Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

21
Fev 14

BACTÉTRIA

Como homenagem a Frank Zappa um grupo de cientistas atribuiu o seu nome a um determinado tipo de bactéria.

 

Frank Zappa

ZAPPA

Um enorme compositor musical claramente inconvencional no seu comportamento – tal como a bactéria P. acnes type Zappae.

 

(imagem – earthsky.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:45

20
Fev 14

Quanto aos nossos políticos só sabem mexer nos tomates para ver se ainda lá estão

(as mulheres tal como BB não passam de adereços)

 

BBBarbie

 

Cada um de nós tem o direito a usufruir da sua liberdade (e felicidade), apesar de em muitos dos casos não sermos nós a escolher o caminho para a atingir. Neste caso a loura Blondie Bennet obcecada desde a sua juventude pela figura da famosa boneca Barbie, resolveu contra o formato idealizado para a sua boneca anteriormente idolatrada, aumentar os seus seios – talvez por nunca ter encontrado o seu Ken. No entanto talvez por se sentir ainda insatisfeita com o resultado e por ainda se sentir profundamente ligada à boneca, BB decidiu como derradeira tentativa de se identificar (com a Barbie) e de se promover (junto de Kens alternativos), frequentar sessões de hipnoterapia de modo a tentar diminuir ainda mais o seu coeficiente de inteligência e transformar-se numa “excitante loura burra” – ou seja sem cérebro como a boneca.

 

A mulher que gostaria de ser de Plástico

 

"I just want to be the ultimate Barbie. I actually want to be brainless"

 

"I don't like being human, if that makes sense... Natural is boring... I would love to be like, completely plastic"

 

"I've had 20 sessions and I'm already starting to feel ditzy and confused all the time"

 

Acho tudo muito natural (por consciente), apesar de tudo o que se possa dizer em contrário: é que ao contrário desta loura que ainda pode escolher a máscara e o invólucro disponibilizado e autorizado – mesmo que sugerida por mensagens subliminares – nós nem nos apercebemos que em cima de nós já trazemos a marca do nada, em que transformaram a nossa vida. Só se nos transformarmos em Zombies.

 

(dados, imagens e texto em itálico – huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:00

Enquanto os ucranianos se matam – governo e oposição – outros vão ajudando à carnificina, enquanto treinam o tiro ao alvo!

Ucrânia

20.02.2014

70 Mortos

 

Snipers

(neste caso governamentais)

 

A Tragédia que agora envolve a Ucrânia tem origem numa importante alteração na estratégia de intervenção estrangeira num Estado soberano, instrumentalizando e dividindo a sua população entre dois campos que apenas os pretendem usar e deles abusar: de um lado a Rússia protegendo os seus interesses geopolíticos e económicos num país que consigo faz fronteira e que já foi sua parte integrante e do outro lado a Europa suportada pelos interesses expansionistas da Alemanha e dos EUA, numa política decadente e ultrapassada que recorre de novo aos fantasmas da Guerra Fria. Não é pois de espantar que a estratégia de utilização de snipers externos seja substituída por outra estratégia muito mais directa, impactante e chocante, utilizando agora snipers internos. No entanto a questão é que a Ucrânia precisa de ambos se não quiser cometer suicídio.

 

(imagem – huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:41

Faz o que eu digo mas não faças o que eu faço!

 

Hoje somos dirigidos por seres bipolares.

 

   

Jeroen Dijsselbloem e os seus Caminhantes

 

Portugal Continua no Bom Caminho

 

Jeroen Dijsselbloem

Partido do Trabalho (centro-esquerda)

Ministro das Finanças da Holanda

Presidente do Eurogrupo

 

É conhecido como um trabalhador. Tem uma mente aberta, fala directamente e é bom em línguas. Os seus principais temas são a política social e educacional. Tem a reputação de não ser somente um político sério, mas também sem sentido de humor. Vive com a sua mulher e dois filhos. (Wikipedia)

 

Mas no meu país o problema ainda é mais grave, com o Monstro a confundir-se com o seu Criador, a cair num emaranhado de réplicas e acabando por se transformar numa Hidra:

 

A Hidra

 

- O Criador do Novo Monstro trabalhava no seu projecto há já quase trinta anos, esperando ultrapassar o mítico e lendário Criador anterior, o qual liderara um processo semelhante durante cerca de cinquenta anos até cair da cadeira e deixar o seu Monstro morrer. Mas nos últimos três anos o Criador do Novo Monstro parece ter atingido o seu objectivo, podendo assim e finalmente concretizar os seus desígnios pessoais e impor o seu paradigma. Como o fez? Conseguiu transformar o seu Monstro Bipolar aplicando-lhe uma lobotomia de separação, obtendo a partir desse momento um feito científico extraordinário e histórico: por reprodução assexuada por bipartição criou a partir do Monstro inicial dois clones – o número um e o número dois – aplicando-lhes de seguida uma mutação genética para no final não se confundirem um com o outro. Mas o que obteve foi uma Hidra. Do ser inicial obteve um outro ser que resolveu destacar-se e tornar-se independente. E dum problema bipolar passamos para outro Tetrapolar, o que tem levado tudo atrás deles rumo ao abismo e à Policefalia. E ainda dizem mal dos Bicéfalos!

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:46

Afinal de contas estão certos aqueles que por vezes duvidam das previsões efectuadas pelos especialistas e técnicos ao serviço da NASA – sobre os diversos temas ligados à sua área de intervenção dedicada ao estudo e à exploração da Terra e do Espaço – considerando que para além do mais esta tem uma grande responsabilidade neste sector científico e tecnológico, dado ser uma das maiores agências espaciais do mundo acompanhada interessadamente por milhões de pessoas em toda a Terra – que nela confiam e acreditam: apesar de ser mais uma organização governamental cada vez mais instrumentalizada e politizada e que continuando a manter este rumo passivo e sem iniciativa interna, acabara por desaparecer ou ser engolida (pela iniciativa privada).

 

Agora vêm-nos esclarecer que a CME registada em 17 de Fevereiro pelas 04.50 UT, apesar de não ser dirigida para a Terra acabou no final de contas por a afectar: já pensaram nas centenas ou mesmo milhares de pequenos corpos celestes que por aí andam a rondar todos os dias o nosso planeta e cujos cálculos e previsões de trajectórias são feitos pela NASA e nos quais confiamos? Qualquer dia um deles diz “Impacto” e a seguir a NASA diz “desculpem”! O único problema é que o “desculpem” não é resposta ou solução para nada, nem nós acreditamos em certos “erros inesperados” da agência espacial norte-americana.

 

CME – 17 Fevereiro 2014

 

Para o caso da CME de 17 de Fevereiro o desmentido foi no entanto imediato: o planeta acabou por sentir os efeitos desta ejecção de massa oriunda da coroa solar, como o demonstraram os efeitos de estática provocados na propagação das ondas curtas, bem visíveis para o mais comum dos mortais com o som (ruído) proveniente das colunas de som. Ainda bem que tal aconteceu pois foi também imediata a explicação dada pela NASA:

 

The explosion sent shock waves rippling through the sun's atmosphere. Those shock waves, in turn, triggered plasma instabilities in the solar corona that emit strong radio emissions. The static-y "roar" of the explosion was picked up by solar observatories and ham radio stations across the dayside of our planet”. (spaceweather.com)

 

“Depois de casa roubada, trancas na porta”.

Uma nova tempestade magnética está agora em formação na superfície do Sol, em princípio sendo de pequenas dimensões. Tem-se vindo a formar desde o dia 18/19 de Fevereiro, podendo vir a afectar a atmosfera terrestre. Agora e com mais cuidado e atenção para quem os acompanha e neles acredita, a NASA já foi mais cautelosa, preventiva e pedagógica: já fala da deslocação do campo magnético intermédio situado entre o Sol e a Terra e na possibilidade de devido a essa falha no campo magnético protector do nosso planeta, podermos vir novamente a ser afectados pelos “ventos solares”.

 

(dados e imagem – spaceweather.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:28

19
Fev 14

As imagens referem-se ao vulcão Sinabung particularmente activo desde o início deste ano de 2014. Situado na Indonésia o vulcão tem estado num nível máximo de actividade, tendo já provocado diversas vítimas, levado à evacuação das populações situadas nas suas proximidades e destruído todas as culturas agrícolas em seu redor: a paisagem aparece agora com uma tonalidade acinzentada, resultante da queda da cinza vulcânica existente na atmosfera – originada pelas fortes e constantes erupções do Sinabung – e pela sua posterior queda na superfície da Terra – cobrindo os campos, os telhados das habitações e todos aqueles que se atrevam a circular.

 

        

Evolução num período aproximado de dez anos: 19 Maio 2003 e 7 de Junho de 2013

(verde/verde)

 

Este vulcão despertou subitamente em Agosto de 2010, sem apresentar nenhum registo histórico anterior: ele era o centro duma rica e tranquila região agrícola, que o rodeava e guardava como um simples vulcão adormecido e desde que o conheciam inactivo. Por essa altura e estendendo-se pelo mês de Setembro o seu despertar violento obrigou à evacuação de 30.000 habitantes vivendo na sua periferia. No entanto acabou por ir diminuindo a sua actividade acabando por adormecer de novo, o que levou ao regresso de todos os seus habitantes anteriormente em fuga. Apesar de tudo e como se pode ver nas duas imagens anteriores a paisagem pouco se modificou na sua globalidade durante dez anos (2003/2013).

 

        

Evolução num período inferior a um ano: 7 Junho 2013 e 6 Fevereiro de 2014

(verde/cinzento)

 

Mas tal como nós acordamos e adormecemos todos os dias, no caso do vulcão Sinabung uma situação semelhante acontecera no ano de 2010. Melhor: este dera um sinal claro do que aí viria três anos depois, com uma sucessão de erupções vulcânicas que de novo acordaram o vulcão em Junho de 2013, pondo em causa as culturas e o povo que delas vivia. Não foi pois de espantar que a 1 de Fevereiro de 2014 o vulcão entrasse de novo em erupção duma forma bastante violenta, acabando por vitimar quinze pessoas e pôr muitas outras em fuga: a erupção provocou o aparecimento dum nuvem piroclástica que atingiu na sua progressão uma distância de quase 5km, acabando os detritos transportados pela mesma por ser depositados sobre a superfície, transformando-a de cor verde e viva em cor cinzenta e moribunda.

 

(imagens – The Watchers/NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:48

A Alemanha quer a Guerra Económica, Militar ou Económica e Militar?

(ou não passará dum mero fantoche e testa de ferro?)

 

Ucrânia candidata-se ao Inferno

 

Sempre pensei que a Terceira Guerra Mundial começaria agora noutro continente. E porque não nos próprios Estados Unidos da América? Mas pelos vistos a Alemanha pretende mais uma vez tomar a iniciativa: e se à terceira for de vez, depois dos sinais dados com a destruição da Jugoslávia com a preciosa colaboração dos EUA, porque não repetir a dose provocando a Rússia e Putin, enquanto decorrem em Sochi os Jogos Olímpicos de Inverno? Alguém tem dado por eles? Só mesmo destruindo a Ucrânia! E terminado o Estado de Graça governamental com a eliminação da Ucrânia aos pés da França do Mundial de Futebol a decorrer este ano no Brasil – outros motivos são simples pretextos – eis que os ucranianos se imolam voluntariamente pela Alemanha contra quem lhes paga a Electricidade.

 

(imagem – SIC)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:20

18
Fev 14

“Em apenas seis anos o PIB decaiu 6%.

Ou seja, dez milhões que viste a voarem da tua carteira.

Mas podes estar descansado: segundo o Coelho foi para teu bem.

E o Chefe tem sempre razão – assim o confirma o Mordomo CS”

 

Mas afinal o que foi o 25 de Abril de 1974? Um Golpe de Estado? Talvez nem isso!

Aposto mais numa revolta dos filhos ricos e remediados, contra o poder do dinheiro das velhas carcaças (os pais).

 

Só não cora porque não tem vergonha”!

(João Oliveira)

Verdade

 

1.ª Criatura de Cima – Paulinho das Feiras

(como gosta de ser conhecido para azar de quem acredita)

 

Comentário (2.ª Criatura de Baixo – Leitor Sol) – ao afirmado por João Oliveira:

“Vai Trabalhar Escumalha Comunista”!!!

 

É claro que dessa fossa asséptica – a democracia reinventada e alicerçada no Estado Novo – nada se podia esperar senão vê-los a obrar.

Agora que transformassem isso em arte e nos obrigassem a cheirar, ninguém o podia esperar.

Irrevogável...

 

(imagem: Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:32

Dois dos anúncios publicitários não seleccionados para a campanha de promoção do programa de saúde popularmente conhecido como Obamacare, recentemente lançado nos Estados Unidos da América e patrocinado pelo seu Presidente Barack Obama.

 

    

Sarah Palin e Phil Robertson

 

“Um trauma cerebral pode afectar qualquer um. Por favor previna-se”

 

No primeiro caso com Sarah Palin como protagonista do cartaz, ela que foi candidata derrotada à vice-presidência dos EUA acompanhando o candidato republicano a presidente John McCain – derrotado pelo candidato democrata Barack Obama – e ficando a partir desse momento bastante mais conhecida e divulgada, especialmente pela suas tiradas denotando um tipo bizarro de “degenerescência intelectual certificada”: parecendo ficar magnetizada e falando sem consciência do que dizia.

 

“Só não és gay se for o dedo dum médico a enfiar-se pelo teu cu acima”

 

No segundo cartaz contando com a presença do conhecido caçador profissional e actor norte-americano Phil Robertson, um extremista nas suas posições ultra radicais anti-gay e considerando nas suas declarações publicas proferidas sobre o tema da sexualidade, a homossexualidade como um pecado mortal.

 

(imagens – huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:43

17
Fev 14

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(A Liberdade em Cenários Simulados)

 

A reunião estava marcada para um ponto específico do Sistema Solar, situado para além da cintura de asteróides. Juntava num mesmo local e durante um intervalo de tempo previamente estipulado, representantes máximos das hierarquias administrativas das duas galáxias adjacentes e que futuramente se intersectariam – neste caso a Via Láctea e a galáxia de Andrómeda – de modo a em conjunto e preventivamente elaborarem estratégias futuras de intervenção e de desenvolvimento, para o médio e longo prazo: no caso particular do CEO de Marte este estaria num período fulcral da sua avaliação e possível progressão na carreira, sendo sujeito a um teste que já estaria a decorrer (sem conhecimento do próprio) e cujos resultados seriam apresentados a um júri especializado que certificaria ou não a sua actuação e apresentaria os resultados ao Conselho Superior. Este deliberaria pela sua manutenção, despromoção ou subida hierárquica: o local escolhido para a reunião fora um dos satélites naturais de Júpiter Europa – uma das princesas pela qual Zeus se apaixonara – descoberto por Galileu há mais de quatrocentos anos e sendo hoje em dia (por coincidência) um dos locais mais prováveis para a existência de vida extraterrestre.

 

O Intruso

 

O problema surgiu com o aparecimento dum cogumelo de nome Apothecia num dos lotes de terreno recentemente concessionados para a montagem de cenários reais a partir da superfície de Marte, já as filmagens em directo se tinham iniciado nesse sector e a principal personagem se passeava livremente pelo terreno, enquanto que na Terra os técnicos operavam o controlo remoto do artefacto – a que se referiam como Rover – e lhe traçavam uma rota de actuação. Neste compromisso comercial estabelecido duma forma equilibrada entre duas partes, as imagens da realização cinematográfica seriam enviadas para a Terra e utilizadas pelos terrestres como se fizessem parte duma missão exclusivamente sua, mas desse modo e com este método revolucionário de intervenção concessionada a privados internos ou externos, economizando brutalmente no seu investimento financeiro esmagadoramente concentrado na produção e na viagem da sonda e de todo o equipamento associado.

 

O CEO colocado em Marte não compreendia como tal poderia ter acontecido. Os lotes eram constantemente inspeccionados e mesmos limpos e certificados antes de serem entregues à exploração. Ocorrera algo de estranho e se não identificasse o problema estava metido numa grande alhada. E agora ainda vinham os concessionados confrontá-lo com a situação, só porque um idiota qualquer no seu planeta afirmara que aquilo era um cogumelo. Desde que os terrestres tinham começado a viajar no espaço as suas intrusões por vezes incompreensíveis no espaço exterior tinham prejudicado o avanço do seu projecto de se tornar o primeiro prestador de serviços de todo o Sistema Solar: a autorização só chegara depois da realização dum acordo prévio entre partes, estabelecida através da realização duma reunião através dos canais de comunicação via satélite e nos quais apresentava o seu catálogo de preços, diferentes modelos e locais de intervenção. Inicialmente limitar-se-ia aos planetas principais, com hipóteses para algumas luas e até outros corpos celestes.

 

Alien Bolden

 

Em contacto com os terrestres o CEO marciano estabeleceu uma estratégia de actuação que teria que ser perfeita e irrepreensível. No edifício subterrâneo onde se situavam os módulos centrais do seu Estúdio Solar estabeleceu logo ali os três parâmetros a que teria que obedecer a sua intervenção, para se tornar definitiva e inquestionável, além de respeitadora do compromisso estabelecido: teria que ser tomada rapidamente, não colidir minimamente com os factos já divulgados (e absorvidos pelos destinatários da operação) e encaixar-se no cenário agora proposto, sem qualquer tipos de incongruências ou de lacunas interpretativas – através duma projecção agora explicada e documentada – utilizando unicamente as mesmas imagens não alteradas. Só tinha mesmo de explicar o sucedido introduzindo agora e naturalmente no contexto visual já disponível imagens mais detalhadas e trabalhadas (na apresentação da próxima edição solicitada), contemplando os mais cépticos com um esclarecimento, pelos próprios considerado irrefutável e inatacável. E esse era um programa muito simples de aplicar – dada a tecnologia de edição a que tinha acesso – e como tal impossível de erro.

 

Contactou através dum canal dedicado de telecomunicações o administrador da NASA Charles Bolden e com ele combinou todos os pormenores conjuntos de actuação correctiva (e até preventiva). Foi aí que o representante da agência espacial norte-americana apresentando-se como legítimo procurador dos interesses dos EUA e do seu Presidente e no estrito cumprimento do contrato estabelecido e das suas cláusulas indemnizatórias, lhe propôs uma nova concessão doutro lote marciano, mas agora para uma área até agora considerada pelo concessionária considerada interdita e inegociável: uma zona no pólo norte de Marte com vestígios evidentes da presença de água. Tal actuação era justificada pelos terrestres como necessária para a presença de poderosos financiadores no seu projecto espacial, cativando-os com investimentos virtuais directos e exteriores com retorno futuro assegurado; o que só iria dificultar ainda mais as suas conversações com as diferentes entidades representantes do planeta Terra – além dos norte-americanos – cada vez em maior número e pretendendo mais e mais concessões. Europeus, russos, chineses, japoneses, indianos, iranianos, norte-coreanos e até algumas corporações privadas multinacionais, corriam desenfreadamente pela obtenção de concessões em zonas por eles consideradas prioritárias, alguns mesmo sem objectivos claros pré-definidos. Teria que acalmar Charles Bolden em mais um dos seus delírios administrativos.

 

Rastos do NAC-MT4

 

Na impossibilidade de actuar no local em questão utilizando o Rover associado ao lote concessionado e já em plena actividade privada contratual, só lhe restava recorrer a um outro artefacto que se encontrasse disponível em stock e que fosse capaz de se deslocar ao local e intervir em zonas interiores e envolventes ao cenário. Recorreu ao agente cibernético NAC-MT4 – inspirado no primeiro astronauta terrestre (Neil Armstrong) a pisar o solo doutro corpo celeste mais precisamente a Lua – activando-o de imediato e pondo a correr o seu plano de execução: pôs os concessionados ao corrente da sua intervenção localizada, garantiu-lhes não visibilidade na sua actuação operacional e lançou o agente no terreno. O agente NAC-MT4 só teve que se deslocar ao local, introduzir vestígios adicionais em pontos de confirmação da versão dos factos a introduzir – que posteriormente seriam explicados como elementos adicionais pretensamente já existentes – e retirar-se em poucos segundos e sem nunca ser visível da zona concessionada. Cumprida com sucesso absoluto, a intervenção ainda fez sorrir o CEO: com uns simples saltos do agente cibernético NAC-MT4 nas imediações da ocorrência – o mais utilizado por ser o mais experiente quantitativamente em intervenções de risco – este simulara perfeitamente com os sulcos das suas botas o rasto deixado pelo Rover na sua deslocação sobre a superfície marciana. No fim a culpa seria atribuída a uma intervenção involuntária do Rover, que ao deslocar-se sobre a superfície marciana e com as suas rodas, teria inadvertidamente levantado uma rocha do solo deixando-a cair mais adiante: simples, eficiente e só possível num génio como ele. Por isso ser CEO e ambicioso e ter a certeza de que amanhã a sua estratégia de intervenção comercial seria recompensada e alargada, a outros espaços mais vastos e lucrativos.

 

Na Terra a agência espacial confirmava a versão explicativa utilizando como bode expiatório as rodas do Rover, anexando à edição marcas deixadas no terreno pela ocorrência de tal fenómeno considerado na altura estranho e bizarro, mas tão fácil de perceber agora que todas as imagens eram disponibilizadas, podendo ser profundamente analisadas e confirmadas. Calavam-se assim aqueles que afirmavam coisas absurdas senão mesmo ridículas – chegando mesmo a ameaçar expor pretensas incorrecções ou mentiras por parte da NASA – como era o caso do Dr. Rhawn Joseph; e ao mesmo tempo restabelecia-se a calma nas transmissões e a tranquilidade entre os espectadores.

Sentado no seu posto de comando o CEO regressou à sua actividade normal e quotidiana, enquanto que ia apreciando os novos pedidos de concessão que iam chegando cada vez em maior número à sua secretária e se entretinha num convívio cada vez mais profundo e interligado com o seu modelo preferido, inspirado na cultura comunicativa e extremamente intrusiva e sensitiva aplicada naquele pequeno planeta, por estes curiosos e interessantes seres vivos: a agente cibernética de apoio HB-T1 uma réplica adaptada da actriz Halle Berry.

 

(imagens – space.com e Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:46

Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO