Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

09
Abr 18

A Europa deve tentar descobrir o que terá acontecido àqueles que mantiveram sem condições a fidelidade ao Império Romano, mesmo na sua fase de Decadência e até à sua Queda estrondosa.

(e em vez de certificados para ter um emprego e dinheiro, desejar usufruir de um tabalho recuperando cultura e memória)

 

trump-bomb.jpg

Trump Threatens Putin, 'Animal Assad' Over Syrian 'Chemical Attack';

Russia Warns Of 'Grave' Response If US Launches Strike

 

“Donald Trump weighs options in Syria, perhaps including missile strike, following chemical weapons attack”

(usatoday.com)

 

Numa Guerra Civil iniciada em 2011 (quando a Primavera Árabe atravessava todo o Médio-Oriente) e justificada por um lado (a Bomba) pela grave crise económica e pela falta de democracia (levando a manifestações anti regime por parte das forças da oposição) e pelo outro (o Rastilho) pela eterna (desde 1990) Guerra do Iraque (fazendo fronteira com o seu território) – desse modo acendendo o Rastilho e de imediato fazendo explodir a Bomba – a Síria do alauita e ainda Presidente Bashar al-Assad e já ultrapassada a barreira das 400.000 vítimas mortais (apenas entre a sua população civil), encontra-se de momento numa situação de Suspense Total face às provocações das forças contrárias à atual evolução do processo (EUA, Arábia Saudita, Israel e Aliados Ocidentais) e a outras oriundas daqueles que suportam o regime (Rússia e Irão):

 

Após a intervenção russa no conflito (como aliado da Síria, com conhecimento da ONU e após a invasão do país pelos terroristas do Estado Islâmico) – contando posteriormente com o apoio do Irão e agora com a solidariedade da Turquia – e no preciso instante em que se começava a vislumbrar finalmente alguma luz ao fim do túnel (cada vez mais estreito e impraticável), com o processo aparentemente a parecer querer reverter-se (num território já terraplanado como o tinha sido o Iraque, depois seguindo-se a Síria e estando em curso o Iémen/cada um deles com o seu respetivo genocídio), tornando-se de novo numa Guerra Geopolítica (entre EUA e Rússia) com outras interessadas que não a população síria.

 

Como se os milhares e milhares de mortos e a enormidade de população deslocada (mais de metade dos seus 20 milhões quase metade sendo jovens) – com mais de 5 milhões no estrangeiro, quase todos em países árabes localizados na proximidade – não fosse o Enormidade a resolver:

 

merlin_135957585_b45152e2-3f29-4c11-91fd-2d9a8993d

Syrian government forces backed by Russia and Iran have nearly retaken Eastern Ghouta,

A Damascus suburb where a chemical attack was reported on Saturday

 

E assim um ano após um pretenso ataque químico (nunca confirmado pelas instâncias internacionais) do regime Sírio no poder provocando dezenas de vítimas mortais (seguido de imediato por uma forte resposta norte-americana bombardeando uma base militar síria e também fazendo vítimas) – no caótico cenário de Guerra Civil podendo ter origem num lado ou no noutro lado (ou ainda noutro insuspeito e/ou talvez interligado) – e já depois de um cenário idêntico ter sido montado (e inserido) e imediatamente mediatizado na Europa – com os UK (e os seus jornais situacionistas e sensacionalistas) logo à cabeça (da manobra de propaganda) com o Incidente de Salisbury (implicando Putin na tentativa assassinato de um ex-espião russo em solo britânico) – chegando um novo Ataque Químico de novo pelas mãos do Presidente sírio Bashar e sob a cumplicidade do Presidente russo Putin (matando dezenas de pessoas e ferindo centenas).

 

Com os Israelitas (talvez avisando o regime de Bashar do que aí virá dentro de poucas horas) a entrarem no espaço aéreo libanês e a partir daí bombardeando instalações militares do regime (aeroporto) e provocando dezenas de vítimas (militares referidas como iranianas): e nas próximas 24/48 horas cumprindo-se o sugerido/prometido e confirmando-se a repetição (do ano passado), com Bashar al-Assad a levar a resposta adequada (e musculada) por parte de Donald Trump – e a Rússia que se cuide (assim como a China) face ao poderio norte-americano.

 

(imagens & legendas: ronpaulinstitute.org & Getty Images/nytimes.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:44

Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
18
21

22
25
27



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO