mais sobre mim

Sexta-feira, 17 DE Novembro DE 2017

Sismo M7.3 (no Irão)

“The outer rigid surface of the Earth is divided into chunks known as tectonic plates. These plates move around at the rate of a few centimeters per year – by coincidence, the same rate at which your fingernails grow. The Arabian Peninsula and Iran are on separate adjacent plates in this region.”

(theconversation.com/16.11.2017)

 

Com esta imagem relativa ao sismo ocorrido a 12 de Novembro (deste ano) na zona de fronteira entre o Iraque e o Irão (perto da cidade iraquiana de Halabjha localizada a nordeste de Bagdade) ‒ registada a 8 de Setembro deste mesmo ano pela agência espacial norte-americana NASA (satélite EOS/instrumento ASTER) ‒ pode-se ver o local do epicentro deste sismo devastador de M7.3 (indicado com uma estrela amarela).

 

PIA22112.jpg

1

PIA 22112

Iran-Iraq Border Quake Region Imaged by NASA Satellite

 

Um sismo sentido no Iraque e no Irão e noutros países (mais ou menos) próximos (como o Kuwait, a Turquia e Israel), provocando enorme destruição (como danos materiais em casas, edifícios e outras infraestruturas) e entre 500/600 vítimas mortais (sobretudo na zona indicada a amarelo) ‒ segundo os especialistas ocorrendo num local já com um passado histórico de sismos violentos e particularmente mortais (e localizado nas imediações dos limites da Placa Tectónica Arábia e Euroasiática).

 

Iran-Iraq Earthquake Kills More Than 500

(nytimes.com)

 

14iran-1-superJumbo.jpg

2

Cidade iraniana de Pol-e-Zahab uma das mais atingidas

(pelo sismo M7.3 de 12 de Novembro)

 

Finalmente com a imagem (produzida pela JPL) a indicar-nos, a Vermelho-Vivo locais de campos e de culturas (terrenos agrícolas), a Vermelho-Pálido encostas de montes cobertas de arbustos e de árvores, a Cinzento-Escuro áreas recentemente queimadas e a Cinza/Acastanhado diferentes tipos de rochas. Utilizando assim o satélite EOS e o instrumento (ótico) ASTER não só para o estudo destes fenómenos sismológicos (associados à deslocação das Placas Tectónicas) como igualmente para observar a deslocação dos glaciares (avanços e recuos), a atividade vulcânica, culturas e colheitas (agrícolas) e muitos outros parâmetros influenciando o Ambiente e todo o nosso Ecossistema (terrestre) ‒ segundo o artigo da NASA.

 

[Um sismo M7.3 com o número de vítimas mortais a caminharem rapidamente para as 600, talvez com uns 10.000 feridos e ainda uns 100.000 desalojados (agora sem casa).]

 

(imagens: (1) + legenda/dados/nasa.gov (2) nytimes.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:12
Quarta-feira, 18 DE Outubro DE 2017

Impacto no Portugal Profundo (e sem resposta)

Incêndio de Pedrogão + Incêndio do Pior Dia do Ano > 100 Mortos

(num curto período de apenas 4 meses)

 

Num momento em que o número de vítimas mortais certamente ultrapassará as 100 pessoas e nem querendo pensar na Catástrofe Ambiental com o certo desaparecimento de muitos Ecossistemas (por mais pequenos que sejam sempre fundamentais, até pela diversidade e manutenção de equilíbrios).

 

Uns dizendo ser Natural outros do tipo Artificial

 

1.jpg

 

Vivo num país que posto perante uma verdadeira carnificina (veja-se a área ardida, o tipo de população aí residente e os combustíveis altamente inflamáveis colocados em seu redor) mantem a sua inadmissível indiferença de modo a assim proteger mesmo que para além do limite (a linha vermelha de sangue) o seu quotidiano monótono sustentado numa mera remuneração unicamente para sobreviver (desde a base até ao topo): um povo trabalhador dirigido por Analfabetos (por diversos esquemas aceites, equiparados a doutores) e por essa mesma razão mentalmente desfalcados (sem cultura e sem memória e dispondo de pouco tempo) ‒ Trabalhar, Comer, Dormir e no meio Procriar ‒ e sem força (psíquica) para se opor à violência (física), instalada em todo o lado (no Espaço) e a qualquer momento exercida (no Tempo) apenas aplicando a Lei escrita por eruditos: para se manterem no poder sabendo não ser necessário demonstrar competência (mas certificação curricular), mas no meio da catástrofe e de maior incompetência (estando tudo preparado, mas terminando num caos) deixando a violência avançar (certamente por travagem mental, ao contrário sendo um crime, no mínimo na escala moral), a incerteza pairar (face a mais uma paulada levada, com gente ainda mais traumatizada) e o esquecimento prevalecer (assim se mantendo o Poder). Lavando-lhes a alma (cada vez com mais pecados numa fila sem fim), dando tempo para os cadáveres (para contar e para esconder, estudar e fortalecer) e para confortar o Povo (banalizando as mortes tal como o faz com os Direitos do Homem), assim seguindo em frente Marchando contra os Canhões (neste caso contra os Incêndios e numa Guerra Total).

 

2.jpg

 

Mas como ainda existem pessoas com alguma cultura e memória (mesmo que desmotivados pelo branqueamento dos novos escrivas, certificando a História Oficial e transformando-a em historinhas com dinheiro, mulheres e muitos tiros) passando parcialmente incólumes pelos filtros do Poder (apesar de uma forma ou de outra, sendo marginalizados e como tal penalizados) ‒ praticamente impossível dada a (altíssima) toxicidade ambiente (convenientemente embrulhada com o apoio dos Média e em forma de laço decorando o embrulho) ‒ estando ainda em aberto um vasto espaço reflexivo (algo se encontrando neste oceano de 7,5 biliões de Almas) onde possamos pensar e daí tirar ilações (se possível levando a conclusões). Numa História que nos poderá recolocar não num tempo (curto para nomear responsáveis e deixando tudo na mesma) antecedendo o Evento ‒ unicamente servindo para a proteção e salvaguarda do Sistema ‒ mas nas verdadeiras Origens e nas Causas dessas Raízes (permitindo a eclosão do Evento), em vez de enriquecer o Sistema enchendo-o de Ervas Daninhas: em Portugal bastando recuar (até para melhor compreender as últimas gerações) pelo menos uns Cem Anos (rigorosamente 107) para em 2017 chegarmos finalmente a Outubro (já com pelo menos 100 mortos, a uma média de 25/mês) e assim à 2ª Fase de um mesmo (e atrás referido) Evento.

 

3.jpg

 

Tomando-se como referência o Dia da Implantação da Republica (5 de Outubro de 1910), estendendo-se no tempo e passando pelo Golpe ditatorial do 28 de Maio (de 1926) ‒ colocando Salazar no poder por cerca de 40 anos ‒ atravessando toda a Revolução antes/durante/depois (de 25 de Abril de 1974) e antes de chegar ao Evento (mortal) do ano 2017 jamais esquecendo o Marco Histórico (por Formativo, de uma Geração sem culpa, mas rasca e no poder) da Chegada do Dinheiro: no dia 12 de Junho de 1985 com o 1º Ministro de Portugal Mário Soares a assinar o Tratado de Adesão de Portugal à CEE (com muita oposição política, vinda da esquerda como vinda da direita) ‒ com o país por essa altura a atravessar uma grave crise económico/política com causas internas como também externas (daí a urgência na ação do socialista Mário Soares) ‒ e como consequência nas eleições seguintes perdendo a maioria e entregando-a (verdadeiramente de mão beijada e hoje constatando-se Infelizmente) a Cavaco Silva. De todos os políticos atravessando os séculos XX/XXI e a partir daí tentando-se descobrir o Novo Monarca do Século (Atravessando Regimes Republicanos num nº máximo de anos) ‒ numa tentativa de reflexo do ícone (de alguns ou de muitos) Salazar ‒ tendo logo e em 1º (36 anos no Poder como 1º Ministro) António de Oliveira Salazar e indubitavelmente em 2º (20 anos no Poder como 1º Ministro ou Presidente da Republica) Aníbal Cavaco Silva (e só depois surgindo o promotor da entrada Europeia o 1º Ministro socialista de nome Mário Soares ‒ 15 anos no Poder como 1º Ministro ou Presidente da Republica); e já agora adicionando ainda Américo Tomás (um indivíduo de baixo perfil passando despercebido) o Presidente de Salazar e de Marcelo Caetano (16 anos no poder como Presidente da Republica e peça decorativa).

 

4.jpg

 

E depois de quase meio século de ditadura (com Oliveira Salazar) e de mais de uma década para entrar na Europa (com Mário Soares) só faltando mesmo apanhar (aparentemente e não para todos) mais vinte anos de bolsos cheios (acompanhados de cabeças vazias, entre escravos e leigos e com os bancos a pôr/dispor) preparando a Tormenta pós-Aníbal Cavaco Silva (o que se viu e o que se vê especialmente a nível político desde a base até ao topo): num tempo após a Bomba (guiada pelo Homem do Leme) mas morrendo-se das radiações (e com o artefacto afastado há já quase 20 meses). Hoje com Marcelo e Costa e o país menos inclinado (e já depois de levar com um triplo torpedo ‒ Barroso, Sócrates e Coelho) ‒ e estando entre 2011/2015 mesmo à beira do abismo ‒ chegando o Tempo dos Incêndios na Era da Geringonça com um Ministro em questão (MAI/Constança Urbano de Sousa/50 anos e nascida em Coimbra) e outros pedindo a demissão (sobretudo a oposição PSD/CDS mas também o BE): como se o problema fosse apenas de Um (a Ministra), mesmo sem plano de ação (por não ser prioritário) e sem conjugação de saberes (com a presença de eruditos mas sempre apoiando os Bombeiros). Constança Urbano de Sousa (especializada em direito e nomeada pelo 1º Ministro para o MAI em 26.11.2015) tendo à sua guarda os assuntos Internos assim como (direta/indiretamente tanto faz, mas integrando a cadeia) os Incêndios, a Proteção Civil e os Bombeiros.

 

“Para mim seria mais fácil pessoalmente ir-me embora e ter as férias que não tive, mas agora não é altura de demissões”.

 

“Não é nos momentos mais difíceis que as pessoas abandonam o barco. Não, não ia resolver o problema. O que precisamos de ter aqui são ações”.

 

“Quero deixar um apelo às pessoas para que adequem os seus comportamentos às situações que se estão a viver. Têm de colaborar com as autoridades e obedecer às ordens”.

 

(Constança Urbano de Sousa/observador.pt)

 

Incêndio

Local

Nº mortos

Nº feridos

Área ardida

Danos materiais

17 Junho 2017

Em redor Pedrogão Grande

(Leiria)

64

254

53.000ha

500/48/372 Casas/empresas/postos trabalho afetados; 500 milhões de prejuízos

15 Outubro 2017

Viseu, Coimbra, Guarda,

C. Branco

41

71

54.000ha

(só no dia 15)

Ainda s/dados confirmados (238 casas destruídas só em Pampilhosa da Serra)

Total

2 Eventos

105

325

107.000

(Em Atualização)

Quadro dos incêndios de Pedrogão Grande (1º Evento) e do Pior Dia do ano (2º Evento)

Valores aproximados/em atualização (17/10)

 

5.jpg

 

No dia 15 de Outubro de 2017 (um Domingo) confirmando-se o cenário já por muitos previsto (que não do Governo, das Autarquias, da Proteção Civil e dos carreiristas políticos) e devido ao tempo seco (devido a uma seca prolongada provocada pela falta de chuva), à vegetação em ponto de rebuçado (cobrindo o solo com um espesso manto sem qualquer humidade e pronto a arder) e à escassez de acessos (muitos deles por limpar e intransitáveis), com populações (aí instaladas) isoladas e de pouca densidade (espalhadas por montes e vales) ‒ e inexistentes sistemas de proteção e de segurança (das populações) ‒ repetindo-se um trágico Evento de proporções idênticas (senão pior) ao anterior, ocorrido há 4 meses em torno de Pedrogão Grande. E só a 17 de Outubro perante esta nova tragédia (não só pela mesma e pelas vítimas, como pela ausência criminosa de meios ‒ para combater os incêndios ‒ lançando populações inteiras para o interior de uma enorme Fogueira), com a presença do Presidente e face às palavras de uma presente (exigindo a demissão imediata da Ministra), se demitindo Constança (a até aí líder do MAI) por iniciativa própria e mensagem (pondo Costa também a arder) e aceite por Costa sob ultimato de Marcelo (apoiado pelas palavras duras, da senhora a ele abraçada ‒ num pedido irrecusável transmitido ao subalterno). Um exemplo de como um individuo (pelo menos sendo pratica comum e generalizada no esquema político-administrativo atualmente em vigor em Portugal) completamente desenquadrado da área sobretudo em compreensão (sendo-lhe atribuído um lugar apenas por mera nomeação superior), ocupa um cargo de Alta Responsabilidade, sem no mínimo saber algo, como por exemplo o que fazer (para além de ser um Ministro em clara autogestão, deixando-se levar pela corrente desta vez forte de mais e no final engolindo-o e só então desaparecendo). Um responsável que já há um ano dizia que já estava tudo pronto (e preparado para os Incêndios), reafirmando-o em 2017 antes do início da época (dos Fogos) e repentinamente (já com todos a clamar por reforços, investigações à Proteção Civil/e à sua ação e apoio aos desprezados Bombeiros/a única força real) sendo apanhado por um Fogo e logo depois por um outro (à segunda não sendo certamente surpresa) ‒ carregando atrás de si quase meio milhar de vítimas (entre feridos, mortos, desaparecidos e os nunca catalogados) e colocando mesmo em risco a vigência de um Governo ‒ ainda em boas graças mas queimando-se em fogo lento (para gáudio da oposição e dos incendiários).

 

No fundo sendo todos nós os verdadeiros Queimados (como sempre com o Povo a ser o Mexilhão). E como episódio irrelevante e só para entreter os políticos, com Constança Urbano de Sousa (a Ministra no pelourinho) a apresentar a demissão neste dia 18 de Outubro dia de precipitação (devendo-se talvez agradecer a uma outra senhora a chegada tão desejada da chuva, terminando de vez com os incêndios e com a incapacidade de muitos ‒ Ofélia nome de furacão).

 

Algo lógico de acontecer ao escolher-se um como nós (não sendo nós melhores até pelas consequências desse ato) ‒ ao metermos na urna um cheque ao portador e com a quantia em branco (ficando então desfalcados e sem qualquer argumento): sendo a Culpa de quem lá os põe (mesmo em Democracia sempre uma minoria) e não de quem se aproveita (apenas para ganhar dinheiro). Como sempre A Bem da Nação!

 

(imagens: TVI24/euvi@tvi.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:05
Quarta-feira, 20 DE Setembro DE 2017

Sismo M7.1 na Cidade do México (Ontem)

México ‒ Cidade do México (e Puebla) ‒ Sismo

 

mexicoquake1909g.jpg

 Colapso de um edifício na Cidade do México

(no decorrer do forte sismo de 19.09.2017)

 

Magnitude

7.1

Região

Puebla/México

Data/Hora

19.09.2017 18:14 UTC

Localização

18.59 N 98.47W

Profundidade

50 Km

Distância

58 Km SW Puebla

 

Com um tremor de terra de M7.1 registado no MÉXICO a 5km a ENE de RABOSO (estado de Puebla) ‒ localidade mexicana a cerca de 100Km SE da Cidade do México (capital do país) ‒ e com epicentro a cerca de 50Km de profundidade (11 dias depois do sismo de M8.1 que assolou o MÉXICO particularmente os estados de OAXACA e de CHIAPAS provocando mais de 100 mortos ‒ e com epicentro no mar a cerca de 70Km de profundidade), este país da América do Norte e já depois de ter sentido nos últimos dias os efeitos de um TSUNAMI, de uma ERUPÇÃO VULCÂNICA (os dois como consequência do sismo de 8.1 ocorrido em Setembro, sendo o 1º um pequeno Tsunami e o 2º tendo o vulcão POPOCATEPETI como protagonista provocando 15 mortos), de um FURACÃO (o furacão KATIA) e de um novo SISMO (ocorrido ontem por volta da hora do almoço) ‒ provocando para já mais de 250 mortos e grandes danos materiais em edifícios e outras importantes infraestruturas (com edifícios a colapsarem).

 

8962554-3x2-940x627.jpg

 Feridos resultantes do sismo M7.1

(registado ontem na capital mexicana)

 

Seguido (até às 06:00 UTC) por outros 3 sismos de magnitude igual ou superior a M4.5 (M4.9/M4.6/M4.6) e assim confirmando (posteriormente) informações proferidas pelas autoridades mexicanas aquando do sismo M8.1 (a 8 de Setembro) de que existiam fortes probabilidades do México (para além de todas as outras fortes réplicas registadas) vir de novo a ser atingido nos próximos dias por um sismo de intensidade semelhante ou até superior: o que se confirmou esta terça-feira (dia 19) no México com um sismo de menor intensidade (M7.1 em vez de M8.1) mas com um epicentro a menor profundidade (50Km em vez de 70Km), causando num ápice mais do dobro de vítimas (2.5X) comparativamente com o anterior.

 

mc.jpg

 Com as ondas sísmicas a repercutirem-se nos barcos de recreio

(em Xochimilco/centro da capital através do movimento das águas)

 

No dia de hoje (quarta-feira, 20) com os sismos mais intensos (de maior magnitude) a registarem-se a nível Global (com M>4.5) a serem (até às 08:39 UTC):

 

Região

Hora (UTC)

Profundidade (Km)

Magnitude

(M)

Leste

Irão

00:08

10

5.0

Ilhas Auckland

NZ

01:43

10

6.1

Estreito de Cook

NZ

02:42

24

5.0

Sul

Perú

05:26

115

5.3

 

Teoricamente podendo-se afirmar (se registado em zonas habitadas) que mesmo que não se tenham notícias provenientes do lugar, pela localização do sismo (em terra ou no mar), pela intensidade do mesmo (maior ou menor magnitude) e pela profundidade do seu epicentro (menores profundidades originando maiores efeitos), o mais grave em consequências (humanas e danos materiais) poderá ter sido o do leste do Irão.

 

Com o sismo mais forte sentido na Europa e nas proximidades de Portugal (este dia 20) a ser o registado a NW de Málaga (sul de Espanha), pelas 02:44, a 4Km de profundidade e de M1.6 (praticamente impercetível).

 

(imagens: AFP/GETTY IMAGES/standard.co.uk ‒ Carlos Jasso/REUTERS/abc.net.au ‒ Storyful News/youtube.com/abc.net.au)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:48
Domingo, 18 DE Junho DE 2017

A Culpa terá sido da Árvore

[Ou indiretamente do raio]

 

30fefe742a.jpg

Mais de 60 Mortos

Mais de 60 Feridos

(num cenário arrepiante e a mais de 40⁰C)

 

Como é possível declarado um incêndio e projetada a respetiva intervenção (com toda a região em princípio em estado de alerta) haver mortos cercados em casa ou em carros calcinados na fuga? Quando a primeira coisa a fazer pelas autoridades seria a de salvar pessoas (com tantos idosos vivendo em casas isoladas) e criar caminhos de fuga (com tanta gente em desespero a fugir sem saber bem para onde).

 

1024x1024.jpg

Carros calcinados na estrada onde se registaram mais vítimas

Entre Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos

(com as vítimas a serem apanhadas na sua fuga desesperada ao inesperado incêndio)

 

Num incidente com mais de 120 vítimas (segundo dados mais recentes mais de 60 mortais e mais de 60 feridos) localizado num triângulo envolvendo zonas interiores/exteriores aos seus vértices e tendo como referência as localidades de Castanheira de Pêra, Pedrógão Grande e Figueiró dos Vinhos (o incêndio terá começado em Escalos Fundeiros/Pedrógão Grande com um raio a atingir uma árvore), um incêndio inicialmente controlado (mas não dominado) ao aumentar repentina e inesperadamente de intensidade descontrolando completamente o cenário do momento e a estratégia de combate às chamas inicialmente previsto (ainda por cima acabando por associar-se a outras frentes já ativas como o do grande incêndio de Góis um concelho limítrofe ao de Pedrógão Grande), acabou por se transformar numa das maiores tragédias ocorridas em Portugal (veremos os números que atingirão no rescaldo os danos materiais e pessoais) tendo como responsável único as leis da Natureza. Para já e pelo menos enquanto o incêndio não termina, as temperaturas não descem e o medo e a incerteza não se dissipam, com todos os responsáveis a apontarem para as condições climatéricas com que o país se deparava nesse dia e particularmente nessa zona do interior, para justificar o imprevisto, o completo caos instalado e as dezenas de vítimas mortais: para lá de todas as vítimas caídas como heróis no terreno de combate, dos quais se destacam e como sempre os residentes e os bombeiros (os únicos combatentes) ‒ lutando com as suas mãos para salvar o maior número de vidas, mesmo podendo por em causa a sua própria existênciadeixando-nos ainda algumas dúvidas sobre o papel de alguns responsáveis e sobre a sua competência (que não apenas curricular).

 

1024x1024 B.jpg

Uma das vítimas do incêndio numa das estradas em redor de Pedrógão Grande

(por onde muitos tentaram fugir e onde muitos caíram pelo fogo ou por intoxicação)

Entre os mais de 60 mortos com metade a morrer em fuga de uma praia fluvial

 

Esperando-se agora pelos próximos dias para ver (deixando-se assentar toda a poeira) o que as autoridades pensam (e concluem) sobre esta grande catástrofe humana (natural e/ou artificial) que para além de destruir uma região (já por si abandonada) também destruiu a vida de muitos dos seus (e cada vez em menor número) residentes: só se esperando que depois do poder os expulsar para o litoral (por uma questão de sobrevivência) ainda acusem as vítimas de incúria na limpeza dos terrenos ‒ mas feitos por quem e pagos por quem? E face a todos os conhecimentos postos hoje à nossa disposição para tratar de fenómenos como o registado em Pedrógão Grande, não se podendo unicamente atribuir a culpa a um raio e a uma maldita árvore que estava no seu caminho: e o calor, e o ar seco, e a humidade praticamente nula dos terrenos, e as diversas camadas de ar a diferentes temperaturas comprimidas e circulando livre e caoticamente entre vales e serras, e as condições climatéricas exteriores propícias à ocorrência deste tipo de fenómenos, nada disso conta (para a Prevenção) ‒ numa demonstração cabal da total incompetência de alguns desses responsáveis pela preservação da Natureza (por exemplo prevenindo possíveis situações de incêndios) e de como o ordenamento do nosso território se encontra num caos criminoso, sem retorno à vista e todo entregue aos critérios aleatórios da Natureza (a culpada) e da selvajaria do Homem (nunca se podendo esquecer como o interior foi abandonado, com os seus naturais a serem obrigados a deslocar-se para o litoral para sobreviverem e desse modo como seria logico e como já todos esperavam, deixando o campo e a floresta ao abandono e assim proporcionando a trágica intervenção humana/com a eucalitpização do país e até a aleatória intervenção natural/com o Homem escancarando-lhe as portas).

 

Tendo que haver responsáveis para além do raio e da árvore!

 

(imagens: mogaznews.com e chron.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:02
Quinta-feira, 01 DE Junho DE 2017

Moscovo sob Ataque Atmosférico

Na passada segunda-feira o Céu caiu sob a cidade de Moscovo

 

DBADvQFXUAAqLe6.jpg

Moscovo - 29.05.2017 - 3:28 PM

(Imagem: Александр @QGEIS)

                                                                              

Depois das autoridades de Moscovo terem anunciado que este seria nos últimos 100 anos aquele em que mais nevaria na capital russa ‒ já nessa altura (Fevereiro) com Moscovo debaixo de 216 cm de neve (aproximadamente 1,5 X Normal) ‒ eis que a capital russa (assim como toda a região em seu redor) volta de novo a estar sob condições atmosféricas extremas (2ª feira, 29 de Maio) com ventos fortíssimos a derrubarem árvores (cerca de 3000), a danificarem carros (1500) e edifícios (140) e a provocarem várias vítimas entre mortos (16) e feridos (169). O que vale é que (finda a Primavera) vem aí o Verão.

 

1169512.jpg

Moscovo depois da tempestade

(Imagem: © Artyom Korotayev/TASS)

 

Uma tempestade considerada muito rara de suceder nesta região de Moscovo (este mês com os ventos a atingirem os 100Km/h), com a mais grave a ter ocorrido precisamente há cerca de 100 anos, mas com uma mais recente e com menos de 20 anos a ter já provocado destruição e vítimas relevantes: em 1998 com uma tempestade semelhante a matar 9 pessoas, a ferir 165 e a provocar prejuízos na ordem de 1 bilião de rublos. Registando-se mais uma vez que as Evidências (Alterações Climáticas) que alguns ainda se recusam a ver (como é o caso dos EUA) tanto se refletem nos EUA, na Rússia, como no Resto do Mundo.

 

(dados: tass.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:00
Sábado, 18 DE Fevereiro DE 2017

A passagem do ciclone Dineo por Moçambique

O ciclone tropical DINEO (2017)

Surge 10 anos depois do também destrutivo FAVIO (2007)

Com DINEO a provocar (para já) 7 vítimas mortais entre a população moçambicana

 

dineo-hits-mozambique-february-15-2017.jpg

Ciclone Tropical Dineo

 

Num cenário onde as primeiras informações vieram de zonas turísticas (sempre com alguns observadores atentos) – com 16 golfinhos apanhados numa ratoeira entre a frente do ciclone e a Baía de Inhambane vitimando metade deles;

 

Mas com o mesmo a ser realisticamente construído e definido com os factos complementares oriundos do interior da província (onde toda a gente trabalha) – com milhares de casas danificadas, dezenas de milhares de pessoas afetadas e no mínimo 7 vítimas mortais.

 

Num balanço sobre a passagem do ciclone tropical DINEO no final do passado dia 15 de Fevereiro sobre a região do litoral sul de Moçambique – todos os transportes e comunicações estiveram paralisados durante o período da tempestade – as últimas informações recolhidas apontam para um rasto de grande destruição particularmente por toda a área pelo mesmo atravessado na província de Inhambane: deixando atrás de si 7 vítimas mortais.

 

C4xSNmWXUAACErb.jpg

Impacto do ciclone em Maputo

 

No seu caminho em direção à costa sul de Moçambique o ciclone DINEO atingiu terra classificado como um furacão de Categoria 1 (podendo atingir velocidades até 153Km/h), castigando de imediato todo o litoral e zonas do interior da região de Inhambane, com intensa e prolongada precipitação e ventos fortíssimos (com rajadas na ordem dos 130Km/h): danificando cerca de 20.000 habitações e afetando 130.000 pessoas.

 

Sendo as províncias mais afetadas além da de Inhambane, também a sua vizinha de Gaza (localizada maia a sul antes da província da capital – Maputo). Destacando-se na zona costeira – também uma das mais afetadas pela tempestade e tão importante para a economia, para o turismo e para muitos outros sectores da região, como o da produção e o da construção – a localidade de Massinga um dos destinos turísticos mais populares do litoral sul moçambicano.

 

Precipitação elevadíssima que conjugada com ventos fortíssimos, ondas de 2 a 3 metros e a chegada da maré-alta, além de destruir ou danificar muitas das infraestruturas turísticas localizadas junto à costa na Baía de Inhambane, infelizmente ainda vitimou uma criança atingida por uma árvore (em Massinga). E com a meteorologia a informar que o período de ventos fortes e de chuva intensa se poderá estender até amanhã (sábado,18).

 

C43Rw9XWIAAYj9X.jpgC43Rw9XWIAAYj9X B.jpg

O Rio Limpopo em Xai Xai

 

Com a tempestade apesar de enfraquecida (tendo passado de ciclone tropical a depressão tropical após atingir Moçambique) a continuar a dirigir-se mais para sul (em direção à África do Sul), ainda com elevada precipitação: segundo previsões podendo atingir particularmente a região sul-africana do Limpopo, com a tempestade a transportar chuva e a poder originar caudais nos rios (excessivos) extravasando as suas margens e provocando inundações.

 

[O ciclone tropical FAVIO atingiu a mesma região de Moçambique a 22 de Fevereiro de 2007 oriundo da região do atol de Diego Garcia (localizado a mais de 4.600Km de distância e onde a 11 se formou o ciclone), com a província de Inhambane a ser então atingida com elevados níveis de precipitação, acompanhados por rajadas de vento ultrapassando os 220Km/h (podendo-se considerar de Categoria 4); terminando a 23 e deixando no seu rasto no mínimo 70 feridos e 4 mortos. E colocando então toda a região num caos, vinda como vinha de outras grandes inundações anteriores – recentes.]

 

(imagens: watchers.news – @mwelimasilela – @IamTumelo/e invertida)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:29
Segunda-feira, 30 DE Janeiro DE 2017

Avalanche

Depois da avalanche em Itália uma outra em Caxemira

(nestas zonas certamente o normal no Inverno, mas por má prevenção com vítimas)

Num território desde logo associado ao terrorismo global

(e a muitos dos mais violentos atentados praticados)

 

Ocorrida na parte indiana do território de Caxemira (com outra parte incluída no Paquistão e uma terceira anexada pela China) localizada em torno da região onde se situa o vale de Caxemira: entalado entre o conjunto montanhoso de Pir Panjal (a sul) e os Himalaias (a norte) e atravessado (nos seus mais de 130Km de extensão e 30Km de largura) pelo rio Jhelum.

 

Kashmir_border.JPG

Região de Caxemira

 

Numa região encravada entre a Índia e o Paquistão e localizada no extremo ocidental da cadeia dos HIMALAIAS (a maior do mundo estendendo-se do Butão ao Paquistão e incluindo a maior montanha da Terra – o EVEREST com 8848 metros de altitude) encontramos o vale de CAXEMIRA.

 

Mundialmente conhecido pela qualidade dos seus têxteis (as lãs de caxemira) como pelo interminável conflito existente entre indianos e paquistaneses (nos últimos 70 anos com três guerras declaradas e milhares de vítimas mortais – 1947, 1965 e 1999).

 

Sendo um dos motivos para esse conflito e dada a importância extrema como recurso natural e vital o controlo da água, nascida nas montanhas rochosas da cordilheira dos Himalaias (ocidental) e descendo pelas suas encostas até atingir as terras secas do território de Caxemira: recolhendo nos seus vales este precioso conteúdo líquido (significado de vida) e tornando-os apetitosos, férteis e produtivos (e alimentando muita gente com frutas e com legumes).

 

Kashmir_winter.jpg

Inverno em Caxemira

 

Além da questão mais falada pretensamente de origem étnico-religiosa e estando na base do estalar do conflito, agravada aquando das suas Independências (da índia e do Paquistão) na partilha de Caxemira: com a Índia de maioria Hindu a ficar com uma parte desse território de maioria Muçulmana.

 

Num território que segundo censos de 2001 (wikipedia.org) 67% da sua população era muçulmana, 30% era hindu e os restantes 3% siques e budistas.

 

Um território sendo agora notícia não por qualquer tipo de ação violenta (terrorismo) levada a cabo pelo Homem e provocando vítimas inocentes (por não terem nada a ver com conflitos entre outros), mas pela ocorrência de mais um fenómeno da Natureza afetando a vida das populações locais.

 

Islam_in_India.jpg

Mesquita de Srinagar

 

Tal como o ocorrido há mais de uma semana numa estância de esqui italiana (dia 18 de Janeiro em Farindola, junto à cadeia dos Apeninos, registando mais de uma dezena de mortes), agora com uma série de avalanches a afetar a região de Caxemira no território administrado pela Índia (e a provocar mais de duas dezenas de mortes).

 

Provocando já este ano entre civis e militares várias vítimas mortais em várias localidades (como por exemplo uma família em Badugam e um grupo de militares de Kupwara ambos soterrados no interior das suas casas/postos) como resultado de um dos piores Invernos registado em várias décadas com forte queda de neve e com a temperatura a baixar até aos 7⁰C negativos.

 

Levando a que as autoridades locais lançassem um alerta para possíveis avalanches (um processo preventivo que dentro de outros parâmetros e considerações parece ter sido descurado no caso italiano), aconselhando as populações a limparem os telhados, as estradas e naturalmente a estarem atentos atentos aos sinais (de perigo).

 

India_-_Srinagar_-_023_-_Nishat_Bagh_Mughal_Garden

Jardins de Nishat Bagh

 

Com uma das últimas grandes avalanches a registar-se em 2012 no lado controlado pelo Paquistão e causando 140 mortos (como habitualmente com os militares a serem as principais vítimas – mais de 90% – até pelo seu trabalho de constante vigilância em locais extremamente perigosos de fronteira (até pelas condições extremas de tempo).

 

Tanto no caso da avalanche em Itália como nas agora ocorridas no território indiano de Caxemira, com estas manifestações naturais a ocorrerem no Hemisfério Norte terrestre durante a estação de Inverno, com ambas a terrem um denominador comum provavelmente justificativo deste tipo de incidentes (provocando vítimas mortais): a sua proximidade a duas importantes falhas tectónicas, numa zona constantemente assolada por sismos e podendo também originar avalanches (ou até desabamentos e deslizamento de terras).

 

Num Mundo hoje pretendendo-se cada vez mais uniforme por descaracterizado (quando tudo é igual, nada se distingue), atualmente com a nossa sociedade ocidental dividida (num trilho cada vez mais estreito) entre o Azul e o Vermelho (as cores dos dois partidos norte-americanos com acesso ao poder), com uma delas acreditando no Aquecimento Global e com a outra considerando-o uma fraude (mas com as duas contando explorar ao máximo e se necessário para além do permitido todos os recursos terrestres existentes) e ao mesmo tempo como se nada de particularmente grave se estivesse a passar nada fazendo (de prático, de ativo e de eficaz) mantendo o para ambos precioso (para a prossecução dos seus negócios) Status quo Ambiental.

 

Com Hillary ou com Trump (já para não falarmos da Rússia e sobretudo da China) e tal como o Mundo tem existido (e cada vez mais reconhecido), com a corda bem à volta do nosso querido pescoço (umas vezes mais, outras vezes menos apertada, pelo menos até se morrer de vez e asfixiado).

 

(imagens: wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:25
Quinta-feira, 19 DE Maio DE 2016

“War, War, War”, They Said!

“In an increasingly dangerous and rapidly changing world, we must guarantee that our military and intelligence community have the capability to defeat barbaric Islamic terror groups and deter aggressor-nations, like Russia, Iran, China, and North Korea.” (Defense Subcommittee Chairman Rodney Frelinghuysen/R-New Jersey)

 

CJUrEUsWgAAkV_E.jpg large.jpg

Com a Globalização todo o poder passou do Estado para as grandes Corporações

(com todas as vítimas a aceitarem sem discutirem as virtualidades do interesse Privado sobre o interesse Público)

 

Na prossecução da luta contra os cortes orçamentais que tem vindo a afetar todas as organizações e agências ligadas ao sistema de Defesa Norte-Americana – como os Militares, a CIA e o Pentágono – eis que estala nos EUA um novo conflito institucional opondo agora os interesses dos Militares (com os Republicanos por trás) aos interesses do Pentágono. Mais um caso que só vem confirmar a verdadeira luta pela conquista do poder no interior dos EUA (que não é certamente a Eleição Presidencial), tendo de um lado todos aqueles que apoiam prioritariamente o desenvolvimento da Indústria Militar Norte-Americana (e de todas as suas estruturas de manutenção e suporte ligadas à economia global de guerra e representadas pelas grandes Corporações) e do outro de todos aqueles que se opõe a esta visão ideológica e estritamente bélica do mundo (contando ainda com o apoio de alguns Republicanos e Democratas reformados acreditando ainda nas virtualidades do diálogo e sobretudo da Paz).

 

Numa disputa interna a decorrer nos EUA – opondo o Congresso maioritariamente Republicano ao presidente Democrata Barack Obama – que só tem criado maior confusão neste sector tão importante da estrutura de defesa do país (tendo os militares à frente) com reflexos evidentes na aplicação das suas estratégias no terreno nos mais diversos conflitos existentes a nível mundial. Por vezes vendo-se as suas agências e organizações governamentais combatendo-se em grupos inimigos, exatamente no mesmo cenário: como é o caso evidente e recente da Guerra Civil Síria, onde a CIA e o Pentágono apoiam grupos terroristas diferentes, rivais e inimigos (provavelmente mortais mas de cariz moderado). E para encobrir tudo isto contando com a preciosa colaboração de toda a comunicação social mundial (especialmente Ocidental), ignorando os provocadores, desprezando as consequências, mas nomeando desde logo e como desculpa e justificação, os mais que prováveis (por aparecimento sistemático nas suas notícias e propaganda) criminosos: esquecendo-se da situação económica no seu próprio país e distraindo toda a sua população e o Mundo, ao apontar o dedo ao Diabo. E metendo no mesmo saco (Rússia, Irão e China) e (ISIS e Coreia do Norte). Mas esquecendo-se do outro (EUA e Arábia Saudita) e porque não do seguinte (Alienígenas).

 

“The Defense Authorization bill is supposed to be an opportunity for Congress to shape national defense priorities and share the responsibility with the president when it comes to foreign policy. Generally the president has significant authority to make his mark on foreign and defense policy and the authorization process for both the Defense and State Departments is the Constitution’s way to make sure the co-equal Legislative Branch of government is properly part of the process. Sadly though this is what was intended, current reality no longer resembles what was meant to be. Instead, Congress members abrogate their authority to set defense spending priorities to the Pentagon, the military-industrial complex, and to special interests in their districts. The result is a mess that has very little to do with defending this country and a whole lot to do with enriching those in position to feed from the trough.” (Daniel McAdams – antiwar.com – 16/05716)

 

flightradar.jpg

Flight Radar’s estimation of the flight’s location when it disappeared

(egyptianstreets.com)

 

Entretanto com os EUA entretidos com esse verdadeiro circo de hipocrisia que são as Eleições Presidenciais norte-americanas – com um candidato dito representante do sistema a disputar a eleição, contra um outro pretensamente opondo-se-lhe como um milionário antissistema – financiada pelas Corporações que controlam os políticos (antes nossos representantes agora seus advogados) e generosamente os remuneram (substituindo-se ao pobre e descredibilizado Estado). E com o terrorismo global em marcha contínua, acelerada e aparentemente cada vez mais poderoso – como o (ainda fresco) caso do avião das linhas aéreas egípcias parece mais uma vez comprovar:

 

Egypt's Air Minister:

Terrorism More Likely Cause of Jet Crash Than Technical Issues

 

The crash of an EgyptAir flight en route to Cairo from Paris was more likely caused by a terrorist attack than by a technical failure, Egypt's aviation minister says. Minister Sherif Fathy discussed the crash even as a search operation continued in the Mediterranean for wreckage from the plane, which had 66 people aboard when it disappeared from radar Thursday, moments after it entered Egyptian airspace on the four-hour flight from France;

 

EgyptAir said it lost contact with the Airbus A320 plane at about 2:30 a.m., Cairo time, when the airliner was above 11,000 meters and just 16 kilometers inside Egyptian airspace. Greek defense minister Panos Kamennos said the plane made sudden turns and a sharp descent before disappearing from the radar. 'It turned 90 degrees left and then a 360-degree turn toward the right, dropping from 38,000 (11,582 meters) to 15,000 feet (4,572 meters) and then it was lost at about 10,000 feet (3,048 meters),'' he said. (Hamada Elrasam, Lisa Bryant – voanews.com – 19.05.16)

 

Num roteiro iniciado no distante e desprotegido Afeganistão, prosseguido com grande destruição e violência num país riquíssimo em petróleo como o Iraque, continuado como num intervalo de um filme de guerra com as subtis e manipuladas Primaveras Árabes, entretanto mudando novamente de tom e promovendo de novo a violência e a morte na Líbia e posteriormente na Síria, alastrando a violência ainda mais um pouco mais longe até atingir o Iémen (condenando-o à sua extinção e desaparecimento como estado), permitindo a infiltração da Turquia e a invasão da Europa e finalmente, como se já não o tivéssemos sentido, o fim dos nossos valores (humanos e de solidariedade) como cidadãos europeus. Comprovado com os atentados em terra e no ar para já não falar de milhares morrendo no mar. Hoje com mais uma vítima a adicionar a esta lista (num mais que provável atentado terrorista curiosamente ainda não reivindicado):

 

“EgyptAir Wreckage Found in Sea; Egypt Cites Possible Terrorism.”

(nytimes.com)

 

Ontem a Guerra era lá longe agora é mesmo aqui – e com vítimas de todo o mundo (na queda do avião egípcio sobre o mar Mediterrâneo uma das vítimas era portuguesa).

 

(imagem inicial: Ian56/@Ian56789/twitter.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:41
Terça-feira, 22 DE Março DE 2016

O Avião do Dubai

O Boeing 737-800 do Voo FZ 981 das Linhas Aéreas do Dubai (FLYDUBAY) desintegrou-se ontem ao despenhar violentamente contra o solo numa queda quase a pique ocorrida no aeroporto russo de ROSTOV-ON-DON (sudoeste da Rússia). Mais de 60 mortos.

 

888.jpg

 

- O que leva um avião transportando a bordo cerca de 240 passageiros e tripulantes (num voo de aproximadamente seis horas entre a capital da Malásia e Pequim), a desaparecer repentina e misteriosamente de todos os radares quando sobrevoava o Golfo da Tailândia (menos de uma hora depois da sua partida)?

 

- O que leva um avião transportando a bordo quase 300 passageiros e tripulantes (num voo de quase doze horas entre Amesterdão e a capital asiática de Kuala Lumpur), a atravessar o espaço aéreo de um estado em guerra civil (e com interventores externos poderosíssimos) acabando por ser atingido e despenhando-seno solo?

 

666.jpg

 

- O que leva um avião transportando a bordo mais de 220 passageiros e tripulantes (num voo turístico de regresso de férias a realizar entre o Egito e a Rússia), a sem motivo aparente partir-se em pleno voo esmagando-se depois no deserto (mesmo estando avisados da ameaça terrorista e duas semanas antes do atentado de Paris)?

 

E já agora o que leva um avião transportando a bordo exatamente 62 passageiros e tripulantes (num voo entre o Dubai e a Rússia) sob o comando de pilotos experimentados e com milhares de horas de voo, à chegada ao seu aeroporto de destino e apesar das difíceis condições climatéricas que se faziam sentir no local (dois voos anteriores tinham cancelado a respetiva aterragem, derivando-a para outro aeroporto), persistir na sua atitude contrariando a dos restantes e decidindo-se pela aterragem: terminando tudo num grande desastre e numa enorme explosão.

 

111.jpg

 

O que se pode afirmar é que nestes quatro acidentes envolvendo o mesmo tipo de transporte (por sinal considerado o mais seguro do mundo), morreram mais de 800 pessoas – todas elas como resultado de incidentes improváveis por claramente sinalizados, previsíveis e como tal impossíveis de ocorrer: a todos eles podendo (no entanto) apontar e reportar antecedentes políticos, económicos, militares e geoestratégicos (entre muitos outros fatores até os mais insuspeitos), que puderam por repetição (normalização de atitudes) e através de uma conjugação inesperada de determinadas circunstâncias (deliberadas por conscientes e talvez mesmo planeadas) originar estes quatro eventos violentos e 100% mortais (inevitáveis de acontecer em processos semelhantes).

 

O que nos conduz a uma reflexão mais aprofundada sobre a problemática da utilização do avião, considerando-o como mais uma das vítimas objetivas (e como objetos dirigidos) de todo este esquema premeditado/viciado. E não como um casuístico (e nos últimos tempos aleatoriamente sobrecarregado), temporário e simples predador situacionista – ou seja transformando-se (neste caso o Avião) na personificação do Diabo (materialista) para os não crentes na Estrutura (não querendo idealizar e personificar interiormente o papel fulcral e intrusivo do Objeto, na concretização da nossa sobrevivência e bem-estar – por algum motivo ou razão criado pelo Homem). Sendo o Homem ao mesmo tempo a vítima e o seu único predador – e com os primeiros a matarem-se para a sobrevivência dos segundos.

 

E com o Diabo lá em cima (Criatura Excecional) já em contacto com Deus (executando as suas ordens à medida e imagem do Homem).

 

(imagens: rt.com/youtube.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:56
Quinta-feira, 26 DE Março DE 2015

O Voo Fatal 9525

Na passada terça-feira um Airbus A320 de uma subsidiária do grupo alemão Lufthansa, colidiu a cerca de 2.000 metros de altitude e a cerca de 700km/h com uma das montanhas da cordilheira dos Alpes, provocando com o violentíssimo impacto que se seguiu a completa desintegração da aeronave e 150 vítimas mortais (entre passageiros e tripulação).

 

destrocos-de-aviao-airbus-a320-da-germanwings-nos-

Destroços resultantes do choque brutal do A320
(contra uma das montanhas da cordilheira dos Alpes)

 

“A young German co-pilot locked himself alone in the cockpit of a Germanwings airliner and flew it into a mountain with what appears to have been the intent to destroy it, a French prosecutor said on Thursday.” (reuters.com)

 

“We must confirm to our deepest regret that Germanwings Flight 4U 9525 from Barcelona to Düsseldorf has suffered an accident over the French Alps. The flight was being operated with an Airbus A320 aircraft, and was carrying 144 passengers and six crew members.” (germanwings.com)

 

BN-HP395_0326lu_P_20150326103252.jpg

O co-piloto do Airbus A320
(pertencente à companhia alemã Germanwings/Lufthansa)

 

Depois dos dois últimos grandes acidentes ocorridos no decorrer do ano passado (no espaço de quatro meses e envolvendo a mesma linha aérea), certamente que os frequentadores deste meio de transporte começam a ter algumas dúvidas sobre esta opção de veículo e sobretudo sobre as suas condições de segurança: só nestes dois acidentes aéreos registaram-se um total de 537 mortos (MH370/Malásia e MH17/Ucrânia).

 

E se decidirem lembrar-se de acidentes aéreos anteriormente ocorridos em circunstâncias e consequências muito semelhantes, facilmente descobrirão mais uns quantos casos que de tão idênticos e familiares, nos dirão que esta última tragédia não é uma situação tão virgem e irrepetível como pensamos.

 

Já no ano de 1997 um avião indonésio da companhia Silk Air conduzido pelo seu comandante suicida se tinha despenhado sobre um rio provocando mais de 100 mortos, para dois anos depois um avião da Egypt Air acabado de levantar voo de Nova Iorque em direcção ao Cairo e trinta minutos depois da descolagem (e com o seu comandante suicida a gritar “I rely on God”) se despenhou no mar e provocou mais de 200 mortos.

 

Agora surge esta tragédia não só envolvendo (de novo) a Europa, uma companhia alemã bem creditada no mercado como a Lufthansa, obliteração total do aparelho e de todos os passageiros que transportava e novamente contando com a participação de mais um piloto suicida. Que apesar de ser o aprendiz e sem grande dificuldade tomou nas suas mãos o destino de outras pessoas.

 

Como é possível?

Tem que haver responsabilidade criminal e não será só do co-piloto. Pelo menos em respeito e homenagem a todos aqueles que não o sabendo, foram involuntárias vítimas mortais (como parece ter sido o piloto).

 

(imagem – wsj.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:47

pesquisar

 

Novembro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
16
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

comentários recentes

blogs SAPO


Universidade de Aveiro