Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

03
Jun 16

Se no decorrer do nosso processo evolutivo nos quisermos transformar numa raça de verdadeiros sobreviventes (e sabendo de antemão que fomos produzidos à imagem dos nossos Criadores) – neste Universo existindo sob o comandado e orientação de invisíveis e poderosas forças eletromagnéticas, interagindo constantemente entre as mesmas e a sua consubstancia a matéria – em vez de continuarmos a ignorar o dia do Juízo Final (como um crente em silêncio à espera do milagre) deveríamos era partir e colonizar outros mundos – subindo mais um nível na Pirâmide da Criação. Que talvez tenha outras formas de aceder ao seu cume e até de se entrar numa outra realidade.

 

king-tut-dagger.jpg

O Faraó e o seu punhal

 

Hoje fiquei a saber mais duas coisas, que até agora não eram do meu conhecimento:

 

-Que o faraó que durante a 18ªdinastia reinou no EGITO entre os anos 1327/1336 AC (ou seja há 3334 anos) e por todos nós conhecido como TUTÂNCAMON (o rei-jovem falecido apenas com 19 anos de idade) era possuidor de um punhal de origem EXTRATERRESTRE;

 

-Que um macaco cuja espécie se encontra em perigo de extinção e habitando na ilha indonésia de SULAWESI, foi apanhado a tagarelar em frente a uma câmara de vídeo aparentando querer comunicar – antes de não o conseguindo fazer e talvez por irritação, a tentar arrancar do local.

 

Dois episódios distintos no espaço e no tempo mas que no entanto têm algo de comum: contacto e comunicação.

 

snapshot.jpg

O Macaco tagarela de Crista-Preta

 

Coisas que despertando-nos curiosidade, logo nos levam a querer saber algo mais:

 

-No caso do sarcófago de Tutâncamon com o punhal aí encontrado a apresentar na sua composição taxas de níquel e de cobalto, compatíveis na sua origem com as dos meteoritos de ferro. Descoberto numa região que centrada no Mar Vermelho (e com um raio de 2.000Km) apresenta no seu interior vestígios de pelo menos dez impactos de meteoritos de ferro, ocorridos no passado – e com um deles contendo percentagens de níquel e de cobalto como o da mistura encontrada no punhal. Neste caso identificado como tendo origem num fragmento do meteorito KHARGA, descoberto há 16 anos no planalto calcário de MERSA MATRUH, um porto no Mediterrâneo a cerca de 150Km de Alexandria.

 

-No caso do macaco de crista-preta da ilha indonésia de Sulawesi – apanhado no decorrer de uma gravação numa prolongada tagarelice com uma câmara de vídeo (colocada no seu habitat natural) – tornando mais uma vez bem claro e como mais um facto inquestionável (como se tal ainda fosse necessário), que outros seres vivos também pensam e para sobreviverem comunicam. Como o confirmam os investigadores: "Teeth chattering is seen in many primate species and has been proposed to have a range of social functions" (Susan Wiper and Stuart Semple/seeker.com). Neste caso provavelmente não passando de meros gestos demonstrativos da curiosidade e da necessidade de investigação por parte do macaco, posto perante algo de novo, necessitando de ser tocado e se necessário por sons ser convidado a responder: reagindo e interagindo. No momento do macaco de crista-preta talvez não passando de uma mera resposta ao seu próprio reflexo (nas lentes da câmara).

 

Situações que nos elucidam um pouco mais sobre a nossa História passada (na esmagadora maioria dos pontos da cronologia da TERRA e do HOMEM ainda profundamente desconhecida), seja por vestígios de um passado misterioso e certamente oriundos do Espaço exterior à Terra (transportados por corpos celestiais viajantes) ou pela capacidade extraordinária de outras espécies que não a nossa e que mesmo hoje com todo o nosso desenvolvimento, saber e conhecimento ainda não conseguimos entender – catalogando-as na sequência do processo de descarte e de esquecimento como selvagens e irracionais (como nós já fazemos mesmo entre nós) e esquecendo-nos que no fundo e na sua essência (organização e sobrevivência) eles são por nascimento e por residência em tudo um pouco como nós.

 

snapshot PIG.jpg

A curiosidade do Porco-Selvagem

 

Tendo estes acontecimentos a grande virtude de além de terem sido registados em ambientes ainda preservados de acordo com as leis da Natureza (e do direito ao seu usufruto por tudo e por todos) – com fauna e flora selvagem coabitando num ambiente ainda virgem e eventualmente despoluído – também terem sido observados sem nenhum limite ou preconceito e aceitando de mentes abertas todas as hipóteses em cima da mesa (internas ou externas):

 

-Com a História rodeando o período em torno do reinado do Rei-Rapaz Tutâncamon (um curtíssimo espaço de 9 anos) a ter repercussão mais de três mil anos passados (sobre o seu reinado), correlacionando a existência de um certo artefacto (desse tempo distante da História do Egipto, a 18ª dinastia), com os objetos divinos provenientes do Espaço e com toda o mistério e magia por eles transportada. Deixando-nos de sobreaviso sobre a nossa própria História oficial, tendo em consideração que entretanto muitos outros artefactos deram à luz, muito deles invocando uma presença alienígena ou outro tipo de explicação paralela – mas na base semelhante (senão mesmo idêntica mas separada no conjunto Espaço-Tempo): que a Vida na Terra se tem feito por Saltos Evolutivos (ciclos alternando entre o aparecimento e desaparecimento parcial de uma certa espécie, como se fizéssemos RESET e após a conclusão da anterior transformação – ou replicação) – sugestão sedentária – ou em alternativa que seremos originários do Espaço (os verdadeiros alienígenas no que à Terra diz respeito) e que um dia para lá voltaremos – sugestão nómada. Muito por necessidade mas também por aventura (o supremo prazer do acaso);

 

-Como até o nosso amigo porco-selvagem (talvez mais nosso familiar do que se pensa) o evidência e confirma: no seu passeio habitual pelo seu habitat natural (a selva) sendo imediatamente despertado na sua curiosidade pelo seu encontro casual com algo não identificado (uma câmara de vídeo), mal percecionada e sentida considerada como de necessária e imediata compreensão – sentindo-a, interpretando-a, recolocando-a no seu arquivo (demonstrando inteligência) e como nós sempre fazemos prosseguindo o seu caminho.

 

Fazendo sobressair o poder duma mente sem limites – sem parâmetros fixos de tempo e de espaço (não tendo referência nem data) e apenas conjugando em Matéria, Energia e Movimento – com capacidades nunca antes exploradas (mesmo que replicadas em sucessivas versões). E dando razão a William Shakespeare – “Ser ou não ser eis a questão” – e um pouco menos a René Descartes – “Penso, logo Existo” – com um ainda na dúvida (prefiro) e o outro já com certezas (muitas delas sinal claro de incerteza).

 

(dados: livescience.com e seeker.com – imagens: AP/WCS)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:53

02
Jun 16

Michelle Kunimoto:

Her research interests lie heavily in the field of exoplanets and planetary habitability

For her undergraduate thesis, she has been searching for and characterizing new exoplanet candidates in data from NASA’s Kepler Mission.”

(exoplanetes.umontreal.ca)

 

Só ela descobriu ao olhar (dados da missão Keppler) 4 longínquos planetas

(aguardando confirmação e esperando que não seja a da NASA)

 

michelle-kunimoto-ubc.JPG

A jovem canadiana de 22 anos Michelle Kunimoto

 

A única questão que desde logo me ocorre colocar, mas da qual não deveria ter sequer qualquer tipo de dúvidas ou outras considerações (quanto mais ousar perguntar) – pois o silêncio que me rodeia é estrondoso e sufocante – é como é possível que uma jovem universitária acabada de se formar mas áreas da física e da astronomia, já possa ter descoberto durante o seu trabalho final de formação e graduação, aquilo que muitos outros não o conseguiram por mais ferramentas e tempo utilizados no processo.

 

michelle-kunimoto-planets.jpg

Dimensão comparada do exoplaneta KOI 408.05

 

Analisando apenas dados já anteriormente estudados: de uma forma tão profunda que nem viram 4 planetas. E com um deles KOI 408.05 (um planeta em trânsito tendo como referência uma estrela) localizado a cerca de 3.200 anos-luz de distância da Terra, a encontrar-se na zona habitável da sua estrela, provavelmente rochoso e com oceanos e acompanhado por outras luas: numa caixa que ao abrir-se até poderá conter vida. E já agora por onde andam os cientistas da NASA?

 

(imagens: cbc.ca)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:14

Recep Tayyip Erdogan já deve ir em mais de 2.000 processos contra os cidadãos que diz representar, levantados pelo próprio como se fossem seus inimigos – esmagadoramente condenados e marginalizados socialmente, apenas por se exprimirem (livremente) quando postos a pensar (sem limites coercivos).

 

2016-06-01_wor_21549188_I1.JPG

Agora tentando colocar a turca Merve Buyuksarac na posição horizontal

 

Num dos gestos espontâneos com que por tantas vezes nos exprimimos, a utilização da tecnologia para imediata comunicação, torna-se muitas vezes num periférico transmissor de emoções – sendo reais ou virtuais, mas necessariamente expressivas (caso contrário nunca tendo impacto e condenadas ao esquecimento).

 

E na base foi o que fez Merve Buyuksarac conhecida no seu país por ter sido a Miss Turquia de 2006. Que pelos vistos num momento de aberração e de loucura – e excedendo tudo o que de normal se pudesse esperar dela – extravasou competências (físicas e certificadas) utilizando mais qualidades (sem habilitação para as praticar e ainda por cima mentais).

 

Pretensamente partilhando numa página do seu Instagram um poema intitulado The Master´s Poem, considerado insultuoso por associação paralela de ideias (que como todos nós sabemos nem sempre são coincidentes) para o atual Presidente turco: no seu passado como 1ºMinistro (o seu momento de entrada na hierarquia política dominante) tendo sido acusado de ser passivo no combate à corrupção, de que terá beneficiado assim como familiares e amigos.

 

2016-06-01_wor_21549277_I2.JPG

O verticalíssimo presidente turco Recep Tayyip Erdogan

 

Mas à tentativa desta simples Mulher respondeu logo o Super-Homem ERDOGAN: colocando esta Mulher no seu devido lugar – já que a função dela é apenas para se ver (tal e qual como uma escrava-sexual) – e indicando-o a Ele como o Homem a servir. Esclarecendo logo de vez o nome do predador e da presa e se necessário estendendo-o a outros grupos pensantes.

 

[contando com a conivência de Merkel → e logicamente da Alemanha e do seu Governo,

enquanto chantageia a Europa → com novos refugiados e atentados terroristas]

 

Simultaneamente indicando à Europa a sua Soberania futura (vaporizada em poucos segundos com a sua crise financeira), entalada entre o Atlântico (resguardando os norte-americanos) e a Turquia de Erdogan (impulsionado pelos sauditas): um território a curto-prazo abandonado à sua sorte e destino, com a Rússia mais a leste pensando no que (com ela) fazer e com todo o eixo estratégico (mundial) a fixar-se agora na Ásia (ou não fosse no presente o continente em ascensão, logo agora e por coincidência o vizinho-rico dos EUA).

 

(imagens: independent.ie)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:55

01
Jun 16

[Projetor/Projetado e Projetado/Projetor partilhando um mesmo Cenário]

 

“Se acreditamos em DEUS é mais que logico que acreditamos no HOMEM – com este último a ser o único e verdadeiro CRIADOR. E é apenas o medo – ao longo de milhares de gerações persistentemente em nós inculcado – que mesmo à nossa frente e como que se usássemos umas palas ainda nos impede de ver, de sentir e ter prazer (as tais palas categorizadas/aplicadas como de segurança e de proteção).”

 

NASA-caught-hiding-something-at-North-Pole.jpg

Pretensa imagem fornecida pela NASA e posteriormente apagada dos arquivos

(com uma depressão bem visível no Polo Norte terrestre)

 

Enquanto na Terra nada se passa de extraordinário o mundo lá vai rodando muito tranquilamente em torno do seu eixo imaginário: intersectando os seus polos mas sendo na realidade coordenado pelos Estados Unidos da América: os tais que foram à Lua (alimentando o nosso imaginário) para nunca mais lá voltarem (impondo-nos uma realidade com o fim do Programa Apollo).

 

Como se houvesse outro mundo mas que não fosse para nós – e deixando-nos em mãos de potenciais especuladores: desde os aventureiros revivendo Jules Verne (com a sua Viagem ao Centro da Terra) até aos conspiradores com as extintas missões Apollo (não se tendo regressado à Lua por imposição alienígena). No entanto colocando questões (prementes por objetivas e factuais) como os dos grandes buracos existentes nos polos.

 

water-solar-system-galaxy.jpg

Tal e qual como numa ilustração das previsões de Nostradamus

(com os cientistas da NASA a afirmarem a descoberta de vida alienígena até o ano de 2025)

 

Na realidade com o nosso mundo interior em permanente convulsão e com o mundo exterior (mais virtual que real) ainda distante de nós: na Terra com a morte à porta sem sequer a querermos ver (doenças/guerras), lá fora com a vida à espera sem que saibamos que existe (quantas vezes olhamos para o Céu?). Optando por não usar os órgãos que nos proporcionam os sentidos e acabando por distorcer a nossa perceção do mundo.

 

Colocando obviamente os Humanos entre duas alternativas possíveis (e inconciliáveis por incompatíveis – sendo uma sedentária/estática e a outra nómada/dinâmica): ou nos dirigimos para nós próprios e conseguimos interiorizar este mundo limitado e fisicamente regressivo (sujeitando-nos para sempre às suas regras localmente impostas) ou partimos como novos conquistadores atravessando o Espaço à procura de novos mundos e de Outras Terras.

 

775.jpg

Com 7 biliões vivendo sobre a superfície da Terra a balancearem-se entre deixarem-se morrer ou partirem à aventura

 (num Mundo Original a todos prometido e entregue para seu pleno usufruto e prazer, mas por interesse de alguns nunca cumprido)

 

Esperando no entanto que algo de inesperado e maravilhoso aconteça (um Evento talvez Divino) de modo a podermos impor (ao Tempo) a única verdade aceitável – e há muito declarada por Antoine Lavoisier: “Na Natureza nada se perde nada se cria tudo se transforma”. Descartando-nos do nascimento e da morte (limitativos e opressores como os ponteiros de um relógio, medindo algo de abstrato), aceitando a nossa evolução (já que tudo se move, matéria e energia incluídas) e como objeto ou sujeito, cumprindo a próxima transformação (e porque não para um outro nível psíquico ou não teremos nós Alma?).

 

Para já sem mais notícias e nada de novo no horizonte. Dividindo o nosso Mundo (consciente, subconsciente e inconsciente) em três subconjuntos distintos, mas completamente integrados, diluídos e para a esmagadora maioria dos aplicados, totalmente impercetível: associados ao nosso quotidiano de vida presente (à superfície da Terra), a outros níveis de existência (vida aérea/superficial/subterrânea para nós desconhecida/esquecida e passada/presente) e mesmo a outros planos exteriores aos do Nosso Mundo (talvez deliberadamente) Fechado – e cronologicamente (estrategicamente) colocado no Futuro. Como um Osso inalcançável (Miragem) colocado à frente de um cão esfomeado (de modo ao mesmo sem o entender persistir no caminho da falsa Esperança).

 

2afc54740bec.jpg

Um Mundo onde o ser Humano questiona a sua própria existência

Tantos são os factos contraditórios com que se depara no seu monótono quotidiano (com as suas consequências funestas pondo em causa a sua sobrevivência) – levando-nos até a um mundo de simples projeções holográficas, controlando um vasto rebanho

 

E se algum ser vivo e inteligente tivesse um dia qualquer no decurso de uma das suas incursões no interior do Espaço, por casualidade ou talvez não, atingido o nosso Sistema (Solar) e vislumbrado por instinto ou curiosidade o nosso planeta (Terra), já pensaram no que o mesmo pensaria (e certamente refletindo mais profundamente do que nós por ser um observador exterior) ao deparar-se com o que se passava no seu interior (meio ambiente) e sobretudo entre a espécie indígena e dominante (civilização)? Certamente que ficaria perturbado fosse apenas um turista (1ª visita) ou anterior residente (visitante habitual): sentindo-se desde logo de outro nível (superior), absolutamente desprezando o que via e sentindo-se tentado a ignorar. Apesar de mesmo entre nós alguns gostarem de domesticar, descarregando curiosamente nos outros (racionais e irracionais) a nossa selvajaria doméstica. O que se pensarem bem nos poderá diferenciar, colocando-nos no lugar de presas de predadores privilegiados.

 

Uma espécie que parece ter abandonado o seu principal princípio vital importantíssimo para a sua sobrevivência – o desenvolvimento do conhecimento e a nossa integração progressiva na sua transformação e aplicação (tendo todo o Homem como usufrutuário coletivo) – substituindo-o pelo princípio do objeto e do lucro (mais-valia dele extraída) e da recompensa imediata (apesar de temporária e como num toxicodependente) – que nos içará aos Céus até ao colapso final. Destruindo o seu Lar (a Terra) e sem uma única alternativa (conhecida no Espaço). Cumprindo mais uma profecia credível (face aos indícios que em torno de nós já se vêm e amontoam) proferida pelo conceituado físico Stephen Hawking, elegendo os três maiores perigos para a sobrevivência do Homem e da sua Civilização: o desenvolvimento incontrolado da Inteligência Artificial, a constante Agressão observada entre Humanos e a grande probabilidade da existência de vida extraterrestre (perigosa por ser certamente imensamente superior à nossa).

 

(imagens: Secure Team – NASA – front-lines.com – sadistic.pl)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:04

Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

18

19
20
21
22
23
25

26
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO