Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

03
Jan 18

Ainda com Carmen a caminho (de Portugal) mas com Eleanor desde já a apresentar-se (em França).

 

eiffel1.jpg

 

Depois de ter atravessado a Irlanda e a Grã-Bretanha provocando pelo caminho grandes inundações (devido à elevada precipitação), milhares de casas sem eletricidade (por danos provocados na distribuição devido aos ventos intensos) e ainda deixando todo o litoral em alerta devido à grande agitação marítima (especialmente a costa ocidental da Irlanda como foi o caso da cidade de Galway) ‒ na Grã-Bretanha colocando o país em Alerta Amarelo (essencialmente devido aos ventos intensos chegando a atingir os 160Km/h), provocando interrupções nos transportes e na distribuição de eletricidade (devido ao forte e duplo impacto chuva/vento) e inundações e quedas de árvores ‒ chegou a hora da Tempestade ELEANOR atingir a FRANÇA e de colocar os seus meteorologistas em estado de alerta: com a Météo-France, a Aemet e o IPMA (depois da passagem da Tempestade Ana, Bruno e Carmen ‒ com esta última ainda a caminho de Portugal) a decidirem integrar esta nova tempestade na sua lista recentemente criada (adiando para data posterior a chegada de David e Emma) lançando um novo alerta (meteorológico) para França/Espanha/Portugal.

 

231e33480ce94718c656ecd3fcdafd39.jpeg

 

Na sua passagem por França e entrando pelo norte (vinda do sul de Inglaterra) com a Tempestade ELEANOR a atingir fortemente a Normandia e no seu caminho para sul a cidade de PARIS (e arredores) ‒ no caso da Normandia deixando cerca de 200.000 habitações sem eletricidade (com a passagem da Tempestade Carmen aproximadamente 1/5) e no caso de Paris causando grandes perturbações (entre outros) nos seus transportes aéreos: com um dos símbolos da França e da sua capital Paris a TORRE EIFFEL a ser fechada à visita do público (e aos turistas) devido às fortes rajadas de vento aí verificadas (100Km/h). Para já com a passagem da tempestade Eleanor a provocar quase uma dezena de feridos (alguns deles em estado grave), segundo a meteorologia francesa deslocando-se para sudeste acompanhada de ventos podendo atingir os 200Km/h: consultando os mapas da EUMETNET e verificando-se a deslocação da tempestade para sudeste, sendo uma boa notícia para Portugal (meteorologicamente falando) localizado para sudoeste ‒ deixando para a Península Ibérica uma estreita faixa podendo vir a ser atingida (pelos efeitos de Eleanor) no caso de Portugal (e mais intensamente) toda a costa litoral do rio Minho até Lisboa (até pela forte agitação marítima).

 

(imagens: AFP/EUMETNET)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:02

02
Jan 18

Pormenor de uma imagem enviada a 2 de Janeiro de 2018 pelos instrumentos óticos da câmara MAHLI, equipando o veículo motorizado da NASA circulando sobre a superfície do planeta MARTE ‒ e obtida no 1922º dia de estadia do ROVER CURIOSITY no Planeta Vermelho.

 

Num Sistema pretensamente formado há mais de 4,5 biliões de anos (num lugar extremamente longínquo da Via Láctea) em torno de um Mega Objeto poderoso centro de Massa e Energia (categorizado como uma estrela e conhecido como o Sol) ‒ e com um planeta gigante (Júpiter) sendo o outro protagonista.

 

1922MH0001760010703194C00_DXXX.jpg

Marte

(SOL 1922)

 

Uma imagem que até poderíamos pensar ser de Origem Terrestre ‒ ou não fosse a presença de sais e de sedimentos ‒ mas mostrando-nos uma região do Planeta Marte que há muitos Biliões de Anos poderia estar submersa por um grande Oceano.

 

Sistema no qual Marte e a Terra poderão ter percorrido um mesmo caminho desde a origem ao ponto onde estão (hoje): talvez oriundos da antiga Cintura (de Asteroides) e jogados no tabuleiro (da Lotaria Solar), saindo um deles sem nada (Marte) e o outro vencedor (Terra). Tão próximos (vizinhos) e tão diferentes.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:53
tags:

Primeiro ANA (a pioneira), depois BRUNO, agora CARMEN

E já em preparação

(mas nesta lista restrita e por adição)

ELEANOR.

 

[Com os meteorologistas da Météo-France, da Aemet e do IPMA a decidirem manter o nome da tempestade oriunda da Irlanda ‒ a Tempestade ELEANOR ‒ deixando para mais tarde a chegada das Tempestade DAVID (letra D) e da Tempestade EMMA (letra E).]

 

800.jpg

Tempestade Carmen

(Costa da Bretanha/França)

 

Iniciado o novo ano de 2018 e ainda na expetativa da chegada da próxima Tempestade (mantendo-se a frequência inicial com uma nova tempestade a ocorrer de 15 em 15 dias) eis que apanhando-nos um pouco de surpresa (as probabilidades e estatísticas têm destas coisas) duas tempestades surgem de imediato e consecutivamente (lá se indo a 1ªProfecia de 29.12): na sequência da decisão de meteorologistas (franceses, espanhóis e portugueses) de criarem a sua própria denominação para as tempestades afetando os seus 3 países, depois da passagem da Tempestade Ana e da Tempestade Bruno surgindo agora a Tempestade Carmen (atingindo a França a 1 de Janeiro) ‒ e prevendo-se de imediato a passagem da Tempestade Eleanor (a partir de 2 de Janeiro). E por este andar com cada período de Mau Tempo (pelo menos em Portugal) a ser agora promovido a mais uma Tempestade.

 

6e122a64a998cdec2012a087ef53fa9a.jpg

Tempestade Bruno

 

Ontem dia 1 de Janeiro de 2018 com a Tempestade CARMEN a atingir território francês (sobretudo a ocidente) com chuva intensa e ventos fortes (com rajadas de vento acima dos 130Km/h) provocando (para já) uma vítima mortal e deixando dezenas de milhares de lares sem eletricidade (uns 60/70 milhares); e já amanhã (dia 2) prevendo-se a chegada em força da próxima Tempestade/ELEANOR (oriunda da Irlanda daí o nome) colocando vários distritos em Alerta Laranja. E com toda a linha de costa em torno do Cabo Finisterra (localizado na Corunha/Galiza/Espanha) a estar sujeita a mar bastante agitado, com ondas podendo atingir alturas elevadas abrindo caminho entre praias e barreiras (costeiras) e inundando as zonas do litoral (galego) ‒ no caso de Eleanor com condições climatéricas (de chuva e de vento) muito semelhantes às de Carmen.

 

thumbs.web.sapo.io.jpg

Tempestade Ana

 

No que diz respeito a Portugal e à passagem destas duas tempestades (e tendo que atravessar França, também o fazendo em Espanha) com a chegada da Tempestade CARMEN a estar prevista lá para 5 de Janeiro (sexta-feira início do fim-de-semana e com o IPMA a prever o regresso da chuva) e com todo o país (de norte a sul) podendo ficar em Alerta Vermelho (um nível talvez algo exagerado): com ondas até 10 metros, ventos até 130Km/h e aguaceiros muito fortes numa duração que poderá chegar a 3 dias ‒ dia 5, 6 e 7 de Janeiro. De ELEANOR de momento não se falando muito (mas não se dissipando seguindo-se de imediato a sua antecessora Carmen). E consultando as previsões do IPMA no que toca ao sul de Portugal (Algarve) e particularmente a Albufeira (no período de 3/Quarta-feira a 7 de Janeiro/Domingo), com Céu parcialmente nublado/aguaceiros (chuva mais intensa sexta-feira), com vento fraco/moderado geralmente de norte e com as temperaturas entre os 6⁰C/21⁰C e com tendência de descida (das mínimas/máximas ou seja mais frio).

 

(imagens: rtp.pt/sapo.pt/iol.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:09

“Não tendo estado sempre perto de nós um dia a Lua terá chegado próximo da Terra e colocada em órbita aí se terá estabilizado.”

(como o sugerem muitos documentos antigos)

 

939moonbig.jpg

Com a presença inopinada da Lua a ser verificada (segundo alguns antigos Contadores de Histórias) há cerca de 12.000 anos, contribuindo para a inclinação do eixo terrestre (definindo as Estações), para as noites mais iluminadas (pelo reflexo noturno da própria Lua), para o aparecimento das marés (conforme a Lua atinge o perigeu/apogeu relativamente à Terra) e até para a velocidade de rotação do nosso planeta (acelerando sem a presença da Lua tal como poderá ter acontecido nos primórdios do Sistema Solar)

 

Um dia há muitos biliões de anos (uns 4,5 biliões) deu-se numa determinada região do Espaço uma grande explosão de LUZ (envolvendo Matéria e Energia), na sequência da qual se formaram os planetas e restantes corpos celestes constituindo o que atualmente denominamos o SISTEMA SOLAR: centrado numa estrela de referência (o SOL), constituindo um Sistema Planetário (integrando oito planetas principais), composto adicionalmente por outros objetos (como luas, asteroides e cometas) e no caso particular da Terra relevando-se este planeta não só pela Existência de Vida Inteligente (uma exclusividade deste Sistema) como pela sua LUA peculiar ‒ apenas umas centenas de milhões de anos depois (da grande explosão) surgindo como companheira da Terra. Como se a Lua tivesse sido absorvida pelo Sistema Solar na sua movimentação (provavelmente errática) pelo Espaço, acabando por ser dominada pelas poderosas forças emanando da nossa estrela (pelo campo de influência do Sol) e curiosamente sendo colocada em órbita de um planeta não muito maior (do que ela): com o raio da Terra a ser apenas 3,67 X o raio da Lua e com o nosso satélite (em princípio natural) a ser sem dúvida o maior se comparado com todos os outros orbitando todos os outos (oito) planetas principais ‒ em tamanho com a nossa LUA (d=3 475Km) a ser o 5º Maior Satélite Natural deste Sistema Planetário só sendo ultrapassada por IO (3 642Km), CALISTO (4 820Km), TITÃ (5 150Km) e GANIMEDES (5 262Km) luas dos Planetas Gigantes JÚPITER (3) e SATURNO (1/Titã).

 

Planetas

D1

Luas

D2

R

Mercúrio

4880

-

-

-

Vénus

12104

-

-

-

Terra

12756

Lua

3474

3,7

Marte

6794

Fobos

22

308,8

Júpiter

143000

Ganimedes

5268

27,2

Saturno

120000

Titã

5151

23,3

Úrano

51000

Oberon

1523

33,5

Neptuno

49500

Tritão

2707

18,3

(D1 e D2: Diâmetros planetas e luas R: Razão D1/D2)

 

Observando a tabela anterior e tomando como referência a Cintura de Asteroides (separando os Planetas Interiores/Mercúrio, Vénus, Terra e Marte, dos Planetas Exteriores/Júpiter, Saturno, Úrano e Neptuno) sendo fácil de concluir que se os primeiros (planetas mais perto do Sol) tendencialmente não possuiriam luas (ou então as teriam poucas e de diminutas dimensões se comparadas com o planeta orbitado) ‒ tal como Mercúrio e Vénus assim como Marte ‒ os segundos além de possuírem várias luas (dezenas) teriam sempre numa razão (R = D1/D2) muito maior do que a registada entre Terra/Lua: numa razão de 20/30X e nunca de 3/4X ‒ e com uma lua tão perto e tão grande se vista do nosso planeta. Ao contrário das outras luas (de pequenas dimensões face ao seu hospedeiro) sob a influência gravitacional de grandes corpos celestes, no caso da LUA (a nossa) com as suas dimensões (pouco mais de 1/4 do diâmetro da Terra) e proximidade (mais de 380000Km) a influenciarem decisivamente a Terra (o ecossistema do hospedeiro): como por exemplo com o aparecimento (evidente) das marés (alta e baixa) ‒ entre outros fatores afetando a Evolução (da Terra, Mineral e Organicamente) podendo ser um dos fundamentais para o aparecimento da Vida. Nesse sentido e ao se constatar a presença de um corpo celeste (menor) de tais dimensões/proximidade a um corpo celeste (maior) orbitando-o, ficando-se na dúvida se tal objeto (a Lua) teria sido criada simultaneamente com o restante Sistema (Solar) ou se teria chegado depois (às proximidades da Terra) e aí se fixado posteriormente (estabilizando-se a cerca de 150 milhões de Km do Sol e sendo capturado por um planeta interior muito semelhante a Vénus ‒ a cerca de 100 milhões de Km do Sol ‒ e com pouco mais de 12000Km de diâmetro a Terra) ‒ recordando a série de ESPAÇO 1999 com a LUA à deriva viajando pelo Espaço (tendo por um incidente ocorrido na Terra abandonado a órbita do seu planeta) mas aqui invertendo o sentido (e a história) colocando o satélite natural no seu destino final, a TERRA.

 

BRANDHD2398_THC_ACTA_189394_SFM_000_2398_15_201607

Mantendo-se um grande Mistério em torno do aparecimento da Lua desde tempos de tal modo distantes (recorrendo aos filósofos antigos, talvez nem tanto talvez para lá de 10000 BC) ‒ sendo uma das hipóteses mais credível a sua captura pela Terra muito ou pouco tempo no passado (de biliões a poucos milhões/milhares de anos) ‒ que muitos lhe atribuem uma (outra) função para além da sua mera presença, garantindo no seu Conjunto as condições para a existência de Vida na Terra; até podendo ser artificial

 

E tomando tudo em consideração podendo-se sugerir para a LUA (sem ferir suscetibilidades) três hipóteses para o seu aparecimento (e criação): um grande impacto (da Terra com um corpo celeste ou outros corpos menores daí advindo a Lua), a formação simultânea (no início da criação do Sistema Solar e por colisão de dois corpos celestes) e a sua captura (e até podendo ter sido roubada a outro planeta como por exemplo Vénus). Em qualquer dos casos aceitando-as apesar dos pontos contra e a favor de cada uma das três hipóteses apresentadas, mas nunca deixando de considerar como uma quarta alternativa (e provavelmente de muitas outras ainda a acrescentar) ‒ até por mencionada em registos feitos pelo Homem e como tal sendo muito mais recentes (com o Homem Erectus, o primeiro Homem mais perto do atual, a ser reportado a 1500 milhões de anos atrás e não a biliões como a Lua) ‒ a possibilidade da mesma ter surgido num tempo muito mais recente (se comparada com a História da Terra), vindo talvez de mais longe (da Cintura de Asteroides ou mais além) e talvez (deixem-nos Sonhar pois Sonhar faz parte da Realidade) com outros Desígnios (talvez mesmo e considerando-nos, de origem Alienígena e Artificial). Num tempo já não assim tão distante (bastando para tal deixar-nos pensar e imaginar) lembrando-nos dos dias em que a Lua não se via no Céu (reportado em escritos antigos) e em que o firmamento que se abria perante os nossos olhos (o nosso instrumento ótico primário) não era bem igual ao que hoje nos acompanha. Hoje em dia (2018 DC) mais de 4,5 biliões da anos depois de a Terra ter aparecido (e todo o Sistema Solar) e apenas uns míseros 1,5 milhões de anos decorridos sob o aparecimento da 1ª forma (mais definitiva) de Homem, mantendo-se o mistério:

 

Ancient Texts Speak Of A Time ‘Before The Moon’

 

“Many ancient writings speak of a time “before the Moon.” In turn, many scholars have quoted these works over the centuries. For example, Aristotle wrote of Arcadia, stating that the land was occupied “before there was a moon in the sky above the Earth.” Similarly, Apollonius of Rhodes spoke of a time “when not all the orbs were yet in the heavens.”The tribe of Chibchas in Colombia also has such notions in their traditional oral legends. They state, “In the earliest times, when the Moon was not yet in the heavens!” The wording sounds remarkably similar to that of Apollonius. Perhaps also of interest, particularly given the bizarre claims of the Moon being put into position around the Earth, are some Zulu legends which say that the Moon was dragged across space from a great distance. Most of these accounts also speak of intense disruption to the planet until the new heavenly body settled into its true orbit.” (top10lists.top)

 

(imagens: interestingimage.com e history.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:28

Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

17
18

21
25
27



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO