Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

27
Jan 17

Nas imagens aparecendo num cenário de escuridão profunda e total, entalada entre um espaço um pouco mais claro preenchido pelos anéis de Saturno.

 

PIA12698.jpg

A lua de Saturno DAFNE entre os anéis de Saturno

PIA 12698

(05.07.2010 – sonda Cassini – nasa.gov)

 

Uma das mais de sessenta luas do distante planeta Saturno (localizado a quase 10 UA do Sol) é DAFNE, um pequeno corpo celeste de 8Km de diâmetro situado no interior de um dos anéis (anel A/Keeler Gap) deste Gigante Gasoso (o outro e maior é o planeta Júpiter) – e descoberto há quase doze anos (06.05.05) escondido entre os anéis de Saturno pela sonda automática Cassini.

 

Sendo tal a proximidade ao seu planeta de referência (um pouco mais de 130.00Km) que se torna mais que evidente a constante interação não só entre os dois corpos celestes (uns milhões de vezes maior do que o outro e situados muito próximos) como a existente entre a lua e os anéis (interior e exterior).

 

PIA21056.jpg

A lua de Saturno DAFNE entre os anéis de Saturno

PIA 21056

(16.01.2017 – sonda Cassini – nasa.gov)

 

Devido à sua diminuta dimensão relativamente ao monstro que orbita (um planeta com 10X diâmetro da Terra) e muitas vezes passando impercetível entre as nuvens de poeiras e outros materiais constituindo os diversos anéis rodeando Saturno (encobrindo essa lua das muitas conhecidas orbitando Saturno),

 

A lua Dafne continua a ser até pela sua extrema proximidade a Saturno, um daqueles objetos misteriosos cuja origem desconhecemos mas cujo fim já projetamos: certamente sujeita a fenómenos de grande “erosão” pela zona turbulenta que ocupa, além de estar sujeita às brutais forças exercidas pelo campo magnético do planeta.

 

PIA21056-2.jpg

Dafne

(ampliação de PIA 21056)

 

Uma lua de Saturno que à primeira vista nos faz lembrar um sepulcro (forma aparente que o contraste entre a luz e a sombra lhe dão), completando a sua órbita num espaço temporal de apenas 14 horas (a nossa Lua demora 24 horas) e com a sua movimentação constante nas proximidades do planeta que orbita (no interior da falha de Keeler), perturbando as partículas constituindo os anéis rodeando o planeta Saturno (particularmente as do Anel A).

 

Segundo os cientistas da NASA a afirmarem serem os próprios anéis a impulsionarem a lua na sua movimentação (já que a velocidade de deslocação dos anéis é maior do que a da lua).

 

Talvez sendo os responsáveis (os anéis) pela manutenção de Dafne em órbita, impedindo a sua queda, impacto e destruição.

 

Descoberta por acaso aquando da observação de certas irregularidades em determinados anéis de Saturno (zonas fronteira) – aí aparecendo escondida a pequenina lua Dafne na falha entre anéis denominada Keeler.

 

E também conhecida como S/2005 S1.

 

(imagens – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:29

Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

18




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO