Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

13
Nov 14

A Aventura da Europa para Lá da Terra
Em direcção à Descoberta dos Territórios Sem Fim do Espaço profundo e dos Mistérios escondidos para Além Dele

 

ESA have reported that the Philae Lander bounced twice on Comet 67P’s surface before coming to rest around 1km from its intended landing site. This site is partially in shadow which means it will only be able to gather light for one and a half hours per twelve hour period which is less than the predicted six. (livecometdata.com)

 

Welcome_to_a_comet_node_full_image_2.jpg

O módulo Philae
(já sobre a superfície de 67P/C-G)

 

O módulo PHILAE chegou ontem à superfície do cometa 67P/C-G (a mais de 500 milhões de quilómetros da Terra) e apesar de alguns percalços durante o seu processo de aterragem, alcançou com sucesso o seu objectivo final: fixar-se sobre a superfície do cometa e iniciar o seu trabalho de pesquisa – e de transmissão de informações para o seu planeta de origem.

 

O módulo PHILAE irá trabalhar sobre a superfície do cometa, analisando o solo (aspiração e perfuração) e enviando de volta o resultado das suas experiências sobre o terreno. As suas baterias terão uma carga suficiente para 60 horas de trabalho, com os técnicos responsáveis pela execução destas manobras a deixarem para o fim as operações de perfuração – as mais arriscadas de todas dado a ausência de gravidade no cometa e as dúvidas sobre a eficácia dos pés que sustentam (e fixam) o módulo PHILAE.

 

canvas.jpg

Posição actual da sonda Rosetta
(do módulo Philae e do cometa 65P/C-G)

 

O cometa 67P/C-G desloca-se neste momento a uma velocidade de mais de 18km/s, encontrando-se a mais de 511 milhões de quilómetros da Terra e a mais de 411 milhões de quilómetros do Sol. Tem cerca de 4.5km de comprimento e um período orbital de 6.5 anos. Atingirá o seu periélio a 13 de Agosto de 2015 quando estiver a 186 milhões de quilómetros do Sol.

 

PHILAE como que aterrou aos trambolhões
Acabando por se fixar num buraco mesmo junto a uma elevação

 

Segundo as últimas informações fornecidas pelos técnicos da ESA que acompanham a sonda PHILAE na sua missão ao cometa 67P/C-G, os arpões que fixariam o módulo no local inicialmente previsto na superfície do cometa, não terão disparado: o módulo terá tocado o solo uma primeira vez, mas como os arpões não funcionaram, ter-se-á de novo deslocado e tocado o solo uma segunda vez, indo finalmente alojar-se numa pequena depressão mesmo junto a uma escarpa – tocando aí o solo pela terceira vez e deixando-se ficar. Ter-se-á deslocado 1km do local inicialmente previsto, o que poderá trazer implicações para a concretização dos objectivos da missão: nas primeiras imagens de PHILAE em 67P/C-G é bem visível a existência de uma zona de sombra o que irá decerto afectar a chegada de luz e o carregamento das suas baterias. Para além de com os movimentos do próprio cometa e devido à elevada velocidade com que se desloca, nada garante que o módulo não se mova de novo sendo mais uma vez arrastado (deslocado e danificado).

 

Já agora ainda se lembram das sondas VOYAGER 1 e VOTAGER 2?
Trinta e sete anos após o seu lançamento (1977) ainda vivem!

 

voyager2_large-300x222.jpg

Sonda Voyager 2
(uma das lendas ainda vivas da Conquista do Espaço pelo Homem)

 

Voyager 1's Speed: 17,02km/s
Voyager 1's Distance from the Sun: 19.424.127.207km
Distance from Earth: 19.543.957.170km
Voyager 2's Speed: 15,41km/s
Voyager 2's Distance from the Sun: 15.958.762.494km
Distance from Earth: 16.066.263.807km

 Data from NASA’s Jet Propulsion Laboratory
(13.11.2014)

 

A 20 de Agosto de 1977 a NASA lançou a partir de CABO CANAVERAL a sonda VOYAGER 2. Duas semanas depois e do mesmo local foi lançada a VOYAGER 1. Apesar de ter sido a primeira a ser lançada para o espaço, a sonda Voyager 2 foi a última a abandonar a heliosfera (no ano de 2007, quando a Voyager 1 o fizera três anos antes).

 

(dados: livecometdata.com e jpl.nasa.gov – imagens: esa.int e livecometdata.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:12

O que foi mais curioso neste surto? O aviso das autoridades para o perigo de um duche!
(e ainda estou à espera da autorização para poder tomar um banho seguro)

 

Legionella_pneumophila_(SEM)_2.jpg

Legionella pneumophila

 

Com o surto epidémico do EBOLA aparentemente em decrescimento em África, eis senão quando o nosso país se vê perante um outro surto epidémico (muito menos perigoso) mas agora provocado pelo vírus infeccioso da LEGIONELLA. Neste momento Portugal ocupa o terceiro lugar dos países com mais casos detectados (302 face aos 800 de Múrcia) apesar de estar mais distante no número de vítimas mortais (9 face aos 34 de Filadélfia).

 

N.º País/Cidade Origem Casos Mortes % Ano
1 Espanha/Múrcia Hospital 800 6 0.8 2001
2 Holanda/Bovenkarspel Água quente 318 32 10.0 1999
3 Portugal/V.F. Xira Refrigeração 302 9 3.0 2014
4 EUA/Filadélfia Ar condicionado 221 34 15.4 1976
5 Canadá/Quebec Refrigeração 180 13 7.2 2012
6 Reino Unido/Stafford Ar condicionado 175 28 16.0 1985
7 Reino Unido/Barrow Ar condicionado 172 7 4.1 2002
8 Alemanha/Warstein Ar condicionado 165 2 1.2 2013
9 Canadá/Toronto Refrigeração 127 21 16.5 2005
10 Austrália/Melbourne Refrigeração 125 4 4.2 2000

(fonte – Wikipedia)

 

No caso de Portugal o surto epidémico de Legionella ainda não está extinto, apesar das autoridades afirmarem já terem detectado a origem do problema: em princípio a causa residirá em torres de refrigeração de algumas unidades fabris localizadas no concelho. Se tal se vier a confirmar (e já existem análises das mesmas e algumas torres fechadas) é natural que o surto acabe por se extinguir rapidamente.

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:24

Novembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


24



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO