Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

25
Jul 19

[Do asteroide 2019 OK.]

 

asteroid-2019-ok.jpg

Trajetória do asteroide

No dia 25 do mês de Julho de 2019 (quinta-feira)

com um calhau de 100m deslocando-se a uma v=25Km/s

passando apenas a 70.000Km de distância da Terra

 

E eis que no dia seguinte à passagem de três asteroides nas proximidades da Terra a distâncias variando entre (máximo/mínimo) perto de 5.000.000Km e cerca de 350.000Km (asteroides com diâmetros variando entre 30/70 metros) − este último passando a uma distância inferior à distância Terra/Lua – praticamente sem aviso (mal se tendo notado) um outro asteroide faz uma tangente muito mais próxima ao nosso planeta: hoje com o asteroide 2019 OK de cerca de 80/100 metros de diâmetro a passar a apenas 70.000Km da Terra (e a uma v=24.5Km/s). Um NEO descoberto por uma organização de vigilância do Brasil dias antes (a SONEAR/Southern Observatory for Near Earth Asteroids Research) e talvez devido a algum problema de comunicação ou desvalorização do perigo (eminente) podendo estar ao mesmo associado, só sendo anunciado poucas horas antes da sua passagem (pelo ponto de maior aproximação à Terra), em casos algo semelhantes podendo (nem sequer se tendo tempo para nos prepararmos) ter consequências trágicas (caso a tangente passe a secante). Recuando pouco tempo bastando para tal recordar o mês de Fevereiro de 2013 e o meteoro de Chelyavinsk (com apenas uns 20 metros de diâmetro), a destruição pelo mesmo provocada e os cerca de 1.200 feridos registados – “felizmente” devido apenas à onda de choque, dado o meteoro ter explodido e desintegrado na atmosfera e a grande altitude (não existindo impacto direto/apenas a queda de pequenos fragmentos em zonas sem população). Agora com o decorrer do Verão e com a próxima chegada da Chuva de Estrelas – “e com a passagem recente e rente deste calhau” – sendo conveniente estar um pouco mais atento, não só com o que se passa em terra como também com o que se passa no Céu.

 

“Não tendo ainda batido, mas certamente um dia batendo”.

 

(imagem: SONEAR)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:55

[A Tarambola de Areia]

 

Verificando o nomadismo dos nosso companheiros animais (como o são as Aves) confirmando que só o que está morto está parado e confirmando que tal como connosco (acontece) por vezes alteramos o nosso desígnio (e destino) apontando por vezes aleatoriamente (sem limitações) para outras paragens

 

− Pela necessidade de Descoberta, de Experiência e de Conhecimento

 

fr_20190723_117376_1.jpg

Greater SAND PLOVER in Iceland

(registo: Guðmundur Falk)

 

A confirmação da presença na Islândia de uma TARAMBOLA-DE-AREIA, um pássaro nascido na Turquia, passeando-se pelos territórios desérticos da Ásia Central e inopinadamente aparecendo num cenário aparentemente desenquadrado:

 

Em Hvalsnes (península de Reykjanes) localizada a oeste de Reykjavik capital da Islândia (com tal acontecimento na Europa sendo em princípio um caso raro).

 

Um grande exemplar deste pássaro turco avistado (não pela 1ª vez, mas certamente perto disso) em território islandês, provável e proximamente ligado a uma outra espécie de aves locais (relativamente comuns na Islândia) a TARAMBOLA-RODEADA.

 

Num aparecimento extraordinário de um animal tão pequeno e tão frágil − a Tarambola-de-Areia − viajando entre pontos tão distantes e sob condições meteorológicas tão distintas (um Migrante).

 

Parcialmente e em proporção, tal como com a nossa Andorinha.

 

(imagem/legenda: Guðmundur Hjörtur Falk Jóhannesson, bird photographer/sott.net)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:47

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15

26



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO