Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

11
Mar 14

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(Os Desertos Não Existem, Fomos Nós Que Os Criamos)

 

“Uma investigação internacional liderada pelo instituto norte-americano SETI concluiu que as dunas da cratera de Gale, no planeta Marte, "movem-se" e que "estão activas", anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC)”. (DN Ciência)

 

A nave alienígena Extra Solar

                                                               

Enquanto as individualidades terrestres se iam concentrando no módulo central, no exterior o movimento que aí se registava parou por uns instantes: da parte superior das seis sondas Virgin Colony começavam agora a ser emitidos feixes de raios em frequências particulares, que se foram agrupando posteriormente entre si formando uma rede de ligações como se tratasse de uma densa teia de aranha e que progressivamente foram preenchendo todos os intervalos vazios ainda existentes, transformando-se finalmente numa superfície homogénea e compacta como se de uma película se tratasse. Era apenas a última oferta dos Extra Solares, uma cúpula extraordinária que simulava no seu interior a atmosfera terrestre e que lhes permitia usufruir do local como se estivessem na Terra. Observando de longe o espectáculo os jovens não conseguiram evitar a reacção instintiva e abriram a boca de espanto: ninguém lhes dissera que estariam perante uma espécie provavelmente tão ou mais avançada do que as deles. E ainda aí vinha mais.

 

Os guias contactavam agora a sua base aguardando novas instruções. Cada um dos grupos continuava instalado na mesma posição, denotando algum cansaço e nervosismo pela sua atitude estática e não interventiva que persistiam em assumir. Mas por mais que os seus corpos pedissem, as ordens não sofriam alteração: deveriam manter de momento o estatuto de meros observadores, sendo-lhes solicitado no entanto que se preparassem para uma nova evolução da situação, a qual poderia envolver um novo episódio de contacto. Só em último caso deveriam recuar até aos VD e regressar à base. Os guias sabiam que seria difícil acalmar todos aqueles jovens impetuosos mas ainda inexperientes em encontros deste tipo e numa reunião conjunta realizada através dos seus canais restritos de comunicação, decidiram estabelecer uma estratégia que ocupasse esses mesmos jovens tornando-os ao mesmo tempo úteis e responsáveis: tendo o privilégio de poderem assumir o comando independente em situações inesperadas como esta, envolvendo grupo de indivíduos apanhados em episódios não previstos e incompatíveis com a finalidade inicial da sua presença – podendo mesmo condicionar a integridade física dos participantes – os guias tinham decidido pôr os jovens em movimento, subdividindo-os em pequenas células que se tentariam aproximar dos limites da cúpula pelo lado mais livre e menos vigiado e que se situava do outro lado da mesma, onde apenas algumas máquinas iam trabalhando o terreno. Isso mantê-los-ia ocupados durante uns tempos no cumprimento das suas tarefas, colocando-os mais próximos e indetectáveis junto do acontecimento e podendo desse modo dar-lhes algum tipo de vantagem.  Pelas vinte e duas horas a maior parte das células já se encontravam no local para elas definido, começando os seus elementos a instalar-se no seu novo posto e aproveitando o pequeno intervalo para comunicarem com os guias e descansarem e se alimentarem um pouco: há já quinze horas que se encontravam em missão, não parecendo que fossem cumprir a hora prevista de regresso a casa estipulada para as 24 horas. No céu apareceu então uma luz pequenina que foi aumentando há medida que os minutos decorriam: pelas vinte e três horas e trinta minutos uma nave enorme de origem desconhecida começou a pairar sobre eles mesmo ao lado da cúpula iluminada. Parou suspensa do ar e durante alguns minutos nada aconteceu. E sem que nada o anunciasse da nave surgiram outros objectos voadores, estranhos, parecendo rudimentares e deslocados e fazendo lembrar alguns artefactos voadores terrestres, entretanto ultrapassados e esquecidos: parecia que os últimos convidados tinham acabado de chegar também eles devidamente equipados para a grande festa, que se iria realizar naquela grande e extraordinária cúpula, como se esta fosse a tenda de um grande circo instalado para usufruto do povo habitando uma grande cidade.

 

O outro lado do espectáculo

 

O número seis não saía da cabeça de Olympus. Filho dum casal de jovens expedicionários destacados para uma galáxia localizada nas profundezas do Universo e conhecida como Via Láctea, Olympus acabara por nascer já numa outra fase da vida dos seus pais, com estes já completamente instalados em Marte numa missão inicialmente limitada à observação e ao estudo do planeta e a outras acções não intrusivas; mas que como eles sabiam poderia em qualquer momento e com o desenvolvimento natural do projecto terminar numa colonização parcial adaptada. Que fora o que acontecera com a descoberta e exploração do mundo subterrâneo de Marte e com a observação de vestígios de antigas civilizações (ou mesmo com o facto de algumas espécies ainda hoje prevalecerem, como poderia ser o caso dos Percival) mas sobretudo após a constatação de que Marte ainda poderia ser retransformado e ressuscitado. Olympus era desde muito jovem um entusiástico das Matemáticas, tendo uma grande aptidão para os números e para todas as ciências a ela associadas e sendo considerado pelos seus colegas um verdadeiro especialista em certas áreas mais estranhas e abstractas da mesma ciência: e as coincidências sempre o tinham deixado intrigado dado as mesmas existirem e racionalmente serem obrigatórias de explicação e de entendimento. Como consequência teria que haver alguma explicação lógica para todos os jovens estarem distribuídos por seis grupos para um encontro hexagonal com alienígenas; e com estes a duplicarem a parada chamando mais estrangeiros. No cálculo matemático todo o algarismo por mais desprezível e insignificante que seja nunca poderá ser ignorado; caso contrário o erro será a solução.

 

De um dos lados da cúpula um dos grupos de jovens vira alguém a sair do seu interior e a começar a deslocar-se na sua direcção. Tinha aspecto de ser um dos alienígenas provenientes da Terra dado o típico fato protector que usavam em volta de todo o corpo. Atravessava agora a superfície seca juncada de pedras e estaria ali em poucos minutos. O guia pediu prudência e atenção aos jovens, exigiu que estivessem sempre atento aos seus gestos e inspirando profundamente levantou-se e dirigiu-se ao terrestre.

 

O convite era claro, frontal e sem evasivas, solicitando amavelmente a sua presença e de todos os restantes elementos que o acompanhavam no interior da enorme cúpula, mas nunca a impondo fosse qual fosse o motivo, pois afirmavam-se admiradores da liberdade e da cooperação como opção. Por essa altura as comunicações caíram. E face ao impasse registado na situação motivado pela impossibilidade de receberem novas instruções, adicionado à irrequietude e nervosismo crescente que os jovens iam exteriorizando, os seis guias reuniram de emergência acabando por sinalizar o terrestre da sua anuência.

 

A Cúpula de Marte

 

Debaixo da cúpula todo o espectáculo estava há muito montado, aguardando apenas a chegada das altas individualidades e de todos os seus convidados incluídos na comitiva que iria rectificar o acordo, no qual se incluíam alguns privilegiados terrestres, entre estrelas do social associados a áreas como a da música e a do cinema. Entretanto e ordenadamente os mais de cem jovens iam seguindo os seus respectivos guias, acabando todos por se acomodar do lado esquerdo em frente ao palco principal, local escolhido e reservado pelos responsáveis organizativos pelo espectáculo, para colocarem personalidades indígenas e previamente assinaladas e aceites que pudessem à última da hora comparecer ao acontecimento. Do lado oposto aquele em que se encontravam uma ampla área de cadeiras entre a assistência encontrava-se ainda completamente deserta: era a única zona entre o público presente desoladoramente deserta, contrastando fortemente com o restante público que praticamente já o lotava, com muitos olhando para a retaguarda e aguardando ansiosamente o aparecimento dos convidados principais. Provavelmente alguém de importante estaria ausente.

 

A comitiva encaminhava-se agora através do corredor central deixado livre entre as filas de cadeiras, colocadas ordenadamente e em forma de concha à sua volta e que a iam conduzir ao palco principal: à frente era bem visível a conhecida e poderosa figura de Richard Branson – o grande impulsionador deste acontecimento e líder do maior conglomerado terrestre – que aparecia ladeado por duas altas individualidades, uma representando os interesses dos terrestres e a outra o interesse dos extraterrestres. Cerca de uma dúzia de indivíduos os seguiam, entre representantes hierárquicos inferiores, alguns seguranças e um ou outro convidado VIP: entre eles David Bowie e Lenny Kravitz – o primeiro dos quais responsável pelo momento musical planeado para o acontecimento, no qual apresentaria temas do seu aclamado álbum “The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars”. Na sua caminhada triunfante efectuada entre aplausos crescentes até finalmente atingirem o palco, Branson e as duas Entidades representativas do histórico acordo firmado entre duas raças diferentes, amigas e colaborantes, ainda pararam no início das escadas que davam acesso ao palco, olhando duma forma enigmática (talvez apreensiva) para a sua direita e ficando por segundos a olhar para a zona abandonada sem ninguém a ocupar as cadeiras, parecendo trocar algumas impressões e alguns sinais de aparente desilusão. Mas lá subiram as escadas até ao palco colocado sob a cúpula indo-se colocar no centro do estrado, enquanto eram soterrados por uma aclamação imensa vinda de todos os lados e se ouvia um dos mais célebres temas de Lenny Kravitz: “Fly Away”.

 

Tranquilamente os Percival diluíram-se entre as dunas de chocolate

 

Nos túneis subterrâneos de Marte, os superiores hierárquicos aí destacados como representantes máximos da Entidade Central, mostravam-se deveras preocupados com a evolução da situação que enfrentavam os 126 elementos que estando à sua responsabilidade, se tinham envolvido no decorrer da sua missão de simples observação – numa operação mais vasta e com alguns parâmetros perigosos de incerteza – num outro cenário incompatível com a fase de desenvolvimento dos jovens e em último caso com a sua própria segurança. Além disso os radares indicavam algumas perturbações na atmosfera do planeta na região rodeando o ponto ZIA.5 além de movimentações estranhas sobre a superfície. E com as comunicações directas com os guias temporariamente cortadas – tinham que restabelecer uma nova ligação utilizando os amplificadores alternativos dos VD até agora silenciosos – a sua inquietação não parava de aumentar, apesar da certeza absoluta que de momento todos estavam bem (por controlo indirecto e individual do estado de saúde de cada um deles). Mas a paz só chegou com o aparecimento de Minerva à entrada de um dos postos avançados da base subterrânea, vinda das profundezas das áridas e infindáveis superfícies marcianas, montada no seu estranho e pesado amigo Rhino – apesar da aparência um veloz e ágil animal, extremamente fiel mas sobretudo inteligente: trazia consigo uma mensagem da parte do seu grupo os Perceval, acompanhada de um código encriptado que lhes daria acesso imediato à confirmação da mesma mensagem. Até para salvaguarda de todos os envolvidos nesta situação utilizando para o efeito (e complementarmente) uma ligação prioritária e exclusiva ao regulador instalado no planeta Lowel, por sinal tutor de ambos: o Grande Mestre do Imaginário e Fundador do planeta Marte, Schiaparelli. A mensagem era curta mas esclarecedora: “Acordo dual de segurança em aplicação; monitorização e limpeza em curso no sector ZIA/ponto 5; grupo protegido e VD em segurança; regresso já a decorrer em corredor dunar LYOT/oeste/49°; tempo previsto 3,5h.”

 

Sob a enorme cúpula marciana David Bowie e a sua banda já tinham iniciado o seu espectáculo musical: o acordo já fora assinado e confirmado entre as duas partes e tinha sido dado início a um período de convívio entre todas as personalidades ali presentes, convidadas expressamente para este extraordinário evento galáctico que marcaria definitivamente a Virgin de Richard Branson e a sua Aventura e Conquista do Espaço Pela Terra. A ACEPT Company marcaria com a sua fundação e o seu envolvimento dedicado no campo da exploração espacial uma revolução brutal na respectiva indústria terrestre, criando um novo espaço e mercado para a expansão humana e para a colonização de novos mundos. E a sua união e aliança com um poderoso elemento externo tecnologicamente mais avançado e colaborante, escancarava-lhes completamente todas as portas do Universo, abrindo-lhes todo o horizonte visual à sua exploração e expansão privada e dedicada, podendo proporcionar aos conglomerados terrestres a descoberta de novas Terras ou até a terraformação de outros corpos celestes compatíveis: talvez equiparando os seus líderes a novos Deuses tendo o Universo como seu altar.

 

O problema no entanto residia no facto de que o Universo não era um Mercado em Expansão posto à disposição dalguém que por ali passasse por acidente e que dele se apropriasse como o verdadeiro pioneiro (não percebendo a sua verdadeira posição neste espaço já partilhado, talvez por inconsciência, ignorância ou mesmo provocação infantil) e que os outros seres aí instalados jamais permitiriam ser incluídos num pacote comercial onde nem sequer tinham sido considerados, mas apenas vistos como meros observadores passivos e aceitantes, aí residentes mas dispensáveis de participação directa nas negociações: como era possível os outros seres alienígenas acabarem por se intrometer num negócio que não lhes dizia respeito ainda por cima desafiando uma raça poderosa como a dos Extra Solares? Só que a vida do Universo não se regia segundo as leis e as regras estabelecidas aleatoriamente e por momentos insignificantes pelos terrestres, nem os Extra Solares eram aquilo que Branson dizia, pensava ou então desejava. Não foi pois assim tão estranho e imprevisto o que aconteceu de imediato, tendo como artistas principais neste cenário de transição essa raça mítica e lendária desde sempre em terras de Marte e conhecida como os Percival: com o seu Grande Mestre Schiaparelli a apoia-los a partir do planeta Lowel.

 

Num Universo Vivo a Alma é o seu Tempo e o Infinito o seu Desígnio

 

A intervenção dos Percival no ponto da superfície marciana designada por ZIA.5, não tinha sido decidida como era muito comum entre os terrestres em círculos de interesse fechados e particulares – orientados unicamente e duma forma egocêntrica para a salvaguarda de um determinado grupo de indivíduos, espécies ou comunidades locais – mas tendo em conta todo o espaço envolvente do qual todos faziam parte e no qual as suas decisões e acções acabariam por ter impacto: o Universo não era nem nunca poderia ser um sistema fechado em si próprio, devendo ser visto na realidade – e como uma constatação da sua mesma evolução – como um corpo de oportunidades infinitas profundamente inserido num Sistema Vivo em constante movimento e transformação, por sua vez inserido num oceano constantemente replicado de outros universos adjacentes e comunicando-se ininterruptamente entre si, por vizinhança, contacto ou intersecção. Como se a Existência do Espaço fosse reflectida através de um enorme Caldo de Elementos – existência e realidade essa resultante da mistura dos mais diferenciados materiais e estados em presença e em constante movimento – que com uma única variação de parâmetros mesmo que residuais mas provocando alteração de estados energéticos – positivos e/ou negativos e como que numa panela de pressão – originasse uma convulsão reprodutiva interna, que duma forma directa ou indirecta excitasse todo o corpo ou objecto em causa (entre uma infinidade comportamental de outros espaços) colocando-o num novo cenário criativo e interactivo entre muitos outros proto Universos. Eles estão lá só que não os queremos ver: tal como a Terra não é o centro do Mundo, o Universo não se pode transformar numa referência estática, central e estéril (ou esterilizada), rodeado como está por um número infindáveis de outros Universos que o condicionam e são por ele condicionados. Só assim se compreendendo a noção de Infinito – um lugar sem origem, sem morte e sem tempo intermédio.

 

De modo à eficácia da sua aplicação ser total e perfeita, o Nolano foi introduzido no foco do sector ocupado pela cúpula artificial marciana, transformando de novo toda a zona intervencionada no território natural anteriormente aí existente, sem nenhum vestígio de passagem dos alienígenas pelo local, nem de outros parâmetros adicionais e temporariamente introduzidos que pudessem desviar por qualquer forma ou motivo, essa zona dos seus padrões originais e locais. O Nolano era uma simples caixa de ressonância electromagnética construída em torno dum solenoide vertical percorrido por uma infinidade de condutores interligados em espiral, que ao ser activado conseguia transformar um espaço determinado num espaço idêntico e inalterado nos seus parâmetros absolutos, mas com dimensões apesar de proporcionadas muito inferiores e susceptíveis de fácil transporte e reposição. Tinha também a virtude de guardar no interior do artefacto todo o conjunto em causa – por maior que ele fosse – conseguindo reduzir as medidas de qualquer espaço à sua mais pequena dimensão e sendo capaz de manter no interior do seu sistema conjuntos com um número elevadíssimo de elementos por um longo período de tempo – mantendo as condições ambientais encontradas antes da intervenção. Os alienígenas só se aperceberam da aproximação repentina daquilo que aparentemente seria uma grande tempestade em formação sobre o planeta Marte no preciso momento em que esta já os cercava completamente e sem retorno possível, e sem perceberem bem porquê – nem entenderem bem o instante do seu início o do seu fim – duma sensação momentânea de afundamento e de claustrofobia que quase lhes fez perder os sentidos – como se estivessem a ser engolidos por um buraco e posteriormente expelidos numa outra extremidade – enquanto à sua volta o mundo parecia desaparecer e num flash reaparecer: só que agora estavam na origem da sua viagem o seu planeta de origem neste caso a Terra. Para os observadores locais uma tempestade de areia engolira o local, retornando-o apenas e somente às suas origens naturais.

 

O Nolano fora uma das grandes armas tecnológicas e revolucionárias criadas pela civilização de Lowel para a sua utilização exclusiva em casos extremos e potencialmente perigosos e onde era necessário e essencial preservar a Paz entre raças por mais diferenciadas (e agressivas) que fossem e baptizada neste caso em homenagem a uma das maiores personalidades terrestres, como sempre e em sociedades primitivas ainda nos seus primórdios de desenvolvimento, ignoradas e castigadas até à morte apenas por desafiarem o poder absoluto e errado de alguns falsos profetas, aquando da sua passagem pelo Mundo: neste caso Giordano Bruno também conhecido por Nolano. Na sua época um grande Filósofo e um Homem fiel até à morte às suas ideias e ao bem-estar dos seus semelhantes (ao contrário do traidor e oportunista Galileu):

- "Nós declaramos esse espaço infinito, dado que não há qualquer razão, conveniência, possibilidade, sentido ou natureza que lhe trace um limite."

- "O mundo é infinito porque Deus é infinito. Como acreditar que Deus, ser infinito, possa ter se limitado a si mesmo criando um mundo fechado e limitado?"

- "Não é fora de nós que devemos procurar a divindade, pois que ela está do nosso lado, ou melhor, em nosso foro interior, mais intimamente em nós do que estamos em nós mesmos."

(Giordano Bruno – retirado da Wikipedia)

 

Fim da 2.ª parte de 2

 

(imagens – NASA/Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:01

Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO