Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

11
Dez 12

Ficheiros Secretos – Albufeira

A Agenda Secreta Portuguesa

 

 

Estação do Oriente

Uma obra de inspiração alienígena construída estrategicamente no centro de Lisboa

 

Depois de uma longa e exaustiva análise governamental sobre a questão levantada por poderosos investidores oriundos da China e de Angola quanto à atual política e estratégia económica portuguesa de atrair investidores de todo o mundo diversificando ao máximo as suas origens e dando prioridade às economias emergentes – ainda muito concentradas no mercado e dando pouco importância aos direitos da sua mão-de-obra face aos deveres que lhes são exigidos – o nosso Primeiro-Ministro deslocou-se ao fim do dia até à sua residência em Massamá onde esteve reunido até altas horas da madrugada com jovens inconscientes, irresponsáveis e incompetentes, mas com um curriculum reconhecidamente impecável – como representantes dos dois partidos da coligação governamental – tendo na ordem de trabalho informal realizada conjuntamente com esses representantes – e com a sua mulher – refletido intensamente sobre temas da atualidade mundial, como é o caso da série Ben-10 Força Alienígena.

 

Ben-10 Força Alienígena

A série imaginativamente real que pode ter inspirado o nosso Primeiro-Ministro

 

Se por um lado era compreensível a atitude tomada pelos investidores chineses e angolanos em relação ao nosso país – no fundo tinham sido eles dos primeiros a acreditarem (e a arriscarem) que Portugal poderia ser um bom local de lavagem de dinheiro – o nosso Primeiro-Ministro assumindo a sua posição e cultura de verdadeiro economista-contabilista (de Mercearia Cosmética) não se coibiu em pensar noutros mercados prometedores e ainda não profundamente explorados, como era o caso de todo o Espaço Extraterrestre. A sua mulher foi um dos seus mais histéricos apoiantes – coadjuvada pelo restante coro presente – chegando mesmo a fazer a apresentação adicional de um artigo recentemente chegado ao seu correio eletrónico, vindo dos EUA e focando muito provavelmente o mesmo tema: “O problema da repetida invasão marítima dos alienígenas oriundos de África e da invasão terrestre dos novos alienígenas utilizando a fronteira e oriundos do México”.

 

O alienígena VG antes da sua transformação (canto superior à esquerda)

E um dos maiores adversários da legitimação da presença alienígena no governo (à direita)

 

Uma das primeiras decisões tomadas nesta reunião informal pelo Primeiro-Ministro e que seria imediatamente levada a Conselho de Ministros – e mais uma vez totalmente apoiada pela sua mulher – foi o da venda da Estação do Oriente de Lisboa. E a justificação foi a seguinte (uma delas acrescentada pela mulher), depois de todos analisarem o Universo Ben-10, sediado no planeta Attracta e tendo como uma das suas figuras proeminentes o alienígena Estrela Polar:

- Estrela Polar inicia a sua transformação sendo atraído por irmãos pretos;

- Estrela Polar é um alienígena humanoide;

- Estrela Polar tem uma cabeça metálica (devido à sua personalidade magnética);

- Estrela Polar tem poderes magnéticos, atraindo metais e utilizando ondas magnéticas;

- Estrela Polar é especialista em magnetizar portas e depois passar através delas.

 

Estrela Polar

Um dos principais interessados na aquisição da Estação do Oriente

 

Para o Primeiro-Ministro era fácil de entender o interesse estratégico dos alienígenas por esta próxima venda: a Estação do Oriente, uma grandiosa obra do alienígena espanhol Santiago Calatrava, era constituída maioritariamente por metais com fortes propriedades magnéticas, o que iria certamente atrair a atenção de Estrela Polar e da sua cabeça metálica, potenciando os seus poderes de atração e transformando este magnífico monumento num Grande Centro Magnético de Reflexão e Comunicação Sideral – como o terão sido as Pirâmides – aumentando e reforçando a sua já formidável personalidade magnética.

 

(texto: utilizando alguns dados da série Ben 10 – imagens: google.com e wordpress.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:50

10
Dez 12

As crianças são a nossa imagem refletida num espelho

 

Os adultos contribuem com as suas atitudes diárias e com o seu quotidiano monótono e opressivo, para a formação do forte e direto carater comportamental da criança.

 

(imagem – Google)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:31

07
Dez 12

 

Na Nova Ordem Mundial a Hierarquia Política é dominada maioritariamente por marionetas cibernéticas, que articulam o seu corpo através de um simples efeito de ação-reação à transmissão psíquica de entidades terrestres extraordinárias, situadas a um nível intelectual muito superior e de acesso exclusivo. As entidades criaram o modelo – plagiando-o de algum ponto de acesso restrito – a hierarquia aplicou-o – reagindo por instinto de sobrevivência à transmissão dos seus donos – e nós fomos completamente globalizados – morrendo sufocados por toneladas de matéria-prima, transformada em desperdícios de luxo na podridão da nossa existência. A esperança é que ainda existam estrangeiros sem terra, vagueando alegremente por aí!

 

Portugal – Nova Potência Espacial?

 

Imagem da cápsula espacial portuguesa Dragão Luso/FCP – uma iniciativa da empresa público-privada EPP/Espaço ligada ao turismo e à área da aeronáutica espacial – aterrando suavemente na superfície vermelha do planeta Marte, na sua primeira viagem experimental e já com os seus primeiros passageiros

                                               

1.ª Decisão do Primeiro-Ministro:

Decreto a constituição da empresa de participação público-privada EPP/Espaço, tendo como banco avalista do financiamento destinado à implantação deste projeto prioritário e como instituição superior de referência a Caixa Geral de Depósitos/Universo.

 

1.ª Execução do Governo (presidido pelo Primeiro-Ministro):

Mal foi publicado o decreto – com o total apoio da Presidência da República – iniciou-se simultaneamente todo o processo burocrático associado e a construção do primeiro protótipo da cápsula espacial Dragão-Luso. As ações da empresa poderão brevemente vir a ser cotadas internacionalmente em bolsa, aguardando para o efeito o rápido regresso do país aos mercados – como repetidamente prometido pelo Governo.

 

Aspeto da Colónia Portuguesa/SONAE instalada recentemente na superfície de Marte já preparada para receber os primeiros emigrantes nacionais para aí destacados e com os seus técnicos-astronautas residentes a realizarem as derradeiras verificações técnicas; espera-se um pico de transferências no início do primeiro trimestre de 2013

                                                                                

2.ª Decisão do Primeiro-Ministro:

Decreto a autorização da constituição da empresa de iniciativa privada SONAEspaço.com, através da publicação de um novo diploma legal que englobe os novos territórios portugueses, na área em expansão espacial das comunicações e dos negócios nacionais.

 

2.ª Execução do Governo (presidido pelo Primeiro-Ministro):

Mal foi publicada a autorização legislativa – com o total apoio do Ministro da Economia – a SONAEspaço.com iniciou contatos com a NASA, para a cedência temporária em sistema de aluguer dos seus vaivéns já retirados, de modo a iniciar as primeiras transferências de material – incluindo contraplacados super estanques de última geração – e assim iniciar a construção da colónia portuguesa em Marte. Os componentes eletrónicos estarão a cargo de fornecedores asiáticos e as telecomunicações serão entregues à OptimusEspaço.com.

 

A Casa Verde/PINGO DOCE – dependência dedicada ao cultivo e crescimento de frutas e vegetais utilizadas para a alimentação dos ocupantes da base portuguesa em Marte – com o objetivo de substituir a curto-prazo a importação de bens alimentares taxados na origem – e particularmente recomendada para o exercício de atividades de introspeção e relaxamento

 

3.ª Decisão do Primeiro-Ministro:

Decreto o início da implementação do plano de pormenor para a edificação do projeto elaborado pelo Pingo Doce e aqui denominado como Casa Verde, plano esse direcionado para a auto sustentabilidade alimentar da colónia portuguesa a estabelecer rapidamente em Marte.

 

3.ª Execução do Governo (presidido pelo Primeiro-Ministro):

Mal foi publicada em Diário da República a data da autorização para o início do projeto Casa Verde – com o total apoio da Ministra da Agricultura – chegou a Marte o primeiro carregamento de sementes hibridas e respetivos pesticidas para pré-tratamentos preventivos, vindos diretamente dos EUA e fornecidos graciosamente pela multinacional norte-americana Monsanto.

 

(imagens – space.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:17

04
Dez 12

O Bispo Auxiliar e o livro de Bento XVI “A Infância de Jesus”

 

Os únicos animais – confirmados pelo Papa e erudito Bento XVI – que estavam no estábulo por altura do nascimento de Jesus, foram o boi e o burro. Logo, nenhuma representação autorizada do presépio poderá prescindir destes dois animais. Deduz-se assim que os restantes animais estão dispensados de aparecerem, podendo assim usufruir da tolerância de ponto prevista para o dia 24 de Dezembro.

 

Santuário de Fátima – Presépio correto apenas com o burro e o boi

 

Os Três Reis Magos serão todos originários do Extremo Ocidente, mais precisamente da Península Ibérica. Por confusão os nossos vizinhos espanhóis indicaram imediatamente a Andaluzia, por nunca terem tido conhecimento da existência de um outro país situado a ocidente. Provavelmente os Três Reis Magos – Belchior, Baltazar e Gaspar – terão vindo de Portugal das proximidades do Cabo da Roca.

 

Jesus já dispunha de acesso à Internet e o Papa tinha conta no Twitter

 

O Papa irá lançar a sua primeira mensagem – traduzida em diversas línguas, incluindo o português – através da rede social Twitter, tendo desde já divulgado o endereço desta sua nova conta (@pontifex_pt para os crentes e curiosos). A curiosidade reside na data do lançamento: 12.12.12. Será que estaremos mesmo às portas do início de uma nova era – como os Maias previram – tendo a data para a sua apresentação uma informação subliminar?

 

(imagens – Google)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:33

Ficheiros Secretos – Albufeira

Entrevista com o Alienígena

 

 

“A Informação terá sido manipulada com alteração deliberada dos fatos ocorridos”

 

Tal como agora se passa com a luta dos Estados contra o Terrorismo – tema já em decadência, senão mesmo na sua fase terminal – transformando criações próprias como a de Bin Laden em agentes renegados conquistados pelos agentes do mal e colocados diabolicamente ao seu serviço, no decorrer do tempo após o finalizar da II Guerra Mundial, o poder mundial sentiu logo a necessidade de aí e o mais rapidamente possível, criar um novo inimigo que o protegesse de “novas e revolucionárias ideias” que pudessem surgir entretanto – daí os comunistas na Terra e os alienígenas no Espaço

 

I

Reunião:

 

Com a cumplicidade de simpatizantes da causa dos Alienígenas Anónimos introduzidos na estrutura hierárquica dos funcionários da nossa Câmara Municipal, realizou-se numa das primeiras semanas do mês de Novembro no Espaço Multiusos da cidade uma reunião secreta de profissionais da Comunicação e Informação Mundial, com a finalidade de divulgar uma entrevista exclusiva realizada recentemente a um ser alienígena chegado há dias atrás a uma localidade situada perto do litoral algarvio. A nave que tripulava – conjuntamente com mais quatro colegas seus – acabou por se despenhar perto do litoral ao ser afetada gravemente pelos efeitos imprevisíveis e devastadores de um Tornado que passava então pela região, efeitos esses que lhe provocaram de uma forma inesperada e final o aparecimento de inúmeras anomalias técnicas irreparáveis. A reunião contou com a presença na mesa de três elementos cobertos por uma indumentária bastante estranha e exótica e que os envolvia completamente da cabeça até aos pés, deixando-nos a adivinhar que debaixo disto tudo algo de muito diferente se poderia ocultar. E a grande surpresa que deixou a assistência espantada foi a revelação de que na mesa já se encontrava o próprio alienígena entrevistado, um ser de baixa estatura e do sexo feminino.

 

Uma das pretensas entrevistas realizadas a alienígenas capturados nos EUA

 

II

Entrevista:

(aqui constituída por 35 questões)

 

P-01: Está ferido?

R-01: Não.

P-02: Precisa de comida, de água ou de outra coisa qualquer?

R-02: Não.

P-03: Sente alguma dificuldade em se adaptar à temperatura, composição e pressão atmosférica ou então sente alguma necessidade fisiológica?

R-03: Eu não sou um ser biológico.

P-04: Não transportará o seu corpo ou até a sua nave um qualquer tipo de germe ou contaminante, que possa ser prejudicial para a vida na Terra?

R-04: No espaço não existem germes.

P-05: O seu governo sabe que está aqui?

R-05: Neste momento não.

P-06: Virão outros seres da sua espécie à sua procura?

R-06: Sim.

P-07: Qual a capacidade militar a nível de armamento do seu povo?

R-07: Muito elevada e destrutiva.

P-08: Porque se despenhou a sua nave?

R-08: Foi apanhada por uma inesperada e violenta tempestade, que nos fez perder o seu controlo.

P-09: Qual o motivo para a sua nave se encontrar nesta área?

R-09: Para investigar e tentar compreender alguns factos preocupantes ocorridos por estes lados da Terra.

P-10: Como é que voa a sua nave?

R-10: É controlada mentalmente, respondendo através de comandos mentais, a ela ligados por uma espécie de sistema nervoso.

P-11: Como é que o seu povo se comunica entre ele?

R-11: Através da mente, do pensamento.

P-12: Utilizam linguagem escrita ou simbólica para se comunicarem?

R-12: Sim.

 

Pretensa nave alienígena despenhada em Roswell no ano de 1947

 

P-13: De que planeta vem?

R-13: Do Grande Império.

P-14: Será que o seu governo estará interessado em enviar representantes para se encontrarem com os nossos líderes?

R-14: Não.

P-15: Quais são as vossas intenções em relação à Terra?

R-15: Preservar e proteger como parte integrante da área de influência do Grande Império.

P-16: O que é que conhece sobre os governos e instalações militares terrestres?

R-16: Pobres e de pouca dimensão mas capazes de se autodestruírem.

P-17: Por que razão o seu povo, não se deu a conhecer ao povo da Terra?

R-17: A nossa missão restringe-se exclusivamente a ver e a observar, sem existência (obrigatória) de qualquer tipo de contacto.

P-18: O seu povo já visitou a Terra anteriormente?

R-18: Periodicamente e repetindo as observações.

P-19: Há quanto tempo conhecem a Terra?

R-19: Muito antes do aparecimento dos humanos.

P-20: O que é que sabem sobre a história da civilização terrestre?

R-20: Muito pouco – dada a mínima atenção e interesse prestado até agora – por se tratar de um período de tempo na história da humanidade, ainda muito pequeno.

P-21: Como descreve o seu mundo?

R-21: É um local de encontro de civilizações, cultura e história. É um grande planeta, saudável e com bastantes recursos, tendo como lemas a ordem, o poder, o conhecimento e a sabedoria. Tem associado duas estrelas e três luas.

P-22: Qual o estado de desenvolvimento da sua civilização?

R-22: É uma civilização muito antiga de triliões de anos, com um nível superior a muitas das outras e com ideias e objetivos bem definidos.

P-23: Acredita em Deus?

R-23: Não compreendo.

 

Tristeza por constatação de procedimento inadequado – um dos alienígenas já cadáver

 

P-24: Em que tipo de sociedade vivem?

R-24: Ordeira e poderosa.

P-25: Existem outras formas de vida inteligentes além da vossa no Universo?

R-25: Em todo o lado. Mas nós somos os maiores de todos.

P-26: Porque interrompeu as comunicações com os seres da sua espécie?

R-26: Por motivos de segurança.

P-27: Consegue ler ou escrever nalguma língua terrestre?

R-27: Não.

P-28: Compreende os números ou a matemática?

R-28: Sim. Sou um oficial-piloto e engenheiro.

P-29: Existem outros métodos de comunicação que possam usar para nos ajudar a compreender mais claramente os vossos pensamentos?

R-29: Não.

P-30: Consegue-nos mostrar no mapa das estrelas qual a estrela do vosso planeta natal?

R-30: Não estou autorizado a revelar.

P-31: Quanto tempo demorará o seu povo a localiza-lo?

R-31: Não sei bem ao certo.

P-32: Quanto tempo levaria o seu povo para viajar até aqui para o salvar?

R-32: Minutos ou horas.

P-33: Como é que podemos fazer com que compreendam que não temos nenhuma intenção de vos prejudicar?

R-33: As vossas intenções são claras como espelhos, vêm-se nos vossos pensamentos, nas vossas imagens e nos vossos sentimentos.

P-34: Se não é uma entidade biológica, porque é que se refere a si como sendo do sexo feminino?

R-34: Porque eu sou um Criador, uma Mãe, uma Fonte.

P-35: Que garantias ou provas são necessárias da nossa parte para se sentir suficientemente seguro para responder às nossas questões?

R-35: O que nos interessa no meio disto não são garantias nem provas, é o Grande Império e nada mais. É sempre necessário – isso sim – aprender, conhecer e compreender.

 

A investigação ao incidente de Roswell só pretendeu iludir a opinião pública norte-americana

 

III

Encerramento:

 

Encerrada a sessão sobre a divulgação da Entrevista ao Alienígena, seguiu-se um pequeno intervalo durante o qual a assistência se concentrou em pequenos grupos sussurrando entre si alguns dos espantos suscitados, por algumas das improbabilidades teóricas apresentadas neste relato. Os convidados foram então dirigidos para um pequeno beberete e alguns aperitivos, onde acabaram por expor informalmente os seus diferentes pontos de vista e libertar-se um pouco da tensão vivida momentos antes, com a projeção integral da entrevista. Pouco tempo passado os convidados regressaram de novo à parte central do auditório, tendo aí assistido à parte final da reunião, onde – num dos momentos mais altos e que mais tocou profundamente a assistência – o Alienígena Entrevistado se pronunciou sobre o célebre incidente ocorrido no ano de 1947 na localidade norte-americana de Roswell, envolvendo outros alienígenas numa situação muito semelhante à sua. Deixou ficar ao tradutor – para divulgação posterior entre os presentes – um conjunto de fotografias obtidas na altura desse incidente por outros colegas extraterrestres, que tinham vindo indagar propositadamente sobre o sucedido com a obrigação de nunca nos revelarem a sua presença. O choque dos alienígenas foi ainda mais brutal do que imaginavam, face ao historial da todo o percurso improvisado de receção oficial a eles aplicados pelos humanos, terminando este repugnante episódio na morte miserável de outros seres – o que para o seu estado de entendimento do mundo os colocava em níveis superiores de entendimento das Entidades e Transformações Universais, justificando mais uma vez o perigo inerente ao contato com espécies incultas, brutais, imediatistas e logicamente inferiores.

 

O mundo onde hoje vivem os humanos só lhes permite a observação: qualquer tipo de contato – como em qualquer mercado – tem o seu preço.

 

(imagem: Google – texto adaptado: a parte II assenta na pretensa entrevista realizada por Matilde MacElroy, a um ser alienígena capturado pelo exército norte-americano)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:52

03
Dez 12

VESTA e MAKEMAKE

Albufeira – Ficheiros Secretos

EP 4 – A Viagem do Vicente

 

O Vicente Original

 

O melro-preto Vicente

 

Vicente era um melro-preto (caraterístico dos machos) nascido no Algarve e habitando uma oficina nas redondezas da Guia, sendo aí conhecido como um defensor para toda a vida do seu território – neste caso a oficina que guardava com muita vontade e empenho. Apesar de por outro lado não ser uma ave gregária e gostar muito de andar a gozar e a brincar – como ave brincalhona e com personalidade vincada – com os instrumentos de trabalho e outros acessórios usados pelos seus trabalhadores (um dos seus divertimentos preferidos era fazer desaparecer os parafusos quando apanhava os mecânicos distraídos). Acabou por desaparecer um dia, não se sabendo bem porquê – mas pelos vistos ia a caminho, como num sonho, dos limites do Sistema Solar.

 

O Vicente Alternativo

 

Asteroide VESTA – à esquerda a cratera CANULEIA

 

O Vicente foi desde a sua juventude um miúdo muito interessado em tudo o que envolvia viagens em naves espaciais e observações noturnas do céu, principalmente durante a altura do Verão, em que o céu estava limpinho e se podia observar o céu com toda a facilidade e nitidez – mesmo a olho nu. Era um fã dos filmes de ficção-científica envolvendo naves imensas e fantásticas voando por todo o Universo e combatendo pela salvação de outros mundos, nunca perdendo – sempre que podia – a estreia de mais uma nova longa-metragem passada no espaço e ficando a partir daí a sonhar com novos cenários e aventuras, em que ele estaria também heroicamente presente e conscientemente envolvido.  

 

Quando atingiu a maioridade, a família – querendo-o recompensar pelos bons resultados nos estudos e pela ajuda sempre presente que ele lhes dava no trabalho do campo – resolveu premia-lo com um presente particular e muito bem pensado, que eles tinham a certeza que o iria pôr nas nuvens e cheio de alegria: uma luneta astronómica. E foi mesmo num caos de sentimentos e felicidade incontida, que Vicente abriu a surpresa que os pais lhe ofereciam, correndo para eles com um misto de espanto e reconhecido agradecimento e enfiando-se de seguida no seu quarto, olhando estupefato e num estado desconhecido de puro prazer o artefacto sempre desejado. Já poderia subir ao terraço de sua casa e observar o céu cheio de pontos luminosos, uns tremendo outros não e compreender olhando para eles, a posição destes misteriosos corpos celestes no Universo e aquilo que nós fazemos no meio disto tudo.

 

E assim mal chegou o Verão era vê-lo constantemente no terraço de casa com a sua luneta, a observar tudo o que o céu noturno lhe oferecia, desde as estrelas de todas as cores – azuis, vermelhas, verdes e muitas mais cores – passando por planetas como Saturno e os seus visíveis anéis e pelo misterioso e vermelho planeta Marte – com os seus enigmáticos canais – e claro está, nunca esquecendo a magnifica Lua situada tão perto de nós, enorme e tão fácil de alguém se perder nela só de olhar, tão extraordinários os detalhes possíveis de observar e de tentar traduzir e compreender. Numa dessas noites de observação solitária do céu noturno do Algarve, deparou-se inesperadamente com algo que lá não costumava estar e que ele nunca vira antes – tinha a certeza disso, pois registava sempre todos os pormenores que achava importantes ou que na altura não entendia – e que ele não conseguiu, por mais que tentasse e dê-se cabo à cabeça (e aos livros), descobrir o que seria.

 

O objeto voador que levou inicialmente Vicente até ao asteroide VESTA

Esta imagem foi divulgada por um agricultor da Guia dias depois do desaparecimento do melro da oficina onde habitava

                                            

Eram duas horas da manhã de um sábado do mês de Agosto – com o nosso satélite natural caminhando rapidamente para a fase de Lua Nova – e estava uma temperatura agradável típica de Verão, não vislumbrando Vicente nenhum mosquito pronto para chatear, nem mesmo sentindo qualquer brisa mais forte, que lhe pudesse dar cabo do seu período de observação, deslocando a luneta de posição ou humidificando as suas lentes. No céu só vira até aí duas ou três estrelas cadentes e entretera-se até essa altura, a ver as cores das várias estrelas cintilantes que o céu apresentava. E foi quando deslocava o seu ângulo de visão mais para sul que visionou o corpo que não devia lá estar. O que tornava estranho e curioso esta observação era que o objeto desconhecido parecia deslocar-se no céu, aumentando de tamanho e de luminosidade. E dada a distância a que se encontrava de si e da sua luneta, nunca poderia ser um avião, nem mesmo um satélite artificial orbitando a Terra. Deixou-se inconscientemente ficar a olhar este inopinado objeto voador desconhecido – tal a maneira como ficou hipnotizado com o que estava a presenciar – que nem se apercebeu da velocidade de deslocação do objeto e do modo como este se aproximava rapidamente da sua área de observação. O resto aconteceu rapidamente e mesmo hoje não tem grande noção do que terá na realidade acontecido: só se recorda de uma forma um pouco confusa e nebulosa, de um grande relâmpago – não se lembra de nenhum ruído particular a acompanhar o fenómeno – de se sentir a pairar momentaneamente no ar e de imediatamente perder a noção de tudo o que o rodeava e cair sem sentidos.

 

O interior da nave espacial DAWN 3V – num projeto inovador lançado pela DREAM TIME SPACE CORPORATION – apresentava uma conjugação de divisões e de cores aplicadas de uma beleza e simplicidade surpreendente 

 

Ainda um pouco atordoado acordou no interior de uma sala fechada e praticamente vazia, guarnecida de diversos painéis luminosos espalhados por todas as paredes e que pareciam dar acesso a outras divisões deste complexo ou simplesmente serem meros compartimentos de arrumos com capacidade de acesso privilegiado, a outras funções que ainda não tivera tempo para entender. Meio confuso com o que estava a suceder à sua volta, Vicente viu uma porta – que não notara antes – abrir-se e por ela entrar o que mais parecia um autómato vindo do filme da Guerra das Estrelas, que lhe entregou educadamente algo de comer e de beber, ao mesmo tempo que lhe explicava pormenorizadamente o modo de funcionamento do local onde o tinham confortavelmente instalado. Era tudo comandado pelo tato ou pela voz e centenas de opções e atividades técnicas eram propostos ao seu utilizador, fosse ela lúdica ou de trabalho, além da oferta sem limite de múltiplos canais de comunicação e mesmo podendo conceder acesso restrito – em casos de urgência – à utilização de transportes temporais. A viagem foi rápida e o destino escolhido – soube-o quando o autómato se retirou – era o asteroide VESTA. O transporte onde Vicente se deslocava era a nave espacial DAWN 3V, construída recentemente por técnicos alienígenas residentes em VESTA, em memória da primeira sonda terrestre enviada para observar e estudar este mundo. VESTA era um asteroide com cerca de 10 Km de diâmetro e Vicente ficaria instalado em instalações subterrâneas localizadas no interior da cratera CANULEIA, podendo-se comunicar com outras zonas deste corpo celeste, através de canais que atravessavam como raios a sua superfície.

 

A reunião teve lugar no dia seguinte ao da sua chegada e o assunto que levara os alienígenas a transportarem Vicente a VESTA, foi logo aí e sem nenhum tipo de preparação ou rodeios, apresentado e explicado: alguns habitantes do planeta MAKEMAKE situado para além da orbita do último planeta constituinte do Sistema Solar – o planeta Neptuno – estariam a preparar-se para partir da cintura de KUIPER – onde se situaria o planeta “FAZFAZ” – em direção ao planeta Terra, com o objetivo de tentar compreender presencialmente as razões técnicas e cientificas invocadas por muitos eminentes e conspirativos eruditos terrestres, de que o fim-do-mundo estaria aí à porta e marcado para o próximo dia 12-12-12. Achavam eles interessante que num Universo em que apenas o Espaço e o Movimento eram parâmetros relevantes, alguém recorresse a entidades que se baseavam exclusivamente em crenças e lendas de povos desaparecidos – como os Maias – para anunciarem repetidamente e de uma forma irracional e religiosa, a sua crença na ressurreição e numa vida eterna para além da matéria. O que até seria credível ou mesmo possível, mas num outro nível alternativo e viável de realidade, que os terrestres que se soubesse ainda não atingiam, nem demonstravam qualquer interesse em atingir – dado o nível de violência irracional demonstrado e ao próprio aplicado.

 

  

O planeta MAKEMAKE situado da cintura de KUIPER

 

NA sua estadia em VESTA, Vicente aproveitou para ler alguns livros sobre o asteroide e as cinturas de KUIPER e de OORT. Era muito curioso na sua investigação sobre corpos celestes pouco falados e até os seus nomes – e como as pessoas os pronunciavam – deixava ficar no ar algo de misterioso e difícil de desvendar. Ora era com estes aspetos que Vicente delirava, mais o entusiasmando nas suas profundas e detalhadas investigações juvenis. Informou-se logo sobre MAKEMAKE e outros planetas semelhantes a ele situados perto dos limites do Sistema Solar e deparou-se de imediato com o despromovido PLUTÃO e com HAUMEA, também localizados na cintura de KUIPER e para além da orbita de Neptuno. MAKEMAKE – denominado como os seus colegas um planeta “DWARF” – teria uma dimensão ligeiramente inferior a PLUTÃO e levaria mais de 300 anos terrestres para dar a volta completa ao Sol. Espantou-se ainda mais quando verificou que em MAKEMAKE existiriam fortes sinais da presença de nitrogénio congelado à sua superfície, assim como de outras substâncias como o etano e o metano e mesmo assim e nestas condições extremas existir vida molecular – e pelos vistos organizada mesmo a nível superior, com a existência de seres vivos indígenas – apenas pela ação da luz ultravioleta e da sua interação com essas substâncias, que lhe daria a cor avermelhada nas observações até agora efetuadas.

 

Chegou a MAKEMAKE numa nave cedida pelos seus amigos de VESTA. Sendo um dos maiores planetas anões do Sistema Solar, este corpo celeste oriundo da cintura de KUIPER era habitado por pequenos seres respirando uma atmosfera para nós tóxica e venenosa, mas que contribuía para que este povo alienígena tivesse uma estrutura mais resistente e adaptável ao clima do planeta-anão, tornando-o mais irrequieto, curioso e com necessidade constante e urgente de intervir sempre que necessário e de modo a contribuir positivamente para o desenrolar de todos os processos de transformação que os rodeavam e influenciavam. Afinal o Universo era um Ser Vivo em constante transformação!

 

O planeta-anão pertencia à família dos pequenos planetas como o era o recém-despromovido planeta Plutão. Os seus habitantes – os CUBEWANOS – era um povo muito cordial e atencioso, estando sempre dispostos a ajudar o próximo e mesmo a partilhar com ele todos os problemas do seu quotidiano diário. Apesar de estarem a uma distância apreciável do planeta Terra – entre 45/53 UA – e terem um período orbital de cerca de 310 anos, o desejo dos CUBEWANOS em comunicarem com outras civilizações – e aí se deslocarem – era crescente, quase que se transformando no seu Paradigma futuro. Além do mais não era conhecido nenhum satélite artificial de MAKEMAKE o que isolava ainda mais os seus habitantes de contactos exteriores prioritários.

 

O Universo existirá sempre para lá dos limites da nossa imaginação (visão do mundo do ser humano vivo)

E a sua Transformação dará ao Mundo constantes Criações, que irão perdurar no tempo até à nossa Perdição (visão do mundo do ser humano morto)

 

No entanto Vicente acabou por se concentrar no que mais lhe importava a si e a toda a população de MAKEKAKE: fazer amigos, partilhar espaços e trocar experiências. E se possível viajar entre todos estes Mundos dispersos pelo Espaço e criar em consenso com tudo e com todos, outras noções e vivências que pudessem catapultar conjuntamente todas as raças existentes no Universo, para outros níveis alternativos e superiores da realidade. Convidou assim os seus amigos de MAKEMAKE e de VESTA para uma visita a realizar dentro de pouco tempo ao seu planeta, para lhes mostrar presencialmente como era bela e fantástica a existência de vida e de cor por todo o lado, aquilo que no fundo poderia também vir futuramente a acontecer noutros planetas e corpos celestes – como os seus – com a imparável evolução do Universo Nómada, continuamente em constante movimento e transformação, apesar da presença de muitos oposicionistas sedentários apologistas da morte. Tudo dependeria agora da colaboração da China, da Índia e do Japão na concretização desta ânsia e desejo planetário, já que os EUA viviam agora uma crise tremenda e a Europa agonizava: as naves estavam quase concluídas e esperava-se a chegada em breve a esta zona do Sistema Solar de uma Mega Nave Espacial Asiática, carregada de pessoas procurando estabelecer intercâmbio tecnológico e cultural entre novos Mundos e Mercados, ao mesmo tempo que iam inundando os CUBEWANOS com artigos conhecidos das “Lojas dos 300”, que tanto os entusiasmavam – como era possível uma tal inutilidade, ser tão agradável de manipular!

 

O Mundo é tudo isto e tudo isto faz parte do Universo. O Universo é um Corpo Vivo, assim definido por uma constante movimentação de todas as suas estruturas – mesmo que erradamente pareçam estáticas – num processo consecutivamente transformativo. O Movimento é um elemento significativo (e talvez único) para a confirmação de existência da Vida e sem ele não existiria Nada, por mais criação ou perda que se invoque. Disso ficou Vicente completamente ciente, prometendo aos seus camaradas de viagem e em nome da honra de toda a sua família (e dos amigos mais chegados), oferecer a sua total disponibilidade para ensinar e jamais para educar.

 

(imagens – NASA e Google.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:30

O Admirável Mundo dos Homens e das Mulheres-Homem

 

A Nova SEX-MACHINE

(máquinas à direita na imagem)

 

Mulher-Homem – A noção atual de sexualidade está a mudar rapidamente com as mulheres a aceitarem o exercício físico induzido, como forma de atingirem um sucedâneo de orgasmo sem necessidade de parceiro ou ato sexual

 

Na nossa sociedade o paradigma da Mulher-Objeto foi estrategicamente alterado pelos detentores do poder para um novo desígnio a cumprir – o da Mulher-Homem; o antigo paradigma acabou reciclado, comercializado e diluído na estrutura, passando imediatamente à reserva territorial e transformando-se deste modo numa “nova” mercadoria a ser reintroduzida nos florescentes e legais mercados paralelos.

 

A Antiga SEX-MACHINE

(máquinas por todo o lado na imagem)

 

Brasil – Mercados Paralelos – Mulher-Objeto – Eleição de Miss Bumbum

 

A brasileira Carine Felizardo (um dos traseiros na fotografia) é a grande vencedora da edição deste ano da Miss Bumbum. A cerimónia, carregada de beleza feminina, decorreu na noite de sexta-feira, em São Paulo.

 

(notícia final – CM/Reuters)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:06

“Cada Estado e Cada Tempo, Tem o Seu Bicho-Papão”!

 

O Julgamento da Fonte WIKILEAKS

 

Bradley Manning

 

Começou há poucos dias o julgamento do cidadão e militar norte-americano Bradley Manning, acusado da prática de atos de alta-traição contra a segurança nacional e a defesa dos interesses do seu próprio país, na sequência da divulgação de informações confidenciais à organização Wikileaks.

 

Para lá das razões invocadas pelos responsáveis norte-americanos para a abertura de um processo contra um seu militar ainda no ativo; para lá da análise da postura do próprio militar, conscientemente enquadrado numa estrutura hierarquizada da qual conhecia todos os seus direitos e todos os seus deveres; para lá do total esclarecimento do papel aqui desempenhado pela organização que aceitou receber estas informações confidenciais, a Wikileaks; para lá de todos os embaraços provocados – muitas das vezes podendo despoletar acontecimentos de consequências imprevisíveis – nos mais diversificados meios políticos, empresariais e financeiros de todo o mundo, pela divulgação destas informações confidenciais; não poderemos nunca esquecer-nos de como todo este processo começou – e quais as suas verdadeiras e prioritárias intenções – de como tem decorrido e de como irá certamente acabar.

 

É certo que um estado tem muitas vezes a necessidade (devido à ocorrência de crises cíclicas) de arranjar rapidamente bodes expiatórios fortes e duradouros para solucionar sem grandes sobressaltos casos muitas vezes perturbadores para o próprio Estado (mesmo que colaterais). E até pode ser um motivo que a maioria do povo ache compreensível de aceitar (para garantir a sua liberdade e segurança) desde que preservando a sua memória (e a sua cultura), nunca se esqueça de que quem as praticou, pratica e irá continuar a fazê-lo em nome desse povo – mas que ao mesmo tempo e com o mesmo estatuto moral também continua a deter o exclusivo de casos como o de Guantánamo e de Abu Ghraib, entre muitíssimos outros. 

 

(imagem – boingboing.net)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:59

02
Dez 12

A partir de agora o planeta Mercúrio junta-se à lista dos mundos conhecidos do nosso Sistema Solar, em que se comprovou a existência de água à sua superfície (sob a forma de gelo).

 

Água no polo norte de Mercúrio – depósitos a amarelo

(imagem – sonda Messenger)

 

Apesar das temperaturas em Mercúrio poderem atingir valores superiores a 400°C à volta do seu polo norte – em áreas permanente protegidas (na sombra) dos efeitos do calor solar – foi aí descoberta água gelada, provavelmente misturada com outros componentes orgânicos.

 

(space.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:06

Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
13
14

18
19
21
22

23
27
28
29

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO