mais sobre mim

Quarta-feira, 25 DE Maio DE 2016

Matar para ser Herói

“O que nos faz pensar não são as Ações dos adeptos da Guerra, da Violência e da Morte.

Mas as Não Reações daqueles que se dizem adeptos da Paz, da Solidariedade e da Vida!”

 

Mais uma grande vitória Ética e Moral da nossa exemplar Civilização Ocidental (na realidade uma provocação a todos os jornalistas até agora assassinados um pouco por todo o mundo), agora que mais um assassino de jornalistas foi finalmente libertado, para ser posteriormente condecorado e transformado num herói.

 

nadiya-savchenko.jpg.size.custom.crop.1086x643.jpg

Nadezhda Savchenko

(Heroína na Ucrânia)

 

Num novo episódio da Guerra Civil na Ucrânia (a decorrer deste 2014) a estação russa por satélite RT tem vindo a divulgar durante a manhã desta quarta-feira-25 a realização de uma troca de prisioneiros entre a Ucrânia e a Rússia.

 

Um membro do exército ucraniano detido e condenado na Rússia, seria trocado por dois cidadãos russos não combatentes condenados na Ucrânia: o primeiro por consciente e deliberadamente ter redirigido as suas baterias contra dois jornalistas russos presentes na altura nesse cenário de guerra e apresentando-se claramente identificados como jornalistas da RT e os segundos por se terem recusado a servir de espiões russos ao serviço da Ucrânia sendo de imediato acusados de espionagem, condenados e presos.

 

Tendo como duas curiosidades bem indicativas daquilo que cada um deles representa para cada um dos países intervenientes nesta troca de prisioneiros, que no primeiro caso estamos a falar de NADEZHDA SAVCHENKO a primeira mulher-piloto de helicópteros do exército ucraniano (tendo já combatido no Iraque, fortemente pró-Governo e tendo participado ativamente no conflito agora parcialmente interrompido no leste da Ucrânia), enquanto do outro lado temos dois cidadãos russos praticamente desconhecidos – Evgeny Erofeev e Aleksandr Aleksandrov – inicialmente representados (pelo menos um deles) por um advogado ucraniano que primeiro aceitou defende-lo(s), depois reconheceu o seu erro abandonando-o(s), para finalmente ser encontrado morto a 100Km da capital da Ucrânia.

 

Mas o que é mais triste para qualquer cidadão tendo nascido no interior da nossa Civilização Ocidental é que tudo isto se passa nas costas de todos os cidadãos e no segredo daqueles que porventura verdadeiramente deviam ser chamados ao banco dos réus. Não entendo como esta campanha para a libertação do piloto ucraniano tenha também sido assumida pelos Europeus e pelos Norte-Americanos, quando no fundo neste caso o piloto atuou como um verdadeiro mercenário, assassino e criminoso ao deliberadamente matar jornalistas – que certamente e ainda por cima sendo mulher será entronizada como heroína Ucraniana, ao serviço do poder agora instalado em Kiev. Por outro lado também não compreendendo (de todo) a atuação da Rússia neste caso, ao permitir que alguém excedendo os seus poderes profissionais (mesmo que militares) e que assassinou a sangue-frio e sem qualquer tipo de justificação (além de na sua identificação aparecer RT) dois jornalistas no exercício da sua profissão, possa ser libertada. E na Ucrânia condecorada.

 

Num Mundo Muito Triste e cada vez com Menos Esperança, onde todos aqueles que nos dizem representar e defender não param na verdade e sem interrupção de nos tentar prostituir – como verdadeiros proxenetas que são.

 

gate.jpg

Aeroporto Internacional de Donetsk

(Destruição na Ucrânia)

 

Será que as pessoas ainda se recordam do Europeu de 2012 organizado em conjunto entre a Polónia e a Ucrânia – onde por sinal Portugal esteve presente atuando entre outros estádios no Dombass Arena em Donetsk Ucrânia nas meias-finais contra a Espanha (e no qual Portugal foi eliminado nos penaltis)? E do aeroporto por onde muitos ocidentais passaram?

 

Existindo sempre a Esperança de que ucranianos e russos não se aproveitem desta troca de prisioneiros, para apenas se justificarem e continuarem esta Guerra em vez de se entenderem e assumirem a Paz. E desejando que EUA e EUROPA não se intrometam mais uma vez – caso contrário mais cedo ou mais tarde a Guerra estender-se-á a todo o Continente. E aí já nada adiantará identificar todos os seus verdadeiros autores (os criminosos escondidos).

 

(imagens: thestar.com e conflictreport.info)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:17
Segunda-feira, 04 DE Janeiro DE 2016

O Preço da Coisa

As duas faces da mesma moeda
(originada na mesma impressora)

 

56898538c361882e258b4607.jpg

O 1ºMinistro da Ucrânia Arseny Yatsenyuk é retirado da tribuna do parlamento ucraniano
(por um deputado do partido do Presidente Petro Poroshenko)

 

Enquanto o poder político, económico, financeiro, cultural e histórico da EUROPA continua a movimentar-se rapidamente entre os dedos cada vez mais escorregadios das nossas mãos (ao sermos ensinados unicamente a obedecer e a sobreviver em condições mínimas de dignidade), os conflitos externos crescem exponencialmente (na sua fronteira sul e oriental) e a inatividade interna só ajuda à sua propagação (contaminando todo o continente). E se a EUROPA já não existe como contrapoder é porque a mesma se pôs deliberadamente de lado e de uma forma suicida se autoexcluiu – ao ceder aos EUA o seu poder e representação (destruindo os Estados e cedendo-os aos Conglomerados) em troca sabe-se lá de quê.

 

E assim, desde que alguém o queira, é esta a nossa EUROPA: aqui representada pelo 1.ºMinistro da Ucrânia (colocado no cargo com a bênção EUA/EU) sendo levado ao colo no parlamento ucraniano por um deputado oposicionista (talvez representante de outro gang). Um Estado estilhaçado pela política atual norte-americana (ainda há poucos anos o país foi uma das sedes do Europeu de Futebol) provocatoriamente tentando criar nele um estado inimigo da RÚSSIA, preferencialmente numa situação caótica e mesmo nas barbas (fronteira) deles. Tal como no Médio Oriente cujos resultados conhecemos (onde tem sido implantada a teoria da Terra Queimada – criando um Monstro do Bem/Arábia Saudita para combater o Monstro do Mal/Irão).

 

(imagem: Sputnik/RT)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:13
Quarta-feira, 24 DE Junho DE 2015

Presidente declara-se Ilegal

"I ask the court to acknowledge that the law 'on the removal of the presidential title from Viktor Yanukovych' as unconstitutional."
(Petro Poroshenko – Presidente da Ucrânia)

 

Poroshenko.jpg

Petro Poroshenko

 

Aumentando ainda mais a confusão instalada na UCRÂNIA, o actual presidente desta antiga região integrando a extinta URSS (Petro Poroshenko), vem agora declarar que a remoção dos antigos títulos (e logicamente estatutos) do seu antecessor (Viktor Yanukovych) é inconstitucional (ou seja ilegal).

 

O que não deixa de colocar todo o mundo de boca aberta (especialmente aqueles que do exterior patrocinaram o golpe, investindo no mesmo 5 biliões de dólares), confundindo ainda mais intensamente a opinião pública internacional (instrumentalizada diariamente pelas fontes privilegiadas dos novos donos do mundo): posta perante um cenário sem alternativa de prossecução da luta entre as forças do Bem e as forças (tantas vezes identificadas com o Eixo) do Mal.

 

O que nós (ocidentais) sabemos até agora, é que a Rússia invadiu a Ucrânia, anexou a província da Crimeia, apoiou os rebeldes das províncias de leste e pelo meio abateu um avião cheio de passageiros (matando-os a todos com um míssil). O Ocidente por seu lado e estrategicamente apoiado pelos Estados Unidos da América (através da NATO), depois de ter apoiado uma transição democrática e tranquila (a bem), apenas tomou a iniciativa de apoiar os golpistas (a mal), por achar ser essa a única solução viável.

 

De um lado a personificação do Bem na pessoa do actual presidente da Ucrânia (e dos seus apoiantes internos e externos), do outro lado a personificação do Mal na pessoa do actual presidente da Rússia. Só que agora com estas declarações de POROSHENKO tudo muda: "I ask the court to acknowledge that the law 'on the removal of the presidential title from Viktor Yanukovych' as unconstitutional". Pondo com esta afirmação todo o processo em causa (desde o Golpe de Estado), até a sua própria legalidade como Presidente.

 

O que poderá estar aqui em causa não será tanto a preocupação com a legalidade de todo o processo que levou à destituição de YANUKOVYCH, mas a própria sobrevivência do actual presidente Poroshenko: ele sabe que se para o anterior presidente essa obrigação tivesse sido respeitada, mantendo-a futuramente ainda poderia sonhar em preservar o seu cargo no futuro próximo (e sem perigo de vida). Mas as crescentes e poderosas pressões exercidas pelos sectores de direita radicais ucranianos sobre o seu Presidente, empurrando-o para novas confrontações com a Rússia contando para isso com o apoio militar norte-americano, não prenunciam um grande futuro para aquela região do leste da Europa, fazendo fronteira com uma potência como a Rússia e tendo do outro lado toda a Europa.

 

Entretanto as sanções impostas pela Comunidade Económica Europeia à Rússia mantêm-se até ao final deste ano (por recomendação norte-americana), enquanto que os alemães vão continuando a perder milhões e os mesmos norte-americanos continuam com muitos dos seus negócios com a Rússia. Em mais um episódio de crimes de guerra contra populações indefesas, em que todas as partes (a Ocidente e a Oriente) são culpadas (menos essas mesmas populações, as únicas vítimas).

 

(imagem – Web)

tags:
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:17
Segunda-feira, 23 DE Março DE 2015

Instrumentos de Pacificação

Para se entender melhor as repercussões que uma intervenção graciosa e humanitária levada a cabo pela única potência militar global existente à face da Terra (actualmente os EUA) pode provocar. Em qualquer tipo de sector ou de actividade.

 

Ukraine world's 4th largest arms exporter in 2012
(According to SIPRI/Stockholm International Peace Research Institute)

 

images.png

Armamento

 

Basta informar-se e querer tomar conhecimento do caso recente da evolução política e militar registada na Ucrânia, que de quarto maior exportador mundial de armas em 2012 desapareceu instantaneamente e como se de um acto de bruxaria se tratasse desta poderosa lista VIP, nem sequer dispondo do armamento mínimo necessário para se defender duma rebelião interna, ainda por cima prévia e conscientemente importada (tendo por um lado o Ocidente/Kiev, pelo outro lado a Rússia/Rebeldes e com o povo inocente pelo meio).

 

The Top 10 Arms Exporters – 2009/2013
(According to SIPRI)

 

01. EUA
02. Rússia
03. Alemanha
04. China
05. França
06. Reino Unido
07. Espanha
08. Ucrânia
09. Itália
10. Israel

 

Como se pode constatar qualquer tipo de intervenção vinda de territórios exteriores terá sempre repercussões e um determinado custo para os territórios interiores intervencionados. Com as repercussões e custos a poderem ser extremamente agravados, a ponto do intervencionado ser obrigado a ceder o que de mais importante tem: a sua independência, a sua soberania e finalmente o seu povo – escravizando-o sem condições às mãos dos interesses estrangeiros. E enquanto o mundo se vai entretendo entre conflitos e guerras, mais ou menos gravosos, mais ou menos mortais e até porventura criminosos (ainda há-de chegar o dia em que serão levados a tribunal), a vida lá continua (banalizada) e o burro somos nós (os crentes).

 

Global Arms Sales Climbing
(The Wall Street Journal – 16.03.2015 – wsj.com)

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:18
Terça-feira, 10 DE Fevereiro DE 2015

Violenta explosão em Donetsk

EXPLOSÃO – DONETSK – leste da UCRÂNIA

 

A explosão provocou momentaneamente um grande clarão (parecendo provocar o aparecimento de um típico cogumelo), chegando a ser registado (devido à sua extrema violência) por satélites ao serviço da NATO. Mas nas notícias (quase) nada.

 

20150208_donetsk.jpg

Explosão registada no dia 8 de Fevereiro na região de Donetsk
(pouco antes das 21:00 de Lisboa)

 

No passado Domingo dia 8 de Fevereiro e pouco antes das onze horas da noite (locais), a região em torno da cidade rebelde de Donetsk localizada no leste da Ucrânia (região vizinha da Rússia) foi abalada por uma explosão de tal forma violenta, que após o aparecimento de um grande clarão luminoso que por poucos segundos iluminou toda a noite, ao mesmo se seguiu o efeito provocado por três ondas de choque consecutivas (bem audíveis) e com a última a ser aquela que teve mais impacto (destruindo janelas de edifícios). Segundo representantes dos rebeldes a explosão terá ocorrido perto da aldeia de Peski, numa zona onde aparentemente estaria instalada uma fábrica (do estado) de produtos químicos.

 

donetsk3.jpg

A mesma explosão de 8 de Fevereiro em Donetsk
(aqui detectada pelos satélites da NATO)

 

As versões para o sucedido vão desde uma inocente e inesperada explosão numa fábrica de produtos químicos, até a um míssil deliberadamente dirigido para o interior da zona rebelde – e que terá atingido a dita fábrica (por sinal um míssil idêntico aos utilizados pelo exército ucraniano). Recorde-se que na Ucrânia decorre uma Guerra Civil não declarada, tendo por um lado as actuais autoridades no poder (fortemente apoiadas pelos EUA e por movimentos extremistas de direita com fortes ligações ao poder), por outro lado os rebeldes separatistas (fortemente apoiados pela Rússia e pela imagem libertadora da Crimeia) e no meio de ambos, as vítimas deste genocídio (a população ucraniana): uns olhando para o caos instalado em Kiev e outros observando compatriotas seus a serem (desde já) assassinados.

 

Donetsk_explosion-620x350.jpg

Explosão registada na fábrica de produtos químicos na altura sob controlo dos rebeldes
(produtos provavelmente utilizados em armamento e cuja explosão – segundo Kiev – foi provocada por uma ponta de cigarro)

 

Tendo sido ocupada durante toda a sua história por diversos povos invasores (segundo estudiosos o território da Ucrânia é habitado há mais de quarenta séculos), a Ucrânia tornou-se num estado independente no ano de 1991, desligando-se definitivamente da URSS (em colapso) e procurando uma alternativa europeia (começando a virar-se para ocidente). Chegando a ter o terceiro maior arsenal nuclear do mundo (herdados da antiga URSS e entretanto desactivados), tendo organizado o último Europeu de Futebol em conjunto com a Polónia, a Ucrânia vê-se hoje à beira do seu colapso civilizacional, com uma economia falida e em total derrocada, assistindo sem nada poder fazer à destruição das suas infra-estruturas, ao desmembramento progressivo do seu território, observando ucranianos sem saberem porquê a matar outros ucranianos e até (talvez num ultimo suspiro da sua identidade) à fuga aterrorizada de quase 1.000.000 dos seus cidadãos, aos efeitos das armas diabólicas e mortais que os seus representantes (democraticamente eleitos) lhes reservaram. Para mim uns criminosos (com o número de vítimas a começar a equiparar-se ao registado no recente surto de Ebola).

 

(imagens – Web)

tags:
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:06
Quarta-feira, 04 DE Fevereiro DE 2015

Ucrânia

Só uma amostra do que se passa num país chamado Ucrânia

 

Desde logo temos que compreender que o povo ucraniano se encontra neste momento entalado entre dois blocos militares poderosos e irredutíveis: um deles controlado localmente pela Federação Russa, o outro comandado à distância pelos Estados Unidos da América. O que é certo é que neste momento o número de vítimas registadas na Ucrânia desde o golpe de estado que derrubou Víktor Yanukóvytch, já começa a ameaçar um dos mais recentes e miseráveis recordes mundiais (só possíveis de ocorrerem com políticos deste calibre): o número de mortos do último surto do EBOLA.

 

Mas tal como na altura, ninguém os avisou – ou não quiseram saber!

 

ng3914881.JPG

Ucrânia
Como em todas as guerras as vítimas são sempre os civis

 

Apenas num dos lados da Fronteira
(porque num conflito, no mínimo existem dois lados)

 

"It’s perfectly simple. You need to kill 1.5 million people in Donbass"

 

Ok, you ask me "How can this be happening?" Well, it happens because Donbass, in general, is not simply a region in a very depressed condition, it has got a whole number of problems, the biggest of which is that it is severely overpopulated with people nobody has any use for. Trust me I know perfectly well what I am saying.

 

If we take, for example, just the Donetsk oblast, there are approximately 4 million inhabitants, at least 1.5 million of which are superfluous. That's what I mean: we don't need to [try to] "understand" Donbass, we need to understand Ukrainian national interests.

 

Donbass must be exploited as a resource, which it is. I don't claim to have a quick solution recipe, but the most important thing that must be done - no matter how cruel it may sound - is that there is a certain category of people that must be exterminated.

 

Mas quem é o jornalista ucraniano Bogdan Boutkevitch?
Melhor ainda: quem representa a estação de TV da Ucrânia para a qual o referido jornalista trabalha, a HROMADSKE TV?

 

“Hromadske TV was funded in 2013 by the Embassy of the Kingdom of The Netherlands, the Embassy of the United States of America and by George Soros International Renaissance Foundation.” (Wikipedia)

 

Enquanto isso e tal como os norte-americanos, os russos continuam a desempenhar a sua parte (no guião e no elenco de mais um filme de guerra real).

 

(texto em itálico: Bogdan Boutkevitch/Hromadske TV – imagem: Sergey Polezhaka/Reuters)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:23
Terça-feira, 19 DE Agosto DE 2014

Ucrânia – A Nova Vergonha da Europa

Sentado no sofá como um morto-vivo mas de telecomando na mão, assisto indiferente ao que vai dando na TV: lá longe continuam as matanças, já com mais de dois milhares de mortos em Gaza e a caminho disso na Ucrânia. Mudo então de canal: mas não dá mesmo nada de jeito. É sempre o mesmo: quando queremos descansar só pensam em chatear!

 

Ucrânia

E se fosse a minha avó, a minha mãe, a minha filha, a minha neta, a minha família?

A qual delas teria eu o descaramento de atribuir a culpa?

 

Como é possível não termos um mínimo de dignidade e de vergonha, ao pactuarmos com estes actos horrendos e criminosos cometidos e consentidos por esta classe política europeia, que sempre nos jurou defender? Ainda por cima continuando a viver como se nada se estivesse a passar – nem fosse nada connosco – sossegadinhos e caladinhos no nosso cantinho, para que assim nunca reparem em nós!

 

Não podemos ignorar que fomos criados sob juramento dos ascendentes destes políticos miseráveis – e que desde sempre se comprometeram a oferecer-nos um mundo melhor (o mais próximo possível dos nossos sonhos) – perdoando-lhes invariavelmente os seus erros e falsidades muitas das vezes cometidos sem pudor e deliberadamente (por simples ausência de debate) e criando dessa forma e por nossa própria culpa, uma excepção que para eles se transformou instantaneamente numa regra: não respeitar o seu semelhante.

 

(imagem – USA TODAY)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:24
Terça-feira, 12 DE Agosto DE 2014

É Fácil Matar (se tiveres poder)

“Terrorista é aquele que toma parido por uma das partes em aparente conflito e não pela realidade: o povo”!

 

2012

Ainda se lembram do EURO 2012 organizado pela Polónia e pela Ucrânia?

 

 

A aguardar

 

No dia 27 de Junho de 2012 a selecção portuguesa de futebol disputava a meia-final do Campeonato da Europa de Futebol (entre selecções) contra a sua rival da Península Ibérica e Campeã Mundial a Espanha: a mesma selecção que nos eliminara no anterior Mundial de Futebol de 2010 – disputado na África do Sul (oitavos-de-final) – com um único golo de David Villa aos 63 minutos da segunda parte.

 

Desta feita a Espanha não marcou durante os 120 minutos (90 minutos de jogo mais 30 de prolongamento), mas no desempate por grandes penalidades acabou por impor a sua supremacia, qualificando-se para a final do torneio (onde goleou a Itália).

 

EURO 2012

Meia-Final

Ucrânia – Donetsk – Donbass Arena

Portugal – 0 Espanha – 0

(2-4 em penaltis)

 

2014

E da Guerra Civil na Ucrânia no ano de 2014 com a Polónia a assistir?

 

 

Em fuga

 

Por esta altura do ano de 2014 – apenas uns míseros dois anos após este evento de nível mundial (o EURO 2012) – a Ucrânia encontra-se mergulhada numa guerra civil declarada e assumida, entre as suas regiões ocidentais apoiadas pelos Estados Unidos da América e toda a região da fronteira leste com fortes ligações com a Rússia.

 

Com um número muito semelhante de vítimas ao actual genocídio praticado pelos israelitas na Faixa de Gaza – mas neste último caso num intervalo de tempo muito mais curto – o povo ucraniano vive hoje numa terrível e inesperada situação, na qual nunca acreditaria poder alguma vez vir a viver há ainda pouco meses atrás.

 

Mais uma vez a chegada dos USA a um determinado território – neste caso situado mesmo nas barbas dos militares russos e num ex-território da grande Confederação a reconstituir futuramente – provocou vítimas.

 

Com a Europa a ver de longe o filme norte-americano de longa-metragem sobre o seu Continente, como se (e como eles) estivesse do outro lado do mar: Hitler é agora uma mulher, o presidente norte-americano é Preto e (no meio desta vergonha) quem manda no mundo são os grandes conglomerados.

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:12
Quarta-feira, 06 DE Agosto DE 2014

A Europa que continue a provocar a Rússia

Rússia mobiliza 20.000 homens para a fronteira com a Ucrânia

(Título – RR)

 

 

Empurrados pelos interesses geoestratégicos norte-americanos (a nível global), os cidadãos europeus caminham heroicamente em direcção ao seu próprio abismo, ao provocarem a única potência capaz de esmagar e colonizar a Europa: a Rússia. Estilo – “Lá vamos cantando e rindo!”

 

Tal como já acontecera com a destruição da Jugoslávia – que se decompôs em estados colaterais – a Europa vê-se agora perante o cenário inacreditável da destruição dum estado europeu como a Ucrânia, ainda ontem local de peregrinação mundial para um Mundial de Futebol e actualmente mais um dos muitos palcos de demonstração da hegemonia militar e económica da ainda maior potência mundial: os USA.

 

Só que agora a provocação é máxima, com os Estados Unidos da América do outro lado do oceano Atlântico a servirem-se do argumento da NATO, para fazerem avançar as gloriosas e democráticas fronteiras ocidentais: adquirido o virtual apêndice ucraniano da empresa russa Gazprom, o poder (paralelo) privado norte-americano – cavalgando a Casa Branca, o Congresso e o Senado – ainda pensa que poderá impor aos russos a sua participação accionista (de controlo fundamental das fontes de energia mundiais).

 

Só que a Rússia poderá atingir o seu limite, não sendo de espantar (os contingentes de refugiados oriundos da Ucrânia em direcção à Rússia não param de aumentar) uma invasão próxima da Ucrânia: infelizmente uma consequência eminente e inevitável face aos procedimentos criminosos e nojentos de quem deveria existir para nos defender (e não para servir um) – a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

 

Não se esqueçam que as profecias dos novos tarólogos económicos (por todos adoptados como santos) prevêem que a crise veio para ficar e que nada será jamais como dantes.

 

Apesar de para muitos técnicos a Europa poder continuar aparentemente assintomática, o problema é que ela já poderá estar morta (numa projecção futura simulada e já em execução): o objectivo prioritário dos USA está na Ásia e nos seus principais derivados – a China e o seu aliado russo.

 

A Europa está FUCK!

 

(imagem – Yuri Kochetkov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:15
Sábado, 19 DE Julho DE 2014

O Brutal Regresso da Guerra-Fria à Europa

“Mas o que é que será necessário fazer para travar todos estes psicopatas com certificação legal e internacional”?

 

Avião das linhas aéreas da Malásia após ter sido aparentemente atingido no espaço aéreo sob controlo das autoridades da Ucrânia por um míssil terra/ar BUK de fabrico russo

(que por acaso os ucranianos também possuem na zona e já preparados para entrar em acção)

 

Porque será que em todos os territórios onde se verifica uma recente e profunda penetração dos interesses estratégicos dos Estados Unidos da América – neste caso num país como a Ucrânia com ligações tremendas ao seu poderoso vizinho russo – além da respectiva violação segue-se sempre um brutal cenário de morte? E porque será que a Europa agora invadida e subjugada aos interesses norte-americanos (via NATO) ainda não compreendeu que não será a partir dali (dos USA) que alguma vez poderá redesenhar o seu cada vez mais longínquo e mirífico futuro? Afinal de contas da América a Europa apenas recebeu a bolha explosiva (exportada de lá para cá com a transferência das consequências duma boa parte da toxicidade financeira norte-americana) que lançou todo o continente no caos económico e aniquilou a definição de Democracia: é que o dinheiro que a Alemanha nos empresta (alguma dessa moeda depositado na Alemanha a juros negativos) nem sequer vem desse mercado!

 

    

Imagens que retratam a queda de destroços do jacto da Malásia – já após este se ter despenhado sobre solo ucraniano – com a presença arrepiante de corpos de algumas das vítimas desta deliberada e terrível matança

(alguns deles ainda presos nas suas cadeiras)

 

Enquanto isso o tiroteio prossegue sem tréguas nesta região rebelde do leste da Ucrânia, com toda a zona envolvendo este terrível acidente a ser invadida, violada e manipulada por milícias adversárias pró-Rússia e pró-Kiev: e após a notícia da retirada das caixas negras do avião aparentemente abatido em pleno ar, eis que chega agora até nós a notícia da retirada do local dos corpos das vítimas mesmo antes da chegada de qualquer tipo de autoridade de investigação independente.

 

Com a Holanda – metade das 300 vítimas são holandesas – a gritar de revolta e de indignação contra o imobilismo das autoridades ucranianas (pelo que se está a passar sobre o terreno, com o desrespeito total pelos princípios básicos de humanidade e solidariedade nestas situações) sem que nada de eficaz e decisivo saia do interior da ONU ou da própria UE. E claro está com os Estados Unidos da América a assistirem tranquilamente do outro lado do oceano a evolução do monstro que ajudaram a construir e tentando aproveitar ainda esta oportunidade (neste caso os Republicanos) para atacarem o seu presidente Barack Obama em direcção ao tão desejado Impedimento. Nunca esquecendo o papel da Rússia neste conflito localizado tão perto da sua fronteira ocidental e onde também é parte interessada.

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:35

pesquisar

 

Dezembro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

Posts mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro