Três Objetos Dirigem-se para a Terra

E o primeiro passa perto (mais de 1 UA) e já dia 14!

(deste sábado a oito)

 

marsprobe1.jpg

 

Com três viajantes fazendo atualmente o seu trajeto entre nós e passando sucessivamente a 170, 50 e 10 milhões de Km da Terra (com os dois primeiros a poderem ter 1000 metros e o terceiro apenas 10 metros), parece que o receio de um futuro impacto cresce cada vez mais na nossa cabeça.

 

Mais três objetos ainda não completamente identificados e oriundos (provavelmente na sua origem) do exterior do Sistema Solar, circulam já no seu interior numa trajetória de aproximação à Terra. Com o primeiro a atingir o seu ponto de maior aproximação ao nosso planeta a ser o objeto designado por C/2016 U1 NEOWISE (14 Janeiro), seguido pelo objeto 2016 WF9 (25 Fevereiro) e finalmente pelo objeto 1991VG (início de Agosto): para os cientistas com o primeiro a ser um cometa, o segundo a ser um asteroide e o terceiro, uma mistura qualquer.

 

Nestes três casos não havendo qualquer perigo de impacto com o nosso planeta, tal a distância entre a Terra e o seu ponto mais próximo (de aproximação): no 1º caso passando a uma distância maior que a entre a Terra e o Sol, no 2º caso a uma distância por vezes menor que entre a Terra e Marte e finalmente no 3º caso e apesar da sua mais curta distância, passando a mais de 20 X a distância Terra/Lua.

 

No caso dos dois primeiros corpos celestes com C/2016 U1 a ser observado pela primeira vez a 21 de Outubro do ano passado (e com a sua órbita a ser definida a 6 de Janeiro de 2017) e com 2016 WF9 a sê-lo a 27 de Novembro (e com a sua órbita a ser definida a 3 de Janeiro). Com C/2016 U1 a ser um visitante em estreia numa viagem interplanetária através do Sistema Solar (visto como um cometa) e com 2016 WF9 de origem ainda não muito bem conhecida mas talvez sendo oriundo das longínquas Nuvens de Oort (visto como um asteroide mas de origem cometária).

 

image48.jpg

 

Cada um deles possuindo a sua particularidade de relevo, dada não só pelo seu mistério, como pela sua inesperada passagem: transportando junto de si objetos de muitas paragens (nunca vistos, sempre imaginados e daí misteriosos) e pondo à disposição de todos um convite à compreensão (do viajante): muitas vezes transportando vida.

 

E com o terceiro objeto 1991 VG a ser observado pela primeira vez há mais de 25 anos (e pela última vez menos de 6 meses depois) tendo a sua orbita definida apenas em 13 de Junho de 2014. Pela sua estranha rotação e longevidade por muitos não sendo aceite como um asteroide e muito menos como um cometa (como o aparenta ser C/2016 U1 com a sua cauda poeirenta aumentando à medida que se aproxima do Sol); deixando nas mãos de outros a responsabilidade da procura de uma explicação para a existência deste objeto (catalogando-o) e como tal podendo sujeitar-se no decorrer do processo a todas as teorias e soluções. Uma nave alienígena?

 

Para aqueles que ainda acreditam fielmente (ou como última e desesperada esperança) nas Teorias da Conspiração e sabendo-se também que se algo de significativo acontecesse com a Terra, o mais certo é nem sequer teríamos tempo por dar por ele (ou pelo menos para nos protegermos) de todos o mais perigoso só 1991 VG – se por acaso já chegasse como o meteorito de Cheliabinsk. Ou se então fosse uma nave alienígena e hostil.

 

Com a particularidade de C/2016 U1 (com um diâmetro entre 500/1000 metros) atingir o seu periélio numa zona do espaço interior à órbita do planeta mais próximo do Sol (Mercúrio) mas num ponto localizado a mais de 170 milhões de Km da Terra – voltando apenas a estes lados daqui a uns milhares de anos; e no caso de 2016 WF9 (diâmetro aproximado de 1000 metros) com o mesmo a passar a cerca de 50 milhões de Km da Terra depois de passar a caminho do Sol (do seu periélio) ao lado da Cintura de Asteroides e do planeta Marte. Já com 1991 VG (em princípio de pequena dimensão) no início de Agosto (segundo os conspiradores podendo ser artificial e conter alienígenas) e ainda a caminho do seu periélio passando ao lado de nós a menos de 10 milhões de Km.

 

[E com a maior aproximação de um asteroide à Terra no ano de 2017 a ocorrer em 12 de Novembro, com o objeto 2012 TC4 (com um diâmetro de 10/30 metros) passando a cerca de 14.000Km da superfície (do nosso planeta).]

 

(imagens: inquisitr.com e coolinterestingstuff.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:17