Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

14
Mar 14

A potent threat of major earthquake off California's northern coast

(Los Angeles Times)

 

Risk of a monster quake and tsunami off California's North Coast is greater than researchers once thought.

If a 9.0 earthquake were to strike along California's sparsely populated North Coast, it would have a catastrophic ripple effect.

A giant tsunami created by the quake would wash away coastal towns, destroy U.S. 101 and cause $70 billion in damage over a large swath of the Pacific coast. More than 100 bridges would be lost, power lines toppled and coastal towns isolated. Residents would have as few as 15 minutes notice to flee to higher ground, and as many as 10,000 would perish.

Scientists last year published this grim scenario for a massive rupture along the Cascadia fault system, which runs 700 miles off shore from Northern California to Vancouver Island.

 

Cascadian quake of 1700 – computer simulation

 

The Cascadia subduction zone is less known than the San Andreas fault, which scientists have long predicted will produce The Big One. But in recent years, scientists have come to believe that the Cascadia is far more dangerous than originally believed and have been giving the system more attention.

The Cascadia begins at a geologically treacherous area where three tectonic plates are pushing against each other. The intersection has produced the two largest earthquakes in California in the last decade — Sunday's 6.8 temblor off Eureka and a 7.2 quake off Crescent City in 2005. The area has produced six quakes of magnitude 7.0 or greater in the last 100 years, the California Geological Survey said.

Officials in Northern California as well as Oregon and Washington are beginning to address the dangers.

...

 

Cascadian subduction zone – creation of a tsunami

 

The Cascadia fault is powerful for two reasons: It is both extremely long and it is a "megathrust" fault, in which two tectonic plates — slabs of rock roughly the size of New Mexico floating atop the Earth's molten core — are being forced underneath the gigantic North American plate.

As the smaller plates — the Juan de Fuca and Gorda plates — jam underneath the North American plate, friction builds, and the edge of the North American plate is temporarily dragged down as well.

But the North American plate is old and strong, and won't be pulled down forever.

Every several hundred years or so, the North American plate violently snaps back like a rubber band — thrusting upward with horrific power.

Sunday's quake, which erupted 50 miles off the coast, caused light to moderate shaking. No injuries or damage was reported.

But the North Coast has not always been so lucky.

On April 25, 1992, a magnitude-7.2 earthquake hit on shore near the village of Petrolia — about 30 miles southwest of Eureka — injuring 95 people, and triggering landslides and rockfalls, according to the U.S. Geological Survey.

That quake was so powerful that a 15-mile stretch of beach was pushed up as much as 4 feet — leaving behind rows of dead sea urchins, mussels and sea snails.

The 1992 earthquake pushed Victorian-era homes from foundations and took down chimneys.

An aftershock sparked an electrical fire that engulfed the lone shopping center in the town of Scotia. Firefighters stood by helplessly as a ruptured water main cut off water to the hydrants.

Fires also destroyed the only general store and post office in Petrolia.

As for the next 9.0 quake, U.S. Geological Survey seismologist David Oppenheimer said: "It could be today. It could be 100 years from now."

 

(Excerto de artigo: Rong-Gong Lin II and Rosana Xia – Los Angeles Times – 12.03.2014)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:57

Esta tabela é um espelho real do mundo onde vivemos, representando os dez países mais poderosos à superfície do nosso planeta. Nem que seja por aproximação.

 

CLASSIFICAÇÃO

PAÍS

PONTUAÇÃO

1

China

8.700

2

USA

5.420

3

Índia

1.970

4

Rússia

1.830

5

Japão

1.240

6

Alemanha

0.810

7

Coreia do Sul

0.610

8

Canadá

0.560

9

Indonésia

0.490

10

Grã-Bretanha

0.470

 

Na verdade ela apresenta-nos (pontuação em biliões de toneladas) os dez países mais poluidores do mundo (segundo dados de 2011). O que não deixa de ser interessante.

 

(dados da tabela – huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:28

Math lovers celebrate today (3/14) as Pi Day, in honor of the irrational number pi.

 

Pi is an irrational number, meaning it cannot be written as a simple fraction

 

Pi, or π, is defined as the ratio of the circumference of a circle to its diameter. Pi is an irrational number, meaning it cannot be written as a simple fraction. Instead, it can be expressed as an infinite, nonrepeating decimal (3.14159…) or approximated as the fraction 22/7.

 

(Tanya Lewis – livescience.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:36

Se este acidente não foi um “Inside Job” (levado a cabo no interior do avião) então até poderá ter sido provocado (propositada ou inadvertidamente) por outros terrestres ou até por extraterrestres (uma abdução colectiva). Por favor! Ou nos estão a tomar por idiotas ou são mesmo incompetentes.

 

O avião terá invertido o seu sentido dirigindo-se depois em direcção ao Índico

 

Qualquer que tenha sido o destino do voo 370 das Linhas Aéreas da Malásia, o único facto indesmentível é que o mesmo largou como previsto de Kuala Lumpur com destino a Pequim, nunca tendo atingido no entanto o seu objectivo final. Pode-se imediatamente concluir que relativamente ao plano de voo deste avião algo de anormal se passou na sua execução, o que levou à alteração das suas condições técnicas de voo – por deficiência interna ou intervenção vinda do exterior – e no final ao seu (misterioso) desaparecimento.

 

Tal desaparecimento só poderá ter sido provocado – eliminando-se desde logo a hipótese de poder ter ocorrido alguma falha técnica interna grave – já que são várias as fontes que se referem insistentemente a uma mudança de rota do avião, voltando para trás na sua viagem em direcção à China e quase que invertendo a direcção da sua trajectória e à possibilidade cada vez mais forte de se ter mantido no ar durante pelo menos quatro horas – antes de todos os sinais possíveis de a ele serem associados desaparecerem completamente; para já não falar da incompreensível decisão dos pilotos caso estivessem a viver uma situação de emergência em desligar o transponder. Com aterragem em terra (a derradeira esperança dos familiares dos passageiros e dos tripulantes do avião) ou com queda no mar (infelizmente o cenário mais provável).

 

Com os dias a passarem – este acontecimento já tem uma semana – o milagre parece cada vez mais distante (a aterragem), caminhando-se agora aceleradamente para o cenário mais realista (e violento) e que acontece na esmagadora maioria destas situações: a queda do avião no mar com a morte de todos os seus ocupantes. O intervalo de tempo registado desde o seu desaparecimento é já bastante longo – veja-se o caso do avião que caiu no Atlântico na sua viagem Rio de Janeiro/Paris cujos destroços começaram a aparecer 4/5 depois – pelo que é cada vez mais forte a possibilidade de todos os seus passageiros e tripulantes (239) terem mesmo “Desaparecido em Combate”.

 

Não deixa no entanto de ser incompreensível senão mesmo inacreditável que com todos os sofisticados aparelhos civis e militares em actividade naquela região tão sensível do globo terrestre – com torres de telecomunicações, satélites espiões, radares, awacs e sei lá que mais – um objecto com aquelas dimensões e facilmente detectável se tenha simplesmente esfumado no ar.

 

(imagem – tmz.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:58

Ficheiros Secretos – Albufeira XXI

(A Pedagogia das Subespécies Terrestres – Sem Senhores e Sem Escravos)

Curtas III.MMXIV

 

Quem olha para isto pensa logo que foi alguém que o fez: tão direitinho e organizado só pode ser mesmo artificial. Obra do Homem não será mas provavelmente terá a mão de Deus. E Deus somos nós e a Terra que nos criou!

 

Se conseguirmos encaixar as peças deste puzzle vivo e como tal infinito, talvez consigamos descobrir na sua reconstrução os sinais que nos faltam – ou que até hoje ainda não conseguimos ver – para nos completarmos imitando Deus.

 

Oceano Polar Árctico – derretimento do gelo superficial

(mensagem ambiental)

 

A Festa estava marcada para meados do mês de Janeiro, tentando deixar para trás o reboliço tradicional da comemoração humana da passagem de ano: por essa altura – o espaço de tempo entre o 31 de Dezembro e o 1 de Janeiro – a atenção e a preocupação por parte dos humanos pelo estado de saúde ambiental do seu planeta atingia picos mínimos de interesse – o que de imediato significava que o evento teria que ser posterior a 1 de Janeiro – obrigando todos os seres vivos habitando a zona do Círculo Polar Árctico a escolherem uma outra data com maior visibilidade e com um impacto mais profundo, sobre os diferentes níveis de consciência humana. No fundo os humanos eram ser vivos considerados racionais e dotados duma inteligência com um nível bastante considerável, certamente possuindo num dos pontos infinitos do seu fantástico processador cerebral, dum espaço significativo de reflexão e profunda ponderação, sobre o seu futuro e o seu respectivo processo transformativo e evolutivo sobre o planeta: era só escolher o momento preciso e às claras expor-lhes a sua mensagem.

 

Trabalharam sem interrupções até obterem os resultados pretendidos. Um número incontável de seres subaquáticos auxiliados por outros dois contingentes de seres terrestres e outros com capacidades voadoras, trabalharam em nome próprio e como que um único grupo em missão pela concretização dum objectivo crítico mas fundamental: tinham que mostrar a todo o mundo terrestre que seria sempre possível salvar o planeta da sua destruição – mesmo podendo este já estar num estado avançado e parecendo sem retorno possível desse processo degenerativo – sem ter necessidade de intervir directamente no caso e deixando o planeta curar-se a si próprio. Desde que os próprios terrestres se quisessem salvar e aos seus e assumissem nas suas mãos a luta pela preservação do planeta e pela defesa integral da sua diversidade, a partir dos seus próprios locais de vida e da terra que em comum partilhavam – como condutores eléctricos que não necessitando de se deslocar um milímetro no espaço conseguiam estar sempre em contacto com todos os pontos do mundo por mais distantes e solitários que fossem, unicamente interagindo e com essa interactividade conjunta, construindo o modelo.

 

Os Krill

(são as bases geométricas que sustentam a estrutura do espaço)

 

E assim montaram o puzzle: uma construção geométrica incrível e com um impacto visual extraordinário. Fruto do trabalho conjunto de seres vivos de enormes dimensões como as baleias e de outros seres subaquáticos mais pequenos desde pinguins até aos minúsculos mas intensamente laboriosos krill – protagonistas fulcrais neste processo como um dos mais importantes elementos da cadeia alimentar; de animais vivendo à superfície – como os lobos e os ursos polares – e actuando em grupos concentrados e estrategicamente colocados trabalhando na erosão da película superficial gelada e desse modo fragmentando-a em belas e expressivas figuras geométricas irregulares; e de certas aves migratórias que antecipando a sua migração da Primavera em direcção às terras do norte e desafiando as próprias regras a elas impostas pelo campo magnético terrestre, conseguiam mesmo assim orientar-se na sua viagem e aproveitando o aquecimento global provocado artificialmente pela acção do homem – e as temperaturas mais amenas daí resultantes – se lançavam em direcção ao Árctico em auxílio da Terra, colaborando como arquitectas definidoras do conjunto deste puzzle em construção.

 

A mensagem era de fácil compreensão e de rápida aceitação, tal era a evidência que ela transmitia: mesmo destruindo alguns elementos de um sistema (e tal só poderia acontecer duma forma não natural, pois a natureza “não se cria nem se perde só se transforma) ele seria sempre susceptível de reorganização e de recuperação (o caos e a ordem estão interligados dependendo um do outro) desde que se interrompesse esse processo violento e intrusivo e se deixasse a natureza actuar. Estilhaçada a superfície gelada pela actuação de elementos estranhos e exteriores à mesma, ela recuperaria sempre desde que a deixassem reabilitar e curar – e exercer novamente a actividade para que fora escolhida e a nós oferecida: ser a nossa mãe, o nosso ventre e a nossa casa.

 

E no fim todos os animais festejaram – os Alienígenas – enquanto o homem começava a olhar – mas ainda sem saber o que era: a esperança seria sempre a primeira coisa a morrer e então teríamos mesmo que encarar a realidade. Pelo menos e para já esta!

 

[Alienígena: estrangeiro, estranho, desconhecido, forasteiro, extraterrestre...]

 

(imagem: Karen Frey/livescience.com – wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:15

Mais de trinta anos passados – na prática uma geração – sobre a estreia da série Cosmos: Uma Viagem Pessoal alguns dos seus discípulos e (talvez) fiéis seguidores tentam de novo fazer ressurgir a figura já lendária – apesar de apenas ter desaparecido fisicamente há cerca de dezassete anos – do reconhecido e popular cientista Carl Sagan, tentando talvez com um novo esforço adicional reforçar os traços de ligação entre a mensagem que este mestre e divulgador científico tentou introduzir na altura e a geração que se lhe seguiu.

 

Neil deGrasse Tyson – Astrofísico

(apresentador da série Cosmos: Uma Odisseia Espácio-Temporal)

 

Certamente que o seu discípulo Neil Tyson – o astrofísico e apresentador da nova série Cosmos: Uma Odisseia Espácio-temporal – não terá o mesmo papel a desempenhar nesta série como o tinha o seu antecessor, mas terá sempre a vantagem de com ele ter convivido, o ter respeitado e admirado e de ainda hoje o não ter abandonado. Pelo menos transmite desde já algumas ideias que mesmo que alguns considerem incompletas, serão sempre fundamentais e necessárias para a liberdade do pensamento e para a sua inevitável concretização:

"Maybe you say, ‘I don’t want to go to space, I want to be an attorney.’ Well, you can be an attorney that manages the mineral rights of the next asteroid. That’d be really cool," he says. "An exploration nation, as a culture, can influence how people think about their future — and that only comes about through science and technology."

 

A U.E.F.F.S. CARL SAGAN

(Walter Neal – fineartamerica.com)

 

De Carl Sagan posso sugerir três livros que li: Cosmos, Contacto (romance) e O Ponto Azul-Claro.

(como curiosidade informativa adicional para possíveis interessados, a série estreou esta semana na FOX – segunda-feira, 10 – continuando os episódios seguintes a ser transmitidos semanalmente no NGC)

 

(texto em inglês e imagens – retirados da Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:20

Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO