Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

10
Jun 11

Nave extraterrestre

 

Está marcado para o futuro (o ataque).

 

Tanto pode acontecer em Albufeira, no Alentejo ou noutro sítio qualquer.

 

Não há hipótese! Eles já nos visitam, vigiando a nossa evolução, desde há milhares de anos.

 

Locais de aterragem, é só escolher. Até poderemos enviar uma banda para os receber, basta mostrarem ao mundo, o seu local de aterragem.

 

Se for no campo, uma boa salada, caracóis, sardinhas e febras, uma grande melancia e vinho fresco a acompanhar. O português sabe receber.

 

E o extraterrestre, lá terá que entender. É que o Universo é um todo e desse todo universal, fazemos parte todos nós.

 

Extraterrestres em Washington – 1952

 

Ninguém fotografou até hoje um extraterrestre, bem vivo e em movimento.

 

Só nos falam deles. Nunca somos apresentados e ainda por cima, querem que acreditemos que andam por aí.

 

Só que, limitados como somos, nunca os vemos, por mais que nos acenem.

 

Pode ser, por excesso de raios ultravioletas.

 

E ainda por cima, surgem sempre dentro dos seus automóveis espaciais, nem se conseguindo sequer, olhar lá para dentro. Muitos até têm forma de omeleta.

 

Anjo da Guarda – O 3.º Elemento

 

O Anjo da Guarda já é um velhote que acompanha todo o mundo na sua luta pela sobrevivência diária e que já mal se consegue mexer.

 

As penas das suas asas estão cada vez mais quebradiças e o seu corpo já dificilmente se aguenta no ar.

 

No entanto não nos larga, não dispensa a sua protecção e pelo menos a temperatura do seu corpo, ainda nos mantém aqui vivos.

 

A presença poderá ser um estado de alma ou até mesmo a realidade.

 

E Judas: poderia ele ser, um dos Anjos da Guarda?

 

(Fotos National Geographic)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:05

O macaco e o espelho

 

Existem três tipos de animais: os irracionais, os racionais e a espécie humana.

 

A mulher e o espelho

 

Todos se reproduzem e a fêmea é uma das partes.

 

O mundo e o espelho

 

O mundo é o espelho de todas essas partes e a realidade é uma das suas consequências.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:45

“Não podemos falhar” – Cavaco Silva

 

Comentário:

 

Nunca se deve apontar o dedo ao culpado – devemos oferecer a outra face e esperar que se olhem ao espelho!

Se não o fizerem ou usarem um espelho que distorça a realidade, então dos cinco dedos da mão, o do meio esticamos e os seus vizinhos, à esquerda e à direita, encolhemos.

Se não o fizermos, o derivado do pinho, refaz-nos o gesto de grandes cornudos!

 

Pergunta:

 

10 de Junho – o que é isso?

 

Resposta:

 

É o dia de alguns naturais de Portugal.

De um tipo chamado Camões, do qual nem certeza temos, de onde se encontram os seus ossos. Será nos Jerónimos?

E daquela “E-Little” que nos governa, sustentada por uma comunidade portuguesa, que apenas serve para manter as suas mordomias e comodidades – e a dos seus jovens rebentos, agora “comprimidos e à bolonhesa”.

 

Apêndice:

 

Querem provas? Analisem as famílias de ontem, as de hoje e “as mesmas de sempre” e não se deixem iludir pelos novos Barretos do regime: da vida, só guardam re-tratamentos.

 

PS:

 

E é ver-nos em fila viajando para o sul, de subconsciente na mão e com um garrafão, à procura do Sol e do FMI!

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:08

09
Jun 11

“O homem que de tanto pensar transformou um cavalo num burro”

 

 

Zeinal Bava

 

Competente, inteligente, metódico, organizado, mas também maquiavélico e dono de uma enorme ambição, é um dos administradores mais acessíveis e afáveis no trato dentro da PT, onde ocupa, desde 2006, o cargo de vice-presidente. Pratica a cultura do mérito e segue uma lógica anglo-saxónica, que lhe ficou dos tempos em que estudou na University College of London, onde se formou em Engenharia Electrónica. Mas tem fama de ser implacável com quem falha ou com quem não fez o trabalho de casa antes de uma reunião importante. Diz-se que é muito duro no trato - mesmo intratável.

Protege os seus mas coloca-lhes a fasquia cada vez mais alta. Resta conhecer o estilo com que vai afirmar-se na PT, se pelo terror ou se pela simpatia duas qualidades que parece saber utilizar como poucos.

Zeinal Bava chegou à PT em 1999, pela mão de Eduardo Martins, um dos históricos que, em 2001, saiu da empresa de candeias às avessas com o antigo protegido.

Zeinal Abedin Mohamed Bava nasceu em Lourenço Marques, actual Maputo, Moçambique, onde viveu no seio de uma família de comerciantes até ao início da adolescência. Após o 25 de Abril, faz uma curta passagem por Lisboa mas, cedo, aos 14 anos, foi estudar para Inglaterra. Hesitou entre Medicina e Engenharia, mas acabou por seguir a segunda vocação, completando, posteriormente, a sua formação com um curso de Gestão na Universidade Nova de Lisboa.

Sem ter nascido em berço de oiro, soube penetrar, com relativa facilidade, no círculo restrito de apelidos de onde sai parte dos gestores da PT. Os históricos apontam-lhe o defeito de só confiar nos novos, sem procurar equilíbrios. Rodeia-se de quadros muito jovens e muito fiéis, especialmente na área financeira. Trata-se de uma espécie de guarda pretoriana formada por "jovens turcos", como são conhecidos na empresa

Mas o ódio de estimação estava reservado para Carlos Vasconcellos Cruz, ex-presidente da PT Comunicações com ambições de liderança que se revelaram fatais. Também não lhe souberam resistir Iriarte Esteves (ex-presidente da TMN), Graça Bau (ex-presidente da TV Cabo) e António Soares (ex-vice-presidente da TMN), gestores que ficaram conhecidos como o "grupo da Adega da Tia Matilde", onde se juntavam, frequentemente, para almoçar. Sem apoio dos accionistas, este grupo de gestores acabou por sair, aproveitando o último ano do decreto que lhes permitiu levar para casa uma reforma dourada e deixando o caminho livre a Zeinal Bava, nas três maiores participadas do grupo em Portugal.

Zeinal Bava chegou à PT sem ligações políticas, mas também neste ponto soube construir uma teia que lhe granjeou apoios no Governo e na oposição. Deu emprego aos filhos de António Guterres, Teixeira dos Santos, Marcelo Rebelo de Sousa e Esteves de Carvalho. O filho de Jorge Sampaio também esteve no grupo, na área internacional.

 

Revista Visão

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:50

Dois aspectos de um mundo que está á nossa frente e que nós não queremos ver

 

Aspecto Um

 

Beleza simples e ao natural

 

Namíbia – Foto N.G.

 

Existem acontecimentos que nos envolvem constantemente e que não reconhecemos utilizando apenas os nossos órgãos dos sentidos.

 

Mesmo a beleza que nos surpreende pela sua imediata penetração – sem sequer nos deixar tempo para catalogá-la e esmagá-la debaixo de toneladas de adjectivos – consegue pôr-nos noutro nível mais interessante de consciência: para isso servimo-nos dos substantivos.

 

A abstracção pode ser interessante. No entanto o tempo e o verbo, levados a um nível elevado de interesse e abstracção, acabam sempre por corromper o espaço, a única realidade existente e através do qual toda a nossa vida evolui.

 

A vida no fundo é muito mais simples, ao contrário do que nos têm contado. Porque será?

 

 

Aspecto Dois

 

Jardim à beira-mar plantado agora submerso

 

Granada/Índias Ocidentais – Foto N.G.

 

Vivemos num país de mortos, que se levantam de dia e lá partem adormecidos, cabisbaixos e compenetrados, para o seu emprego remunerado. Trabalho, é coisa que já não há. Para isso teriam que existir mestres e aprendizes e o amor pelo seu ofício, teria que ser o seu único sonho. É claro que teríamos que viver e comer. Mas a arte reside na forma como vivemos e nos exprimimos e o trabalho é apenas uma consequência da alegria do nosso corpo em movimento, que forçosamente se cruzará com outros espaços de trabalho, efectuando todas as trocas necessárias à continuação da nossa vida, no interior do espaço que nos rodeia. O emprego é uma prostituição do sujeito ao objecto, em troca duma miserável e insultuosa, escala de remunerações.

 

Vivemos submersos num mundo estranho e sem retorno, como figurantes de um teatro sem movimento, sem comunicação e sem espaço ou condições para evoluirmos. Estamos mortos.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:27

07
Jun 11

Agora a vez é dos coelhos!

 

Os coelhos também têm defeitos.

 

Saem das tocas sem avisar, apanham pragas terríveis – em que nem um se safa – e gostam de ser atropelados entre os dois faróis de um automóvel. Se for de uma mota, só necessitamos de uma moca e alguma prática de basebol.

 

Têm orelhas mais pequenas que os seus colegas selvagens, por isso ouvindo mal e enganando-se muito na opção a tomar sobre o seu futuro no grupo. Muitos são comercializados e com muita operação de marketing, vendidos como “coelho à caçador”.

 

Mas chega de bater em mortos: este apenas hoje cá chegou, não lhe conhecemos ainda muito bem os seus vestuários para esta nova ocasião, nem ainda lhe sentimos com verdade, o suor dos seus sovacos.

 

Mesmo sendo um asno em extinção, poderá ser melhor do que os outros.

 

Mas o correcto da situação, é estarmos mais uma vez enganados!

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:19
tags: ,

05
Jun 11

An illustration by Sir Gerald Hargreaves shows a utopian scene on a cove of the mythical land of Atlantis. Many scholars think Plato invented the story of Atlantis as a way to present his philosophical theories

 

Plato told the story of Atlantis around 360 B.C. The founders of Atlantis, he said, were half god and half human. They created a utopian civilization and became a great naval power. Their home was made up of concentric islands separated by wide moats and linked by a canal that penetrated to the center. The lush islands contained gold, silver, and other precious metals and supported an abundance of rare, exotic wildlife. There was a great capital city on the central island.

 

Plato said Atlantis existed about 9,000 years before his own time, and that its story had been passed down by poets, priests, and others. But Plato's writings about Atlantis are the only known records of its existence.

 

NGM

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:34

South Park – Imagination Land

 

É já segunda-feira – dia 6 de Junho de 2011 – que chega de novo o apocalipse a Portugal.

O líder, adorado pelo seu povo em êxtase e atirado ao ar pelos seus fanáticos aduladores, caiu desamparado e sem desculpa, esmagando-se violentamente no solo.

Os ratos fugiram para outro lado, num frenesim masturbatório e intelectual, à procura de novo dono e de nova casa – como aviso, os coelhos que se cuidem!

Os portugueses estão já em reflexão, testando uma nova e derradeira lobotomia, agora em urna e com a bênção dos fiéis empregados e empregadores do regime.

Para quando a vitória do trabalho sobre o emprego?

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:26

01
Jun 11

Faltam 5 dias para entrarmos em órbita

 

4.ª Feira, 5.ª Feira, 6.ª Feira, Sábado e Domingo

 

06.06.2011

 

A morte de qualquer ser vivo mesmo que seja o de um jovem gorila – como a que retrata a imagem anterior, associada à envolvente familiar de cerca de trinta e oito indivíduos – é sempre um episódio difícil de superar para qualquer comunidade funcional.

 

(Foto National Geographic)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:58
tags:

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
17
18

19
20
21
22
25

27
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO