Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



150 Sendo um dos Números

Quinta-feira, 24.06.21

“Depois da nova-teoria dos [150] como limite máximo de Vida,

agora a velha-teoria dos [150] como limite máximo de amigos (algo relevantes)”.

_109483542_p07pqnp0.jpg

Os Círculos de Dunbar

Para além dos amigos (máximo de 50),

os algo relevantes, no máximo 150

 

Na pesquisa diária do que se passa pelo Mundo até para quebrar a repetitiva monotonia regional estendendo-a (em quantidade) a global ─ e assim convencendo-nos (erradamente) da existência de mais alternativas disponíveis (em qualidade) ─ ficando a saber através do site “theconversation.com” da existência do “Número de Dunbar” (da autoria do psicólogo Robin Dunbar), um valor baseado numa teoria (já com 29 anos) nunca tendo sido experimentalmente confirmada (e no entanto tendo sido por muitos anos divulgada) informando que cada ser humano estaria limitado a um máximo de, “150 laços individuais de amizade”: baseando tal conclusão no número de neurónios existentes no nosso córtex cerebral, impondo um limite à nossa capacidade psíquico/física de processamento (mecanismos mentais) e de mantermos amizades/ligações fortes, entre outros indivíduos (da mesma espécie) formando o coletivo. Sendo a curiosidade tratar-se de algo nunca comprovado (empírico), ainda perdurando passados quase três décadas (como a teoria da existência de um vulcão em Monchique, no Algarve) e tendo apenas como algo de positivo (o erro aproxima-nos da solução), ter mantido esta questão em aberto, algo de estranho (pela falta de critério científico) mas sempre motivador (não estando certo, não havendo provas, tendo-se que estudar/investigar para se corrigir, aprender). Tendo-se de adicionar ainda que não havendo qualquer razão credível para se poder aceitar minimamente tal afirmação ─  limitando as nossas possíveis amizades/relações a um máximo de 150 indivíduos ─ a comunicação por vezes pode tornar-se bastante traiçoeira (seja falada ou escrita, o problema residindo na língua e na sua tradução), podendo estar-se a ser induzido não só num erro de cálculo (porquê 150 quando uns dizem esse nº limitar-se aos dedos de uma mão/nem cinco e outros dizem ter na Web milhões de seguidores), como numa indevida utilização de palavras semelhantes mas não idênticas, como “trabalho e emprego” ou “amigo e conhecido” (sinónimos para uns, mas não o sendo para outros).

Neocortex size as a constraint on group size in primates

It is suggested that the number of neocortical neurons limits the organism's information-processing capacity and that this then limits the number of relationships that an individual can monitor simultaneously. When a group's size exceeds this limit, it becomes unstable and begins to fragment.

(R.I.M.Dunbar/June 1992/sciencedirect.com)

Felizmente não existindo provas de tal (do Grupo dos 150), ainda-por-cima e por experiência própria ─ de cada um e do coletivo (mais vasto) ─ sendo as razões e as consequências bem diversas (distintas), dependendo não só do ecossistema em que se está inserido como igualmente de como nós como espécie (dominante) usufruímos dele: por vezes com a “alimentação” podendo ter mais influência no entendimento/eficácia (imediata), do que a “socialização” (por vezes não passando de conversa), neste caso com o nosso cérebro destacando-se dos restantes primatas, processando a informação, arquivando-a em memória e mesmo sendo aparentemente desnecessário, em momentos de ócio ou trágicos (em situações extremas impedindo-nos de recuar) experimentando, inovando. Não existindo limites (não significando não existirem conjuntos) num Universo Infinito e no dia em que o compreendermos há muito já estando nele, mais fácil se tornando a nossa integração e compreensão (faltando-nos saber conjugar, um parâmetro definido como real o Espaço, com um outro definido como abstrato/o Tempo, num trabalho iniciado já no século passado com Albert Einstein e a sua fórmula E=MC²). Nem 150 como limite de idade, nem 150 como limite de amigos, como nem sequer 100, foram limite para a invasão chinesa: antes detendo as “Lojas dos 100” (passando depois a 200/300), depois grandes áreas comerciais e agora sendo-lhes por nós disponibilizado, comprando o país (como o vão fazendo por toda a Europa).

(dados: theconversation.com ─ imagem: laraza.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:53


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.