Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

04
Jan 19

[E os Chineses já Lá Estão.]

 

Com uma sonda espacial (terrestre e não tripulada) tendo como origem a CHINA a ser a primeira (do género) a tocar a superfície do OUTRO LADO DA LUA – a sonda CHANG’E-4 alunando ontem dia 3 de Janeiro de 2019 – este grande país asiático vira-se definitivamente para o Espaço como uma das formas (as outras prioritárias sendo a Económica e a Financeira) de se impor como uma das maiores potências Mundiais:

 

CHINA 1.jpg

 

Depois dos EUA e da RÚSSIA (ainda-por-cima agora que se prepara para a construção da sua própria Estação Espacial, num momento em que a ISS rapidamente se encaminha para o seu fim de vida) com a China a entrar neste grupo restrito e de dificílimo acesso e no Meio da História da Aventura Espacial do Homem, a poder intitular-se (a partir de ontem) como um dos pioneiros;

 

CHINA 2.jpg

 

E depois de norte-americanos e russos já terem alunado/circulado na superfície da LUA (os norte-americanos tendo mesmo presencialmente por lá passeado de carro/ROVER e a pé) mas na sua face visível (dado o movimento de rotação da Terra e de translação da Lua em torno de nós serem praticamente iguais – em torno de 24 horas – com o nosso satélite natural a apresentar sempre a mesma face virada para nós), agora com os chineses superando o obstáculo da interrupção nas comunicações (sendo a Lua o obstáculo) a alunarem mas (os primeiros a concretizarem-no) do Outro Lado da Lua (ou também como se diz/não sendo muito correto do Lado Mais Afastado da Lua ou do Lado Escuro da Lua/The Dark Side of The Moon).

CHINA 3.jpg

 

Tal como afirmam os chineses (e a sua Agência Espacial a CNSA) “abrindo um Novo Caminho da Exploração da Lua pelo Homem” e desde já colocando um olho em Marte, Júpiter e ainda nos asteroides.

 

(imagens: CNSA)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:14

Numa época em que os EUA apenas olham para o seu Umbigo (desprezando mesmo os seus mais fiéis aliados), não se percebe mesmo nada do que a Europa está à espera: numa altura em que (nomeada a sucessora de Merkel) já se deveria falar da falência da banca na Alemanha. E com os norte-americanos a olharem ainda mais a Oriente (Rússia, China e Irão).

 

The_Brandt_Line.jpg

A linha dividindo

O Hemisfério Norte Desenvolvido, Rico e Saudável

Do Hemisfério Sul em Vias de Desenvolvimento, Pobre e não recomendável

(atual)

 

Com o planeta Terra dividido em dois Hemisférios, o Hemisfério Norte e o Hemisfério Sul – com o primeiro deles a ser o Privilegiado e o segundo a ser o Esquecido (considerando-se o aproveitamento Civilizacional de todas as descobertas científicas e tecnológicas postas à disposição da Humanidade) – eis que um Evento ao nível da Extinção vem marcar uma alteração profunda no cenário desde há tempos observado no Hemisfério Norte: tragicamente, sob os nossos olhos e sem que se faça nada em contrário, com o Protagonismo deste Hemisfério a passar de Ocidente para Oriente. E como acontece sempre nestas ocasiões (a ocasião faz o ladrão) com o Predador julgando-se na Selva (e achando-se ainda o mais forte) a deslocar-se para o território das suas potenciais e novas vítimas: aqui com os Norte-Americanos a virarem as costas à Europa (entretida com o Brexit e com Putin) e sem hesitações dirigindo-se rumo à Ásia. Amanhã completando-se a Queda de um Império (depois do Romano, o Norte-Americano) e confirmando-se a sua substituição por um outro (previsivelmente o Império Chinês), ficando ainda por se saber qual o papel da Europa no Futuro da Construção do Mundo (que não só da Terra como também do Espaço). Nem sequer se falando aqui da Rússia com a China (talvez) já dominando o Mundo.

 

-1x-1.png

No início da 2019

Comparando as previsões de crescimento

Do GDP da China e da Europa

(1960/2018)

 

Progressivamente e de um modo aparentemente irreversível com o Eixo Económico Mundial (e por associação Financeiro) a transferir-se do Grupo centralizado em torno da região do Atlântico-Mediterrânico – liderado pelos EUA & apoiado pela (maioria da) Europa (sobretudo os mais poderosos) – para um novo Grupo centralizado na região do índico-Pacífico – liderado pela China & apoiado pela (maioria da) Ásia (sobretudo pelos mais poderosos) – deve ser no mínimo preocupante para a Europa (hierarquicamente considerado um subordinado dos EUA) não só o conjunto da Economia Asiática ter já ultrapassado a da América (continente) em 2016 como igualmente o do crescimento económico da própria China (visto individualmente) ser (desde já) cerca do triplo de uma vintena dos mais poderosos países Europeus (do Euro). Podendo-se assim afirmar ter chegado o Século da Ásia (século XXI) com a Europa (para além do colosso Chinês) a competir com países como o Japão, a Índia, as Filipinas, a Indonésia e a Coreia do Sul (entre outros).

 

THE_WORLD_MAP_OF_THE_FUTURE_(2018_-_3018)...WOW!.j

Uma possibilidade de divisão política/ideológica

Do nosso planeta Terra

Para um Futuro Mapa do Mundo

(apontando para o ano de 2038)

 

No presente início deste Ano Novo de 2019 DC, com um dos Eixos Virtuais (e fundamentais por civilizacional) da Vida do planeta Terra – o Económico/Financeiro – tendo já iniciado a sua irreversível deslocação – anos antes (claramente e para quem quis ver/dadas as consequências trágicas dessa cegueira) – e inclinando-se desde já vertiginosamente (quase 40⁰ em latitude) em relação à sua posição anterior – Washington latitude/38,9N e longitude/77,0E contra Pequim latitude/39,9N e longitude/116,4E e distando mais de 11.000Km – com a estratégica política de Donald Trump (esmagado pelos Média autointitulando-se representantes da Sociedade Civil) e da sua Administração Republicana (e Populista) mais uma vez realinhada com a tradicional opção política dos representantes desse partido – suportada pelo apoio incondicional da sociedade não civil apoiada pelo denominado Complexo Industrial Militar – a manter o rumo entretanto tendo vindo a ser consolidado, desde o abandono de Acordos Civis (como o das Alterações Climáticas, do Tribunal Penal internacional e agora da UNESCO) até à reorientação dos alvos militares (agora considerados) estratégicos: por algum motivo abandonando a Ucrânia e a Síria (deixando esses problemas para a Europa, como se já não bastasse a crise, as migarações e o Brexit) e reorientando todas as suas baterias (pelo menos as mais poderosas) tendo como alvo a Rússia, a China e claramente o Irão.

 

6a00d8341c82d353ef0133ed850e7c970b.jpg

Uma visão alucinante do planeta Terra

E da sua divisão geopolítica

Segundo um cidadão comum norte-americano

(citando cinabrio blog a partir de Wikileaks/George Friedman)

 

Para além da responsabilidade destas na deslocação do Eixo Terrestre convindo destacar igualmente o caso da Venezuela (o apêndice do Eixo do Mal da América do Sul): quanto aos países do Mundo com maiores reservas de Petróleo (por explorar e com 8 deles com perspetivas significativas) vindo em 1º lugar a Venezuela/13º produtor, em 4º lugar o Irão/7º produtor e em 8º lugar a Rússia/2º produtor). Ah…e ainda vindo a China em 15º lugar/6º produtor.

 

Pelo que não sendo surpreendente que face às tensões globais resultantes deste cenário agora envolvendo dois Blocos (ao contrário de apenas um, desde a inceneração definitiva, do extinto Bloco de Leste) – pelo Império ainda Reinante (EUA) integrando no menu ameaças e/ou chantagens (sansões), muito dinheiro ou papel (dólares) e ainda montes de armas – o elo mais fraco (antes tido forte) se vá (o Dólar) tão frágil é a sua base, assente num mero papel (sucumbindo o restante menu): bastando na troca impor idêntica correspondência em valor (real/efetivo) no objeto transacionado. E aí surgindo o OURO! Depois da China e da Rússia com outros países asiáticos – gigantes como a Índia, países charneira como a Turquia e produtores de petróleo (com grandes reservas) como o Irão – nas suas trocas comerciais (protegendo-se contra a flutuação da moeda) a começarem a exigir Ouro como forma de pagamento, não aceitando o papel (o dólar) e as consequências da (sua) adoção (impostas pela sua origem) – de trágicas consequências (na supremacia e poder global) para o Imperio atual (e para o colateral caso de Portugal).

 

(imagens: Wikipedia.org – Bloomberg – wikia.com – over-blog.es)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:54

01
Jan 19

Coincidindo com o início do ano de 2019

 

– E logo após a PASSAGEM DE ANO –

 

Disputa-se desde o meio-dia deste 1º de Janeiro (concluindo-se no dia seguinte) o grupo 1 da LIGA DOS CAMPEÕES:

 

Ronnie-O-Sullivan-John-Higgins-Scottish-Open-Snook

John Higgins

Sendo 4X Campeão do Mundo e 3 X Vice-Campeão do Mundo

Os dois últimos em 2017/Selby e logo de seguida em 2018/Williams

E como resultado (desse azar-de-duplo-impacto) ficando muito perto (em finais de 2018)

De um verdadeiro Ataque de Nervos

 

14ª Prova desta época integrando o principal Circuito Profissional (10 contando p/RM e 4 n/contando para esse RM e realizando-se por convite, caso desta Liga dos Campeões),

 

Este ano na sua 12ª edição e tendo como vencedores (anteriores) do respetivo troféu (mais do que 1X) o inglês JUDD TRUMP (por 3X) e o escocês JOHN JIGGINS (por 2X e atual detentor).

 

Liga dos Campeões de 2018

Final

John Higgins (ESC) – 3 Zhou Yuelong (CHI) – 2

(reconquistando o título conquistado em 2017)

 

E com a fase final a estar marcada para 13/14 de Março deste ano, com a disputa do Grupo final a concretizar-se na Arena Ricoch em Coventry (Inglaterra).

 

E nesse dia (por volta do meio-dia local) saltando logo para a mesa (de Snooker) 3 ingleses (Jack Kisovski, Jimmy Robertson, Robert Milkins) e 1 australiano (Neil Robertson),

 

Seguidos de imediato (por volta da uma local) por outros 3 ingleses (Ricky Walden Mark King, Anthony Hamilton).

 

Ranking Mundial

(atualizado a 31 de Dezembro de 2018)

Nas vésperas da disputa do Campeonato do Mundo (de 2019)

Com o TOP 16 (tendo acesso direto à fase final)

Dispensando as (incómodas e perigosas) três rondas (extra) de Qualificação

 

RM

(RE)

V/F/MF

J

N

RM

(RE)

V/F/MF

J

N

(3º)

1/0/2

Mark

Selby

ING

(14º)

1/0/0

Kyren

Wilson

ING

(4º)

1/0/0

Mark

Williams

GAL

10º

(5º)

1/1/0

Neil

Robertson

AUS

(2º)

1/1/1

Ronnie

O’Sullivan

ING

11º

(30º)

0/1/0

Shaun

Murphy

ING

(12º)

0/1/0

John

Higgins

ESC

12º

(9º)

1/0/1

Stuart

Bingham

ING

(6º)

1/0/1

Judd Trump

ING

13º

(18º)

0/0/0

Ryan

Day

GAL

()

2/1/0

Mark

Allen

IRLN

14º

(36º)

0/0/0

Luca

Brecel

BEL

(13º)

0/0/1

Barry

Hawkins

ING

15º

(15º)

0/0/2

Stephen

Maguire

ESC

(29º)

0/0/0

Ding

Junhui

CHI

16º

(8º)

0/1/1

Jack

LIsovski

ING

(RM: Ranking Mundial RE: Ranking Época V: Vitória Final F: Derrota Final MF: Atingiu Meia-Final J: Jogador N: Nacionalidade)

 

Numa competição em que o melhor que The Rocket (Ronnie O’Sullivan) atingiu foi ser finalista vencido em 2016 (derrotado na final por 3-2 pelo seu compatriota Judd Trump).

 

E para 12 (de Janeiro) estando previsto o início do MASTERS (no Palácio Alexandre em Londres de 13/20 do mês), uma prova por convite (n/contando p/RM) talvez com transmissão Eurosport. Se não só a 30 com o MASTERS da ALEMANHA (30 Janeiro/3 Fevereiro) e transmissão na TV.

 

[Logo neste 1º de Janeiro de 2019 com o jogador inglês Mark King a tomar a dianteira na 1ª fase do Grupo 1 (ao fim de 12 das 21 encontros sendo o único jogador ainda invicto), mantendo-se mais próximos na corrida o seu compatriota Ricky Walden e o australiano Neil Robertson (ambos c/1 derrota). Concluindo-se amanhã dia 2 este grupo e iniciando-se logo a 3 o Grupo 2.]

 

(imagem: Getty/express.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:41

[Passagem de Ano em Albufeira

Não pensando na Terra mas no Céu]

 

Passagem de Ano 2018/19

1 Janeiro 2019

O que revelam os Sinais recebidos pela NASA da sonda NEW HORIZONS

Que passou pelo objeto mais distante já explorado?

105007549plutoflybyportuguese640nc-b7645ced7d2edf4

Da Terra a Ultima Thule

A Caminhada da sonda New Horizons

Os Sinais confirmaram que a sonda conseguiu sobrevoar, fazer captura de imagens e análises científicas do corpo celeste conhecido como ULTIMA THULE

Um Mundo que está a cerca de 6,5 ​​bilhões de quilômetros de distância da TERRA e se tornou o objeto celeste Mais Distante já Explorado pela Humanidade.

(BBC Brasil/metrojornal.com.br)

 

E tal como prometido pela NASA com a sonda automática NEW HORIZONS depois de ter ultrapassado o planeta-anão PLUTÃO (antes de despromovido sendo o nono e mais longínquo planeta do Sistema Solar) a dirigir-se de seguida rumo ao CINTURÃO de KUIPER – para aí se encontrar com um dos inúmeros KBO (Kuiper Belt Object) neste caso ULTIMA THULE – e tal como o efetuado com o planeta-anão anterior durante o espaço-tempo disponibilizado, fotografá-lo e estudá-lo profundamente: ou não fosse ULTIMA THULE o Mundo mais distante até hoje atingido e estudado pelo HOMEM.

 

NASA's New Horizons spacecraft flew past Ultima Thule in the early hours of New Year's Day, ushering in the era of exploration from the enigmatic Kuiper Belt, a region of primordial objects that holds keys to understanding the origins of the solar system.”

(jhuapl.edu)

 

Jan1-2018_press-lease_Image1.png

Imagem do KBO e planeta-anão Ultima Thule

(na aproximação da sonda New Horizons a esse Objeto do Cinturão de Kuiper ou KBO)

 

Na Passagem de Ano de 2018 para 2019 e por volta das 05:30 da madrugada (em Portugal) do 1º dia de Janeiro deste Ano Novo de 2019 (por volta das 00:30 em Washington) com as câmaras (de alta-resolução) da NEW HORIZONS através da utilização do seu instrumento ótico LORRI (e na sua aproximação final ao seu objetivo) a fornecerem-nos as primeiras imagens (uma composição de duas imagens) de um dos parentes mais próximos e relevantes de PLUTÃO, o KBO denominado como ULTIMA THULE: aparentemente (e a partir das imagens e dados já recolhidos) com as suas dimensões a estarem próximas dos 16Km de largura e dos 32Km de comprimento e com a sua forma a aparentar a de um amendoim mais largo nas pontas e mais estreito no meio – podendo ser um único objeto (como que fundido a meio) ou então um sistema binário (integrando dois objetos, muito próximos e interligados). Com ULTIMA THULE girando no seu movimento de rotação (em torno de um Eixo virtual) como a figura seguinte sugere:

 

Jan1-2018_press-lease_Image1 B.jpg

Eixo de rotação virtual

(do KBO Ultima Thule)

 

"New Horizons performed as planned today, conducting the farthest exploration of any world in history — 4 billion miles from the Sun."

(jhuapl.edu)

 

Segundo os responsáveis da NASA (pela missão levada a cabo pela sonda NEW HORIZONS) debruçando-se agora sobre o Objeto Celestial mais afastado da TERRA neste preciso momento (1 de Janeiro de 2019) a ser visitado, fotografado e estudado pelo HOMEM – e depois de confirmado o movimento de rotação (e respetivo período) associado a ULTIMA THULE (antes nunca tendo sido confirmado), esperando-se agora (e deixando entusiasmados/excitados todos os cientistas) e tal como sucedido com Plutão, a chegada das primeiras imagens (em Alta-Resolução) deste NOVO MUNDO (situado nos confins do nosso Sistema e nunca visto por nós em imagens feitas por perto): tiradas a uns 4 BILIÕES de KM da TERRA por alguém já com fama (veja-se Plutão) de ser grande “fotógrafo".

 

"New Horizons holds a dear place in our hearts as an intrepid and persistent little explorer, as well as a great photographer."

(jhuapl.edu)

 

rotation.gif

New Horizons em aproximação a Ultima Thule

(a 31 de Dezembro de 2018)

 

Ultima Thule, 2014 MU69 ou 486958:

 

Um objeto celeste transnetuniano localizado no Cinturão de Kuiper (integrando o Sistema Solar), descoberto a 26 de Junho de 2014 pelo telescópio espacial Hubble, em relação ao Sol distando aproximadamente entre 42 UA (periélio) e 47 UA (afélio) – ou seja e em média 6.630 milhões de Km – e tendo um período orbital um pouco inferior a 300 anos, neste 1º de Janeiro de 2019 e pouquíssimo tempo após a Passagem de Ano sendo visitado pela 1ª vez por uma nave terrestre (para os potenciais visitados um artefacto alienígena), fazendo-lhe uma rasante de uns míseros 3000Km a 4000Km. O mais longínquo objeto alguma vez visitado (pelo Homem):

 

The New Horizons spacecraft will continue downloading images and other data in the days and months ahead, completing the return of all science data over the next 20 months. Nine years into its journey, the spacecraft began its exploration of the Kuiper Belt with a flyby of Pluto and its moons. Almost 13 years after the launch, the spacecraft will continue its exploration of the Kuiper Belt until at least 2021. Team members plan to propose more Kuiper Belt exploration.

(jhuapl.edu)

 

(imagens: NASA)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:36

Janeiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
14
18
19

20
21
22
23
24

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO