Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

17
Jan 16

“Muita pedra (montes dela), muita duna (e bem escura) nada de água (talvez pouca)

e então de vida… nem vê-la!”

 

1223MH0005550010403119C00_DXXX.jpg

Dunas
Aspeto curioso dum Bumbum Dunar
(Curiosity – 14.01.2016)

 

As duas sondas da NASA – a Opportunity e a Curiosity – lançadas de Cabo Canaveral e tendo como destino final a superfície do planeta Marte, continuam diariamente e de dois pontos com coordenadas distintas a enviar-nos imagens deste mundo árido e desértico: um mundo que aparentemente terá sido sujeito a um processo irreversível de extinção (biológica e hidrológica) há vários biliões de anos e do qual hoje em dia só resta uma superfície maioritariamente como que calcinada e sem qualquer tipo de vestígio de vida (presente ou passada).

 

Essas duas sondas (Lander e Rover) ainda se mantêm em plena atividade na superfície do planeta Marte, utilizando para as suas explorações no terreno os veículos motorizados (os chamados Rovers) disponibilizados pela Opportunity e pela Curiosity. Entretanto uma terceira sonda enviada pela mesma altura da Opportunity há anos que deixou de transmitir (lander e rover): a sonda Spirit (ativa entre 2004 e 2010).

 

1P506202089EFFCOTZP2385L2M1.JPG

Marte
Vale da Maratona
(Câmara do rover Opportunity – SOL 4258)

 

Quanto ao rover da sonda Opportunity o mesmo encontra-se neste momento posicionado nas encostas a norte de Marathon Valley, com o objetivo não só de prosseguir a sua exploração desta região da superfície de Marte como também a dessa forma se poder colocar numa posição mais privilegiada para efetuar o seu regular armazenamento de energia solar (ainda por cima quando o mesmo irá agora atravessar o Inverno marciano). Até ao momento o veículo percorreu pouco mais de 42,65km (distância registada em 12 de Janeiro/SOL 4255).

 

NRB_506077241EDR_F0521162NCAM00320M_B.JPG

Marte
Duna de Namib
(Câmara do rover Curiosity – SOL 1223)

 

Já o rover da sonda Curiosity movimenta-se atualmente na região das dunas de Bagnold (mais precisamente na zona da duna de Namib) localizadas a norte do Monte Sharp – na duna mais alta da região com cerca de 4m de altura. Uma zona de construção dunar marciana onde no entanto a sua formação não acompanha de forma idêntica (estrutural e visual) outras construções marcianas do mesmo tipo.

 

No caso da duna de Namib com as suas areias a serem arrastadas pela sua superfície seca e ondulada, caindo repentinamente em zonas mais abrigadas (e profundas) das faces da própria duna – que mais tarde e por acumulação acabam por colapsar (em pontos limites dessa duna).

 

Uma boa oportunidade para os cientistas da NASA perceberem o processo de transporte de areias no interior das formações dunares (pelos ventos marcianos), num ambiente tão diferente do terrestre praticamente sem atmosfera e com menor gravidade.

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:44
tags: , ,

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO