mais sobre mim

subscrever feeds

Quarta-feira, 13 DE Setembro DE 2017

Fim de Verão

[Em Albufeira]

 

Com a estação do Verão a terminar dentro de uma semana (em Portugal como no Hemisfério Norte), prevê-se que de 13 a 20 (de Setembro) em Albufeira as temperaturas máximas e mínimas comecem a descer: com as temperaturas mínimas a andarem entre os 13⁰C/19⁰C e com as máximas a variarem entre os 26⁰C/30⁰C (hoje com as mesmas a registarem variações entre os 19⁰C de mínima e os 30⁰C de máxima).

 

201709131300_msg3_msg_ir_atlan.jpeg

 Satélite MSG3 - Infravermelho - Oceano Atlântico - 13.09.2017 13h

(EUMETSAT/IPMA)

 

Não se prevendo para este período final do Verão qualquer tipo de precipitação (praticamente 0% de probabilidade), com o vento a soprar moderado quase sempre de norte (exceto dia 19/20 sendo S/SE) e (para quem ainda vai para a praia) com os índices de raios ultravioleta a andarem pelos 6/8 UV. Quanto à humidade (relativa) andando aproximadamente pelos 30%/70% sendo o risco de incêndio moderado.

 

Segundo informações recentemente fornecidas pelo IPMA constatando-se relativamente a este Verão de 2017 e em Portugal Continental (abrangendo os meses de Junho, Julho e Agosto):

Ter apresentado temperaturas médias do ar superiores ao normal (para a época) ‒ tempo excecionalmente quente em Junho o mais quente desde 1931;

Ter apresentado precipitação muito inferior ao normal (para a época) ‒ seca meteorológica;

Em função dos dois primeiros itens sendo considerado um Verão quente e extremamente seco ‒ mas apesar de tudo com o território em seca severa e extrema a ter vindo a diminuir ao longo dos três meses (80% - 79% - 60%).

 

Já a nível de fenómenos de carater sismológico (já que Portugal Continental que se saiba não tem nenhum vulcão pelo menos ativo) com o único sismo digno de algum relevo (dada a baixa magnitude sendo por poucos sentido) e verificado na região nas duas últimas semanas a ser: o ocorrido na passada segunda-feira (dia 11 pelas 18:09) a NW de Portimão (a cerca de 20Km de profundidade) com M3.6 (grau 4) e que segundo testemunhos se fez sentir (entre outros locais) na Praia da Rocha.

 

E a 21 de Setembro (no Hemisfério Norte) iniciando-se a estação do Outono.

 

(imagem: ipma.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:16
Quinta-feira, 31 DE Agosto DE 2017

Monotonia de Fim de Verão

No Hemisfério Norte com o Verão a terminar já a 21 de Setembro (e com as férias da maioria acabando já hoje), começando no dia seguinte a estação do Outono (estendendo-se até 21 de Dezembro).

 

A menos de 24 horas do fim de mais um mês de Agosto (das nossas vidas) a Terra continua tranquilamente a rodar em volta do Sol (o seu centro virtual) acompanhada na sua translação pela Lua (a acompanhante de luxo) sempre com o mesmo lado virado para nós: com o período de rotação da Lua (a acompanhante) igual ao de translação aplicado ao cliente (a Terra) uma vez parecendo o cú de outras vezes as mamas.

 

img_796x560$2017_08_30_18_26_45_77948.jpgimg_222x147$2017_08_31_12_36_57_663409.jpg

A morte de um jornalista desparecido

(e só encontrado na mala do carro depois da viatura já ter sido rebocada)

 

No sul de Portugal e por esta altura com uma grande parte dos seus residentes (temporários ou não) tendo como o objetivo comum o turismo, as praias, a comida e o prazer, deixando-se levar nos dias pela sonolência do calor e arrastando no tempo a impossibilidade de modificar: com idiotices de Verão apenas para passar tempo (quando não se tem nada para fazer o tempo custa a passar), propostas alternativas usando trilhos idênticos (mal definidos pelas ondas verticais de calor), apenas maquiadas por um encontro fortuito (todos os anos pela mesma altura e no entanto sem continuidade) e queimando mais um ano de cronologia.

 

A 30 de Agosto de 2017 com Portugal a mergulhar no seu habitual silêncio noturno (de inveja e de indiferença), com o país entretido com outras coisinhas supérfluas (agora que os incêndios parecem ter sido suspensos enquanto o Outono não chega ou José Sócrates não é julgado) como eleições autárquicas (à porta) e transferências de futebol (a terminar): com a monotonia que atravessa o nosso corpo (lobotomizado mesmo antes dos primeiros testes feitos pelo nosso Nobel da Medicina) a fazer-se sentir até nos Média (cheios de inocentes e manipuláveis estagiários), caindo a notícia no charco dada a fonte pantanosa ‒ ficando-nos pelo submundo da perfeita estupidez (consequências de Verão e dos seus raios nocivos). Com notícias propensas a mirones propondo-nos o desaparecimento/assassinato de um jornalista em Portugal ou o desaparecimento/rapto de uma criança em França (a nível nacional); e a nível internacional tanto pela catástrofe presente como pelo possível apocalipse futuro, as inundações no Texas ou os mais de 1000Km percorridos por um míssil norte-coreano (passando por cima dos céus do Japão).

 

rockportb4_google_s4lpx.jpgrockportafter_noaa_digiglob_edgz2.jpg

Impacto do Furacão Harvey nas proximidades de Rockport/Texas

(antes e depois da passagem da tempestade)

 

Graças à América e com a ajuda dos Asiáticos (e sobretudo com a Estação Idiota atualmente em vigor no Hemisfério Norte, onde tudo se faz e onde todo o Mundo se concentra) entretendo-nos com as vítimas da meteorologia do Texas (e do oportunismo e incompetência do Homem na manutenção das condições mínimas de sobrevivência) e com as ações teatrais oriundas da Coreia do Norte (mas por ação geopolítica/estratégia da China podendo-se transformar numa confrontação entre os dois mais fortes blocos atuais, condicionando tudo no Mundo e as condições de Vida na Terra): os EUA e a China.

 

No caso das inundações nos EUA com o número de vítimas mortais a ter já ultrapassado as 25 (e a crescer), com muitas localidades do estado do Texas completamente inundadas (e não se prevendo um recuo das águas nas próximas horas), com explosões a registarem-se numa zona de indústrias químicas pondo em alerta máximo todos os aí residentes (e nas suas proximidades) e como se ainda já não bastasse com tantas situações imprevistas (e preocupantes) surgindo a todo o instante, agora com um novo e desastroso cenário face ao possível colapso de duas grandes barragens: colocando a vida de muitos mais em causa e dando-lhes apenas duas opções, fugir ou morrer.

 

960x0.jpg

 O Foguetão Norte-Coreano Huxasong-12 do ditador Kim Jong-un

(um míssil balístico de meio-alcance a caminho de Guam/EUA)

 

Completando-se o cenário deste final de Estação de Verão (no sempre explosivo Hemisfério Norte) com a Coreia do Norte e o seu líder Kim Jong-un e com os EUA e o seu líder Donald Trump. Numa história cansativa arrastando-se há já dezenas de anos, com diversas personalidades de um lado e do outro como protagonistas (Presidentes norte-americanos e ascendentes do Grande Líder), envolvendo duas das maiores potências Mundiais uma diretamente (defendendo unicamente os seus interesses de manutenção da supremacia na região neste caso no continente Asiático) e outra indiretamente (defendendo a integridade do seu território e as suas potenciais áreas de expansão fronteiriças, vizinhas e continentais), tentando-se sobrepor em poder e influência uma relativamente à outra (dois blocos lutando pelo controlo do Mundo atualmente com o epicentro na Ásia) e julgando tal como algo de adquirido e dando-lhes os seus respetivos direitos e privilégios. Hoje com os Estados Unidos num caos (democrata/republicano, derrotados/vencedores, cidadãos/corporações) e com a Coreia do Norte a aproveitar (com o seu líder a testar mísseis, tentando o Intercontinental ‒ colocando lá dentro algo ‒ e assim a curto prazo podendo atingir a América pelo menos na cabeça dele). Na prática com o último episódio desta interminável saga agora sendo emitida (início da Temporada Donald Trump) a ocorrer na passada terça-feira (dia 29), com a Coreia do Norte a lançar do interior do seu território um míssil balístico na direção do Japão, sobrevoando o país cerca de 9 minutos depois (a 547Km de altitude) e acabando por se desintegrar caindo no mar por volta do 15º minuto após o seu lançamento (a 2.736Km do ponto de partida).

 

(imagens: FLASH, CM, GOOGLE, NOAA e STR/AFP/Getty Images)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:06
Quinta-feira, 24 DE Agosto DE 2017

Verão em Marte, Verão em Portugal

Enquanto pela Terra a sua raça dominante disfrutando do seu ecossistema e da proteção existente (oferecida entre outros pela atmosfera terrestre) se entretém a ver o seu excitante e exclusivo Eclipse (um Evento só para nós ainda-por-cima no nosso hemisfério e na estação do Verão), em Marte e sem proteção (e se tal tiver existido) e com o bom ambiente passado (à história ‒ hoje sem oxigénio e sem água) nada resta de relevante graças aos raios mortais.

 

1793ML0092500020702265E01_DXXX.jpg

 Um Antigo Leito Oceânico

Marte ‒ Curiosity Rover ‒ Sol 1793

(22 Março 2017)

 

Retrato de um mundo num passado provavelmente já bastante remoto (uns biliões de anos) podendo ter tido um percurso evolutivo em tudo idêntico ao nosso (planeta), mostrando a quem quer ver todos os indícios e até evidências de se estar perante terrenos não expostos (à atmosfera desse mundo) e anteriormente recobertos por grandes extensões líquidas (familiares) como os oceanos na Terra.

 

Com uma parte relevante da sua superfície sólida a estar submersa por um grande oceano líquido (comparativamente menor que o da Terra), provavelmente constituído por água e outros elementos como os minerais (por exemplo o sal) e talvez com movimento e até mesmo com vagas (podendo ser menores que as nossas), uma estrela também nossa (o Sol a acompanhar) e até ar respirável e suscetível de Vida.

 

Hoje dia 22 de Agosto de 2017 e conforme o dito retrato registado pelas câmaras a bordo do Rover Curiosity, com o cenário completamente reconvertido por sucessivas transformações ocorridas durante biliões de anos (esmagadoramente provocadas por interferências vindas do Espaço exterior, tendo na fila da frente os raios solares e cósmicos e ainda os impactos diretos), apresentando-nos o que aqui seria (hoje na Terra) o leito oceânico sem água.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:00
Quarta-feira, 16 DE Agosto DE 2017

Verão Mortal em Portugal

Árvore de grande porte cai sobre dezenas de pessoas no Funchal.

(sapo.pt)

 

9f7a1f307abbd6c5cf81bb7bba3dc18fcdc6f51a.jpg

A árvore assassina

 

E depois da tragédia dos Incêndios (que infelizmente não param em Portugal devido ao flagelo climático, ao número crescente de incendiários e à incúria de sucessivos Governos) chegam agora as tragédias das festas (de cariz social e religioso) para dar um tom mais explosivo a esta estação das férias de Verão ‒ só em Pedrógão Grande e no Funchal estimando-se um número de vítimas mortais acima de 74 (senão mais) e um número de feridos (no mínimo) acima de 185 (com os números ainda podendo crescer no caso passado e no presente).

 

Queda de árvore causa dez mortos no maior arraial na Madeira.

(título JN)

 

Apesar de tudo e talvez por estarmos a atravessar o período mais quente do Verão (em geral o mês de Agosto) após o incidente com o povo a protestar, pouco depois a observar e a comentar e no fim a finalmente arquivar e a esquecer. Levando a que como consequência da inatividade de ambos os lados (dirigentes e dirigidos) se possa afirmar o mais convictamente possível (com quase 100% de certeza dado os antecedentes), que no próximo ano de 2018 certamente pela mesma altura e com tudo inalterável, se repetirá o mesmo cenário.

                                          

Árvore que caiu na Madeira não estava saudável e tinha fungos.

(tvi24.iol.pt)

 

E em notícia de última hora a ficarmos a saber através da análise de peritos certamente dependentes do Governo, da Câmara ou da Paróquia (responsáveis pela manutenção do espaço onde se deu a tragédia), que a culpa terá sido da árvore já sem saúde para se manter de pé (num Evento como este) e ainda-por-cima com fungos – exigindo-se justiça imediata através do abate de outros semelhantes. Nunca se devendo esquecer que as aparências iludem (e que estupido é quem se deixa iludir):

 

O carvalho que esta terça-feira caiu na Madeira, provocando 13 mortos, não estava saudável, apesar de manter um bom aspeto exterior. É possível haver sinais de vida de uma árvore a caminho de morrer. (…)  Isso não quer dizer que a árvore esteja saudável e segura.

(tvi.iol.pt)

 

Pelo que neste país à beira-mar plantado e cada vez mais inclinado a se ir afundando no oceano (com o peso das migrações do interior para o litoral) – em que um juiz insulta uma mulher após ser violada desculpando o violador por esta estar na menopausa (segundo este juiz já pouco sentindo talvez por ultrapassada) e em que uma vítima de um incêndio não o é apenas porque ao fugir foi atropelada e morreu (com isto também a ser estabelecido e decretado por peritos certificados) – não sendo de espantar que mesmo depois do incidente mortal da Madeira e com as vítimas sempre a crescer ainda não haja culpados num país cheio de chefes ainda-por-cima doutores: faltando-nos interiorizar que se antes nos calavam com um certificado de porte de arma – querendo todos ser tropa − agora nos calam, asfixiam e matam com um certificado em papel, declarando-os iluminados (e a todos os outros fundidos/fodidos) – querendo todos ser doutores (e assim evitando trabalhar).

 

(imagem: iistoe.com.br)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:32
Sábado, 12 DE Agosto DE 2017

Este Verão e Kate Perry

Dois anos depois!

 

Num dos espetáculos de KATE PERRY (cantora norte-americana) levado a cabo já no distante ano de 2015 (uma primeira estranheza por só se salientar isso agora), por qualquer razão natural ou então artificial (saúde, drogas ou controlo mental), esta sentiu-se mal (1), anunciou-o em palco (2), acabando por colapsar (3) ‒ sendo de imediato retirada do palco ainda do outro lado e completamente grogue (4).

 

snapshot 1.jpgsnapshot 2.jpg

 

Imagem 1 e 2

 

Até Agosto deste ano e cerca de dois anos depois (uma segunda estranheza dada a Estação Idiota) esquecida nas prateleiras e nunca sendo sublinhada (um caso comum na vida destes artistas), apenas ressuscitada na comunicação por simples factos de associação (e de estratégia informativa num tempo irrelevante) de modo a ser reintroduzida e até mesmo reciclada (noutro tempo e espetáculo).

 

snapshot 3.jpg snapshot 4.jpg

 

Imagem 3 e 4

 

Aproveitando-se este período em que o povo se divide entre o trabalho e a preguiça (Verão), para criar neste espaço-tempo talvez característico de um qualquer buraco negro, um novo terreno de manipulação e de condicionamento, mais fácil de aplicar quando o povo se divide (entre extremos) o mais possível distantes (e de preferência simétricos) criando no interior o vazio (e ao mesmo tempo com todos anulando-se e colocando-se à disposição).

 

[Obrigando-nos a engolir uma das Realidades (a certificada) ou a engolirmos as suas Teorias da Conspiração (a única Imaginação derivada e disponibilizada): uma outra estranheza mas de nível superior, às duas anteriores estranhezas (já que somos nós, aqueles postos em causa).]

 

(imagens: youtube.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:54
Sábado, 05 DE Agosto DE 2017

Os Miolos a 5 de Agosto

Albufeira, 18:00

Temperatura: 29⁰C

(Máxima: 35⁰C Mínima: 18⁰C)

 

Este sábado com as temperaturas a sul do país (Alentejo e Algarve sobretudo na região leste) a atingirem valores a caminho e próximos dos 40⁰C ‒ e com o céu limpo e luminoso a proporcionar à superfície da terra e do mar índices elevados de raios ultravioletas (9 numa escala até 10) ‒ criaram-se todas as condições (cada vez mais alargadas e consentâneas com os desejos dos grandes contingentes turísticos) para a opção por uma das três atitudes aceitáveis e certificadas: ficar em casa, ir à praia ou ir até ao centro comercial.

 

getpicture.jpg

 Europa ‒ imagem de satélite a infravermelho

 

De momento com toda a região envolvendo o mar Mediterrânico da sua ponta mais a oeste atá à sua ponte mais a leste (todo o sul da Europa e o norte de África) a estar debaixo de uma massa de ar quente pesada e por vezes verdadeiramente asfixiante e com os parâmetros apresentados (do tempo) reproduzindo condições de sobrevivência ambientais para alguns de nós severas senão mesmo mortais (nalguns locais e para certas camadas etárias). Relembrando que períodos anteriores como este (por exemplo a última e mais recente vaga de calor em Portugal) sempre justificaram a maioria das mortes ocorridas (nesse período) sobretudo entre doentes e entre idosos (ultrapassando um milhar).

 

Hoje em Albufeira com a temperatura por volta das 17:15 a andar pelos 29⁰C (céu limpo e humidade de 57%) e com a previsão a apontar para os dias seguintes uma descida das temperaturas máximas ‒ maioritariamente com o céu a manter-se limpo e luminoso propício para valores elevados de raios ultravioletas (alertando para os cuidados a ter com a exposição solar). Temperaturas altíssimas (em torno dos 40⁰C) podendo levar à desidratação (se descurada a prevenção e a proteção) um dos caminhos mais rápidos para o colapso e uma via bem aberta para a morte (morre-se muito mais depressa se deixarmos de beber face a deixarmos de comer).

 

Face a tudo isto e apesar de ser Verão (no Hemisfério Norte) fazendo-nos mais uma vez pensar nos Efeitos Climáticos provocados pelo Aquecimento Global (cada vez com mais incêndios e crescente escassez de água) ‒ do outro lado do Mundo por contraste com tempestades e furacões a assolarem o sul da Ásia ‒ e através de um simples exercício imaginar o que será Portugal (o Algarve e Albufeira) até ao fim deste século. Com uma subida do nível da água do mar estimada para 2,5 metros até ao ano 2100, com muitas das zonas costeiras de Portugal Continental a entrarem em alerta máxima sobretudo na costa Atlântica (mais exposta) mas também nas zonas baixas como as situadas no litoral do Algarve: como na ria Formosa muralha mas de baixo-relevo (sendo a praia de Faro um desses exemplos), como na zona do Alvor certamente uma das mais afetadas (muitos locais pouco acima do nível do mar) ou então imaginando Albufeira com a sua zona mais antiga fazendo lembrar a inundada Veneza (em miniatura tal como num souvenir).

 

[Numa autêntica noite de Verão, com uma leve brisa e temperaturas na ordem dos 30⁰C.]

 

(imagem: weatheronline.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:33
Quarta-feira, 02 DE Agosto DE 2017

Crimes de Verão

Pelos vistos para alguns pilotos de aeronaves circulando no espaço aéreo português, o areal de uma praia, no mês de Agosto, em pleno Verão, cheia de gente e junto de uma grande metrópole, pode ser considerada em último caso como uma pista a considerar para aterragens de emergência. Entendido isto como não compreender a revolta e a fúria de um pai vendo a sua filha ali morta (colocado perante o piloto) e a vergonha de algumas televisões ao calarem o pai da criança assassinada ‒ ouvindo-o mas inevitavelmente extravasando (o expectável) tirando-o de cena.

 

mw-1600.jpg

A Aeronave

(com a asa quebrada devido ao impacto)

 

Neste caso passado numa das praias da Costa da Caparica junto à maior metrópole de Portugal (a sua capital Lisboa) e por esta altura sempre bem lotada de famílias e grupos de jovens usufruindo das suas férias de Verão (Agosto o mês preferido pelos portugueses), com o piloto de uma avioneta registada em Torres Vedras a optar por aterrar em terra (cheia de gente) a uns míseros metros do mar, matando como consequência um adulto e ainda uma criança. E com todos surpreendidos a terem que assistir e infelizmente participar, vendo um familiar a morrer.

 

mw-1600 e.jpg

As duas vítimas

(cobertos à direita sobre a areia da praia)

 

O que mais uma vez em Portugal como no resto do Mundo nos coloca a questão da quantidade e respetiva qualidade de certas certificações atribuídas a indivíduos dos mais diversos sectores de atividade da nossa sociedade, transformada a educação (cultura, experimentação, memória) em formação especializada (orientando-nos para um único ponto e ignorando todos os outros ‒ como se isso fosse possível) desprezando o conhecimento passado, obliterando os grandes autodidatas e todos os restantes valores que ainda mantinham a Humanidade de pé.

 

(imagens: Ana Oliveira/Visão)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:53
Quarta-feira, 02 DE Agosto DE 2017

Agosto em Portugal ‒ Estação Maluquinha

[Em Férias e festejando o Aquecimento Global]

 

Dia 1, do Mês que faz a Dúzia

 

“De 1 a 31 de Agosto somos declarados mortos ‒ ressuscitando pouco tempo depois ao 32º dia. Uma reflexão necessária sabendo-se que Jesus (o filho de um Deus) ressuscitou logo ao 7º dia.”

 

bl02_windmill_3190578f.jpg

O Dia da Superação

Numa comemoração anual e móvel antecipando-se todos os anos

Comemorando-se em 2017 no dia 2 de Agosto

 (deixando-nos sem recursos e logo num período de férias)

 

Hoje dia 1 de Agosto de 2017 (uma terça-feira) começa o princípio do fim das férias de Verão em Portugal (um território localizado no Hemisfério Norte):

 

Para a maioria daqueles que adeptos incondicionais do Sistema (obviamente remunerados pelo mesmo) são durante quase 92% dos dias (que compõe um ano de trabalho) obrigados a cumprir um horário monótono, repetitivo e sem criatividade (com os mais privilegiados a serem premiados com alguns fins-de-semana apenas para descomprimir e de modo a impedir possíveis implosões),

 

Sendo o único momento neste curto período de tempo (flash) que a Vida nos proporciona (em média e segundo dizem oitenta anos) em que pretensamente nos libertamos (das diversas hierarquias de proximidade) e eventualmente nos deixamos levar sem regras nem restrições (voluntariamente) para territórios desconhecidos e distantes (onde nada nem ninguém nos conheça e nos impeça seja por que motivo for ‒ mesmo que infantil ou dito senil ‒ de usufruir).

 

No fundo e nesse instante (8% da nossa Vida) tal como com qualquer veraneante (modelo), praticando-se a preguiça, o prazer e os excessos, mesmo que nunca se tenha sido praticante, crente ou simpatizante:

 

E na praia como no cemitério sendo mesmo todos iguais (apesar dos adereços e ornamentações extra epidérmicas, em geral reduzidos e pondo-nos todos a nu)

 

Como o demonstram os raios-X passando sobre um areal ou então sobre campas, com os corpos todos dispostos ordenados e na horizontal (mais vestidos ou menos vestidos) e bem estendidos na areia com cremes e até com outros produtos (seja por dentro/múmias ou por fora/zombies).

 

Sejam Mortos ou sejam Vivos ou não fossemos Mortos-Vivos.

 

Dia 2, do Mês que faz o Ano

 

“Numa média e considerando o nosso país e a nossa Pegada Ecológica, com os portugueses a necessitarem de dois Portugal para sobreviverem ‒ e dada a nossa posição geográfica só mesmo invadindo Espanha (a cavalo por terra) ou alcançando Marrocos (de caravela por mar).”

 

1f148ea57e23061678b2836304ebe9ed.jpeg

Renováveis no Luxemburgo

(país com menos de 2.600Km² e de 600.000 residentes 16% portugueses)

Além de alérgico às energias renováveis (fraco investimento e consumo)

Necessitando de oito Terras para sobreviver (1º lugar na EU)

 

Hoje dia 2 de Agosto de 2017 (uma quarta-feira) esgotam-se todos os recursos para nós disponibilizados para os 365 dias do ano de 2017 (ou seja para os 7 biliões de residentes neste planeta):

 

Na prática significando que apenas em 58.6% das 8760 horas deste ano teremos alguma possibilidade de sobreviver (isto se não apanharmos nenhuma doença, guerra ou invasão),

 

E que a partir de amanhã e durante mais 3624 horas nada mais se poderá adquirir dada a rutura total de Stocks.

 

Felizmente para metade do planeta (isto para sermos otimistas) não sendo bem assim (a outra metade que se lixe),

 

Com metade a continuar a sua bela vidinha comendo da fatia da outra cara-metade e sobrevivendo até Dezembro ‒ para o ano logo se vendo e os filhos que se lixem.

 

Ou não vivêssemos hoje em dia num mundo sem sonhos e sem valores (impossível de suportar pelos humanos) em que o tempo (com os seus ponteiros sempre à procura do momento em que se cruzam, de guilhotina) se apoderou do espaço e até da velocidade:

 

Ignorando a Matéria e a Energia, o Homem e o Eletromagnetismo, Einstein e a Teoria.

 

[E para quem ainda tem dúvidas sobre este dia que nos informa do fim dos recursos naturais disponibilizados este ano para todo o planeta Terra, basta olhar para cada um dos seus territórios e verificar a evolução de determinados setores (fundamentais por básicos) da nossa sociedade (e respetiva estrutura), constatando e confirmando a crescente falta de água (penúria), a erosão, a desflorestação, a desertificação das terras e a queda brutal da produção agrícola (contrastando com o implacável aumento demográfico), além da desaparição de diversas espécies a continuar assim podendo chegar a do próprio Homem.]

 

(imagens: thehindubusinessline.com e rtl.lu)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:19
Quinta-feira, 27 DE Julho DE 2017

Nada de Notícias Falsas, Notícias de Verão

Neste Mundo Alienado ‒ por dividido entre a Vida e o Outro Lado ‒ A Morte É Sempre Notícia

(mesmo para além dela, se for sempre bem espremida e se tivermos muita sede)

 

“Poucos dias depois de ver um OVNI no Arizona,

Chester Bennington vocalista dos Linkin Park suicidou-se na Califórnia.”

 

2017_0720_10272_6618.jpeg

 

Como é natural de suceder num Mundo Onde Já Nada Acontece (Terra) e Num Tempo Consagrado A Férias (Verão), tudo tem que ser mais espremido (como fruta já seca) se dele quisermos extrair algum sumo (senão existente pelo menos imaginado): com a fruta a ser agora um norte-americano natural da cidade de Phoenix, musicalmente famoso e recentemente falecido (faz amanhã uma semana) e com o sumo a vir do encontro imediato do mesmo com um Objeto Voador Não Identificado (OVNI).

 

E num período (de temperaturas elevadas) em que o nosso estado de consciência normal é constantemente posto à prova (com os nossos níveis de testosterona a atingirem valores elevados), muitas das vezes chegando a colapsar atirando-nos para um estado de semiconsciência (senão mesmo inconsciência), sendo também natural, normal e até lógico que a partir de um simples detalhe antes percecionado por sentido (noutro espaço e noutro tempo registado em memória) se associe o mesmo a um outro cenário e nele se processe a informação.

 

maxresdefault.jpg

 

Numa intervenção necessária e aparentemente Externa à nossa Realidade, mas ao contrário do que muitos pensam (por supostamente se opor à mesma) fundamental para a manutenção deste Sistema Monótono e Repetitivo (sem Imaginação) que hoje nos comanda a Vida (desde o nascimento até à morte e passando pelas diversas etapas da nossa certificação) seja dentro ou fora dos eixos (vindo dos a favor ou dos contra): ultrapassando as margens do rio (por onde segue a manada) e sujeitando-nos aos Teóricos da Conspiração (verdadeiros ou falsos). Num Novo Mundo onde o valor lógico da preposição tanto vale que seja V ou então que seja F.

 

Pelo que a morte recente (20 de Julho) do vocalista da banda norte-americana Linkin Park (Chester Bennington) suicidando-se numa das suas residências por enforcamento, não é bastante por si só para ser considerada notícia, necessitando de algo mais para poder persistir, ser reconsiderada e talvez elevada ao nível de reportagem ‒ e aí entrando o negócio (de novo) o marketing, a publicidade e as histórias alternativas de preferência conspirativas (e com sorte com mortes): nesse sentido com os Média informando-nos que Chester Bennington terá visto um OVNI pouco tempo antes de morrer. Vítima de Alienígenas (do OVNI) ou de Controlo Mental (Interno).

 

(imagens: linkinpark.com e KIISFM.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:17
Segunda-feira, 15 DE Maio DE 2017

Raios Cósmicos

“Spaceweather.com and the students of Earth to Sky Calculus have been monitoring radiation levels in the stratosphere with frequent high-altitude balloon flights over California. Here are the latest results, current as of May 6, 2017”. (spaceweather.com)

 

radplot.jpg

De 2015 a 2017 um crescimento de 13% na intensidade dos raios cósmicos

(podendo ser problemático andar muito de avião)

 

Agora que nos aproximamos do Verão (que se inicia a 21 de Junho) e como consequência nos inclinamos cada vez mais para a frequência da praia e do mar (em Albufeira), convém recordar a todos aqueles que por diversos caminhos se aproximam destes lugares à procura de um lugar de lazer e de prazer (no litoral como poderia ser no interior), que todos os cuidados são poucos mesmo quando (aparentemente) não vamos para a Guerra ‒ quando como todos nós sabemos (na praia) se procura a frescura e a Paz.

 

Num momento em que com a aproximação da estação do Verão a ação dos raios solares (no Hemisfério Norte) se acentuará sobre nós ‒ não só pela sua maior intensidade, como pela nossa maior exposição ao utilizar vestuário reduzido ‒ obrigando-nos a maiores cuidados na proteção do nosso corpo (como é o caso da parte mais exposta a pele) e a comportamentos de proteção de modo a evitar possíveis efeitos (nocivos): por exemplo se fosse hoje (15 de Maio) e dado os índices ultravioletas extremamente elevados registados do Tejo para baixo (Alentejo e Algarve) 9/Muito Elevado, aconselhando-se a ir para a praia mas se possível vestido (de chapéu e óculos-de-sol).

 

iuv_prev12.jpg

Previsão IUV para esta segunda-feira, 15 de Maio

(com o Sul de Portugal em destaque)

 

E se por um lado alguns poderão alegar na ânsia de irem para a praia e como justificação para tal procedimento que a estrela que nos aquece se encontra num Ciclo de Baixa Atividade Solar ‒ o Sol encaminha-se para um mínimo (talvez lá para 2019) pelo que a sua atividade tende a diminuir ‒ por outro lado não nos poderemos esquecer que segundo medições sendo entretanto realizadas os raios cósmicos estarão a aumentar: pelo que se os efeitos nocivos de uns se atenuam (raios solares) logo outros os substituem (raios cósmicos), com estes últimos em nada melhores que os efeitos dos primeiros (talvez mesmo pelo contrário).

 

Pelo que enquanto as manchas solares diminuem e a atividade do Sol se mantem relativamente calma (sem grandes explosões e CME) e deixado o espaço livre pela diminuição de raios solares, logo os oriundos de mais longe e potencialmente mais perigosos (raios cósmicos) ocupam o seu lugar e bombardeiam de imediato a Terra: com a atmosfera que nos rodeia e protege a ser o nosso primeiro escudo de defesa (e do nosso planeta) e no entanto com esta enfraquecida por alguma instabilidade geomagnética (no campo magnético terrestres). Tendo assim sempre em atenção como vai o Ciclo Solar (mínimo correspondendo a menos proteção contra os raios cósmicos) e não custando mesmo nada o controlo dos raios solares sobretudo os ultravioletas (bastando consultar o IPMA na seção Ambiente).

 

(imagens: spaceweather.com e ipma.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:25

pesquisar

 

Outubro 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
19
22
24
25
26
27
28
29
30
31

comentários recentes

blogs SAPO


Universidade de Aveiro