Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

28
Jun 13

 

 

 

“Quando se lê muito, e eu fui feito pela leitura e não pelo estudo – porque nunca verdadeiramente estudei no sentido escolar do termo, e não "fazia os trabalhos de casa" –, aprende-se e forma-se. Aliás, este é o cerne da educação no sentido clássico, hoje tão esquecido, o de aprender para se fazer”.

 

(José Pacheco Pereira – Público)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:19
tags: ,

“Alguém tem que nos explicar rapidamente para que serve o nosso cérebro. Caso contrário não sabendo que o temos, ainda nos arriscamos a perdê-lo. E assim lá se vai a nossa memória, a nossa cultura e no fim o nosso país”.

 

Rotina

 

Um dia o Presidente resolveu colocar um dilema aos portugueses: queriam estes continuar com um original desgastado e como tal cruel, ou com uma cópia ainda virgem e como tal virtuosa?

Os portugueses preferiram a cópia ao original, pensando que esta não teria os defeitos da primeira. O que eu não percebo é porque todos pensaram assim!


Sócrates versus Passos Coelho – TVI – 20/05/2011

(2013, Portugal: há já dois anos de luto e ainda com a Agência Funerária impiedosamente atrás de nós – ainda por cima com excelentes brindes e risonhas promoções)

 

Logicamente o que aconteceu foi que a réplica quis ser mais eficaz que o original, mas como esta última não sabia fazer nada de novo, apenas repetiu mais uma vez os gestos do primeiro, tornando-os insuportavelmente obscenos e intencionalmente vingativos.

Quanto ao interventivo Presidente e de acordo com a mais simplória interpretação de funcionário público, resolveu dedicar-se a assinar documentos e a despachá-los sem olhar.

 

Subrotina

 

Ao correr de novo a rotina no simulador e tomando mais atenção a todas as unidades de software utilizadas no seu programa, deparamo-nos após chamada, com subrotinas aparentemente sem argumento, mas que se iam progressivamente activando desvirtuando intencionalmente todo o processo e criando novos programas por replicação. Por esse motivo a dúvida levantada por muitos especialistas nesta área – ainda não lobotomizados por esse parâmetro abstracto conhecido como tempo, apenas utilizado com a finalidade de justificar o apagamento da memória – pondo em causa a originalidade do Original, dado este já ter colaborado em anteriores acções de replicação, mesmo que ilusórias.


José Sócrates e Santana Lopes

 

O dito Original referenciado na rotina anterior terá participado enquanto jovem animal político no programa da SIC “A Cadeira do Poder”, tentando replicar-se através da adopção doutro Original como referência fundamental, de modo a poder substituí-lo integralmente e por simples substituição superá-lo. A única questão pertinente aqui colocada, usada como principal elemento de defesa por muitos fanáticos virais do Original, assenta na seguinte dúvida: será que a estabilidade da relação Original/Réplica poderá ser afectada, se ao contrário do inicialmente projectado, a sua integração tiver decorrido num mundo ilusório? Os fanáticos rejeitam a dúvida dizendo que não, desvalorizando a dúvida como mero cenário e sobrevalorizando o indivíduo projectado, como sua imagem interior.

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:42

Uma Homenagem

 

Não podia ignorar: seria um crime!

Alguém assim é uma raridade.


Professor Francisco Goulão

(sem o conhecer, pelo que vejo, pela sua obra, um Grande Homem)

 

Ainda por cima tendo eu vivido em Espinho, nos anos da minha juventude.

Devemos sempre alguma coisa a alguém!

 

Introdução ao blogue:

(profsurdogoulao.blogspot.pt)


Exposição – Trabalhos a Lápis – Junta de Freguesia de Espinho – 2013

 

OLÁ SOU FRANCISCO GOULÃO SOU SURDO E PROFESSOR DE SURDOS ESTAMOS NUM PAÍS IGNORADO QUE NÃO CONHECE O MUNDO DOS SURDOS. VIVA A ESCOLA ESPECIAL E EXCLUSIVA PARA AS CRIANÇAS SURDAS E ABAIXO A ESCOLA INCLUSIVA. RESPEITAR O ESTADO, A NAÇÃO, A PÁTRIA, O PORTUGAL E AS CRIANÇAS SURDAS. A POLÍTICA NÃO RESOLVER NADA E DEVE SER BANIDA. OS POLÍTICOS MENTEM E NÃO CUMPREM NADA. A DEMOCRACIA NÃO SE PODE GOVERNAR CONTRA AS PESSOAS. RESPEITAR A CONSTITUIÇÃO E OS DEFICIENTES. VIVA A COMUNIDADE SURDA.

 

(a partir do blogue de Francisco Goulão)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:31

 

Os movimentos grevistas – desde 1872 – na História de Portugal

 

Num país em que os seus dirigentes políticos maioritários afirmam que o seu povo viveu acima das suas possibilidades – a reconhecida “soberba dos pobres” – o que mais poderemos esperar destes ladrões?


De criança feliz a mero aprendiz

 

De um Governo que na sequência do anterior, apenas lhes interessa preservar os direitos adquiridos duma minoria de alguns, para desse modo justificarem – curricularmente e não por experiência – os seus direitos (pornográficos) de representação!


Marques Guedes – o calejado mensageiro do Monstro Bicéfalo (governo+presidência)

 

Insulto ao grevista: "Governo respeita mais quem está a trabalhar"!

E eu não mereço mais respeito? Ou será que já não tenho mais crédito?

Antes sempre trabalhei e agora “fui” desempregado!


Jornal Anarco-Sindicalista “A Batalha”

 

A greve traduz, por determinação sindical, uma suspensão do trabalho por decisão dos trabalhadores com vista à satisfação de reivindicações profissionais. Este meio reivindicativo resulta dos direitos fundamentais dos cidadãos que os regimes democráticos consagram, como está, aliás, expresso na actual Constituição da República Portuguesa, datada de 1976.

(Crónicas do Professor Nuno Sotto Mayor Ferrão)

 

(imagens: blogue do professor Nuno Ferrão – 1ª/4ª e SAPO – 2ª/3ª)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:16

Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11

17
20
21

23
25
27
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO