Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

09
Jan 15

Se em 2012 já contando com a chegada dos antigos países de leste os EUA já pensavam desactivar a sua base das Lajes, com os acontecimentos recentemente ocorridos na Ucrânia (nas proximidades da fronteira russa) todas as dúvidas se desfizeram: as novas bases da NATO a leste são agora prioritárias.

 

640px-Lajes_Air_Base_1989_DF-ST-89-07752.jpg

Açores – Base das Lajes

 

Depois da última tentativa efectuada pelos norte-americanos há dois anos atrás (2012) no sentido de reduzirem drasticamente a sua presença militar na base das Lajes nos Açores (na altura de 640 para 160 o que significaria uma queda de 10% no PIB do arquipélago), eis que os Estados Unidos da América voltam de novo a insistir no seu objectivo de redução do seu contingente militar, que poderá acabar mesmo no encerramento da base.

 

Apesar da iniciativa levada a cabo pelo Pentágono de encerramento de várias bases no continente europeu (de modo a poupar cerca de 500 milhões de dólares no seu orçamento anual), parecia que este plano poderia ser pelo menos retardado ou pontualmente reestruturado, face a algumas reservas levantadas pelo Presidente e outras entidades responsáveis, que levavam a crer (até no caso português) que certos casos seriam de novo repensados. Mas pelos vistos não foram.

 

E agora aí temos a ordem emitida pelo Pentágono para a retirada de 500 dos militares instalados na base das Lajes. A reestruturação de que os norte-americanos falam não passa duma transferência de efectivos instalados nesses países, para outros estratégica e geograficamente muito mais importantes na actualidade por se situarem mais perto da nova linha de frente: a fronteira com a Rússia. Nesse sentido sendo verdadeira a afirmação do Pentágono de que a presença militar dos EUA na Europa, iria mesmo aumentar de algumas centenas de elementos.

 

(imagem – Wikipedia)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:57
tags: , ,

Audições da Comissão de Inquérito Parlamentar ao caso BES


“Um dos responsáveis com quem falou (referindo-se a Ricardo Salgado) no pico da crise do BES foi o Presidente da República.”
(JMMP – GES)

 

ng2152005.jpg

Dia Comemorativo da Implantação da República Portuguesa
(Lisboa – varanda dos Paços do Concelho – 5 Outubro 2012)

 

“Um dos paradoxos dolorosos do nosso tempo reside no facto de serem os estúpidos os que têm a certeza, enquanto os que possuem imaginação e inteligência se debatem em dúvidas e indecisões.” (Bertrand Russell)

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:53
tags: ,

Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO