Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

04
Jan 18

Porque será que tudo o que no Presente (e pelos vistos no Passado e no Futuro) nos vai sendo proposto como uma nova Descoberta (na realidade concluídas aquando da derrocada do outro lado, deixando de existir oponente como no tempo USA Vs. URSS), não passa apenas de mais uma Constatação já Experienciada e Vivida (por muitos, esmagadoramente leigos)? E no entanto sendo apenas divulgada em publicações (ditas) científicas, confirmando o que já há muito (tempo) todos nós já sentíamos (pelos tais denominados eruditos)!

 

A1.jpg

Satellite data enables scientists to map the seafloor, which is sinking under the weight of rising seas

(this map shows gravity anomalies in the western Indian Ocean)

 

“In recent decades, melting ice sheets and glaciers driven by climate change are swelling Earth's oceans. And along with all that water comes an unexpected consequence — the weight of the additional liquid is pressing down on the seafloor, causing it to sink.”

(livescience.com)

 

Com dois artigos recentemente publicados pelo site LiveScience (livescience.com) abordando dois fenómenos Naturais (mas certamente com contribuição Artificial) podendo influir (já no Presente) na Evolução do nosso Ecossistema Terrestre ‒ o Afundamento do Leito Oceânico e os Ciclones Bomba ‒ verificamos que no Meio Ambiente onde hoje vivemos (estendendo-se do infinitamente pequeno ao infinitamente grande, em réplicas sucessivas tendo como base o mesmo molde) e que nos proporciona todas as condições necessárias e suficientes para sermos resilientes e persistirmos (evitando assim a Extinção), todos os parâmetros não são demais para definirem o funcionamento de uma sua Estrutura (e de assim compreendermos todo o seu Mecanismo de Reprodução, nesta fase de Replicação): por vezes por esquecimento, incompreensão ou desprezo (uma Mega Distração) não conseguindo ver à sua frente aquilo que se ia tornando Evidente (como se usássemos uma pala indicando-nos o caminho a seguir) e no fundo apenas o fazendo (a esmagadora maioria dos 7,5 X 10↑12) por uma simples questão de ignorância e de pretensa sobrevivência (tornando-se um facto inquestionável face aos nossos Órgãos dos Sentidos, tendo o seu Processador central ativo e desde que não irremediavelmente infetado) ‒ como será o caso do crescimento dos Oceanos (obviamente com o seu nível a aumentar → devido ao degelo nos polos alimentando o seu volume) e do afundamento dos seus leitos (aumentando a pressão oceânica sendo a crosta terrestre elástica tendendo a afundar-se) e dos Ciclones Extremos e surpreendentemente Repentinos (para a grande maioria de nós, que nunca os viu ou sentiu imaginando-o apenas em filmes) capazes de reproduzir num instante e de uma forma radical (para muitos de nós apanhados desprevenidos podendo ser para Além do Limite) condições Meteorológicas originando ventos fortíssimos girando em direção ao centro de baixas pressões e entre outras consequências a descida (para nós) abrupta das temperaturas.

 

A2.jpg

Water vapor across the globe

(on Jan. 3, 2018)

 

“How does a system reach bomb-cyclone status? Its atmospheric pressure must drop so rapidly that it explodes in strength. This can happen when a cold air mass collides with a warm air mass, such as air over warm ocean waters. The formation of this rapidly strengthening weather system is a process called bombogenesis, which creates what is known as a bomb cyclone.”

(livescience.com)

 

Analisando de uma forma aberta todas as variantes (conhecidas e entendidas ou então no mínimo e por experiência previsíveis por expetáveis) envolvendo estes dois cenários (Oceanos e Atmosfera) fazendo parte de um Panorama mais geral (o Ecossistema da Terra), sendo lógicas as conclusões tiradas pelos cientistas (levando ao Afundamento e à Bomba) apenas não se compreendendo só agora sendo levadas em conta (pelos mesmos e por outros) para a reexposição do problema e para a sua solução. Desde logo aconselhando a leitura (dos dois artigos eruditos) para uma mais completa informação e um melhor entendimento (doutros eruditos e dos leigos): The Bottom of the Ocean is Sinking (Mindy Weisberger) e Bomb Cyclone Forecast to hit East Coast (Jeanna Bryner). Do lado cientifico-tecnológico e constando-se (o facto fundamental para a confirmação) cada vez mais o nosso retrocesso Civilizacional (onde está a vitória sobre o Tempo, onde está a ultrapassagem dos limites, onde estão as novas descobertas, onde estão os novos empreendimentos, onde está a conquista do Espaço, onde está o nosso desígnio, onde está a dita Utopia) ‒ bastando para tal (e apenas) olhar diretamente a Elite, perceber o seu papel na estrutura, conhecimentos, ambições e hierarquia e sentir no corpo o seu peso (sob a forma de objetos/casa, carro, frigorifico, TV, arma, etc. ou infiltrando o sujeito/de uma forma intrusiva impondo a guerra e a doença), daí nada saindo ‒ correndo-se o sério risco de um dia sermos ultrapassados pela NATUREZA envolvente (violada incessantemente e por todos em nome do lucro e do progresso, ditado por Auto Iluminados provavelmente em sobrecarga e a um passo de fundir), somente por ignorarmos que somos todos (nós) uma parte de um todo preenchido e insuflado (por Matéria e Energia) que um dia soube partir e nunca mais quis parar (o tal Movimento que caracteriza a Vida). Num Mundo que após o Colapso de um dos Grandes Blocos Políticos Globais (a URSS) perdendo o seu oponente (deixando como filho pródigo e único os USA) deixou-se então ficar ‒ doente, apodrecendo, decompondo-se e talvez abrindo caminho ao surgimento de uma Nova Espécie Dominante e Inteligente (e talvez Extraterrestre).

 

(legendas: livescience.com ‒ imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:28

Muito Vento, muita Chuva, talvez Neve (certamente) e ainda Mar Bravo (Evidente)

 

DSb9yaKXcAAe8uq.jpg large.jpg

Tempestade CARMEN

Atravessando toda a França pelos Pirenéus e atingindo a Córsega no Mediterrânico

 

Insistindo nos dias de hoje que um Dia de Mau Tempo (assim considerado no passado) é na realidade uma Tempestade (denominado agora no Presente), os meteorologistas portugueses (conjuntamente com os seus colegas espanhóis e franceses) insistem no Estado de Alerta para Portugal Continental na passagem do dia 4 para 5: prevendo-se aquando da passagem desta nova tempestade ‒ Tempestade CARMEN ‒ períodos de chuva intensa (podendo provocar inundações) e vento forte (podendo provocar quedas de árvores e interrupção no fornecimento de eletricidade), em certas regiões podendo originar granizo e trovoadas (mais a norte/no interior) e mesmo a maior altitude podendo-se registar queda de neve (por exemplo na Serra da Estrela mas não no alto da Fóia/Monchique). Sentindo-se os seus efeitos mais a norte (e no centro) do que a sul, pelo que na região do Algarve (incluindo Albufeira) os efeitos serão mais ténues com alguma precipitação e descida das temperaturas. De qualquer das formas com a passagem da 3ª tempestade catalogada pelos meteorologistas (depois de Bruno, antes de David e entremeada com Eleanor) a colocar (a nível marítimo) toda a costa portuguesa em alerta (sobretudo na costa ocidental a norte do estuário do Tejo) devido à grande agitação marítima com ondas entre 5/6 metros (aconselhando como tal a não se ir e não se andar junto ao mar) e (já agora) a nível terrestre e até como conselho (pois mais vale prevenir do que remediar) devido à queda de neve e formação de gelo tornando as estradas perigosas e como talas viagens (a evitar nestes momentos meteorológicos mais extremos).

 

Há 50 anos (num mundo de leigos e autodidatas e quando todo o mundo trabalhava) sendo um fenómeno meteorológico Comum, no século XXI (disparando os eruditos, exterminados os autodidatas e com muita gente empregada) um Bicho de 7 Cabeças.

 

(imagem: France Bleu RCFM)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:48

Liga dos Campeões

Grupo 1 ‒ Final

Zhou Yuelong ‒ 3 Anthony Hamilton ‒ 2

 

john-higgins-championship-league.jpg

JOHN HIGGINS/ESC

(Detentor da Liga dos Campeões de 2017)

 

Interrompido o Circuito Mundial de Snooker desde 22 de Dezembro de 2017 (com a disputa das 2 rondas de Qualificação para o MASTERS da ALEMANHA) iniciou-se anteontem (terça-feira, 2) na Arena Ricoh em Coventry (Inglaterra) a LIGA dos CAMPEÕES de 2018: uma prova por convite não contando para o Ranking Mundial (RM), disputando-se desde o ano de 2008 (sendo esta a sua 11ª edição) e tendo como detentor do troféu o escocês JOHN HIGGINS (batendo na final de 2017 o galês Ryan Day por 3-0) ‒ e com o inglês Judd Trump (o único a repetir a vitória) a já ter conquistado o troféu por 3 X (2009, 2014 e 2016).

 

Ranking Mundial

(e RM 2017/18)

 

RM

J

N

RM (17/18)

RM

J

N

RM (17/18)

1

M

Selby

ING

4

9

M

Fu

HK

45

2

R O’Sullivan

ING

1

10

M

Williams

GAL

6

3

J

Trump

ING

3

11

S

Bingham

ING

30

4

D

Junhui

CHI

7

12

A

Carter

ING

24

5

J

Higgins

ESC

7

13

N

Robertson

AUS

11

6

S

Murphy

ING

5

14

K

Wilson

ING

10

7

B

Hawkins

ING

40

15

L

Brecel

BEL

2

8

M

Allen

NIRL

9

16

A

McGill

ESC

14

(RM: Ranking Mundial J: Jogador N: Nacionalidade)

 

Uma prova que decorrerá desde 2 de Janeiro de 2017 (início do Grupo 1 de 7) concluindo-se apenas a 22 de Março de 2017 (com a disputa da final incluindo os 7 Vencedores de cada Grupo) pelo meio disputando-se outras provas por Convite ou para o RM (algumas de Qualificação): entre outras (integrando o Circuito Mundial de Snooker) o Masters Dafabet (por convite), as Qualificações para o Open da China, o Masters da Alemanha, o Coral Shoot-Out e o GP Mundial Ladbrokes (todos contando para o RM). Ou seja desde o início do ano (de 2018) com a realização de 1 prova por convite e 4 contando para o RM.

 

Grupo 1

(Meias-Finais e Final)

 

Fase

 

J

N

F

J

N

MF 1

Anthony Hamilton

ING

3-2

Stephen Maguire

ESC

MF 2

Zhou

Yuelong

CHI

3-2

Ryan

Day

GAL

Final

Zhou

Yuelong

CHI

3-2

Anthony Hamilton

ING

(F: Frames MF: Meia-Final)

 

Retomando à Liga dos Campeões e à disputa do Grupo 1 (composto por 7 jogadores) tendo-se concluído ontem (dia 2) os seus 24 jogos (21 da fase de grupos + 2 Meias-Finais + 1Final), com 2 jogadores eliminados, 4 apurados para a disputa do Grupo 2 e 1 apurado (desde já) para a Fase Final (o Vencedor do Grupo 1): sendo este último o chinês Zhou Yuelong (31ºRM). Já esta quinta-feira iniciando-se o Grupo 2 (4/5 Janeiro) com a disputa de mais 24 encontros de modo a apurar o 2º finalista (e Vencedor do grupo) ‒ e aí entrando em ação o Campeão e Líder do RM o inglês Mark Selby.

 

(imagem: snookerhq.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:00

Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

17
18

21
25
27



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO