Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

31
Mar 17

Hoje (dia 30 de Março de 2017) a NASA presenteia-nos com uma imagem já com mais de oito anos (8 de Janeiro de 2009) de uma zona localizada junto a uma cratera não identificada do planeta Marte (hemisfério sul).

 

PIA21574 b.jpg

Marte

(PIA 21574)

 

Numa imagem recolhida pela sonda MRO utilizando o seu instrumento HiRISE e com as lentes das suas câmaras focando um depósito de material bem visível sobre a superfície marciana: como se pode constatar pelo tom amarelado.

 

Deixando-os intrigados com a presença de material mais claro e brilhante na sequência desses depósitos à superfície, espalhando-se a partir desse local através de estreitas e contínuas depressões existentes no terreno.

 

Se estivéssemos com os nossos olhos fixos num cenário de paisagem terrestre, certamente se podendo sugerir estarmos presente um local de possível extração mineral (à superfície ou subterrânea), com o seu ponto central e rotas de escoamento.

 

PIA21574 C.jpg

 

Mas como estamos em Marte e os únicos movimentos até agora detetados e erosivos só podendo ser atribuídos a fenómenos atmosféricos também presentes neste planeta (como será o caso da ação dos ventos – os Dust Devils), sendo tudo e logicamente de origem natural.

 

Um planeta há biliões de anos sujeito a algum tipo de cataclismo verdadeiramente avassalador, que segundo os cientistas terá destruído toda a atmosfera então envolvendo Marte, feito desaparecer um grande oceano cobrindo uma parte apreciável do planeta e a partir daí muito provavelmente destruindo e calcinando todos os vestígios de vida nesse passado extremamente remoto tendo grandes probabilidades de existir.

 

Hoje sem denotar a presença de qualquer tipo de organismo por mais primitivo ou estranho que seja (alienígena), apresentando-nos um planeta seco e calcinado como se tivesse sido literalmente varrido por um fogo Mortal mas vindo dos Céus. Sem vida nem presenças.

 

PIA21574.jpg

 

E no entanto no empolgamento da descoberta e na procura cega e imediata de respostas inequívocas nem sequer nos informando e assim esclarecendo sobre a presença de outras formas estranhas e deslocadas sobre a superfície deste Mundo distante (morto e como tal não diverso mesmo em forma).

 

Como o da presença de diversos elementos estranhos todos com a mesma estrutura, forma, cor e brilho sobre a superfície de Marte (na imagem inicial com um aparecendo no canto inferior esquerdo), sugerindo serem externos ao sistema e como tal e para o mesmo de origem alienígena: como se estivéssemos perante uma exploração mineira, com o artefacto aí inserido a ser apenas um habitáculo (fixo) ou um veículo de transporte (móvel) – talvez mesmo um disco-voador.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:10

E Quase Tudo o Vento Levou…

 

Poderíamos dizer como apresentação dos quartos-de-final do OPEN da CHINA concluídos hoje (ao início da tarde na Universidade de Pequim), que os 4 principais favoritos à passagem às meias-finais desta competição contando para o RM (e na véspera da disputa do Campeonato do Mundo de 2017) como que foram varridos do mapa – com o único sobrevivente a ser o atual líder do RM e Campeão do Mundo Mark Selby.

 

Quartos-de-Final

(à melhor de 9)

J/N

F

J/N

Judd Trump (ING)

3-5

Hossein Vafaei (IRA)

Shaun Murphy (ING)

1-5

Mark Williams (GAL)

Kyren Wilson (ING)

5-1

Ding Junhui (CHI)

Stephen Maguire (ESC)

1-5

Mark Selby (ING)

(J: Jogador N: Nacionalidade F: Frame)

 

Sem dúvida com o jovem iraniano Hossein Vafaei vindo bem lá do fundo da tabela do RM a eliminar surpreendentemente (o mínimo que se pode dizer) o atual Vice-Líder do RM e um dos principais favoritos à candidatura a Campeão Mundial de 2017 o inglês Judd Trump; e por outro lado com o galês Mark Williams e logo depois de uma reviravolta espetacular frente ao escocês John Higgins (a perder 1-4 foi ganhar por 5-4), eliminar outro dos favoritos mantendo a sua candidatura a um dos 16 melhores do RM (entrada imediata no Mundial 2017).

 

1597.png2729.png1335.png3395.png

Selby, Wilson, Williams e Vafaei

 

Na primeira meia-final com o 4X finalista e 3X vencedor do Open da China o galês Mark Williams (2002/2006/2010 nas vitórias e 2000 na derrota) – e Campeão do Mundo em 2000 e 2003 – a defrontar a grande surpresa desta edição o jovem iraniano Hossein Vafaei (22 anos) apresentando no seu currículo duas participações em QF de provas a contar para o RM e claro está a sua presença nas meias-finais desta edição do Open da China.

 

Meias-Finais

(à melhor de 11)

H

J

N

RM

J

N

RM

07:00

Hossein Vafaei

IRA

64

Mark Williams

GAL

22

 

RA

5-4 Dechawate

5-2

Joe Perry

5-4 Woollaston

5-3 McLeod

5-3

Trump

 

 -

 

 -

5-3 Xintong

5-1

Z. Anda

5-2

Holt

5-4 Higgins

5-1 Murphy

 

 -

 

 -

12:30

Kyren Wilson

ING

14

Mark Selby

ING

1

 

RA

5-2 Georguiou

5-3 Guodong

5-2

S. Lam

5-2 Bingham

5-1

JunhuI

 

 -

 

 -

5-3 Stefanow

5-0 Burden

5-1 O’Donnell

5-4 Higginson

5-1 Maguirte

 

 -

 

 -

(RA: Ronda Anterior H: Hora RM: Ranking Mundial)

 

Na segunda meia-final que poderia muito bem ser a final com o líder do RM, atual Campeão do Mundo e 3X finalista do Open da China (vencendo em 2015 e perdendo na final em 2011 e 2013) Mark Selby, a defrontar o também inglês Kyren Wilson: outro jovem prometedor (25 anos), mas dada a sua origem com uma pedalada muito superior ao do seu colega iraniano. A demonstrá-lo a sua vitória no Masters de Shangai (15/16), a sua participação este ano na final do Open da Índia e a sua sétima participação numa meia-final – a do Open da China de 2017.

 

(imagens: worlsnooker.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:49

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



26


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO