla Perigosa)

 

No fim desta última semana e curiosamente com uma sexta-feira 13 no calendário, com a estação norte-americana e de âmbito internacional CNN (desde sempre de clara orientação Democrata em oposição à FOX de clara orientação Republicana), a informar-nos da última interferência Russa (só agora revelada) envolvendo a manipulação das Presidenciais de 2016 (nos EUA e acabando por eleger surpreendentemente um Milionário ‒ logo sem nada de Política na cabeça), verdadeiramente escandalosa por envolver jovens (inocentemente jogando Pokemon Go) e problemas raciais (usando o jogo para incrementar os problemas raciais, segundo as autoridades norte-americanas promovidos por grupos como Black Lives Matter) ‒ mais uma vez numa ação concertada tendo como protagonistas Vladimir Putin e a Rússia e com os instrumentos de aplicação (e de execução do crime) a serem mais uma vez os experimentados hackers Russos (pelos vistos os melhores a par de chineses e norte-coreanos só depois vindo os norte-americanos e logicamente a NSA). Numa semana onde horas antes surgira um novo caso envolvendo um conhecido, divulgado e comercializado (a nível mundial) programa antivírus, na realidade com um nome suspeito (Kaspersky) e pelos vistos (mas só agora sendo descoberto) de origem russa (apesar de já ter sido fundadas há 20 anos): podendo ter durante todos estes anos todos e particularmente durante a campanha Presidencial Norte-Americana de 2016, colaborado com os espiões russos revelando informações confidenciais oriundas dos serviços secretos norte-americanas. Desde a também recente e ridícula informação dos 100.000 dólares investidos pelo Governo Russo na tentativa de manipular eleitores e desse modo os resultados das Presidenciais Norte-Americanas (quando se diz que os amigos de Hillary Clinton contribuíram com cerca de 1 bilião de dólares) e passando por outras denúncias (nunca confirmadas por terem origem em fontes anónimas) de cariz semelhante associando sistematicamente o Eixo do Mal (definido, redefinido e assim sucessivamente e segundo os seus interesses estratégicos, pelos norte-americanos ‒ honestamente o afirmando) ‒ integrando de momento Rússia, China, Coreia Norte e Irão ‒ chegando-se ao extremo de Utilizar os Videojogos como Potencial Arma Política. Em meados de Outubro de 2017 e passados 00 anos sobre o lançamento do primeiro jogo de Computador: desenvolvido em 1962 no MIT (Instituto Tecnológico de Massachusetts), lançado há mais de meio século e chamado Spacewar (numa criação de 4 jovens na altura seus alunos): antes um simples Brinquedo (como se fosse de plástico) hoje uma Arma Complexa (sendo mais que virtual). E só agora o descobriram 50 anos depois?

 

Et tu, Pikachu?

(Kevin Cluess/twitter.com)

 

Misogynists! The lot of them!

Pikachu is a Russian agent!! Great use of taxpayer $$$ and ten months of wasted time.

(Maine Antifa/twitter.com)

 

(imagens: Andrew Wyritch/twitter.com e The Incredible Sulk/twitter.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:46
Domingo, 13 DE Agosto DE 2017

Interferências Eleitorais

Russia Warns US Not to Meddle in Upcoming Elections

Russian FM Notes US Diplomats Involved in 'Illegal Activities'

(antiwar.com)

 

0 1OtWuKBb3-4bYncJ.jpg

Filas à porta de um supermercado (fechado)

Venezuela (2016)

 

Como se pode ver os EUA ainda são a maior potência mundial nem que seja para a brincadeira: para além do FLIPER de Imprimir (dólares) e do FLIPER de Disparar (balas) também nos brindando com o FLIPER de Imitar (palhaçadas) ‒ para além das impressoras (herdadas dos falsificadores) e das pistolas (herdada dos gangsters) tendo também uma componente psíquica (e subliminar) dando emprego ao bobo da corte, usufruto à realeza e certificado de porte aos restantes (antes de arma agora de canudo). Com outros a os seguirem (russos para se rirem) e ainda outros a aproveitarem (chineses para venderem) ‒ e com a Europa como sempre, a banhos neste período, entre o areal e o mar e ainda com alguns fugitivos (migrantes correndo pela vida sem tempo para parar).

 

With Russian regional elections just a month away, Foreign Minister Sergey Lavrov is doing what is seen as virtually obligatory these days, angrily warning other nations not to meddle in the elections. In Lavrov’s case, his warning was aimed squarely at the US.

 (antiwar.com)

 

1060x600-4a8d0d17696ccd2edcf8a00be852f761.jpg

Sergey Lavrov pedindo aos EUA

Para não interferir nas suas próximas eleições (internas)

 

Pelo que nesta Estação Idiota em que todo o Hemisfério Norte está mergulhado no Verão (principalmente uma estreita faixa nas imediações do equador), tudo é mesmo possível nem que seja por reflexão: e se os raios (solares ou cósmicos) ao impactarem a superfície da terra ou da água (cor preta e baça absorvendo, cor clara e brilhante refletindo) poderão ser absorvidos ou refletidos (pelo Mundo Mineral), também o mesmo poderá acontecer com as outras espécies (pertencentes ao Mundo Orgânico), replicando o observado por certeza (eficácia) e distração (prazer). Num tempo quente (temperaturas elevadas) e de asfixia (mental) propício à inconsciência e à inconstância como referência justificativa. Agora com os Russos avisando os Norte-Americanos contra interferências políticas e também eleitorais.

 

(imagens: activistpost.com e washingtonexaminer.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:19
Quarta-feira, 21 DE Junho DE 2017

Informar vs. Manipular

Qual é a Função do Jornalismo/Jornalista?

 

DCtz-bHXcAE7vdI.jpg large.jpg

The Times

(20.06.2017)

 

Ao ler a primeira página do diário inglês THE TIMES (de 20 de Junho de 2017) pode-se verificar imediatamente como o jornalismo nos dias de hoje abandonou a única função (objetiva) para o qual foi inicialmente criado ‒ INFORMAR ‒ para contra toda a deontologia moral e profissional do setor se transformar (trocando a sua sobrevivência financeira por contrapartidas aos seus acionistas) num mero agente intermédio (e subliminar) tendo como único objetivo MANIPULAR. Uma VERGONHA para o JORNALISMO e ainda maior para os JORNALISTAS ‒ que se pensam que o são mesmo que certificados, estão completamente enganados e crescentemente descredibilizados (é o que dá encostar-se aos políticos).

 

Senão vejamos dois títulos como sempre encomendados e mais uma vez dirigidos, um aos RUSSOS (ignorando fronteiras) e outro aos MUÇULMANOS (desprezando religiões):

 

RUSSIA threatens RAF and US air force Jets in Syrian stand-off

 

Jobless “lone wolf” held over attack on mosque

(Father of four had suffered mental health problems, say family)

 

No primeiro caso com um jato da Confederação Russa a fazer uma rasante a um avião de espionagem dos EUA (segundo fontes norte-americanas passando a uns escassos 1,5 metros de distância um do outro) ou não estivesse o avião norte-americano apesar de circular em águas internacionais a passar apenas a 40Km de Kaliningrado um enclave russo (também nas costas do Báltico) localizado entre a Polónia e a Lituânia (com os russos a afirmarem terem sido provocados antes). Deixando-nos a pensar como reagiriam os EUA se a Confederação Russa resolvesse fazer voos do mesmo tipo, a uns insignificantes 40Km da costa do seu país. Aqui transformando a ameaça oriunda do exterior e dirigida a um território próximo (assim me sentiria se visse desconhecidos a rondar a minha casa) no elemento Ameaçado e por outro lado considerando os residentes, por receio e como procedimento natural de defesa, o elemento Ameaçador.

 

No meu caso e como experiência real e pessoal tendo já interiorizado que se não marcarmos presença seremos sempre espoliados ‒ e sendo tudo uma replicação (do maior para o mais pequeno), ignorando a ação de vizinhos e a indiferença de muitos outros, sendo roubado tipo Ground Zero, só ficando mesmo com a casa e por ainda estar agarrada (paredes e tetos).

 

Já no segundo caso e desde que o referendo sobre a permanência da Grã-Bretanha na Comunidade Económica Europeia fora realizado (em 23 de Junho de 2016 e com a resposta a apontar para a Não permanência), num cenário talvez nunca esperado (mesmo pelos Conservadores), com o abandono estratégico de David Cameron (o primeiro responsável pela derrota) e a chegada da Ex subordinada e inexperiente Theresa May (não caberia na cabeça de ninguém estas eleições antecipadas), atirando pelo menos temporariamente o clima social, económico e político da Grã-Bretanha para um impasse perigoso por indefinido, podendo ter consequências imprevisíveis e agravando ainda mais a situação interna do país (e a sua imagem internacional, parecendo querer fazer companhia ao seu aliado norte-americano). Neste cenário agravando as contradições e podendo levar a extremos: como o de acusar como responsáveis pelo desemprego entre os britânicos a presença de muçulmanos no país e assim justificando como esperado (para não dizer natural) o ataque a uma mesquita.

 

Percebendo o jornalismo de hoje não como oriundo de um conjunto de indivíduos dedicados (como numa MISSÃO) a informar-nos de tudo o que viam e com os seus órgãos dos sentidos aí presentes experienciavam ‒ e logo aí se nos dirigindo, atingindo-nos diretamente como em vasos comunicantes, sem possibilidade de recuo e sem qualquer tipo de intermediário (no princípio, no meio ou no fim da linha) ‒ mas como mais uma função, cumprida por indivíduos certificados, apenas para servirem uns poucos. E enganando todos os outros a troco duma contribuição tal e qual um MERCENÁRIO.

 

“O Governo é liderado por um robot falante, apelidado ‘Maybot’, que de alguma forma conseguiu visitar a torre ardida na zona oeste de Londres [torre Grenfell] sem falar com um único sobrevivente ou trabalhador voluntário.”

(Jornal Económico/Christian Zaschke)

 

(imagem: thetimes.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:38
Sexta-feira, 07 DE Abril DE 2017

Caos, Ataque, Contra-Ataque, Atentado & Morte

[EUA, Síria, Terroristas, Suécia]

 

Preparando-se e já com uma desculpa para o caso de ser engano (utilizando preservativo e assim antecipando complicações):

 

The Tomahawk cruise missile is seen launched from the USS Porter vessel

According to US media, the strikes were carefully targeted to avoid hitting chemical weapons at the base.

(abc.net.au)

 

Enquanto nos EUA o Presidente recentemente eleito luta por sobreviver (internamente e todos os dias) constantemente encurralado por Democratas, Republicanos e agora até pelos Militares: e enquanto se mantiver esta indefinição, tudo será mesmo possível (tudo dependendo de Trump, do que disse/antes e do que fizer/depois).

 

8426836-3x2-940x627.jpg

Mísseis Tomahawk a caminho da Síria

(lançados de madrugada a partir do Mediterrâneo e nas proximidades de Chipre)

 

Nos EUA uma poderosa influência exterior às duas Câmaras Soberanas (Representantes e Senado) e à própria Administração Norte-Americana (atualmente instalada na Casa Branca e liderada pelo Presidente recentemente eleito), conseguiu ultrapassar mais uma vez o Poder da Sociedade Civil (fraco) colocando-o momentânea e estrategicamente nas mãos do Poder Militar (forte) – e que em vez de se servir (aproveitar a ocasião) como parece ter sucedido, devia servir quem lhes paga e lhes justifica a obrigação de servir – já que caso contrário não passariam de mercenários: num momento de total indefinição sobretudo no aspeto externo (a que não é a estranha a prioridade dada à politica interna e ao relançamento e desenvolvimento interno da América, logicamente secundarizando o poderoso e impaciente setor militar), num cenário em que parecia existir uma aproximação entre partes há muito afastadas e conflituosas (EUA/Rússia) e numa altura em que os EUA e os seus aliados começavam a interiorizar que talvez fosse melhor deixar por lá o ditador, face ao cenário que se adivinhava com toda aquela região entregue ao Exército Islâmico, à Al-Qaeda e ao Terrorismo Global – sem tempo para se pensar ou sequer reagir, com os EUA a acusarem o Presidente Sírio de ter dado um tiro no pé e como tal enviando uns mísseis para ver se davam cabo do outro (o que lavaria o ditador a cair).

 

The United States fired 59 Tomahawk cruise missiles at Syria overnight in response to what it believes was a chemical weapons attack that killed more than 100 people.

(nbcnews.com)

 

Com o ataque concretizado hoje dia 7 de Abril de 2017 a uma base militar do Governo da Síria obviamente sob o comando do presidente Bashar al-Assad – levado a cabo pelos norte-americanos através de lançamento de mísseis Tomahawk – ficou desde já demonstrado que neste momento quem manda efetivamente nos EUA não é o seu Presidente, mas um outro poder paralelo e cada vez poderoso assente nas principais Corporações Internacionais (Económicas e Financeiras) e simultaneamente suportado pelo cada vez mais influente Complexo Militar – uma estrutura com os seus tentáculos estendendo-se desde território interno (fazendo lóbi na Câmara dos Representantes e no Senado) até território externo por mais longínquo que seja (como o Médio-Oriente com o Iraque, a Síria e o Iémen) – para quem os diversos Presidentes e Administrações Norte-Americanas têm trabalhado nos últimos 55 anos:

 

“He further infuriated the military industrial complex over his refusal to support the Bay of Pigs invasion. JFK had every intention to bring home the combat advisors which meant no involvement in Vietnam and his intention to engage Russia in talks of nuclear arms control did not sit well with the manufacturers of the weapons of mass destruction.”

 

“The plot to kill JFK had its origins in two speeches the President made. The first speech was made 10 days following the failed Bay of Pigs invasion, and 10 days after a defiant JFK said “no” to the CIA, the Joint Chiefs, the Mafia and the Cuban refugees, by refusing to provide air cover for the invasion of Cuba by CIA trained Cuba refugees, JFK made the speech that put one of the final nails in his coffin.” (thecommonsenseshow.com)

 

Numa 1ªFase eliminando o único obstáculo que ainda permanecia no seu caminho impedindo a sua necessária Consolidação – John F. Kennedy (presidente de 1961/63);

 

Numa 2ªFase de aparente apatia interventiva por parte dos apoiantes desta estrutura, aproveitando estes a relativa acalmia política e o desinteresse por parte da opinião pública para se inserirem ainda mais nas estruturas do poder e alterar a sua estratégia e direção – Lyndon Johnson (63/69), Richard Nixon (69/74), Gerald Ford (74/77), Jimmy Carter (77/81) e Ronald Reagan (81/89);

 

Numa 3ªFase de consolidação do seu projeto e de decisiva expansão para outros territórios estratégicos – na defesa de interesses económicos e financeiros associados ao seu Plano Geral (Corporações/Militares) e podendo devido à presença de adversários (políticos) ser postos em causa (unilateralmente pelos detentores da preciosa matéria-prima em causa) – com os militares a tomarem a iniciativa e a assumirem o controlo da situação, invertendo o natural percurso da cadeia de comando (numa iniciativa não partindo do poder civil para o militar cumprir, mas com o destinatário a dar a resposta ainda antes do remetente se lhe dirigir) e atuando de uma forma independente mas conscientemente consentida pelo poder político, em nome da defesa da soberania e da manutenção da supremacia global dos EUA, passando ao ataque, invadindo, destruindo e massacrando o seu adversário – George H. W. Bush (89/93), Bill Clinton (1003/2001), George W. Bush (01/09) e Barack Obama (09/17).

 

s3.reutersmedia.net.jpg

Ataque dos EUA à Síria com 59 mísseis – Com o preço do petróleo a atingir um máximo

(apesar do nulo impacto do petróleo sírio, mas desde já com alguns a aproveitarem)

 

E se a 1ªFase (duração de 2 anos) se encerrou definitivamente com a eliminação do adversário e da 2ªFase (duração de 26 anos) já não restando nenhum presidente vivo ou ainda influente, convém recordar já no que diz respeito à 3ªfase (duração de 27 anos, sendo a mais longa, consistente e consolidante desse poder) que todos os anteriores e ainda influentes Presidentes norte-americanos continuam bem vivos e ativos (famílias e associados), ainda particularmente influentes por bem ligados à estrutura (apoiantes do complexo e de Washington) e mesmo com alguns deles transformados em verdadeiros subsídio-dependentes a não querem deixar (custe o que custar) o seu Mundo Tóxico e que nos vai matando aos poucos: aqui se destacando os Clinton seja Bill (eleito Presidente por 2 vezes – eleito e reeleito) ou Hillary (derrotada duas vezes por Barack Obama e Donald Trump), brutalmente afetados (financeiramente) na sua própria Fundação – a sua árvore do dinheiro podendo-os transformar em milionários (e que Trump destruiu).

 

Oil prices rose on Friday, trading near a one-month high after the United States fired missiles at a Syrian government air base, roiling global markets and raising concern that the conflict could spread in the oil-rich region.

(reuters.com)

 

Pelos vistos tendo-se iniciado agora uma 4ªFase de implementação e tentativa de generalização do processo (veremos se russos e os chineses estarão de acordo, já que da ONU nada se espera), aproveitando a subida inesperada de Donald Trump ao poder e a confusão (em parte indescritível e incompreensível) generalizada que ainda reina na América – com muitos a não quererem perder os direitos adquiridos há já mais de 1/4 de século (não só Democratas como Republicanos). Com o caos deliberadamente instalado pelos Democratas ainda não acreditando na derrota (tentativa de o fazer nas ruas e nas instituições representativas), com a luta imbecil entre Republicanos talvez nunca tendo acreditado na vitória (deixando o Presidente meio isolado), criando-se um ambiente propício para diversas iniciativas não obedecendo às cadeias de comando e justificadas pela urgência, tomadas seja por quem for mas sempre com questões duvidosas além do ato ilegal. E se alguém ainda esperava que um novo Presidente tudo poderia mudar, terá que constatar que provavelmente muitas das vezes a culpa não é dele, mas de alguém acima dele: será por omissão e por falta dessa declaração, mas certamente por precaução sobre o que lhe poderia suceder então (recordando como há 54 anos um Presidente interrompeu a função).

 

Nas últimas horas e com a nova convocatória do Conselho de Segurança com a Rússia a responder ao ataque levado a cabo ilegitimamente pelos EUA (sem autorização da ONU dado a origem do ataque ainda não estar determinado) e com os médias norte-americanos a sugerirem em tom de ameaça nova ação vinda da América:

 

Russia says U.S. strikes in Syria an 'illegitimate' attempt to distract from Iraq

U.S. officials say they are looking into whether Russia played a role in Tuesday's chemical attack

(cbc.ca)

 

E com a Suécia a ser o primeiro país a sofrer após o ataque norte-americano (desta madrugada) a uma base aérea da Síria (utilizada no combate ao ISIS/ISIL, Al-Qaeda e outros grupos de mercenários) – por curiosidade mal se deu o ataque (e por coincidência) militantes do Estado Islâmico parecendo conjugar esforços atacaram a região – talvez por se atrever a ser neutral neste conflito sem lei e com múltiplos abutres a satisfazer (e apesar de no seu território ter recebido mais de 150 mil refugiados):

 

A manhunt is underway after a lorry was ploughed into pedestrians in Sweden, killing at least three people and injuring several more. The vehicle was hijacked from a brewery before being used to commit the atrocity in Stockholm, being left partially embedded in the Ahlens department store. A large area of the Swedish capital was evacuated after what the Prime Minister called a “terror attack”, with public transport stopped and parliament put on lockdown.” (independent.co.uk)

 

(imagens: abc.net.au/reuters.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:44
Sexta-feira, 06 DE Janeiro DE 2017

As Cinco Pontas da Estrela-do-Mal

Rússia = China = Irão = Coreia Norte = Terrorismo Global

 

Hoje (dia 5 de Janeiro de 2017 numa audiência no Senado comandada pelo republicano John McCain) fiquei a saber através de afirmações de um dos responsáveis pelo Departamento de Defesa de Estado dos EUA ainda sob o comando do 44º Presidente Barack Obama (Donald Trump tomará posse como 45º Presidente a 20 de Janeiro), que para o Governo Democrata comandando os destinos da maior potência económica e militar de todo o Mundo nos últimos oito anos (durante os dois mandatos de Obama), as maiores ameaças para a Segurança e Integridade dos EUA segundo os seus teóricos e aplicadores são: a Rússia, a China, o Irão, a Coreia do Norte e (para não dizer que são só estes e naturalmente podendo estar outros igualmente implicados) o Terrorismo Global (para não se falar sempre do Estado Islâmico e da Al-Qaeda) – e já com a Índia a caminho.

 

USA_Location_map.jpg

Mapa:

Os Estados Unidos da América (5% da população e 6% da área) e o Resto do Mundo

 

Confirmando assim que toda a estratégia de liderança conscientemente levada a cabo por toda a Administração Norte-Americana trabalhando sob as ordens do ainda Presidente Barack Obama, não foi uma obra do acaso ou de qualquer intervenção Divina (como afirmava G. W. Bush juntando-se com DEUS e com os EUA numa Santíssima Trindade), mas apenas a continuação de um plano desde há muito em curso e apenas numa outra fase da sua inevitável aplicação (sequencial): por um lado tentando dar um aspeto mais humanista (político) e como tal moralmente justificativo (religioso) a todo o tipo de intervenções mais urgentes e necessárias – tanto a nível interno como externo e tendo em conta os interesses dos EUA (e logicamente das suas Corporações e das suas Elites) – levadas a cabo ao longo de décadas, provocando milhares e milhares de vítimas e disseminando-se com consequências negativas um pouco por todo o Mundo (de que o prémio Nobel da Paz de 2009 atribuído a Obama foi o seu ponto Humanista inicial, mais alto e talvez final); mas por outro lado persistindo na utilização máxima e sem qualquer tipo de possibilidade de recuo da sua megaestrutura nuclear de suporte em que se baseia e assenta todo o edifício de poder nos EUA (os militares e todas as agências de segurança públicas ou privadas que para e com eles trabalham, como a CIA, o Pentágono, a NSA e até o FBI – entre muitas outras equiparadas a paramilitares) e desse modo, demitindo-se da sua responsabilidade de intervenção política (no sentido de obrigatoriamente servirem os cidadãos que os elegeram), optando contra todas as expetativas (pelo menos por parte dos poucos mas influentes que ainda acreditavam neles) por tudo aquilo nunca antes dito nem sequer sugerido, da mera continuação do Status Quo, do caminho até aí percorrido e dos seus únicos objetivos – o de manter a qualquer preço a sua Supremacia Global. Com Obama ou com Trump.

 

Lado

(da

Barricada)

Países

(do

Eixo)

População

(comparada ao total mundial)

Área

 (comparada ao total mundial)

Eixo

do

Bem

 

EUA

 

5%

 

6%

Eixo

do

Mal

Rússia, China, Irão, Coreia do Norte (e índia)

 

42%

 

21%

(provisoriamente

não categorizados)

(restantes

países)

 

(53%)

 

(73%)

(não contabilizando o EI e a Al-Qaeda numa criação contraditória e acessória atribuída ao Eixo do Bem)

 

Num Mundo hoje dominado por uma única grande potência como ainda o é os EUA (na sua essência devido ao seu investimento militar e aos triliões direta ou indiretamente aí aplicados nessa área estratégica, de dominação e de manutenção da supremacia global), que graças ao seu crescimento exponencial desde que o mundo optou pela solução dos seus problemas recorrendo à Guerra (em vez da Paz) e à sua Indústria extremamente lucrativa e associada ao poder Militar (não só a da indústria de produção de armas mas incluindo outras áreas interligadas muitas delas dirigidas sem controlo e originando circuitos paralelos de troca e de tráfico ilegal) – com maior evidência e impacto desde a II Guerra Mundial mas sobretudo desde o colapso da U.R.S.S. e o fim do contrapeso (necessário ao equilíbrio da balança) – ainda se acha no direito de impor aos outros as suas ideias (as melhores) e nem sequer os ouvindo (sejam boas ou más as suas ideias) por um lado nem sequer reconhecendo a sua existência e pelo outro e contraditoriamente à sua aparente inexistência sendo convidados a tomar partido se não quiserem mesmo nunca terem existido (para isso servindo a guerra levada a cabo nos Media). Colocando-se de um dos lados da barricada (do Bem) e colocando todos os outros opondo-se ou ignorando-os, do lado oposto da mesma (do Mal): com toda a Europa seguindo-os tal e qual como obedientes cordeirinhos (a caminho do matadouro) e com muitos outros contestando a obediência (cega) e restantes obrigações, a prestar àqueles que se acham nossos donos, patrões e novos Mestres (esclavagistas) deste Mundo. Hoje com o Lado do Mal a agrupar países/organizações como a Rússia, a China, o Irão, a Coreia do Norte, o Estado Islâmico e a Al-Qaeda, descartados para já os países aderentes aos BRIC querendo ser independentes (não alinhados) e escolhendo o seu futuro por si: com a África do Sul já num caos, o Brasil bem mergulhado nele e faltando apenas a Índia (já começando a ser mencionada como um futuro aderente ao outro Lado o do Mal).

 

Tendo no nosso vizinho (talvez mesmo no nosso grupo) um potencial inimigo (devendo como nós, ter uma arma na mão).

 

(imagem: mapsofworld.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:36
Domingo, 01 DE Janeiro DE 2017

Alerta de 1 de Janeiro de 2017

Rússia Ameaça a Rede Elétrica Norte-Americana

 

Trump-Putin-341.33x256.jpg

“Russian operation hacked a Vermont utility, showing risk to U.S. electrical grid security.”

(The Washington Post – 31.12.16)

 

Segundo o jornal diário norte-americano The Washington Post uma Companhia Elétrica Norte-Americana localizada no estado do Vermont e supostamente ligada à Rede Elétrica dos EUA foi recentemente vítima de mais um ataque levado a cabo por piratas informáticos desconhecidos, mas que pelo vírus detetado e responsável pela infeção do programa se revelou idêntico ao anteriormente detetado no ataque aos Democratas durante a recente campanha presidencial (eventualmente segundo a CIA e o FBI – mais favoráveis aos Democratas): com a Rússia e com Putin na origem do atentado.

 

Peguem num portátil e coloquem-no numa empresa;

 

Os especialistas do FBI e da CIA após denúncia particular e aprofundada análise coletiva das provas e outras evidências recolhidas (pela origem credível, indesmentíveis) descobriram um computador portátil utilizado pela respetiva Companhia Elétrica atacado pelo mesmo vírus (utilizado habitualmente pelos russos) que, se tal (vírus) viesse a ser introduzido e se espalha-se por toda a grelha elétrica norte-americana poderia não só afetar o estado (de Vermont) mas todos os estados do EUA – podendo fazer colapsar integralmente toda a rede e colocar os EUA completamente às escuras.

 

Metam-lhe um vírus e chamem o chefe;

 

Face a mais este atentado terrorista levado a cabo pela Rússia sobre as ordens de Putin e em território norte-americano, inesperadamente contando ainda com o apoio tácito do seu boneco concessionado para atuar a partir de 2017 no território dos US (obviamente Trump), levando o próprio Governador do Vermont na defesa do seu estado e da integridade e soberania do seu país, a indignar-se e a intervir face à Ameaça Russa: tão perto de 2017 nomeando Putin como um dos maiores bandidos da atualidade e acusando-o (talvez como eletricista) de querer rebentar com a rede elétrica nacional (talvez com um curto-circuito).

 

Acusem os russos e chamem a polícia.

 

E como existem muitos média que em vez de contarem fatos optam conscientemente (ou seja por dinheiro) por obras de ficção (as drogas vendem-se bem), não admira que mesmo depois de exposto todo o ridículo e o oportunismo cínico desta miserável situação, de novo os mesmos hipócritas pensando com a sua masturbação (pseudointelectual) satisfazer-nos a nossa mente (como se fosse um adubo), insistam na sua versão mesmo que falsa, falsa e falsa. Sabendo-se ser um simples portátil, sem dados relevantes e nem sequer ligado ao sistema (à rede).

 

E então o prémio será?

 

[Quando a 4 de Outubro de 2015 se realizaram as Eleições Legislativas em Portugal – e que deram origem a um Governo liderado por um partido não vencedor aliado a outros partidos igualmente derrotados (segundo a noção até aí certificada, não dando acesso ao poder) – a Europa (mais uma vez) e o Resto do Mundo (por conformismo) não conseguiram identificar o sinal claro do que aí vinha: o BREXIT, a vitória de TRUMP e para finalizar (em beleza e à portuguesa) a eleição de GUTERRES.]

 

(imagem: editplatter.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:41
Sexta-feira, 30 DE Dezembro DE 2016

Um Mundo Perdido no Tempo

Apesar de todo o Espaço que nos compõe e rodeia

 

58657633c46188305c8b45c9.JPG

Aleppo a 25 de Dezembro de 2016

Numa Sociedade destruída por adultos onde as Crianças poderão ser a única Esperança

(imagem: Khalil Ashawi/Reuters.com/rt.com)

 

Quando assistimos à assinatura do acordo triplo estabelecido entre a Rússia, o Irão e a Turquia no sentido de em colaboração com o regime governamental sírio e as forças rebeldes e de oposição chegarem a um acordo para pôr fim ao conflito instalado há já 5 anos na Síria, para além do que de bom ou de mau possa advir do acordo agora alcançado e que todos esperam vir a ser desenvolvido o mais rapidamente possível, a pergunta que toda a gente se coloca e que pelos vistos nunca parece ter resposta (pense cada um o que pensar sobre o assunto) será: mas afinal de contas qual é o verdadeiro papel da permanência dos USA nesta região?

 

Numa repetição tornada banal de muitos outros conflitos armados contando com a participação dos US, uma vez mais, face ao tempo decorrido e sabendo-o sem solução à vista, os norte-americanos saem de novo derrotados na sua estratégia de intervenção e no seu objetivo de manutenção da supremacia global: tal como na sua derrota na Guerra do Vietnam ainda no século passado (1959/1993) abandonando os seus aliados, entregando-os aos seus inimigos e iniciando também aí (danos colaterais) o engrandecimento da China.

 

Agora numa negativa e vergonhosa demonstração de força física e moral, já que depois de mais de 5 anos de Guerra Civil Síria sem nada acontecer senão mais morte e destruição e sabendo-se da forte intervenção dos US na região (armamento) contando com apoio turco (criando portas) e saudita (financeiro), se vêm numa posição ridícula e confrangedora de continuarem envolvidos num conflito onde já não são parte senão em certos guiões: como o poderá ser o da ONU mas que eles tanto desprezam.

 

Cessar-Fogo na Síria

A Melhor Notícia de NATAL

 

snapshot 1.jpg

 

snapshot2.jpg

snapshot.jpg

Sem problemas de mostrar ao mundo a felicidade das crianças sírias

Mesmo com imagens oriundas de uma estação russa comandada por Putin

(Maria Finoshina/rt.com)

 

Já no século XX (e entre outras) com a Guerra do Afeganistão (iniciada em 2001), com a Guerra do Iraque (iniciada em 2003), com a Guerra na Líbia (iniciada em 2011) e com a Guerra contra o Estado Islâmico (iniciada em 2014) e envolvendo diretamente a Síria, todos vistos como exemplos de Vitória (dos US e seus aliados) e no entanto pelas suas consequências contínuas e persistentemente dramáticas (até para a aparentemente longínqua Europa) evidentemente registadas como clamorosas Derrotas (terríveis por também o serem morais).

 

E assim no final do ano de 2016 e a cerca de 3 semanas da saída de Obama e da entrada de Trump (respetivamente como ex-Presidente e Presidente dos USA – o que o 1º parece não ter ainda entendido muito bem), assistimos a mais um episódio deprimente de mais uma Administração Norte-Americana de saída e desrespeitosa (principalmente para aqueles que representam e votaram neles), tentando torpedear Trump e o seu futuro Governo (na sua ação face aos russos e a Putin) e no entanto esquecendo-se do seu fabuloso fracasso (talvez criminoso – afinal de contas Obama tal como Kissinger/associado a crimes de guerra no decurso da conflito no Vietnam, recebeu um Nobel da Paz) – o último e brutal na Síria.

 

snapshot3.jpg

Finoshina has been covering the Syrian conflict visiting the war zone with the Syrian military.

 She has even interviewed militants from Islamic State.

(rt.com)

 

Ficando-se agora à espera da cerimónia de tomada de posse do novo Presidente dos USA (enquanto Obama se vai entretendo a expulsar russos enviando-os para junto de Putin) para confirmarmos se ao contrário do pretendido pelos Democratas e conforme afirmado por aquele que será Presidente a 20 de Janeiro – mas dito antes de ser eleito – a atitude perante a Rússia mudará, aceitando-os para o diálogo, para novas conversações e talvez para outro e renovado equilíbrio mundial. Mesmo com os Estados Unidos por cima mas reconhecendo outros eixos e o seu real poder (como a Rússia e a China). Até lá com águas revoltas de base aleatória (democrata) que tanto poderão dar em nada (umas expulsões de agentes) ou então em algo de mau (na morte do boneco).

 

E nunca se esqueçam que os Sírios são Gente como Nós.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:05
Terça-feira, 20 DE Dezembro DE 2016

Contra-Ataque do EI

Com a América a Mudar e a Europa sempre no Caminho

(agora Berlim)

 

“Russia’s ambassador, Andrey Karlov, 62, was shot and killed in the Turkish capital while delivering a speech at an exhibition hall on Monday. The man who assassinated the Russian diplomat was identified as a 22-year-old Turkish riot police officer.” (rt.com)

 

585820ca1c00000a070ec5a3.jpeg

Segurança que terá assassinado a tiro e pelas costas o embaixador da Rússia na Turquia

 

Numa resposta imediata à entrada das forças do exército sírio apoiadas pela força aérea russa na cidade martirizada de ALEPPO (falando da inocente população civil apanhada entre forças pró-russas apoiando o ditador Bashar al-Assad e pró-norte-americanas apoiando os terroristas do Exército Islâmico), um dos lados como sempre escondendo-se atrás dos seus associados no terreno e desse modo aparecendo de uma forma aparentemente inocente como uma terceira parte neutra e negociadora, acaba de cumprir a ameaça velada e recentemente veiculada pelo seu ainda representante máximo (Barack Obama) como resposta à pretensa intromissão russa e do seu presidente (Vladimir Putin) nas Eleições Presidenciais dos EUA (apoiando Donald Trump e minando a campanha de Hillary Clinton): sugerindo através de uma expressão bem explícita (para quem o quis ouvir e face à evolução registada em Aleppo) que a Rússia não teria que esperar muito tempo até ter uma resposta apropriada executada por parte dos norte-americanos.

 

E como a voz do dono chega sempre e em primeiro lugar aos seus súbditos mais leais (fundamentalmente aos mercenários que aceitam matar por dinheiro para a concretização de uma ideia que nem é sua) eis que os executores o ouviram e passaram de imediato às ação (entendendo que a autorização superior tinha-lhes efetivamente sido dada). De imediato surgindo nos noticiários de todo o mundo e ainda antes de terminar o ano (ainda-por-cima na quadra natalícia e nas vésperas de mudanças radicais na administração norte-americana) o atentado em Aleppo, o assassinato do embaixador russo e finalmente (para já) o atentado em Berlim.

 

585820cb1800002c00e43705.jpeg

Gritando palavras de ordem com o embaixador russo já morto e prostrado a seu lado

 

Nestes três episódios de mais esta série violenta e mortal envolvendo dois grupos poderosos e fortemente armados (aplicando-se intensamente sobre um território e população indefesa de modo a mantê-los subjugados) e tendo como protagonista evidente e dedicado o Estado Islâmico (do outro lado estando Bashar), com estes últimos a ameaçarem de morte a população síria (em fuga de Aleppo e entalados entre forças do Governo e terroristas), a Rússia (apoiando o inimigo centrado na figura de Bashar) e todos os outros que de uma forma ou de outra não os apoiando, naturalmente estarão contra eles sendo como consequência óbvia infiéis a abater (à sua causa se é que existe alguma senão a manutenção da supremacia dos grandes interesses e das grandes potências): o Ocidente e sobretudo a Europa.

 

Com o Mundo a ter que se sujeitar à apresentação de episódios como este, como se já não soubéssemos que se tornou banal, matar qualquer homem que seja: esteja ele na base ou no topo mas desde que contrarie alguém. Um verdadeiro retrato da nossa condição atual: sem valores a não ser o dinheiro. Deixando-nos perplexos por ninguém nada fazer (com poder para tal) mesmo com a carruagem a continuar a rolar impávida e serena em direção ao abismo.

 

[Com a Alemanha a utilizar a Europa sem usar preservativo: lixando-nos e lixando-se a ela.]

 

(imagens: huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:25

pesquisar

 

Janeiro 2018

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
17
18
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

Posts mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro