Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

30
Mar 18

(com a Terra entregue definitivamente e como território assumido de caça na mão de predadores inimputáveis – por oficialmente certificados e pelas vítimas aceites como intermediários – a estar definitivamente condenada: ou não fosse o Homem de hoje já um subproduto do Objeto)

 

Aproveitando mais uma vez as imagens fornecidas pela sonda norte-americana CURIOSITY a partir da superfície de MARTE (nosso vizinho e último Planeta Interior do Sistema Solar)

 

PIA22313.jpg

Monte Sharp

Tentando compreender a contribuição da possível presença de água na sua criação

(PIA 22313)

 

– Com as suas câmaras apontando para uma das referências marcianas (localizada na cratera Gale com mais de 150Km de diâmetro) desde que o módulo de aterragem tocou pela 1ª vez a superfície do planeta (a 6 de Agosto de 2012)

 

A mesma apresenta-nos mais uma vez um retrato do já famoso (por tantas vezes mencionado) MONTE SHARP (numa construção de imagens obtida no passado mês de Janeiro), realizada no 1931º dia de estadia do ROVER CURIOSITY no planeta VERMELHO: desde há mais de três anos (2014) escalando o referido monte.

 

Com o ROVER CURIOSITY circulando sobre a superfície de Marte e tendo até ao momento (meados de Fevereiro de 2018) percorrido mais de 18Km (uns 9m/dia), oferecendo-nos para nosso usufruto uma área (no centro da imagem tendo ao fundo a elevação) junto da base do MONTE SHARP onde a presença de certos minerais poderá confirmar (ou não) a presença de água (no passado) à sua superfície:

 

Talvez num passado já bastante distante (uns biliões de anos atrás) com um Oceano cobrindo parte da superfície do planeta (como na Terra, com uma menor dimensão e outras características) e provavelmente (talvez mesmo certamente, dados os indícios) ainda hoje com vestígios da sua presença, talvez à superfície ou em depósitos subterrâneos (no estado sólido).

 

E como afirmam os cientistas da NASA responsáveis pela missão,

 

PIA22312.jpg

Monte Sharp

Área assinalada na base sugerindo a presença de água no local e no passado

(PIA 22312)

 

– “This mound, which Curiosity has been climbing since 2014, likely formed in the presence of water at various points of time in Mars ancient history. That makes it an ideal place to study how water influenced the habitability of Mars billions of years ago” (nasa.gov)

 

Com o planeta MARTE apesar de todas as suas caraterísticas e alta toxicidade para a permanência e sobrevivência de seres Humanos à sua superfície (largado aí como viera ao Mundo/Terra morrendo em escassos segundos),

 

Conjuntamente com a Lua e outras Estações Espaciais (associadas no mesmo Objetivo),

 

Sendo sem qualquer tipo de dúvida o Destino dos Novos Navegadores do Presente e do Futuro (tal como já o fôramos com os Oceanos no Passado) tendo a Conquista do Espaço como novo Paradigma e a nossa Sobrevivência, resiliência e persistência (neste Universo sem limites) como o nosso inevitável (sonhado/imaginado/realizado) destino:

 

Talvez aí compreendendo o Fantástico Misterioso da nossa Exclusividade (pelo menos local) e finalmente (concretizando) transformando-nos em Mágicos (com Alma).

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:48

12
Mar 18

“A ferrugem é o resultado da oxidação do ferro. Este metal em contato com o oxigênio presente na água e no ar se oxida e desta reação surge a ferrugem que deteriora pouco a pouco o material original.” (wikipedia.org)

 

Passados mais de 5000 dias sobre o seu primeiro contacto com a superfície marciana (25 de Janeiro de 2004) e já com mais de 45Km percorridos, o veículo motorizado da NASA lançado de Cabo Canaveral (em 7 de Julho de 2003) por um foguetão Delta II da Boeing, circula atualmente numa região do Planeta Vermelho (assim descrito pela sua coloração avermelhada, associada à grande presença de óxido de ferro, neste planeta verdadeiramente enferrujado) denominada como o Vale da Perseverança.

 

1P573928012EFFD1BOP2595L7M1.JPG1P573928469ESFD1BOP2597L2M1.JPG

Marte (superfície) ‒ Opportunity Rover

Nas proximidades do equador marciano

(SOL 5021)

 

“Inserida num conjunto com mais de 4,5 biliões de anos (o Sistema Solar) e suportada por um foco central a meio do seu Ciclo de Vida (a sua estrela de referência o Sol), a Terra continua a apresentar o seu extraordinário exclusivo (Vida Inteligente e Organizada surgindo do Caos e da Ordem) nunca visto noutro lado (talvez por falta de acaso e de necessidade, não se sabe é bem de quem).”

 

No decorrer do seu 15º ano terrestre de permanência do Rover Opportunity na superfície do planeta Marte (1 dia marciano = 24h 39’ 35’’ ou seja ligeiramente superior ao dia terrestre) ‒ e de momento já tendo sido ultrapassados os 5022 SOL’s de estadia ‒ com o bem maduro e experimentado veículo tendo aterrado numa região plana do planeta (Meridiani Planum) localizada bem próxima do seu equador, depois de ter saltado (para fora do seu limite) da parte ocidental da cratera de Endeavour, entrando de seguida na região do Cabo York (situado no interior do Vale da Perseverança) e daí prosseguindo a sua exploração.

 

1P573928207ESFD1BOP2596L5M1.JPG1P573929117ESFD1BOP2598R1M1.JPG

Marte (superfície) ‒ Opportunity Rover

Nas proximidades do equador marciano

(SOL 5021)

 

“Com o Futuro de Marte e com o respetivo desenvolvimento do programa de exploração do planeta (um dos irmãos e vizinhos da Terra, árido, desértico e tóxico, mas ainda não completamente calcinado e com locais à superfície talvez ainda propícios e permitindo a sobrevivência/mesmo que subterrânea com tal não acontecendo em Vénus) futuramente entregue a Privados mais interessados no lucro (colonização e mera absorção) do que na Evolução e Expansão (da Humanidade) e respetiva sobrevivência (já que sem Movimento interagindo Matéria/Energia ‒ Eletromagnética ‒ nada existe).”

 

Passados mais de 40 anos (20 de Julho de 1976) sobre a data do primeiro contacto de uma sonda espacial (módulo de aterragem) com a superfície marciana ‒ concretizado com o feito pioneiro da sonda VIKING 1 ‒ não se tendo para já detetado qualquer tipo de vestígios (ou sinais) minimamente credíveis e como tal aceitáveis da existência de Vida (ou seja da presença do Mundo Orgânico) pelo menos tal como a conhecemos na Terra, limitando-se para já a convicção (e a quase certeza) da Existência de Água e da proliferação de Cristais (ou seja da Presença do Mundo Mineral tal como sucede em todo o Sistema Solar). Com os Minerais e a Água Presente (A Coluna Vertebral do Sistema) mas sem a presença orgânica até agora não detetada (conhecida ou divulgada) ‒ de modo a possibilitar a construção de um Edifício como o Terrestre.

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:42

26
Jan 18

Poderíamos usar a Lua para Mineração – criando aí um entreposto (comercial) – e Marte para Colonização – utilizando-o para o lançamento de naves interplanetárias (e a partir daí chegando um dia às intergalácticas): desde que se resolvam os problemas do tempo (de viagem), da proteção (contra os raios solares e cósmicos) e da atmosfera (rarefeita e sem grandes vestígios de oxigénio e de água/visível mesmo à superfície).

 

Objetivo/Marte e Missão/MRO:

 

F

I

PIA

Registo

1

MCS

22080

Observação realizada entre Jan2006/Fev2008 durante o seu período de translação (680 dias+30⁰ adicionais) e com a origem (dos eixos) a ser referida ao início do Outono (no hemisfério norte). Indicando no eixo vertical a altitude do registo (Km) e no horizontal os 360⁰ de translação em torno do Sol; e sobressaindo o período referente à tempestade de poeiras ocorrida no ano de 2007 (entre as duas barras pretas verticais). Com a barra inferior a indicar a quantidade de vapor de água presente (por milhão) – roxo mais baixo (seguido de verde e amarelo) e laranja mais elevado.

2

HiRISE

22180

Terreno recoberto por uma camada gelada localizada a altas latitudes, como que formado por um conjunto de polígonos semelhantes (neste caso hexágonos) num cenário muito comum de se ver em terrenos com gelo: com este conjunto de hexágonos a serem o resultado do arrefecimento, contração e quebra desse terreno congelado.

3

HiRISE

22182

Camadas de origem sedimentar, como resultado de um longuíssimo período de erosão (localizadas no Vale Shalbatana um canal atravessando a região de Terra Shante). Originando material mais brilhante e de composição diferente ao encontrado em seu redor.

Tabela

Fonte : NASA

(F: Figura I: Instrumento)

 

Marte é hoje conhecido como sendo um planeta seco e desértico (sem Água visível à sua superfície) e claramente sem qualquer tipo conhecido de vestígios (possíveis de detetar) relacionando-o com a existência de Vida (sem se terem detetados para além de elementos do mundo mineral, elementos do mundo orgânico − tendo mesmo que de uma forma primitiva algo de comum connosco): o que não significa que o planeta nunca tenha possuído Água (no Passado) ou que mesmo hoje (no Presente) não se detetem sinais da sua existência – no passado com Marte a poder estar parcialmente coberto por um grande oceano (há já uns biliões de anos tendo o planeta uns 4,6 biliões), no presente com as sondas automáticas (enviadas do seu planeta vizinho a Terra) a detetarem a presença da mesma à superfície e mesmo a altitudes elevadas.

 

PIA22080.jpg

Figura 1

Registo da presença de vapor de água na atmosfera marciana

(PIA 22080)

 

E se durante o processo Evolutivo aplicado ao Sistema Solar e iniciado há uns 4,6 biliões de anos a transformação se deu num mesmo conjunto tendo o seu centro virtual (foco) numa estrela o Sol (por sua vez integrado num conjunto mais vasto a galáxia da Via Láctea), sendo a partir daí natural que muitos dos mecanismos aplicados ao longo do tempo (biliões de anos) tivessem métodos de intervenção muito semelhantes (por basicamente idênticos) podendo originar percursos paralelos e em certos casos coincidentes (não no Tempo mas no Espaço). Pelo que se cronologicamente e apesar da sua grande proximidade a História da Terra e de Marte não coincidem (tal como a de Vénus o outro vizinho ou mesmo a de Mercúrio o mais próximo do Sol), poderão ter existido no passado etapas da evolução marcianas que mesmo não coincidindo (ou encaixando) com as etapas por nós conhecidas (terrestres), fora do Tempo e do Espaço pelo Homem aplicado à Terra (e ao seu mundo Homocêntrico) outros como o planeta Marte a terão tido (a sua História) mas noutras circunstâncias.

 

PIA22180.jpg

Figura 2

Superfície marciana sob uma cobertura/em pequenos hexágonos gelada

(PIA 22180)

 

Observando imagens de Marte registadas nestes últimos anos por sondas automáticas oriundas de diferentes localidades na Terra – como por exemplo da América do Norte (EUA), Europa (Rússia) e Ásia (China) – se atento e interessado e conhecedor de um mínimo de geologia costeira (mesmo sendo um leigo mas experimentado) sendo fácil de constatar que face aos materiais em presença, à sua distribuição e à composição final do cenário, muitas das regiões observadas por essas sondas automáticas (em órbita ou à superfície) nos lembrariam a Terra e as suas regiões litorais: como se estivéssemos junto a uma praia nas proximidades da linha de separação entre o domínio do Mar e o domínio da Terra, para lá dessa linha virtual mas bem vincada no terreno apenas faltando o mar daí até ao horizonte – vendo-se apenas o leito de um possível e antigo oceano (com ondas mais suaves e menores profundidades) agora seco, esquecido e inexistente (mas deixando a sua marca inegável, significando algo no estado líquido, material mineral e talvez orgânico).

 

PIA22182.jpg

Figura 3

Estratos erodidos pelo vento/ou pela água na superfície marciana

(PIA 22182)

 

Neste ano de 2018 – e só para falar da maior potência tecnológico-militar global (os EUA) – com a Agência Espacial Norte-Americana NASA (governamental) e com a SPACE-X, a BLUE ORIGIN e a VIRGIN GALATIC (privados) a partilharem entre elas as suas diversas missões (e testes): do lado da NASA (e entre várias missões) com o lançamento de um novo módulo de aterragem (e respetivo veículo motorizado) em direção ao planeta Marte, com o envio em direção ao Sol de uma sonda automática batendo (largamente) o record de aproximação à estrela, assim como o envio de duas outras sondas uma em direção a um asteroide e a outra em direção a outro corpo celeste localizado a biliões de Km de distância (da Terra). Já do lado dos privados continuando com os seus testes (e o lançamento de um novo foguetão) de momento dirigidos ao desenvolvimento da Indústria Comercial Espacial, no caso da Virgin Galatic e da Blue Origin (até para se financiarem) optando inicialmente pelo Turismo Espacial e já no caso da Space-X (pelos vistos menos necessitada) com a empresa de Elon Musk a lançar o seu novo foguetão Falcon Heavy (no início de 2018). Fazendo-o de novo pensar estar mais perto do seu sonho: atingir o Planeta Vermelho (tal como o estarão certamente os seus rivais os chineses – o Novo Império em ascensão).

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:31

25
Nov 17

Num adeus ao planeta SATURNO (o Gigante Gasoso e 2º maior planeta do Sistema Solar) a NASA vem oferecer-nos (à falta de melhor, dado já não estar por lá) mais uma imagem recolhida pela defunta sonda Cassini.

 

PIA17218_fig1.jpg

Imagem de Saturno tendo como origem as câmaras da sonda Cassini quando a mesma se encontrava a pouco mais de 1 milhão de Km do planeta

(PIA 17218)

 

Agora (mês de Novembro) que o planeta SATURNO se encontra a cerca de 1,61 biliões de Km (10,7 UA) do (nosso) planeta TERRA, ainda mais se sente a ausência da sonda que durante mais de 13 anos (2004/2017) circulou naquela região do SISTEMA SOLAR orbitando o seu 2º maior planeta: desde o dia 15 de Setembro (deste ano de 2017) e com o fim da missão CASSINI-HUYGENS (com a sonda CASSINI na execução do seu ultimo trajeto ‒ THE GRAND FINALE ‒ a entrar na atmosfera rodeando Saturno acabando por se desintegrar) a ficarmos isolados daquela região (presencialmente e através de um periférico comandado da Terra) limitando-nos agora a observá-la de longe (através de telescópios terrestres ou situados nas suas proximidades) ou então a recordar dias (e registos) de tempos passados.

 

Ainda-por-cima no Momento que entre interesses PÚBLICOS (Governamentais) e PRIVADOS (e Internacionais) se discute o Futuro da Exploração do Espaço, com os objetivos (da MISSÃO) ainda bastante indefinidos assim como o seu destino e Evolução: com uns a privilegiarem a continuação do envio de Sondas Automáticas (sobretudo as Agências Governamentais) opondo-se ao regresso dos voos tripulados, às suas consequências (por vezes mortais) e ao enorme gasto Financeiro (associado) ‒ motivos invocados há quase meio-século para justificar o fim do Projeto Apollo (último voo em 1972); e com outros (os PRIVADOS) a dirigirem todos os seus recursos (deles e do Estado) para a Exploração de regiões de Espaço mais distantes (para já no interior do nosso SISTEMA) apontando (quase todos) os seus HOLOFOTES para MARTE ‒ com o envio de seres Humanos em voos tripulados (já programados no Tempo/próxima década e não faltando candidatos) para aí instalarem uma base e seguidamente Colonizarem o Planeta.

 

Mas sabendo-se antecipadamente de como todos estes processos e projetos são de difícil preparação, planeamento e execução (para além dos múltiplos interesses associados ‒ ideológicos, políticos, económicos, tecnológicos, etc. ‒ impondo um grande investimento Financeiro de grande risco inicial) e de como teremos (como sempre) de esperar e de Acreditar (provavelmente ainda por muitos anos) ‒ com muitos de nós a não irem assistir certamente (em vida) à proeza da Exploração e da Conquista pelo Homem do primeiro território Exterior ao nosso Território, Lar e Planeta ‒ sendo ainda maior o nosso sentimento de isolamento, a nossa tristeza pela perceção de perda e sobretudo o Convencimento de que tal como as Coisas Hoje se Apresentam (no nosso Planeta e observando como as nossas Sociedades/Civilizações têm evoluído e transformado), ao contrário dos Primeiros Aventureiros, Exploradores e Conquistadores da Terra (os Navegadores desafiando os Oceanos), os do Presente e do Futuro demorarão a partir e a convencer-se de que se o não fizerem (rapidamente) arriscam-se a desaparecer e a Extinguir-se como Espécie (já que a Terra tal como o Homem não durará para sempre).

 

E nos espaços (restringindo-nos para já aos EUA e à Europa) de intervenção envolvendo a Futura Conquista do Espaço (inevitável), de um dos lados a termos os Privados a oparem pelos voos espaciais comerciais locais (em torno da Terra como será a opção da Virgin Galatic) ou interplanetários (tendo como destino final Marte a opção da Space X ‒ e ainda contando com a Blue Origin) e do outro lado com muitas maiores restrições financeiras dado um grande controlo orçamental por parte do Governo (de modo a limitar ao máximo as despesas), com o setor Público (veja-se o caso da NASA e da ESA) a evitar invariavelmente o retorno aos voos tripulados, ficando-se pelas sondas automáticas e por uma hipotética concorrência às ambições de Elon Musk (e da sua Space X): com planos por parte da NASA (mais longos e comedidos) de se lançar também para Marte.

 

Para já e apesar de todas as limitações financeiras (já que o próprio Privado irá sempre aproveitar fontes de investimento inicial e exclusivamente atribuídas ao Público) destacando-se o setor Público em detrimento do Privado: com os cientistas das diversas organizações/missões tendo ainda como base as Agências Governamentais (dos EUA, Europa, Rússia, China, Japão e Índia, entre outras) a optarem pela exploração e pela descoberta de bens preciosos para o Homem (até para facilitar a exploração do Espaço ao descobrir depósitos de bens fundamentais), como será o caso da Água constituindo 00% do nosso corpo ‒ um produto fundamental para a continuação da Vida na Terra e imprescindível para acompanhar o Homem na sua (já marcada nas Estrelas) Aventura pelo Cosmos. Falando-se de novo em Titã e também em Encélado (duas das luas de Saturno). Depósitos de Água (relevantes) talvez existentes noutras luas (mais próximas como as de Júpiter) e que existindo em Marte (como poderiam ser na Lua) só mesmo sendo limitadas (em localização e volume) assim como subterrâneas: e faltando unicamente (para lá dos vestígios e dos indícios) a sua confirmação.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:27

14
Ago 17

Mesmo não se observando na Lua e em Marte vestígios evidentes da existência de água à sua superfície (em quantidade relevante como na Terra com os seus rios e oceanos), nada impede que estes dois corpos celestes não possam conter água (em depósitos subterrâneos), podendo representar para o Espaço o papel aqui reservado (na Terra) aos oásis nos Desertos ‒ um ponto intermédio de apoio (se quisermos sobreviver), à nossa obrigatória partida e Conquista do Universo. Depois destes, talvez mais longe e só mais tarde Trappist-1.

 

Habituados a procurar a grandes distâncias aquilo que poderemos encontrar perto de nós (como a água) e perdidas quase todas as esperanças de descobrir indícios de Vida (por mais primitivos que sejam) no nosso Sistema Planetário, mais uma vez (e tal como “um ferreiro usando um espeto de pau”) viramo-nos para o incessível e pomo-nos a sonhar: com um sistema rodeando uma estrela, com vários planetas orbitando a mesma, com condições favoráveis à existência de água e talvez mesmo com condições necessárias para a existência de vida (orgânica).

 

PIA21751.jpg

 

Sistema Planetário Trappist-1

(com a estrela rodeada por sete planetas)

 

Nesse sentido se encontrando a estrela Trappist-1 (observada inicialmente no final do século XX), identificada mais tarde como uma anã-vermelha e com sete planetas identificados até ao ano de 2017: conjuntamente formando um sistema planetário (Trappist-1) constituída por uma estrela (de tipo espectral M8V) rodeada por sete planetas (todos eles podendo conter água) e com todos eles orbitando a estrela (de referência) a uma distância menor que a distância Mercúrio/Sol (quase 58 milhões de Km) ‒ com a distância entre dois desses planetas a andar pelos 600.000Km (pouco mais que 1,5 X distância Terra/Lua).

 

1024px-Comparison_between_the_Sun_and_the_ultracoo

 

Tamanho comparativo do Sol e de Trappist-1

(a segunda estrela com pouco mais de 10% do diâmetro do Sol)

 

Um Sistema Planetário edificado em torno de uma estrela com cerca de 500 milhões de anos (e com um tempo de vida muito maior que a do Sol) e localizado a cerca de 40 anos-luz do nosso Sistema (o Sistema Solar) ‒ qualquer coisa como 380 biliões de Km: observado na constelação de Aquários e com todos os seus sete planetas sensivelmente do mesmo tamanho que o apresentado pela Terra (e com os cientistas denominando-os terrestres, talvez pelas condições e por algumas semelhanças ‒ como ambientais ‒ com o nosso planeta).

 

PIA21422_-_TRAPPIST-1_Planet_Lineup,_Figure_1.jpg

 

A estrela e os sete planetas integrando o Sistema Trappist-1

(com os planetas f, g e h situados na zona habitável)

 

Projetando à nossa imagem um Outro Mundo (que não o nosso mas parecido) situando-se a 40 anos de distância do Sistema Solar viajando à velocidade da luz ‒ e tomando como referência a velocidade da sonda Juno (v = 40km/s), transformando-se numa eternidade medida em muitos milhares de anos. Rodeando uma estrela-anã extremamente fria e com 7 planetas à sua volta, comportando-se face à sua estrela como a Lua face à Terra e assim numa das suas faces sendo sempre de dia e na outra pelo contrário sendo sempre de noite: senão numa ou na outra (face) podendo existir zonas fronteiriças (com condições intermédias e suportáveis) compatíveis com Vida (especialmente nos planetas mais distantes da estrela Trappist-1).

 

“Researchers say in a new study that the TRAPPIST-1 star is quite old: between 5.4 and 9.8 billion years. This is up to twice as old as our own solar system, which formed some 4.5 billion years ago.” (nasa.gov)

 

(imagens: nasa.gov/wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:01

22
Abr 17

“Massive landslides, similar to those found on Earth, are occurring on the asteroid Ceres. That's according to a new study adding to the growing evidence that Ceres retains a significant amount of water ice.

(Georgia Institute of Technology/Landslides on Ceres reflect hidden ice/ScienceDaily/17 April 2017)

 

Type-1-580x580.jpg

Evidências de deslizamentos de terras em Ceres

 

Na continuação da observação mais cuidadosa de um corpo celeste pertencente ao Sistema Solar (tendo como estrela de referência o Sol) e num estudo ainda-por-cima tendo como bónus a forte possibilidade de no mesmo existir Água (indicativo vital para a possibilidade de existência de Vida tal como sucede na Terra) ‒ num trabalho levado a cabo por cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia (EUA) ‒ investigadores norte-americanos intrigados e curiosos com grandes deslizamentos de terra verificados à superfície desse corpo celeste, sugeriram que tal fenómeno era mais uma fortíssima evidência da existência de uma quantidade apreciável de água manifestando-se aqui sob a forma de gelo: o planeta-anão Ceres, localizado na região do Cinturão de Kuiper, a cerca de 375/450 milhões de Km de distância do Sol.

 

“NASA's Dawn spacecraft has revealed many landslides on Ceres,

which researchers interpret to have been shaped by a significant amount of water ice.”

(nasa.gov)

 

Definição de Pareidolia:

 

“Fenómeno psicológico que consiste na identificação ilusória de significados ou padrões reconhecíveis, em resposta a estímulos vagos ou aleatórios.” (infopedia.pt)

 

Bart-Simpson-1.jpg

A face de Bart Simpson na superfície de Ceres

 

Um planeta-anão localizado no Cinturão de Asteroides (berço de muitos dos seus semelhantes de maiores ou menores dimensões), cumprindo a sua órbita em cerca de 4.5 anos, deslocando-se a uma V de quase 18Km/s, com um diâmetro inferir a 1000Km (cerca de 1/4 o da Lua), localizado a uma distância entre 2.5/3.0 UA (o Cinturão abrange uma região do Sistema Solar entre 3/4UA) e que para muitos pela sua estrutura, forma e tamanho (o maior objeto aí observado, mas menor que a Lua e menor que Plutão) poderia muito bem passar por um planeta (como já foi num passado distante e tal como Plutão já o foi num passado recente) ‒ ou então por um asteroide um dia podendo alterar a sua órbita (eventual colisão com outro corpo) e vir-nos fazer uma visita.

 

“Landslides cover more area in the poles than at the equator, but most surface processes generally don’t care about latitude. That’s one reason why we think it’s ice affecting the flow processes. There’s no other good way to explain why the poles have huge, thick landslides; mid-latitudes have a mixture of sheeted and thick landslides; and low latitudes have just a few.”

(nasa.gov)

 

Hoje em dia e com a sonda DAWN orbitando e observando cuidadosamente este agora planeta-anão, com o mesmo a apresentar-se como um dos potenciais e provavelmente mais vastos depósitos de água existentes no Sistema Solar ‒ pelo menos situando-se muito mais perto de outro seu grande rival o ultimamente tão falado satélite de Saturno Encelados (podendo ter oceanos subterrâneos de água gelada). E com alguns técnicos talvez desiludidos por mais uma vez não vislumbrarem sobre a superfície de um outro mundo o mais pequeno (que seja) sinal de Vida, a começarem a alucinar (a ver coisas colocadas num cenário onde jamais existiriam, tal e qual como numa miragem) sobrepondo o imaginário (infantil) à realidade (do adulto) e para tal desenhando em Ceres um produto certificado na Terra ‒ talvez como se colocássemos lá uma bandeira e a partir daí nos identificássemos com um nosso novo território. Deixando lá mesmo que editado a partir de cá a nossa impressão digital. Num fenómeno psicológico prevalecendo cada vez com maior intensidade e profundidade no tempo presente ‒ cada vez que nos movimentamos e envelhecemos um pouco mais ‒ e que no entanto face à manutenção das condições sociais e ambientais que nos rodeiam e com a definição de realidade a ser constantemente alterada (nem que seja nos valores a respeitar), nos leva a projetar cenários reconhecíveis (algo vagos mas resultando de estímulos ‒ em princípio reais) em vez de estudarmos os já existentes. Como se estivéssemos à procura da nossa própria sombra mas agora projetada à distância.

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:25
tags: , ,

16
Abr 17

[Confusão, Trapalhada, Salgalhada]

 

No sentido em que continuamos a oferecer uma resistência por vezes inexplicável senão mesmo incompreensível, ao aparecimento dos mais diversos sinais e incontornáveis vestígios da possível existência de Vida noutros locais que não a Terra ‒ e isto apesar de tudo o que lá acontece parecer (pelo menos à distância) tão semelhante (ou mesmo idêntico) ao que se passou/passa por cá: Evolução certamente com algum sentido (talvez acompanhada de Vida Orgânica como sempre apoiada pelo Mundo Mineral).

 

Se quisermos encontrar água seja doce seja salgada (rodeados de natureza e de tecnologia como é o caso da Terra) vasta mesmo olhar para o lado ou então abrir uma torneira. É claro que se não nos preocuparmos muito com isso, seja no passado seja no presente (enquanto a vemos é porque ainda existe), mas sabendo de antemão que um local não é para sempre (todo o sistema é dinâmico seja na Terra/Explorando os Oceanos seja no Espaço/Explorando o Universo), convém sempre olhar para mais longe e procurar o que já aqui temos: não só porque o conhecemos bem, como “de nós fazendo parte e procura-lo ser ciência mas também um pouco de arte”. Só sendo possível ao artista projetando livremente outros cenários sugerir ao cientista a importância da persistência na antecipação dos mesmos, de modo a assim se realçar os pré-existentes, destacando-os um pouco mais (retirando-os do esquecimento adquirido) e na concretização de um novo ciclo projetando-os (replicando-os) no Futuro ‒ à procura e sempre do mesmo, senão aqui (na Terra) um pouco mais longe (Encelados).

 

E1.jpg

 

Neste momento com a distância a ser apenas um pormenor: entre a Terra e Encelados separando-os mais de 1280 milhões de Km: viajando-se à velocidade da luz (300.000Km/s) demorando-se mais de 71 minutos a lá chegar. O que significa que em função da nossa longevidade/resistência e do comportamento/atitude de outros astronautas noutras situações semelhantes ‒ tomemos como um caso exemplar as missões Apollo à Lua ‒ uma viagem de 15 dias seria na realidade o ideal: sendo apenas necessário arranjar uma nave espacial capaz de atingir velocidades na ordem dos 1000Km/s (somente umas 20X/40X a velocidade de alguns asteroides/cometas) ‒ Impossível? Caso contrário o melhor será mesmo esperar mais uns bons anos pela concretização da viagem (ao ritmo de decadência atual uns 50 a 100 anos) e irmo-nos entretanto e como pretende Elon Musk entretendo (com pretensas aventuras e colonizações), explorando e fritando os nossos neurónios em Marte. E logo com a Lua aqui tão perto.

 

E2.jpg

 

Ou então optar por outra visão de Elon Musk, provável e irremediavelmente desiludido com as limitadas capacidades do homem de resistir a extremas provações (o tempo da utilização de escravos para acelerar à bruta o processo eventualmente já acabara), nos dias de hoje e infortunadamente com o mesmo a não ter os necessários tomates (dos escravos) como no tempo ainda tão próximo dos Descobrimentos, então com frágeis caravelas enfrentando o oceano e aí desaparecendo para sempre, nunca se contabilizando vidas mas aspirando-se sempre a grandes lucros: ligando-nos à corrente através de periféricos e utilizando a inteligência da máquina, sobrepondo-nos nós à mesma e fundindo-nos com ela. Eliminando excessos (de hardware atualizando o corpo) e potenciando virtudes (de software reprogramando a mente) ‒  e fazendo durar mais tempo o novo protótipo do Homem (um modelo talvez obrigatório de aplicação pelo menos enquanto andarmos entre simples apeadeiros e não entre Estações utilizando tecnologia pré-histórica).

 

E3.jpg

 

Tudo isto porque num dia em que Donald Trump fez mais uma gloriosa demonstração de todo o seu poder de fogo enviando uma Bomba Elefante sobre o Afeganistão (de modo a meter a tromba em qualquer gruta que pudesse albergar terroristas ‒ mas e se não forem?), obliterando tudo numa extensão de terreno de pelo menos 1Km, alguém se lembrou de falar de água (uma coisa tão comum) descoberta num mundo distante (quando aqui basta abrir a torneira): por um lado dando para se perceber qual o verdadeiro interesse no Espaço de políticos como Ted Cruz e como Marco Rubio, que parecendo muito interessados no desenvolvimento do Programa Espacial da NASA tem os seus olhos bem presos no desenvolvimento de foguetões poderosos, rápidos e de longo alcance. Para chegar onde e dominar quem? Mas voltemos a Encelados e deixemos os milionários entretidos com os seus terroristas (sejam máquinas como teme Musk sejam homens como teme Trump).

 

E6.jpg

 

Um dos satélites do longínquo e gigante-gasoso corpo celeste conhecido como Saturno (um dos 8 planetas do Sistema Solar em dimensão só superado por Júpiter), ainda hoje sob a observação da sonda norte-americana Cassini na sua já longa estadia nas imediações do mesmo (em sua órbita desde 2004) e que desde os primeiros dados recolhidos sobre essa lua (Encelados), refletindo a sua atmosfera, a sua superfície e até a sua possível estrutura interna, encontrou sinais senão mesmo evidências da possível existência de oceanos líquidos (subterrâneos), por vezes perfurando a camada superficial cobrindo a lua (devido ao exercício de fortes pressões internas) e acabando por ejetar material para o exterior sujeito a grande pressão, temperatura e velocidade, atingindo altitudes bem visíveis mesmo que observadas a muitos milhares de km pelas câmaras da minúscula sonda Cassini. E tal como se estivéssemos numa região hidrotermal, com a água quente surgindo por vezes à superfície e criando as condições ideais para nela evoluir e se instalar algo mais ‒ vida orgânica.

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:32

12
Mar 17

Se a procura de água na Terra já começa a ser para o Homem o novo desafio do Presente, a procura daquele composto que se tornará num Futuro cada vez mais próximo (se por acaso já não estiver por aí) num bem cada vez mais precioso para a nossa sobrevivência (e neste planeta já sob forte pressão de consumo e desperdício), inevitavelmente que se estenderá para fora do nosso ecossistema e na direção de objetos prometedores. Tendo logo à frente Europa/lua de Júpiter e Encelados/lua de Saturno (os mais prometedores podendo mesmo existir a possibilidade da existência de Vida), seguido de Ganimedes/lua de Júpiter (a maior lua do Sistema Solar podendo ter um oceano subterrâneo), Ceres (de entre os incertos o mais capaz de conter água) e porque não Marte (com vestígios de num passado bastante distante parte do planeta poder ter estado coberto por um oceano e ainda evidenciando no presente alguns sinais da presença de gelos sazonais e seu derretimento – levantando-se mesmo a hipótese da existência de depósitos subterrâneos, líquidos ou sólidos).

 

PIA20355.jpg

Ceres – Cratera Occator

Combinação de imagens do planeta-anão recolhidas pela sonda Dawn

(entre Setembro/2015 e Fevereiro/2016)

Uma cratera iniciada com um impacto forçando o material a sair e formando a cúpula central

 

Situado a cerca de metade da viagem entre o nosso planeta e o maior planeta do Sistema Solar – JÚPITER localizado a uma distância média de 5.2 UA – existe um pequeno corpo celeste que quando descoberto no início do séc. XIX pelo astrónomo italiano GUISEPPE PIAZZI (em 1801), foi inicialmente considerado como sendo um possível cometa, depois sendo a sua definição alterada para planeta menor e hoje em dia não passando de um simples PLANETA-ANÃO (localizado a uma distância média de 2.8 UA).

 

Sugerida a sua existência em 1772 (através de cálculos matemáticos levados a cabo por JOHANN BODE), descoberto 29 depois pelo padre católico e matemático Guiseppe Piazzi e já tendo sido considerado o 5ºplaneta do Sistema planetário centrado na nossa estrela o SOL (um planeta que ocuparia a região do Espaço onde se situa a Cintura de Asteroides), CERES faz agora companhia ao seu colega PLUTÃO: no grupo (dos anões) mas não no local (um na Cintura de Asteroides outro no Cinturão de Kuiper a 30/50 UA).

 

Hoje, tal como Plutão ainda há poucos anos considerado o nono, último e mais distante planeta do Sistema Solar (supostamente para lá dele não existindo outros corpos com características de planeta), com Ceres fazendo parte do grupo de corpos celestes integrando a Cintura de Asteroides (com um número indeterminado de objetos aí circulando), uns menores outros de dimensões mais relevantes e com órbitas interiores mais apertadas ou alargadas (com uma órbita como a de Plutão).

 

PIA21398.jpg

A cratera Occator

Contendo uma das áreas mais brilhantes observadas na superfície de Ceres

(com mais de 90Km de extensão e 4Km de profundidade)

Com a matéria brilhante a ser composta por sais de carbonato

 

Com Ceres a ser o único planeta-anão assim considerado (e pertencendo à Cintura de Asteroides) e como tal sendo até ao momento o maior objeto aí descoberto: tomando como referência VESTA um asteroide pertencendo à 1ªCintura (entre MARTE e Júpiter) e com cerca de 500Km de dimensão, com o planeta-anão Ceres a ser quase 2X Vesta e por sua vez com Plutão a ser mais de 4X Vesta e mais de 2X Ceres.

 

Como se vê com Ceres e Plutão a apresentarem dimensões mínimas e aceitáveis para ainda poderem ser considerados como planetas (o diâmetro de MERCÚRIO é aproximadamente o dobro de Plutão), mas sendo condicionados nas suas órbitas não podendo (por definição) ser considerados como tais (dependendo e podendo a mesma ser alterada por influência de outros corpos aí existentes). Se tomarmos como termo de comparação a LUA (um satélite) com esta a ser maior que Ceres e menor que Plutão.

 

E para quem ainda pretende descobrir os segredos deste imenso (para nós) e tão pequeno SISTEMA SOLAR (para o Universo) nada melhor que dirigirmo-nos a um corpo celeste se possível não muito distante, localizado próximo das rotas e dos últimos destinos procurados e claro está que nos possa dar antecipadamente pelo menos alguns sinais da presença de água de minerais e até de matéria orgânica (já que onde há água estará sempre presente o Mundo Mineral e talvez a base de construção do Mundo Orgânico).

 

PIA20350.jpg

Segundo os cientistas com a parte central e mais brilhante da cratera de Occator

A ser alguns milhões de anos mais nova

Do que a superfície do planeta-anão onde a mesma assenta

Com a matéria escura a ser composta por carbonatos misturados com outros materiais

 

Com a distância que já se faz assiduamente e com a maior das normalidades utilizando sondas automáticas entre a Terra e o planeta Marte (e que nos próximos anos segundo desejos da NASA e ambições da SPACE-X deixarão de ser automáticas passando a ser tripuladas – e desse modo retomando o envio de terrestres pelo interior do Sistema), podendo-se muito bem complementar a viagem com mais um pequeno salto até à Cintura (de Asteroides) aproveitando o momento para visitar Ceres.

 

Um corpo celeste localizado relativamente perto de nós (Marte fica a uma distância média de 1.5 UA do Sol e Ceres fica a cerca de 2.8 UA) e que pela sua distância à Terra (menos que 2x a distância) poderia demorar entre 300 a 600 dias a atingir o seu objetivo (tomando como referência o tempo gasto pelas sondas automáticas): dependendo esse tempo da velocidade de lançamento da nave espacial, do seu alinhamento com Ceres (preferencial quando está no seu afélio) e do total da distância necessária a percorrer entre o planeta e o planeta-anão.

 

Numa viagem interplanetária que levaria o Homem até à fronteira que separa os planetas interiores (Mercúrio, Vénus, Terra e Marte) dos planetas exteriores (Júpiter, Saturno, Úrano e Neptuno) do Sistema Solar, decorrendo num espaço temporal entre 1 a 2 anos e que colocaria pela 1ªvez a Humanidade face a um mundo alienígena (e gelado) e podendo conter no seu seio os componentes essenciais da Vida (pelo menos na Terra) – água e sais minerais – suportando a partir daí a possibilidade do aparecimento de material orgânico (mesmo que primitivo).

 

(imagens: photojournal.jpl.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:28
tags: , ,

10
Fev 17

“Já que no planeta Terra tudo parece ter parado no Tempo (onde é que está a Evolução da Mentalidade Humana e a sua Transformação para um nível superior de Felicidade, se a esmagadora maioria nem entende a Tecnologia que usa) nada mais nos resta senão olhar para o Espaço: e Imaginar, sonhando um dia tornar-se realidade. Pelo menos não ficando parados, continuando a morrer pouco-a-pouco e nem sequer nos apercebendo disso (estilo Zombie).”

 

Um corpo celeste onde num futuro próximo o Homem poderá colocar uma colónia terrestre, não só pela existência de Água e pela possibilidade de existência de Vida, como por poder ser um potencial Entreposto para nos lançarmos com mais segurança para além dos limites do nosso próprio Sistema.

 

PIA20522-2.tif

PIA 20522

(parcial)

Vista parcial do Hemisfério de Encélado virado para Saturno

(com o N para a esquerda e o S para a direita)

 

A maior lua do Gigante Gasoso Saturno (diâmetro Saturno = 9.5 X diâmetro da Terra), descoberta há 228 anos pelo astrónomo alemão William Herschel (observando-a a cerca de 1500 milhões de Km) e que só passou a ser mais conhecida há cerca de 37 anos aquando da passagem nas suas proximidades da sonda Voyager 2 (oferecendo-nos aí imagens a cerca de 120 mil Km de distância). Só mais tarde voltando a ser visitada aquando da passagem de uma nova missão (vai fazer 12 anos), tendo como objetivo Saturno e os seus satélites naturais – integrando nesse projeto a sonda Cassini-Huygens (com o módulo Cassini como orbitador terminando a sua missão em Setembro deste ano ao entrar na atmosfera de Saturno e com o módulo Huygens terminando a sua missão aterrando na lua Titã – em Janeiro de 2005).

 

Na continuação da sua missão iniciada em 1997, com a sonda a entrar em órbita de Saturno em 2004 e com o seu fim já agendado para 15 de Setembro de 2017. E nesta imagem da NASA capturada em Novembro de 2016 (a 130 mil Km de distância da sonda Cassini) apresentando-nos mais uma vez Encélado: tal como o afirma a Agência Espacial Norte-Americana “um mundo frio, gelado e inóspito” mas que debaixo dessa capa exterior “poderá apresentar as condições necessárias para a existência de Vida”. E que dadas as observações realizadas ao longo destes últimos anos em redor desta lua, mostrando-nos “jatos de água enviando partículas de gelo para o Espaço a partir da sua superfície” e a existência de um “oceano debaixo da sua crosta gelada (podendo apresentar atividade hidrotermal) ”, acabando por levar os cientistas da NASA (responsáveis por esta missão e suas conclusões) até pela presença de água líquida como sendo um ingrediente-chave para a existência de Vida”, a considerar Encélado como um dos alvos prioritários para a procura da mesma Vida” no Sistema Solar.

 

PIA17184.jpg

PIA 17184

Geiseres no Polo sul de Encélado

Com a sombra da lua visível no contraste com a emissão de geiseres

(30.11.2011)

 

Levando os cientistas da NASA a reconsiderarem a imagem que temos hoje desta lua (que poderá não ser a mesma amanhã) e a atribuírem à imagem de Encélado o título de “Potencial Hospitable Enceladus”. Do Presente passando-se para o Futuro e tornando tudo claro como Água – mas com outros Mundos mais longínquos como Europa (lua de Júpiter), a distâncias aproximadas de Ganimedes (como outra das luas de Saturno Encélado) ou mais perto do planeta Terra como Ceres (planeta-anão localizado na Cintura de Asteroides a cerca de 380-445 milhões de Km – cerca de 1/3 da distância Terra/Encélado) a também poderem ser potenciais fornecedores. Utilizando uma nave espacial movida a fotões demorando pouco mais de 83 minutos a chegar a Encélado e menos de 25 minutos a chegar a Ceres – bastando para tal um propulsor a fotões, um chassis que o aguente e homens rigorosamente protegidos (da nave e do exterior).

 

(texto/itálico/negrito: pensamento NASA – imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:21

30
Dez 16

[Já que na Terra se desperdiça]

 

“Opportunity is continuing its great 21st century natural history expedition on Mars, exploring the complex geology and record of past climate here on the rim of the 22-km Endeavour impact crater.”

 

Opportunity-Sol-4587_1b_Ken-Kremer-.jpg

MARTE – SOL 4587

(19.12.2016)

 

Tendo aterrado em Marte em 25 de Janeiro de 2004 o ROVER OPPORTUNITY (em mais uma iniciativa da NASA utilizando sondas automáticas não tripuladas) encontra-se neste fim-de-ano de 2016 no seu 4600º dia de permanência (de trabalho, de estudo e de investigação) sobre a superfície do Planeta Vermelho: tendo como objetivo da sua missão projetada inicialmente para se estender por apenas 90 dias marcianos ou SOL (um dia marciano tem quase mais 40 minutos que um dia terrestre), o estudo da geologia marciana, a procura da existência de água e a possibilidade de Marte ter tido no passado um ambiente propício ao aparecimento de vida.

 

“Opportunity has begun the ascent of the steep slopes here in the inner wall of Endeavour impact crater after completion of a survey of outcrops close to the crater floor. The goal now is to climb back to the rim where the terrain is less hazardous, drive south quickly about 1 km south, and arrive at the next major mission target on the rim before the next Martian winter.”

 

Hoje (30 Dez) e perto de atingirmos o seu 13º Aniversário Terrestre de permanência sobre a superfície de um planeta para os terrestres alienígena, podendo-se desde já afirmar que com a colaboração preciosa da sua colega mais nova CURIOSITY (em Marte desde 6 de Agosto de 2012), o nosso conhecimento no presente se encontra muito mais perto do que este planeta é e terá sido no passado: e olhando para um dos nossos vizinhos mais próximo e aparentemente mais familiar (os outros dois candidatos seriam o planeta Vénus e a nossa Lua) podendo ver na sua imagem um dos episódios (objetivos) da História da Terra (talvez no futuro).

 

“Endeavour crater dates from the earliest Martian geologic history, a time when water was abundant and erosion was relatively rapid and somewhat Earth-like. So in addition to exploring the geology of a large crater, a type of feature that no one has ever explored in its preserved state, the mission seeks to take a close look at the evidence in the rocks for the past environment. Thus we are trying to stick to the crater rim where the oldest rocks are.”

 

Amanhã com o veículo motorizado da sonda OPPORTUNITY de momento continuando ativo e circulando (tendo até 13 de Dezembro deste ano percorrido 43.65Km), escalando as elevações que se lhe vão deparando pelo caminho à medida que vai deixando para trás outros terrenos já percorridos pelo mesmo no vastíssimo interior da cratera ENDEAVOUR (uma cratera de impacto com 22Km de diâmetro): dirigindo-se para uma elevação localizada no flanco ocidental que limita a referida cratera, evidenciando no aspeto apresentado à superfície vestígios de erosão talvez provocados pela presença e deslocação de água (no passado remoto de Marte talvez há biliões de anos).

 

(texto/itálico: Larry Crumpler New Mexico Museum of Natural History & Science – imagem: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:19

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO