Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

04
Nov 19

“Snowden Will Make First Public Appearance

Since U.S. Lawsuit at Conference Next Month”

(ijr.com/Reuters)

 

2019-09-14T195119Z_2_LYNXMPEF8D0PR_RTROPTP_4_EUROP

Edward Snowden

[Visível utilizando-se cabos]

Falando no Conselho da Europa via Web

Estrasburgo

15.03.2019

 

Agora que decorre de 4 a 7 de novembro a 11ª edição da WEB SUMMIT (contratualizada pelo anterior Governo de António Costa para uma duração de 10 anos de 2018 a 2028) – autointitulando-se a maior conferência europeia sobre tecnologias da Internet (realizada anualmente) e pretensamente convidando desde as grandes até às mais pequenas empresas da área (das empresas de Elon Musk, às pequenas start-ups) e desde figuras de topo (como CEO’S de empresas) até certos indivíduos trabalhando e estando associados (de uma forma ou de outra, direta ou indiretamente) a essa área tecnológica (de políticos e celebridades, a empresários e cientistas) – como por exemplo e só para mencionar alguns personalidades (oficiais, certificadas, credíveis, preferencialmente de topo e representativa das “forças vivas e jovens da Terra”) para além do já mencionado ELON MUSK (Tesla, Space X),  AL GORE (ex-Vice Presidente dos EUA) e EVA LONGORIA (atriz) pelo contingente estrangeiro e ANTÓNIO GUTERRES (Secretário-Geral da ONU), LUIS FIGO (futebolista) e DURÃO BARROSO (ex-Presidente da comissão europeia) pelo contingente português

 

Parecendo estar-se mesmo num cenário dedicado e replicado − por inspirado – não e como se esperava do género científico e /ou tecnológico, mas inserindo-se claramente e até por toda a envolvência “criada e ornamentada”, no campo do puro espetáculo de promoção social (individual ou coletiva) estilo “RED CARPET(com um toque MTV) : uma “Gala de Celebridades” onde para além de aparecerem (publicidade & marketing barato, com possíveis prazeres em anexo), “eles(as) distribuem entre eles(as) elogios e galardões − aqui denominada WEB SUMMIT.

 

Eis que tal como em todos os dias do ano, pertença (ele) ou não a um ano bissexto, se declarou pelo menos em Portugal e na WEB (pelo menos numa parte dela, com ligações à “Cimeira VIP”) − tal como noutros dias e noutros países se comemora o mesmo, talvez porque ”a comemoração do dia, tal como muitos feriados, seja móvel – o “Dia Mundial de Edward Snowden (4 de novembro de 2019) − numa iniciativa no que diz respeito a este whistleblower norte-americano, fugitivo e perseguido pela Justiça do seu país (e exilado/refugiado na Rússia), normal e habitual para o mesmo, participando noutras conferências do género mas não tão publicitadas (por alguma razão será) – com o mesmo a participar em direto via WEB no 1º dia da cimeira WEB e aí se entregando nos braços (naturalmente bem abertos, mas sendo feito à distância e nem sequer sendo um holograma − até para se constatar minimamente a sua “condição”) de muitos dos que sempre o ignoraram e ainda o ignoram (oferecendo-lhe graciosa e misericordiosamente todos os anos, o seu “Dia de Liberdade”): algo que Edward Snowden tem aceite com estas e outras participações (em fóruns/debates), mas certamente que não e habitualmente com este grande show (pretensamente elitista e de negócios) tão característico desta Sociedade que não do sujeito mas do Espetáculo (decorando o objeto, dando-lhe “alma (aura) exterior” e suplantando o sujeito) e tendo como molde de reprodução numa 1936ª versão (dessa outra réplica do molde) programas (“sem tutano, só conduto”) como “A Gala da Passadeira Vermelha − numa festa de 4 dias (4/início, 5, 6 e 7/fim) terminando num fim-de-semana (prolongado−  8, 9, 10/regresso a casa).

 

julian-assange-1.jpgKhatchadourian-Assange-Versus-Trump-Administration

Julian Assange

[Antes e Depois]

Antes do início do seu período como ”presidiário” (já indo em 7 anos) iniciado em 2012 (na embaixada do Equador em Londres) e continuando ainda em 2019 (numa prisão inglesa algures nas proximidades de Londres)

 

E Julian Assange?

Para quando a sua WEB SUMMIT?

 

E perguntando-se o cidadão-comum até por falta de informação (aqui só se falando de Edward Snowden, uma vez por ano) − julgando-o desaparecido ou morto como fugitivo à Justiça dos EUA (com muitos congressistas norte-americanos a acusarem-no de “filho-da-puta e traidor, devendo ser logo abatido”) – como o mesmo foi ali parar (“como numa Igreja, ao Altar”), mal sabendo ( nós, o povo) vir da Rússia, malfeitor nos EUA, esquecido em muito lugar e no fim sendo banido apenas por denunciar: sendo um WHISTLEBLOWER traidor (por denunciar crimes) ou “Terrorista Mau”, não sendo um LEAKER patriota (p/ perseguir Presidentes) ou “Terrorista Bom”. Até porque o outro está preso, pronto para ser transferido e sem culpa formada, já tendo sido (previamente e como exemplo) condenado: esperando-se para breve uma “SUMMIT (mas) do Jornalismo (obrigatoriamente com os sempre “monocórdicos, obedientes e na moda” portugueses), com os jornalistas a convidarem o seu colega ilegalmente perseguido, diminuído e preso – com tomates e já agora se necessário exibindo-os (tal como anos antes os mesmos o fizeram às autoridades, como rebeldes/não terroristas “mostrando-lhes o rabo”), exigindo a libertação imediata e a presença do seu colega JULIAN ASSANGE (com a ONU a considerar todo este processo ilegal, atentatório dos direitos humanos e chegando até à tortura), prevenindo antes que algo de pior aconteça, em vez de remediar tarde demais (como muitos “bem colocados e instalados” pretendem), bastando para tal (para quem ainda tem dúvidas sobre o seu estado físico e mental) olhar para ele (e ouvir o pai).

 

“Com os mesmos que os festejam (numa grande orgia)

sendo os mesmos que por algum tipo de direito ou de dever (estando bem integrados e interessados) de uma forma ou de outra (mais ou menos virtual, dada a nossa avançada degenerescência, metamorfoseando-nos de sujeito para subobjecto)

os mataram.”

 

(imagens: Vincent Kessler/Reuters − Rob Pinney/LNP/Shutterstock/newyorker.com e IANS/thestatesman.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:29

[Quase-Tangentes (ou rasantes) esperando-se que apenas passando (não parando, nem tocando), Tangentes pouco tocando e apenas o fazendo num ponto (esperando-se o melhor, se possível não alastrando), ou Secantes penetrando o Plano e transformando (deformando) o Espaço − onde na sua trajetória (este último) irá encontrar a Terra.]

 

Estando o asteroide 2019 UN3 incluído nos 61 objetos seus semelhantes passando perto da Terra − a uma distância menor que a da Terra/Lua (384.400Km) e desde o início do ano de 2019 − no global do nº de asteroides do ano de 2019 (até ao momento pouco mais de 60, passando a < 1 LD) podendo a vir a ser muito semelhante ao do ano de 2018 (77): pelo que a preocupação não resultará do possível aumento do número de “passagens próximas (que não tem sucedido) mas no aumento da capacidade técnica da deteção destes objetos se possível, descobrindo-os “muito e muito antes” e sem deixar passar nada no “filtro”. Mas o ideal, aconteça ou não aconteça, c/ um grande ou c/ um pequeno (e até podendo ser um Cometa) − e tal como sempre acontece em terra (na Terra) c/ o Homem para se prevenir, em vez de remediar, um dia (talvez para se salvar) a ter de partir (p/ o Espaço).

 

Asteroid-illus-NASA_JPL-Caltech-Large.jpg

 

Asteroide Florence, um dos maiores NEA − com cerca de 4Km (e passando relativamente perto, ainda a uns milhões de Km e até pela sua dimensão, podendo ser considerado um PHA) − felizmente sem previsão de impacto (tal como mais de 90% dos PHA)

 

Inesperadamente com o Objeto surgindo e sendo descoberto no “Horizonte Celeste” (às 14:45 UTC de 31.10.2019), poucas horas antes da sua passagem, neste dia (e felizmente) “sem paragem”. E se tivesse parado por cá como Estação (levando com um Grande calhau) ou como Apeadeiro (levando com um mais pequeno)?

 

No passado dia 1 de Novembro “Dia de Todos os Santos ou Dia dos Fiéis Defuntos (para os “Sagrados”) seguindo-se à noite de “Halloween” de 31 de Outubro (para os “Profanos”) – juntando “Morte” com “Doçuras & Travessuras− eis que mais um objeto vindo das profundezas da escuridão do Espaço faz mais “uma quase-tangente ao nosso planeta”, passando no seu ponto de maior aproximação à Terra a apenas (pouco mais de) 12.500Km de distância: e para demonstrar tratar-se de uma “distância menor (Objeto/Terra), sendo sensivelmente 30X menor que a distância Terra/Lua e aproximadamente igual ao diâmetro da Terra.

 

Com o asteroide 2019 UN3 passando pelo início da tarde de 31 de outubro sobre o continente Africano, depois da sua passagem a uma distância (de nós) de um “diâmetro da Terra”, caminhando de novo para o seu ponto mais afastado da sua trajetória ou afélio (passando por perto e influenciado entre outros pelo Sol e pela Terra) localizado no Cinturão de Asteroides. Apesar da distância (de passagem relativamente ao nosso planeta) sendo-lhe atribuído − dada a sua órbita e trajetória incerta (logo, o perigo de impacto) − o Código 7 (numa escala 0-9). Nos registos existentes sendo o segundo asteroide a passar tão perto da Terra, só sendo ultrapassado por um outro (por pouco) tendo por cá passado em 2011 (2011 CQ1). E estando já marcado um recorde para 2095 (asteroide 2010 RF12) com uma “quase-tangente, tangente ou secante” à Terra e com 6% de hipóteses de existir, colisão.

 

Felizmente tratando-se de um objeto menor de uns 1m/2m de dimensão e que impactando não teria grandes consequências para a Terra (evento menor), mas que no entanto e num contexto diferente (por exemplo de trajetória e/ou de dimensão do objeto) poderia ter graves consequências para o nosso planeta caso, em vez de lhe fazer uma quase-tangente fazendo-lhe uma tangente ou secante (tendo maior dimensão e/ou maior velocidade e/ou diferente ângulo de entrada, etc.) e impactando (parcial ou totalmente): não sendo por acaso que passando tão perto de nós a uma velocidade de quase 13m/s, o objeto 2019 UN13 com um trajetória tão próxima da Terra e pela sua aproximação do duo Terra/Sol de órbita tão incerta, seja definido como (relacionando-o com a possibilidade de impacto) de Código 7 (numa escala de 0/9).

 

asteroid-2019-mo-explodes-over-caribbean-sea-june-

 

Asteroide 2019 MO (grupo Alinda) de cerca de 5m de dimensão, entrando na atmosfera terrestre e posteriormente explodindo sobre o Mar das Caraíbas a 22.06.2019 (apenas 12h depois de ser descoberto) provocando ondas de choque registadas nas Bermudas

 

Com este objeto − um asteroide do grupo ATON normalmente circulando no interior da órbita da Terra e com um período inferior a 1 ano − vindo do Espaço (exterior à Terra e por desconhecido, potencialmente perigoso) apanhando-nos completamente desprevenidos e só sendo descoberto (no momento por “quase ninguém”) poucas horas antes do seu aparecimento − e em caso de necessidade “prevendo-se o pior (a Tangente ou Secante) sendo impossível de alguma ação preventiva e de segurança (para a Terra, para a Vida, para o Homem) − fazendo parte entre muitos outros do grupo de asteroides que passando mais ou menos perto de nós (na sua aproximação ao Sol, contornando-o) o fazem com AVISO ou SEM AVISO, no caso dos primeiros ainda se podendo fazer algo, mas tal já não sucedendo com os segundos. Talvez mesmo nem sequer dando tempo para pensar, apenas olhar e rezar.

 

Asteroides que tal como os Cometas e apesar de terem origens diferentes sempre têm preocupado e posto em alerta o Homem aquando das suas passagens por perto (da nosso planeta), uns tendo como remetente o Cinturão  de Asteroides (localizado a 330/480 milhões de Km do Sol) ou até mais distante o Cinturão de Kuiper (localizado a 4.500/7.500 milhões de Km do sol) − os ASTEROIDES – e os outros tendo como fornecedores a distante Nuvem de Oort (localizada entre um mínimo de 2000/5000 UA e um máximo de 50.000 UA, 100.000 UA ou até 200.000 UA) − os COMETAS. Para já não falar dos objetos INTERESTELARES como OUMUAMUA e BORISOV, oriundos de um outro Sistema, logo de outra(s) Estrela(s): e não sendo do Sol denominados como, Extrassolares – alguns mesmo atribuindo-lhes (até pela sua raridade) além do título de Alienígenas o de Artificiais (enviados p/ Algo ou Alguém).

 

Ainda uns dias antes (29 out) com outro NEA (2019 UB8 com 6 metros) a passar relativamente perto de nós (pouco mais de 190.000Km) para já na altura do 2019 UN13 (31 out) outros dois o acompanharem (um de 8 m a pouco mais de 750.000Km e outro de 20m a pouco mais de 1.500.000Km) e para finalmente passarem outros dois (a 1 e 2 de Novembro) a pouco mais de 190.000Km/17m e de 115.000Km/7m. Sabendo-se de antemão das características dos já descobertos (registados e definidos) NEA (Near Earth Asteriods) e podendo-se prever até como futuros e possíveis PHA (Potentially Hazardous Asteroids) as suas futuras aproximações (com alguns já apontados como potencialmente perigosos), mas por outro lado nunca se podendo vir a saber nada (ou garantir minimamente algo de positivo, de sobrevivência) sobre aqueles que sem aviso, repentinamente e sem que possamos fazer algo (para o impedir ou nos prepararmos) – com maiores parâmetros “destrutivos” que 2019 UN13 (descoberto e passando a 31 e definido apenas a 1, felizmente passando ao lado e sendo pequeno) de um momento para o outro aparecem à nossa frente e em possível rota de colisão com a Terra: muitos deles sendo descobertos já após a sua passagem (perto de nós), confirmando-se aí e apenas, não termos sido atingidos.

 

asteroids-1ld-2018.jpg

 

Comparação do nº de asteroides passando a menos de 1 DL (distância lunar = LD = 384.401Km) no ano de 2018 e de 2019, globalmente (nível anual) muito semelhantes; justificando a preocupação não ser a quantidade, mas a qualidade na sua deteção (antecipada)

 

asteroids-within-1ld-2019-by-november-2-2019.jpg

 

Num momento em que o SOL ainda se “afunda mais” na sua aproximação a um “Mínimo de Atividade Solar” assinalando a passagem do seu 24º Ciclo Solar (2008/2019?) para o 25º Ciclo Solar (2019?/2030?) − em ciclos aproximados de 11 anos – diminuindo a sua intensidade de ação, entre elas a dos seus “Raios Solares (dirigindo-se e incidindo sobre a Terra) e assim abrindo ou mesmo “escancarando as portas” a outros raios exteriores (ocupando o espaço livre deixado pelos raios oriundos do Sol) potencialmente mais perigosos (para a Terra, para a Vida, para o Homem) pelo menos enquanto esta atividade mínima solar se mantiver, sem Manchas Solares e sem CME’S: os “Raios Cósmicos (afetando ainda mais − que os Solares − todo o Ecossistema Terrestre); e num momento em que até se verificou (para além do asteroide e do ciclo solar) uma “tripla conjunção” – Lua, Júpiter, Ganímedes (1 das mais de 80 luas de Júpiter, 1 das 4 Luas de GALILEU) − visível a olho nu, no céu, ao anoitecer. Quando cada vez mais são anunciadas passagens próximas de objetos vindos do Espaço (como por exemplo os asteroides), não sendo preocupação única e tendo como aspeto negativo a sua quantidade (de registos, podendo estar a crescer como a manter-se na “média”) como e acima de tudo e para alguns (que poderão equipara-se a muitos, nas suas consequências) a sua grande imprevisibilidade − podendo de um momento aparecer não se tendo mais nada a fazer senão ver (num ponto da Terra sendo tangente, ou em todos sendo secante).

 

Num Sistema Planetário com cerca de (previsão) 150 milhões destes objetos (até ao presente quase 840 mil detetados) a circularem – “apenas considerando os mais visíveis, passíveis de deteção e com mais de 100m” − em trajetórias definidas mas podendo tornar-se (p/ diversas circunstâncias) algo instáveis (muitos deles orbitando entre Marte e Júpiter) – e apresentando dimensões variando entre 1m e 500Km – com as 4 principais preocupações a residirem na sua trajetória, na sua dimensão e no crescimento de aparecimentos (deste tipo de objetos), mas também e como seria lógico e do mais necessário, obrigatório e imediato conhecimento, a dependerem da maior antecipação possível das descobertas, cálculos e previsões destes episódios, não se evitando e/ou prevenindo, podendo ter consequências negativas. Sendo apenas necessário dinheiro (ou seja, investimento).

 

Mas mesmo assim (não havendo fortes investimento nestas áreas de observações, registos, cálculos, previsões e até futuras explorações) desqualificando-se a importância de tal assunto envolvendo a evolução diária do “Tempo no Espaço”, quando e persistindo neste mesmo termo conjugando “Momento e Consenso” − e segundo estudos recentes dos Média dos EUA tendencialmente (se não esmagadoramente) DEM – os norte-americanos se dividem entre dois grandes perigos talvez ao Nível da Extinção (pondo de lado o COMETA & HILLARY, agora na oposição) de ser impactado por um  ASTEROIDE ou então sê-lo por TRUMP.

 

[1UA = 150.000.000Km]

 

(imagens: NASA – Frankie Lucena/watchers.news – watchers.news)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:09

E à 5ª prova do Circuito Mundial de Snooker época 2019/20 − contando para o Ranking Mundial (RM) − o atual Campeão do Mundo e Líder destacado do RM (liderança agora reforçada) o inglês JUDD TRUMP, confirmando o seu estatuto de “Melhor do Mundo”, alcança a sua 2ª vitória (2 em 5 ou seja em 40% das provas): batendo no final da prova o tailandês Tepchaiya Un-Nooh (por uns esclarecedores10-5), mas apesar disso tendo-se de destacar a boa performance do jogador (o único asiático presente nas meias-finais) atingindo com toda a justiça a final depois de já ter ganho (prova antecedendo o World Open) o Haining Open: no Ranking da época (com 5 provas de RM realizadas) sendo já o Nº 4.

 

2019 WORLD OPEN

(Final)

 

Foto

 

e6fbf974c64df857bef686b8d114528d.jpg

 

 

thepchaiya-un-nooh-et5.jpg

 

Jogador

JUDD

TRUMP

TEPCHAIYA

UN-NOOH

Nacionalidade

ING

TAI

Ranking Mundial

22º

Evolução dos Frames

(1ª/2ª Sessão)

1-0; 1-1; 2-1; 3-1; 4-1; 5-1; 7-1: 7-1; 7-2

8-2; 8-3; 8-4; 8-5; 9-5; 10-5

Resultado Final

10-5

Prémio

150.000£

75.000£

 

TOP 10 RM

(4.11.2019)

    

jhiggins.jpg1200px-Ronnie_O%u2019Sullivan_at_Snooker_German_Ma

John Higgins à esquerda

(no 2019 World Open − prova concluída − o grande adversário de Judd Trump)

Ronnie O’Sullivan à direita

(na 2019 Champion of Champions − próxima prova − o detentor do troféu)

 

RM

(RE)

J

N

£

RM

(RE)

J

N

£

(1º)

JUDD

TRUMP

ING

1324

(3º)

MARK

SELBY

ING

714

(82º)

RONNIE

O’SULLIVAN

ING

958

(7º)

MARK

ALLEN

IRLN

605

(5º)

MARK

WILLIAMS

GAL

946

(2º)

SHAUN

MURPHY

ING

501

(32º)

NEIL

ROBERTSON

AUS

817

(10º)

KYREN

WILSON

ING

494

(9º)

JOHN

HIGGINS

ESC

718

10º

(17º)

BARRY

HAWKINS

ING

419

(RM: Ranking Mundial RE: Ranking época J: Jogador N: Nacionalidade £: Libras)

 

Concluído o WORLD OPEN (9ª prova da época/5ª contando p/RM) seguindo-se já a partir de hoje (04.11 a 10.11) a CHAMPION OF CHAMPIONS (uma prova por convite – a 5ª da época − não contando p/RM), com 16 jogadores convidados tentando destronar Ronnie O’Sullivan (o detentor do troféu) e ganhar o prémio (para o Vencedor) de 150.000£. Regressando a 11 de Novembro (próxima segunda-feira) as provas de RM (6ª prova da época) com a disputa (até 17.11, dia da Final) do OPEN da IRLANDA do NORTE: com a Final marcada para 17 (novembro) e cujo detentor do troféu é … Judd Trump (prova já c/ transmissão Eurosport). E até ao fim de 2019 ainda se realizando (provas de RM) o UK CHAMPIONSHIP (detentor do troféu Ronnie O’Sullivan) e o OPEN da ESCÓCIA (detentor Mark Allen).

 

(imagens: bbc.com −snookerhq.com – snooker.org – wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:30

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
22

28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO