Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

04
Abr 19

Última prova do Circuito Mundial de Snooker época 2018/19 (atribuindo ao vencedor um prémio de 225.000£) – com o detentor do troféu o inglês Mark Selby a ser eliminado logo na ronda de Qualificação − tendo o inglês Ronnie O’Sullivan como Líder do Ranking Mundial (que manterá concluída esta prova) e Neil Robertson (pelas suas últimas grandes exibições só travadas nas finais por Ronnie O’Sullivan) como principal favorito à vitória neste Open. E com o australiano e o inglês Stuart Bingham a serem os únicos (entre os 8 jogadores ainda em prova) a poderem repetir uma vitória numa prova de RM esta época (caso vençam, sendo a terceira) − tal acontecendo (obviamente a um deles) igualando The Rocket (com 3 vitórias em provas de RM).

 

JS114765978_Action-Images_The-Dafabet-Masters_tran

Ronnie O´Sullivan

The Rocket

ING/43 anos

Líder do RM

5X Campeão do Mundo

36 provas de RM

1008 breaks centenários

A caminho das 11.000.000£

 

Concluída a 3ª ronda do OPEN da CHINA são estes os encontros programados para os Quartos-de-Final (a disputar sexta-feira, 5 de Abril):

 

Fase

H

J

N

RM

J

N

RM

QF1

14:00

Sam

Craigie

ING

73º

Neil

Robertson

AUS

QF2

14:00

Alan

McManus

ESC

50º

Luca

Brecel

BEL

13º

QF3

19:30

Jack

Lisovski

ING

14º

Stuart

Bingham

ING

11º

QF4

19:30

Ben

Woollaston

ING

37º

Scott

Donaldson

ESC

46º

(H; Hora J: Jogador N: Nacionalidade RM: Ranking Mundial QF: Quartos-de-Final)

 

neil_robertson_world_champion_2010.jpg

Neil Robertson

The Thunder from Down Under

AUS/37 anos

7ºRM

1X Campeão do Mundo

15 provas de RM

632 breaks centenários

Tendo já ultrapassado os 4.000.000£

 

À entrada dos quartos-de-final do Open da China (última prova antes da disputa do Campeonato do Mundo de 2019) com o Top 64 devendo manter-se até ao início das Qualificações para o Mundial (exceção feita ao inglês Sam Craigie/73ºRM, estando presente na Final, integrando esse Top e retirando o seu compatriota Rory McLeod/64ºRM do mesmo) − dando acesso direto na próxima época ao Circuito Mundial de Snooker – com o mesmo a suceder com o TOP 16 (com o inglês David Gilbert/16ºRM a encerrar o grupo) caso não aconteça uma enorme surpresa: Ben Woollastan/ING/37ºRM,  Scott Donaldson/ESC/46ºRM ou então Alan McManus/ESC ganharem o XingPai China Open. O que na realidade seria um terramoto (pelo menos e na brincadeira para os chineses, sem Ronnie, sem Selby, sem Trump e sem Junhui, e ainda-por-cima a atribuirem um prémio milionário a um jogador "desconhecido").

 

(imagens: Action Image/telegfaph.co.uk − grovesnooker.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:02

26
Jan 19

[Com o Deutsche Bank (umas das maiores instituições financeiras mundiais) já falido e com o Baralho a Desfazer-se (veja-se o Brexit).]

 

A China à Conquista da Europa e do Mundo

 

beltroad_cina.jpg

Na concretização de um projeto do seu Presidente Xi-Jinping

(num caminho iniciado em 2013)

Repondo a Rota da Seda e pré-declarando a chegada do Novo Império

(substituindo o anterior)

 

Sendo certo que neste ano de 2019 (talvez com um apêndice em 2020, antes das Presidenciais Norte-Americanas) algo terá que suceder (de verdadeiramente relevante) de modo aos EUA surpreenderem (todo o Mundo) – confirmando-se como Imperio Reinante – mantendo por mais um pouco (pelo menos umas temporadas) o suspense Global sobre o Líder: vendo-se aí e então (face aos dois blocos em presença) qual a Força das Armas (neste início do ano já com o dólar sob ataque) – se as do Bem ou do Mal.

 

Sob a batuta virtual de Xi-Jinping (China) – e do seu país a caminho dos 1.400 milhões de habitantes/sendo o 3º em área – e de Vladimir Putin (Rússia) – e do seu país a caminho dos 147 milhões de habitantes/sendo o 1º em área, muito bem acompanhados por territórios estratégica e igualmente extensos (e ricos) como a Índia – a caminho dos 1.280 milhões de habitantes /7º em área – a Turquia – a caminho dos 77 milhões de habitantes/36º em área – e o Irão – a caminho dos 79 milhões de habitantes/17º em área – ou seja e considerando apenas estes 5 países cerca de 40% da população Mundial, o último Eixo do Mundo tendo como centro do mesmo o Atlântico e as suas margens a América e a Europa – assim decretado desde meados do século XIX, oficializado com a criação da NATO, já lá indo mais de 70 anos – mostra claramente que a deslocação desse Eixo (do poder Económico/Financeiro Global) se dirigiu ainda mais (talvez já irreversivelmente) para leste (tendo a Europa/o nosso continente como referência) tendo o Índico-Pacífico como ponto central e a América e a Ásia como fronteiras: deslocando-se (longitudinalmente) de Washington e centrando-se em Pequim e colocando nas mãos da China (e dos seus aliados como a Rússia) o Futuro do nosso Mundo (Sociedade/Civilização), antes (por nós) centrado na Europa, de seguida na América (do norte) e agora no Império da Ásia. E confirmando-se tal facto pela desagregação da Europa (com a economia a abrandar e nova Bolha a caminho) e pelo seu isolamento crescente (desta Europa bipolar, agora e depois do Brexit, nas mãos da dupla Merkel/Macron) face aos aparentemente desinteressados EUA (com Trump isolado internamente, a ter que optar até 2020 por algo espetacular a nível externo): com os EUA deixando cair (lentamente) a Europa, com a Rússia de costas voltadas para ela (virada para a sua parte asiática) e com as multidões de migrantes (entre elas africanas) a espalharem-se por todo o lado.

 

(imagem: agenziacomunica.net)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:09

16
Jan 19

 

Depois de iniciarem o seu próprio projeto de construção de uma Estação Espacial (agora que a ISS caminha rapidamente para o seu fim de atividade), lançando-se agora em direção ao nosso único satélite (natural) com a intenção de lá colocar a primeira base lunar (terrestre).

 

Colocados sobre a superfície do nosso satélite natural dois módulos terrestres

 

– Um módulo de alunagem e um ROVER –

 

6780078.jpg

O Outro Lado da Lua

Visitado pela China

(e com o ROVER já circulando)

 

Tendo como remetente a CHINA e a sua agência espacial CNSA,

 

Protagonizando neste episódio como um dos fatores relevantes desta missão

 

– E relevando todo o poderio científico e tecnológico chinês na área da EXPLORAÇÃO ESPACIAL, juntando-se aos EUA e à RÚSSIA –

 

A chegada pela 1ª vez de um artefacto de origem terrestre ao OUTRO LADO DA LUA

 

– A sonda automática CHANG’E-4:

 

O lado que observado pelo HOMEM a partir da TERRA nunca está visível, já que a Lua nos apresenta sempre a mesma face virada para nós.

 

Sendo assim os chineses os pioneiros nesta exploração lunar

 

– Tocando

The Dark Side of The Moon

(lado escuro para nós, apenas porque não o vemos) –

 

Num dos lados da Lua só anteriormente explorados por módulos orbitais.

 

iStock-153687718-1024x383.jpg

Base Lunar em perspetiva

Com os chineses querendo tomar a dianteira

(e com a Chang’e-4 a abrir o caminho)

 

[Uma boa hipótese para muitos dos teóricos da Conspiração (aqui com a colaboração dos Chineses) tentarem resolver alguns dos (seus) Mistérios da Lua, como a de que a mesma seria um elemento estranho (tendo cá chegado mais tarde), seria eventualmente oca (não maciça como a Terra), podendo ainda albergar alienígenas (razão pela qual os norte-americanos lá não voltaram) – não gostando estes da nossa presença por lá.]

 

(imagens: cnsa.gov.cn e gaia.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:58

04
Jan 19

[E os Chineses já Lá Estão.]

 

Com uma sonda espacial (terrestre e não tripulada) tendo como origem a CHINA a ser a primeira (do género) a tocar a superfície do OUTRO LADO DA LUA – a sonda CHANG’E-4 alunando ontem dia 3 de Janeiro de 2019 – este grande país asiático vira-se definitivamente para o Espaço como uma das formas (as outras prioritárias sendo a Económica e a Financeira) de se impor como uma das maiores potências Mundiais:

 

CHINA 1.jpg

 

Depois dos EUA e da RÚSSIA (ainda-por-cima agora que se prepara para a construção da sua própria Estação Espacial, num momento em que a ISS rapidamente se encaminha para o seu fim de vida) com a China a entrar neste grupo restrito e de dificílimo acesso e no Meio da História da Aventura Espacial do Homem, a poder intitular-se (a partir de ontem) como um dos pioneiros;

 

CHINA 2.jpg

 

E depois de norte-americanos e russos já terem alunado/circulado na superfície da LUA (os norte-americanos tendo mesmo presencialmente por lá passeado de carro/ROVER e a pé) mas na sua face visível (dado o movimento de rotação da Terra e de translação da Lua em torno de nós serem praticamente iguais – em torno de 24 horas – com o nosso satélite natural a apresentar sempre a mesma face virada para nós), agora com os chineses superando o obstáculo da interrupção nas comunicações (sendo a Lua o obstáculo) a alunarem mas (os primeiros a concretizarem-no) do Outro Lado da Lua (ou também como se diz/não sendo muito correto do Lado Mais Afastado da Lua ou do Lado Escuro da Lua/The Dark Side of The Moon).

CHINA 3.jpg

 

Tal como afirmam os chineses (e a sua Agência Espacial a CNSA) “abrindo um Novo Caminho da Exploração da Lua pelo Homem” e desde já colocando um olho em Marte, Júpiter e ainda nos asteroides.

 

(imagens: CNSA)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:14

Numa época em que os EUA apenas olham para o seu Umbigo (desprezando mesmo os seus mais fiéis aliados), não se percebe mesmo nada do que a Europa está à espera: numa altura em que (nomeada a sucessora de Merkel) já se deveria falar da falência da banca na Alemanha. E com os norte-americanos a olharem ainda mais a Oriente (Rússia, China e Irão).

 

The_Brandt_Line.jpg

A linha dividindo

O Hemisfério Norte Desenvolvido, Rico e Saudável

Do Hemisfério Sul em Vias de Desenvolvimento, Pobre e não recomendável

(atual)

 

Com o planeta Terra dividido em dois Hemisférios, o Hemisfério Norte e o Hemisfério Sul – com o primeiro deles a ser o Privilegiado e o segundo a ser o Esquecido (considerando-se o aproveitamento Civilizacional de todas as descobertas científicas e tecnológicas postas à disposição da Humanidade) – eis que um Evento ao nível da Extinção vem marcar uma alteração profunda no cenário desde há tempos observado no Hemisfério Norte: tragicamente, sob os nossos olhos e sem que se faça nada em contrário, com o Protagonismo deste Hemisfério a passar de Ocidente para Oriente. E como acontece sempre nestas ocasiões (a ocasião faz o ladrão) com o Predador julgando-se na Selva (e achando-se ainda o mais forte) a deslocar-se para o território das suas potenciais e novas vítimas: aqui com os Norte-Americanos a virarem as costas à Europa (entretida com o Brexit e com Putin) e sem hesitações dirigindo-se rumo à Ásia. Amanhã completando-se a Queda de um Império (depois do Romano, o Norte-Americano) e confirmando-se a sua substituição por um outro (previsivelmente o Império Chinês), ficando ainda por se saber qual o papel da Europa no Futuro da Construção do Mundo (que não só da Terra como também do Espaço). Nem sequer se falando aqui da Rússia com a China (talvez) já dominando o Mundo.

 

-1x-1.png

No início da 2019

Comparando as previsões de crescimento

Do GDP da China e da Europa

(1960/2018)

 

Progressivamente e de um modo aparentemente irreversível com o Eixo Económico Mundial (e por associação Financeiro) a transferir-se do Grupo centralizado em torno da região do Atlântico-Mediterrânico – liderado pelos EUA & apoiado pela (maioria da) Europa (sobretudo os mais poderosos) – para um novo Grupo centralizado na região do índico-Pacífico – liderado pela China & apoiado pela (maioria da) Ásia (sobretudo pelos mais poderosos) – deve ser no mínimo preocupante para a Europa (hierarquicamente considerado um subordinado dos EUA) não só o conjunto da Economia Asiática ter já ultrapassado a da América (continente) em 2016 como igualmente o do crescimento económico da própria China (visto individualmente) ser (desde já) cerca do triplo de uma vintena dos mais poderosos países Europeus (do Euro). Podendo-se assim afirmar ter chegado o Século da Ásia (século XXI) com a Europa (para além do colosso Chinês) a competir com países como o Japão, a Índia, as Filipinas, a Indonésia e a Coreia do Sul (entre outros).

 

THE_WORLD_MAP_OF_THE_FUTURE_(2018_-_3018)...WOW!.j

Uma possibilidade de divisão política/ideológica

Do nosso planeta Terra

Para um Futuro Mapa do Mundo

(apontando para o ano de 2038)

 

No presente início deste Ano Novo de 2019 DC, com um dos Eixos Virtuais (e fundamentais por civilizacional) da Vida do planeta Terra – o Económico/Financeiro – tendo já iniciado a sua irreversível deslocação – anos antes (claramente e para quem quis ver/dadas as consequências trágicas dessa cegueira) – e inclinando-se desde já vertiginosamente (quase 40⁰ em latitude) em relação à sua posição anterior – Washington latitude/38,9N e longitude/77,0E contra Pequim latitude/39,9N e longitude/116,4E e distando mais de 11.000Km – com a estratégica política de Donald Trump (esmagado pelos Média autointitulando-se representantes da Sociedade Civil) e da sua Administração Republicana (e Populista) mais uma vez realinhada com a tradicional opção política dos representantes desse partido – suportada pelo apoio incondicional da sociedade não civil apoiada pelo denominado Complexo Industrial Militar – a manter o rumo entretanto tendo vindo a ser consolidado, desde o abandono de Acordos Civis (como o das Alterações Climáticas, do Tribunal Penal internacional e agora da UNESCO) até à reorientação dos alvos militares (agora considerados) estratégicos: por algum motivo abandonando a Ucrânia e a Síria (deixando esses problemas para a Europa, como se já não bastasse a crise, as migarações e o Brexit) e reorientando todas as suas baterias (pelo menos as mais poderosas) tendo como alvo a Rússia, a China e claramente o Irão.

 

6a00d8341c82d353ef0133ed850e7c970b.jpg

Uma visão alucinante do planeta Terra

E da sua divisão geopolítica

Segundo um cidadão comum norte-americano

(citando cinabrio blog a partir de Wikileaks/George Friedman)

 

Para além da responsabilidade destas na deslocação do Eixo Terrestre convindo destacar igualmente o caso da Venezuela (o apêndice do Eixo do Mal da América do Sul): quanto aos países do Mundo com maiores reservas de Petróleo (por explorar e com 8 deles com perspetivas significativas) vindo em 1º lugar a Venezuela/13º produtor, em 4º lugar o Irão/7º produtor e em 8º lugar a Rússia/2º produtor). Ah…e ainda vindo a China em 15º lugar/6º produtor.

 

Pelo que não sendo surpreendente que face às tensões globais resultantes deste cenário agora envolvendo dois Blocos (ao contrário de apenas um, desde a inceneração definitiva, do extinto Bloco de Leste) – pelo Império ainda Reinante (EUA) integrando no menu ameaças e/ou chantagens (sansões), muito dinheiro ou papel (dólares) e ainda montes de armas – o elo mais fraco (antes tido forte) se vá (o Dólar) tão frágil é a sua base, assente num mero papel (sucumbindo o restante menu): bastando na troca impor idêntica correspondência em valor (real/efetivo) no objeto transacionado. E aí surgindo o OURO! Depois da China e da Rússia com outros países asiáticos – gigantes como a Índia, países charneira como a Turquia e produtores de petróleo (com grandes reservas) como o Irão – nas suas trocas comerciais (protegendo-se contra a flutuação da moeda) a começarem a exigir Ouro como forma de pagamento, não aceitando o papel (o dólar) e as consequências da (sua) adoção (impostas pela sua origem) – de trágicas consequências (na supremacia e poder global) para o Imperio atual (e para o colateral caso de Portugal).

 

(imagens: Wikipedia.org – Bloomberg – wikia.com – over-blog.es)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:54

03
Nov 18

Na sua 7ª edição (consecutiva) desde o ano de 2012 (quando se realizou a sua 1ª edição), o INTERNATIONAL CHAMPIONSHIP disputado na CHINA, teve até ao presente (incluindo a 6ª edição) 5 vencedores diferentes (num total de 9 finalistas): MARK SELBY/ING 2X, JOHN HIGGINS/ESC, RICKY WALDEN/ING, DING JUNHUI/CHI e JUDD TRUMP/ING todos 1X (a estes adicionando-se os Finalistas derrotados Mark Allen/IRLN 2X, David Gilbert/ING, Marco Fu/HK e Neil Robertson/AUS todos 1X).

 

1ª Meia-Final

(2 Novembro 2018)

À melhor de 17 frames

 

_104117828_markallen.jpg

Mark Allen

(Mark Allen beats Matthew Stevens 9-6 to reach final/BBC)

 

J

N

RM

1ªS/1ªP

1ªS/2ªP

2ªS/1ªP

2ªS/2ªP

F

Mark Allen

IRLN

11

1

4

2

2

9

Matthew Stevens

ESC

44

3

0

2

1

6

Evolução

Frames

-

-

1-0; 1-1

1-2; 1-3

2-3; 3-3

4-3; 5-3

6-3; 6-4

6-5; 7-5

7-6; 8-6

9-6

-

(J: Jogador N: Nacionalidade S: Sessão P: Parte F: Frames)

 

À chegada às Meias-Finais da 7ª prova do Circuito Profissional (época 2018/18) contando para o Ranking Mundial (RM) – de Snooker – com 4 jogadores de nacionalidades diferentes a poderem estrear-se ou a repetir a proeza, vencendo a Final e conquistando o troféu – de uma prova de RANKING: podendo estrear-se a vencer 1 prova de Ranking ALLEN, LISOVSKI ou STEVENS e podendo repetir a presença na Final – mas agora vencendo-a – ROBERTSON (derrotado na 1ª edição por TRUMP).

 

2ª Meia-Final

(3 Novembro 2018)

À melhor de 17 frames

 

5283-3522-2.30995513.jpg.gallery.jpg

Neil Robertson

(Neil Robertson beats Jack Lisowski to reach Daqing final/WirralGlobe)

 

J

N

RM

1ªS/1ªP

1ªS/2ªP

2ªS/1ªP

2ªS/2ªP

F

Neil Robertson

AUS

9

2

2

3

2

9

Jack Lisovski

ING

17

2

2

1

2

7

Evolução

Frames

-

-

0-1; 1-1

2-1; 2-2

3-2; 3-3

3-4; 4-4

4-5; 5-5

6-5; 7-5

8-5; 8-6

8-7; 9-7

-

(J: Jogador N: Nacionalidade S: Sessão P: Parte F: Frames)

 

E apurados os dois Finalistas do 2018 International Championship – o australiano NEIL ROBERTSON e o norte-irlandês MARK ALLEN – estando marcado para o próximo domingo (4 de Novembro) a disputa da FINAL (da competição) desenrolando-se esta em duas sessões (1ªsessão/07:00 e 2ªsessão/12:30 – hora de Portugal) e à melhor de 19 FRAMES. Estando por um lado em jogo a 2ª vitória do australiano Neil Robertson em provas de RM nesta época de 2018/19 – e a subida a 1º de Líder do RM da Época – e pelo outro lado a 1ªvitória esta época do norte-irlandês Mark Allen numa prova contando para o RM – para além da sua subida a 7ºRM.

 

Campeonato Internacional

FINAL – Daquim/China

4 Novembro 2018

 

NEIL ROBERTSON – MARK ALLEN

 

Uma Final a ser disputada pelos dois jogadores que mais fizeram para isso nas 6 eliminatórias – anteriormente disputadas (RQ/1ªR/2ªR/3ªR/QF/MF) – e que no Ranking Provisório da Época ocupam de momento o TOP 4: e Vencendo (um ou outro) chegando a Líder Provisório (da época). Num frente-a-frente ROBERTSON/ALLEN e dos 22 jogos disputados entre si, com Robertson tendo ganho 14 e Allen tendo ganho 8, com o último duelo entre ambos a ser favorável a Allen (por 5-4 no Open Mundial de 2017/últimos 16) e com a única Final a ser disputada entre ambos a ser ganha por Robertson (2015 Champion of Champions vencendo por 10-5). Razão pelas quais as apostas apontam para o favoritismo do australiano: ROBERTSON 52.5% e ALLEN 47.5%.

 

(imagens: bbc.com – wirralglobe.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:21

02
Nov 18

Com Lisovski e Stevens a poderem ganhar a sua 1ª prova de RM

 

Atingidas as Meias-Finais daprova – contando para o Ranking Mundial (RM) – do Circuito Mundial de Snooker (época 2018/19), o jogador com a tacada mais alta nesta competição – o norte-irlandês MARK ALLEN/11ºRM com 146 pontos – o ex-Campeão do Mundo de Snooker de 2010 – o australiano NEIL ROBERTSON/10ºRM – e o mais velho e mais novo dos outros dois jogadores apurados (nesta fase) – respetivamente o galês MATTHEW STEVENS/44ºRM e o inglês JACK LISOVSKI/17ºRM – decidem a partir desta sexta-feira (2 de Novembro) quais serão os dois Finalistas da edição deste ano (de 2018): vencendo essa Final (à melhor de 19 Frames) sucedendo ao detentor do troféu o inglês Mark Selby (na edição deste ano eliminado nos Quartos-de-Final).

 

Neil_Robertson_at_Snooker_German_Masters_(DerHexer

Neil Robertson

 

International Championship

Meia-Final 1

2 Novembro 2018

(sexta-feira: 07:00/11:30)

 

Fase

J

N

F

J

N

F

MF1

Neil Robertson

AUS

Vs.

Jack Lisovski

ING

MF1

RQ

Ross

Muir

ESC

6-1

Oliver

Lines

ING

6-5

R1

Matthew

Selt

ING

6-1

Chris

Wakelin

ING

6-1

R2

Joe

Perry

ING

6-5

Marco

Fu

HK

6-3

R3

Yuan

Sijun

CHI

6-4

Martin

Gould

ING

6-5

QF

Mark

Selby

ING

6-4

Judd

Trump

ING

6-2

(J: Jogador N: Nacionalidade RM: ranking Mundial F: Frame)

 

International Championship

Meia-Final 2

3 Novembro 2018

(sábado: 07:00/11:30)

 

Fase

J

N

F

J

N

F

MF2

Matthew Stevens

GAL

Vs.

Mark Allen

IRLN

MF2

RQ

Hamza

Akbar

PAQ

6-3

Paul S

Davison

ING

6-0

R1

Jordan

Brown

ING

6-4

Liam

Highfield

ING

6-5

R2

Mark

King

ING

6-5

Hossein

Vafaaei

IRA

6-3

R3

Ding

Junhui

CHI

6-5

Alfie

Burden

ING

6-1

QF

Martin

O’Donnell

ING

6-5

Allister

Carter

ING

6-0

(MF: Meia-Final RQ: Ronda Qualificação R: Ronda QF: Quartos-Final)

 

800px-Matthew_Stevens_PHC_2012.jpg

Matthew Stevens

 

Entre os 4 jogadores finalistas destacando-se desde logo o australiano Neil Robertson ex-Campeão do Mundo e melhor cotado (entre os ainda presentes) na tabela do RM, sendo para além do norte-irlandês Mark Allen o único a já ter ganho provas contando para o Ranking Mundial: ao contrário do inglês Jack Lisovski e do galês Matthew Stevens já tendo sido Finalistas (de provas contando p/RM) mas perdendo as finais. Concluindo-se a competição no próximo domingo 4 de Novembro com a disputa da Final em 2 sessões (07:00/12:30) e transmissão Eurosport.

 

(imagens: wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:45

31
Out 18

 [3ª Ronda]

 

Apurados os 16 jogadores que irão disputar amanhã (31 de Outubro) a 3ª Ronda do INTERNATIONAL CHAMPIONSHIP – 7ª prova da época (2018/19) a contar para o Ranking Mundial e cujo detentor do troféu (conquistado em 2017) é o inglês e Líder do RM MARK SELBY – é este o quadro de encontros de onde sairão os 8 jogadores apurados para os Quartos-de-Final (a disputarem-se quinta-feira dia 1 de Novembro):

 

a30502bb-9f9f-42fe-b4c9-2e3b15b3b257.jpg

MarK Selby

Detentor do Troféu

2017 International Championship

 

Jogo

(3ªR)

J

N

RM

J

N

RM

1

Mark

Selby

ING

1

Stuart Carrington

ING

44

2

Martin

Gould

ING

26

Jack

Lisovsky

ING

18

3

Yan

Bingtao

CHI

22

Judd

Trump

ING

5

4

Martin

O’Donnell

ING

65

David

Gilbert

ING

21

5

Neil Robertson

AUS

10

Yan

Sujin

CHI

67

6

Matthew

Stevens

GAL

51

Ding

Junhui

CHI

7

7

Alfie

Burden

ING

87

Mark

Allen

IRLN

11

8

Ali

Carter

ING

17

Akani

Songsermsawad

TAI

64

(J: Jogador N: Nacionalidade RM: Ranking Mundial R: Ronda)

 

Uma prova a decorrer de 28 de Outubro a 4 de Novembro na cidade chinesa de DAQING atribuindo ao seu Vencedor um prémio de 175.000£ e ao outro finalista (vencido) 75.000£. E dos 16 jogadores sobreviventes restando 5 integrando o TOP 16 – Mark Selby, Judd Trump, Ding Junhui, Neil Robertson e Mark Allen – distribuídos (os jogadores) por 6 nações e 3 continentes: Inglaterra (9), País de Gales (1), Irlanda do Norte (1), China (3), Tailândia (1) e Austrália (1), entre a Europa (11), a Ásia (4) e a Oceânia (1).

 

E dos 16 jogadores ainda em prova apenas com o inglês Mark Selby e o australiano Neil Robertson a poderem conseguir a sua 2ª vitória (nesta época 2018/19 e em 7 provas realizadas) – tendo o inglês Kyren Wilson (neste International Championship eliminado logo na 1ª ronda) 2 vitórias, mas uma numa prova contando p/RM e a outra numa prova não contando p/RM (por convite).

 

Com metade da 3ª ronda já disputada conhecendo-se já 4 dos 8 jogadores apurados para os Quartos-de-Final – MARK SELBY (vitória por 6-3), JACK LISOVSKY (vitória na negra por 6-5), JUDD TRUMP (vitória esclarecedora por 6-1) e MARTIN O’DONNELL (vitória esclarecedora por 6-1) – e o emparelhamento de 1 desses 4 jogos (dos QF): JACK LISOVSKI vs. JUDD TRUMP. E com a outra metade a decorrer a partir das 11:30 – ou seja dentro de momentos (19:30 em Daqing/China) – com transmissão Eurosport.

 

(imagem: china.org.cn)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:23

01
Out 18

[Challenge Tour 5 (Challenge) – EverGrande China Championship (Ranking)]

 

Challenge Tour 5

 

Fase

David

Lilley

ING

F

Brandon

Sargeant

ING

F

R1

Wayne

Townsend

ING

3-0

Ryan

Davies

ING

3-0

R2

Peter

Delaney

ING

3-0

David

Grace

ING

3-0

R3

Joshua

Cooper

ING

3-0

Jake

Nicholson

ING

3-1

QF

Mitchell

Mann

ING

3-2

Saqib

Nasir

ING

3-0

MF

Sydney

Wilson

ING

3-1

Daniel

Womersley

ING

3-2

(F: Frame R: Ronda QF: Quartos-Final MF: Meia-Final)

 

Lilley.jpg

David Lilley

(ING)

Vencedor do CT 5

 

Fase

J

N

F

J

N

Final

David

Lilley

ING

3-1

Brandon

Sargeant

ING

(J: Jogador N: Nacionalidade)

 

Com a vitória do inglês DAVID LILLEY conclui-se a quinta prova do Challenge Tour disputado em Derby-Inglaterra – sucedendo assim aos quatro vencedores (todos diferentes) das provas anteriormente disputadas: Brandon Sargeant (CT1/ING), David Grace (CT2/ING), Barry Pinches (CT3/LET) e Mitchell Mann (CT4/GER) todos ingleses. E ao fim de cinco (das dez) provas disputadas com MITCHELL MAN e BRANDON SARGEANT a liderarem o Ranking do Challenge Tour 2018/19 (apurando os dois primeiros para o Circuito Profissional Principal de 2019/20). Realizando-se o Challenge Tour 6 em 4/5 de Outubro na cidade de Lommel (Bélgica) simultaneamente com a realização do Masters Europeu (prova de Ranking de 1/7 Outubro) a decorrer na mesma cidade. E às duas provas ainda se juntando (uma terceira igualmente disputada na Bélgica/em Neerpelt) o Masters Europeu Feminino (5/7 de Outubro).

 

RCT

J

N

£

V

PF

PMF

PQF

1

Mitchell

Mann

ING

4825

1

1

1

2

2

Brandon

Sargeant

ING

4725

1

1

2

0

3

David

Grace

ING

3650

1

1

1

0

4

Barry

Pinches

ING

2625

1

0

0

1

5

David

Lilley

ING

2200

1

0

0

0

(RCT: Ranking Challenge Tour £: Libras V: Vitória PF: Presença Final PMF: Presença Meia-Final PQF: Presença Quartos-Final)

 

EverGrande China Championship

 

Fase

Mark

Selby

ING

F

John

Higgins

ESC

F

QR1

Jimmy

White

ING

5-2

Duane

Jones

GAL

5-1

R1

Akani

Songsermsawad

TAI

5-3

Allan

Taylor

ING

5-3

R2

Chang

Bingyu

CHI

5-1

Mei

Xiwen

CHI

5-4

R3

Hossein

Vafaei

IRA

5-3

Scott

Donaldson

ESC

5-3

QF

Yuan

Sijun

CHI

5-2

Judd

Trump

ING

5-3

MF

Zhao

Xintong

CHI

6-4

Lu

Haotian

CHI

6-3

 

20180930182748_113.jpg

Mark Selby

(ING)

Vencedor do 2018 China Championship

 

Fase

J

N

F

J

N

Final

Mark

Selby

ING

10-9

John

Higgins

ESC

 

Concluída a 4ª prova do Circuito Mundial de Snooker (época 2018/19) – e ainda com o inglês Ronnie O’Sullivan (The Rocket) ausente – o atual líder do Ranking Mundial o inglês Mark Selby, torna-se no 4ª jogador (diferente) a vencer esta temporada (reforçando a liderança do RM) uma prova contando p/RM: o EverGrande China Championship. Com os jogadores chineses a terem uma boa prestação – especialmente Lu Haotian e Zhao Xintong (eliminando o Campeão do Mundo o galês Mark Williams na 3ª Ronda) ambos presentes nas meias-finais – assim como o vice-Campeão do Mundo de Snooker o escocês John Higgins só batido na negra (e na Final) pelo líder do RM (Mark Selby). Com Mark Selby (1º), Mark Williams (2º) e Ronnie O’Sullivan (3º) a manterem as suas posições no RM e com o líder da época (concluídas 4 provas) a ser Mark Williams (seguido de Martk Selby e David Gilbert).

 

Tendo-se já iniciado (esta segunda-feira) a 5ª prova contando para o RM – o Masters Europeu – decorrendo de 1 a 7 de Outubro na cidade belga de Lommel. Com o inglês Judd Trump a tentar reconquistar o troféu (ganho em 2017), tendo ainda que disputar a pré-qualificação (defrontando o seu compatriota Martin O´Donnel) antes de poder disputar a 1ª ronda (frente a outro inglês Liam Highfield). Com transmissão Eurosport.

 

(imagens: worldsnooker.com – livesnooker.com)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:57

10
Mai 18

[No caminho de uma Nova Ordem (Mundial) Tutelada ‒ mas por quem?]

 

Para um leigo minimamente informado sobre o problema norte-coreano e iraniano, o principal perigo que esta nova situação poderá originar ‒ dada a fórmula de resolução parecer ser a mesma anteriormente aplicada à Coreia do Norte (sanções e mais sanções) levando-a a isolar-se ainda mais e a ter hoje um arsenal nuclear como pretexto para se defender, negociar e no fundo existir ‒ reside no facto de os EUA ao romperem unilateralmente o Acordo Nuclear Iraniano acordado em 2015, poderem estar a contribuir (se calhar deliberadamente e no final podendo fazer implodir todo o Médio-Oriente/e os seus poços de petróleo) para no futuro (a curto-prazo) o Irão se tornar num clone do que é hoje a Coreia do Norte: efetivamente uma potência nuclear.

 

war-war-3-min.jpg

Playing with Fire:

Trump’s Iran policy risks cloning North Korea

(James M. Dorsey/globalvillagespace.com/03.08.2017)

 

Com o Mundo de momento a balançar entre a Coreia do Norte e o Irão ‒ e com o proprietário e manipulador da balança a ser o Excecional (Centro do Mundo Científico, Tecnológico, Económico e Financeiro) e Dono do Mundo (Supremacia Militar Global esmagadora) Estados Unidos da América ‒ será interessante tentar compreender o motivo pelo qual a atual Administração da Casa Branca (sob a liderança do Republicano e 45ª Presidente dos EUA Donald Trump) tomando nas suas mãos o Futuro do planeta (como Polícia do Mundo) e perante os 4 países constituindo o Eixo do Mal (China, Rússia, Coreia do Norte e Irão), decide surpreendentemente chamar para negociações de Paz um deles (logo dos dois e no presente o mais perigoso, igualmente o mais mal comportado e o nuclearmente já armado) ‒ a Coreia do Norte ‒ enquanto inopinadamente vai desde já ameaçando um outro (rasgando unilateralmente um acordo englobando outros signatários e como tal desrespeitando-os) com mais sansões, bombas e Guerra ‒ o Irão. Será por causa do Petróleo?

 

PAÍS

EUA

(Estados

Unidos

da

América)

IRÃO

(Republica Islâmica

do

Irão)

COREIA NORTE

(Republica Popular

Democrática Coreia)

Países com fronteira terrestre

comum

(2)

Canadá e México

(7)

Iraque, Turquia, Arménia, Azerbaijão, Turquemenistão, Afeganistão e Paquistão

(3)

Coreia do Sul, Rússia e China

Principais

Aliados

&

Inimigos

Europa Ocidental, Canadá, Coreia Sul, Austrália, México, Israel, Japão, Filipinas, Arábia Saudita, Emiratos Árabes Unidos, Marrocos

&

China, Rússia, Irão, Coreia Norte

Rússia, Índia, Líbano, Síria

(e terroristas do Hezbollah)

&

EUA, Arábia Saudita, Israel

(e terroristas do Exército Islâmico e Al-Qaeda)

China, Rússia, Bulgária, Benim, R.D. Congo e Madagáscar

&

EUA

Presidente

kUuht00m_400x400.jpg

 Donald Trump

(71 anos)

250px-Hassan_Rouhani.jpg

 Hassan Rouhani

(69 anos)

Kim_Jong-un_at_the_Workers'_Party_of_Korea_main_bu

 Kim Jong-un

(34 anos)

Capital

 

Washington

Teerão

Pyongyang

População

 

324.500.000

78.200.000

24.900.000

Área

 

9.860.000Km²

1.648.000Km²

120.500Km²

GDP

19.400.000

(milhões USD)

400.000

(milhões USD)

15.000

(milhões USD)

Balança Comercial

-860.000

(milhões USD)

+ 45.000

(milhões USD)

-2.000

(milhões USD)

Principal produto Exportação

Serviços:

360

(biliões USD)

Aviões/Automóveis/Máquinas:

290

(biliões USD)

Petróleo/Derivados/Farmacêutico:

160

(biliões USD)

Petróleo:

22

(biliões USD)

Carvão:

1000

(milhões USD)

Vestuário:

550

(milhões USD)

Petróleo

 

3º Produtor

Petróleo

(líder Arábia Saudita)

 

10º Em Reservas

(líder Venezuela)

5º Produtor Petróleo

 

 

4º Em Reservas

 

-

 

-

Armas Nucleares

7.200

0

10

(mínimo)

Orçamento Militar

554,0

(biliões USD)

12,3

(biliões USD)

15.0

(biliões USD)

Militares (A+R)

 

2.100.000

2.350.000

1.800.000

Artilharia

 

3.300

5.400

13.000

Tanques

 

57.000

5.700

19.500

Aviação

 

20.000

1.490

2.350

Tabela Comparativa ‒ EUA, Irão e Coreia do Norte

Valores aproximados

(A: No ativo R: Na reserva)

 

Flag-Pins-Iran-North-Korea.jpg

The North Korea-Iran Link

Will Test Trump

(Lt. Colonel James G. Zumwalt ‒ USMC (Ret.)/aim.org/28.02.2017)

 

Com a tabela anterior a poder dar uma pequeníssima contribuição para o esclarecimento deste grande Mistério (num caso com piruetas impossíveis de imaginar e muito menos de executar/Coreia Norte e no outro com muito mais adrenalina, dando saltos pretensamente planeados/seguros em direção ao abismo/Irão), envolvendo dois (dos 4) países integrando o Eixo do Mal, não os mais fortes sim os mais fracos, mas aliados (segundo os países integrando o Eixo do Bem) e sem dúvida representando por incorporação tradicional (e atualizada) o Mal (podendo agora numa nova temporada ‒ saltando para fora a Coreia do Norte ‒ ver a sua constituição ‒ do Eixo do Mal ‒ descontinuada e redefinida). Aparentemente com os EUA sob a liderança de Donald Trump (acompanhado pelos representantes na sua Administração do Complexo Industrial-Militar e contando ainda com o regresso de alguns dos falcões e estrategas das duas Guerras do Golfo) ‒ numa atitude dúplice (característico de alguém com dupla personalidade) deixando o Mundo confuso e extremamente preocupado (pela destruição brutal já registada nessa zona do globo terrestre originando contingentes infindáveis de migrantes em fuga da guerra e da morte) ‒ a optarem por uma estratégia de contenção na região envolvendo a Península da Coreia (sem interesse comercial no norte, dispondo este de arsenal nuclear e tendo como vizinhos a China e a Rússia) e de rutura, ameaça e provocação no que diz respeito ao Irão (rico em petróleo, sem arsenal nuclear/mas se forçado pelos norte-americanos podendo replicar o sucedido ‒ com impulso dos EUA ‒ na Coreia do Norte, não fazendo fronteira com a China/Rússia só com ex-repúblicas da URSS, mas tendo muitas portas de entrada/penetração para grupos terroristas).

 

(imagens: globalvillagespace.com/wikipedia.org/aim.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:01

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
18

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO