Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

06
Fev 21

Sendo na realidade um sismo ─ não um terramoto (não sendo de grande amplitude, mas fraco/impercetível) ─ foi hoje registado (sábado, 6 de fevereiro, pouco antes das seis da manhã) nas estações da Rede Sísmica do continente, um sismo (a uma profundidade de 22Km) de amplitude M 3.0 (na escala de Richter) a este de Vila do Bispo/Algarve (37.08 N/8.88 W).

 

1755_earthquake_hits_albufeira___terramoto_de_1755

 

Tendo por experiência própria (dos nossos antepassados) e como referência (pelo evento extremo) o Sismo de Lisboa de 1755 (seguido de maremoto) ─ o qual “teve um enorme impacto político e socioeconómico na sociedade portuguesa do século XVIII” (wikipedia.org) atingindo igualmente o Algarve com este tipo de fenómenos deixando-nos sempre preocupados até pelo passado e pela reduzida proximidade (às falhas e à região ativa do Mediterrânico).”

 

Com o IPMA a informar o mesmo (apesar de fraco) ter-se sentido no concelho de Aljezur (mais intensamente) e ainda nos de Lagos e de Lagoa (com menor intensidade).

 

2.jpg

 

“Um sismo de magnitude 2.7 foi sentido, c/ maior intensidade na região dos concelhos de Oeiras e Cascais e também Almada; o epicentro localizou-se a cerca de 10 km a sul de Oeiras, na zona do delta do Tejo.” (IPMA/ipma.pt//01.02.2021)

 

Seguindo-se a um outro terramoto, perdão sismo, registado no passado dia 31 de janeiro (um pouco antes do meio-dia) em Lisboa (especialmente) na zona de Cascais/Oeiras (epicentro a S Oeiras ─ 38.61 N/9.33 W ─ a 2Km de profundidade), atingindo uma amplitude M 2.7 e minimamente sentido/impercetível.

 

(imagens: FlyPontes/deviantart.com e manual adotado/athena-xxi.blogspot.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:28

Albufeira quer perpetuar testemunhos locais

sobre a pandemia de Covid-19.

Projeto “Histórias e Memórias Pandemia 20-21”

lança o desafio aos albufeirenses.

(Elisabete Rodrigues/sulinformacao.pt/06.02.2021)

 

Covid-19

 

img_900x508$2021_02_05_21_59_13_1010915.jpg

Pandemia/Morte em casa de doentes Covid-19

Bombeiros de Algueirão-Mem Martins chamados para três casos.

Não há dados oficiais de quantos morrem em casa.

 

Falta de seringas atrasa vacinação da Covid-19.

Há distribuidores que esgotaram stocks de seringas e agulhas e fornecedores não satisfazem os pedidos.

(Edgar Nascimento/cmjornal.pt/06.02.2021)

 

214 mortos e 6132 infetados por coronavírus nas últimas 24 horas em Portugal.

Há menos 254 doentes internados, 13 dos quais em UCI após dias em subida constante.

(cmjornal.pt/06.02.2021)

 

DGS prevê aumento brusco de mortos nos próximos dias e pede alargamento de horários a cemitérios e crematórios.

Autoridades pedem que se evite rotura de stocks de urnas.

(Secundino Cunha/cmjornal.pt/06.02.2021)

 

Doentes infetados com Covid-19 morrem em casa sem assistência.

Em apenas três horas, os Bombeiros de Algueirão-Mem Martins, Sintra foram chamados para três casos.

(Tânia Laranjo/cmjornal.pt/06.02.2021)

 

Covid-19 Diretor de Medicina Intensiva no Hospital de São João: “Os próximos dez dias serão os mais desafiantes dos meus 36 anos de médico”.

Os epidemiologistas calculam o máximo de ocupação dos Cuidados Intensivos no fim da próxima semana. Teremos as camas necessárias?

(Rui D. Silva/expresso.pt/06.’2.2021)

 

Derivados

 

Screenshot_2021-02-06 Desempregados estrangeiros n

Estrangeiros/Desemprego por nacionalidade no Algarve

E ainda outros países Americanos (115), Moçambique (40), S. Tomé e Príncipe (30) e outros países da Europa de Leste (20)

de um total de 31.313 desempregados em dezembro de 2020

 

Disparam despedimentos de mulheres grávidas.

Pareceres da Comissão para a Igualdade do Trabalho e no Emprego aumentaram 51% e comunicações de não renovação de contratos 20%. A pandemia trouxe consigo uma crise laboral que não é nem neutra, nem simétrica.

(Joana Amorim/jn.pt/06.02.2021)

 

Mais de um quarto dos desempregados no Algarve são estrangeiros.

Desempregados de países asiáticos, que não falam português, «são uma preocupação».

(Nuno Costa/sulinformacao.pt/04.02.2021)

 

COVID-19: Mais 214 óbitos e 6.132 novos casos nas últimas 24 horas. Bebé de sete meses é uma das vítimas mortais. O boletim da DGS revela também uma diminuição no número de internamentos quer em enfermaria quer em cuidados intensivos. (cmjornal.pt/06.02.2021)

 

(imagens/legendas: dados cmjornal.pt e sulinformacao.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:14

A scientific detective story starting with a single patient in Pittsburgh unearths how the SARS-CoV-2 virus mutates to create new variants, including the UK strain B.1.1.7, and escapes neutralizing antibodies.

(University of Pittsburgh/February 3, 2021/sciencedaily.com)

 

210203144533_1_900x600.jpg

 

Agora que a poderosa raça dominante reinando no planeta Terra (o HOMEM) combate diariamente e a céu aberto (com toda a força e pulmão) contra um micro inimigo invisível e mortal (o SARS COV-2), eis que é o organismo vivo mais pequenino a parecer ter a melhor estratégia de intervenção (de pequenino se torce o pepino) e a estar (aparentemente) mais próximo de vencer.

 

Frente a esta mega invasão, interpretada (decretada) como extrema e inesperada (e ao deixa andar) ─ apesar de todos os antecedentes, como o SARS, o MERS  e até o Ébola ─ afetando os 8 biliões de terrestres, face ao novo recurso-de-guerra pelo Homem criado para se defender (sobreviver) agora materializado nas vacinas, com o vírus a ripostar alterando o seu código (dissimulando-se).

 

"You can't fix what's not there.

Once it's gone, it's gone,

and if it's gone in an important part of the virus that the antibody 'sees,'

then it's gone for good."

(Paul Duprex/University of Pittsburgh)

 

Evitando (capacidade de prever) ser destruído com possíveis ataques (de agentes inimigos externos) como a introdução das vacinas (contra a ação do SARS COV-2 ─ original ─ e respetiva pandemia Covid-19), metamorfoseando-se dando origem a novas estirpes (variantes do vírus inicial) reduzindo a eficácia das vacinas ou mesmo tornando-as ineficazes (ultrapassadas no combate).

 

Para tal ao apagar (manifestação de inteligência e organização) partes da sua sequência genética (do SARS COV-2) detetável pelos anticorpos originados (instalados no corpo) pelas vacinas, como que se lhe mudando as matrículas, tornando-os inidentificáveis/invisíveis e confundindo na sua função (objetivo e diretivas de combate) os anticorpos aliados (inseridos pelas vacinas).

 

(imagem: dottedyeti/stock.adobe.com em sciencedaily.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:25

Fevereiro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO