mais sobre mim

subscrever feeds

Sábado, 07 DE Janeiro DE 2017

Apenas dias até ao Extermínio

"Acredito que segundo a nova corrente Democrata adepta das Teorias da Conspiração (desde que perderam não o tendo entendido), faltam apenas 13 dias para a chegada do Anticristo (um Boneco ao serviço do Diabo) e 113 até à nossa completa extinção."

 

ISS_5112_01855.jpg

 

Talvez como consequência do título Inglês conquistado (no ano passado pela equipa de futebol do Leicester) seguido de imediato pelo sim Inglês a favor do abandono da UE (com a opção da maioria da sua população pelo Brexit), estudantes da Universidade da mesma cidade certamente preocupados com o seu futuro e com o possível semi-isolamento das Ilhas Britânicas (fechando-se à Europa mas por outro lado abrindo-se mais ao Resto do Mundo), tomaram em perspetival a sua atual situação (de maior abertura aos 7 biliões) e num estudo comparativo e profundo (atingindo para tal os extremos dos efeitos mais doentios) chegaram a uma conclusão (considerando o gosto dos britânicos pelos filmes de terror e no fundo proporcionando-lhes mais umas horas do mais puro prazer mental): nem sequer se restringindo à sua pequena Ilha, afirmando que se por acaso o Mundo fosse atacado por hordas de Zombies contaminados pelo seu vírus-zombie (um vírus que após a nossa morte nos transforma em mortos-vivos) em menos de 100 dias a nossa raça estaria praticamente extinta – em 7 biliões restando apenas uns míseros 273 (e sabe-se lá como).

 

Se nos lembrarmos bem e tal como o diz Stephanie Pappas a 6 de Janeiro deste ano (livescience.com) não sendo esta a primeira vez que a comunidade científica Britânica aborda este tema, não como algo de supérfluo (inútil) ou até mesmo político (associando-o ao Brexit) mas como um tema prioritário e até mesmo de saúde (ambiental):

 

“It's not the first time zombies have been used as a public health metaphor. In December 2015, for example, the British medical journal The Lancet published a tongue-in-cheek paper titled "Zombie infections: epidemiology, treatment, and prevention." And a viral blog post from the Centers for Disease Control and Prevention urged zombie-apocalypse preparations as a a metaphor for real-life disaster preparedness.”

 

zombies-598393_640.jpg

 

Um vírus de tal forma fácil de transmitir e como tal extremamente contagioso (fazendo-nos lembrar o vírus Ébola mas ainda pior), que o seu portador (podendo viver 20 dias mesmo sem o seu cérebro a funcionar) teria uma taxa de eficácia em torno de uns fantásticos 90% apenas com uma simples dentada (uns dizendo até pelo ar) deixando a sua vítima infetada. Segundo Pappas duas vezes mais contagioso e mortal se comparado com o vírus da Peste Negra que dizimou a Europa há mais de 700 asnos. Imaginando-se um Mundo pós-Apocalipse Zombie em que pouco mais de uma centena de sobreviventes teriam que lutar todos os dias do resto das suas vidas (e logo no início deste episódio final de terror) contra uns 190 milhões de zombies vagueando por aí perdidos (como as suas presas) e só pensando em comer o supremo-alimento o alimento-integral – o último de nós ainda vivo.

 

Mas sempre com a certeza de que conhecendo-se bem o Homem e a sua capacidade de resistência (e de sobrevivência) antes dos Zombies chegarem já os poderemos ter morto (sendo nós muito bons nisso matando por antecipação) – como o dizem os universitários:

 

"We have also not included the possibility for the humans to kill the zombies."

 

[Nestes tempos de Guerra e de Crise agora reforçados na composição do cenário com a chegada dos Republicanos à Presidência da Casa Branca liderados por Donald Trump (controlando também os Representantes e o Senado), não se prevendo grandes hipóteses para os Zombies com tantas armas na mão (ou não fossem os norte-americanos apologistas das armas).]

 

(dados: livescience.com – imagens: devlinblake.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:53
Quinta-feira, 13 DE Outubro DE 2016

Tudo se resolve a Tiro

[De preferência na Cabeça tal como no caso dos Zombies]

 

Um militar da GNR morto, mais dois feridos e um casal de civis baleado, tendo o homem morrido. Terá sido tudo obra de um único suspeito que continua a ser procurado.

(jn.pt)

 

pararellworld.jpg

Death is just an illusion: we continue to live in a parallel universe

(texto e imagem: messagetoeagle.com)

 

“Matamos porque nos colocaram as armas nas mãos, porque nos ensinaram logo a disparar e também porque nunca nos disseram que aqueles a abater eramos nós.”

 

Quando nos deparamos com certas notícias (que nos tocam e sensibilizam) e somos imediatamente confrontadas por elas (tal a intoxicação informativa), as duas primeiras coisas que nos vêm à cabeça e para as quais procuramos resposta (compreensão do fenómeno ocorrido pelo estudo da relação causa/efeito), são como seria lógico a sua compreensão (por perceção do ocorrido na origem) e a verdadeira extensão das suas consequências (através do processamento de todas as sensações entretanto recolhidas): no caso do triplo homicídio ocorrido na madrugada da última terça-feira no distrito de Viseu (dia 11), o conhecimento dos antecedentes sociais, profissionais e criminais do respetivo homicida (entre muitos outros parâmetros psíquico-físicos a valorizar e de modo a perceber-se com rigor o motivo da concretização deste ato criminoso e extremo) e a razão da escolha deste preciso momento para finalmente se exprimir (impondo-se de uma forma unilateral e violenta), sem limites e sem valores (ou seja matando).

 

“Como todos nós sabemos as tendências da moda nada tem a ver com os seus clientes, mas com todos aqueles que querem obter do seu produto o lucro máximo possível num mais curto espaço de tempo: e como tempo é dinheiro a melhor forma de resolver um conflito será sempre a tiro, até para se ser claro e se obter um grande impacto – sendo preciso, sempre eficaz.”

 

Deparando-nos neste caso particular com um indivíduo socialmente descrito (e visto na sua terra) como um cidadão normal (com virtudes mas também com alguns defeitos), filho de boas famílias e aparentemente sem grandes problemas financeiros (seria até piloto de aviação), com alguns problemas legais (e criminais) como qualquer descendente rebelde (daí a sua apresentação como ovelha-negra da família) e que adicionalmente (numa construção elaborada pelos media) apresentava desde logo algumas anomalias (pelos vistos relevantes mas nunca antes detetadas), que pelos vistos poderiam ser sintomas da doença que aí vinha. Num acontecimento dramático (3 indivíduos mortos, 1 em morte cerebral e 1 outro ferido) ocorrido num curto espaço de tempo e tendo a cabeça das suas vítimas como alvo (apenas um agente da GNR foi atingido nas pernas), explicado de uma forma infantil, ingénua, senão mesmo deliberada, socorrendo-se de dois episódios que (apesar de poderem ter sido explosivos) foram apenas a manifestação do potencial problema e não a sua causa: matamos porque somos condicionados para tal (percecionando e sentindo tudo o que nos rodeia e estrutura de uma forma desfocada, limitando-nos a perceção, baralhando a transmissão e originando erros na sensação) e não porque estivemos na África do Sul (= violência), porque somos caçadores (= morte) ou porque temos a casa cheia de animais exóticos (= trauma).

 

“Desde a Queda do Muro de Berlim não foi só o muro que caiu mas com ele todo o Mundo – interrompendo-se (pensava-se estar a acabar) aí a guerra entre o Bem e o Mal com a vitória do Bem. No entanto desde a queda das Torres Gémeas tudo mudou – deixando-os especados e sentindo-nos vulgarizados (verdadeiramente nas mãos do Diabo) com a evolução científica dada ao termo terrorista (sendo tudo e o seu contrário e impondo Bem = Mal).”

 

A nível de uma região de província, de um país pequeno, pobre e periférico da Europa, uma imagem fiel e de dimensão micro do que na realidade se passa um pouco por todo o Mundo: com os maiores exemplos a serem proporcionados a nível interno pelos EUA, com a perseguição impiedosa a todos os seus cidadãos que mexam e sejam de cor negra (em episódios todos os dias relatadas em toda a imprensa mundial e esmagadoramente terminando na morte do Preto (antes tinham sido os índios); e a nível externo com a vergonha (por ser tanta a hipocrisia presente e vinda de todos os lados) de vermos a maios potencia militar mundial (os EUA) a ter de se socorrer de todo o tipo de terroristas que tenha mais à mão (Exército Islâmico, Al-Qaeda, mercenários e ainda outros contingentes de menos bons e de menos maus) de modo a conquistar (neste caso um quintal historicamente russo) ou manter a sua supremacia (face à previsão da futura tomada de poder do bloco Russo/Chinês).

 

(imagem: a indicada)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:38
Segunda-feira, 09 DE Março DE 2015

EUA à Beira do Abismo – O Colapso Zombie

Daily Planet – Albufeira
THE EVENT – LAST & EXCLUSIVE NEWS
(09.03.2015)

 

r-ZOMBIE-APOCALYPSE-large570.jpg

 

Últimas notícias provenientes de Washington mencionam estar já em execução a última fase de um golpe de estado anti-constitucional invocando a necessidade de se afastar o mais rapidamente que for possível do poder, o Anti-Cristo e seus associados. Caso contrário o castigo de Deus será mesmo inevitável e sem possibilidade de retorno. Data a fixar: dia 20.

 

No próximo dia 20 de Março de 2015 (precisamente uma semana depois de mais uma sexta-feira dia 13) vão-se conjugar temporariamente dois fenómenos no mínimo curiosos: o equinócio (da Primavera no HN e do Outono no HS) e o eclipse do Sol (com o nosso satélite em fase de Lua Nova). Estes dois factores associados no tempo cronológico humano, irão despoletar um grave incidente de consequências catastróficas e com início previsto para um determinado espaço terrestre: nesse dia estarão criadas todas as condições para se dar início ao Apocalipse Zombie.

 

Estas informações são oriundas de organizações de prevenção e de defesa actuando na primeira linha de combate directo e já instaladas nos terrenos projectados de intervenção, que há já bastante tempo trabalham sem se fazer notar nas zonas consideradas com maior probabilidade de se transformarem em pontos quentes de contaminação. Toda a América do Norte já terá entrado em módulo de segurança ao nível de alerta máximo, dado todos os dados até ao momento recolhidos apontarem como foco principal de disseminação os Estados Unidos da América.

 

Todo este cenário ainda se torna mais esmagador e asfixiante quando alguns cientistas da NASA têm vindo a confidenciar em segredo o perigo que o nosso planeta aparentemente correrá de ser atingido ainda durante este ano por um ou mais pequenos asteróides ou meteoros, provocando um impacto devastador para muitas das regiões da Terra, além dos indícios cada vez mais visíveis e crescentes de que algo se poderá desenrolar brevemente em pleno coração do território dos Estados Unidos da América, mais precisamente na zona e nas imediações do grande super-vulcão de Yellowstone.

 

172894084-300x300.jpg

 

Se todas estas informações se confirmarem (esperemos pelo dia 20) o início do Apocalipse Zombie acabará por explodir no interior da maior potência mundial, pelo que as consequências globais serão fáceis de imaginar; e com a chegada dos impactos exteriores e a explosão da caldeira do super-vulcão, poderemos estar prestes a assistir a um novo salto do Homem em direcção à parte mais negra da sua História. O que não significa que o nosso último modelo se extinga, até porque considerada a evolução se nos transformarmos em Zombies, estes poderão adaptar-se e até substituir-nos.

 

Imaginem um mundo repleto de zombies apenas interessados em comer, com uns poucos contingentes de vivos fugindo aterrorizados nem sabendo bem para onde (com o único objectivo de não serem imediatamente comidos) e vivendo num mundo completamente devastado e não proporcionando as mínimas condições de sobrevivência. Este cenário apesar de aparentemente impossível de se concretizar (se não for mesmo paranóico) não é assim tão difícil de se aceitar, apenas sendo necessário abrirmos por uns míseros segundos, mais um poucochinho dos nossos lindos olhos.

 

E verificarmos que são os psicopatas que hoje em dia controlam o mundo deixando-o no estado miserável em que o mesmo se encontra (e nós), tornando a guerra banal e a morte como sua consequência natural. Entretanto e segundo informações oriundas dos serviços secretos norte-americanos (utilizando milhões de computadores igualmente com tecnologia alienígena), representantes da Federação Russa e da Republica Popular da China têm-se reunido regularmente e nestes últimos tempos na Crimeia com delegações de origem alienígena provenientes do satélite artificial de Marte Fobos, demonstrando bastante interesse em colaborar com os terrestres na sua luta contra este velho e conhecido vírus mortal (um agente patogénico delibera e previamente introduzido e aguardando apenas o sinal para despertar) e que segundo eles poderá estar na base do extermínio da sua raça e do fim da civilização marciana.

 

Aconselhamos assim todas as pessoas a procurarem o mais rapidamente que puderem um local de refúgio, o mais protegido e seguro que for possível, nunca se esquecendo que para fugir dos zombies terão que abandonar os grandes aglomerados populacionais e de preferência refugiar-se nas montanhas ou outros lugares isolados (no sul de Portugal na Serra do Caldeirão ou de Monchique). A regra é sempre a mesma – numa guerra o objectivo do nosso adversário (esteja ele ou não do nosso lado) é sempre e só uma: sobreviver eliminando-nos. E o Mundo há muito que já está em guerra.

 

(imagens – Web)

tags: ,
publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:57
Quinta-feira, 05 DE Junho DE 2014

Mundo Zombie PT

“Apocalipse Zombie também entra nos planos de defesa do Pentágono”

(notícia Web)

 

 

O problema provocado pela crise que actualmente varre o país de norte a sul já ultrapassou há muito tempo o nível mínimo de Preocupação: com um país cada vez mais agarrado à ampliação exponencial de Serviços não reprodutivos e tendo já eliminado a Indústria e os elos fundamentais das ligações comerciais associadas – as PME – o limite imposto pela imaginária linha vermelha já foi há muito ultrapassado, com um número crescente de cidadãos a viverem em condições cada vez mais extremas, já mais para o lado de lá do que para o lado de cá. E todos nós sabemos que condicionando os comportamentos humanos a uma estrutura económica ilusória assente apenas no valor do dinheiro (desvalorizando tanto o sujeito como o próprio objecto de troca a ele proposto) poderemos estar a criar uma nova raça de humanos cada vez mais afastada do seu molde original, em linha com o objectivo do sistema da reprodução de contingentes de excedentários cada vez mais numerosos, que justifiquem futuramente e como medida fundamental de sobrevivência (dos melhores) a sua eliminação. De início destruindo-os psiquicamente e posteriormente aprofundando a sua intervenção decisiva e aniquilando-os fisicamente – duma forma definitiva e irreversível. Muitos de nós já vivemos na Terra do Morto-Vivo, só que já ninguém quer saber mais de nós.

 

(imagem – A Crise no Limite – Maria João Cunha – RR)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:34
Quarta-feira, 26 DE Março DE 2014

Geração Zombie (1)

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(Multiversos – Um Futuro Projectado da Terra)

 

“Contando com a colaboração da Academia de Ciências Norte-Americana e da empresa da área de semicondutores Texas Instruments, os Zombies desse país decidiram ajudar em certas disciplinas científicas os alunos com maior dificuldade de aprendizagem”.

 

ZM

 

Bíblia – Mateus 27: versículos 50 a 53

 

50 Depois de ter bradado novamente em alta voz, Jesus entregou o espírito.

51 Naquele momento, o véu do santuário rasgou-se em duas partes, de alto a baixo. A terra tremeu, e as rochas se partiram.

52 Os sepulcros se abriram, e os corpos de muitos santos que tinham morrido foram ressuscitados.

53 E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos.

 

No mesmo dia em que o complexo do WTC – localizado na cidade norte-americana de Nova Iorque – era violentamente atacado por terroristas oriundos maioritariamente da Arábia Saudita e colocados ao comando de aviões de passageiros previamente sequestrados em voos internos, foi extraordinariamente e por motivos imprevistos completamente fora de controlo ou de correcção, libertado o primeiro grupo da 2.ª sequência de humanos. O grupo era constituído por um corpo misto de doze elementos já completamente transformados e adaptados, mas ainda sem qualquer tipo de experiência exterior e de contacto com estranhos ou estruturas desconhecidas: como primeiros protótipos da linha ZM a sua maturação tinha sido mais longa do que agora já era habitual, tendo o processo tido como vantagem uma melhor recalibragem mental – que melhorava duma forma substancial a performance mental do elemento – mas a desvantagem de se prolongar por um período de tempo mais extenso e assim proporcionar um intervalo de inactividade social com falta de contactos directos mais assíduos, provocando como consequência uma certa estranheza no momento do retorno. Mas o momento fora de comum obrigara à convocação imediata do grupo de ZM, com saída obrigatória para o exterior em módulo activo e em nível de segurança máxima, em obediência à ordem vinda directamente do órgão superior de comando a impor saída precisamente dentro de quinze minutos (exactos) e com encontro já em zona livre no local assinalado por P1 passados trinta minutos. Por comunicação do centro de comando a contagem iniciou-se de imediato nos seus respectivos conversores individuais, com a primeira referência antes do local P1 a ocorrer dentro de quinze minutas e a segunda dentro de quarenta e cinco já no local: faltava precisamente um minuto para atingirem o limite dos quarenta e cinco minutos quando um pouco longe dali as duas torres gémeas do WTC eram atingidas pelos aviões pilotados por terroristas árabes, ao mesmo tempo que presos nos pulsos de cada um dos doze elementos do grupo os conversores começavam a emitir uma luz verde intensa e intermitente, autorizando a entrada no Edifício M-12 situado mesmo à frente deles.

 

Z

 

Tudo começara com a introdução experimental dum vírus inactivo no corpo de um ser humano. O objectivo seria o de estudar a alteração provocada no metabolismo do ser humano ao ser activado o vírus: se as previsões teóricas se confirmassem poderiam estar a um passo de revolucionar e acelerar o desenvolvimento biológico humano, aumentando significativamente a sua capacidade física e psíquica. O problema foi que as previsões não se confirmaram obtendo-se pelo contrário seres com reduzidas necessidades de energia devido à queda violenta do seu metabolismo, traduzido na prática em seres existindo exclusivamente com o objectivo de obterem energia através da obtenção de alimentos e desse modo poderem continuar em movimento e subviverem. E a limitação das suas necessidades fundamentais levava à contracção cerebral, ao seu esvaziamento progressivo e à sua degenerescência inevitável – o que poderia levar à criação de monstros cegos por acéfalos. O processo tivera que ser refeito já algumas centenas de Z produzidos: durante anos ainda tinham sido sujeitos a alguns testes e ensaios complementares, mas um grave incidente aparentemente sem nenhuma ligação directa com os mesmos numa das bases onde estariam instalados, levara à sua destruição completa e à interrupção das actividades de pesquisa nas restantes bases enquanto decorriam as investigações federais. Só que existira fuga e poderia existir perigo de contágio. E daí surgiram os primeiros relatos sobre visões e contactos com os chamados e cada vez mais aterradores mortos-vivos e histórias cada vez mais frequentes descrevendo as consequências que daí poderiam advir para a raça humana, se tal relação envolvesse a possibilidade de contágio: a sua replicação contínua e indefinida. Mas o antídoto tinha sido descoberto felizmente a tempo concluindo-se sem grandes incidentes a inoculação geral da população, a pretexto duma pretensa mutação do vírus da gripe e da necessidade urgente e obrigatória de vacinação geral. Passado este período um pouco conturbado tudo estabilizou retomando-se de novo o projecto: postos perante os recentes desenvolvimentos e as perspectivas futuras face aos factos cientificamente constatados e confirmados, o conglomerado não hesitou em manter os fundos da organização, prolongando a continuação do financiamento e permitindo o relançamento ainda com maior força e vigor do projecto original. Daí sairiam os ZM, indivíduos perfeitos dispondo dum metabolismo reduzido mas no entanto capaz de manter uma perfeita e agradável aparência humana e num nível superior, mantendo todas as suas capacidades em níveis elevados de equilíbrio e susceptibilidade psíquica, além de apreciável robustez física mesmo que distribuída e concentrada em pontos específicos de aplicação. E a sua fidelidade era absoluta: respeitando as ordens emitidas como se fossem feito por seus iguais. Nem percebiam bem a razão nem a origem do impulso que os possuía – e que para aí os atirava – mas o texto na sua construção e transmissão de mensagem dizia-lhes algo que os tocava profundamente, duma forma pessoal, intransmissível e ancestral. Ligada às origens.

 

ZV

 

O 11 de Setembro nunca foi explicado devidamente às massas populares (nem interessava, nem era esse o seu objectivo) porque na altura elas já não interessavam para nada (senão votarem e confirmarem os seus executores), sendo apenas consideradas por caridade e compaixão figurantes secundárias – apesar de esmagadoramente maioritárias – dum guião imaginário num enredo mais vasto e para elas incompreensíveis. Simplificadamente tratou-se dum ajuste de contas entre o Governo da Casa Branca e as grandes e poderosas Corporações norte-americanas organizadas em torno de portentosos conglomerados e suportadas secretamente pela reserva Federal Norte-Americana, base do financiamento e do poder militar oficial e voluntário ou paralelo e mercenário. Entretanto o grupo de doze elementos VM introduzira-se no Edifício M-12: por essa altura as duas torres do WTC continuavam a arder (acabariam por cair em poucos segundos pulverizando-se na sua queda), o Pentágono seria atacado com um míssil e outras vítimas de aviões sequestrados seriam simplesmente riscadas do mapa. Enquanto o Presidente da maior potência mundial era sequestrado e feito refém no seu próprio país tendo como pretexto a defesa da sua integridade e a do símbolo máximo dos EUA, um grupo privado rival do Governo detentor de poder económico absoluto e do domínio sobre a Reserva Federal Norte-Americana (privada) atacava descaradamente as bases principais de sustentação do Estado, de modo a enfraquecê-lo por demonstração activa de todo o seu poder legal e/ou paralelo e chegando com esta demonstração de força decisiva e imparável a sugerir a eliminação dos seus opositores: como terá sido o caso do assassinato do 35.º presidente dos EUA John F. Kennedy. Dirigiram-se então ao elevador que se destacava bem ao centro do amplo hall de entrada do edifício e carregaram de imediato no botão de chamada: vindo das profundezas subterrâneas o elevador subia a boa velocidade ao seu encontro. E cinquenta minutos depois já ocupavam a sua posição no piso L33 aguardando instruções. Vinda do fundo do corredor uma figura aproximava-se lentamente do grupo, coberta por um manto escuro e absorta nos seus pensamentos: e à sua chegada os ZM paralisaram. Parado diante deles – como que absorvido interiormente nas suas reflexões, mas ao mesmo tempo extremamente atento ao ambiente que o rodeava – o ser começava agora a olhá-los fixamente, como se estivesse a perscrutar o interior de cada um deles e a certificar-se das suas vontades e origens. Então a sua face pareceu modificar-se subtilmente, transmitindo a todos uma sensação de paz e de leveza que os libertou definitivamente de todas as suas limitações sociais e morais, aceitando estes a partir daí e duma forma incondicional a presença e a mensagem do intruso: era agora claro para todos os elementos do grupo que estariam em presença duma variação do seu próprio modelo ZM, nitidamente demonstrando um nível superior no aspecto da sua rápida e fácil adaptação bioambiental, sem necessidade de recorrer a grandes recursos energéticos para assegurar a sua própria subsistência e no entanto evidenciando uma solidez de recursos psíquico-físicos, uma infinidade de pontos acima aos máximos alguma vez apresentados (apenas em treinos) por eles. Não o souberam na altura mas acabaram por o saber depois: estavam pela primeira vez na presença dum ZV, o posto mais alto na hierarquia dos Zombies. Uma mistura paralela iniciada alternativamente no início de todo este projecto aquando das primeiras experienciais oficiais realizadas, que teve como facto extraordinário a miscigenação de dois processos com alguns pontos comuns de duas espécies com metabolismos diferenciados, mas possíveis de ser adaptados e associados – um zombie-vampiro. E então quando o ZV falou todos os ZM perceberam porque a voz transmitida pelo conversor tanto lhes tocava a alma, como se fosse a sua: a máquina utilizada para comunicar pelos ainda e apenas humanos, não transmitia propriamente os seus pensamentos pessoais que tanto tocava os ZM e os tornava seus fiéis seguidores, mas sim um chamamento mais profundo vindo de uma outra raça mais antiga, experimentada e superior: os ZV.

 

Fim da 1.ª parte de 2

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:31
Quinta-feira, 20 DE Fevereiro DE 2014

As Belas e os Monstros

Quanto aos nossos políticos só sabem mexer nos tomates para ver se ainda lá estão

(as mulheres tal como BB não passam de adereços)

 

BBBarbie

 

Cada um de nós tem o direito a usufruir da sua liberdade (e felicidade), apesar de em muitos dos casos não sermos nós a escolher o caminho para a atingir. Neste caso a loura Blondie Bennet obcecada desde a sua juventude pela figura da famosa boneca Barbie, resolveu contra o formato idealizado para a sua boneca anteriormente idolatrada, aumentar os seus seios – talvez por nunca ter encontrado o seu Ken. No entanto talvez por se sentir ainda insatisfeita com o resultado e por ainda se sentir profundamente ligada à boneca, BB decidiu como derradeira tentativa de se identificar (com a Barbie) e de se promover (junto de Kens alternativos), frequentar sessões de hipnoterapia de modo a tentar diminuir ainda mais o seu coeficiente de inteligência e transformar-se numa “excitante loura burra” – ou seja sem cérebro como a boneca.

 

A mulher que gostaria de ser de Plástico

 

"I just want to be the ultimate Barbie. I actually want to be brainless"

 

"I don't like being human, if that makes sense... Natural is boring... I would love to be like, completely plastic"

 

"I've had 20 sessions and I'm already starting to feel ditzy and confused all the time"

 

Acho tudo muito natural (por consciente), apesar de tudo o que se possa dizer em contrário: é que ao contrário desta loura que ainda pode escolher a máscara e o invólucro disponibilizado e autorizado – mesmo que sugerida por mensagens subliminares – nós nem nos apercebemos que em cima de nós já trazemos a marca do nada, em que transformaram a nossa vida. Só se nos transformarmos em Zombies.

 

(dados, imagens e texto em itálico – huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:00
Quinta-feira, 05 DE Dezembro DE 2013

The Walking Dead

“Vivo num país de zombies onde já ninguém incomoda e onde todos optaram por vender o olho do cu – o do prejuízo”!



Não percebi muito bem porque comecei a ver esta série televisiva, até ao dia em que resolvi olhar para o lado com os meus próprios olhos, ficando inconscientemente a saber o que na realidade se passava: não eram eles que passavam esfomeados por mim, era eu que me recusava a ver qual era o seu prato favorito e ainda por cima tendo sido eu quem lhes tinha apresentado o menu.

 

Agora vivo duma forma tolerante e cristã no meio deles – e do seu mundo alternativo, revolucionário e normalizado – porque segundo o que eles afirmam – e no qual eu acredito plenamente – não existe outra escolha possível: nascemos ingénuos, acreditamos no sistema e somos mortos por ele. Só nos resta pensar e acreditar que é dentro de nós que descobriremos o futuro dos outros – recusando a esperança e exigindo o impossível.

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:50
Terça-feira, 26 DE Novembro DE 2013

BRIAN morreu!

RIP

“Deram-me uma vida maravilhosa. Amo-vos a todos.”

(as últimas palavras de Brian)


Este mundo é só para ZOMBIES

 

Num violento acidente de viação ocorrido à porta de sua casa – e quando se preparava para jogar hóquei com o seu amigo e companheiro de brincadeiras Stewie – morreu no passado Domingo o conhecido e familiar cão da série norte-americana Family Guy. Stewie acabou por escapar ileso do brutal atropelamento ocorrido em frente de sua casa e que vitimou o seu cão Brian – acontecimento inesperado que deixou todos os seus fãs em estado de choque. Segundo fontes fidedignas o objectivo dos produtores desta série seria o de substituir um cão inteligente e inconformista – Brian – por um outro mais bruto e situacionista – Vinny: “Parecia mais real que um cão fosse atropelado por um carro, do que se uma das crianças morresse.”

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:02
Quinta-feira, 17 DE Outubro DE 2013

The Zombie Apocalypse has arrived

The Political Economy of Zombies

By John Powers

 

“Um artigo muito interessante da autoria do escultor e bloguista John Powers (starwarsmodern.blogspot.pt) editado online por The Airship e simultaneamente muito útil para se compreender o que se passa em Washington, neste preciso momento. A ler, mesmo depois deste evento ser mais uma vez ultrapassado – no dia de hoje e pelo menos até ao próximo.”

 

 

 

Over the past few years, the zombie apocalypse has come to represent an alternative to neoliberalism – an ideology that admits no alternatives.

 

"Look at the movies that we see all the time. It's easy to imagine the end of the world – an asteroid destroying all of life and so on – but we cannot imagine the end of capitalism." (Slavoj Zizek at Occupy Wall Street)

 

I have never considered myself a "zombie guy." Horror isn't my thing, gore bums me out, torture porn isn't my kind of porn. But because of the flood of zombie films over the past 10 years, inertia has been enough to make me into a reluctant expert on the subject – which is not to say that I'm an actual expert, just that I know a lot more about zombies than I ever intended.

 

I do not discuss Walking Dead in this essay. I watched the first season of the show, but couldn't bring myself to watch after the little girl disappeared. (I likewise lost whatever love I had for Will Smith's I am Legend after the dog was infected.)


Recently, I flipped from passive consumption – "There's nothing else on"; "It was a long flight"; "Everyone else wanted to watch it"; "It was on Netflix!"; etc. – to being an active consumer. I read Colson Whitehead's 2011 novel Zone One a couple of years ago and just finished Max Brooks's 2006 oral history World War Z. So while I still don't consider myself a zombie guy, I can no longer pretend to be a zombie naif. ("Brains?")

 

More than anything else, these novels convinced me that my time has been well spent, because through them I realized that the political meaning of zombies has shifted from something pat and trite to something more complex. Zombies have become the way we imagine radical revolutionary change. More surprising, the zombie apocalypse is as close as we have come in the past 30-odd years to producing a convincing utopian vision for the future that grows out of our present circumstances. It's important, however, to begin with what zombies used to mean.

 

[continua em The Airship]

 

(imagem: Web – texto: airshipdaily.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:00
Segunda-feira, 22 DE Outubro DE 2012

Sem Medo – A Criança Que Nunca Existiu!

“Não podemos passar toda a nossa vida, com medo de exprimirmos as nossas ideias”

 

Neste país de coveiros diplomados (e desempregados), os cadáveres putrefactos vem sempre à tona da vida – alucinados e esfomeados como é habitual – e a única hipótese que temos de nos salvar destes zombies modernos (e atualizados), é fugirmos para os velhos campos dos nossos antepassados – na altura bem mortos e enterrados!

 

Introdução ao crime

(o jogo vai começar mas o problema está na arbitragem – e nos amigos)

 

O que define um Chefe no meu país é a sua Covardia a 100% – um verdadeiro Filho-da-Puta como diria Alberto Pimenta!

 

O Crime Compensa para o Chefe Criminoso, desde que o seu assalariado e vítima seja pobre e a família também seja culpada, por profissão de fé e aposta profissional destes iletrados diplomados, nas Leis legais publicadas pelos prostitutos pagos por esses mesmos criminosos privilegiados.

 

Ontem:

Criança - 100 Diretora - 001

 

Em Quarteira cometeu-se um crime sobre uma criança.

Primeiro o povo indignou-se, depois foi forçado progressivamente a calar-se.

Até hoje a hipocrisia tem mais uma vez vindo a crescer e para já só se safa deste nojo, a Junta de Freguesia.

No fim esquece-se o caso, as crianças continuam a andar com fome, mas as chefias são preservadas.

Entretanto o país vai-se afundando e a culpa é de todos nós – filhos, pais, avós, pretos, pobres, doentes, alunos, desempregados, etc. – enquanto os chefes lá se vão continuar a sacrificar por nós, os analfabetos mal-agradecidos!

Associação de Pais, Câmaras Municipais, Comissão de Proteção de Menores, Delegações Regionais de Educação e tantos outos cargos para amigos – deixem-me rir: Trabalho ZERO!

 

Hoje: 

Criança - 001 Diretora - 100

 

Começamos a ter medo de exprimirmos com alegria, festa e liberdade, as nossas dúvidas e receios e até a desmascarar toda a violência hierárquica exercida sobre nós – ainda-por-cima aplicada como “quem não quer a coisa, não querendo ficar a perder privilégios”, por um protetor supremo do povo escolhido por este (?), o seu Cardial Patriarca. Isto quando o próprio título e missão a que estava destinado – ajudar os desprotegidos – o desmascara nas suas intenções e ações, transformando-o num traidor à cristandade, posto ao serviço dos mercados, do produto e da exploração ignóbil da mão-de-obra – renegando ao mesmo tempo e vergonhosamente em nome do poder e da sua subsistência nesta estrutura, a sua opção de solidariedade para com os sem nada, mas mantendo-se sempre fiel ao dono do dinheiro, do pecado e da caixa de esmolas. Representando intrinsecamente e desde sempre os interesses do Diabo e promovendo com as suas atitudes e comportamento morais, todos os seus rituais corno-sexuais – daí não admirar todo o tipo de pedofilia estrutural a nível psíquico-físico que tem invadindo a Igreja, por subserviência às leis de mercado e à força dos poderosos “fecundadores” mundiais, cheios de vigor e de virilidade e promotores de Espermatozoides Modificados pelas Multinacionais do “veneno e da comida”, como as associadas-forçadas da Monsanto. Isto porque são os filhos dos nossos algozes a controlar o pagamento dos nossos ordenados – em democracia – continuando de uma forma profícua e hereditária a tradição fascista dos seus pais.

 

Amanhã:

Criança - 000 Diretora - 300

(o jogo foi anulado – e dada a vitória à diretora – por falta de comparência da aluna)

 

A Diretora retomou o seu poder legítimo, derrotando a intriga provocada pela criança arrivista. A restante população calou-se, por temer a ocorrência de represálias democráticas e pedagógicas.

Para finalizar – e já que estou a ficar intoxicado com a emissão destes ares nauseabundos vindos do interior do cérebro destes animais: não vale a pena falar mais destas Moscas (é uma perda de tempo) e da Merda que nos impõe à anos e anos, escondidas como estão na sua fossa-fortaleza acética e segura (pensam eles).

 

Mas e o medo – será que terei mesmo de ter Medo?

 

(imagens: marionetas – Google.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:23

pesquisar

 

Junho 2017

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
16
20
24
26
27
28
29
30

comentários recentes

blogs SAPO


Universidade de Aveiro