Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Snooker – E já decorre o Open de Gibraltar

Sexta-feira, 03.03.17

Entre hoje e amanhã apuram-se os 16 melhores – e depois de amanhã se verá.

(e quem ganhará as 18750£)

 

KiqUd_2017-gib-snooker.jpg

Marco Fu (HK – 9ºRM) ... e colegas

Detentor do Open de Gibraltar em 2016

(e ausente do mesmo em 2017)

 

Com a conclusão na passada terça-feira/dia 28 Fevereiro do Coral Shoot-Out (com a vitória do escocês Anthony McGill numa prova contando para o RM) e dois dias depois quinta-feira/dia 2 Março da final da Liga dos Campeões (com a vitória do também escocês John Higgins), decorre já desde a passada quarta-feira/dia 1 Março o Open de Gibraltar.

 

Contando com a presença de 187 jogadores distribuídos por 2 rondas de pré-qualificação (os de menor RM) e com estas a serem seguidas de mais 4 rondas eliminatórias, os quartos-de-final, as meias-finais e a final: ou seja com um jogador pretendendo erguer o troféu relativo ao Open de Gibraltar a ter que no mínimo de vencer 7 partidas (se vier das pré-qualificações 9).

 

P

J

N

£

P

J

N

£

1

Mark Selby

ING

936

9

Marco

Fu

HK

338

2

Stuart Bingham

ING

598

10

Mark

Allen

NIRL

308

3

Judd

Trump

ING

483

11

Joe

Perry

ING

295

4

Ding

Junhui

CHI

448

12

Allister Carter

ING

289

5

Shaun Murphy

ING

441

13

Liang Wenbo

CHI

280

6

John Higgins

ESC

423

14

Ronnie O'Sullivan

ING

270

7

Barry Hawkins

ING

385

15

Kyren Wilson

ING

247

8

Neil Robertson

AUS

376

16

Anthony McGill

ESC

230

Ranking Mundial

Faltando 4 provas contando para o RM

(P: posição J: jogador N: nacionalidade £: milhares de libras)

 

E depois de uma prova do Circuito Mundial decidida num único frame (Coral Shoot-Out) e de uma outra decidida à melhor de 5 frames (Liga dos Campeões), surge agora a 21ªprova com as eliminatórias a decidirem-se sempre à melhor de 7 frames (Open de Gibraltar).

 

Entre o dia de hoje e de amanhã (3 e 4 Março) ficando-se a conhecer os 16 apurados para as derradeiras 4 eliminatórias da prova. Que terá as suas últimas 15 partidas a serem jogadas no próximo domingo/dia 5 de Março em 4 sessões a partir das 10:00 da manhã, no Victoria Stadium na ilha de Gibraltar.

 

P

J

V

PF

PMF

P

J

V

PF

PMF

1

Mark Selby

3

4

5

9

Allister Carter

1

2

2

2

John Higgins

3

4

4

10

Marco

Fu

1

1

4

3

Ding Junhui

2

3

4

11

Neil Robertson

1

1

3

4

Anthony McGill

2

2

2

12

Liang Wenbo

1

1

2

5

Ronnie O’Sullivan

1

4

4

12

Anthony Hamilton

1

1

2

6

Stuart Bingham

1

3

7

14

Mark

King

1

1

1

7

Judd Trump

1

3

6

15

Joe

Perry

0

2

2

8

Barry Hawkins

1

2

5

15

Ryan

Day

0

2

2

Ranking dos jogadores em função dos resultados nas 20 provas já disputadas

Contando ou não para o RM

(V: vitória PF: presença na final PMF: presença na meia-final)

 

E a menos de dois meses de distância da atribuição do título de Campeão do Mundo de 2016/17 (e ainda com três provas por distribuir) notando-se entre outros jogadores a ausência nesta prova de Stuart Bingham (2ºRM), Marco Fu (9ºRM), Allister Carter (12ºRM), Ronnie O’Sullivan (14ºRM), Martin Gold (19ºRM) – só para indicar o top 20 e com o chinês de Hong Kong este ano ausente da prova a ser nem mais nem menos que o atual detentor do troféu (Marco Fu).

 

(imagem: worldsnooker,com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:57

O Umbigo de Saturno

Quinta-feira, 02.03.17

“Uma prova de que um dia Saturno evoluiu e se tornou naquilo que é: sendo o Hexágono, um simples símbolo integrando o caminho da Perfeição, tendo no topo o espaço Único, proporcionado pela Esfera.”

 

2CABDAF700000578-3246065-image-a-6_1443005086841.j

O Hexágono de Saturno

 

Com a clara do ovo a ser a região mais importante deste modelo (de organismo) centralizado na denominada e colorida gema, é natural que a expressão visual que mais se aproxima desta imagem do polo norte de Saturno poderá ser corretamente concretizada muito simplesmente, através de uma impressão a 2D de um qualquer ovo estrelado: com todo o conteúdo da célula focalizado no centro, rodeado por elementos formando um entreposto de certificação de segurança e de autossuficiência e protegido do exterior por uma fina casca ou membrana (em qualquer momento do seu desenvolvimento podendo ser reformulada e substituída) e do centro da qual sairá um novo organismo replicado do anterior. Pelo que a obsessão originada por mais uma das nossas crises existenciais envolvendo a problemática origem do Mundo – contando aqui com a especial colaboração de um dos seus mais conhecidos organismos (até porque o comemos) saído do Ovo ou do ânus da Galinha – não faz sentido nenhum: o que interessa é desvendar a ideia de quem pôs em prática este eficaz mecanismo reprodutor, capaz de replicar um modelo de limite circular mas mantendo uma forma hexagonal de base, numa imagem que se repercute naturalmente em diversas situações envolvendo matéria energia e movimento. E que no caso do Gigante Gasoso Saturno até poderá esconder a formação (ou existência) de algo mais – um corpo celeste já num estado avançado da sua evolução mas por impossível de visualizar (para além da sua capa superficial) passando despercebido na sua pujança transformadora e mantendo-nos (para já) na nossa ilusão e desconhecimento. Num caso um tanto semelhante com o ocorrido com Júpiter: uma enorme massa certamente com muito (matéria, energia, movimento) e pouco (vida como a nossa) conteúdo mas sem dúvida de uma beleza talvez mortal mas extraordinária.

 

(imagem: nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:25

Ataque Alienígena

Quinta-feira, 02.03.17

Há 28 anos atrás uma nave alienígena abateu uma nave terrestre

Nas proximidades do planeta Marte

(com a particularidade de se tratar de uma nave soviética não tripulada, da era de Boris Yeltsin/na URSS e de Ronald Reagan/nos EUA)

 

1.jpg

A lua Fobos

(o maior dos dois satélites naturais de Marte)

 

Em meados do ano de 1988 a URSS decidiu enviar em direção ao planeta Marte duas sondas automáticas: tendo como objetivo anunciado para essa missão (interplanetária) além do estudo do Espaço estendendo-se até este planeta (tendo como centro do Sistema o Sol), a observação do próprio planeta e das suas duas luas Deimos e Fobos.

 

As duas sondas foram a Phobos 1 e a Phobos 2 lançadas no mês de Julho com uma diferença de cinco dias. Com a primeira delas a interromper as suas comunicações com a Terra e a perder-se no Espaço (menos de dois meses depois do seu lançamento), mas com a sonda Phobos 2 a prosseguir a sua viagem, a atingir o planeta Marte e a inserir-se na sua órbita.

 

Em Janeiro de 1989 com a sonda Phobos 2 a iniciar o que seria o seu curto período de trabalho em torno deste planeta nosso vizinho (cerca de 2/3 meses), perscrutando a sua superfície e analisando a sua atmosfera, mas apontando desde logo a sua atenção e mira para um das suas luas Fobos: das 2 a maior com cerca de 22Km (de diâmetro – Deimos tendo mais que 12Km).

 

Hoje quase 29 anos passados sobre o seu lançamento e desaparecimento (ainda a Rússia era URSS), vindo recordar o sucedido com a sonda Phobos 2 aquando da sua estadia em Marte (observando o planeta), redireccionamento para Fobos (2ªparte da missão) e posterior partida para este satélite (em princípio natural).

 

eckerphobos.jpg

O objeto cilíndrico de origem desconhecida

(com cerca de 20Km de extensão e 2.5Km de largura)

 

E com a ajuda do site (ufosighthingshotspot.blogspot.pt) mergulhando de novo num mistério já oriundo do século passado e ainda hoje não resolvido por não explicado, envolvendo uma sonda terrestre circulando nas imediações de um mundo alienígena subitamente e quando nada o fazia prever deixando de comunicar já nas proximidades do seu novo alvo – Fobos.

 

Um de 2 satélites descobertos há 140 anos, visitados pela 1ªvez há 29, com um deles orbitando a uma distância máxima de 9400Km (Fobos, cumprindo a sua órbita em 7.7 horas) e com o outro a 23500Km (Deimos, cumprindo a sua órbita em 30.4 horas): devido à sua velocidade e progressiva aproximação com Fobos a ter já encontro marcado com Marte.

 

Com a sonda Phobos 2 após dois meses orbitando e observando o espaço exterior, a atmosfera e a superfície do planeta Marte (onde já se deparara com estruturas agrupadas e outros fenómenos inexplicáveis, conforme registos de imagem), a pontar para o seu maior e mais próximo satélite a misteriosa e bizarra (pela sua forma) lua Fobos.

 

E assim, alinhada finalmente a sonda automática Phobos 2 em direção àquele objetivo que já muitos por essa altura indicavam como o verdadeiro destino dessa missão, esta iniciou a sua nova viagem dando-se então o incidente: com um objeto de forma cilíndrica e de origem desconhecida a deslocar-se em direção à sonda, momentos antes da mesma desaparecer.

 

f1.jpg

Sombra em movimento do objeto cilíndrico/elíptico

(projetada sobre a superfície de Marte)

 

Segundo os cientistas, técnicos e restantes responsáveis pela execução do Programa Phobos, com a sonda Phobos 1 e quando a mesma se preparava para lançar dois módulos em direção à superfície dessa lua de Marte, a (na verdade) desaparecer do ecrã e não apenas a deixar de comunicar.

 

Com todos os interessados no caso (oficiais e oficiosos) a levantarem a hipótese sustentada por dados (imagens recolhidas pela dita sonda) de que a mesma teria sido atacada por um objeto não identificado e de grandes dimensões (aparentemente com cerca de 20Km de extensão) antes de deixar de transmitir e desaparecer.

 

E com a Agência Noticiosa TASS a referir (e a acrescentar um dia depois):

"Phobos 2 failed to communicate with Earth as scheduled after completing an operation yesterday around the Martian moon Phobos. Scientists at mission control have been unable to establish stable radio contact"; "Phobos 2 is 99% lost for good".

 

Com o Programa Phobos a terminar ingloriamente com o aparecimento de falhas técnicas graves (num curto intervalo de tempo e afetando logo as 2 sondas) ou como explicação alternativa e também bastante credível (tanto ontem como hoje) estando os terrestres em 1988 e ao largo do planeta Marte perante o seu primeiro contacto com seres alienígenas.

 

5.jpg

Região de Hydroate Chaos em Marte

(onde se acredita existirem estruturas de origem artificial)

 

Num conjunto de registos obtidos pela sonda Phobos 2 em que a mesma nos presenteia com umas quantas imagens um tanto estranhas de Marte: nuns casos com pouca resolução e contraste, mas na nossa imaginação muitas das vezes real (e complementar) percecionando formas e até sombras – de edifícios, estradas e até pirâmides (por associação).

 

Em conclusão com a sonda soviética lançada no século passado tendo como objetivo a maior das luas de Marte Fobos, a ter sido abatida em pleno voo espacial já no trajeto Marte/Fobos (quando a mesma se preparava para o lançamento de dois módulos sobre o satélite); por uma enorme nave alienígena c/ a sua sombra a ser projetada e visível sobre a superfície marciana.

 

(imagens: retiradas da WEB)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 08:08

Tempestade no Pico – Açores

Quarta-feira, 01.03.17

No decorrer destes últimos dias do mês de Fevereiro e quando todos os picuenses se preparavam para a passagem de mais uma data festiva, na Ilha do Pico o mar apareceu invadindo o litoral – destruindo e inundando.

 

Assolado por ondas que chegaram a atingir os 13 metros de altura provocadas pela forte ondulação marítima aí registada (a que a localização geográfica da ilha integrada no arquipélago dos Açores não será certamente alheia), a costa ocidental da Ilha do Pico foi nestes últimos dias atingida por uma tempestade marítima originada no oceano Atlântico e que afetou com maior intensidade a parte ocidental do arquipélago: Pico, S. Jorge e Faial e ainda mais a ocidente as Flores e o Corvo.

 

a5.jpg

1

a3.jpg

2

 

Com as ondas e apesar de alguns avisos divulgados pelas autoridades marítimas a apanharem toda a gente desprevenida (até as autoridade), não pela tempestade em si, mas pela força e elevação da ondulação, saltando as margens naturais ou artificiais diante de si colocadas, invadindo terra e provocando alguma destruição. Como se pode verificar nas imagens (1 e 2) com o mar a invadir instalações localizadas junta à costa provocando inundações e danos bem visíveis (como o verificado no Cella Bar).

 

a1.jpg

3

ex3.jpg

4

 

Numa onda de mau tempo que tem assolado esta região do oceano Atlântico (afetando igualmente a Ilha da Madeira) especialmente no que diz respeito à agitação marítima e aos avisos lançados à navegação. Mas que na Ilha do Pico se fez sentir com grande intensidade sobre o seu litoral ocidental, forçando, derrubando e ultrapassando o molhe de proteção do porto da Madalena – e com a destruição a atingir inesperadamente as instalações no interior do porto e os barcos aí estacionados (conforme imagens 3 e 4).

 

ex1.jpg

5

ex2.jpg

6

 

Além de atingir as instalações portuárias do Pico situadas na Madalena (destruindo parcialmente a sua muralha de proteção e áreas do seu cais comercial), invadindo zonas urbanas no interior e exterior do mesmo (imagens 5 e 6), como foi infelizmente o caso de um museu (onde decorria umas exposição) e num outro extremo do Cella Bar – considerado um dos bares mais bonitos do Mundo (prémio Edifício do Ano/2016). Num fenómeno meteorológico previsto, mas subestimado (em terra).

 

(imagem: SIC/Gato Canal e DAILY NEWS/youtube.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:32


Pág. 6/6