Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

31
Ago 12

Qual a verdadeira cor de Marte?

 

      

A mesma imagem da superfície de Marte

 

A manipulação excessiva das imagens pode levar-nos a interpretações incorretas!

 

(imagem – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:23

“Quem espera desespera”

(ditado popular)

 

O eternizar da espera pode ter consequências dramáticas para todos nós

 

O rato foi apanhado na ratoeira que um dia lhe montaram. Tinha ido apenas à procura de comida como o fazia todos os dias – no seu passeio diário pelas redondezas da sua toca onde um dia nascera e fora crescendo – e nada fazia prever que ao encontrar uns biscoitos bem cheirosos e apetitosos, um mecanismo misterioso e barulhento repentinamente o fosse privar da sua liberdade.

 

Mal disposto e assustado, o rato lá comeu o que encontrou e aí ficou durante alguns dias, privado de água e de comida. A fome e a sede eram tremendas e o acumular destas duas condições fisicamente pressionantes – com o stress causado pelo seu enclausuramento num espaço limitado e claustrofóbico – começou a transformar progressivamente este animal pacífico numa verdadeira besta irracional, apenas capaz de se exprimir através de atos da mais pura e brutal violência física.

 

O diálogo tornou-se impossível já antes de lhe abrirem a porta da ratoeira. O rato saiu a correr, subiu rapidamente pelo animal que o prendera na armadilha e enquanto este assustado se virava lentamente para ele – na sua cabeça instantânea o rato parecia mesmo uma super ratazana voadora – atirou-se à sua cabeça, atacando sem pensar e sem piedade o centro do seu inimigo, numa fúria irracional e incontrolada.

 

Digladiamo-nos por pretextos inexistentes e com isso suicidamo-nos matando a natureza.

 

“Quem espera sempre alcança”

(ditado popular)

 

(imagem: Bruce Minney – Artwork for Man’s World – June 1973)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:13

“Todos os primatas têm cérebro e à sua maneira, todos são capazes de pensar”

 

Orangotango indonésio à espera que lhe deem qualquer coisinha

 

Como ele estamos todos nós: à espera que qualquer coisa de diferente aconteça à nossa volta, que venha modificar de vez a nossa situação de progressiva pobreza física e espiritual e que nos proponha um futuro com algo de concreto a que nos possamos agarrar. Uma sociedade organizada e num impasse não pode ficar à espera que um dia destes, não se sabendo bem quando, os seus representantes resolvam aparecer, sabe-se lá por quê e para fazer o quê!

 

(imagem: Anup Shah – Nature Picture Library – nationalgeographic.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:06

Agosto 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


22

26


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO