Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

18
Jul 11

Elefantes – Quénia

 

Ainda há quem leia um retrato, como se de um livro se tratasse.

 

Na beleza perdida deste retrato, vem-nos à memória as paisagens da nossa infância, o poder e a força dos nossos antepassados, a amizade ainda sentida e partilhada, entre nós e a natureza, as promessas não cumpridas de um novo mundo, apenas destinado a tornar-nos todos felizes.

 

Gosto de olhar e mesmo sem chorar, desentupir os canais lacrimais e senti-los um pouco mais. Ainda temos alguns órgãos dos sentidos!

 

Hoje o betão, o asfalto, as armas, a droga, o dinheiro, a corrupção, os políticos, a moral, os eruditos e toda a outra podridão que invade todos os nossos sentidos, espalha-se por todos os pontos cardeais que formam este mundo, cobrindo-o com um manto negro de esperança, não nos deixando sequer sonhar com o dia de amanhã, porque já ontem, nos entregaram com responsabilidade, a nossa certidão de óbito.

 

À medida que morremos e trocamos a nossa postura natural – vendendo pelo melhor preço a nossa memória e a nossa cultura – por um manual, um diploma, um maço de notas e alguma segurança, negamos a nossa existência, repudiamos as novas gerações e caminhamos para o nosso extermínio definitivo.

 

Comecemos por nos olharmos ao espelho, sem recurso a novas máscaras de vida.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:01

Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
15
16

17
19
20
23

24
26
28
30



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO