Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

07
Jun 15

Percorrendo várias centenas de quilómetros em regiões desconhecidas, atravessando territórios hostis contando com a presença predadora dos humanos e até ultrapassando cursos de rios surgindo no seu caminho, o lince ibérico demonstra para já uma grande capacidade de sobrevivência e de movimentação no terreno.

 

IBERLINCE--575x323.jpgkentaro_suelta_montestoledo_26_11_2014_luissuarezw

Kahn e Kentaro

 

Como nem todas as histórias acabam mal, temos agora o exemplo de dois linces ibéricos criados nos montes portugueses de Silves e posteriormente libertados na região espanhola de Toledo. Devidamente equipados de instrumentos de localização próprios, utilizados para o estudo das migrações destes animais ao longo da sua busca de novos territórios. Aproveitando ainda para recordar que estes animais selvagens serão sempre libertados em áreas extremamente condicionadas (afectando a qualidade do seu habitat), muitas vezes vendo o seu natural trajecto de vida ser violentamente interrompido pela intrusiva e mortal actividade humana (a eterna luta entre os nómadas e os sedentários).

 

Numa iniciativa conjunta envolvendo os dois países da Península Ibérica (Portugal e Espanha), dois linces nascidos e criados no centro de reprodução de Silves foram oportunamente libertados no centro de Espanha no seu território natural (numa região onde outrora habitaria o lince ibérico). Tendo sido devolvidos à Natureza nos finais do ano passado, durante os meses em que estiveram em liberdade cada um deles poderá ter percorrido uma distância muito perto das várias centenas de quilómetros. Enquanto o segundo lince (Kentaro) se manteve durante mais algum tempo no local onde fora inicialmente libertado (deslocando-se posteriormente para norte na direcção dos Pirenéus), o primeiro lince (Kahn) abandonou mais cedo o mesmo local dirigindo-se de seguida para sul e de regresso a Portugal (à zona do Alqueva).

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:57

A pouco mais de um mês do encontro histórico com Plutão e suas cinco luas

 

Despromovido de nono e último planeta do Sistema Solar (para mero corpo celeste integrante do mesmo sistema), Plutão é agora (tal como Ceres) um simples planeta anão. Relembre-se que Plutão já foi considerado um planeta; demitido mais tarde pela parasita elite burocrata (sempre presente em qualquer área) e aguardando agora redefinição. Como consequência de toda esta anedota e da mesma forma como desapareceu, Plutão deverá ser de novo promovido, sendo provavelmente acompanhado pelo seu irmão de destino, no seu regresso à lista VIP (anterior). Ainda por cima podendo considerar-se mais um dos objectos do exclusivo grupo H₂O.

 

new-pluto-system.jpg

Plutão e as suas cinco luas

 

A sonda norte-americana New Horizons encontrava-se no passado dia 7 de Junho a pouco mais de 43 milhões de quilómetros do planeta anão Plutão, deslocando-se na sua direcção a uma velocidade aproximada de 14km/s: a sua viagem iniciou-se em 19 de Janeiro de 2006 quando a sonda foi lançada a partir de Cabo Canaveral num foguetão Atlas V 551, como mais uma iniciativa da agência espacial norte-americana NASA. Durante estes anos todos (2006/20015) a New Horizons já passou nas proximidades de diversos corpos celestes situados no nosso Sistema Solar, podendo-se destacar entre eles o gigante gasoso Júpiter e até um asteróide. Agora vai ao encontro de Plutão e das suas cinco luas.

 

Distância da New Horizons Em milhões de km
Ao Sol 4.890
À Terra 4.756

 (em 07.06.2015)

 

04plutosub-master675.jpg

A forma das cinco luas de Plutão

 

A 14 de Julho deste ano a sonda da NASA atingirá finalmente o seu ponto de maior aproximação ao planeta anão Plutão: nesse dia a New Horizons passará a poucos quilómetros da superfície do ex-nono planeta do Sistema Solar (12,5km) e um pouco mais afastada da sua maior lua Charon (28,5km). A melhor oportunidade para incidir todo o seu equipamento de investigação sobre o misterioso planeta Plutão, a sua maior e mais próxima lua Charon e as restantes luas do seu sistema. Principalmente as duas irrequietas luas Hydra e Nix (com as suas órbitas caóticas) e a estranha forma que apresentam.

 

Finda a sua missão em redor deste planeta anão e das suas respectivas luas, a sonda norte-americana deslocar-se-á na direcção de outros corpos celestes situados para além da órbita de Plutão, mais precisamente na Cintura de Kuiper (prevendo-se o seu funcionamento até o ano de 2020).

 

(imagens – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:13

Reaching consensus can require sacrifice
(Cartoon Movement – There is more than one truth)

 

consensus__marian_kamensky.jpeg

Consensus
(Marian Kamensky)

 

Marian Kamensky was born on 1st April 1957 in Levoca, Slovakia. When he was 12, they moved to the village of Hrachovo, where he began drawing. (extracto inicial da sua biografia)

 

(texto e imagem – cartoonmovement.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:27

Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12

15
16
18
20

21



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO