Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

13
Nov 12

          

Após anos de conforto, o animal foi abandonado à sua sorte pela sua família de adoção

 

O animal foi abandonado à sua sorte, depois de anos a viver no conforto do lar da família que o tinha adotado. Desde pequeno que os seus donos o tinham acarinhado e apaparicado, não passando um dia em que não o penteassem, o levassem a passear e lhe apresentassem os seus colegas de correria e de brincadeira, com realce para aquela cadela betinha, mas toda peluda e orelhuda. Ao fim de semana davam-lhe banho e o cheiro dos sais aplicados no seu corpo delicado, espalhava-se deliciosamente pelo ar, enquanto se deslocava feliz e saltitante pela casa dos seus queridos e velhos amigos, que com todo o amor deste mundo, o tinham acolhido e protegido: era ver quem mais o queria sentir e cheirar, enquanto as crianças cavalgavam frenéticas e aos gritos pelo labirinto da casa, tenteando-o apanhar e segurar. Até o gato enlouquecia nestas alturas, fugindo espavorido por entre a pequena frincha de uma porta, saltando como uma mola pela janela e refugiando-se no emaranhado de ramos da árvore mais alta do jardim.

 

          

Um momento injustificado de desnorte, no quotidiano banal de um grupo

 

No outro dia do Verão passado, estavam as férias já a acabar e as crianças viviam os seus últimos dias de praia, um reboliço tremendo passou pelo interior daquela casa normalmente tranquila, ouviram-se pratos a quebrar, gritos e choros na cozinha, portas batendo com violência e estrondo e como seria de esperar, um grito de pânico do gato da casa fugindo com o pelo todo eriçado, depois de lhe pisarem o rabo e de um pontapé consciente e certeiro, vingativo mas muito mal dirigido. Um momento injustificado de desnorte no quotidiano usual e banal daquele grupo – desde sempre protegido e privilegiado – levara-o a uma reação só possível naqueles que nunca compreendendo o mundo, achavam-se em certos momentos com o direito supremo de proteger os seus animaizinhos domésticos e adquiridos – desgraçados e miseráveis por nascimento – para lhes demonstrar a sua bondade, caridade e compaixão, acolhendo-os no seu regaço artificial mas por vezes temporário.

 

          

Uma pequena alteração psicológica, afetara um dos seus membros proeminentes

 

O problema residira numa pequena alteração psicológica que afetara um dos membros proeminentes da família, posto perante uma nova e nunca sugerida situação que ele pensava psicoticamente ser uma anomalia no seu quotidiano lucrativo de ociosidade financeira – baseada em condutas de mercado meramente especulativas e lucrativas, mas fortemente destrutivas do individuo e da economia – em que poderia estar em causa a sua liberdade e o normal desenrolar de tudo o que tinha sido previamente programado, mantendo a indiferença pelo meio envolvente e reforçando os seus muros de proteção ideológicos: a utopia destinava-se aos loucos, os projetos aos dirigentes e os desperdícios não recicláveis à restante fauna e flora, não se esquecendo nunca dos importantes mas sempre renováveis tratadores, nomeados para garantir o normal funcionamento deste jardim zoológico e para assegurar o sucesso de bilheteira, deste espetáculo sempre eterno e de caracter religioso.

 

          

O animal foi abandonado sem a presença de nenhum dos seus antigos amigos

 

À volta o animal foi abandonado na velha estrada municipal, perto do Mercado dos Pobres e sem a presença de nenhum dos seus antigos amigos. A vida já não dava para ele e com o regresso aos tempos das velhas regras do isolamento capitalista – amigos amigos negócios à parte – a família resolvera optar por outra postura oficial, mantendo na base desta essência, o seu banal, indiferente e garantido tipo de vida. Cabisbaixo pelo sofrimento provocado pela perda súbita e cruel a que o tinham sujeito, ainda-por-cima sem aviso prévio ou qualquer tipo de explicação, o animal lá se foi arrastando pela berma, molhado, sujo, perdido e esfomeado. Nem sequer teve tempo de chegar às casas do bairro de lata que cercavam o decrépito mercado – já em avançado estado de ruínas, mas ainda parcialmente ativo – sendo rapidamente apanhado pelo rodado traseiro do carro camarário e aí deixado ao abandono e em agonia, vivo ou morto. Como nós!

 

(imagem – Google)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:53

Realizou-se no passado dia 12 de Novembro de 2012 e sob a liderança dos seus representantes máximos governamentais Passos Coelho e Ângela Merkel a Cimeira Luso-Alemã de Lisboa tendo como tema de fundo a análise à atual situação de crise económica que assola toda a Comunidade Europeia e a todo o processo que daí tem decorrido – incluindo neste pacote o caso português. Foi aí reiterada a continuação da aplicação – sem qualquer tipo de concessão adicional em tempo e em juros – do plano de austeridade até agora defendido pela Alemanha, congratulando-se Ângela Merkel (representante dos credores) com esta tomada de atitude do Governo português, ainda-por-cima contando com o apoio incondicional do seu Primeiro-Ministro Passos Coelho (representante dos devedores).

 

Foram duas as principais conclusões tiradas desta Cimeira:

 

1.ª “Não podemos culpar o remédio pelo estado do doente”

 

Passos Coelho:


Ninguém disse que ia ser fácil mas os portugueses têm sido muito corajosos ao enfrentar estas situações. Não podemos culpar o remédio pelo estado do doente. As medidas que visem consolidar as nossas despesas são inevitáveis.

 

2.ª “Quando já não for chanceler virei passar férias aqui”

 

Ângela Merkel (para Passos Coelho):


«Farei tudo em meu poder para que Portugal tenha um futuro feliz e para que nos demos todos bem na Europa. Quando já não for chanceler virei passar férias aqui. Mas agora não tenho tempo».

 

(Imagens – A Bola)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:42

Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

14

22
23

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO