Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

20
Jul 15

“Agora que a França propõe (na Era do Automático)
O regresso à embraiagem e à manete das velocidades.”

 

Com medo de perder num futuro muito próximo o seu estatuto de Estação Principal (em vez de pelo contrário se preocupar com a sua posição a bordo da locomotiva) a França reforçando a sua carruagem (colocada logo atrás da locomotiva da Alemanha) propõe que algumas das outras (carruagens) regressem às suas Estações, enquanto outras passem a simples Apeadeiros. Quanto aos Britânicos esses continuam bastante despreocupados (na sua ilha), podendo em qualquer altura (a ideal) cortar o cordão umbilical (que ainda a liga pelo túnel do Canal da Mancha à linha ferroviária europeia).

 

IMG_9213.jpg

Os Gatos e a sua opção irracional
(que ainda mais nos atira ao tapete)

 

François Hollande não quer perder o protagonismo que lhe foi deliberadamente atribuído (especialmente pelos países que eram contra a expulsão dos gregos) aquando do acordo estabelecido muito recentemente entre a UE e a Grécia. Tentando com o seu lançamento para a frente (do comboio em andamento) travar a inevitável desagregação da CEE e o descarrilamento de algumas carruagens do comboio despreocupadamente puxadas pela máquina alemã. Com a Alemanha no comando da poderosa locomotiva, puxando a grande velocidade diversas carruagens (com algumas incapazes de aguentarem a imensa pressão exercida sobre elas) e pouco se incomodando com os mais que previsíveis descarrilamentos provocados por uma (ou mais) delas. E nessa François Hollande não quer certamente entrar, conhecendo como conhece a situação deficitária do seu próprio país (e de muitos outros dos países constituindo a UE) e a inflexibilidade total oriunda da Alemanha via Schäuble/Merkel.

 

E o que propõe então Hollande? Tentando não incomodar muito a Alemanha e evitando cenas menos próprias por parte dos seus líderes (refugiados na opinião pública alemã por eles muito bem trabalhada mas com benefícios compensatórios atribuídos), recorrendo às esperanças e ilusões do passado nunca lançadas nem concretizadas (por puro oportunismo político) e demonstrando ainda algum respeito pela memória e cultura europeia (mesmo sendo forçada, estratégica, temporária e sobretudo hipócrita por inconsequente – e aqui estaremos para o provar), o Presidente francês lança agora para a fogueira (em que se tornou o ambiente político da Europa) a proposta do lançamento de uma nova Vanguarda da Europa dirigida pelos fundadores da UE: Alemanha, Bélgica, França, Holanda, Itália e Luxemburgo. O que falta conhecer é qual será a reacção de certos países a esta proposta francesa (uma das partes mais interessada), como será certamente o caso da Alemanha (neste momento o líder absoluto e incontestável da Europa), da Finlândia (que já julgava pertencer ao grupo de países europeus mais poderosos pelo menos economicamente) e até de Portugal (o aluno conhecido como obediente, mas no futuro talvez condenado a andar em turística ou mesmo andar à boleia).

 

Mas se nos deixarmos definitivamente de tretas (lembremo-nos de que o tempo escasseia) o que Hollande nos apresenta nem é nada de novo: apenas e somente (e mais uma vez) a apresentação da teoria económica da construção da Europa em vários níveis e velocidades. Senão vejamos:
Um só Governo na Zona do Euro dirigido por apenas 6 dos seus Estados;
Esses 6 Estados (os países fundadores) formariam um único Governo Europeu (que orientaria todos os outros territórios comuns), apoiado por um Orçamento (feito pelos próprios) e um Parlamento (composto por representantes desses seis).

 

Uma Vanguarda dirigiria assim toda a zona económica e financeira do Euro dividindo a Comunidade Económica Europeia em dois grupos distintos: um que se faria representar exclusivamente em Bruxelas através de um ainda mais decadente e vazio de poder Parlamento Europeu, no qual os representantes políticos de cada um desses países tomariam conhecimento das tarefas a executar oriundas dessa Vanguarda, com a única função e responsabilidade de convencerem os seus cidadãos a acatarem as decisões dos mais ricos e iluminados; o outro representado por essa Elite do Grupo dos Seis (fortemente apoiados pelos ricos estados do norte) que se faria representar e apresentar à Europa sob a forma de um Governo independente e supranacional (como se tal fosse possível hoje no nosso continente em guerra) com propostas novas, revolucionárias e ambiciosas: mas como sempre assente no mesmo paradigma – ou seja actualmente que se saiba em Nenhum. E com a Grã-Bretanha como sempre a sorrir, conforme se acha fora ou dentro do Euro (a sua parceria com os EUA assim o permite).

 

E varrendo (novamente e como sempre) todo o lixo para debaixo do tapete, a Europa pensa resolver o problema: nem com um Tapete da China!

(imagem – ihavecat.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:43

Muitas são as imagens de Marte apresentando-nos paisagens caóticas, áridas e por vezes como que calcinadas. Com particularidades curiosas que tanto confirmam esse caos, como a sua possível organização (nem que fosse noutros tempos, restando agora destroços): aqui com três tipos diferentes de estruturas geológicas, distribuídas num mesmo cenário (muitas vezes fazendo-nos lembrar paisagens subaquáticas – e como a água de Marte há muito desaparecidas).

 

NLB_490622719EDR_F0482422NCAM07753M_.JPG

Marte – Curiosity Rover – Sol 1049
Navcam Left B – 20.07.15

 

Se assim o desejarmos e conseguirmos, ao olharmos para as imagens que diariamente nos enviam do planeta Marte, facilmente poderemos ser conduzidos para a hipótese ainda teórica, de que poderemos estar a olhar para um espelho: da nossa própria evolução e num determinado tempo (por nós criado) no Espaço.

 

Ou seja: já que na Terra existe Vida e em Marte não e tomando este último planeta como referência para a nossa História particular, porque não pensar que neste planeta nosso vizinho apesar de mais pequenininho (pouco mais de metade do raio da Terra), possa um dia há biliões e biliões de anos ter existido água, atmosfera e até vida organizada (e inteligente).

 

O que apesar de ser difícil de aceitar devido à falta de provas que ponham em evidência essa possibilidade (Marte parece um planeta que morreu há muitos biliões de anos, sendo as imagens daí enviadas uma prova clara disso – com grandes extensões de planícies e elevações apresentando-se como o resultado de um violento ataque a toda a estrutura geológica do mesmo, erodindo-a, calcinando-a e espalhando-a de novo), ainda nos leva nem que seja por qualquer tipo de sugestão (evolutiva mas inconsciente) a pensar sempre nisso.

 

A Terra seria assim um potencial local para a existência de Vida, talvez o passo seguinte dado pela mesma (num novo ciclo planetário) para evitar a sua própria extinção: aproveitando um novo meio ambiente mais propício à sua evolução (a Terra ainda virgem), aqui introduzida como melhor alternativa ao seu anterior mundo já em decadência e perdição (um Marte moribundo e já num caos apocalíptico). Com a Terra a poder representar o passado de Marte e Marte a poder representar o futuro da Terra – num ciclo infindável de saltos interplanetários talvez mesmo intergaláticos (já agora e porque não?).

 

(imagem – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:56
tags: , ,

Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO