Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

18
Mai 16

Originários do Cinturão de Asteroides (região do Sistema Solar localizada entre as órbitas de Marte e de Júpiter) estes corpos rochosos orbitando em torno do Sol a uma distância aproximada de 2/3UA (e por vezes sendo acompanhados na sua trajetória por outros corpos menores) por vezes são expulsos da sua zona (habitual e de conforto) mudando de trajetória e deslocando-se na nossa direção (e tal como os cometas navegando entre o seu periélio e o seu afélio – se entretanto algo de inesperado não acontecer).

 

10575413_G.jpg

Bola-de-Fogo nos céus de Portland/EUA iluminando por segundos a escuridão da noite

(Portland Maine Police Department/Facebook – 17/05/16)

 

Com as observações de BOLAS-DE-FOGO a crescerem exponencialmente desde o início da segunda década do século XXI – não ultrapassando no fim do século passado os 1000 registos e estando a meio da segunda década do século XXI a caminho das 10000 – é natural que a preocupação de todos aqueles que habitam o planeta TERRA entre em modo de alarme.

 

E não tendo nós obtido até hoje nenhum tipo de explicação válida e credível para este aumento significativo (senão mesmo dramático) de avistamentos de bolas-de-fogo – nem mesmo oriundo das entidades oficiais representadas pelos seus cientistas – tal facto ainda nos faz pensar um pouco mais, deixando-nos ainda mais cautelosos e um pouco mais perturbados.

 

fireball-last-decade.jpg

Número de bolas de fogo observadas nos EUA entre 2005/2015

(Dr. M.A. Rose)

 

O que não causa nenhum tipo de espanto para qualquer individuo que se debruce um pouco sobre este assunto tão delicado para a preservação da nossa espécie, se nos lembrarmos dos Dinossauros e de como (eles) pretensamente se foram – exterminados pelo brutal impacto de um grande objeto com a Terra (não uma bola de fogo provavelmente um asteroide).

 

Numa escala liderada pelos poderosos cometas e asteroides, seguidos pelos meteoros e meteoritos e tendo na base as nossas conhecidas bolas-de-fogo (muitas delas observadas por nós desde a infância – por exemplo no Verão – como as conhecidas estrelas cadentes). Asteroides que pelos vistos têm vindo a acompanhar este crescimento de bolas-de-fogo.

 

nea_vs_time_chart.jpeg

Número acumulado de asteroides descobertos entre 1980/2016

(neo.jpl.nasa.gov)

 

Como é fácil de constatar ao analisarmos a evolução da descoberta de novos asteroides no decorrer das últimas três décadas: comparando os cerca de mil asteroides até aí conhecidos, com os mais de 14000 até agora registados (graças também ao aperfeiçoamento científico e tecnológico do processo de deteção de corpos celestes de menores dimensões).

 

É certo que com a sua maioria a ter uma dimensão em torno dos 140m ou mais/ou sendo mesmo inferior e contando apenas com uns 1000 (asteroides) com mais do que 1Km (de dimensão): uns 1000 monstros um pouco grandes, uns 6000 mais pequenos e pouco mais de 8000 ainda mais pequenininhos – mas certamente com muitos deles podendo dar-nos cabo da cabeça.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:17

Ainda não acabou passados mais de 15 dias!

 

'Beastly' Alberta wildfire just won't die, complicating Fort McMurray re-entry

(lfpress.com – 18/05/16)

 

s3.reutersmedia.net.jpg

Autoestrada 63 nas imediações de Fort McMurray

(5 de Maio de 2016)

 

Ainda se lembram do enorme incêndio que deflagrou logo no início de Maio na região canadiana de ALBERTA e que levou à sua frente a localidade de FORT MCMURRAY? Provocando um verdadeiro holocausto incendiário numa zona rica em árvores e areias oleosas (com a sua principal fonte de receitas estando ligado à Indústria Petrolífera), a fuga em desespero de mais de 100.000 pessoas e a destruição de milhares de casas e de outras infraestruturas fundamentais. Começando numa área não maior que 10.000 hectares, alastrando repentinamente para 100.000 hectares e rapidamente atingindo os 200.000 hectares. E deixando atrás de si uma região completamente de rastos e basicamente destruída, com incêndios como que alimentados pelo seu solo (com estreitas ligações ao fracking) e com a meteorologia a não ajudar nada (com tempo seco e vento).

 

Pois pelos vistos continua – incrível e surpreendentemente sem nenhum relevo a ser dado nos órgãos de comunicação mundial – mais de quinze dias depois do mesmo se ter iniciado. Aproveitando essa mistura tão propícia para manter qualquer incêndio: areias oleosas, tempo de seca e sem chuva e para ajudar muito vento! E tendo já ultrapassado os 400.000 hectares (tal como os bombeiros afirmaram num incêndio totalmente descontrolado e sem qualquer tipo de hipótese de combate por terra) numa área já mais de 40X maior do que a área inicial. Continuando tudo à espera que interrompida temporariamente a intervenção e disputa do Homem sobre a Natureza (numa região onde reina a Industria Petrolífera e a atual crise económica a ela associada), esta reconsidere e nos proteja mais uma vez e com a ajuda dos seus amigos ligados à meteorologia, crie as condições básicas e necessárias para a sua definitiva extinção (do incêndio). Prevendo-se agora temperaturas máximas de 24⁰C e 60% de hipóteses de chuva.

 

(imagem: reuters.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:10

Durante os próximos tempos o calendário das Bolas-de-Fogo terá como protagonistas:

ETA AQUARIIDS (19Abril/26Maio) e DELTA AQUARIIDS (11Julho/10Agosto).

 

A American Meteor Society acaba de noticiar o avistamento de mais uma Bola de Fogo atravessando os céus do nordeste dos EUA: o fenómeno ocorreu um pouco antes da uma hora da madrugada do dia 17 (04:50 de Lisboa), tendo sido observado por diversas testemunhas desde o norte dos EUA (em estados como New Hampshire e Pensilvânia) até ao sul do Canadá (em províncias como Ontário e Québec).

 

featured2.jpg

Grande Bola de Fogo nos céus dos EUA

 

Segundo testemunhas o incidente surpreendeu-os não só pelo imprevisto como pelo seu impacto visual:

 

Flash of light drew attention, large ball of fire that appeared to burn up just above treeline. Absolutely amazing!!”

(Jennifer M. – Concoert, NH)

 

“The giant ball of fire was (seamed) extremely close going down below the treed horizon. I waited a minute because I thought I’ll see fire erupting beyond the end of the lake but nothing…”

(Julian K – Ontario, Canada)

 

“There was a 3-5 min delay from the time I saw it to the boom I heard and felt , very loud and shook the home , unlike anything I have ever experienced before.

(Craig C. – Canton, ME)

 

Bolas de Fogo que diariamente entram em rota de colisão com o nosso planeta, acabando por entrar na nossa atmosfera e na esmagadora maioria dos casos, explodindo e desintegrando-se. O que não significa que em determinados desses incidentes alguns não possam ter graves consequências (dependendo da sua posição de entrada na atmosfera, da sua composição, dimensão e velocidade).

 

Como no caso do incidente ocorrido na região russa de Chelyabinsk, onde no dia 15.02.2013 um meteorito com menos de 20 metros de dimensão e cerca de 10000 toneladas de massa, explodiu nos céus com uma potência muitas vezes maior ao da bomba de Hiroshima, provocando alguma destruição e mais de 1000 feridos (unicamente provocados pela onda de choque que se seguiu à explosão).

 

[Para aqueles que acreditam que um outro planeta (ou sistema – para já para lá de Plutão) se encontra a caminho ou já no interior do nosso Sistema Solar – para estes o Planeta X e para os outros o Nono Planeta (mas com outras implicações) – mais um indício de que o mesmo está cada vez mais próximo, do outro lado do Sol e libertando no seu caminho muitos poeiras e detritos, também responsáveis por estes fenómenos tipo bola de fogo.]

 

(texto/itálico e imagem: amsmeteors.org e portsmouthwebcam.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:09

Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11

20
21

24
28

29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO