Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nem mesmo o Super-Homem, tinha mais poder que a Terra

Terça-feira, 10.08.21

Uma visão do Inferno oriunda dos EUA (do outro lado do Atlântico, do outro lado da América do Norte), mostrando-nos um dos estados norte-americanos afetados desde há vários anos por uma seca podendo ser considerada “extrema” (a Califórnia), nesta época do ano (como noutras, dado o abandono a que a floresta está votada) sendo especialmente atingida por incêndios de grandes proporções:

Como se já não bastasse a extrema falta de água (agora com os fogos florestais) e o problema da forte sismologia (dada a deslocação de placas tectónicas) outro grande problema dessa região (e nunca se podendo esquecer a existência no centro dos EUA, do SUPER VULCÃO DE YELLOWSTONE).

qWS36CF8FuUsuvQqo58bWY.jpg

Veado vagueando numa densa nuvem de fumo

e tendo atrás de si um conjunto de carros calcinados,

durante um grande e recente incêndio ocorrido na Califórnia

(Greenville, 6 de agosto de 2021)

 

Num incêndio em curso desde meados do mês de julho, dada a sua grandeza no espaço (grande extensão de terreno) e no tempo (mais de três semanas), sendo considerado o maior incêndio florestal de sempre, ocorrido no estado norte-americano da Califórnia:

Queimando florestas, incendiando casas, matando animais e pessoas e no fim, completamente destruída a Natureza e estando esta calcinada, terraplanando localidades inteiras. Sendo um Inferno e estando tudo a arder, para muitos deles e de nós (colocados em situações semelhantes e sem qualquer tipo de auxílio) não havendo muito a fazer ─ tal como aconteceu a quase uma centena de portugueses morrendo queimadas ao fugir, tal como aqui acontece ao veado na prática estando cercado (sem fuga possível) e não conseguindo visionar um caminho, por onde se escapar “são e salvo”.

Eventos como os da Califórnia podendo-se encontrar disseminados um pouco por todo o Mundo, na análise global e atual da situação ambiental e do ecossistema terrestre divulgada pelas autoridades oficiais (certificadas pelos Governos, pela autodenominada elite política) tendo (inevitavelmente) já um culpado identificado, desse modo não nos deixando ver todos aqueles que o acompanham ─ evitando ao mesmo tempo, terem as autoridades de tomar alguma posição ─ podendo até pô-las em causa e simultaneamente, atirando a resolução do problema (mais uma vez) um pouco mais para a frente:

E assim em vez de se agir rapidamente (evitando-se a propagação da “doença”), passando-se pelo contrário todo o tempo “na conversa fiada” (acessória, sem sumo) ─ sobre o Degelo nos Polos, o Aquecimento Global e as Alterações Climáticas (temas na lista de preferência dos tags) ─ apontando unicamente o Homem por tudo o que se passa neste planeta ─ como se tal fosse possível, como se a Natureza valesse tão pouco (face ao Homem).

Sabendo-se no Mundo estarmos perto dos 8 biliões de seres humanos, dos 10.000 triliões de formigas (para já não falar das baratas) e ainda que tal como na Grã-Bretanha, cada país poderá ter no seu território “ratos aos biliões”.

Um dia (como hoje) comendo-se tudo isto.

Muito antes do Homem se convencer da sua dimensão “mais que minúscula” face ao tamanho do planeta que hoje habita (mesmo face a muitas outras espécies que persistirão depois de nós, até pela sua quantidade e resistência aos extremos climáticos, sendo nós e agora os “novos dinossauros”) ─ a TERRA ─ tomando consciência de que mesmo que o Homem influencie a evolução da Vida à superfície da Terra e todo o seu Ecossistema Natural (e a sua transformação), considerando o real poder de cada um (o Homem e a Terra), o peso do Homem será sempre miserável quase que desprezível face ao contributo brutal das forças cósmicas da Terra e da Natureza.

Com a verdadeira força do Homem a não estar na sua capacidade de destruir um planeta, mas na sua capacidade de se autodestruir/de se extinguir a si próprio (por exemplo com todo o seu arsenal nuclear, ainda por utilizar) desaparecendo, mas mantendo-se no fim e apenas a Terra (com os animais e plantas sobreviventes, donde sairá a “nova versão, de espécie dominadora”).

E se os Eventos Apocalípticos se sucedem, para além de uma pequena contribuição humana para estes acontecimentos ocorrerem (geralmente diminuta), com a causa principal para tais desastres (em territórios no presente ocupados por humanos) a estar no facto de “a Terra estar bem Viva” (geologicamente) e sempre em movimento (ao contrário por exemplo do nosso vizinho exterior Marte), a nível da crosta terrestre com regiões agora afundando-se enquanto outros se erguem chegando (talvez de novo) à superfície ─ tornando natural, obviamente e como muitas outras vezes (antes) se terá passado, por evolução e não por intervenção do Homem, territórios antes acessíveis em zonas interditas.

Se existir algum culpado (sendo-o, no entanto, apenas para nós, julgando-nos mais uma vez o centro, até para as coisas más), só podendo ser o protagonista, a Terra.

(dados e imagem: Josh Edelson/AFP/Getty Images/livescience.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:55

Da Francesinha ao Sargo-de-Dentes

Segunda-feira, 09.08.21

Passada a noite anterior sem notícias de alguma “imbecilidade social” ─ tão típica desta SILLY SEASON de agosto ─ sem destruição de semáforos de trânsito (Oura/Albufeira), sem destruição de esculturas representativas (gárgulas do Moto Clube de Faro) e sem a vandalização de monumentos nacionais (Padrão dos Descobrimentos),

Aproximando-se a hora do almoço e passando os olhos pelo cardápio de alguns restaurantes próximos (de Albufeira, já agora e por curiosidade, do Algarve) e tendo obviamente acesso ao mesmo via Web,

hcmp237592_1133032.jpeg

Francesinha

(Francesinha em Casa)

 

Indo ter à página do Facebook de “Francesinha em Casa” (Portimão/restauração/nacional) ─ chamando-me desde logo a atenção por ser natural do Porto e seu apreciador (desde que me conheço e comi a primeira) ─ propondo em vez da deslocação, a entrega ao domicílio da sua especialidade e menu único/especializado a “FRANCESINHA”.

Por sinal havendo umas boas francesinhas por estes lados (Albufeira) ─ por exemplo nas Ferreiras ─ e acrescentando ainda sobre a “Francesinha da Casa”, a curiosidade de nas suas variações (no início só existia uma francesinha, nada de bifes, de ovo estrelado ou batata frita a acompanhar) incluir a versão Vegan, eliminando na francesinha um dos seus componentes principais/originais, a carne.

Mas deixando em paz a francesinha, esperando comê-la brevemente no Porto (comendo hoje ao almoço restos do jantar indiano de ontem, agora ainda mais saboroso), mesmo antes de colocar os dentes no meu saboroso almoço (um prato mais picante do que o outro) e arrefecendo um pouco mais antes de voltar de novo a aquecer (com o picante),

230631300_4382169448508222_4809903831986118602_n.j

De lado

Sargo-de-Dentes

(Archosargus Probatocephalus)

230432601_4382169431841557_6258397370641344570_n.j

De frente

 

Ao tocar de novo no teclado do computador indo acidentalmente ter a outra página do Facebook, agora a “Jennette’s Pier” (Carolina do Norte/Pesca/internacional):

E aí sendo apresentado ao SHEEPSHEAD (Archosargus probatocephalus) ou SARGO-DE-DENTES, de lado parecendo uma espécie de Sargo comum (tal como o conhecemos por cá) de frente e como muitos humoristicamente comentaram (em “Jennette’s Pier”), apresentando uma dentadura (um peixe com dentes de um “humano”) deixando alguns de nós ─ não os tendo (como o tem o peixe) com muita inveja (não sendo para já, esse o meu caso).

Como omnívoro que é e “imitando-nos”, estando apetrechado de dentes molares e ainda de incisivos (os dentes que lhe dão aquela expressão de “humanoide”), comendo um pouco de tudo o que vai apanhando do mar e não constituindo apesar da sua “dentição” nenhum perigo para o Homem, pois tal como se refere não havendo notícia de algum mergulhador ter sido mordido por um peixe como o Sargo-de Dentes.

1280px-Sargo_común_(Diplodus_sargus),_Madeira,_Po

Sargo

(Diplodus Sargus)

 

Um peixe da família do Sargo ─ sendo este originário da costa leste do oceano Atlântico e distribuindo-se do Golfo da Biscaia (localizado entre a costa norte de Espanha e de França) à ponta sul de África (África do Sul) passando por Portugal ─ vivendo no outro lado do oceano e estando presente da costa leste dos EUA até às costas do Brasil:

E não se tendo notícia de morder, sendo como cá com o Sargo (no Algarve a capturar/consumir no Inverno, podendo variar a altura conforme a região), um peixe delicioso de se saborear, muitos (norte-americanos) afirmando ser do melhor (um pitéu gastronómico).

Talvez devido à sua comida favorita, andando entre ostras, ameijoas e crustáceos.

(imagens: Jennette’s Pier/Facebook.com ─

Francesinha em Casa/happycow.net ─ Diego Delso/wikipedia.org)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:14

Se o Preto não é Cor, é este que a Define e a Destaca

Segunda-feira, 09.08.21

“Sendo a profundidade do céu noturno e escuro,

a testemunha vital de tal complemento.”

Observando o registo fotográfico do estoniano MÄRT VARATU (de 6 de agosto de 2021) oferecendo-nos uma perspetiva do céu noturno sobre a cidade de HAAPSALU (cerca de 58,6° de latitude norte),

Mart-Varatu-airglow_1628352300.jpg

Palete de Cores Natural 1

Noites coloridas oferecidas pelo Sol (raios ultravioleta)

interagindo com a Terra (atmosfera)

 

Concordando em absoluto que o céu tal como o vemos todos as noites nunca é completamente escuro ─ muito pelo contrário ─ tendo sempre algo para nos oferecer, desde uma momentânea passagem de uma estrela cadente, a uma noite iluminada de LUA CHEIA,

E passando obviamente pelas noites cheias de estrelas no céu (brilhando com uma miríade de cores, nas profundezas mais ou menos longínquas do Espaço) e ainda, pelas muitas noites em que devido à ocorrência de fenómenos mais próximos,

A atmosfera que nos envolve colaborando, podendo-nos proporcionar outros Eventos de Luz, iluminando e colorindo os céus, de muitas das nossas madrugadas: muitas delas nem vistas, mas pelo menos sendo sonhadas (a dormir, ou acordados).

Explicando-nos (com a colaboração do site spceweather.com) que os raios ultravioletas que todos os dias atingem o nosso planeta muitos deles sendo “filtrados” pelo Sol ─ mas com outros passando e podendo-nos atingir estando expostos (como na praia nos dias de maior calor e nas horas de maior incidência)

Provocando aquando do seu impacto e penetração na mesma camada gasosa exterior protegendo o nosso planeta e à sua passagem, reações químicas,

Persistem mesmo terminado o dia durante o período noturno, oferecendo-nos aí céus com cores e tonalidades diferentes e das mais variadas, fixas ou cintilantes, maiores ou menores, mais ou menos afastadas, umas podendo estar vivas outras por outro lado já mortas (chegando-nos ainda hoje imagens, de antes do seu desaparecimento).

No caso aqui exposto explicando-se o aparecimento no céu noturno das cores verde e vermelha, ambas estando associadas aos nossos conhecidos e atrás mencionados raios ultravioletas (enviados para a Terra pelo Sol), este domingo (uma informação para quem vai à praia) no nível UV9 (muito elevado).

Eduardo-Schaberger-Poupeau-Spotless-Sun-APOD-08-07

Palete de Cores Natural 2

Dias c/ manchas solares sugerindo um aumento de atividade,

agora c/ o Sol apresentando-se limpo de manchas

 

Nessas reações (químicas) iniciadas durante o período do dia (atingindo um pico máximo nas horas de maior calor, entre as 11:00 e as 15:00), podendo-se assistir posteriormente durante o período noturno e quando uma radiação ultravioleta atinge um átomo de oxigénio,

Esta (reação) manifestar-se através da emissão de cor verde (tudo isto a 90Km/100Km de altitude), enquanto ao atingir iões hidroxilos (formados por um átomo de oxigénio e um átomo de oxigénio) então manifestar-se aí de cor vermelha (aí a uns 86Km/87Km de altitude).

E depois de falarmos de algumas cores desta “palete de cores infinita” proporcionada pela “escuridão do céu”, em princípio limitada e claustrofóbica (como se a escuridão ou o silêncio não pudessem ser o oposto daquilo que pensamos ser),

Faltando-nos acrescentar que qualquer noite é boa para colocarmos a cabeça de fora e usufruirmos o céu colocado sobre a nossa cabeça (qualquer dia nem olhando para acima não o conhecendo, confundindo-o, tal como o fazemos ao confundir na sua identificação, uma galinha viva com um frango rodando no espeto):

Podendo-se usufruir gratuitamente de espetáculos de grande beleza (vejam-se as auroras boreais a altas latitudes), ainda por cima na altura em que passando nas vizinhanças da trajetória de um cometa (indo atravessar essa região) ─ cometa 109/P SWIFT-TUTTLE ─

Estarmos cada vez mais próximos da chegada da “Chuva de Estrelas das Perseidas”.

Com a última previsão a apontar os dias ideais como 11/12/13 de agosto e com a frequência de “estrelas” a andar por mais de 100/hora (cerca de 3 a cada 2 minutos, nada de especial) ─ não se confirmando a frequência (sendo ainda mais baixa) podendo até dar para se adormecer.

(imagens: Märt Varatu e Eduardo Schaberger Poupeau/spaceweathergallery.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:31

O Verão, Albufeira e a AS³

Domingo, 08.08.21

[AS³: “Alien Silly Season Structure”]

SnapShot-20210808_034914.jpg

Fig.1

Luz (04:00)

 

“Este fim-de-semana e existindo já uma estrutura (de origem algarvia) na Praia.”

Num conjunto de três (+1) imagem da Praia do PENECO (figuras 1/2/3 e 4) obtidas pouco antes das 4 horas da madrugada deste domingo 8 de agosto de 2021 ─ apenas com uma testemunha presente não identificada (podendo ser alienígena/estrangeira), circulando na estreita passadeira de madeira atravessando o areal (na direção da “LUZ”, figura1) ─ deslocando o campo de visão de ocidente para oriente (virando-nos na direção da Praia dos PESCADORES) sendo imediatamente surpreendidos pela presença próxima de um objeto não identificado (um ONI, figura 2) como que suspenso no ar ou então, flutuando sobre as águas escuras e calmas da baía de ALBUFEIRA (mesmo em frente ao acesso à praia pelo Túnel, existente sob o Hotel Sol & Mar).

SnapShot-20210808_034726.jpg

Fig.2

ONI (04:00)

 

Uma estrutura estranha aparecendo inopinadamente por cá, deixando-nos a pensar que no mar não existirão só peixinhos, mas igualmente uns “peixões” talvez voadores e bem estranhos ─ e para cá virem (a esta terra/neste momento) tendo certamente que conhecer alguns “pescadores” (mesmo que agora não tenham praia). Com o aparecimento deste ONI na praia do PENECO em Albufeira sem que ninguém que se saiba a dar pela sua presença ─ exceção feita ao alienígena certamente que não sendo mexicano, mas até podendo ser (apesar de tudo e do Covid-19) inglês, caminhando em direção à “LUZ”,

─ E sabendo-se simultaneamente da estreita ligação preferencial de Albufeira (ou não fosse a capital desta monocultura turística) com a Rede de Telecomunicações Alienígenas, mais conhecida por RTA ─

SnapShot-20210808_034624.jpg

Fig.3

Desaparecido (04:00)

 

Com o aparecimento deste ONI na praia do PENECO em Albufeira sem que ninguém que se saiba a dar pela sua presença ─ exceção feita ao alienígena certamente que não sendo mexicano, mas até podendo ser (apesar de tudo e do Covid-19) inglês, caminhando em direção à “LUZ” ─ e sabendo-se simultaneamente da estreita ligação preferencial de Albufeira (ou não fosse a capital desta monocultura turística) com a Rede de Telecomunicações Alienígenas, mais conhecida por RTA ─ com a parte central do edifício da CMA a ter no seu cimo (tal sendo “revelador”) literalmente um “disco-voador”, possivelmente equipado com uma antena (de telecomunicações)

Adensando-se o mistério e as suspeitas de que tal Evento poderá ter algo a ver com alguma atividade secreta da autarquia em ligação com Entidades Externas, tendo em vista o ato eleitoral (autárquico) a decorrer dentro em breve não só no país como nesta cidade. Mas tendo atenção à doença e sem certificado, c/ o protagonista a pôr-se ao fresco (desaparecendo ou transformando-se, figura 3).

SnapShot-20210808_185129.jpg

Fig.4

Holograma (19:00)

 

Para no mesmo dia, mas agora pouco antes das 19:00 horas (ainda com pessoas na praia, aqui e agora, havendo testemunhas) sendo de novo surpreendido e agora igualmente sobressaltado, olhando para o mar onde antes se situava o ONI (por volta das 04:00 horas da madrugada) estando agora lá colocado um objeto em sua substituição (como se vê na figura 4) para mim sendo este um holograma, um objeto de diversão (de “distração”) para os usurários da praia.

Questionando (de novo) o que faria de madrugado um individuo percorrendo a pé o estreito estrado de madeira colocado sobre a areia de uma praia completamente deserta, nesse momento apresentando mesmo ao lado dele e logo ali sobre a água um espetáculo inesperado de se ver naquele ambiente (marinho) e horas depois não existindo vestígios dele, mas curiosamente no mesmo local aparecendo outro “artefacto” sugerindo-o, como que desmentindo categoricamente (ridicularizando-a) a sugestão anterior. Nem na “SILLY SEASON” se podendo acreditar em OVNI’S/UFO´S/UAP’S.

(imagens: albufeira.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:27

2º Verão Covid-19 (2021)

Domingo, 08.08.21

Neste 49º dia de VERÃO (de um total de 93), a indicação gráfica da evolução da Pandemia COVID-19 na região do ALGARVE (2º Verão Covid-19), a nível de INFETADOS/DIA e de ÓBITOS/DIA durante os primeiros 49 de 93 dias (quase 53%) desta estação.

Imagem1.jpg

Algarve

Verão 2021

 

Podendo-se já ter ultrapassado na região o pico máximo de atividade desta última vaga Covid-19 (entre a 2ª/3ª semana de julho) ─ com o nº de Infetados/dia tendencialmente em descida ─ mas com o nº de Óbitos/dia a não refletir ainda essa tendência, ainda no passado dia 6 de agosto (passada sexta-feira) registando-se 4 óbitos (tendo-se de recuar a 18 de fevereiro deste ano, para se encontrar um valor superior, com 6 óbitos).

Em Portugal e fazendo-se o ponto da situação (dados da DGS de 8, referentes ao fim do dia 7 de agosto) ─ hoje com +1.982 infetados (Algarve +224) e com + 10 óbitos (Algarve, +0) ─ com todos os parâmetros Covid-19 em descida (incluindo a taxa de Incidência e o índice de transmissibilidade), continuando-se a prioritária campanha de vacinação: segundo os últimos dados fornecidos pela DGS a caminho dos 5,5 milhões de completamente vacinados, ou seja, a caminho dos cada vez mais próximos (se por acaso já não estivermos nele) 60%.

Sendo, no entanto, necessário acrescentar que mesmo confiando-se “fielmente” na eficácia da vacina (seja qual for a eficácia a ela referida), para além das obrigações pessoais que deverão continuar (como a máscara, o distanciamento, a higiene das mãos) e da necessidade cada vez mais premente de se atingir os 100% de vacinados ─ e para além ainda da evolução do vírus, a “outra parte”, produzindo novas estirpes/variantes ─

A vacina terá sempre uma ação limitada no tempo, a partir de determinada altura (contando da última toma) deixando progressivamente de ser eficaz (afinal de contas sendo para um vírus e agora estando-se perante um “mutante”, uma nova estirpe/variante). E agora que é provável a chegada a curto-prazo de uma nova vaga (depois do Verão, no Outono), mantendo-se um ciclo semelhante ao ocorrido no ano passado (1º ano de Pandemia), colocando-se ainda com mais premência a questão das vacinas e das campanhas de vacinação, vindo aí uma nova mutação (versão) do coronavírus e com os primeiros vacinados passados já uns meses (6/7), a ficarem como se nunca o tivessem sido (vacinados). Daí o desespero de não havendo uma nova vacina (depois da de 2020, a atualização com a de 2021), tendo-se de recorrer ao reforço das doses.

Ainda-por-cima informando-nos agora (como se já não o soubessem há muito) que vacinados ou não vacinados, seremos sempre transmissores ativos no vírus, “não pegando este em nós, servindo-se de alguém por perto”. Talvez daí se explicando que chegadas as férias grandes de Verão, a “SILLY SEASON”, mesmo com a generalidade dos parâmetros Covid-19 a descerem, persiste ainda um número de óbitos excessivos expressos (apesar de nunca ultrapassarem os 20) em dois dígitos. Para nos salvarmos do pior sendo óbvio que o nosso Governo sabendo antecipadamente o que poderá suceder (esperando todos nós, que tal não aconteça), terá de trabalhar e não pensar ir de férias e deixar o militar, a tratar das “coisas”.

E boas férias de Verão. Sem Covid-19.

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:41

A Demência Não é a de Biden, A demência está no Mundo

Domingo, 08.08.21

E uma das maiores provas dessa demência sendo oriunda dos Média (tristemente sendo agora apenas mais um instrumento de manipulação), tentando convencer (todos aqueles que presenciaram algo) de que a verdade não está no que todos viram repetidamente todos os dias (como se tivéssemos um erro de paralaxe mental), mas no que eles (não presencialmente) nos dizem, depois da sua tradução explicativa (autorizada/certificada), elucidando-nos do que na realidade (destes, não da nossa) se passou. Até hoje continuando a servir para controlar a maioria do “gado universal”, o problema vindo agora da outra parte do Hemisfério Norte (o único que conta) ─ obviamente e como sempre na História do Ocidente, do Oriente. Num Mundo cada vez com menos Esperança, regressando-se de novo à guerra irresolúvel por falsa, entre o Eixo do Bem e o Eixo do Mal: na Era da Internet (e estando-se de novo em crise, uma crise de territórios/mercados) regressando-se mais uma vez às Cruzadas.

o.jpg

Numa evolução natural e contínua olhando para o Hemisfério Norte

ao Império do Ocidente sucedendo-lhe o Império do Oriente

 

Depois da chegada deste Evento Biológico e Pandémico ─ provocado pelo aparecimento do vírus SARS CoV-2, dando origem à doença COVID-19 ─ ao contrário de Eventos anteriores (guerras, terramotos, etc.) conseguindo paralisar “parcialmente” um PLANETA, para além desta enorme crise sanitária, social e económica tendo colocado o Mundo Civilizado (todo o Hemisfério Norte) de pernas-para-o-ar, tendo-se de ressalvar igualmente duas virtudes reveladas por este duro e mortal percurso, iniciado no ano de 2020 (há cerca de ano e meio): como se estivéssemos habituados a trabalhar em fotografia revelada a cores e subitamente mudássemos para revelação a Preto-e-Branco, não se recorrendo ás CORES (a todas as variações que a luz nos permite ter acesso, tal como as cores disponibilizadas por um simples prisma) tapando muitos dos defeitos (técnicos e não só), ao optar-se pelo P/B não existindo “melhoramento por introdução de múltiplas cores/tons” colocando-os (os defeitos) inevitavelmente todos a nu.

Desse modo e como consequência dessa opção ─ substituindo a COR (variação de cores/tons) pelo P/B (variação de tons, entre presença de luz/ausência de luz)  ─ surgindo essas tais duas virtudes agora associadas ao que se passa no Mundo e a quem o diz Liderar: com este Evento Pandémico levando muitas sociedades ao seu extremo (sejam dominadoras/dominadas) ─ a excessos aparentemente protecionistas, mas na realidade situacionistas ─ e através da sua reação ao mesmo (Evento, ainda por cima paralisante/mortal) demonstrando para cada uma delas (sociedades) o seu estado avançado ou não de doença, com a crise a fazer aparecer todos os defeitos, descoordenações, falta de autoridade e de real poder, até aí escondidos. Neste Mundo Covid-19 ainda com os EUA a apregoar ser a grande, única e destacada potência Global (militarmente e em armamento convencional ou não, sendo-o efetivamente ultrapassando-os ─ como o Pentágono o demonstra, caso contrário e sendo mais avançados, só sendo ET’S nos seus UAP’S) ─ ou não fosse capaz de destruir o planeta TERRA, muitas mais vezes que todos os outros países juntos ─ já não o sendo em tudo o resto,  baseando ainda a sua força para além de nas suas Armas/Armamento, na força daquela que ainda é a moeda de troca/referência Global o Dólar: necessitando apenas de uma “impressora” para ir funcionando, mas cada dia que passa esse papel de troca se aproximando cada vez mais do valor de referência “zero”. Ou seja, virtude um, esta Pandemia revelar não só uma nova hierarquização de poderes (com o Bloco China/Rússia a desmontar progressivamente as ligações preferenciais antes norte-americanas, substituindo-as e oferecendo em troca não papel mas ouro), como por outro lado, seja ele qual for (o caso), quando por qualquer motivo parte desse poder lhe é retirado (à Hierarquia, à autoridade) e logo de imediato a Natureza, a Sociedade, o Mundo melhora ─ que o digam os animais e as plantas irracionais, regressando aos estuários e regressando às cidades, na sua ausência substituindo o Homem e recuperando territórios antes seus.

W655AHVsaEEMwkes.jpg

Numa das suas viagens psíquicas e sucedendo a um impasse momentâneo

c/ o presidente olhando em volta procurando/perguntando pela falecida mãe

 

Quanto à virtude número dois, apesar de não valorizada e da subtil tentativa de limpeza recorrendo à nossa possível lobotomia (por indução e introdução subliminar, ou mais à bruta) e como consequência necessária e obrigatória, no sentido da obediência por esquecimento, querendo-se estar de acordo com a maioria oficial/integrado ─ bastando olhar de novo para a ainda atual referência do Mundo os poderosos EUA ─ com o seu líder e presidente dos EUA o democrata JOE BIDEN (acompanhado pela sua Vice-Presidente Kamala Harris) a gerir interna e externamente a politica e estratégia deste “potentado” terrestre ─ para estranhamente se assistir e de uma forma repetida (como se ninguém visse nada) à presença de um personagem tido como o protagonista, apresentando através da sua expressão física como psíquica, sinais cada vez mais evidentes de algo que se poderia considerar (talvez, sendo eu um leigo) como demência. E se a VP Kamala Harris poderá ter alguns problemas no exercício do seu cargo, por vezes podendo ter algum tipo de explicação (para o que faz/para o que diz) menos compreensível ou até mesmo inaceitável (por não credível), na maior parte dos casos com essa mesma explicação a demonstrar na prática e por parte do seu aplicador algum tipo de “ignorância básica” (para a função que desempenha) ─ tal como reflete na sua visita ao Vietname, depois do conhecido genocídio norte-americano ainda na nossa memória, informando desde já os vietnamitas e como se fosse esse o seu grande desejo que, “os EUA estão de volta” (isto para já não falar da sua visita ao Muro, pretensamente na defesa dos emigrantes, mas até hoje nada fazendo apenas continuando a política de Donald Trump) ─ já no caso de Joe Biden já não sendo sequer os erros que no desempenho do seu cargo possa cometer (como todos os presidentes) ─ não tendo este sequer grandes casos “em carteira”, dado prosseguir “no que interessa e de facto se concretiza” a política do seu antecessor o republicano Donald Trump (antes alguém a jamais imitar) ─ mas o seu comportamento e atitudes em público, suscitando a quem o vê imensas “dúvidas”: numa das suas últimas intervenções (no “Jardim Cor-de-Rosa”, durante a reunião relativa ao 31º Aniversário dos Americanos apresentando deficiência) e contando com a presença da comunicação social, no período dedicado à colocação de questões sobre o tema ao Presidente, subitamente com Joe Biden a ficar confuso aparentemente com o nome de um congressista, esquecendo-o, para de seguida e ainda mais surpreendentemente e como se se tivesse perdido no cumprimento do seu “guião”, “derivando mentalmente” do seu trajeto (prédefinido) colocando-o num cenário desenquadrado por só seu e estranho a todos os outros (não estando presentes na “cabeça do Presidente”). Subitamente com o Presidente “perguntando pela mãe e questionando-a, enquanto ia olhando em volta, para saber onde ela estava” (tendo esta falecido há mais de 11 anos, em janeiro de 2010): By hhe way, where’s Mom? Is she were? Mom?” E neste contexto, não nos limitando a olhar para uma das peças ─ por mais importante que seja ─ mas para toda a engrenagem, só assim formando e fechando o conjunto (definindo-o), não se colocando consequentemente e como prioritária a questão da presença de um individuo como Joe Biden na presidência da maior potência do Mundo, dizendo-se lateralmente e em silêncio “ensurdecedor” estar “demente”, mas a constatação de que antes de Biden (e talvez contaminando-o, pelo ambiente envolvente), quem caiu como pioneiro num estado esse sim talvez irreversível (mais perigoso, por coletivo), foi este “Mundo Demente”, em que quem ainda não o é, “não é gente”.

(imagens: yelp.com/floridianpress.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:33

Covid-19 PT/07.08

Sábado, 07.08.21

Sabendo-se a possibilidade de o nº de óbitos/dia ainda poder vir a subir (prolongando um pouco mais, os efeitos desta última vaga) e ainda de rumores de desentendimentos entre o militar coordenador da “Task Force” (das vacinas) e a civil Diretora Geral da Saúde denominada oficialmente como “o rosto da Pandemia”. A tal que afirmou que o vírus estava lá longe e que o uso da máscara era desnecessário ─ como nos recordou “inocentemente” um seu companheiro de viagem (de Estado), querendo certamente dar-lhe uma “pica” e com nome de santo, São Marcelo.

Imagem1.jpg

Comparando estes dois anos Covid-19 (2020/completo e 2021/incompleto) colocando lado-a-lado o mês de julho de cada um desses anos ─ um vindo da 1ª vaga de março 2020 (Verão/julho/2020), o outro da penúltima vaga de janeiro 2021 (Verão/julho 2021) ─ podendo-se analisar a evolução do nº de infetados/dia e do nº de óbitos/dia nesse período da Pandemia.

Verificando-se então que apesar do aumento bastante significativo do nº de infetados/dia de julho de 2020 para julho de 2021, esse aumento não teve (felizmente para nós e agora) reflexo proporcional no número de óbitos/dia: e se o ponto máximo de infeções neste mês de julho de 2021 atingiu os 4.794 infetados/dia (23 de julho), comparativamente com o registado no mesmo dia de julho de 2020 (229 infetados/dia) sendo 21X superior, já no que diz respeito à reflexão desses infetados no nº de óbitos (registados nesse mesmo dia), se em julho de 2020 era de 3 agora sendo de 16, ou seja, “apenas” 5X mais. Antes, se por cada 76 infetados surgindo 1 óbito, depois sendo necessários 282 infetados para surgir 1 óbito (quase 4X mais).

Esperando-se agora pelo sucessor da estirpe/variante Delta, um dos descendentes do coronavírus original, designado como SARS CoV-2 ─ e sendo um ciclo periódico (ainda não confirmado, sendo ainda e apenas uma Pandemia, não uma endemia), existindo grandes probabilidades de uma nova vaga no outono (depois do verão), tal como sucedido o ano passado: tendo que estar tudo vacinado, talvez mesmo com um reforço (pelo menos para os mais frágeis), não existindo ainda a versão atualizada da vacina (mais cedo ou mais tarde, perdendo eficiência).

(dados: dgs.pt/zerozero.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:59

Antes dos Pés, Avistando-se Sempre o Nariz

Sexta-feira, 06.08.21

E para além dele estando a boca, o nariz, as orelhas e até uma grande extensão de epiderme cobrindo tudo (apanhando todos os nossos órgãos dos sentidos, dando alguma forma e “sentido” ao que nos rodeia), terminando na ponta dos dedos dos pés e proporcionando-nos o acesso às funções de um periférico, oferecendo-nos o usufruto da locomoção.

cosmos.JPG

Solar Sailing 'Multi-Generational' Spaceship

 

Para aqueles que nem conhecendo o lugar onde vivem, se dizem especialistas de algo, procurando no entanto respostas para o seu “mundo centralizado”, em lugares notoriamente para nós proibidos ─ por no presente e perspetivando o futuro próximo (e as opções do Homem face à Natureza e ao Cosmos), serem técnica e cientificamente inalcançáveis ─ a estranheza de na procura de Outros Mundos e tal como o fizéramos antes há centenas de anos (do século XV ao século XVII com a “Era dos Descobrimentos”), em vez de nos preparamos para o início desta viagem, preparando cautelosa e rigorosamente as primeiras etapas deste longo e duro percurso, mesmo que tendo um objetivo final bem mais distante, brilhante e abrangente, lancemos desde logo os nossos olhares e ambições para “o Brasil e para a Índia”, quando nem sequer nos lançamos ainda ao mar ─ neste século e depois de termos enviado umas “pirogas à Lua” (à ilha das Berlengas), ou seja ao Espaço (há meio século, com as missões Apollo) ─ nem conhecendo na pratica os oceanos, as costas, as correntes, os ventos, tudo o de básico e de necessário sempre que se faz uma viagem. Antes de nos debruçarmos sobre um possível destino, ainda-por-cima tão importante para a preservação da nossa espécie ─ em princípio na busca de Outra Terra ─ e sendo o Tempo e o Espaço duas das dimensões envolvidas na resolução deste “problema” (Humano), a primeira ação a tomar tendo de ser a forma de contornar esses dois parâmetros limitando-nos ao extremo nas nossas opções (de existência), sabendo as limitações associadas ao Homem, em termos de movimentação (velocidade) e de tempo disponibilizado (com uma estimativa média de Vida nem chegando sequer aos 100 anos). Daí que se quisermos ou formos obrigados a migrar (do nosso planeta), os primeiros lugares a descobrir deverão ser logicamente os mais próximos, não o sendo, só se existindo uma tecnologia revolucionária de deslocação entre dois pontos nunca vista, desconhecida, ultrapassando mesmo a velocidade da luz (para nós um valor considerado inultrapassável para os Humanos, uma “fronteira”), fazendo coincidir instantaneamente dois pontos distintos no Espaço, podendo ser “esfericamente opostos” (como se dobrássemos uma folha de papel ao meio, fazendo coincidir os pontos simétricos desejados).

loop.ph-constructs-the-cosmos-within-inflatable-in

The Cosmos Within Inflatable Infinity Space

 

Pouco nos interessando terem descoberto um planeta a vários anos-luz de distância da Terra, quando para além do mais nos tempos próximos nunca os atingiremos (neste momento com o Homem a limitar-se a viagens tripuladas, andando pelos 400Km de distância deste nosso planeta), nunca tendo sequer atingindo os 400.000Km de distância (384.400Km sendo a distância aproximada Terra/Lua). Com a NASA a ser comida/ultrapassada/destruída e com a China e a Rússia a seguirem os seus próprios caminhos, podendo-se vir a assistir ao contrário do que muitos pensavam (e imaginavam/idealizavam) a uma regressão na Exploração Espacial Norte-Americana perdendo definitivamente o seu protagonismo, alterando no seu conjunto os objetivos iniciais, de científicos e tecnológicos (procurando o conhecimento, a evolução cientifico-tecnológica) passando a ser simplesmente comerciais (ganhar dinheiro e deixando a investigação, para a NASA remanescente, a do conhecimento mas sendo a “parte pobre”). Desse modo descobrindo um planeta “Terra 2” a vários anos-luz de distância, só podendo dizer “boa viagem e que lá nos encontraremos todos nós dentro de uns anos ─ naturalmente que não na “Terra 2”, mas mortos e no “Céu”, via Terra ou objeto voador espacial “mumificado” no vazio do Espaço. Investigadores portugueses tendo pelos vistos descoberto recentemente um a “apenas” 35 anos-luz: e apesar da distância e para apimentar esta descoberta com selo português e oferecendo-nos outra TERRA que não esta (nunca nos dando tal confirmação, sim ou não, sobre objetos tão perto de nós, integrando o nosso Sistema e com distância na ordem de uns miseráveis KM ou curtas UA) apresentando-nos mesmo não o vendo um Mundo invejável com oceanos e até (integrando a zona habitável da sua estrela de referência) podendo ter Vida.

Aliensv3.jpg

The Expected Planet and Body Sizes Associated

 

A 35 anos-luz de distância da Terra e com tantos objetos prometedores rodando perto de nós e em torno da mesma estrela, sem uma única tentativa de os atingir e estudar, talvez para lá mais cedo ou mais tarde podendo-se/tendo-se de mudar (tudo evolui, se transforma, se modifica perante os nossos órgãos dos sentidos), nem sequer se lhe direcionando uma sonda automática (não tripulada) optando-se antes pelo “Circo do Espetáculo” tudo prometendo (a Maravilhas da LUA, as Maravilhas de MARTE) mas no fundo querendo instalar no Espaço uma Disneylândia para usufruto exclusivo de adultos integrando as elites e deixando a Terra para os restantes 8 biliões de excedentários: deixando-nos nas suas antigas praias (já em decomposição) e refugiando-se nas suas piscinas exclusivas (olhando os selvagens lá em baixo, do rato-de-esgoto ao Presidente). Convindo esclarecer o nosso Mundo Interior Terrestre (a TERRA e o seu finíssimo ECOSSISTEMA) limitar-nos a uns KM de DISTÂNCIA e a uns poucos ANOS de VIDA, pelo que números algo superiores começando a ser difíceis de entender (interiorizar pelo Homem) e outros ainda maiores, deixando-nos mesmo perdidos não conseguindo quantificar por vezes mesmo por associação e não sendo a contabilidade, sendo algo de Impossível pelo menos com este corpo físico de interiorizar mentalmente (vivendo a maioria dos humanos de forma miserável, nem conseguindo mesmo podendo ter tudo, aqui sobreviver). Um ano-luz (deslocando-se a LUZ, à velocidade de 300.000Km/s) sendo a distância percorrida pela luz durante um ano (ou seja, 9.473.760 milhões de km), 35 anos-luz sendo o equivalente a 331 581 600 milhões de Km ─ uma enormidade, uma “vergonha”, tendo o Homem apenas atingido a Lua e vivendo-se tão pouco ─ e tão mal se aproveitando este, “mês de vida tão curta desta assumida mosca-humana”.

(imagens/legendas: fantasticalmanac.blogspot.com

─ designboom.com ─ ub.edu)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:42

Covid-19 PT/05.08

Quinta-feira, 05.08.21

Ao fim do dia 4 de agosto (dados publicados hoje, 05.08), dezassete meses desde o início desta Pandemia, com um total de 979.987 portugueses tendo sido infetados (hoje, +2.581) e registando-se um total de 17.422 óbitos (hoje, +10),

Sabendo-se (ainda) que até ao final desse dia (04.08) e das quase 12 milhões de doses de vacina até aí administradas, 6.847.225 de portugueses já tinham tomada uma dose (de duas) e 5.135.830 já tinham a sua vacinação completa ─ mais de 50% do Universo a vacinar, cerca de 10 milhões

E simultaneamente olhando em nosso redor e dando uma rápida vista de olhos sobre o que se passa no “Restante Mundo Covid-19”, verificando que para além do total Global Terrestre até hoje registado de mais de 201 milhões de infetados e de quase 4,3 milhões de Óbitos,

Imagem1.jpg

Vaga Pandémica

Monótona pela continuidade e teimosamente não descendo,

parecendo apenas aguardar a chegada, da próxima vaga deste coronavírus

 

O Mundo regista (na última semana) um ligeiro crescimento (apesar de muito menor, se comparado com a vaga anterior) do nº de infetados e do nº de óbitos (nos 8%/9%) ─ confirmando esta “vaga intermédia” ─ vindo a maior contribuição da América do Norte (+33% de Infetados/+26% de Óbitos) sobretudo dos EUA e da Ásia (+13%/+17%),

Com a Europa nos últimos 7 dias a registar uma descida de 5% no nº de infetados/dia, apesar de registar um ligeiro crescimento no nº de óbitos (8%) ─ com a Rússia na dianteira e a grande distância no nº de vítimas mortais/dia (794) e por lado com a Grã-Bretanha a liderar no nº de infetados/dia (30.215).

Relativamente a Portugal e particularmente à área da Saúde e à região do Algarve ─ com o vice-almirante (Gouveia e Melo, o militar coordenador da “task force das vacinas”) a visitar neste dia os seus “comandados a sul” ─ registando-se hoje na região +230 infetados e +1 óbito,

Enquanto pelo lado Económico (a outra componente, em contrabalanço à da Saúde) com o turismo (este ano de 2021, durante o mês de julho) a ser relativamente a 2020 e segundo dados da AHETA, 40% mais a nível nacional do que em 2020 e 76% menos a nível internacional, nesse mesmo período.

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:10

ISS ─ Por impacto: à "deriva" e posteriormente recolocada

Terça-feira, 03.08.21

Tendo sido marcado para o passado dia 30 de julho de 2021 o 2º teste da missão orbital STARLINER da NASA (agência espacial governamental),

51344290465_6e8fea6af6_k.jpg

STARLINER

 

─ Contando com a colaboração da BOEING e da UNITED LAUNCH ALLIANCE (iniciativa aeroespacial privada) e com o 1º teste do STARLINER tendo ocorrido em 20 de dezembro de 2019 e sido concluído a 22 de dezembro (com o regresso da nave), mas devido a problemas técnicos surgidos, não tendo acoplado à ISS (o seu objetivo principal)

Depois de mais de ano e meio de interregno sobre o 1º teste, foi com alguma admiração dado não se conhecer o motivo (da decisão), mais um adiamento da missão agora para o dia 3 de agosto (esta terça-feira):

Não se conhecendo qualquer tipo de problemas técnicos podendo afetar a concretização com êxito da missão (colocar o STARLINER em órbita, acoplar à ISS e depois regressar à Terra), pelo que a razão de mais este adiamento teria que ser de origem exterior (ao STARLINER).

Só por esse motivo se ficando a saber de algo que noutro contexto provavelmente nunca saberíamos, quando muito “ouviríamos falar”, provavelmente pela boca de algum adepto das “Teorias da Conspiração”, logicamente ninguém lhes dando credibilidade:

Só que de facto algo se tendo passado e ocasionalmente (“acidentalmente”, sendo muitos a frequentar a ISS), sido divulgado.

International_Space_Station_after_undocking_of_STS

ISS

 

A 29 de abril tendo havido um incidente na acoplagem do transportador do novo módulo (russo) ─ o NAUKA ─ à Estação Espacial (aumentando-lhe a área interna), aquando dessa operação de junção (módulo NAUKA à ISS) com os motores auxiliares do transportador a arrancarem “inopinadamente” e a “empurrarem literalmente” a ISS para um ângulo orbital fora do estabelecido, podendo colocar a ISS em perigo:

Felizmente tendo-se conseguido controlar a situação, recolocando-se de novo a ISS na sua órbita e ângulo pré-definido, concluindo-se a instalação do novo módulo e abrindo-se de novo a janela para o novo teste do STARLINER: para amanhã (terça-feira, 3) e com esta porta estar aberta até ao dia seguinte (4 de agosto).

Um incidente entre tantos outros nunca reportados, mas passados na Estação Espacial Internacional, exposta completamente às ações do Espaço dado não estar protegida pelo nosso “manto protetor atmosférico”, podendo ter consequências ainda mais graves (nos astronautas a bordo) estando do “lado de fora” a cerca de 400Km de distância “lá no ar”, difícil para qualquer ser humano de alcançar.

132ca337a58ac7d976b95a5d681a4e17.jpg

NAUKA

 

Um impacto podendo causar danos pontuais (mas graves) ou mesmo estruturais na ISS (sendo mais violento),

─ Estação Espacial Internacional fazendo em 20 de novembro de 2021, 23 de anos de idade e estando a não muitos anos da sua “reforma” (com os chineses a já terem a sua Estação Espacial e com os russos já tendo iniciado a construção da sua)

Sabendo o que ela e os seus astronautas já sofrem impactados diariamente por “entidades invisíveis” ─ como e entre outros os raios solares e os raios cósmicos ─

E por outras bem visíveis (como partículas circulando a grande velocidade e “perfurando” a ISS), se não impactando pelo menos (sendo vistas) andando por lá ─ dando crédito às informações da presença de objetos (misteriosos, desconhecidos, nunca confirmados oficialmente) espiando do Espaço exterior próximo à ISS.

Para o Pentágono talvez podendo ser UAP’S.

(imagens: Joel Kowsky/NASA ─ Wikipedia/NASA ─ Gizmodo/NASA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:28