Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

29
Abr 15

Na sua busca incansável de Vida em Marte e à falta de outros instrumentos disponíveis (ali colocados por acaso e à mão de semear), os terrestres afadigam-se agora e à falta de melhor, em torno das fotografias patenteadas e oferecidas pela NASA. Como a sonda Spirit já era e pouco nos ofereceu e como a sonda Curiosity não se decidiu ainda a abandonar o seu guião cinzento e repetitivo, eis que estes seres se voltaram agora para a outra sonda sobrevivente (a Opportunity) e atentamente se puseram (de novo) a olhar.

 

1P479207643ESFCM29P2377L5M1_L2L5L5L7L7.jpg

Talvez mais um painel publicitário do Touro de Osborne
(neste caso em Marte e promovendo o brandy de Jerez)

 

E por acaso viram um touro. Aquilo que eu acho que mesmo que o fosse, para quem viu esta imagem mais lhe parecia um urso (no fundo um quadrúpede – UFO Sightings Hotspot). Numa atmosfera quase que inexistente, sob a acção da violenta radiação solar, suportando temperaturas extremas, sem água nem vegetação claramente visível e sem algo de inteligente para o orientar (e confirmar). É pena mas o que se vê (na ampliação) é apenas uma pedra diferenciada do cenário aí visível, sobressaindo por ser mais escura num fundo mais claro e tendo colocado na sua base umas quantas pedras pequenas, dando a aparência de pés. Mais um erro induzido por nós (e não só de visão) causado pelo desejo incessante de descoberta.

 

(imagem/ampliada: Opportunity Rover – Sol 3954 – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:54
tags: ,

Passamos a vida a abanar o rabo e muitas das vezes somos recompensados por isso. Esta é apenas mais uma versão. E nada mais.

 

Twerking-bees-dance-russia-school.Vitaminem72.Yout

A Dança das Abelhas
(com o rabo a abanar)

 

Depois das autoridades municipais russas da cidade de Orenburg terem ordenado a uma escola de dança local para parar de imediato as suas actividades por visíveis “sinais de indecência” (envolvendo as cores patrióticas russas, o urso Winnie the Pooh, um frasco de mel e abelhinhas com todas elas a abanar o rabo), eis que surge agora outro caso semelhante passado com um pequeno grupo de bailarinas entretanto julgadas e condenadas no distrito russo de Novorossiysk, apenas por estas se terem colocado a dançar ao ar livre junto a um monumento comemorativo da II Guerra Mundial e também aí com o rabo a abanar. Enquanto que no primeiro caso a actuação das alunas da escola provocou tantos aplausos como críticas (4 milhões de visualizações no You Tube) deixando as autoridades sempre extremamente conservadoras perto de um ataque de nervos, no segundo caso o tribunal foi mais radical, comparou esta dança (o Twerking) a um fenómeno do hooliganismo e condenou as prevaricadoras.

 

o-RUSSIAN-TWERKING-VIDEO-facebook.jpg

Condenadas por abanarem o rabo
(junto a um monumento nacional russo)

 

Mas qual será o interesse de um leitor por uma notícia (que lhe é proposta) como esta? Todos conhecemos as teorias conservadoras e situacionistas que atravessam desde sempre a organização das nossas sociedades. Isto porque todos aqueles que visionaram e idealizaram a Pirâmide Social sabiam de antemão da impossibilidade da sua inversão. Conhecendo ainda o problema da ainda existente intercomunicabilidade entre níveis (hierárquicos). Mas com a automatização do Homem (reciclando-o por especialização ou seja clonando-o) cada vez mais próxima. Logo o que interessa é ter um povo obediente (à autoridade) e ao mesmo tempo com medo (aos do contra). Desde os EUA, passando pela Rússia e terminando na China, todos estes regimes são absolutistas, dispensando o povo dos seus direitos (agora considerados subsídios) e colocando em crescimento exponencial os seus deveres (agora equivalentes a patriotismo). Com a contínua perseguição ao crescente número de pobres e cidadãos de raça negra (EUA), com a perseguição a elementos da oposição e defensores dos direitos humanos (China) e até com a sobreposição do poder de um partido ao poder do Estado (o que aliás os EUA têm vindo a imitar, mas no seu caso substituindo os seus dois partidos mortos por fortes corporações), todo o mundo tem sentido na pele os efeitos negativos e brutais das opções destes Iluminados: esmagadoramente guerra, doenças e mortes.

 

slide_318759_2953732_free.jpg

Abanando o rabo em Nova Iorque
(ou seja fazendo twerking)

 

Quanto ao Twerking (dançar abanando o rabo) alguém poderia afirmar com toda a certeza que a mesma cena (russa) não poderia acontecer em Portugal? É que os políticos são os mesmos!

 

(imagem – Vitamen72/YouTube e huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:14

A violência racial na cidade norte-americana de Baltimore

 

Tudo começou pelas 8:39 da manhã. Como sempre acontece um negro vê-se de caras com um polícia e a sua primeira reacção é fugir. Um minuto depois desiste da fuga, não oferece qualquer tipo de resistência e é imediatamente preso. É então levado (ou arrastado) pela polícia, segundo testemunhas já em gritos de sofrimento (arrastava as pernas). Três minutos depois surge o primeiro pedido de auxílio (médico) aparentemente sem gravidade. E sete minutos depois uma informação vinda do transporte policial refere que o negro agiria agora como se estivesse bastante “irado” (ou já estaria descontrolado e como se tivesse a coluna afectada?). Às 8:59 o seu estado era desconhecido e apenas 25 minutos depois uma comunicação afirmava que o preso já estava em situação crítica e sem resposta aos estímulos exteriores. Entretanto morreu, foi ressuscitado ficou cerca de uma semana em coma e voltou a morrer (agora definitivamente). Causas? Pelos gritos da vítima mortal “You're hurting my neck” pescoço partido.

 

slide_421326_5392366_compressed.jpg

Baltimore

 

Aparentemente parece começar a concretizar-se o cenário há já algumas décadas desejado por alguns sectores da extrema-direita norte-americana: transportar para o interior do seu país as tácticas e estratégias de guerra desde há muito implantadas no exterior das suas fronteiras. Com a crise económica e financeira mundial a começar a queimar definitivamente a credibilidade do dólar (e do poder das suas impressoras), com a falta de dinheiro a aumentar exponencialmente a frustração de muitos dos empresários (mesmo aqueles ligados ao sector militar) e com a estagnação incompreensível verificada no mundo científico e tecnológico (nos seus sectores básicos para a generalidade da população), o inimigo a combater torna-se agora mais próximo podendo estar mesmo já entre nós. Motivo pelo qual terá ocorrido o 11 de Setembro e a matança de mais de 5.000 pessoas.

 

Agora que se aproximam as eleições presidenciais nos EUA e se começa a desenhar o cenário do novo combate entre Democratas e Republicanos, todos os aspectos da actual política norte-americana terão impacto. Especialmente a nível interno. E até para dar um exemplo ao mundo. E neste estado de crise e de indefinição até que os Republicanos ainda poderão pensar em vencer: com o sector militar todo a trás de si, com o caos instalado um pouco por todo o mundo e com a desordem e a violência a tomarem conta do seu próprio país, de um momento para o outro poderá aparecer o iconoclasta Diabo com os Republicanos já armados e prevenidos para combater o Mal. Mas qual será esse inimigo interno? Vindo de um dos seus maiores aliados e paranóicos não será (Arábia Saudita), vindo de um dos seus maiores inimigos e paranóicos não será (Coreia do Norte), vindo de um país voluntariamente colonizado e paranóico (Ucrânia) muito menos.

 

slide_421326_5392080_compressed.jpg

Baltimore

 

O problema terá portanto que ser interno e oriundo de acções terroristas praticadas por franjas marginais de cidadãos (norte-americanos). Se olharmos para os mais recentes incidentes ocorridos nos EUA talvez seja fácil (mesmo para um verdadeiro analfabeto, mas por outro lado julgando-se muito bem informado), constatar quase que de imediato qual o mais importante factor de instabilidade: os cerca de 12% de Negros Americanos. Numa população de mais de 300 milhões nem sendo sequer 40 milhões. E assim a população negra passa para a ribalta da comunicação social norte-americana e global, esquecendo-se por momentos o Iraque, a Líbia, a Síria, o Iémen e até a tragédia do Nepal. A guerra está agora instalada em Baltimore com a autoridade a tentar recuperar o controlo da situação. Não estamos no Iraque mas já é um início. O estado de sítio é declarado. Poucos segundos antes do reaparecimento de Dick Cheney.

 

E lá voltamos sempre às recordações do anunciado mas nunca concretizado (muito menos exportado) Sonho Americano. Com Democratas e Republicanos deste calibre bem que os EUA podem começar a encomendar a sua alma (dólar) ao criador: nunca será com uma metralhadora carregada de balas e a tentar-nos vender notas falsas ou impressoras por eles certificadas, que alguém conquistará alguém arriscando-se a ficar sem ninguém. Nos EUA o problema racial tem-se vindo a agravar nos últimos anos mesmo tendo em consideração que o seu Presidente é de raça negra. Democrata. Mas para o verdadeiro poder instalado nos EUA isso pouco importa. Quem lá manda são as grandes Corporações, protegidas pelas mais variadas agências de segurança e defendidas até ao limite pelos militares (que até podem ser oriundos do sector privado).

 

150428083936-baltimore-mom-slaps-rioting-son-large

Baltimore

 

E até que a representação proporcional dos negros e a sua importância para o desenvolvimento da sociedade norte-americana pode ser posta em causa, face à invasão crescente de outras comunidades e à sua mais fácil e dócil integração na sociedade (os hispânicos já ultrapassam os negros prevendo-se que futuramente possam ser quase o triplo destes). Sendo mais recentes e tendo ainda muito pouco tempo de estadia no país para se aperceberem do seu real funcionamento (e das suas verdadeiras perspectivas futuras), estas comunidades facilmente se renovam na sua cronologia de simples emigrante, aceitando constantes adiamentos e com isso a concretização dos seus sonhos. Ainda por cima não sendo nacionais e como tal não terem os mesmos direitos – nem os defeitos dos nascidos do país, especialmente índios e agora negros.
Mas no entanto tudo é ainda possível.

 

A woman seen berating and hitting a black-clad teenager, later confirmed to be her son, has been hailed as "mum of the year" after her intervention on the Baltimore streets was caught on video. As violence flared up across the US city on Monday, the woman, who was identified as Toya Graham on Tuesday afternoon, was filmed telling her child to "take that fucking mask off." (smh.com.au)

 

(imagens – huffingtonpost.com/cnn.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:05

Abril 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



27


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO